segunda-feira, 31 de julho de 2017

Por essas e por outras é que o rapaz foi espairecer até Vila do Conde!...



O que se pode esperar de um jogador de futebol que lê José Saramago?

«Francisco Geraldes, jogador do Sporting, foi fotografado a ler um livro de José Saramago no banco dos suplentes, antes de um jogo de preparação. E o que é espantoso, aqui, é o espanto, a dúvida e a desconfiança que a foto (a prova do "crime") suscitou. De repente, um jogador a ler um livro de Saramago numa hora morta era tão estranho, tão extraordinário, como o nascimento de um tigre com duas cabeças no zoo da Maia.

Eis o preconceito, a crença numa suposta incompatibilidade entre acção (o futebol) e pensamento (a literatura). Vem de longe. Pahiño, um avançado do Real Madrid dos anos 50, trazia sempre com ele um livro para aproveitar as horas mortas nas viagens e hotéis. Num dia em que o jogo lhe correu mal, um jornalista escreveu: "O que se pode esperar de um jogador que lê Tolstoi e Dostoievsky?" Pois bem, era a uma pergunta assim que, agora, queriam chegar todos os que fizeram de um não-facto uma notícia. Vi um programa de televisão em que a apresentadora perguntava ao painel: "Jorge Jesus não estranhará? Isso não pode prejudicar o jogador?" Lá está: o que se pode esperar de um jogador que lê Saramago? Lamentava um dos comentadores (António Figueiredo): "Um livro como aquele, tão pesado...". O peso: eis o problema. Se fosse um livro de Margarida Rebelo Pinto, ou a revista Lux, estava tudo bem. Mas o "Ensaio sobre a Cegueira"... Um jogador de futebol, que é um ser de instinto, forçar a tal ponto o sistema cognitivo... Não interferirá isso com a sua outra condição?

O que se pode esperar de um jogador que lê Tolstoi ou Saramago é, naturalmente, o mesmo que se pode esperar de um outro que só consegue ler as letras gordas dos anúncios. Porém, persiste ainda o temor de que um excesso de consciência possa inibir de algum modo o saber do corpo. A culpa é da natureza do jogo, que se afasta dos domínios do consciente (e de tudo o que é culturalmente adquirido), accionando secretos mecanismos instintivos. O futebol dirige-se à nossa irracionalidade, a esse não-humano que desde sempre nos habita. Sabemos que a racionalidade é um utensílio maravilhoso, mas existem coisas que excedem o espírito humano e o futebol é uma dessas. Ele devolve o homem que o joga a uma primeira natureza, instintiva, que se opõe à segunda natureza do pensamento e da consciência; e esse, o animal humano, dificilmente se interessa por algo tão distinto como a cultura densa. Daí que, nos longos estágios, a maioria dos jogadores frequente actividades ligeiras: jogos de bilhar, de cartas, vídeo-jogos e filmes do 007, tudo coisas que não pesem na cabeça, como queria o outro.»
(Álvaro Magalhães, Opinião, in O Jogo)


Com a preciosa ajuda de Álvaro Magalhães penso ter entendido finalmente essa terrífica moda que parece ter tomado conta da "corporação" dos jogadores de futebol em relação aos "artísticos" cortes dos seus cabelos: com muito raras excepções, todos eles procuram evitar "coisas que lhes pesem na cabeça, como queria o outro"!...

Quanto à questão central que AM nos trouxe nesta sua avisada crónica, muitos sportinguistas entre os quais me incluo, viram-se na necessidade de alterar substancialmente o género de leitura já enraizada nos seus hábitos ao longo dos últimos anos, afastando-se decididamente de "cartilhas facebuquianas e leituras de cordel", devido à má influência do Chico Geraldes!...

Por essas e por outras é que o rapaz foi espairecer até Vila do Conde!...

Leoninamente,
Até à próxima

E o rabo entre as pernas!...




Eu, quando me acagaço, coloco-me sempre no meu lugar. E vou ladrando, assim como que a não querer, mas é superior a mim...

Eu jamais atravesso a fronteira do que posso ser, embora a língua me descaia muitas vezes para a jactância e os meus latidos nervosos incomodem muita gente. De tanto latir já me chamaram latão!...

Eu aprendi nos mínimos detalhes o limite imposto às pessoas menores, embora tenha más digestões com a minha menoridade intelectual. Por isso vou ladrando...

Os grandes homens atravessam pontes em ruínas quase indiferentes, eu atravesso uma ponte segura sempre com preocupação. Mas nunca parei de ladrar...

Ensinaram-me a ser pequeno e a rastejar por entre as botas brilhantes dos que impõem a ordem ao mundo, embora a saliva da inveja me inunde o peito. Contudo, ladro sempre...

Julgo que cumpro com exacta perfeição a minha função no mundo: servir! Embora ladrando, sempre... Até já houve quem, de tanto me ver e ouvir ladrar, me chamasse ladrão!...

E só quando o perigo me ameaça, fico de boca fechada, os braços abertos, um sorriso amarelo nos lábios...

E o rabo entre as pernas!...

Leoninamente,
Até à próxima

Se somos um estado de direito ou uma república das bananas?!...



Braço de ferro entre o IPDJ e o Benfica!...

Depois de intimado o "chefe dos DDTs" nega ter recebido a noticiada intimação e numa atitude provocatória afirma: «Claques no Benfica? Nunca 'sube'(?) que palavra(?) é essa. Sei o que são sócios organizados. Nunca 'sube'(?) que o Benfica tinha claques... Tenho a certeza que o Benfica vai jogar com o  Braga no Estádio da Luz!...»

Faltam cinco (5) horas para conhecermos o triunfo da lei ou dos ddts?!...

SE SOMOS UM ESTADO DE DIREITO OU UMA REPÚBLICA DAS BANANAS?!...

Leoninamente,
Até à próxima

O arrepio daquela noite em Alvalade será irrepetível!...



Muito dificilmente encontraremos dentro da actividade e criatividade humanas dois factores que mais estimulem a sensibilidade e os afectos que o desporto, nomeadamente o futebol, e a música. E se acontece juntarem-se, a mistura é explosivamente arrepiante!...

Do futebol, desde Alfredo Di Stefano, Ferenc Puskás e Fernando Peyroteo, passando por Edson Arantes do Nascimento (Pelé) e Eusébio da Silva Ferreira e desaguando nos tempos actuais em que pontificam Messi e Cristiano Ronaldo, a mensagem que neste blog tem sido passada nos seus mais de seis anos de existência, fala por si.

A música, não sendo propriamente o "leitmotiv" de Leoninamente, surge sempre por aqui, espaçadamente e por motivos muito especiais. Hoje, o motivo que me empurrou para este postal, foi o facto de mão amiga, através da sua página do facebook, me ter voltado a provocar uma levíssima "pele de galinha", de algum modo semelhante à que me inundou o corpo na noite de 06 de Agosto de 2003. Mas já lá iremos...

Começo por apresentar quem todos nós conhecemos, desde os gloriosos tempos dos anos 90, em que Júlio Isidro colocou de pé e nos ofereceu o seu "Regresso ao Passado", um dos mais bem conseguidos programas de televisão de sempre e onde despontou entre um valioso naipe de talentos, Dulce Pontes, uma das vozes mais prodigiosas que Portugal até agora conheceu e Ennio Morricone, um celebrado e universalmente reconhecido e premiado compositor, nascido em Itália em 1928, maestro e orquestrador, repartido entre áreas tão complexas e difíceis como serão a trilha sonora, músicas clássica e pop, jazz e easy listening.

Da extensa e fabulosa obra de Morricone, destacarei por razões que se prendem com o tema central deste postal, da trilha sonora da obra cinematográfica "Once upon a time in West", de 1968, uma das mais belas composições, intitulada "Deborah's theme".




Não poderei afirmá-lo com segurança, mas suponho que os caminhos de Ennio Morricone e Dulces Pontes se terão cruzado algures nos finais do milénio passado e terá nascido entre ambos o desejo de cimentarem e até eternizarem esse conhecimento e assim terá nascido "Your Love" que, juntamente com outras composições, deram origem ao álbum e DVD de Dulce Pontes, "Focus".

Para mim que apenas aprecio a música "de ouvido" julgo encontrar em "Your Love", algumas "estrofes" de "Deborah's Theme". Os "experts" dirão se estarei ou não errado, mas daquilo que entre parêntesis aparece a seguir ao título, quase sou obrigado a reconhecer razão ao meu pensamento.





Your Love


Dulce Pontes
2003

I woke and you were there
Beside me in the night.
You touched me and calmed my fear,
Turned darkness into light.


I woke and saw you there
Beside me as before
My heart leapt to find you near
To feel you close once more
To feel your love once more.


Your strength has made me strong
Though life tore us apart
And now when the night seems long
Your love shines in my heart...
Your love shines in my heart.


Corria ainda o ano de 2003, quando alguém responsável pela concepção e organização do espectáculo de inauguração do Estádio José Alvalade se terá lembrado de Dulce Pontes, Ennio Morricone e "Your Love" e daí à excelência do que todos nós tivemos o privilégio de assistir nessa inesquecível noite foi apenas o "pequeno passo" para que a mais bela prenda da festa  nos fosse oferecida.

Sentado na bancada entre os restantes mais de cinquenta mil leões, embevecido e transportado para um mundo que nunca julgara ser possível desfrutar, enquanto aquela voz nos oferecia o talento de uma dupla porventura irrepetível, pela única vez na minha vida senti-me galinha, pelo menos na pele, enquanto o meu coração voava alto, muito alto, num dos momentos mais felizes de toda a minha vida.




Amor A Portugal

Dulce Pontes
2003
O dia há de nascer
Rasgar a escuridão
Fazer o sonho amanhecer
Ao som da canção

E então:O amor há de vencer
E a alma libertar
Mil fogos ardem sem se ver
Na luz do nosso olhar
Na luz do nosso olhar

Um dia há de se ouvir
O cântico final
Porque afinal falta cumprir
O amor a Portugal


André Rieu - O amor a Portugal! DVD - Romantic Paradise (Live in Cortona, Italy) (2003)

Nunca serei capaz de colocar em causa a beleza do espectáculo (imagem acima) que a tal "mão amiga" me fez chegar pelo facebook, mas...

O arrepio daquela noite em Alvalade será irrepetível!...

Leoninamente,
Até à próxima

E depois da festa, reina a calma em todo o país!...


No sábado e no domingo foram dias de festa!...

E depois da festa, reina a calma em todo o país!...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 30 de julho de 2017

Depois de um bom banho com zeroadois, qualquer bebé dorme bem!...



Depois de um bom banho com zeroadois, qualquer bebé dorme bem!...

Leoninamente,
Até à próxima

Vamos ver quem acabará por ficar de cócoras: o IPDJ ou o Benfica?!...




SPORTING E FC PORTO EXIGEM QUE O ESTÁDIO DA LUZ SEJA 'FECHADO'

Clubes querem mão pesada por parte das instituições que decidem (LINK1)

Poucos se lembrarão já da exposição e pedido formalizados pelo Sporting Clube de Portugal e Futebol Clube do Porto junto do IPDJ, vai para quatro meses, mais precisamente, a julgar pela notícia do jornal Record, em 07 de Abril de 2017, no sentido da interdição do estádio da Luz, face ao apoio dado pelo clube proprietário às reconhecidamente ilegais claques organizadas.

Ora precisamente no dia de hoje e a fazer fé na notícia publicada pelo Jornal de Notícias:



BENFICA IMPEDIDO DE REALIZAR JOGOS NA LUZ POR QUESTÕES DE SEGURANÇA

Benfica foi notificado da nulidade do regulamento de segurança. Águias têm de responder até segunda-feira. (LINK2)

Estes são os factos a que os DDTs, desde a participação do Sporting CP no início de Abril deste ano e que no imediato recebeu a adesão do FC Porto, terão ligado tanto quanto o ditador Salazar ligava à oposição em tempos de Estado Novo, deixando, convencidos da sua impunidade, arrastar o processo, até que chegado ao dia 25 de Julho, terça-feira passada, o IPDJ entendeu decretar o impedimento do estádio da Luz e terá notificado o Benfica da nulidade do regulamento interno do seu recinto, estabelecendo o prazo de até à próxima segunda-feira, 31 de Julho, para o clube se obrigar a regularizar a situação, correndo o risco de estar impedido de realizar o jogo da primeira jornada da Liga, frente ao Braga, na Luz.

Obviamente que o cerne de toda esta questão reside, para além da velha  e recalcitrante questão de apoiar claques ilegais, exacta e precisamente no vídeo-árbitro, que a colectividade escarlate abomina e tenta por todos os meios impedir a sua implementação. Por isso o recinto dos DDTs será o único ainda não sujeito aos testes a que todos os restantes clubes já se sujeitaram; por isso a Eusébio Cup, normalmente o jogo de abertura da nova época escarlate, foi relegada para as calendas da temporada; por isso já fizeram constar através da sua "central goebbelsiana de comunicação escarlate" - vidé declarações de Rui Vitória sobre a matéria - que irão receber o Braga no Jamor, estádio onde, ao que se sabe, tal encontro não poderá ser realizado, pelo simples facto de lá ainda não ter sido testado o VAR, entre equipas seniores masculinas de primeiro plano.

O que os DDTs talvez não estivessem à espera, terá sido da intervenção do IPDJ e agora vêem-se na contingência de não terem tempo útil de alterar as disposições regulamentares que mantêm em vigor à revelia da lei geral do país, nem legalizar as claques, nem de fugir à "verdade desportiva" que, potencialmente, o VAR representa e da qual fogem como "diabo da cruz"!...

A menos que voltemos a ser confrontados com a "verdade" de o estádio do Algarve ficar a menos de 30 quilómetros da Luz e o "braguinha" tenha uma "robustez gástrica" do tamanho daquela que demonstrou então a colectividade do Estoril, presidida ao tempo pela inenarrável, impoluta e conceituada figura do Figueiredo!...

Vamos ver quem acabará por ficar de cócoras: o IPDJ ou o Benfica?!...

Leoninamente,
Até à próxima

E o melhor ainda está para vir!...



E o melhor ainda está para vir!...

Leoninamente,
Até à próxima

Não me obriguem a vir para a rua gritar!...



Reina a calma em todo o país!...


Não me obriguem a vir para a rua gritar!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 29 de julho de 2017

Ó Presidente, porque não uma cláusula igual ao Gelson?!...


Foi a meu ver e de muito, muito longe o melhor em campo no Troféu Cinco Violinos! SIR WILLIAM, THE KING!...

Ó Presidente, porque não uma cláusula igual ao Gelson?!...

Leoninamente,
Até à próxima 

Aqui para nós, o VAR é um sarilho!...


Anda para aí um "saralho do carilho" com o danado, o estupor, o safado e filho de uma mãe solteira do VAR!...

A APAF parece ter seguido a "filosofia de Pilatos" e com este tempo quente nem de toalha precisa, é uma limpeza: "o VAR decide e nós cumprimos e mai'nada"!...

À cautela e para que não haja más interpretações, as estrelas que um qualquer cartoonista mal intencionado abusivamente lhes colocara há tempos por cima do logotipo, já voaram e até a pobrezinha da águia, para não dar nas vistas e desaparecer de repente, vai-se esbatendo na cor, esbatendo, esbatendo e quase já não se consegue ver! Um dia destes é tudo gente séria, com o devido respeito por alguma gente séria que sempre por lá andou a defrontar tempestades, dificuldades, desconsiderações, despromoções...

A passarada estupefacta, assiste de má catadura enquanto o "sarilho" desce e sobe, sobe e desce, levando para as profundezas do poço as suas preocupações e trazendo para cima, sempre, mas mesmo sempre, o balde vazio, uma mão-cheia de nada!...

Lá por terras helénicas dirá o Bítaro com um sorriso triunfante: "olha do que eu me livrei, pôrra! Oxalá que por aqui não se lembrem do mesmo"!...

Hoje em Alvalade, a certa altura o Pinheiro desenhou no ar aquele gesto que já todos decorámos como indicador de que os senhores árbitros querem ver a "pantalha do VAR" e eu disse para o meu sofá, depois de ouvir o narrador da transmissão televisiva dizer que o Bas Dost estava em posição regular: vai ser validado o golo! Torna-se cada vez mais óbvio que nenhum árbitro a partir da introdução do VAR em Portugal, se deixa cobrir pelo ridículo de contrariar as imagens que toda a gente já viu! Nem que seja contra o Benfica!...

Quanto ao jogo, pouco haverá a dizer. Foi o último ensaio e para não quebrar a tradição desta malfadada pré-época, o Sporting andou por aquele sumptuoso relvado de Alvalade, como se estivesse a fazer um treino. Um treino mole e sem velocidade, contra uma equipa que tem metade do tempo de preparação que o Sporting já leva. Mas o Sandokan é que sabe!...

Falta uma semana para a estreia e faltarão ainda mais os tais dois, ou três, ou mesmo quatro reforços com que a pasquinada por aí vai acenando!...

Ainda não tive oportunidade de ler ou ouvir as considerações do "mestre" sobre o "excelente jogo" feito pelo Sporting. Mas imagino-as...

Mas aqui para nós, o VAR é um sarilho!...

Leoninamente,
Até á próxima

A "sonsice" é como o azeite e o algodão!...


«Étienne Capoue verso l'addio al Watford. Secondo quanto riporta il Daily Mail, il centrocampista francese avrebbe avuto un diverbio molto acceso con mister Silva dopo la sconfitta in amichevole coi Rangers. Il club valuta ora la sua cessione.» (LINK)

A "sonsice" é como o azeite e  o algodão!...

Leoninamente
Até à próxima

Correm rumores de que ainda não ficará por aqui!...



Dizem que Stefan Ristovski será a próxima contratação do Sporting! E alguém já terá descoberto que o lateral direito/esquerdo do HNK Rijeka, já vai a seguindo no Instagram a actividade do seu próximo clube.

Será a 11ª contratação "conseguida" por Jorge Jesus!...

Correm rumores de que ainda não ficará por aqui!...

Leoninamente,
Até à próxima

Apenas porque a felicidade de Salin será também nossa!...



Há poucos minutos "o bacalhau" confirmou oficialmente (LINK) o que já era dado como adquirido pela grande nação leonina: Romain Salin é o novo nº 2 na baliza do Sporting Clube de Portugal. E vão dez (10)!...

Com alguma dificuldade os sportinguistas tentarão esquecer o que este mesmo jogador um dia teve a ousadia de dizer em relação ao Sporting - Fábio, deixaste de ser único! - e, naturalmente, desejam-lhe as maiores felicidades...

Apenas porque a felicidade de Salin será também nossa!...

Leoninamente,
Até à próxima

"La crítica ayuda a tu éxito (si tu lo permites…)"!...




Julgo que poderá estar a ser cometido um grave erro na grande nação leonina, ao permitir-se ou mesmo estimular-se o triunfo do fundamentalismo de uns quantos espíritos sportinguistas - pretensamente julgados ou auto-proclamados mais sportinguistas do que os demais! -, na condenação de todos aqueles que são capazes de evidenciar a coragem suficiente para afirmar que em certas matérias fundamentais da vida do Clube, o rei vai nu - obviamente e em contraponto, julgados ou acusados de sportinguistas menores.

Estará em curso no Sporting a implementação irracional e estúpida do famigerado "culto da personalidade", responsável histórico maior pela derrocada de tantos e tantos impérios, com o estabelecimento de uma linha, fronteira, raia, "muro de berlim", que começa a separar, quiçá irremediavelmente, a grande família sportinguista: de um lado o fundamentalismo, a defesa absurda, animalesca e acrítica de uma determinada linha de rumo indiscutível e jamais escrutinável, os "carneiros", os "yes man", os bons sportinguistas; do outro, todos o que pensem o contrário e ousem afirmá-lo,  os mau sportinguistas. 

Deixei por aqui ainda o dia de hoje era uma criança e aproveitando a sugestão de um insuspeito sportinguista, autor do blog "Leão 17", um fabuloso apontamento de José de Pina, que de forma brilhante considerou que o nosso rival do outro lado da rua seria "uma organização com um clube". Pela parte que me toca e correndo o risco de ser considerado "mau sportinguista", a minha luta no momento actual do Sporting, que o mesmo será dizer, as minhas críticas, vão no sentido de jamais o Sporting enveredar pelo caminho de se tranformar, plagiando descarada e asininamente o nosso rival, naquilo em que este está transformado. O que pretendo e não estarei sozinho nesta encarniçada luta, é que o Sporting seja um Clube organizado, em vez de uma organização com um clube, sujeito aos ditames espúrios ou mesmo mafiosos dos organizadores.

Sempre entendi e continuarei a entender, como magistralmente "ensina" Luís R. Silva no vídeo que decidi fazer acompanhar estas minhas palavras...

"La crítica ayuda a tu éxito (si tu lo permites…)"!...


Leoninamente,
Até à próxima

É tempo de vergar a mola!...



AQUI NÃO HÁ FÉRIAS - Até parece que és bruxo!


«A lampionagem não gosta e não quer que os Sportinguistas falem deles, é natural. Querem ficar sossegados a tomar de assalto o país desportivo e social. Há dois anos quando lancei o termo Estado Lampiânico sabia do que é que estava a falar. Quando há mais três anos na Sporting TV, no Futebol de Perdição, falei do carrossel dos 15 milhões do Mendes, parecia brincadeira, não parecia? Desculpem a falta de modéstia, mas por vezes tem de ser: foram 15 anos como autor a escrever o Contra-Informação, a ler muitas noticias, a saber muitas coisas, a pensar sobre a realidade. Trabalho em criatividade e guionismo, sei o que são manobras de comunicação, marketing e publicidade. Sei como se passam mensagens subliminares em capas de jornais. Lembram-se do que alertei aqui sobre aquela capa do Renato Sanches a ser abraçado pelo adepto no meio do campo com a montagem do Ronaldo pequenino e desolado a seus pés? 
Sei como funcionam empresas como a Escritório (sim, eles são bons) que faz as promoções do slb. É de esperar que um dia destes apareça uma promoção qualquer com a expressão: "Até parece que és bruxo". 
O vieirismo é um projecto monopolista alavancado no mito urbano do "somos mais de seis milhões": são hotéis, querem uma escola secundária e uma universidade benfica no Seixal, querem gerir clubes da Premier League, só falta criarem uma nova religião: Igreja Vieirista do Sétimo dia. Já alertei e volto a dizer: o benfica não é um clube organizado, é uma organização que tem um clube. E, naturalmente, como essa organização quer crescer, tudo faz para reduzir ao mínimo o Sporting Clube de Portugal e demais rivais. E eu, como sou do Sporting, cá estarei para denunciar, o melhor que posso e sei, os truques comunicacionais do Estado Lampiânico. Peço desculpa pelo incómodo, mas vou continuar por aqui. A todos os mais de 39 mil que seguem esta página o meu muito obrigado.
Saudações Leoninas»
(José de Pina, na sua página do Facebook)

Bem haja José de Pina e boas férias! Há que aproveitar porque a 6 de Agosto...

É tempo de vergar a mola!...

Leoninamente,
Até à próxima

Veremos até onde irá a coragem de Ceferin!...


A MEDIDA QUE FALTA AO PRESIDENTE DA UEFA

«O presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, já percebeu que as actuais medidas do Fair Play Financeiro estão a ser facilmente contornadas pelos grandes clubes europeus e a prova disso é a avultada quantidade de negócios megalómanos que têm existido neste defeso. Os 150 milhões de euros que o Manchester City pagou por três laterais, os 180 que o Real Madrid promete pagar por Mbappé ou, até, os 222 milhões de euros da cláusula de Neymar que o PSG equaciona pagar são disso exemplo. Esta semana, o jornal italiano 'Gazzetta dello Sport' revelou que Ceferin pensa em três medidas a implementar de imediato e todas elas fazem lembrar... a Major League Soccer, dos Estados Unidos, onde o equilíbrio é a palavra de ordem.

O tecto salarial, um limite ao número de jogadores de cada plantel e o falado imposto de luxo fazem lembrar os orçamentos delimitados para todos os clubes da MLS, o máximo de 28 jogadores que qualquer equipa pode ter (20 sob um determinado orçamento e 8 sub-25 com outro também limitado) e ainda o termo de 'Designated Player', destinado a dois craques por equipa, cujo salário pode ultrapassar o orçamento. Obviamente que são ainda ideias em estudo mas que pretendem equilibrar o futebol europeu e pôr fim a um fosso que aumenta cada vez mais entre os gigantes endinheirados e os restantes clubes.

Mas Ceferin tem-se 'esquecido' de um pormenor muito importante, que promove também o desequilíbrio indesejado ano após ano. E que já tem sido alvo de fortes críticas de vários treinadores mas continua sem ser alterado: é uma aberração o mercado de transferências fechar só no dia 31 de Agosto. Sofrem as equipas mais pequenas, que iniciam as épocas com uma equipa e podem perder jogadores-chave até esse dia, podendo ser obrigadas a redefinir objectivos no dia 1 de Setembro. Porque se os gigantes podem pagar o que for preciso até 31 de Agosto, outras equipas não têm essa capacidade financeira para chegar, apresentar o dinheiro e trazer o atleta. O presidente da UEFA deve redefinir a data do fecho do mercado para mais cedo (talvez a 31 de Julho ou, no máximo, 10 de Agosto) para que esse equilíbrio pretendido tenha pernas para andar. Enquanto assim for, haverá sempre equipas a iniciar campeonatos sem saber com o que contar a partir de 1 de Setembro...»
(Hugo Neves, Linha Directa, in Record)


Completamente de acordo com a ideia central do assertivo e oportuno texto de Hugo Neves. O mercado deveria fechar inexoravel e implacavelmente dentro de três dias. Prolongar o "sofrimento" por mais 10 dias seria uma concessão que os clubes mais ricos, os tubarões europeus, de modo algum mereceriam.

Veremos até onde irá a coragem de Ceferin!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Haverá pecados ainda mais graves no Sporting!...


«Meu caro Nuno Saraiva

Conhecemo-nos há alguns anos e chegámos mesmo a trabalhar juntos no Expresso. Sempre mostraste ser um grande profissional e uma excelente pessoa. Hoje vi o que escreveste na tua página oficial do Facebook sobre a crónica que ontem publiquei na Tribuna Expresso. E compreendo-te. Trabalhas para o Sporting, tens de defender o clube. É normal: ninguém que trabalha para uma empresa ou instituição critica publicamente o patrão ou o presidente. E se é paga para as defender, tem de vir a terreiro fazê-lo.

O Sporting, contudo, é uma instituição de utilidade pública. Tem milhares de sócios, já teve muitos presidentes e muitos mais treinadores, terá mais presidentes e treinadores. Vivemos num país livre, logo num universo tão alargado de associados haverá sempre quem não concorde com o presidente de plantão ou com as opções do treinador que está de momento aos comandos.

Vamos então por partes. Bruno de Carvalho devolveu aos sócios do Sporting o orgulho de pertencerem ao clube e a fé de voltarem a acreditar em novas conquistas em todas as modalidades. Construiu o pavilhão, uma falha inadmissível num clube com a dimensão do Sporting. Renegociou com os bancos, ganhou folga financeira para não asfixiar a possibilidade de serem comprados novos jogadores que, a nível do futebol, nos dêem a possibilidade de ganhar a I Liga. Fez propostas para tornar muito mais transparente o futebol nacional. Relançou modalidades que estavam abandonadas e onde o clube tinha pergaminhos. Deixando de lado as suas afirmações truculentas e atitudes completamente desnecessárias, Bruno de Carvalho tem sido um grande presidente, que resgatou o Sporting daquele declínio irreversível em que parecia ter entrado.

Contratou dois grandes treinadores, Leonardo Jardim e Marco Silva, que infelizmente entendeu dispensar. Mal, claro, como se tem visto. Mas quando conseguiu trazer Jorge Jesus para o Sporting, fez algo de extraordinário: encontrou a peça que fez o click para galvanizar os sócios e os jogadores, ao mesmo tempo que traumatizava profundamente os nossos rivais da segunda circular. Foi um dois em um, que só não resultou logo na conquista do campeonato porque nessa altura não havia videoárbitro.

Tudo isso, contudo, não me faz esquecer outras coisas. Jesus está há duas épocas no Sporting e a começar a terceira. O que ganhou com os jogadores que herdou (e que tinham ganho uma Taça de Portugal) e com os muitos outros entretanto adquiridos? Uma Supertaça. É pouco, lamentavelmente pouco para a sua apregoada genialidade. E o pior é que os resultados tem vindo a descer.

Na sua primeira época à frente do Sporting, a equipa principal ficou em segundo lugar, marcou 79 golos e sofreu 21. Na época passada, o clube ficou em terceiro, marcou 68 golos (menos 11) e sofreu 36 (mais 15). Ora o guarda-redes foi sempre o mesmo (Rui Patrício), o meio-campo também (William e Adrien). Logo, o problema só pode ter estado na defesa.

E Jesus tem um manifesta esquizofrenia com as defesas dos clubes que treina. Já tinha no Benfica, onde os defesas esquerdos se sucederam com tanta regularidade que nem o mais acérrimo dos prosélitos do clube da Luz se consegue lembrar dos respetivos nomes. Inventou num célebre jogo no Dragão, onde colocou David Luiz, um defesa central, a jogar à esquerda. O Benfica perdeu por 5-0.

No Sporting, depois de termos feito uma monumental exibição em Madrid, fomos jogar com o Rio Ave. Perdemos 3-1, com Bruno César a defesa esquerdo. Os avançados passavam por ele como se fossem de mota e ele estivesse de bicicleta. Jesus só corrigiu o erro depois de termos o jogo perdido. Durante muitos jogos no ano passado resolveu apostar em Zeegelaar, embirrando claramente com Jefferson, que defende menos mal que Zeegellar mas é muito melhor a marcar livres, a centrar e a apoiar o ataque.

Também não deu quase oportunidades a Paulo Oliveira e não desistiu enquanto não o correu do clube. A dupla central de defesas mudou tanto que os sócios eram surpreendidos a cada jogo. Depois ficou-se por Ruben Semedo e Coates. Agora indicou a porta de saída a Semedo para contratar um tal Mathieu, que não tem, pela sua morfologia, nenhumas características de ser um defesa rápido e de ter rins flexíveis. E Coates precisa de um parceiro rápido ao seu lado, como eram Semedo ou Paulo Oliveira. Sem eles, a vida também lhe vai correr pior. E que dizer da dispensa de Schelotto para ser substituído por Piccini, que por sua vez ficou (descobriu-se agora em Alvalade!) sem nenhum concorrente para a sua posição?

Aliás, leio hoje no Record: “Urgente – Jesus quer lateral e central – Técnico procura alternativa válida a Piccini e Coates”. Pergunto: agora é que descobriram isso? A 15 dias de começar o campeonato? É que o problema não foi termos perdido com o Guimarães por 3-0. O problema é que não se vê como vamos solucionar o problema para o campeonato. E as grandes equipas constroem-se a partir da defesa, porque são aquelas que sofrem poucos golos.

Sim, eu sei que o André Pinto está lesionado. Mas o Tobias alguma vez é melhor que o Paulo Oliveira? E porque é que dispensámos o Schelotto? É pior que o Piccini? E agora o Coates também já não serve? Mais: o Mattheus Oliveira é melhor que o Francisco Geraldes? Não, não e não.

E vamos jogar com três centrais, em 3-4-3? Temos jogadores para isso? Até quando vamos experimentar o sistema? Vejam-se os resultados em sete jogos de preparação: 1 golo sofrido com o Belenenses, dois com o Marselha, 1 com o Fenerbahce, 3 com o Basileia, 3 com o Valência, 1 com o Mónaco, 3 com o Guimarães. 14 golos sofridos, média de dois por jogo. É assim que nos vamos candidatar a campeões? Isto não faz acender inúmeras campainhas de alarme nos comandos técnicos do Sporting e na direcção? E não será que, mais que por causa dos jogadores, é o sistema que está errado?

Por outro lado, Jesus está a reproduzir no Sporting o que fez no Benfica: a contratação de uma avalanche de jogadores sul-americanos em detrimento de oportunidades para os jovens da formação ou para jogadores portugueses que não foi ele que contratou. Não é o modelo do Sporting Clube de Portugal e é um enorme erro, que nos vai custar caro quando ele deixar o clube.

Meu caro Nuno, recebi o ano passado o meu emblema de sócio do Sporting Clube de Portugal há 25 anos. Mas na verdade deveria ter recebido outro emblema, porque desde os seis anos fui sócio do Sporting Clube de Luanda, um tempo que infelizmente não conta para a contabilidade do SCP.

Há 13 anos que pago a Gamebox. Tenho as quotas em dia. As maiores alegrias que tive foram a conquista dos dois últimos campeonatos pelo Sporting. No primeiro não estava em Portugal, mas no segundo andei a buzinar pelas ruas de Lisboa, bebi champanhe, pintei a cara de verde e branco e festejei exuberantemente com os meus filhos desde o Marquês, passando pela Avenida da Liberdade, até ao Largo do Pelourinho. Para sportinguista híbrido não está mal de todo.

Sabes, meu caro Nuno, quando fui do Conselho Leonino e tinha assento na parte da bancada principal destinada aos corpos sociais (coisa que pouco fiz porque prefiro de longe o meu lugar cativo), havia um senhor que se sentava ao meu lado e que passava o tempo a dizer que o Sporting não ganhava porque toda a comunicação social estava contra o clube.

E eu a olhar para o campo e a ver os nossos avançados a falhar golos de baliza aberta ou a nossa defesa a abrir alas para os adversários marcarem. O que é que a comunicação social tem a ver com a inépcia de jogadores e treinadores? O que é que a comunicação social tem a ver com contratações falhadas, programações de temporada erradas, escolhas de sistemas desadequados? Nada. Zero.

Mas eu acredito. Acredito sempre que o Sporting vai ultrapassar todos os obstáculos, todas as dificuldades, todas as barreiras. Acredito que os jogadores suarão e honrarão aquela camisola. Acredito que os sócios encherão de novo Alvalade esta época, com uma média de espectadores acima dos 40 mil (muito por causa do Presidente e do bom futebol que a equipa, apesar da falta de resultados, tem jogado) e que empurrarão o Sporting para muitas vitórias. E sei, como tu também sabes, meu caro Nuno, que se esta época for tão paupérrima de títulos como foi até agora, o reinado de Jesus termina em Alvalade. Ah, também sei que não há sócios de primeira e outros de segunda. Todos tem direito a dizer o que pensam, mesmo se não pensem o mesmo que o Presidente ou o treinador. E não será seguramente por causa de um artigo na Tribuna Expresso que o Sporting não ganhará a Liga 2017/2018. Estamos de acordo, meu caro Nuno?»
(Nicolau Santos, in Tribuna Expresso)


Trouxe para aqui ontem a crónica de Nicolau Santos "Sporting, assim não vamos lá". E assumo que terei cometido um erro: utilizei uma "inglesice" para significar o meu generalizado acordo com o texto e deveria ter utilizado a expressão bem portuguesa e muito mais de acordo com o meu sentir, que seria, "está tudo dito"!...

Não me identifico com Nicolau Santos apenas nos 25 anos de sócio que estarão por aí a rebentar, nem com o seu Lugar de Leão e as "gameboxes". Vejo como ele vê muito do que de bem e mal se tem passado no Sporting. Reconheço o extraordinário papel de Bruno de Carvalho na "restauração" do Sporting que amo, mas o meu apreço ainda consegue ir mais além quando está calado. Aplaudi quase "estericamente" a chegada de Jorge Jesus a Alvalade e hoje não sou capaz de lhe chamar outra coisa que... "Sandokan"!...

Porquê, perguntarão os sportinguistas que se habituaram a ver-me com uns "óculos" diferentes?! Porque nem sou "carneiro" e nem enquanto durar o meu campeonato hei-de deixar de afirmar por aqui, sempre, sempre aquilo que penso e sinto. E eu penso e sinto como Nicolau Santos: "Sporting, assim não vamos lá"!...

Pese embora o silêncio que os meus mais recentes postais têm merecido na caixa de comentários, numa compreensível dicotomia entre algum respeito que o autor de Leoninamente  possa merecer aos habituais comentadores e insanáveis divergências que possam existir com o que por aqui tenho exprimido, ninguém mais do que eu lamentará o que se está a passar no meu/nosso Sporting! E perdoem-me que o faça notar a todos, mas o meu amor ao Sporting proíbe-me totalmente de ir além do razoável e "desportivamente correcto" que por aqui tenho deixado transparecer. Infelizmente e pelo que vou sabendo e convictamente digerindo a sós com os meus fígados...

Haverá pecados ainda mais graves no Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

Que trabalheira ensinar estes meninos que ainda só nasceram uma vez!...


Chegam notícias de que Merih Demiral e Ivanildo Fernandes terão sido chamados ao último treino na Academia antes do encontro de amanhã com a Fiorentina... (LINK)

Que trabalheira ensinar estes meninos que ainda só nasceram uma vez!...

Leoninamente,
Até à próxima

E cá vamos, cantando e rindo, levados, levados, sim...


Completa amanhã 33 anos, guarda-redes, 189 cm/81 kgs, eis Romain Salin, que já passou pelo futebol português durante seis épocas - Naval, Marítimo e Rio Ave - e na passada temporada defendeu as cores do Guingamp/França, tendo alinhado apenas em 4 jogos, que as últimas notícias dão como certo em Alvalade para substituir Beto Pimparel, em mais uma "recomendação" de Jorge Jesus.

Chega a custo zero, depois de ter rescindido com o clube francês e consta que já se encontrará em Lisboa aguardando a desvinculação e a partida de Beto para a Turquia. O site Transfermarkt atribui actualmente um valor ao seu passe a rondar os 500 mil euros, portanto inferior ao do nosso Pedro Silva, fixado actualmente em 650 mil euros.

Será a 10ª contratação do Sporting para a temporada de 2017/18, mas não será muito difícil de adivinhar que, ao contrário do que foi adiantado recentemente por Bruno de Carvalho, no horizonte ainda se perspectivem mais duas, três ou até mesmo quatro contratações...

E cá vamos, cantando e rindo, levados, levados, sim...

Leoninamente,
Até à próxima

Pretenderá arranjar sarna para se coçar?!...


Nuno Saraiva critica nomeação de Vítor Pereira (LINK)

Mas qual será o interesse do Sporting em andar a discutir na praça pública a escolha e as implicações da nomeação do Bítaro para a liderança da arbitragem no futebol grego?! Será que Nuno Saraiva não tem mais nada para fazer?!...

Ou pretenderá arranjar sarna para se coçar?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Eis o esterco de jornalismo que se faz em Portugal!...

As capas dos três desportivos de 28 de Julho de 2017


Eis o esterco de jornalismo  que se faz em Portugal!...

Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 27 de julho de 2017

I rest my case!...


Sporting. Assim não vamos lá. Esqueçam, vamos ter mais um ano perdido

«O Sporting perdeu ontem com o Vitória de Guimarães por 3-0 num jogo de preparação para a nova época que, para os leões, arranca no dia 6 de Agosto, na Vila de Aves, o jogo que abre a Liga 2017/18. E o mínimo que se pode dizer é que os sinais foram preocupantes, não pelas experiências que Jorge Jesus fez ou pelas adaptações que foi obrigado a fazer, mas pelas manifestas fragilidades que se estão a tornar evidentes como resultado de uma má política de dispensas e de um sistema táctico que agrava essas fragilidades.

Guarda-redes: o Sporting não pode vender Beto e vender também Rui Patrício. Patrício é o melhor guarda-redes português, um dos melhores a nível mundial e garante vários pontos por época, além de dar uma enorme tranquilidade a quem está à sua frente. Beto colmata bem os jogos em que ele não puder estar presente. Vender os dois será uma desgraça, a não ser que se consiga uma alternativa magnífica.

Defesa: como é possível o Sporting iniciar um jogo com Bruno César a defesa-direito? É possível porque Schelotto foi dispensado, João Pereira foi vendido a meio da época passada e só há um tal Piccini, que já esta lesionado – e que, quando não estiver, não terá concorrência para o lugar. Erro crasso na política de dispensas e contratações. E o responsável chama-se Jorge Jesus. Coates não parece, para já, o jogador da época passada. O erro que ontem cometeu e que lhe valeu a expulsão aos 20 minutos de jogo é inadmissível no jogador de uma equipa que tem pretensões a ganhar títulos. Mas a intranquilidade de Coates resulta também da venda de Ruben Semedo, que colmatava em rapidez o que lhe faltava em serenidade e experiência, bem como a venda de Paulo Oliveira, com quem Jesus nunca foi à bola, mas que era de longe o mais rápido dos defesas sportinguistas e um jogador de grande entrega e muita qualidade. Em contrapartida, veio Mathieu que é pesadão, lento, com rins duros e que, a cereja em cima do bolo, já está lesionado. Se sofremos muitos golos o ano passado, cheira-me que este ano vamos sofrer muitos mais. Basta ver o que tem acontecido na pré-época.

Para a esquerda temos um jogador com problemas emocionais e que estava quase arrumado (Coentrão) e um jovem que precisa de jogar para ganhar confiança, mas que está longe de ser melhor que Jefferson (outro com quem Jesus nunca foi à bola e que, enquanto não despachou, não descansou). Conclusão: temos um enorme problema na defesa por culpa exclusiva de Jesus e das más opções que tem tomado, quer ao nível das dispensas, quer no plano das contratações. Esperemos que André Pinto recupere da lesão para sentar Mathieu.

No meio-campo, temos duas incógnitas fundamentais: Adrien e William Carvalho ficam ou vão? Ficam os dois ou só um? Não fica nenhum? E se ficar um, qual será? Dos contratados, Matheus Oliveira pode ser filho de Bebeto, mas não é jogador para uma equipa que luta pelo título. Vai ser despachado rapidamente ou jogará muito pouco. Palhinha está uns furos acima dele – e é da casa. Petrovic e Battaglia também são melhores e dão mais garantias. Acima da média, contudo, só mesmo Bruno Fernandes, que tem excelentes pés e magnífica capacidade de passe. Mas lá está: sem Adrien e William, este meio-campo é pior do que o que existia com eles.

Finalmente, no ataque, Podence devia ter lugar obrigatório, assim como Bas Dost. Mas o que fazer com Doumbia, que é um avançado possante que pode ser muito importante contra equipas fortes? Iuri Medeiros também merece jogar. Mas o lado direito, onde ontem jogou, não é o seu terreno natural. Acuña voltou a mostrar empenho e combatividade e Gelson Dala tem a alegria dos miúdos que jogam à bola na rua. Devia ser emprestado para rodar e marcar.

Conclusão: o nosso calcanhar de Aquiles está, para já, na defesa – e, já agora, no sistema táctico que, pelos vistos, Jesus, quer implementar, um 3-4-3 que pode ser útil para jogos com equipas fraquinhas, mas que é um perigo contra equipas boas ou excelentes – como se viu ontem, em que a defesa foi manteiga a ser cortada por faca aquecida.

Com quem está neste momento no plantel, o melhor seria mesmo voltar ao 4-3-3, assim escalonado: Patrício; Piccini (que remédio), Coates, Mathieu (ai, ai… - mete o André Pinto, Jesus!) e Coentrão (ai, ai, ai!); William, Adrien e Bruno Fernandes; Podence (Iuri Medeiros), Doumbia (Acunã) e Bas Dost. E precisamos de ir rapidamente ao mercado comprar um defesa direito.

Mas, de qualquer modo, deixem-me ser tremendista: com estes desequilíbrios na equipa, como resultado de más opções nas compras e vendas, sobretudo para a defesa (Jesus tem um problema com os defesas esquerdos desde o tempo em que esteve no Benfica…), vamos ter mais um ano perdido. É melhor Bruno Carvalho e Jorge Jesus começarem a preparar desde já os discursos que vão fazer aos sócios no final da época.»
(Nicolau Santos, Director-Adjunto, in Tribuna Expresso)

I rest my case!...

Leoninamente,
Até à próxima

PUBLICIDADE