terça-feira, 15 de setembro de 2015

Dar um passo atrás, para depois dar dois adiante!...


"Às vezes é preciso dar um passo atrás, para depois dar dois  adiante",  será a frase universalmente celebrada de  Vladimir Ilitch Lénine, sobre a política económica pós-revolução soviética, que nos permite entender porque, amiúde, colheremos dividendos óbvios se retrocedermos por algum tempo no rumo que as nossas ideias e princípios nos determinam, para depois, alcançada a necessária solidez na caixa da partida, voltar para o caminho que acreditamos como melhor. 

A maioria de nós faz isso meio a contragosto, porque o que todos desejamos é mesmo andar para a frente, ao ritmo que achamos como melhor e quase desprezando a segurança de sabermos onde pisamos. 

Só que a vida não é assim, nem sempre é possível segui-la em linha recta e quantas vezes os caminhos de ontem não são os mais adequados para hoje. Quando Lénine referiu "um passo atrás", falou exactamente de... luta. Já os "dois passos adiante" apenas poderiam pretender significar... vitória! E nesse preciso momento, fácil será reconhecer que um passo atrás valeu a pena. O mesmo acontecerá nas coisas mais insignificantes da vida, como por exemplo quando nos propomos saltar um obstáculo em corrida: temos que nos afastar, recuando, para saltarmos mais alto. Também no futebol, quanto mais recuar o jogador na marcação de um livre, mais forte partirá depois a bola.

Tudo o que normalmente conseguimos de bom na vida, foi um bom número de vezes obtido porque demos um passo atrás. E esse passo atrás resultou, não apenas em dois, mas quantas vezes em vários passos adiante. Por isso, se quisermos obter vitórias na vida, precisamos de dar passos atrás! Porque, quando vivermos os passos adiante, estaremos exactamente a celebrá-las.

Quando Bruno de Carvalho chegou a Alvalade, apanhou uma extensa frota de "eléctricos amarelos" em andamento e velocidade de cruzeiro. Entre todos sobressaía um, moderno e resplandecente, chamado... Carrillo, que talvez pudesse ter apanhado com facilidade: a sua juventude permitir-lhe-ia ensaiar com facilidade uma curta corrida e dificilmente um dos seus pés não alcançaria o estribo. Mas por obediência a ideias e princípios que lhe terão valido a vitória nas eleições que o conduziram à liderança leonina, terá entendido não correr o risco de apanhar o eléctrico em andamento e longe da paragem.

Estará agora colocado perante o dilema com que Lénine foi confrontado em 1919:

Dar um passo atrás, para depois dar dois adiante!...

Leoninamente,
Até à próxima

1 comentário:

  1. Desejo sinceramente que ainda haja espaço à frente para os dois passos.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE