sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Teremos então para breve o terceiro Ruiz no plantel!...



Conhecendo Bruno de Carvalho como todos nós conhecemos, pouco surpreendidos terão ficado os adeptos sportinguistas quando, colocado ao corrente das dificuldades que no final da época passada o Porto estaria a experimentar nas negociações com o Atlético Nacional para a continuidade de Leonardo Ruiz no Olival, depois de se evidenciar e sagrar campeão da II Liga pela equipa secundária das Antas, terá decidido entrar em acção e assegurar junto do clube de Medellin o concurso do ponta-de-lança colombiano por empréstimo de uma temporada, conseguindo colocar no contrato uma cláusula de opção de compra de 500 mil euros que, para além disso, se viesse a ser accionada o atleta aceitaria ficar protegido com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros.

Ora a evolução do jovem colombiano de 20 anos na Academia Sporting desde o início da época, já vinha apontando para que os responsáveis leoninos estivessem muito próximos da decisão de exercer no final da época a opção de compra do atleta. Mas a cereja no topo do bolo tê-la-à colocado o próprio Ruiz, quando na passada quarta-feira rubricou uma exibição de encher o olho na recepção do Sporting B ao Cova da Piedade, em encontro referente à 9.ª jornada da II Liga, coroada com a obtenção de dois golos na goleada de 5-1 infligida pelos leões ao seu adversário.

Agradado com o que terá visto, Jorge Jesus logo terá feito sentir aos responsáveis leoninos o seu desejo de o observar com maior detalhe nos treinos da equipa principal, pelo que daí à concretização do desejo do técnico leonino e à decisão definitiva de exercer o direito de opção no tempo julgado mais oportuno, terão sido dois pequenos saltos de pardal.

Teremos então para breve o  terceiro Ruiz no plantel!...

Leoninamente,
Até à próxima

Bas Dost "é um apaixonado pelo treino, cria um bom ambiente no balneário e nós acertámos dois em um"!...


BAS DOST? ACERTÁMOS DOIS EM UM

«Estamos muito contentes com o Bas Dost, não só como jogador por ter feito cinco golos, mas porque é apaixonado pelo treino. Cria um bom ambiente dentro do balneário, como o Slimani fazia, e portanto acertámos naquilo que muitas vezes não sabemos. Vamos à procura do jogador, mas não conhecemos o atleta. Aqui acertámos dois em um. Estamos muito contente com ele. Bas Dost ainda vai crescer muito.»
(Jorge Jesus, in Record)

Há pouco mais de três meses, com o mercado em ebulição alterosa, estou certo que muito poucos adeptos terão prestado atenção ao facto de um talentoso "menino leão" ter trocado uma boa parte das suas merecidas férias pela Academia Sporting onde, longe dos holofotes e a sós com os seus sonhos, ambição e profundo profissionalismo, trabalhou incansável e determinado no cumprimento de um conselho cuja origem não será difícil advinhar, no apuramento dos seus já de si extraordinários índices físicos, no objectivo claro de se apresentar na pré-época e perante o seu mentor, na condição ideal que lhe permitisse tocar, mesmo ao de leve que fosse, o azul do céu com que em cada dia sonhava, depois de adormecer, cansado, feliz e convicto...

Feliz do atleta que tem o privilégio de ser treinado por um dos melhores treinadores do mundo e que encontra dentro de si a força anímica suficiente para não desaproveitar essa chance que a vida lhe oferece. O resultado está à vista de todos: ostentando uma quase milagrosa evolução da sua estrutura muscular  e numa forma soberba, vem somando esplendorosas exibições umas a seguir às outras, pasmou o mundo do futebol em Madrid e acaba de convencer definitivamente o seleccionador nacional...

Nao há milagres! Tudo passa afinal... pelo treino, pelo trabalho e pelo grau de profissionalismo e empenho com que se executam, um e outro...

Hoje ficámos a saber também que o espanto com que os compatriotas de Bas Dost assistem às espectaculares "performances" que vem evidenciando desde que cruzou os portões da Academia Sporting, não serão também consequência de nenhum milagre. O talento sempre lá esteve e agora assiste-lhe o privilégio de ser dirigido, aconselhado e burilado por um grande treinador, em quem demonstra acreditar pela força do reconhecimento que a competência impõe, o qual, numa simples frase, explicou a todo o mundo o "milagre que não é milagre"...

Bas Dost "é um apaixonado pelo treino, cria um bom ambiente no balneário e nós acertámos dois em um"!...

Leoninamente,
Até à próxima 

Impossível ganhar o "euromilhões" sem jogar!...


País12/1313/1414/1515/1616/17TotalEquipas
1Espanha17.71423.00020.21420.6425.42890.2857/7
2Alemanha17.92814.71415.85716.1424.71469.6416/7
3Inglaterra16.42816.78513.57113.3755.21466.2486/7
4Itália14.41614.16619.00011.5004.41663.4986/6
5França11.7508.50010.91611.0834.75046.9995/6
6Rússia9.75010.4169.66611.5005.00046.3324/5
7PORTUGAL11.7509.9169.08310.5003.41644.6654/6
8Ucrânia9.5007.83310.0009.0002.70039.8333/5
9Bélgica6.5006.4009.6007.4004.70034.6005/5
10Turquia10.2006.7006.0006.6004.10033.6004/5

Portugal está a realizar a sua pior prestação dos últimos cinco anos nas competições europeias e ameaça sofrer uma enorme queda no ranking da UEFA no final da época.


Com a derrota de Braga, Porto e Benfica na segunda jornada das competições europeias, apenas a vitória do Sporting ajudou a amenizar o vertiginoso trambolhão de Portugal no "ranking" da UEFA, com a Rússia a distanciar-se cada vez mais e a Ucrânia a começar a morder-nos os calcanhares.

Em oito jogos, somando as duas jornadas dos quatro clubes portugueses em acção nas provas da UEFA, Portugal somou apenas uma vitória e três empates, pelo que  a prestação lusa se resume a um saldo de seis pontos em 24 possíveis.

De facto, Portugal arrancou esta época no quinto posto, tendo sido já ultrapassado por franceses e russos, que neste momento somam mais pontos, começando a distância a tornar-se irrecuperável para esta temporada, a menos que algum milagre venha a verificar-se...

Impossível ganhar o "euromilhões" sem jogar!...

Leoninamente,
Até à próxima 

O título de campeão nacional que a época passada ficou a dever ao Sporting!...


GELSON ERA MESMO ESPECIAL

«Há mais ou menos um ano entrevistei Jorge Jesus. A dado momento disse-me que, ao longo da carreira, nunca tinha visto um miúdo sair dos juniores com tanto talento quanto um pequeno extremo que tinha no plantel. Falava de Gelson. Referia-se apenas a jogadores treinados por ele. Como noutras ocasiões, desconfiei. Conheço bem a paixão que Jesus tem pelos dele. Onde os críticos apontam um defeito, ele vê meia dúzia de virtudes. E leva uma grande e decisiva vantagem sobre todos aqueles que escrevem e falam sobre os futebolistas dele: trabalha com eles todos os dias, conhece o ponto de partida de cada um e sabe quanto ainda lhes falta para atingir o ponto de chegada. Ora, nós (jornalistas, cronistas ou comentadores) julgamos o valor de um jogador apenas por aquilo que vimos a cada jornada. Não lhe conhecemos comportamentos em treino e nas mais das vezes é aí que se conhece de forma verdadeira o profissional.

Há uns meses não conseguia estar de acordo com Jesus: via Gelson como um futebolista com tremendo potencial mas em início da carreira (primeiro ano de profissional) Futre, Figo, Simão, Quaresma, Ronaldo, ou Nani (só para falar em ‘Aurélios’) estavam num patamar superior. Mas, lá está, não assisto a treinos, não tenho acesso ao panorama geral, aquele que permite a Jesus dizer o que diz. Provavelmente, há um ano ele já estava a ver diariamente aquilo que só esta época começou a ficar evidente para mim: Gelson é outra máquina de futebol saída da Academia leonina, pelos vistos especialista na ‘construção’ de extremo.

Não foi o facto de Gelson ter chegado à Selecção que me fez escolher este tema, mas o que li na página 3 , quando fui confrontado com a quantidade de futebolistas que chegaram a internacionais pela ‘mão’ de Jesus. E outros que já não entravam nas contas dos seleccionadores mas que voltaram a entrar durante as épocas em que trabalharam com JJ. Depois, lembrei-me da quantidade de jogadores, desde o Felgueiras ao Belenenses, passando pelo E. Amadora, V. Setúbal ou U. Leiria, que chegaram aos ‘grandes’ após o terem como treinador. Os factos são claros. Jesus não inventou o futebol, como gosta de dizer um conhecido comentador da televisão. Criou foi outra forma de o trabalhar, como gosto eu de dizer.»
(José Ribeiro, Contas Feitas, in Record)

Profundamente desalinhado contra a iníqua e cobarde campanha a que a "central de propaganda vermelha" mai-los fiéis lacaios que vegetam numa comunicação social abjecta  e imunda vêm desenvolvendo contra Jorge Jesus, José Ribeiro, nitida e absolutamente "contra a corrente do jogo" marca com esta sua crónica um "golo de antologia", que mais não significa do que a vitória do jornalismo sobre os "podres excrementos" que as cloacas dos "jornaleiros" que por aí infestam as redacções vão defecando.

A um ritmo louco e quase alucinante, a cada dia, semana e mês que vão passando assistimos todos, cada um segundo o seu carácter ou interesses, com sorrisos verdes de esperança ou amarelos de raiva, à queda inexorável de mitos e falácias, berrados em alta voz e amplificados por todos os meios possíveis e imaginários pela "central vermelha" dos "ddts" e seus prosélitos de um "quarto poder" que, parafraseando Sertório, "nem se governa, nem se deixa governar"!...

Alguém que agora não deverá ser para aqui chamado, terá dito um dia que cada um de nós tem o direito à indigação...

Ou me engano muito ou da justa indignação de JJ resultará a curto ou a médio prazo a hegemonia leonina na selecção nacional e...

O título de campeão nacional que a época passada ficou a dever ao Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Gonçalo Ventura e Miguel Custódio merecem o repúdio e o asco dos homens de bem do futebol!...


Toda a gente ainda recordará a forma como o jornalista Gonçalo Ventura terá arruinado para sempre toda a sua credibilidade e carreira como jornalista, no dia em que, já terá passado mais de um ano, se valeu de uma hedionda mentira para, numa famigerada conferência de imprensa após o jogo entre Sporting e Vitória de Setúbal, deturpar intencionalmente as palavras anteriormente proferidas por Rui Vitória, provocando um humana e natural reacção por parte de Jorge Jesus:

Gonçalo Ventura (RTP): A outra pergunta tem a ver com o que disse ontem o treinador do Benfica. Sentiu muito isso? É obcecado pelo Benfica, é mau colega e tem mau carácter?!...

Jorge Jesus: Ele disse essas 3 questões? 'Tou a perguntar? Que eu não posso responder... Disse? Disse?!...

Em relação ao meu colega. 'Tou obcecado? 'Tou obcecado pelo Benfica? 'Tou obcecado pelo Porto. 'Tou obcecado por todos os meus adversários e principalmente por aqueles dois rivais que sei que vão estar na luta directa para a conquista deste campeonato e portanto, procuro estar cada vez mais com essa obsessão para quando for a quarta vez voltar a ganhar e serem quatro vitórias. Conhecem bem a minha obsessão pelos meus adversários. A minha obsessão leva-me para o trabalho, para o conhecimento do trabalho, para o conhecimento daquilo que normalmente é a minha obsessão em função do meu trabalho e dos meus adversários. Neste momento estamos num campeonato com vários adversários mas há dois, como é óbvio que são aqueles que estão com os mesmos objectivos em relação ao adversário.

A outra questão... Mau colega? Treinador? Como eu não o qualifico com treinador não sou mau colega! Para ser treinador tem que ser muito mais! 

Passado tanto tempo uma história semelhante voltou agora a repetir-se. Desta vez protagonizada por um outro jornalista, Miguel Custódio de seu nome que, ao serviço de A BolaTV, talvez por ter bebido o jornalismo da mesma fonte do seu camarada de há um ano atrás, ou porque outros quaisquer interesses espúrios lhe bailassem no espírito, tentou arrastar Jorge Jesus para um campo vedado pelo conhecido rigor da UEFA a todos os treinadores castigados com suspensão, que será a absoluta proibição da existência de qualquer contacto com os seus adjuntos em pleno jogo, no banco de suplentes:



Tanto no primeiro caso quanto no segundo, sendo que neste último será muito difícil imaginar Miguel Custódio "travestido" de Mata Hari ao serviço do Legia de Varsóvia, só os néscios não se aperceberão da existência de dois flagrantes denominadores comuns: Jorge Jesus e o Benfica! Para humilhação eterna de uma classe de jornalistas a que já não bastarão o triste espectáculo de subserviência diária exibido pelos orgãos de comunicação a que pertencem e os pratos de lentilhas da retribuição dos fretes a que se prestam.

Gonçalo Ventura e Miguel Custódio não merecerão apenas sofrer na carne as consequências dos seus actos, da sua falta de ética e de carácter!...

Merecem o repúdio e o asco dos homens de bem do futebol!...

Leoninamente,
Até à próxima 

Elementar caro Fernando Santos!...



Lista de convocados:

Guarda-redes: Anthony Lopes (Lyon), Marafona (Braga) e Rui Patrício (Sporting)
Defesas: Antunes (D. Kiev), Bruno Alves (Cagliari), Cédric Soares e José Fonte (Southampton), João Cancelo (Valencia), Pepe (Real Madrid) e Raphäel Guerreiro (Dortmund)
Médios: Adrien Silva e William Carvalho (Sporting), André Gomes (Barcelona), Danilo Pereira (Porto), João Mário (Inter), João Moutinho (Mónaco) e Renato Sanches (Bayern)
Avançados: André Silva (Porto), Bernardo Silva (Monaco), Cristiano Ronaldo (Real Madrid), Éder (Lille), Gelson Martins (Sporting), Nani (Valência) e Ricardo Quaresma (Besiktas)

Tendo em conta que João Mário se encontra lesionado, fica a porta aberta para que o melhor clube do mundo não fique sem representação na selecção do seu país! Quem será?! Um Manel qualquer afilhado do "mendilhões"!...

Elementar caro Fernando Santos!...


Leoninamente,
Até á próxima

Estão tão habituados ao colinho dentro de portas que nem sabem andar na rua!...



Estão tão habituados ao colinho dentro de portas que nem sabem andar na rua!... 

Leoninamente,
Até à próxima

Dignidade benfas?! Humm, é uma espécie em extinção!...



Dignidade benfas?! Humm, é uma espécie em extinção!...

Leoninamente,
Até ``a próxima

Por quanto tempo continuaremos a ficar encarnados de vergonha?!...


BOAS CONTAS

«Às tantas, Hillary Clinton diz a Donald Trump que o facto de ele não tornar pública a sua declaração de rendimentos permite suspeitar que ele não paga impostos. Ele responde: "Isso faz de mim esperto". Esperteza nada saloia, esta de não pagar impostos... Foi no debate desta semana entre os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos e no dia seguinte lembrei-me deste episódio quando li o texto de Bruno de Carvalho no DN. Porque se o Benfica não mostra as contas consolidadas, podemos suspeitar das razões. O que esconde quem esconde?

Na semana passada aqui falámos dos lucros do Benfica, que sendo muito bons têm latentes um passivo que continua a crescer. Se as contas fossem consolidadas (isto é, de todo o grupo Benfica), seria o passivo maior?

Bruno de Carvalho é muito desembestado, às vezes insuportavelmente desembestado, mas besta não é. As perguntas que faz sobre as contas do Benfica e sobre as relações com o BES/Novo Banco fazem todas sentido – e Bruno tem a legitimidade de ter hoje as contas muito mais transparentes do que antes dele o Sporting tinha. Estas perguntas são aliás feitas pelos jornais há quase três anos sem que Luís Filipe Vieira lhes tenha dado resposta.

Quando Vieira chegou à Luz não havia candeeiro que acendesse: Vale e Azevedo tinha deixado um rasto de cacos. Ninguém lhe tira isso. Mas tira-nos ele a possibilidade de análise completa ao não publicar as contas como o Sporting e o Porto publicam: consolidadas. O Benfica tem os melhores resultados das sociedades anónimas portuguesas. Mas não as mais transparentes.»
(Pedro Santos Guerreiro, Abrir o Jogo, in Record)


Cada vez coloco Pedro Santos Guerreiro mais próximo do patamar onde há muito mora essa outra figura ímpar da respeitabilidade benfiquista que de há longos anos a esta parte considero ser Júlio Machado Vaz.

Simultaneamente, à medida que o prestígio, a consideração, admiração pessoal e o respeito que nutro pela figura deste grande homem e jornalista sobem, caem a pique todos os sentimentos da mesma estirpe que as figuras de Luís Filipe Vieira e de toda a clique que o rodeia no dirigismo benfiquista em mim vêm determinando.

Parafraseando um outro benfiquista que por sinal de forma alguma poderei admirar mas que, também porventura algo desembestado, não será própriamente besta, falo do treinador Rui Vitória, não será pelos seus lindos olhos, para mais a coberto dos óculos, que Pedro Santos Guerreiro ocupa hoje um lugar proeminente naquele que será de longe o mais credenciado jornal desta humilde e desajeitada paróquia, o jornal semanário Expresso. 

E no entanto estarei a falar, como indefectível sportinguista, apenas e tão só de benfiquistas: todos iguais, mas... tão diferentes entre si!...

E é um insupeito benfiquista dos sete costados que, com conhecimento profundo e sustentado da matéria que hoje aborda na sua crónica demolidora, vem descarregar o libelo acusatório, ainda que com a elegância jornalística e humana que desde sempre nele conheci, sobre a pouco honorável conduta do actual poder no Benfica, simbolizado na pessoa de Luís Filipe Vieira, mas englobando naturalmente todo o séquito de acólitos que lhe segura o pálio. É este benfiquista firme e convicto que hoje vem retirar, corajosa e dramaticamente o tapete ao senhor deus de mais de cinco milhões de correlegionários seus, majorando de forma iniludível e sem reticências, as denúncias que o "desembestado mas não besta" presidente do Sporting Clube de Portugal tem vindo a fazer na praça pública.

Porquanto tempo mais o pálio que protege Luís Filipe Vieira do Sol, do vento e das intempéries, continuará a tapar os olhos e a fazer genuflectir à sua passagem, todos aqueles a quem compete zelar e administar nesta desgraçada paróquia, o bem supremo de qualquer sociedade civilizada: a Justiça?!...

Por quanto tempo mais assistiremos ao laxismo comprometido e cúmplice da CMVM, da PGR, do MP e de todas as outras entidades a quem cabe de algum modo investigar, processar e levar à barra dos tribunais os "fora-da-lei" do futebol que, hoje por hoje, não passa de uma indústria como outra qualquer?!... 

Por quanto tempo continuaremos a ficar encarnados de vergonha?!...

Leoninamente,
Até à próxima 

Cá ficamos à espera da sua sagacidade e... coragem, pois então!...


O Porto tem alma de vítima

Na hora do exame a sério, a equipa de Nuno respondeu com insegurança e desorientação. O novo ADN

«Uma das vantagens da personalidade de Jorge Jesus é que as equipas dele nunca têm hipótese de ser vítimas. Desde o primeiro minuto são convencidas de que lhes será ensinado algo que todos os adversários desconhecem. O risco é sempre o oposto: acreditarem que são mesmo tão formidáveis quanto Jesus afirma. Já o Porto, desde há quatro anos, está sempre na iminência de ser vítima, talvez por contágio dos treinadores que chegam com esse estatuto pré-programado, talvez porque os treinadores não saibam blindá-los às críticas e aos deslizes; talvez porque lhe faltem jogadores que não admitam mariquices. Há de haver quem queira discutir o Leicester-Porto a partir da táctica, e é sempre possível encontrar boas razões para o fazer, mas o fundamental da segunda derrota portista nesta época foi a insegurança, foram as más decisões individuais, foi a falta de critério, foi a facilidade com que (como em Alvalade e com o Copenhaga) os jogadores de Nuno se deixaram intimidar fisicamente, foi a desordem no campo, foi a incapacidade preocupante de jogarem o que sabem, ou seja, pelo chão e de pé para pé, que era a única receita possível contra um adversário que só pode jogar longo e em força. O estatuto de vítima é confortável e muito mais fácil do que os noventa minutos de rigor absoluto que faz as equipas vencedoras. Quando Nuno Espírito Santo diz que tem de melhorar as suas próprias qualidades, imagino que esteja a pensar no treino, no giz e no quadro preto, mas o principal problema do Porto destes quatro anos é a queda que tem para ser vítima. Para a negra contabilidade de Slimani, importou tanto a veia de predador dele como a alma de presa a que o Porto, entretanto, se afeiçoou.»
(José Manuel Ribeiro, Opinião, in O Jogo)

Faltará a José Manuel Ribeiro definir a alma do Benfica, para que fique completa a "trempe" em que actualmente assenta a "panela da sopa" cá da paróquia...

Cá ficamos à espera da sua sagacidade e... coragem, pois então!...

Leoninamente,
Até à próxima

Quem é que dá de mamar aos pobres?!...



Quem é que dá de mamar aos pobres?!...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Bébé sem colinho chora!...



Mas na hora do choro, melhor do que colinho é aproximá-lo do peito e deixá-lo mamar!...

A mudança surpreende e é imediata!...

Leoninamente,
Até à próxima

E o(a) jornalista foi condecorado(a) e vai subir na hierarquia?!...


ESCLARECIMENTO  16h43

«Record atribuiu ontem erradamente uma vaia monumental a Markovic ao minuto 82’ do jogo Sporting-Legia. Erradamente porque o comportamento do público de Alvalade tanto pode ter sido para o jogador sérvio como para o árbitro da partida, que não assinalou uma falta no lance, logo a notícia de Record devia reflectir as duas possíveis leituras. Erradamente também porque o lance não foi ao minuto 82’ mas sim quando decorriam 84.02, logo ao minuto 85’. Aos visados e aos leitores do Record as nossas desculpas.» (LINK)

E o(a) jornalista foi condecorado(a) e vai subir na hierarquia?!...

Leoninamente,
Até à próxima

É por isso que a ampliação da Carregueira nunca mais avança!!!...


Segundo adianta hoje o jornal Record (LINK), no prosseguimento da apresentação de provas que conduziram à demissão do seleccionador inglês Sam Allardyce, "a investigação do jornal 'The Telegraph' a actos de corrupção praticados por diversos actores no futebol inglês acrescenta que há oito treinadores de clubes da Premier League que receberam pagamentos no âmbito de transferências de futebolistas".

A sorte de muitos treinadores e seleccionadores em Portugal, residirá no simples facto de, nem o 'The Telegraph' nem nenhum outro jornal em Portugal parecerem estar interessados em começar, cá no "pântano tuga", a puxar... a ponta da meada!...

Ai quantas "estranhas transferências e não transferências" acabariam por ser, finalmente, compreendidas?! Ai quantas "estranhas convocatórias e não covocatórias" passariam a ser, finalmente, melhor entendidas?! Ai quantos ídolos de pés de barro teriam de usar próteses?!...

É por isso que a ampliação da Carregueira nunca mais avança!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

E isto nem Octávio Ribeiro conseguirá desmontar!...


O REGRESSO À TERRA

«Os jogos da Liga dos Campeões têm um efeito nivelador sobre o campeonato interno. Na montra europeia, os jogadores dos nossos grandes transcendem-se. Por mais que o treinador queira motivar os seus jogadores para o próximo embate na Liga portuguesa, os músculos não respondem da mesma maneira, em especial o cérebro, pai de todos os movimentos coordenados. Mas esta regra tem excepções. Também os jogos europeus perante adversários mais fracos levam os jogadores a tirar o pé das bolas divididas. Com adversários menos mediáticos, mesmo com estádio cheio, o jogador começa a pensar no dia seguinte e assim coloca a vitória em risco. Esta reflexão surgiu enquanto via a última meia hora do Sporting, no jogo de ontem.

Que falta fez Jesus no banco nesse prolongado espaço de apagão colectivo face a uns polacos quase incipientes. O Legia carregava e o Sporting apático, refastelado no 2-0. Correu-se perigo em Alvalade, pela decisão de correr pouco. Faltaram os gritos de Jesus.

Já em Leicester o Porto correu muito e mal. A equipa não sai do meio da ponte entre o exagero da exaltação da posse de bola, cultivado por Lopetegui, e a ideia do futebol de Espírito Santo, que ainda ninguém percebeu qual é. O que se lamenta é ver jovens de elevadíssimo potencial, como André Silva e Otávio, em risco de crise de identidade, devido a um futebol que ainda não sabe o que fazer pelos flancos.

Hoje joga o Benfica, perante 70 mil italianos, ao vivo, e dezenas de milhões, na TV. Ninguém vai poder desligar os motores em campo, com todos os holofotes europeus ligados.

Depois, no próximo fim de semana, se verá que marcas europeias ficam nas pernas e na cabeça dos jogadores, no duro regresso à terra da liga interna.»
(Octávio Ribeiro, De o lhos na bola, in Record)

Por alguma inconfessável razão que agora não virá ao caso, Octávio Ribeiro entendeu desancar os leões que ontem em Alvalade, aparentemente, e depois de sentirem a vitória assegurada, terão tirado o pé do acelerador. E terá ido até mais longe, ao jurar que terão faltado os gritos de JJ, vindos do banco onde não pôde sentar-se. Pois a meu ver e a julgar pelas declarações do técnico leonino no final do jogo, ao contrário do que OR pretendeu fazer crer, terá havido em Alvalade uma estratégia concertada, bem concebida pelo técnico e exemplarmente executada pelos seus pupilos. Se não, atentemos no calendário com que nos próximos tempos os leões se verão confrontados:

01 de Outubro V.Guimarães-Sporting

18 de Outubro Sporting-Dortmund
22 de Outubro Sporting-Tondela
28 de Outubro Nacional-Sporting
02 de Novembro Dortmund-Sporting
06 de Novembro Sporting-Arouca

22 de Novembro Sporting-Real Madrid
26 de Novembro Boavista Sporting
01 de Dezembro Famalicão-Sporting (T. Portugal)
03 de Dezembro Sporting-V.Setúbal
07 de Dezembro  Legia-Sporting
11 de Dezembro (?) Benfica-Sporting
18 de Dezembro (?) Sporting-Braga
21 de Dezembro (?)  Belenenses-Sporting

Face a este quadro, não andarei muito longe da verdade na convicção de que os erros estratégicos - do técnico e dos jogadores - cometidos em Vila do Conde, terão sido suficientemente escalpelizados no balneário, para que de algum modo possam vir a ser repetidos. E ontem em Alvalade, mesmo com JJ sentado algures no recato de um qualquer camarote menos exposto à devassa jornalística, creio ter visto em Adrien Silva e Bryan Ruiz a extensão em campo do seu técnico e a implementação rigorosa da estratégia antes delineada. Após o intervalo do jogo de ontem, a equipa terá mudado o "chip" para Guimarães, na certeza de que será lá que será chamada a um último esfroço antes do interregno das selecções.

Depois iniciar-se-à um novo ciclo de grau de dificuldade semelhante, que terá o seu início a 18 de Outubro na recepção ao Borússia e que só terminará em Arouca a 6 de Novembro, com grau de dificuldade semelhante e a requerer uma gestão de esforço muito parecida.

É desta simbiose perfeita entre a ambição e a estratégia do técnico e a sua transplantação para o terreno de jogo por parte de todo o plantel, que resultará o êxito de um colectivo que tem declarado, sem tergiversações, querer ser campeão!...

E isto, nem OR nem qualquer outro analista, por mais inconfessáveis que sejam as sua razões, conseguirá desmontar!...

Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Por ter levado um merecido, amigo e leonino "calduço", de um sportinguista devidamente identificado, acrescentei os jogos de 3 de Dezembro até ao Natal, para que o quadro fique ainda mais... terrífico!...

PUBLICIDADE