sábado, 30 de novembro de 2013

Que esta data se repita por muitos anos !...



Que esta data se repita por muitos anos !...

Leoninamente,
Até á próxima

P.S. - Um grande sportinguista que muito admiro, chamava o anterior treinador dos andrades de... "looser" !... E este, como lhe chamará?! Fico à espera, amigo Rui C. Será que se tratará de um "upgrade" ?!...

Tu quoque, Brute, fili mi !...




"Tu quoque, Brute, fili mi !...", terá dito Caio Júlio César ao seu próprio sobrinho e filho adotivo, Brutus, que o esfaqueava junto com os membros do Senado romano.

Hoje na bancada central do estádio municipal Cidade de Coimbra, alguém terá murmurado, entre dentes:

"Tu quoque, Sergius, fili mi !..."

Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Chegou-me a notícia de que, afinal o Sérgio, de dragão, apenas terá a terminação! Pois será muito bem feito e inteligente! A ser verdade, o meu aplauso!...

Palavras para quê?! É um árbitro profissional português!...




Palavras para quê ?!...
É um árbitro profissional português !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

O renascimento do Leão, após anos e anos de mansidão?!...




Quanto vai receber o Sporting pela transferência de João Moutinho (do FC Porto) para o Monaco? A Comissão Arbitral da Liga vai decidir, mas o clube de Alvalade já colocou a circular que os “juízes” frequentam os camarotes do Estádio do Dragão. As regras estão viciadas?

Bruno de Carvalho sabe que os mais fervorosos sportinguistas não gostam de alianças. Nem com o Benfica nem com o FC Porto, mas historicamente – por causa da rivalidade com os vizinhos da Segunda Circular – sempre admitiram com maior tolerância as aproximações ao FC Porto. Essa sensibilidade foi quase sempre projectada pelos presidentes do clube de Alvalade. Tirando o caso de Dias da Cunha, que até avançou com um manifesto, e exceptuando situações de escaramuças mais pessoais do que institucionais, os presidentes do Sporting foram alimentando a estratégia que mais serviu os interesses do FC Porto. Parte do sucesso de Pinto da Costa foi construído através das picardias colocadas nas relações entre o Benfica e o Sporting ou vice-versa e, neste momento, com a mudança presidencial entre os leões, vive-se uma fase diferente em Alvalade, com Bruno de Carvalho a questionar-se: o que posso perder estando de costas voltadas para o FC Porto e o que posso ganhar estando de boas relações com o Benfica?

O Sporting assume o corte de relações com o FC Porto e, inicialmente, num clima de desanuviamento em relação ao Benfica, Bruno de Carvalho corrige o tiro, quando mais recentemente vem falar de que... alianças (?), “só no dedo e com a minha mulher”. O presidente do Sporting sabe que está numa encruzilhada: não tem qualquer tipo de poder nem na Federação nem na Liga, logo não tem qualquer tipo de influência sobre as decisões, nem no plano da Arbitragem, nem no plano da Disciplina – os dois cadeirões onde se revolvem mais de 75% das coisas do futebol.

Bruno de Carvalho, astuto como é, já percebeu que não vale a pena estar com romantismos e um dos mais recentes episódios relacionados com poderes e alianças demonstra que o Sporting também está desconfiado com a Comissão Arbitral da Liga que vai decidir a divergência sobre o montante que o FC Porto deve pagar ao Sporting, relacionado com a venda de Moutinho ao Monaco. Talvez tenha sido isso que levou o jornal “Sporting” a dar conta, refugiando-se em fontes próximas do processo, da “presença assídua” nos camarotes do Estádio de Dragão de alguns dos membros que vão decidir a divergência entre o FC Porto e o Sporting, no caso Moutinho.

Quer dizer: os leões já estão a preparar os seus apaniguados para algo que pode vir a acontecer: o Sporting não receber um pouco mais de 4,6 M€, resultantes da transferência de João Moutinho do FC Porto para o Monaco, e ao abrigo do acordo celebrado entre portistas e sportinguistas em julho de 2010, quando o Sporting vendeu Moutinho ao FC Porto por 11 M€, ficando de receber mais 25% numa futura transferência sobre a mais-valia apurada. A esse valor – defendem os leões – deve somar-se 1,125 M€, o qual representa 5% do valor total da transferência, enquadrado no chamado Mecanismo de Solidariedade. O FC Porto não quer pagar os 3,5 M€, alegando que é preciso descontar 2,485 M€ resultantes de pagamentos à Gestifute (de Jorge Mendes).

Parece evidente que esta interpretação só parece ser possível por causa das más relações entre FC Porto e Sporting, sobretudo se for certo – como alegam os leões – que no acordo é dado um exemplo prático, segundo o qual, se Moutinho fosse vendido por 20 M€, o Sporting teria de receber 2,225 M€, isto é, 25% sobre a mais valia de 9 milhões. Quer dizer: se Bruno de Carvalho não fosse o presidente, o FC Porto teria a mesma interpretação? Se sim, então aí está o que valem as “boas relações institucionais” – apenas enganos.

Há ainda a questão do entendimento entre o FC Porto e o Monaco, no que concerne à fixação do preço dos passes de Moutinho e James Rodríguez. O Monaco entrou na jogada do FC Porto. A interpretação monegasca foi generosa. O aconselhamento também. Por aqui se vê, também, que o objectivo era “passar a perna” ao Sporting. A independência dos leões, reivindicada pela nova presidência, tem um preço. Que está à vista, fruto de anos e anos de mansidão.

Perante os insondáveis registos sobre as razões que terão sustentado a repartição cíclica da hegemonia do futebol português, desde meados do século passado até aos dias de hoje, poucos contestarão a tese, de que se terão verificado três longos períodos de supremacia incontestada, protagonizada, respectivamente por Sporting Clube de Portugal, S.L. Benfica e F.C.Porto.

O domínio do Sporting derivou da incontornável, incontestada e saudosa qualidade técnica e do talento de várias gerações de atletas, que o destino terá vestido com as gloriosas camisolas verde e brancas de Leão Rampante ao peito. 

O S.L.Benfica terá alicerçado a sua subida ao topo do futebol português, através do espírito organizativo de Otto Glória, da astúcia ímpar e irrepetível do velho húngaro Bella Guttman, do aproveitamento do filão africano das antigas colónias portuguesas e do beneplácito e apoio despudorado de um regime que adoptou o clube como coisa sua e dele fez bandeira propagandística.

Da inteligência, capacidade organizativa, argúcia e utilização de métodos pouco ortodoxos no control de todas as estruturas do futebol português, por parte de Jorge Nuno Pinto da Costa, terá resultado a posição hegemónica alcançada pelo F.C.Porto, nas últimas três décadas.

Afastado há mais de meio século da ribalta do futebol português, o Sporting Clube de Portugal, descontadas naturais mas episódicas épocas, em que conseguiu interpor-se entre os seus outros dois poderosos rivais, parece ter gasto todo esse tempo numa quase descoroçoante e decepcionante hibernação, de que finalmente, goste-se ou não do seu novo líder, parece pretender libertar-se, através de um trilho de independência e da absoluta recusa em servir de ponto, no teatro do futebol português.

Mas o caminho da independência, da dignidade e da regeneração do futebol português, perseguido por Bruno de Carvalho, tem um preço, porventura muito alto e quem sabe se alcançável no prazo que a grande nação leonina desejará. Esse preço, como acertadamente Rui Santos acentua no seu artigo de hoje,"... está à vista, fruto de anos e anos de mansidão...".

E a grande questão que se colocará, será a de nos interrogarmos sobre se, o elevado preço que teremos de pagar, alguma vez deverá constituir-se como dissuasor dos propósitos de um líder que apenas pretenderá conduzir o seu Clube, ao lugar com que sonha a mais poderosa e fantástica massa adepta do mundo.

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A paciência de Leonardo Jardim...


"O que era necessário para o Sporting ser candidato ao título? Era necessário, no início da época, quando formalizou o projecto e a época desportiva, ter esse objectivo e não o tinha. Por isso preparou-se, dentro das suas capacidades e limitações, de forma a construir um plantel para outros objectivos numa primeira fase.
[...]
Estamos a tentar ser competitivos em todos os jogos, ambicionar cada vez mais, mas sem definir o título como principal objectivo da época, ao contrário de outros clubes que o fizeram.
[...]  
Nesta altura, as preocupações de toda a estrutura estão directamente ligadas ao processo, isto é, à capacidade de fazer evoluir estes jogadores e esta equipa para um patamar mais elevado de performance desportiva, em termos colectivos e individuais, com a valorização de activos; proporcionar aos nossos adeptos bons espectáculos de futebol e com intensidade; e, claro, disputar todos os jogos com a ambição de vencer e poder estar o mais acima possível na tabela classificativa".

E a saga da comunicação social continua. Corajosamente e sem desfalecimentos, é preciso alcançar os objectivos, e para isso, continuar a "zurrar" asininamente. Leonardo Jardim, não terá, porventura, jeito para o desenho que, confirmadamente, seria a melhor maneira de lhes passar a mensagem. Assim, lá vai arranjando paciência para os aturar. Eu, se algum "jornaleiro" me voltasse pela enésima vez a falar em "candidatura ao títulol", mandava-o à merda e pronto, ficava o assunto encerrado. Assim, com idade para ser meu filho, Leonardo Jardim vai-me dando em cada semana, eloquentes lições de uma paciência quase oriental, de um saber estar fora do comum e da defesa intransigente do grupo que lidera e da cadeira dos seus sonhos de menino. Que grande treinador nos entrou pela porta dentro!...

Já o mesmo não dirão os instigadores da "campanha da candidatura ao título", quando deparam com as pobres afirmações dos seus técnicos, que quanto mais esfarrapam as desculpas, mais mostram o "rabiosque". Não conheço nenhum "andrade" que não apresente o sobrolho carregado, o que acho muito bem feito, e quando deparo com isto, num dos melhores blogs benfiquistas que conheço, fico esclarecido.

Bom, mas "merdas de candidaturas ao título" à parte, é preciso que Leonardo Jardim distribua 11 canivetes a cada um dos leões que escolher para titulares do jogo de Domingo, e ordenar-lhes, nem que seja aos berros, que rebentem com todos os pneus de quantos autocarros nos aparecerem em Alvalade. Sei que ele não será homem para sair do seu registo "low profile", mas ao menos que lhes dê as armas de sobrolho franzido, como tão bem faz com os pobres dos "jornaleiros". Só que eu tenho a certeza que os nossos leões são incomparavelmente mais inteligentes que esses pobres escribas.

Isto tudo para dizer, que a vingança tem mais encanto, quando é servida fria. E o que eu desejaria era que os 6 pontos da época passada, fossem esta época cobrados até ao último cêntimo, de forma gelada e sem festejos. Porque, para além de apaziguados os meus legítimos desejos de vingança, sempre queria ver se na semana a seguir, os "jornaleiros" voltavam a insistir na candidatura. A menos que aconteçam mais "desastres" por aí...

Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Pode ser que na Academia se atrevam a ganhar !...



Segundo hoje informou o Sporting Clube de Portugal no site oficial. o jogo referente à 18ª jornada da II Liga, em que a nossa segunda equipa defrontará a sua congénere do Marítimo, será disputado no próximo sábado às 11.00 horas na Academia Sporting.

As razões desta alteração estarão ligadas com a preservação do relvado de Alvalade, mas em receio que alguma entidade superior terá escrito direito por linhas tortas. Realmente, pelo que a rapaziada produziu em Faro, talvez não merecesse "estragar" o relvado da savana maior, e tenha de cumprir "castigo" na savana mais pequenina.

Há coisas que os adeptos, por mais que Abel Ferreira explique, por mais alterações de "filosofia" que sejam anunciadas, continuam sem compreender. Agora que a LPFP - não será pormenor sem conteúdo, a rapaziada ser profissional -, homologou o relvado principal da Academia, talvez fosse de lhes reservar a oportunidade de voltar a jogar em Alvalade, apenas e quando conseguirem chegar ao topo da classificação da II Liga.

Pode ser que na Academia se atrevam a ganhar !...

Leoninamente,
Até à próxima

Curiosidades sobre bandeiras...

Ainda se agitam bandeiras na comunicação social e petições nas redes sociais, contra o fino humor - alguns exagerarão na espessura do traço! -  do Presidente do SCP, sobre a solução óbvia para alguns e não tão transparente para outros, de que a resolução dos problemas do país,  passaria pela erradicação do vermelho - alguns não abdicam do encarnado! - da simbólica bandeira da República Portuguesa.

Os portugueses aderentes a tão patrióticas iniciativas, ou perderam o sentido de humor, ou de modo perigosamente irreversível,  aprestam-se para confirmar os tratados de Alzheimer. Quanto ao sentido de humor, estamos conversados, perante os protestos de Bocage e dos alentejanos, que há muito entenderam haver muito mais motivos para gargalhar, que passar a vida a zurzi-los só a eles. Quanto à outra possibilidade o caso será bem mais grave.

Ao longo de 48 anos de regime fascista, a que deveremos somar mais quase 40 anos de democracia, não me lembro de alguma vez ter assistido a semelhante campanha, por parte dos amantes da esperança, pelo facto de a cor verde nunca ter sido escolhida para colorir as camisolas da selecção nacional. A cor preferencial dos fascistas foi o vermelho - irónico, não?! - e depois de passarmos a viver democraticamente, até a Fátima Lopes gosta mais de encarnado! Do verde, não me lembro de nenhum estilista que o tivesse preferido1 E esta, hem?!...

Mas se recuarmos na história lusa, surpreender-nos-à  o bom gosto do nosso rei D. Pedro II ! Ora reparem na beleza do seu estandarte:


E se avançarmos na História e nos situarmos no ano de 1640, veremos que depois de Miguel de Vasconcelos ser atirado pela janela, terá sido hasteada esta bandeira:


Séculos mais tarde, ultrapassada que foi a fobia e a falta de gosto dos fascistas pelo vermelho, eis que novas aragens felizmente surgiram e assistimos a uma descolonização, bem ou mal feita isso agora não vem ao caso, patrocinada por Altos Comissários para cada uma das colónias em acelerado processo de independência, a mandar hastear nas suas residências esta, incrível e verdadeiramente bela, bandeira:


Ainda os Altos Comissários andavam lá pelas ex-colónias a cumprir Abril, e a "onda verde democrática" prosseguia imparável, com a substituição da caduca, odiada, corrupta e inenarrável "assembleia nacional", por uma pujante e livremente escolhida pelo povo português, Assembleia da República, cuja primeira e digna medida terá sido escolher uma nova bandeira:


E a onda verde estender-se-ia aos arquipélagos dos Açores e da Madeira, para onde, depois de a Assembleia da República ter decidido a sua justa autonomia, foram enviados os respectivos Ministros da República, que nas suas residências passaram a mandar hastear, originais e bonitas bandeiras:




Chegados aqui, apetece perguntar a todos os "patriotas" que até já se arrogaram o direito de pedir a criminalização do Presidente do Sporting Clube de Portugal, pelas palavras proferidas, uma de três coisas:

1 - Que raio de sentido de justiça é o deles, para não promoverem petições para a criminalização dos promotores de todas estas bandeiras, desde o nosso rei D. Pedro II?!

2 - Como deverá ser considerado o desejo do Presidente do Sporting Clube de Portugal, um visionário que apenas pretende que seja prosseguida a linha democrática, progressista e vanguardista, que esteve na origem da escolha de todas estas bandeiras, ou um retrógrado e vulgar "fascistóide" que defende a eternização do vermelho?! 

3 - Não precisarão todos aqueles que apontam o argueiro no olho de Bruno de Carvalho, de visitarem o oflamologista para lhes retirar o barrote dos olhos, ou o psiquiatra para lhes expurgar os complexos?!

Talvez seja bem mais fácil adquirir algum, um pouco só que seja, de sentido de humor e continuarmos todos a respeitar profundamente a nossa bandeira. Os timorenses, hoje povo livre  e independente, continuam, mesmo depois da sua irreversível conquista, incapazes de pisar... a sombra da bandeira portuguesa, aquela em que o seu compatriota Aleixo morreu embrulhado!...

Não me façam rir, pequenotes vermelhos !...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A bandeira de que o Presidente do SCP gosta !...

Bandeira da Presidência da República Portuguesa

Esta é a bandeira de que o Presidente do Sporting Clube de Portugal gosta! Assiste-lhe toda a legitimidade no sentimento e bom gosto que cultiva!...

Como português e sportinguista, comungo fervorosamente o sentimento e o bom gosto do Presidente do meu Clube!...

Para todos aqueles com os quais isso não aconteça, venho por este meio informar, que os comprimidos KOMPENSAN, ainda não esgotaram nas farmácias portuguesas, recomendando eu, por experiência adquirida, que os adquiram com o nome seguido da letra S, evidentemente de... SPORTING !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Para os "doentes" de recursos mais modestos, recomendo o genérico, sendo que o princípio activo é o Carbonato Sódico de Di-Hidróxido de Alumínio.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Haverá prendas no sapatinho, mesmo depois dos Reis ?!...



E a Jeffrén, Labyad e Welder, que indicadores mais ou menos seguros apontam como estando de saída na próxima reabertura de mercado, veio hoje somar-se a previsível saída de Diogo Salomão, aqui referida.

Quatro activos, cujo peso considerável no orçamento leonino, não corresponderá, como seria de desejar, a uma profícua contribuição desportiva, o que naturalmente levará os responsáveis leoninos ao encontro de soluções que modifiquem a situação actual, conseguindo conciliar o que tantas vezes se afigura inconciliável: o sol na eira e a chuva no nabal!

Julgo que até será de admitir, que algumas dessas saídas se venham a processar em termos definitivos, dando lugar a eventuais e consequentes entradas de alvos entretanto observados e analisados, com o rigor que este mercado de Inverno exige e sem o grau de imperiosa necessidade que por vezes atrapalha tantos negócios.

Também certamente hão-de concorrer para uma redefinição clara de objectivos, os resultados alcançados tanto pela nossa equipa quanto pelos nossos adversários, até ao terço final de Janeiro. E sem que o possamos ou queiramos evitar, a recordação das chegadas de André Cruz, César Prates e Mbo Mpenza, fazem-nos alimentar esperanças que o bom senso não recomendará, mas que o incontrolável espírito de conquista leonino dos adeptos nunca proibirá.

E é neste ponto que deverá vir à superfície a confiança que a grande nação leonina deposita em quem tem sobre os ombros a responsabilidade de encontrar o melhor caminho para o Sporting Clube de Portugal! Haverá prendas no sapatinho, mesmo que venham depois dos Reis?!...

Leoninamente,
Até á próxima

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Correndo os riscos de um dia, acordarmos campeões!...



Pela segunda vez em 10 anos, o Sporting Clube de Portugal consegue chegar à jornada 10 do campeonato apenas a 1 ponto do conjunto que lidera a classificação. Com uma substancial e importante diferença, relativamente ao que havia conseguido na época 2011/12, quando somava 23 pontos à ronda 10, um a menos que Porto e Benfica, que seguiam então empatados no topo da tabela classificativa: a situação actual, verifica-se exactamente após uma temporada para esquecer, por todos considerada sem recurso à realidade estatística, como a pior de toda a história do Clube.

E é neste importante contexto que assumem particular significado as palavras de Leonardo Jardim, ao recusar liminarmente a candidatura leonina ao título e afirmar, liminarmente, que o Sporting Clube de Portugal não preparou uma estrutura para ser candidato ao título. Porque até isso acontecer e depois da profunda desilusão da época passada, haverá um longo caminho a percorrer, que não se compadece da "ganância" com que uma comunicação social, incapaz de denunciar as razões adjacentes a essa incontornável realidade, continua a percorrer com obscuros objectivos, os caminhos de tão estúpida quanto descarada obcessão, de pressionar um eventual desvio a tão acertado quanto realista caminho.

O Sporting Clube de Portugal, todos os seus actuais responsáveis e a imensa massa adepta que o suporta e é a razão única da uma grandeza incontroversa, factual e não falacciosamente fabricada, sabem de há muito, aquilo que a comunicação social portuguesa pretende esquecer ou fazer esquecer: os títulos não se ganham apenas dentro das quatro linhas dos relvados. 

Se assim fosse, Alvalade não teria sido esbulhado de, pelo menos, dois títulos, já no decurso deste ainda jovem século, ante o silêncio, submissão, sonegação da verdade desportiva e  compadrio dessa mesma comunicação social. Se assim fosse, os adeptos do futebol não teriam sido confrontados, com "apitos dourados", dívidas fiscais dos seus rivais trocadas por acções sem valor, discricionaridades dos orgãos de justiça e de controle da arbitragem, outrora nas mãos das "mafias também douradas" e hoje pomposamente chamadas de federativas, mas preservando "a merda e as moscas". Se assim fosse, o futebol português não estaria entregue a interesses espúrios, que lhes vão cavando a sepultura, com a criminosa, discricionária e eternamente desregulada importação de atletas estrangeiros. Se assim fosse, já há muito estariam mortos e enterrados quadros competitivos obsoletos e alargados de forma irracional e criminosa, face à realidade de um pequeno e pobre país, de apenas 10 milhões de habitantes.

Então, sabem os milhões de adeptos sportinguistas, sabem os actuais dirigentes do Sporting Clube de Portugal e sabe Leonardo Jardim, que o caminho jamais poderá ser aquele que, de olhos vesgos e na mais degradante condição de subserviência e ausência de dignidade, uma comunicação social de poucas e por isso honrosas excepções, pretende colar a uma instituição centenária de verdade e sem falseamentos de fundação.

O caminho terá necessariamente de ser outro, em busca de um modelo que, suportando a nossa esperança e dignidade, possa ajudar na regeneração do "sistema", ou esperar que ele caia de podre, ainda que correndo os riscos, sérios ou remotos, de um dia...

Acordarmos campeões !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 24 de novembro de 2013

Candidato ao título, não! Apenas o 2º classificado na Liga!...

A chave do jogo

Como era previsível, ao Sporting Clube de Portugal depararam-se nesta sua deslocação ao estádio D. Afonso Henriques, dificuldades sérias para conseguir conquistar os três pontos que bailavam no subconsciente da sua formidável massa de adeptos.

E os leões que estiveram em campo, revelaram ao longo de todo o tempo de jogo, a exacta consciência das dificuldades que seriam obrigados a ultrapassar, se quisessem regressar a Alvalade com a vitória. E confirmaram sem quaisquer tipo de sofismas, a consolidação dos processos de jogo e a vontade indómita que os anima, no sentido de representarem com dignidade as gloriosas camisolas que envergam.

Já cansa ouvir jornada a jornada, da parte da franja de jornalistas que é destacada para fazer o acompanhamento próximo das sucessivas jornadas deste terço já cumprido do campeonato, não resistirem, em vez de se debruçarem sobre toda a envolvência que estará na base da equipa ocupar com todo o mérito o 2º lugar na tabela classificativa, o estafado ou mesmo estúpido desafio, de tentar que alguém da estrutura leonina assuma a candidatura ao título. Inocente será quem os considerar burros. Eles apenas são estúpidos, até ao dia em que se cansem!...

O que não cansa o mais humilde e menos expansivo adepto leonino, é ver a sua equipa colocar em cada jornada, mais um tijolo no fantástico edifício que esta a ser construído. Porque o metódico trabalho que Leonardo Jardim encetou há pouco mais de cinco meses, frutifica em cada jornada, a equipa cresce em cada jogo os milímetros que, quase cientificamente, o seu líder há muito planeou. Sem que ninguém do solidário grupo que Jardim está a construir, se deixe confundir pela areia que todos os dias os jornalistas lhe atiram para os olhos. Quanto mais o próprio Leonardo Jardim, que hoje afirmou, olhando incisivamente para as "maçãs tentadoras" exibidas pelos mais estúpidos jornaleiros e pela enésima vez, "o Sporting não é candidato ao título"!...

Até o equipamento alternativo hoje terá ajudado! De facto, nada mais semelhante a um fato de trabalho, aquele azul "fiorentino", que os leões envergaram garbosamente e que... dignificaram e honraram!

Obrigado leões! Não pelo trabalho, que com denodo, realizaram. Para isso vos paga o Sporting Clube de Portugal, pontualmente. Mas pela vossa determinação, raça, garra e empenho, pela mística fantástica que convosco vai crescendo e enchendo de orgulho a mais indefectível massa adepta do mundo.

Termino com o incontornável elogio que me mereceu o trabalho de Paulo Baptista  e seus pares. Limpinho, limpinho! Como deveria ser sempre. Se fosse observador, não me repugnaria atribuir uma nota muito próxima do valor máximo.

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 23 de novembro de 2013

Pela vitória até ao último segundo e até ao último pingo de suor !...


Amanhã, todos os nossos caminhos irão dar aqui. Uma parte importante das nossas esperanças deverão centrar-se neste relvado. E toda a nossa mística, toda a nossa raça, todo o nosso querer deverá encher este bonito estádio, lutando pela vitória até ao último minuto e até ao último pingo de suor. 

Que todos os leões que amanhã estiverem em campo não esqueçam por um segundo que seja que, enquanto outros soluçam e vivem de esquemas e favores alheios, tantas vezes mesmo dentro das quatro linhas, ainda que comandados de obscuros gabinetes, a grande nação sportinguista apenas confia no vosso esforço, dedicação e devoção, para que mais uma vitória possa ser alcançada!...

Tenham sempre presente nos vossos espíritos, que esta é a realidade do nosso futebol: a sobrevivência obriga-nos a comer o pão que o diabo amassou! Pois bem, comam-no, mastiguem-no bem e... vivam a alegria da vitória! Para que a mais apaixonada massa de adeptos, possa celebrar convosco, amanhã, no D. Afonso Henriques e por todo o mundo onde estiver um leão!...

Ah, e para que o 2º lugar continue a ser nosso, bastará, apenas e tão só, uma vitória, no D. Afonso Henriques !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

Apenas o episódico afastamento das moscas !...


Parabéns, Benfica. Obrigado Liga!...

"O Benfica está de parabéns em relação à forma como conduziu, juridicamente, o “caso Jesus” (em Guimarães) mas tem de agradecer à Liga a disponibilidade que revelou em tirar o treinador do Benfica das garras de um castigo tendencialmente mais duro, nunca inferior a três meses. A opinião pública não entende estes benefícios ao infractor e a integridade do futebol não ganha nada com as sistémicas branduras disciplinares."
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record) 

Rui Santos terá dito absolutamente tudo, no artigo acima "linkado". Só os tolos porventura se deixarão enganar com as "papas e bolos" utilizados como pretensas "habilidades legais" no "cozinhado" - haverá quem prefira ulilizar o pomposo e juridicamente erudito termo mancomunação! -, entre os serviços jurídicos do S.L.Benfica e a Comissão de Instrução e Inquéritos da Liga (CII), para não ir mais longe e colocar, obviamente, no "saco da mesma farinha", o Conselho de Disciplina da FPF.

Fui dos que acreditaram que novos ventos sopravam quando foi constituída e nomeada a novel CII. Mas o processo que teve como protagonista o "escarrador" Josué e a penalização que também foi "cozinhada" para ele, deixaram-me decepcionado e com os dois pés atrás. Agora chegou a confirmação da minha ingenuidade. Como toda a opinião pública, não sou capaz de entender, nem hoje nem nunca, "estes benefícios ao infractor", nem o que a integridade do futebol ganhará,"com as sistémicas branduras disciplinares.".

Uma pena que os novos ventos, apenas tenham provocado o episódico afastamento das moscas!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Paulo Baptista em Guimarães !...


E lá o teremos em Guimarães! Com os mesmos defeitos, a mesma incapacidade para interpretar as 17 leis do jogo, com a mesma camisola e com a missão habitual de empurrar a "sua equipa para cima", como o jornal Record o vem fazendo tão bem, mesmo violando os regulamentos estabelecidos pela Liga.

E o Sporting Clube de Portugal, lá terá de continuar a percorrer o seu caminho, convivendo com as vicissitudes de um sistema caduco, que em cada jornada vai desvirtuando a verdade desportiva. Nesta 10ª jornada, o senhor Vitor Pereira providenciou o aparecimento de um naipe de árbitros das reservas e adivinha-se aquilo que estará a preparar para as jornadas a doer que aí veem. Nada que nos surpreenda, porque inovação é coisa que o homem não domina. Os velhos e estafados métodos continuarão a ser aplicados e os intérpretes voltarão a ser, naturalmente, os mesmos. Nada muda neste pântano futebolístico luso...

Leoninamente,
Até à próxima

Abram os olhos, porra !!!...

O sistema?! Abram os olhos, porra !!!...

Perfazem-se no próximo sábado, duas semanas desde a eliminação do Sporting Clube de Portugal da Taça de Portugal, na sequência da vergonhosa actuação de um dos piores árbitros de sempre do futebol português. Aos jogadores leoninos contemplados com expulsão, Marcos Rojo e Wilson Eduardo, foi célere o castigo aplicado pelo Conselho de Disciplina: menos de uma semana após o jogo, era pública a pena determinada por aquele orgão federativo.

Mas quanto aos relatórios sobre a arbitragem de Duarte Gomes, segundo as palavras do Presidente do Sporting Clube de Portugal, nada chegou ao Clube. Outras entidades e outras pessoas, há muito que conhecem e fizeram com que fosse publicada a nota atribuída ao "palhaço" que passeou a sua incompetência pelo relvado da Luz. Outras entidades e outras pessoas, já conhecerão há muito os relatórios que o Sporting ainda não conhece. Outras entidades e outras pessoas, mas nenhuma com a mais ténue ligação a Alvalade. Essas outras entidades e essas outras pessoas, constituem o "sistema" que, tenebrosamente, continua a controlar o futebol português.

A Bruno de Carvalho já não chega colocar em cada dia, cartas no correio, mais ou menos bem escritas, mais ou menos sarcásticas e irónicas, que apenas acabam por determinar risos cínicos de escárnio, nesses outras entidades e nessas outras pessoas. E não me venham os puristas afirmar que a corrupção e as influências se instalaram para lá do Douro e que cá pela "mourama" voam os anjos diáfanos da honradez, da verticalidade e do "fairplay". Para esses o meu sorriso, também cínico, de comiseração, ou um valente "vão à merda com as alianças"!...

Alguém tem dúvidas de que os relatórios, juntamente com as "migalhas" que lhes cabem na repartição dos proveitos federativos, porque a "carne" pertence a quem a soube acautelar nas barbas do pior presidente da história do Sporting Clube de Portugal, já há muito chegaram a Carnide?! Alguém tem dúvidas de que os relatórios que hão-de chegar um dia a Alvalade, pouco terão dos textos originais?! Alguém tem dúvidas do embuste que está a ser cozinhado?!...

Já por aqui tenho vindo a deixar implícita a minha opinião, de que o silêncio de Bruno de Carvalho seria bem mais positivo, que as cartas que vai colocando no correio. Porque perde o dinheiro do subscrito, da franquia, e o papel do texto nem para limpar o cu eles o querem. Com o silêncio ele conseguiria estabelecer a dúvida e a confusão. E ganharia tempo e energias para se dedicar ao que verdadeiramente urge começar a ser feito!...

Abram os olhos, porra !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

E agora, o que fazer à nossa vergonha?!...


Esta é uma cena que os suecos irão associar, injustamente, aos futebolistas portugueses que ontem eliminaram com muito brilho, talento e classe a sua selecção. 

E não terá sido fruto das emoções vividas no momento, a quente. Porque bem mais tarde, questionado pelos jornalistas suecos, a sua estupidez e falta de carácter, revelaram que esta criatura é indigna de fazer parte da nossa selecção!...

E vem-me à memória a incompreensível proposta da Comissão de Instrução de Inquéritos da Liga, ratificada pelo Conselho de Disciplina da FPF, que penalizou com apenas um jogo de suspensão, a cuspidela que dirigiu a um adversário, numa flagrante demonstração de dualidade de critérios perante a penalização de dois jogos de suspensão aplicada e bem, poucos meses antes a Emiliano Insua, exactamente pelo mesmo gesto de profunda indignidade.

Como se poderá inferir das imagens captadas em Estocolmo, o rapaz não terá aprendido a lição recente, dada pelos orgãos de justiça competentes do nosso futebol, porque para ele, a indignidade, 

"É normal. É futebol. É a vida!..."

E agora, quanto tempo demorará a Federação a banir para sempre este "mentecapto" da selecção ?! O que fazer à nossa vergonha?!...

Leoninamente,
Até á próxima

A Taça da Liga, as bolas milagrosas e outras bolinhas...



E as "bolinhas milagrosas" - aquecidas ou arrefecidas, lisas ou rugosas, ninguém saberá ao certo! -, voltaram a fazer das suas. E o Sporting Clube de Portugal, vai sendo sucessivamente colocado, em fase precoce de todas as competições, perante desafios mais difíceis que a outros se colocam. Hoje voltou a ser o sorteio da fase de grupos da Taça da Liga, a emparelhar-nos com o Porto, sendo que para amenizar, também determinou que os jogos teoricamente mais difíceis, sejam disputados em Alvalade.

Não conheço suficientemente os regulamentos da Taça da Liga, para poder aquilatar da justeza da não concessão do estatuto de cabeça de série ao Sporting Clube de Portugal. Mas imagino que terão sido reflexos da nossa pior classificação de sempre, alcançada a época passada, porque se isso não tiver correspondido às disposições regulamentares...

Olhando para os restantes grupos, fica-nos um curioso exercício de cálculo de probabilidades, a que os resultados da primeira jornada poderão dar substancial ajuda no esclarecimento. Contudo, mais do que pensar no que virá depois, importará concentrar todas as nossas atenções no primeiro jogo, em que nos caberá receber o Porto em Alvalade. E mais uma vez, seremos confrontados, com as famosas decisões do senhor Vitor Pereira. Nem quero pensar no que aí virá!...

Leoninamente,
Até à próxima

Mas estamos no Brasil, carago !!!...



As últimas horas foram vividas por todos nós portugueses de uma forma geral e pelos sportinguistas em particular, de modo tão intenso, que ao iniciar esta crónica, sinto-me assaltado por um tal turbilhão de motivos a que desejaria dar corpo, que quase me faltará o discernimento para conseguir a triagem que o momento me exige. 

Portugal. Uma selecção com exibição categórica e a rondar o brilhantismo, colocou um país inteiro no mundial do Brasil 2014, amenizando decepções de uma vida difícil para um povo acabrunhado, triste e quase sem esperança.

Cristiano Ronaldo. Um prodigioso atleta de outra galáctia, universalmente reconhecido como o melhor jogador de futebol do mundo, mas transportando o estigma de ter nascido num país fora do contexto do poder global económico, financeiro e desportivo, quase carregou às costas a selecção desse país e, calçando imaculadas luvas brancas, reafirmou o seu talento único, quiçá ainda a tempo de lhe repararem a injustiça e, porventura, alterarem o "ranking".

Rui Patrício. Um jovem e talentoso guarda-redes, esquecido de tantos e tantos detractores do seu valor e da sua importância na selecção nacional, porventura no momento decisivo do jogo de Estocolmo, fez a defesa da noite e talvez tenha permitido que a partir daí pudesse vir a ser construído o caminho para o Brasil.

João Pereira. Um atleta de talento e raça, mas de nervos à flor da pele, terá feito hoje um dos melhores jogos de quantos efectuou envergando a camisola das quinas, e pasme-se, com um comportamento disciplinar irrepreensível.

João Moutinho.  Uma força da natureza, um predestinado da táctica e uma visão de jogo incomum, permitiram-lhe fazer uma exibição soberba, com dois momentos de magia, em duas assistências para os golos que derrotaram os suecos.

William Carvalho. Uma promessa de futuro, hoje debutante orgulhoso na sua selecção, arremeteu contra tudo o que fosse alto e loiro e serenou, companheiros, treinadores e adeptos. E disse, alto e bom som, que também quer um bilhete para o mundial do Brasil, quiçá e sem favores, para mostrar aos brasileiros que Portugal não precisa de naturalizar nenhum dos seus.

Joseph Blatter. Um presunçoso vigarista encartado, com tanta noção do ridículo, como da jactância que lhe deveria estar vedada, condenado pela opinião pública global, a "mea culpa" dolorosa.

Zlatan IBrahimovic. Uma modéstia exemplar e uma dor de corno do tamanho do mundo!...

Cavaco Silva e Passos Coelho. Os aproveitadores do farelo e estragadores da farinha. 

Paulo Bento. Vá lá, não estragou a farinha! E sempre conseguiu não aumentar os números do desemprego.

Grécia. E o engenheiro também se viu grego. Mas vai ao Brasil! Parabéns!...

França. Copiadores "de la merde"!...

Álamo. Vá lá, estou vivo! E consegui fumar apenas 4 cigarros! Mas tive de lavar o cu e mudar de cuecas! Mas estamos no Brasil, carago!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 19 de novembro de 2013

E nem o guarda-chuva valeu! Jorge Jesus suspenso 30 dias!...


O "guarda-chuva" é do tamanho que todos sabemos! Mas parece que, ou já não viveremos propriamente numa "república das bananas", ou a senhora de fátima deixou de fazer milagres!...

De qualquer modo, e a julgar pela pena aplicada, o CD da FPF, terá entendido terem existido gestos grosseiros e injúria e não agressão. O processo a decorrer no tribunal de Guimarâes e no decurso do qual o treinador benfiquista, na qualidade de arguido, foi ouvido na última 2ª feira no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, poderá esclarecer as pertinentes dúvidas que naturalmente subsistirão em quem teve oportunidade de apreciar as imagens, sobre se se terão tratado de "gestos grosseiros e injúrias" ou se se terá tratado de mais uma milagre do "guarda chuva vermelho" e as agressões que todos constatámos através das televisões, terão sido convenientemente tratadas com lixívia, logo que o processo, vindo da Comissão de Instrução de Inquéritos da Liga, deu entrada na FPF.

Seja como for, será curioso apreciar as reacções de certos jornaleiros e "paineleiros", face às "verdades absolutas" que muitos deles por aí debitaram, sem ponta de pudor ou vergonha nas distintíssimas trombas! E cada vez mais me convenço caros amigos e leitores, que o que está a dar neste momento em Portugal, será o verbo LIXAR! Enquanto milhares e milhares de pensionistas, armados em "pobrezinhos", vão enchendo as ruas de protestos, gritando "que se lixe a troika", outros "pensionistas" vão enchendo as páginas dos jornais e os paineis de programas desportivos nas televisões, gritando "que se lixe a coluna, desde que em cada dia tenhamos na mesa o pratito de lentilhas" !...

Mas o melhor será rumarmos a Estocolmo! Pode ser que de lá nos venha alguma alegria! O estupor do pau não há-de cair sempre em cima das mesmas costas!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

O Jornal A Bola coloca Portugal a jogar com 10, logo à noite em Estocolmo!...



Segundo o que o jornal "A Bola", expressa na sua capa de hoje, logo à noite em Estocolmo, "VENCEREMOS" !...

Uma capa sugestiva, um bom trabalho gráfico, em que são utilizados todos os mais sofisticados meios que possam contribuir para a galvanização colectiva que se impõe e justifica, além de que, "last but not least", constituirá uma boa aposta para captar potenciais compradores do jornal, seduzidos pelo grafismo.

Tudo estaria bem, se a imagem conseguisse resistir a uma observação atenta. E não resiste. Sem que ninguém compreenda, se a ausência de Rui Patrício da imagem, se terá ficado a dever a um "pequeno incentivo" pelo momento menos bom que o jovem guarda-redes protagonizou nos momentos finais do último "derby", ou ao facto de se ter pretendido afastar da capa o único representante do Sporting Clube de Portugal no presumível onze inicial da selecção de todos nós!

A menos que Paulo Bento pretenda logo à noite, usar pela primeira vez a nível mundial, no futebol de onze, a táctica dos desesperados no futsal! Porém, daí a colocar de início a selecção a jogar com 10, parece-me ser demasiado arriscado. Talvez nem o seleccionador nacional, conseguisse ir tão longe!...

Leoninamente,
Até à próxima

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Quando não se espera, o sabor é mais intenso !...



Modestamente, Jorge Fonseca afirmou não esperar ser campeão europeu, para mais da forma brilhante como terá conseguido mais uma medalha de ouro, para o credenciado judo português, honrando a tradição de um dos mais ecléticos clubes mundiais, Sporting Clube de Portugal.

Custam a reprimir tanta alegria e orgulho por mais este feito grandioso de mais um atleta leonino, cuja vitória lhe augura seguramente uma carreira promissora na alta roda do judo mundial. Mãos à obra grande leão e... Obrigado!...

Leoninamente,
Até à próxima

Queremos ter a bola, dominar, marcar! Pois! Mas com quem?!...

Queremos ter a bola, dominar, marcar! Pois!!!...

Ninguém lamentará mais do que eu, a eventual eliminação de Portugal da fase final do mundial do próximo ano, a disputar no Brasil. Mas se ela vier amanhã a acontecer em Estocolmo, já por aqui deixei bem expresso, que atribuirei a uma só pessoa essa responsabilidade: Paulo Bento!

O seleccionador nacional terá conseguido a façanha inimaginável antes do início da fase de apuramento. Enleado na sua persistente e teimosa casmurrice e ultimamente amarrado a insondáveis compromissos com a agenciação de jogadores - à mulher de César não lhe basta ser séria -, Paulo Bento foi destruindo a imagem de seriedade e respeito. que havia granjeado como treinador do Sporting Clube de Portugal. Continuou teimoso, casmurro e coleccionador de ódios de estimação, como em Alvalade, mas a sua coluna vertebral, talvez também devido á idade, foi dando mostras de cada vez estar menos direita.

Por isso, foi quase sem surpresa que hoje fui apanhado pelas suas palavras, eivadas da razoabilidade e da verticalidade que já julgava estarem ausentes do seu carácter, mas ao mesmo tempo um exercício premonitório do desenlace que já admite e que melhor seria se tivesse devidamente acautelado nos momentos em que desbaratou estúpida e completamente as nossas, como as suas próprias possibilidades:

"Os portugueses já sofrem tanto com o desemprego que, se correr mal este segundo jogo com a Suécia, poderei ser mais um nessa situação. Mas, posso garantir que não será preciso colocar o lugar à disposição. A Federação tem uma cláusula, desde que assumi o cargo, que pode accionar quando os objectivos delineados não são alcançados. Vou dormir tranquilo, porque isso não me preocupa. Orgulho-me muito de desempenhar este cargo, mas não perco tempo a pensar se e quando vou sair. Espero que a minha saída não seja o desejo de ninguém, mas pode acontecer".

"Os jogos não são tragédias. São importantes, mas não há aqui dramas. Estão em discussão duas boas equipas, mas todos sabemos que só uma irá marcar presença no Mundial do Brasil. O futebol, para mim, é um divertimento. Quero sempre ganhar, mas só entendo o jogo como uma festa. Não sinto jogo nenhum como tragédia ou drama, independentemente do que está em causa ou dos resultados".

Ninguém mais do que eu lamentará que o acento premonitório das palavras de Paulo Bento se concretize. Jamais lhe desejaria tal fim, pela simples e única razão de que sendo minha profunda convicção de que em Portugal existirão figuras do futebol muito mais preparadas em todas as vertentes para o desempenho de tal função, desejaria muito ver a nossa selecção no Brasil.

Mas, mesmo significando o nosso apuramento, a extensão do vínculo federativo com Paulo Bento, não hesitaria em a ele fechar os olhos, em troca da presença da selecção de todos nós em terras de Santa Cruz. Porque acredito que todo o homem está sempre a tempo de mudar. Até Paulo Bento!...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 17 de novembro de 2013

Afinal Paulo Bento tem plano A e plano B!...



Já por aqui deixei suficientemente claro, aquilo que penso de Paulo Bento como treinador e bem assim como seleccionador nacional. Num e noutro papel, desejaria que no mais curto prazo ele fosse pregar para outra freguesia, permitindo-nos que de novo, alguém mais sagaz técnica e tacticamente e com a coragem que ele, cem anos que viva, jamais evidenciará, trouxesse para a equipa de todos nós, as asas em que pudéssemos voar em busca dos sonhos que legitimamente entenderemos merecer alimentar.

O campo de recrutamento luso, em termos quantitativos, dificilmente será comparável com qualquer país de topo do futebol mundial. Mas no meio da nossa pequenez, sempre me pareceu não ser muito difícil, conseguir encontrar em cada momento específico, duas dúzias de atletas, em forma apurada, cuja qualidade disfarçasse um pouco a nossa dimensão. Desde que a escolha fosse criteriosa e jamais enfeudada a preconceitos estranhos ao futebol ou à personalidade errática do seleccionador. E será precisamente por aí que terá começado a germinar o meu "ódiozinho de estimação" por Paulo Bento.

O actual seleccionador de Portugal, terá lido a correr a cartilha "scolariana", que sempre apontou para a constituição de um grupo quase imutável de jogadores, ainda que no meio a qualidade de alguns fosse duvidosa. Porque dizia o "sargentão" que o espírito de grupo sempre superaria o talento, a classe e a forma circunstancial de cada elemento desse grupo. A filosofia poderá eventualmente estar correcta, quando estiver em causa alicerçar um colectivo em tempo mais alargado, com vista a apresentá-lo numa fase final de uma grande competição, depois de vencer a via sacra do respectivo apuramento. Mas há anos e anos que se vem revelando um tremendo fracasso, na transposição de todas as fases de apuramento a que temos sido sujeitos. Já se tornou um "cliché" entre os adeptos do futebol luso, o recurso à máquina de calcular e ao fado incontornável dos "playoffs".

O drama da nossa selecção de futebol, desde que Paulo Bento assumiu a liderança do seleccionado português, tem sido conseguir o apuramento, em grupos que a sorte nos tem oferecido como fáceis, por via da sua estúpida e curta visão de escolher ao longo desses apuramentos, não os atletas em melhor forma, que pudessem corresponder no imediato à necessidades da equipa de todos nós, mas à preservação da sua carcomida ideia do espírito de grupo, quando os calendários lhe oferecem apenas meia dúzia de dias para preparar tal grupo. E deste modo, temos passado todas as fases de apuramento com o terço nas mãos e com a desesperança a minar dezenas de atletas talentosos que vão aparecendo, porque o seleccionador pura ou simplesmente os ignora, já que a sua preocupação exclusiva será, construir o "espírito do seu grupo", com os seus "protegidos", pouco lhe importando a má forma, ou mesmo as deficientes condições físicas que muitos revelem em cada momento.

A juntar a toda esta complexa teia em que Paulo Bento se vem enredando, estarão os deficientes atributos tácticos que há muito todos conhecemos e que um grande e esclarecido sportinguista ontem nos ofereceu de forma sublime. Ora façam-me o favor de ler:

A versatilidade táctica de Paulo Bento

A selecção dispõe de dois planos de jogo. Normalmente, jogam onze, com o Postiga, e espera-se que o Ronaldo decida. Se as coisas não estiverem a correr bem, jogam onze, sem o Postiga, e espera-se que o Ronaldo decida.

Contra a Suécia não estava a correr bem o primeiro plano. O Paulo Bento mudou para o segundo e ganhámos. É o que se espera de um treinador. Que saiba mudar de táctica quando as circunstâncias o determinam. É esta versatilidade táctica que distingue o Paulo Bento como treinador.

E voltando a parafrasear Rui Monteiro, falámos da selecção, mais mal do que bem, falámos também do Paulo Bento, sempre mal, falaremos porventura de Estocolmo, conformados. Mas se tal nos calhar em sorte, ainda poderemos apoiar o Brasil. E se porventura para a Suécia, em vez do nosso triste fado, levarmos um corridinho algarvio, à versatilidade táctica de Paulo Bento o ficaremos a dever.

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 16 de novembro de 2013

Para sacana, sacana e meio !...



Uma confortável maioria de sportinguistas reconhecerá hoje o erro estratégico de Godinho Lopes nas últimas eleições para a FPF. Em contraponto, Luís Duque saiu derrotado, quando se mostrou contrário à linha de acção presidencial. E o resultado foi aquele a que depois todos assistimos e continuamos a assistir: os "corruptos do Norte" banqueteiam-se com os "hors d'oeuvres", o prato principal e os melhores vinhos, os "benfas" contentam-se com as migalhas, o Sporting Clube de Portugal arruma a mesa e as cadeiras e os outros lavam a louça no final de cada repasto federativo. Mas que grande e porca miséria !...

E para todos aqueles sportinguistas que estão na horta e teimam em não ver as couves, melhor será que meditem profundamente no trecho principal do artigo "Empatifada segundo Bruno" que Rui Santos hoje publicou no jornal Record. A falta de sagacidade, compreensão e visão do fenómeno das últimas eleições federativas, por parte de Godinho Lopes, terá hipotecado por largos anos o futuro da instituição que então liderava. E Luís Duque sabia-o demasiado bem. Mas não terá conseguido anular o "chico-espertismo" de quem detinha o poder.

Hoje o panorama será muito complicado para Bruno de Carvalho, que já se terá apercebido que pouco mais poderá fazer, por enquanto, que espernear. É um facto indesmentível, que mesmo numa posição de absoluta subalternidade, herdada de Godinho Lopes, não vira a cara à luta, como ainda ontem, no discurso final da 33.ª edição dos Rugidos de Leão, que decorreu na Batalha. Mas está "repleto" de saber que, tanto no curto, quanto no médio prazo, pouco mais poderá fazer. Conseguir o equilíbrio de forças e o triunfo da decência no futebol português, poderá levar muitos anos. Não tantos quantos os que Pinto da Costa terá demorado, até conseguir o seu controle eficaz e absoluto. Mas esse amanhã não demorará certamente um estalar de dedos, sendo certo que tanto as pessoas, quanto as "mafias" que possam construir, alguma vez serão eternas!...

Compreendo em absoluto o "espernear" de Bruno de Carvalho. Apenas me sobrarão fortes dúvidas sobre se, fazendo de conta que sentado silenciosamente a um canto e simulando toda a paciência do mundo na espera que a crise passe, não lhe traria mais rápidos e consistentes resultados. A "filhadaputice" não se vence com palavras, nem com manifestações de intenções, por mais elaboradas e carregadas de razão e moral que possam ser. Sempre ouvi dizer que para sacana, sacana e meio!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Virá dos céus o milagre ?!...

Virá dos céus o milagre ?!...

A nossa selecção reflectiu exactamente a imagem do seleccionador: não lhe peçam mais que ele não tem mais para dar! Aonde iria esta selecção, se hoje frente a uma Suécia armada em autocarro, tivesse um treinador sem as limitações e a falta de ambição, corrijo com falta de saber, de Paulo Bento?!...

Mas quando o triste seleccionador, que infelizmente ainda lidera a equipa portuguesa, olhou para o banco no momento crucial da 2ª parte, em que era necessário ganhar a eliminatória, o que viu?! Apenas e tão só os "josués", "micaeis" e "almeidas" que o seu estrabismo, para desgraça nossa, incluiu nesta descoroçoante convocatória para um "play-off", que se adivinhava muito difícil. Ai a falta que fez Adrien Silva na nossa selecção. Nem que fosse para jogar os últimos 30 minutos e mandar meia dúzia de petardos cá de longe, à baliza! Assim, foi só "chuveirinho", para delícia dos suecos!... 

Mas não há nada a fazer. Paulo Bento é um autêntico "fiat 600"! Não dá mais! Pode desenrascar-se, sofrivelmente, no circuito citadino, mas quando chega à auto-estrada, não passa dos 80!...

Na próxima 3ª feira em Estocolmo, Paulo Bento já terá preparada a lição de táctica para defender o golinho milagroso de Cristiano Ronaldo. O pior é que quem joga para não perder, normalmente traça antecipadamente o seu destino. É uma pena que uma selecção com um campo de recrutamento de tanto talento, esteja entregue a pessoa tão limitada, teimosa, ou mesmo casmurra!...

Na 3ª feira, com o coração e o tercinho nas mãos, vão ser 90 minutos, quiçá 120, de oração aos deuses. Porque a nossa ida ao Brasil passará, inapelavelmente, por um milagre!...

Leoninamente,
Até à próxima 

PUBLICIDADE