quinta-feira, 31 de outubro de 2013

A gestão da manta !...


Com toda a naturalidade, Leonardo Jardim terá hoje complementado a frio, aquilo que a quente julgou por mais conveniente dizer, no final do jogo das Antas. E se não surpreenderam ninguém as suas declarações de então, por não reproduzirem mais do que a realidade que todos constatámos, muito menos o que hoje disse constituirá algo que não se adivinhasse.

O plantel do Sporting Clube de Portugal é apenas e tão só, o reflexo da forma séria e realista como o Clube está a ser administrado e os resultados conseguidos neste arranque auspicioso da época, ao invés de reflectirem a classe, a arte e o talento que custariam os milhões que não temos, muito mais se assemelharão a uma manta curta que ao tapar a cabeça descobre os pés e que só a superior qualidade do nosso técnico vai conseguindo o milagre de encolher o corpo e esticar a manta, de modo a tapar a cabeça e os pés, o que por vezes todos teremos de aceitar como uma quase impossibilidade.

Disse Leonardo Jardim que será provável que assistiremos a pequenas alterações no jogo de sábado. Pequenas alterações que resultarão de prestações menos conseguidas nas Antas e que naturalmente serão limitadas tanto pelo campo de recrutamento, quanto pela necessidade de preservar os equilíbrios e os hábitos de jogo já conseguidos.

Já todos conhecemos de cor o que Jardim tem dito repetidamente, sem nunca o explicitar, que as deficiências qualitativas da equipa só conseguirão ser disfarçadas com a superação do colectivo. Mas pese embora a grande e generalizada entrega de todos os que tem sido convocados para os sucessivos desafios que nos têm sido colocados, só os menos atentos não terão detectado os pequenos pormenores que nos têm impedido de ir mais além.

Para já, Leonardo Jardim terá de continuar o seu ciclópico trabalho de esticar a manta, mas tontos serão aqueles que não se apercebam da imperiosa necessidade de lhe acrescentar mais uns centímetros. A menos que ele consiga descosê-la em pontos nevrálgicos, para a voltar a coser noutros mais favoráveis e lhe consiga um virtual aumento de comprimento. Mas quase inevitavelmente que as especulações que já vão surgindo por aí, hão-de conter alguns fumos de verdade. E se a resolução da complicada questão de Elias, nos trouxer a possibilidade da melhorar as dimensões da manta, que nunca doam as mãos a quem revelar a sagacidade de o tentar conseguir.

Leoninamente, 
Até à próxima 

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

O malte turva os olhos a muita gente!...




O malte turva os olhos a muita gente!...

Julgava eu que era só o tinto a fazê-lo, cá dentro da nossa pequenez! Mas acabei por concluir que mesmo por cá, para outros "malteses", os 14 ou 15 graus do nosso melhor alentejano, eram brincadeiras de criança e caíram em desuso, quando comparados com os 40 graus de um bom malte da Escócia. Conclusão que adveio da observação dos seus resultados em figuras proeminentes do nosso "jetiseti", como ESF, ROC e VPV, por exemplo...

Agora quando me surgiu pela frente o "delirium tremens" de Joseph Sepp Blatter, fiquei absolutamente esclarecido: sob os poderes de tão potentes e violentos "óculos", é só nevoeiro à frente dos olhos de quem arrisca usá-los:

"We only see what we want see"!...

Leoninamente,
Até á próxima 

Casualmente ou... nem tanto ?!...

Caminhando para  a pedra lascada ?!...
 

Diz-me o bom senso que o caminho mais adequado para que uma má memória seja apagada, será exorcizá-la, votá-la ao esquecimento, expulsá-la da nossa mente e deixar correr o tempo. Quis fazer tudo isso, relativamente ao ocorrido nas imediações do estádio das Antas, antes do último Porto-Sporting, mas continuo a confessar-me incapaz.

É que não consigo entender a proliferação de comportamentos violentos como aqueles que se verificaram no domingo, ainda que me rodeie de todos os conceitos filosóficos para explicar as motivações de uma corja de malfeitores, que não sendo propriamente um grupo de indigentes pobrezinhos - roupas de marca, deslocação em potentes automóveis e ao invés do tradicional piquenique com o tacho de arroz de frango, preferem bem regadas refeições em restaurantes caros -, calcorreiam metade do país para andar à porrada. Porque podem rapar do "stradivarius" e cantar para quem os quiser ouvir, a canção do bandido de que pretendiam ver um jogo de futebol, ou aplaudir e incentivar o seu grande amor. Essa patranha não entra nos meus ouvidos, quando nem bilhetes terão adquirido. O que essa canalha procurava era, tão só e estupidamente, andar à porrada!...
 
Não, nunca dará para entender. É demasiada e estúpida areia para a minha camioneta e comigo estará o comum dos cidadãos em geral e dos sportinguistas em particular. Será um fenómeno ainda não lavrado em compêndios, este de formar um exército para "andar à porrada", em demonstrações de completa confusão entre a valentia e a parvoíce mais reles, pura e dura. E bem mais grave do que isso, será o facto de a nossa polícia se ter revelado absolutamente ultrapassada e impreparada para o combater, nem se vislumbrando no horizonte capacidade suficiente no curto prazo, das instituições que deveriam assegurar a paz e a ordem, para o estudo eficaz desta espiral de violência no desporto em geral e no futebol em particular, de modo a prevenir que os feridos de ontem não se transformem amanhã em corpos, porventura inocentes, cobertos com lençóis.
 
Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Na ressaca das Antas...



Nem sei por onde começar, para  expressar a confusão de sentimentos contraditórios que nestes dois dias que se seguiram ao jogo das Antas me inundou. Talvez dizendo que qualquer derrota do meu Sporting Clube de Portugal me custa a digerir mas, pesados todos os circunstancialismos que a terão determinado, até que nem foi o mais difícil de aceitar. O adversário foi-nos superior em eficácia e soube limitar de forma acentuada os seus erros, em relação àqueles que cometemos, no relvado.
 
Já fora das quatro linhas, antes e depois do jogo e independentemente de todas as culpas que possamos assacar ao lado contrário e às forças da ordem, a quem caberia  providenciar para que apenas tivesse acontecido um jogo de futebol, não poderei dizer o mesmo.
 
As imagens e os relatos que nos chegaram através da comunicação social, e bem assim, muito particularmente, o conteúdo do comunicado do Sporting Clube de Portugal com a versão dos acontecimentos mais ou menos próximos do jogo, deixaram no meu espírito uma tristeza, uma decepção e uma revolta de tal ordem, que tão depressa não as conseguirei expulsar do meu espírito.

Não domino minimamente a matéria que terá constituído o cerne dos tumultos verificados no exterior do estádio, Estou completamente a leste dos "casuals" e de todos outros quaisquer grupos organizados, a quem pouco interessará o futebol e que vivem dos orgasmos que lhes provocam a masturbação regular que encontram nos ambientes exteriores a qualquer partida do desporto-rei. São um caso de polícia e pouco me interessa que as tatuagens exibidas contenham leões ou dragões. Foram identificados 94 e que a justiça lhes faça a cama, muito bem feitinha, se possível, severa e exemplarmente, à laia do tratamento dado pelos ingleses aos "hooligans", que deveríamos urgentemente passar da lei já existente, a uma prática digna e corajosa. Porque para os senhores juízes a quem compete aplicar a lei em vigor, tão importante como os chorudos vencimentos que embolsam, deveria ser a aplicação das normas legais estabelecidas, por mera questão de honra e merecimento.

Acerca dos episódios relatados no comunicado do Sporting Clube de Portugal, salvo melhor opinião, entendo-os como desadequados, inócuos e concomitantemente incapazes de produzirem quaisquer efeitos que não sejam provocar o gozo habitual, com que se rebolam de riso há dezenas de anos, os promotores das cenas denunciadas. Em vez da coragem da escrita "a posteriori", deveriam ser substituídos pela coragem da denúncia "in loco" junto dos delegados da Liga presentes ao jogo, pelos responsáveis leoninos para tal credenciados pela mesma Liga. E que ninguém me fale na bondade da emenda ante o soneto. A correcção dos males que se vão repetindo, jamais será conseguida com comunicados, por muito bem elaborados que sejam e por muito forte que seja a "verdade" do seu conteúdo, antes com actuações previstas nos regulamentos que possam de algum modo dar origem à instauração e instrução dos respectivos inquéritos. Podem amanhã os resultados virem a conter as dualidades de critério a que ainda há pouco assistimos com penas diferentes para cuspidelas iguais. Mas dos comunicados ainda menos devemos esperar, para além do riso pusilânime e da chacota parôla e provinciana.

Fica por aqui a minha amargura. Porque ainda que o meu sportinguismo mo peça, jamais serei capaz de aplaudir algo com que não concorde.

Leoninamente,
Até à próxima

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Catenaccio ou autocarro?! Ou será "autocaccio !...


Catenaccio ou autocarro?! Ou será "autocaccio?!...

Embora por razões estranhas ao futebol, Mitchel van der Gaag viu-se obrigado a abandonar o leme do futebol de "Os Belenenses", deixando nos adeptos do futebol um sentimento pouco habitual, que reflecte o respeito que a figura deste holandês, tanto como jogador quanto como técnico, granjeou entre nós e que determinou que todos sem excepção desejem o seu rápido restabelecimento e o regresso a Belém.

Pouco tempo depois, sendo neste caso determinante a proverbial superficialidade do dirigismo que vamos tendo, José Mota ouviu brandir o "chicote" e protagonizou a primeira chicotada a sério, carregando inocente nos seus ombros, um desencanto de que todos sabemos a origem. José Couceiro foi o escolhido e em Setúbal nada parece ter mudado. A ver vamos...

A julgar pelo que hoje nos terão dito os astros, lá para os lados de Olhão, mesmo por debaixo do pano, a voz mais forte "parla italiano" e o Abel Xavier, depois de uma inusitada troca de berros com Isidoro de Sousa, também irá pregar para outra qualquer freguesia. E o simpático clube de Olhão, parece ter aderido à moda da Luz, só que em vez de sérvios, chegam italianos. De acordo ainda com os astros, em vez de autocarros, passaremos a ter em Olhão o... "catenaccio"!...

Pelo "canudo" de Braga, parecem estar anunciadas novas imagens. Depois do cansaço que já nos provoca a habitual "finta salvadora do presidente do grande", que revelava cansaço na presidência e agora, depois da ingestão de poderoso afrodisíaco, já se diz pronto para mais uma "queca", parece que quem afinal acabará por pagar a fava, será o Professor, a quem foi remetida pelo correio uma dúzia de caixotes de lenços brancos, que eu bem os vi na 6ª feira na pedreira, com estes que a terra há-de comer.

Aguarda-se o desenvolvimento dos próximos capítulos. Mas há quem afirme a pés juntos que Rui Vitória, que já deixou em tempos a Capital do Móvel sem treinador, pode muito bem hoje repetir a façanha. Só os deuses o saberão !...

Entretanto, os treinadores de futebol cá do burgo, continuam alegremente a enterrar o futebol português. Importaram o "catenaccio" e chamam-lhe, pomposamente, "autocarro"! E com empates a zero e perder por poucos, de chicotada em chicotada, de braço dado com a incompetência do dirigismo português, vão retirando o sal do futebol e caminhando perigosamente para o abismo. Um dia assistirão sózinhos a um novo jogo que inventaram: o "autocaccio"!...

Leoninamente,
Até á próxima

O Leão sabe, que depressa e bem...



Comentadores e economistas

Economistas e comentadores desportivos associaram-se na empresa “Desgraças, Ilimitada”. Os economistas não previram nem cheiraram a crise que aí aportou, uns instalados à mesa do orçamento, na liderança de Empresas Públicas e afins, outros, afastados dessas mordomias pela viragem de ciclo, a dar aulas, enquanto esperavam nova viragem e regressos apetecidos.

Quando a crise chegou, caíram todos sobre os media que nem um bando de pardais sobre um campo de milho maduro e, durante três anos, todos os dias, anunciaram o fecho do País para obras. Não previram a crise, mas foram categóricos na desgraça e exímios na arte de aterrorizar os portugueses. Como na velha estória da “vinda do lobo”, o crédito foi-se e ninguém lhes liga puto e já só falam para a sua própria barriga, inchada de excessos.

Os comentadores desportivos não assapam à mesa do orçamento, mas no apontar à desgraça sofrem dos mesmos tiques, excepto quando o assunto é Benfica. Aí, qualquer pequena vitória é anunciada, elogiada e empolgada como coisa única e fabulosa.

Nos últimos dois anos, até há alguns meses, os comentadores, em unicidade, nada de bom anteviam para o Sporting e lamentavam, com lágrimas de crocodilo, a possibilidade de o clube desaparecer. E acrescentavam, em tom pesaroso, que tal seria uma tragédia, tamanha a falta que o leão faria ao futebol português. Ora, lá está.

Estes fatalistas interiorizaram um defunto, mas o morto não esteve de acordo e ressuscitou. E renasceu, coisa magnífica, a jogar bem à bola e a ganhar os jogos. Nem o país fechou nem o Sporting acabou, e a empresa “Desgraças, Ilimitada” está em insolvência.

Vejam só, durante a semana que antecedeu este clássico no Dragão, o Sporting já não foi apontado como o cordeiro que ia ao sacrifício, mas como uma equipa capaz de discutir o jogo. Hajam deuses.

O jogo foi o que foi. O FC Porto era o favorito e cumpriu o que lhe competia, o emergente, com uma bela exibição, saiu de cabeça erguida. O leão sabe bem que Roma e Pavia não se fazem num dia.

Nem sempre estarei de acordo com o autor das crónicas, Bilhar Grande, que regularmente nos aparecem no jornal Record. Direi até que terão sido mais os pontos de colisão que nos têm afastado, bem particularmente na fase de transição do "descalabro leonino" para o o retomar do caminho que hoje nos anima. 

Mas hoje ao ler o texto publicado, surpreendeu-me agradavelmente, porque em absoluto coincidente com uma ideia que já me tinha perpassado pela mente e que agora, se para aqui a trouxesse, até  a mim me soaria a plágio. E como entendo que depois de Colombo "colocar o ovo em pé", de espertos estará o mundo cheio, deixo o texto de Alberto do Rosário e o meu forte e leonino aplauso.

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 27 de outubro de 2013

Continuar, de forma coerente e sustentada, o nosso caminho !...


A primeira derrota. Perfeitamente natural. Justa, mas por números exagerados, que não traduzem a verdade daquilo que se passou em campo ao longo dos 93 minutos dados por Artur Soares Dias, que realizou uma boa arbitragem,  sem influência no resultado.

Com 50% de posse de bola para cada lado, ataques 33/31, remates à baliza 13/11, cantos 4/1 e faltas 15/16, foi um jogo equilibrado, dentro das expectativas que eventualmente a maioria dos sportinguistas alimentavam para a sua equipa, que jogou no campo do adversário e acabou por sair de campo de cabeça erguida e mantendo o 2º lugar na tabela classificativa.

Como acentuou Leonardo Jardim a derrota ficou a dever-se a pontuais erros defensivos, com destaque para a infantilidade de Maurício no lance que deu origem ao penalty com que o Porto abriu, sem que o merecesse, o marcador. Mas na minha opinião pessoal, os erros ter-se-ão estendido por todos os sectores da equipa, tendo Maurício, Cedric, André Martins, Wilson Eduardo e André Carrillo revelado prestações uns bons furos abaixo dos restantes companheiros.

Das três substituições levadas a cabo por Leonardo Jardim, do meu ponto de vista, apenas Vitor Silva veio acrescentar algo de positivo à equipa, apontando a sua dimensão futebolística, quando comparada com a fragilidade da produção do companheiro que substituiu, notória e claramente para uma titularidade que pouco demorará a concretizar-se.

E já que falei de dimensão futebolística, seria injusto não referir Ivan Piris. Deslocado para a lateral que não é a sua, terá desenvolvido um trabalho bem mais assertivo que o seu companheiro da outra lateral, atrevendo-me eu a alimentar a suspeita de que, com o regresso de Jefferson, possa ganhar, a breve trecho, a titularidade na sua lateral preferida. 

A equipa está nitidamente em construção e hoje terá dado um passo importante para a confirmação do seu notório e gradual crescimento, se nos esquecermos dos constrangimentos mentais que ainda se vão notando aqui e ali, particularmente na produção ofensiva evidenciada na primeira parte.

Esta derrota poderá também revelar-se positiva, no sentido de reduzir a uma expressão mais justa, uma certa euforia que ainda não encontra suporte adequado na produção da equipa. Há ainda um longo caminho a percorrer, sem que isso de modo algum menorize o excelente trabalho que vem sendo desenvolvido por Leonardo Jardim: Roma e Pavia não se fizeram num dia! E depois da pior época de toda a história do Sporting Clube de Portugal, quem, em consciência, poderá exigir mais?! Importante será no próximo sábado, continuarmos da melhor maneira o nosso caminho, de forma coerente e sustentada! Porque como muito bem afirmou Leonardo Jardim, "... o resultado [de hoje] não condiciona os nossos objetivos" !...

Leoninamente,
Até á próxima

Entrada de gatas, saída de leoas !...


As nossas leoas do basquetebol, não começaram bem a partida hoje realizada no Pavilhão da ES do Lumiar, contra a turma algarvia de Ferragudo. Com um primeiro período para esquecer, o resultado apresentava antes do início do segundo "round" uns confrangedores 5-3!...

O segundo período trouxe o acordar das meninas mais bonitas do nosso basquetebol, que facilmente fixaram o "score" ao intervalo em 31-5. Depois do intervalo o ritmo conseguido ainda foi superior e o resultado apresentava um concludente 67-9, quando as equipas se apresentaram para disputar o último período, que viria a ser concluído com o marcador em 80-17, após um natural abrandamento leonino.

Mais uma jornada vitoriosa das nossas queridas leoas, se bem que aquele primeiro período seja difícil de explicar. Houve quem lhe chamasse "horripilante" e sabe do que fala essa velha glória do nosso basquetebol, que naturalmente pediu o anonimato, o que evidentemente respeito. Mas sempre vou dizendo, com poucas hipóteses de errar, que o almoço hoje deve ter sido muito convidativo, o que terá estado na origem de tanto relaxamento. Nada como fazer os possíveis para que as nossas leoas entrem sempre em campo... com fome!...

Um grande abraço para todos os leões que nos fazem orgulhar do basquetebol do Sporting Clube de Portugal e um grato beijinho para todas as nossas leoas, com a garantia de que aquele primeiro período já está esquecido.

Leoninamente,
Até à próxima

Chiça, a tranquilidade é uma coisa que me chateia!...

Ser sequestrado, uma coisa que o chateava!...

Nos tempos duros e difíceis do PREC, era o tio-avô do presidente do Sporting Clube de Portugal, o primeiro-ministro de Portugal, a Assembleia da República sofreu um cerco por parte de activistas políticos ligados a determinadas forças partidárias, originando que o chefe do governo de então ficasse retido nas instalações do nosso Parlamento durante uma série de horas. Quando a calma e a ordem foram restabelecidas, à saída o Almirante Pinheiro de Azevedo, a figura de quem venho falando, disse aos jornalistas: "... Eu não gosto de ser sequestrado. É uma coisa que me chateia!...".

Quando ao início da noite li esta notícia, lembrei-me do Almirante e disse para com os meus botões, pigarreando irritado, mau, mau, mau, não estou a gostar nada disto, desta tranquilidade toda! Eu quero é vê-los empolgados, possessos, a ranger os dentes, desertinhos para que chegue a hora do jogo! Eu não gosto de tranquilidade! É uma coisa que me chateia!...

Não quero tranquilidade nenhuma. Vivi quatro anos de tranquilidade leonina, com a pessoa que "vocês sabem de quem eu estou a falar", e nunca passei de soldado raso, de primeiro dos últimos e de sofrer desgostos nos sítios onde sempre gostei de viver alegrias. Pôrra para a tranquilidade! Eu quero é roer as unhas, enervar-me, saltar quando o Montero marcar um golo e voltar a saltar quando o Patrício fizer a defesa da noite! Eu quero é dar um abraço ao leão mais próximo de mim, mesmo que não conheça, quando o "tagliaventos" apitar para o fim da partida e os três pontos estiverem no bornal!...

Chiça, a tranquilidade é uma coisa que me chateia!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 26 de outubro de 2013

O COMANDO C, é do caralho !!!...




Eu gosto do Cherbakov! Gosto do seu sportinguismo singular e do seu humor cáustico e inimitável. Gosto do seu humanismo, quantas vezes lamechas, mas que, como uma vez ouvi Júlia Roberts dizer na ópera, quase me faz mijar todo!...

O Cherba, por questões que só a ele dizem respeito e que respeito, ficou de candeias às avessas com os companheiros com quem arrancou com esse, porventura a breve trecho saudoso, blog maior do sportinguismo que era, vou escrevê-lo pela última vez, o CACIFO DO PAULINHO, esse blog que nós dizíamos, ser do caralho!...

O Cherba, tem um horizonte diferente dos seus antigos companheiros. Não sei se será um horizonte melhor ou pior que aquele de quem ainda se diz, como grande que é, amigo. E da incompatibilidade resultou, para ele, um novo caminho. Tudo certo, tudo legal, tudo democrático, tudo à... SPORTING ! Nós somos assim! Outros, porque não sabem nem podem imitar-nos, roem-se de inveja! Pois é lá com eles!...

Hoje "abriu a portagem" para a nova auto-estrada do Cherba! Não é A1, nem A25, é simplesmente... COMANDO C ! Do que é que estavam à espera?! Que o rapaz deitasse para a sargeta todo o leonino trabalho que quase lhe tem roubado metade da sua vida e do seu tempo! Nada disso, o Cherba pode ter todos os defeitos, menos ser burro! E eu, leoninamente, compreendo-o e aqui estou para lhe dar todo o apoio! Porque para mim, sportinguistas como ele sempre serão... SAGRADOS !...

FORÇA CHERBA, SABES BEM QUE ESTOU CONTIGO !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

Se estivermos bem juntinhos, vai-se embora o mandador !...



 
O recém-eleito presidente da Câmara Municipal do Porto, numa incursão deveras despropositada numa área  que as altas responsabilidades há poucos dias assumidas, lhe deveriam proibir, resolveu continuar a assinar a coluna de opinião de um jornal desportivo, quando a imediata suspensão seria de todo mais recomendável.
 
Não satisfeito com "esses dois erros colossais" e como portista confesso e incapaz de separar as águas onde agora navega, veio pretensamente alertar as hostes dos "andrades", para a necessidade de “calar Bruno de Carvalho e o seu populismo”.
 
Claro que não ficou sem resposta, como deveria ter previsto e acautelado. Em sete meses de mandato, o Presidente do Sporting Clube de Portugal já se terá identificado suficientemente bem para que Rui Moreira tivesse o cuidado de evitar esta desnecessária batalha, que absolutamente nada terá a ver com a tremenda guerra que será, no mínimo, igualar os excelentes resultados de quem o antecedeu. 

Nesta condição, Rui Moreira colocou-se a jeito e a resposta,  arguta, desempoeirada e, em absoluto, ajustada, não se fez esperar. Para além dos três erros grosseiros anteriores, terá cometido por narcisismo, um quarto, que foi julgar-se singularmente capaz de dominar tanto a política como o futebol. Bruno de Carvalho disse-lhe, de forma clara e demolidora, que não deverá considerar-se único: 

“Quem tem responsabilidades como as de Rui Moreira não pode fazer crónicas daquelas. Não são feitas no momento, nem a quente. São pensadas e reflectidas. Somos livres de emitir opinião mas... fiquei surpreendido. E já que o presidente da CM Porto se permitiu falar sobre futebol, vou falar de política. Acho graça quando ouço que ele foi um dos independentes com a vitória mais surpreendente das últimas autárquicas... Antes da candidatura, foi dependente de partidos e figuras partidárias; agora é o mesmo cenário. Não deve ser fácil fazer todas estas conjugações na sua vida. Para lá de todas estas dependências, já se viu que tem uma subserviência muito vincada ao seu ídolo desportivo. No meio desta ginástica, não deve ser fácil passar tanto tempo de joelhos. Depois de ler o que escreveu, aprendi que mais vale ser popular do que hipócrita.".

E o "baile mandado" em que há três décadas "dança" o subserviente futebol português, parece estar a sofrer um violento distúrbio. E o mandador e acompanhantes, estarão a reagir muito e mal e sem o mínimo "fair play", às vozes que, não lhe reconhecendo qualquer legitimidade legal e moral, já se estarão a sobrepor aos seus berros ditatoriais. E como noutro contexto e bem, Fausto há muitos anos dizia, "se estivermos bem juntinhos, vai-se embora o mandador"!...

Leoninamente,
Até à próxima

Sem pau, nem pedra, com inteligência e elegância !...



 
A imagem aqui publicada, tem requinte! Ainda me falta saber se será uma obra prima com requintes de inteligência ou malvadez. Mas não me custa acreditar que tenha sido a primeira a triunfar!... 
 
Porque será esta exactamente a posição de Bruno de Carvalho: de costas voltadas, mas com um olho no burro e outro no cigano. Porque lá pelas Antas há de tudo...
 
Mas para além de grafismos mais ou menos felizes, ficam as palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal. Curtas, breves, claras e abrangentes. Está lá tudo. Para o exterior, para o interior e para os "paspalhos" da CS. Terá faltado a mensagem para o "tagliavento" que de apito na boca, muito provavelmente irá decidir o clássico. Mas isso são contas de outro rosário que , por exemplo, aqui aparecem perfeitamente escalpelizadas.
 
Daqui do meu canto, o meu forte aplauso para Bruno de Carvalho. Esta é verdadeiramente a postura que nele mais aprecio. Sem pau, nem pedra, com inteligência e elegância.
 
Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Pontualmente? E esta, hem ?!...




 
"Se o FC Porto e o Sporting são as melhores equipas? Concordo. Pontualmente são. Uma está em primeiro e outra em segundo. Contra factos não há argumentos. Neste momento, à 7.ª jornada, são pontualmente as melhores.”

PontualmenteQue não se prolonga no tempo ou não se estende à totalidade (ex.: problema pontual; situação pontual). = ESPORÁDICO

Quando li as afirmações de Jorge Jesus, não resisti a associá-las com uma faca. Vá lá, o homem até é sportinguista, e certamente que ninguém estaria à espera que eu fosse capaz de depreciar um "irmão de sangue". Não, não foi a sua infeliz analogia com legumes em vez de gumes, que me trouxe a faca à cabeça. Penso que o actual treinador do Benfica já terá ultrapassado esse estágio.

A associação que fiz ao doméstico instrumento, que uso tantas vezes por obediência a regulamentos internos, aconteceu apenas pela carga "cortante" que eu retirei do seu... pontualmente. É que quer-me parecer que o nosso associado Jesus, depois de tantas "traulitadas" na cabeça, em consequência das suas últimas actuações públicas, terá decidido abandonar definitivamente a sua proverbial impulsividade e trocá-la por um bem mais erudito e inteligente humor.

Penso que não estarei errado, por ter extraído do seu pontualmente, o sentido de esporádico, ou então se preferirem, fogo-fátuo! Sim, terá sido isso que ele quis significar, sem que os jornalistas que o ouviam à espera de outras questões do "forno interno" do clube que hoje representa, ou mesmo dos adeptos deste, o percebessem verdadeiramente: para o técnico JJ e excluindo o Porto que aqui na análise pouco conta, o Sporting não será mais que um fogo-fátuo, um acontecimento esporádico e transitório que, tão rapidamente como surgiu, se extinguirá a breve trecho. Cortante como uma faca bem afiada, esta sua inteligente e humorada tirada, a dizer-nos que o nosso consócio leão, estará a trilhar um novo rumo, quiçá já em treino específico para o clássico na Luz, à 15ª jornada - aqui o Porto já entra - que já não vem tão longe como possam pensar.

Pronto, Jorge Jesus não ofendeu ninguém e nem acrescentou um milímetro sequer a todas as suas "boutades" anteriores. Terá cometido quanto a mim, um único erro: é que eu não acredito que nenhum dos leões que Leonardo Jardim levará para as Antas, não tenha ficado de juba eriçada, com o pontualmente de Jorge Jesus. E a ser assim, JJ terá ido bem mais longe do que todos os leões poderão pensar, comigo incluído... 
E esta, hem?!...

Leoninamente,
Até á próxima 

Vá lá Leão, é hora de um rugido forte e atroador !....

 

Face aos pobres e tristes resultados alcançados pelas equipas portuguesas, em mais uma jornada europeia, o sonho de Portugal alcançar o 4º lugar parece definitivamente enterrado. E quando qualquer atleta começa a olhar para quem o segue, é certo e sabido que pouco demorará a ser ultrapassado. A França já se insinua e, pelo rumo que as coisas estão a levar, não tarda nada que Portugal se arrisque a perder o que tanto custou a alcançar.


País2009/102010/112011/122012/132013/14TotalEquipas
1º Espanha17.92818.21420.85717.7147.71482.4277/7
2º Inglaterra17.92818.35715.25016.4287.78575.7487/7
3º Alemanha18.08315.66615.25017.9286.71473.6416/7
4º Itália15.42811.57111.35714.4166.16658.9385/6
5º Portugal10.00018.80011.83311.7503.75056.1335/6
6º França15.00010.75010.50011.7504.16652.1664/6
7º Rússia6.16610.9169.7509.7506.08342.6655/6
8ºHolanda9.41611.16613.6004.2142.75041.1463/6
9º Ucrânia5.80010.0837.7509.5004.33337.4664/6
10º Bélgica8.7004.60010.1006.5004.20034.1004/5
          
 Sistema de cálculo: São consideradas as últimas cinco temporadas. Para cada uma, o total de pontos conseguidos pelas equipas (2 por vitória, 1 por empate, metade destes valores nas pré-eliminatórias) é dividido pelo total de equipas desse país que participam nas competições europeias do ano em causa. A isto há que acrescentar 5 pontos de bónus por cada presença nos oitavos-de-final da Champions e, depois, nas duas provas, um ponto pelos quartos-de-final, meias-finais e outro ainda pela chegada à final. O acesso à ronda de grupos da Liga dos Campeões rende quatro pontos de bónus.
 
Olhando para o folclore dos pequenos que querem ser grandes, com o devido respeito, apetece perguntar se não andará por aí muita gente a arranjar lenha para se queimar, construindo telhados sem cuidar dos alicerces.
 
A selecção é o que se vê e oxalá a cárie do "laissez-faire, laissez-passer" não alastre por toda a "dentadura" e não provoque violentas dores e um hálito insuportável e não remeta o futebol português, passe a publicidade, para a "MALOCLINIC"!...
 
Agora a nível de clubes, o espalhanço parece começar a assumir contornos de verdadeira hecatombe e adivinha-se a debandada dos "visionários", com o concomitante "meter o rabo entre as pernas" dos acólitos dos media.
 
Ai a falta que faz o Sporting Clube de Portugal nas competições europeias! Ai quantos remorsos pesam nas consciências de quem contribuiu para que esse histórico clube se afundasse, desde as instâncias que superintendem este podre futebol português, da disciplina à arbitragem, com paragem para abastecimento numa comunicação social estúpida e em permanente "haraquíri"!
 
Vá lá Leão, ergue-te e faz soar o teu forte e atroador rugido na savana! Para que os burros que se julgavam os reis dos animais, fujam para bem longe, envergonhados pela diarreia que lhes escorrerá pela pernas!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Curiosidades e repercussões do sorteio da Taça !...


Cada bicho tem a gaiola que merece !...

Claro que, matematicamente, as probabilidades do sorteio da 4ª eliminatória da Taça de Portugal, apontavam para 1 hipótese em 62 de defrontarmos o Benfica na sua própria casa. E é óbvio que todas as especulações que possam ser formuladas em torno da possibilidade de vício de bolas aquecidas, texturas diferentes, ou qualquer outra artimanha semelhante, de tão inexequíveis nos tempos que correm, dificilmente serão acolhidas por qualquer espírito suficientemente esclarecido sobre pretensas e pouco claras metodologias usadas neste tipo de sorteios.

Resumamo-nos por isso aos ditames da sorte ou do azar que nos impuseram a visita ao nosso eterno rival e extraiamos deste, à partida, improvável desfecho, o que de mais positivo ele acabou por nos trazer.

Ora acompanhem-me neste maquiavélico e cínico raciocínio, e apreciem, isoladamente, cada uma das suas curiosas nuances. O estádio que vai receber este inusitado derby, será regulamentarmente declarado neutro pela FPF, pelo que esta, depois de devidamente ponderada a sua lotação e estabelecido o número de ingressos que distribuirá por toda a sua imensa clientela, fará uma simples subtracção destes à lotação total e atribuirá depois metade desse resultado a cada um dos clubes em presença. Teremos assim a certeza absoluta, de que o número de adeptos sportinguistas será teoricamente igual ao dos adeptos benfiquistas. Ora isto, para começar, será uma tremenda vitória: retirar ao rival o privilégio de jogar em casa! Porque todos nós sabemos que nem um bilhete entregue pela FPF ao Sporting Clube de Portugal, ficará por vender!...

Acresce do exposto no ponto anterior, que a desconfortável situação de os adeptos do Sporting Clube de Portugal, andarem por esse país fora, nos estádios dos adversários, apoiando naturalmente a nossa equipa, acabam por fazer reverter o dinheiro dos bilhetes adquiridos para os cofres alheios. Ora desta vez, o caso muda radicalmente de figura, porque o nosso dinheirinho, uma vez que depois de deduzidas as despesas federativas inerentes à organização do evento, a receita é dividida em partes iguais pelos dois clubes, vai acabar por ir direitinho para os cofres leoninos. Logo, é reconfortante saber que além do nosso apoio à equipa, o nosso dinheiro não é mal gasto. Portanto, teremos todos de fazer um esforço suplementar para que nem um bilhete adjudicado ao Sporting Clube de Portugal, fique por adquirir.

Para além dos pequenos "pormaiores" anteriores, a FPF será confrontada com a existência no estádio, de uma "gaiola" mandada construir expressamente pela direcção dos nossos adversários, para receber cerca de 3.200 leões, se bem estiverem lembrados. E, perante os factos, evidentes e incontornáveis, apenas duas opções estarão reservadas à eminentíssima FPF:  ou obtém do clube proprietário a garantia de que a "gaiola" seja absoluta e completamente desmontada, ou, perante eventual recusa, ver-se-à na obrigação imperiosa e inultrapassável, à luz dos preceitos constitucionais de equidade, de onerar o clube proprietário com a atribuição de todo o sector da "gaiola", e assistirão os leões de cadeirinha, ao "terrífico espectáculo" de ver 3.200 águias "engaioladas" como galinhas! Penso, como sportinguista convicto e com memória de elefante, que o Presidente Bruno de Carvalho jamais poderá admitir de si próprio, o mínimo de tergiversação ou condescendência nesta matéria: ou "gaiola" é desmontada, ou entregue aos seus legítimos proprietários!...

O resto será futebol, só futebol e nada mais que futebol! Claro que Pedro Proença, em 9 de Novembro já terá largado as canadianas e estará disponível, porque o derby de todos os derbies, o clássico de todos os clássicos, só admite a presença do melhor árbitro português!...

Leoninamente,
Até à próxima

Artur "tagliaventos" Soares Dias ?!...

 
 
Poderá acontecer que Artur Soares Dias seja capaz de assinar nas Antas, uma arbitragem do nível do seu colega italiano Tagliaventos. Mas também poderá acontecer que não. Atrever-me-ia até a vaticinar que irá dar uma ajudinha a "cortar todos os ventos" que soprem na direcção da baliza de Helton. O homem é da casa e ser-lhe-à muito difícil não o fazer. Mas oxalá que eu me engane...
 
Leoninamente,
Até à próxima

O desígnio de José Alvalade há-de cumprir-se !...



Em nota emitida esta quarta-feira no site oficial do Sporting Clube de Portugal, a administração da Sporting SAD deu conta do primeiro encontro realizado com o representante do jogador Elias, que permitiu esclarecer alguns pontos de divergência e encontrar uma plataforma de entendimento que salvaguarda os interesses de ambas as partes: 

"... Ficou estabelecido que tanto o jogador Elias, através do seu representante, como a Sporting SAD, vão desde já tomar as medidas necessárias para retirarem os processos que interpuseram na FIFA.

A Sporting SAD e Eliseu Trindade estão neste momento alinhados e concentrados, para em conjunto encontrarem a melhor solução que defenda os interesses do atleta e da Sporting SAD".                    


Estão quase a completar-se sete meses do mandato de Bruno de Carvalho. E começa a ser um lugar comum, a contabilização regular dos sucessivos êxitos negociais alcançados pelo Presidente do Sporting Clube de Portugal, nesta sua já longa e surpreendente caminhada de recuperação da dignidade e credibilidade perdidas, durante a mais dolorosa noite da nossa história.

Pelo caminho, têm vindo a calar-se internamente, as vozes do rancor, do ódio, da inveja, da maledicência e dos privilégios perdidos, enquanto cresce no exterior, o reconhecimento, a admiração e o respeito pelo trabalho produzido.

A outros grandes e incensados líderes, todas as suas obras são enaltecidas, todos os resultados são empolados e tratados com subserviente reverência e até os erros, tropelias, desaforos, indignidades, violações da lei estabelecida e incompreensíveis fugas à aplicação da justiça, são transformados em rasgos de inteligência deificada, por capachos que fazem, sem pudor ou vergonha, da nobre missão da comunicação social, uma virtuosa catacumba siciliana.

Mas Bruno de Carvalho tem prosseguido o seu caminho, com determinação férrea e um querer tão grande que apenas pode habitar o coração do leão que é. Já falta pouco para acabar de varrer todo o cotão que lhe deixaram por detrás dos móveis, sob as carpetes ou dissimulado em todos os esconsos recantos de Alvalade.

Hoje terá conseguido abrir a porta para a resolução de um dos mais embricados casos que recebeu de herança. E que terão sido bem mais do que os anos de história do maior clube português de hoje e de sempre!...

Tão grande como os maiores!... 
O desígnio de José Alvalade há-de cumprir-se!!!...

Leoninamente,
Até á próxima 

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Filosofia reprogramada, temos treinador !...



A propósito da excelente vitória hoje alcançada pela equipa B do Sporting Clube de Portugal na sua deslocação à Covilhã, concretizada mesmo depois da nossa equipa ficar reduzida a 10 unidades e como reflexo da solidariedade, empenhamento e garra colocadas em campo, apreciei sobremaneira o discurso de Abel Ferreira:
 
"... Reprogramámos a nossa filosofia, esquecendo um pouco o processo e virando o nosso foco para o resultado.”.
 
Nada que desde o princípio da época aqui não tenhamos alertado, acentuando que a mensagem transmitida por Abel Ferreira, tanto para o exterior quanto, com carga extremamente negativa, para dentro do balneário, era precisamente o inverso do que hoje, correcta e assertivamente proclama.
 
É que se bem se lembram, essa foi a ferida aqui assinalada, e mais tarde por aqui reforçada, onde no princípio da época, colocámos o dedo, tendo algum tempo depois voltado à carga, por nos parecer estar a ser cometido por Abel Ferreira um erro colossal.
 
Nesta hora em que a equipa B do Sporting Clube de Portugal, parece definitivamente regressada à única e correcta filosofia que Abel Ferreira diz ter "reprogramado", cumpre-me aqui prestar a mais justa homenagem ao nosso técnico: honra à sua inteligência e discernimento, à autoridade e capacidade para modificar a atitude mental dos seus comandados  e à fantástica nobreza de carácter que hoje evidenciou. Errar todos erramos e Abel Ferreira acaba de demonstrar a todos os sportinguistas, que nele podem confiar. Precisará que a sorte o acompanhe, mas a parte mais importante do seu trajecto, já ele a terá percorrido com distinção.
 
Leoninamente,
Até à próxima

A gente vai continuar !...




"Foi muito pesado. A grande diferença esteve no ritmo de jogo, ainda para mais no bom momento de forma em que estão, é praticamente impossível. 

Mas a diferença de jogo entre a Liga e os distritais é abismal. Nota-se na circulação de bola, na pressão, nas movimentações que eles fazem muito fortes.

Um pessoa estava a marcar um adversário no meio campo e de repente apareciam logo mais três jogadores a abrir linhas de passe, vinham para cima de nós, enfim, é impossível para quem não está com este ritmo.

Vínhamos com a intenção de fazer um golo e jogar depois fechadinhos lá atrás, procurando fazer uma surpresa, mas não deu. Temos de salientar, e agradecer, o facto do Sporting nos ter respeitado muito. Jogaram contra nós como se fôssemos uma equipa da Liga e isso é elogioso para nós."

Enquanto houver estrada para andar, a gente vai continuar! A gente tem de continuar ! Não pode ser de outro jeito!...

Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Porque será que não temos por cá Tagliaventos ?!...

E... Paolo Tagliavento parece ter nascido em Génova!...


Há que reconhecer que o Porto até fez um jogo esforçado e se calhar não merecia sair derrotado do confronto desta noite. Mas quando acontece futebol e nada mais que futebol, nem sempre a bola escreve direito e com letra correcta e justa.

Mas o que me apetece vir aqui e agora dizer, é que não conheço nenhum árbitro em Portugal, capaz de num jogo disputado nas Antas, aos 5 minutos de jogo, mostrar um amarelo a um jogador azul e branco, por falta feia sobre um adversário à entrada da grande área e na marcação do respectivo livre, voltar a mostrar segundo amarelo e consequente vermelho, ao mesmo jogador, por se ter adiantado na barreira e interceptado a bola por via dessa infracção.

Atrevo-me a confessar que talvez Jorge Coroado fosse capaz dessa atitude, mas... há muito que está reformado e a tratar de uma gastrite crónica que um dia contraiu, salvo erro, ali para os lados de Chaves!...

Quanto a todos os outros que ainda por cá vão brincando com a arbitragem, nenhum deles seria capaz daquilo que o genovês Paolo Tagliavento fez, com toda a naturalidade! Porque será ?!...

Leoninamente,
Até à próxima

SPORTING TV, um novo impulso. Será desta?!...


No tempo em que eu, miúdo traquinas, corria pelos pinhais e milheirais da minha Fogueira natal e ainda não fora proibida a caça dos passaritos, eu costumava ocupar os tempos das longas férias de Verão, com centenas de armadilhas metálicas denominadas "costelos", que carregava às costas, enfiados num comprido pau e depois distribuía, com memória de elefante, pelos locais mais propícios à passarada, com o bicho branco retirado dos "canoilos" do milho, a rabiar. Depois de instalados todos os costelos, voltava ao primeiro para iniciar a recolha da caça e rearmar com bichos novos aqueles que a esperteza dos melros, havia desarmado, ludibriando o caçador.

Nos dias quentes, junto de qualquer regato ou fiozinho de água, também recorria a uma armadilha composta por duas abas de rede que, a um enérgico puxão de um fio colocado a distância conveniente, se fechavam sobre si próprias, cobrindo às vezes dezenas de passaritos incautos que saciavam por ali a sede. Chamava-se "palma" essa armadilha e o grande segredo do êxito desse instrumento, estava em esperar pacientemente pelo primeiro pássaro que fosse beber e puxar a palma, para depois de novamente armada, amarrar com um fio, o pobre do passarito a uma estaca espetada no chão. Chamavam os miúdos como eu a este estratagema, a "negaça", que no seu esforço para se libertar, acabava por atrair outros pássaros, para a armadilha.

Que me perdoem os dirigentes do Sporting Clube de Portugal responsáveis pela matéria que constitui o tema deste meu post, mas quando li esta notícia, lembrei-me das "coitadas e famigeradas negaças"!  A publicação é o que todos nós há muito reconhecemos: uma armadilha! E o teor, a especificidade e o pormenor do conteúdo afiguraram-se-me uma inteligente negaça, cedida por fonte interessada na sua divulgação e naturalmente aproveitada com "gratidão" pelo sensacionalista diário. 

Satisfeitas ambas as partes, os adeptos sportinguistas e muito em particular aqueles que caracterizam a SPORTING TV, como importante prioridade, rejubilaram com toda a naturalidade.

Bem visto! Excelente jogada da linha "media" sportinguista!...

Leoninamente,
Até à próxima

Muito cuidado e atenção leões !...



Estou confiante sobre a prestação que o Sporting Clube de Portugal será capaz de apresentar no próximo domingo nas Antas. Não tenho quaisquer dúvidas sobre a superioridade que a equipa leonina evidencia neste momento, sobre o adversário que dentro de cinco dias lhe caberá defrontar.

Tanto em termos de consistência táctica, quanto de enraizamento de processos de jogo, julgo que os leões estarão neste momento num patamar superior ao conjunto azul e branco. Depois, se nos detivermos numa análise comparativa do valor individual de cada um dos elementos que constituem os dois conjuntos, não consigo descortinar que a soma azul alguma vez supere a verde, pesem embora nuances pontuais em que um conjunto se poderá superiorizar a outro, mas que no final me parecem resultar num equilíbrio evidente, retirado o andor com que os diversos orgãos de comunicação social costumam transportar os do Norte.

Certo de que o factor casa e a concumitante relação do apoio que ambas as equipas receberão das bancadas - não andará muito longe de 7 ou 8 para 1 - estou em crer que as forças em presença no início dos 90 minutos se equivalerão e... acontecerá futebol!...

A minha grande dúvida sobre a força determinante que poderá ditar o resultado final, centra-se, obviamente, na pessoa e nos atributos do árbitro que vier a ser nomeado para o encontro. O árbitro que eu gostaria de ver nomeado para ajuizar o encontro entre as duas melhores equipas portuguesas do momento, seja em termos classificativos, seja na valia do futebol praticado, deveria ser, obviamente, o melhor árbitro português. Mas quer-me parecer que, atempadamente, o seu nome já foi riscado da lista, pouco me importando a mim analisar, se as  razões do impedimento serão válidas ou cinicamente programadas no tempo ou no modo.

Com todo o pragmatismo do mundo, direi que há muito deixei de acreditar no pai Natal. Pelo que poucas dúvidas em mim subsistem de que o árbitro principal que virá a ser designado, será tecnicamente consagrado e suficientemente inteligente para levar a bom termo a sua missão, sem se chamuscar, condicionando o jogo para o lado que conste do "caderno de encargos", intercalando subterfúgios complacentes, com rigor inflexível, consoante a cor dos prevaricadores.

Mas, em verdade vos digo, que a pedra de toque do jogo das Antas, do meu ponto de vista, estará nos árbitros auxiliares que vierem a ser designados. A sua acção, sem que as suas figuras constem como cabeças de cartaz, poderá vir a revelar-se decisiva, sem o impacto polémico que qualquer acção menos curial do juiz principal determinaria. Não deveremos esquecer que estamos a lidar com um "sistema" altamente profissionalizado e com décadas de prática.

Nesta condição, Leonardo Jardim certamente que irá alertar os seus pupilos para uma concentração máxima no sentido de evitar liminarmente faltas nas imediações da grande área leonina e para uma conduta irreprensível no capítulo disciplinar. Para que nem os penalties, nem as expulsões, acabem por ditar o resultado.

Muito cuidado e atenção leões !...

Leoninamente,
Até á próxima

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Este será sempre o meu Sporting !...

Imagem retirada de A Bola

É minha forte convicção de que ao novo rumo que o Sporting Clube de Portugal vem empreendendo, nenhuma falta farão, em absoluto, velhos hábitos e formas de proceder e reagir para com os nossos adversários, quaisquer que eles sejam e independentemente dos condicionalismos que rodearem os confrontos que o calendário determinar.

No limite, absolutamente no limite, sendo que mais recomendável seria evitar, considerarei a tarja exibida pela Torcida Verde ontem em Alvalade. Ir para além deste limite, seja utilizando grafismos a raiar o insultuoso, seja por cânticos ofensivos do mesmo calibre, sempre reduzirá a nossa estatura e pouco ou nada contribuirá para a promoção e galvanização da nossa histórica grandeza e circunstancial empolgamento em cada momento.

Como sportinguista que muito preza valores e princípios, não me revejo nem alguma vez me provocará qualquer conforto, o mais pequeno gesto, atitude ou palavra de afrontamento, venham elas do Presidente do Sporting Clube de Portugal ou de qualquer responsável leonino, técnico, atleta ou adepto.

O único conforto que sempre me assistirá, resultará das respostas que soubermos e formos capazes de dar em campo e da elevação inflexível com que sempre soubermos responder aos nossos adversários, independentemente da ética ou falta dela, que os mesmos exibirem para connosco.

Este será sempre, o meu Sporting !...

Leoninamente,
Até à próxima 


Suécia?!... Cesteiro que faz um cesto ...


Decididamente os deuses não estão com Paulo Bento! O sorteio nem lhe ofereceu o "geladinho da Islândia", nem o "rebuçado da Roménia"! O homem foi poupado ao "absinto da França", mas não se livrou de disputar o complexo "jogo de xadrês sueco"!...

Ou muito me engano, ou o bilhete para terras de Santa Cruz, ficará por levantar na agência. De tanto se submeter aos "agentes", acabou por colocar em risco as "férias gostosas" do próximo Verão e muito provavelmente verá canceladas as chorudas transferências bancárias mensais para a sua conta. É a vida de quem não cuida o mais elementar princípio de qualquer seleccionador, de escolher em cada momento os melhores e o subverte a outros obscuros princípios.

Para cúmulo do azar, a selecção jogará o primeiro jogo na passada e porventura futura "casa de Paulo Bento", o que não constituirá, do meu ponto de vista, o melhor prenúncio. O relvado não é, longe disso, o melhor do país, e o peso da tradição é muito bem capaz de não nos ser favorável. Mas estas são as "malhas que o império tece", e deste tipo de malhas, há muito que Paulo Bento deixou de fugir ou de abdicar.

Oxalá eu me engane, mas quer-me parecer que falharemos o Brasil sem honra nem glória. É provável que aos "fretes", Paulo Bento desta vez diga não. Mas continuará a alimentar, sem apelo nem agravo, os seus "ódios de estimação". Da "casmurrice" não se libertará e, ainda que da sua "próxima e porventura última convocatória" possam constar novos nomes, o seu "núcleo mole" há-de continuar a ser o mesmo. Contra as "torres suecas", veremos Paulo Bento argumentar com os seus habituais anões, "micaeis e josués" e continuar a dar preferência aos que devoram meia dúzia de "croissants" ao pequeno almoço, a "torres sem pés nem cabeça" e a outros que adoram que as noites sejam longas e eivadas de "facas também elas longas e perigosas"!...

Cinco semanas de "ãs... e objectivos", que acabarão, oxalá que não se cumpram os meus receios, em mais uma tremenda frustração colectiva! Mas... cesteiro que faz um cesto, faz um cento !...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 20 de outubro de 2013

Leonardo Jardim, o homem do jogo !...


Foram 20.478 adeptos do futebol, que hoje sairam de Alvalade, de sorriso estampado nos rostos e a certeza plena de que valeu a pena o dinheiro que pagaram pelo seu bilhete. E o espectáculo foi tão agradável e significativo que se assistiu, tanto ao aplauso de golos do Sporting Clube de Portugal pelos adeptos do Sport Clube Alba, quanto à justa homenagem dos adeptos sportinguistas ao golo de honra dos esforçados e profissionais jogadores amadores da equipa de Albergaria-a-Velha.

Em tantos e tantos anos que levo de adepto do futebol, não me lembro de alguma vez ter visto o marcador do golo de honra de um visitante, apresentar-se sorridente e feliz na "flash-interview", envergando a camisola do clube adversário. Isto revela a dimensão dos atletas, técnicos e dirigentes que tivemos a felicidade e a honra de receber e ver pisar o estádio de José Alvalade. Porque ninguém alcança sozinho a vitória. Nenhum clube é vencedor sem a presença digna e honrada do vencido. A equipa do Sporting Clube de Portugal saiu vencedora, porque se viu obrigada a ultrapassar a determinação e a dignidade de um grande clube como o Sport Clube Alba, que veio a Alvalade embelezar uma noite de gala do futebol.

Aos atletas, técnicos e dirigentes do Sport Clube Alba, os adeptos albergarienses hão-de prestar bem melhor do que eu serei capaz, a justa homenagem de que são merecedores. E à bela recordação dos momentos vividos em Alvalade e através do directo televisivo, há-de somar-se a metade da agradável receita proporcionada pelos quase 20.500 espectadores, que tanto conforto há-de provocar nos cofres da colectividade de Albergaria-a-Velha e uma eventual e enorme motivação, nos clubes a quem vier a caber a sorte de defrontar o Sporting Clube de Portugal em qualquer próxima eliminatória, nesta e noutras competições. Porque o Sporting voltou a ser sinónimo de dinheiro não virtual, mas real, em caixa!...

Entre os golos e exibições de Wilson Eduardo, Marcos Rojo, Diego Capel, Vitor Silva e Islam Slimani, o "hat-trick" de Fredy Montero e a contribuição de todos os 14 leões que estiveram em campo, não me peçam para destacar quem quer que seja. Porque eu apenas sou capaz de destacar o verdadeiro responsável pela formidável afirmação de profissionalismo e entrega que me foram dadas apreciar em Alvalade: o treinador do Sporting!

Só um técnico de dimensão superior, conseguiria levar a equipa que lidera, a tal patamar de esforço, dedicação e devoção, contra um adversário bem mais modesto! Só um técnico que domina de forma tão evidente e eficaz as mais diversas vertentes do jogo, particularmente a mente de todos os atletas que compõem o fantástico colectivo leonino, conseguiria motivar a sua gente para a prestação esforçada, determinada, equilibrada, consistente e agradável que pudemos apreciar e que durou 96 minutos de um jogo que determinou em nós fundadas esperanças no futuro que nos espera!...

Por isso, para mim, o homem do jogo foi, Leonardo Jardim !...

Leoninamente, 
Até à próxima

PUBLICIDADE