segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Aurélio Pareira sem dúvidas: CR/ é o melhor de todos os tempos!...




«Os caminhos do Sporting e de Cristiano Ronaldo voltam a cruzar-se esta quarta-feira em Madrid. Aurélio Pereira, 68 anos, aceitou o convite de Record e conta como foi a chegada do craque a Alvalade e o impacto que ela causou, em 1997. "Veio para o clube certo", defende.

RONALDO CAIU NO SPORTING COMO UM OVNI"

RECORD - Por onde começou a contratação de Cristiano Ronaldo?

AURÉLIO PEREIRA– Havia uma dívida da transferência do Franco [antigo central, hoje treinador do Pedras Salgadas] que impedia o Nacional de inscrever jogadores se não pagasse direitos de formação, a nós e ao Odivelas. O Dr. Marques de Freitas, presidente do nosso núcleo na Madeira e simultaneamente sócio do Nacional, contactou-me, disse que o Nacional tinha um miúdo muito bom e perguntou se podia haver um encontro de contas.

R - De quanto era a dívida?

AP – Seria hoje de 25 mil euros. Mas 5 mil contos, em 1997, tinha outro som [risos]. Quando a hipótese me foi colocada, nunca supus que pudesse ser possível. Mas, pelo respeito que tinha para com a pessoa, não quis ficar na dúvida. Face à insistência, disse-lhe: ‘O doutor manda-me o miúdo, paga as passagens.’

R - Paga as passagens?

AP – Foi o núcleo do Sporting na Madeira que pagou as duas passagens, porque ele viajou com o padrinho, o senhor Fernão Sousa. Era a primeira vez que recebíamos um jogador de 12 anos no centro de estágios e logo depois do primeiro treino o Osvaldo Silva e o Paulo Cardoso disseram-me que o miúdo de facto estava para além do que era normal.

R - Não quis ver por si próprio?

AP – Eu era o responsável pelo futebol juvenil mas, sendo de formação técnica, nunca poderia fazer uma coisa às cegas. O melhor olheiro do Mundo é S. Tomé – ver para crer [risos]. Fui ver e confirmei tudo o que eles tinham dito: uma desenvoltura fantástica, velocidade de execução, jogo aéreo, pé esquerdo, pé direito… Mas o que me impressionou foi ver a aceitação dele perante os outros, mais velhos um ano. A dada altura ele volta-se para trás e diz: ‘Ò miúdo, tem calma!’ Aquilo para mim [risos]… Como é possível!? ‘Ó miúdo tem calma’, quando ele era mais novo?! Tive a sensação de que estavam todos completamente rendidos ao que tinha chegado naquele dia. Caiu no Sporting como um ‘OVNI’ [Objeto Voador Não Identificado]. Aquele futebol de rua, o à-vontade, o não ter medo de nada. Impressionou-me muito.

R - Portanto, não hesitou em propor o acordo à direcção. Como foi essa parte da história?

AP – Não ficaria descansado se não informasse quem de direito, o Dr. Simões de Almeida, vice-presidente e director financeiro, e a Dra. Rita Figueira, a jurídica que teria de resolver o problema com a Federação. Coloquei-lhes a questão por escrito e eles chamaram-me. Para os homens do dinheiro, um cêntimo é mesmo… um euro [risos]! Ele questionou-me.

R - Se seria uma ‘loucura’, talvez, ainda que não nestes termos?

AP – Uma proposta daquelas não era muito vulgar. Mas falámos na administração, eu desci para a porta 10-A e passado meia hora a Dra. Rita [Figueira] ligou-me a dizer que ele tinha assinado. O Dr. Simões de Almeida foi perspicaz. Pressionou-me para sentir se eu estava convicto do que dizia. Curiosamente, uns anos mais tarde, no dia da inauguração do estádio, com o Manchester [United], encontrei-o sozinho a beber um café, num quiosque junto aos camarotes, e disse-lhe: ‘Então, o miúdo?’ E ele voltou-se para mim e respondeu: ‘Joga umas coisas, joga umas coisas!!!’ [risos]."

R - Como avalia a passagem de Ronaldo pelo Sporting?

AP – Quem sou eu para questionar os nossos rivais, mas o Cristiano veio para o clube certo. Ele tinha tudo no seu ADN. Nós não lhe subtraímos nada. Aumentámos-lhe a possibilidade de criar. Foi o próprio Ronaldo mais tarde a transformar-se num jogador da indústria futebolística. Quando ele entrou no Man. United era mais artístico. Hoje sabe perfeitamente que o recurso não é o passe, é o drible.

R - Voltou a aparecer-lhe um jogador semelhante?

AP –Temos jogadores fantásticos na equipa principal do Sporting. Todos com aquelas três qualidades que eu considero muito importantes: paixão pelo treino, pelo jogo e pela profissão. É muito difícil encontrar um talento ao nível de Ronaldo, Messi ou Figo com essas três qualidades. Por isso é que todos têm longevidade na carreira. O Ronaldo vai jogar nas calmas até aos 37/38 anos.

"GELSON NÃO DEIXA NADA POR FAZER EM CAMPO"

R - ‘Os Aurélios’ do Europeu de França, assim baptizados pelo Sporting em sua homenagem, mostram que a formação está bem e recomenda-se?

AP – Claro. Era ironia dizer-se que o Sporting apostava na formação porque não tinha dinheiro. Nada mais errado. O Sporting só aposta na formação se os jogadores tiverem qualidade. Caso contrário, tem de ir buscar fora. Acontece é que os treinadores quando chegam, como disse o Jorge Jesus, encontram qualidade. E os outros para trás dele igual. É importante criar jogadores como Patrício, Rúben Semedo, João Mário, William, Gelson, Adrien. Não há nada melhor do que ter adeptos fora e dentro do campo. É lógico que toda e qualquer pessoa queira melhorar e ter outras oportunidades. Mas o que é facto é que eles têm lá a marca Sporting e o amor ao clube. Disso não tenhamos a menor dúvida.

R - Mencionou Jorge Jesus. Tem ajudado ao salto de qualidade?


AP – É uma mais-valia. O presidente e Jorge Jesus têm em comum a ambição e a exigência. O clube passou a ser respeitado por isso.


R - Para o treinador, Gelson Martins e Rúben Semedo são hoje titularíssimos. Como tem acompanhado a evolução de ambos?

AP – Se lhes dá oportunidade, não é por terem olhos bonitos. A confiança de um jogador aumenta muito quando sabe que tem um treinador exigente. Hoje em dia o Gelson não deixa nada por fazer. Transformou-se num jogador de campo todo, trabalha para ele e para a equipa. A grande revolução na mentalidade dele está à vista. O Rúben Semedo está um senhor central. Tinha um conjunto de matérias mais agonísticas que às vezes ultrapassavam as marcas. Mas evoluiu muito, em autoridade e em aspectos técnicos.

R - De onde lhe nasceu a paixão por detectar talentos?

AP – No Futebol Benfica. Foi onde eu me iniciei como treinador. É o clube do meu bairro [risos]. E já trouxemos de lá o Gelson [Martins] e o [Rúben] Semedo. São jogadores lá do meu bairro [risos]. A paixão começou quando o meu irmão [Carlos Pereira] me convidou para treinar os juvenis do Futebol Benfica. Andei ali pela Brandoa, pelos bairros todos, a ver jogadores. Apaixonei-me pela situação e nasceu aí essa febre.



"RONALDO É O MELHOR DE TODOS OS TEMPOS"

R - Ronaldo já atingiu todo o potencial dele?

AP – Ele melhora o seu desempenho através da intervenção no grupo, como faz na Selecção. Basta lembrar o incentivo ao Éder. Pode haver aqui e ali um desencontro mas tem ambiente com os jogadores dentro do balneário e olha sempre pelo interesse da equipa.

R - Ficará na história como o melhor jogador português de sempre?

AP – Os grandes atletas valem pelos títulos que conquistam. Posso ser um grande ciclista mas por muitas vezes que fique em segundo na Volta a França [risos] serei recordado apenas por ser segundo.

R - Como Raymond Poulidor.

AP – Exactamente. Agora, por tudo aquilo que fez, Ronaldo é o melhor de todos os tempos.

R - Português e estrangeiro? 

AP – Nós quando comparamos jogadores que foram os melhores do Mundo, estamos num patamar em que ninguém lhes pode roubar aquilo que lhes foi atribuído. Estamos a falar do melhor jogador português de todos os tempos e um dos melhores do Mundo, sem sombra de dúvidas.

R - Mantêm contacto?

AP – Sim. Une-nos uma grande amizade. Apraz-me registar o respeito que temos um pelo outro.

R - E como antevê este reencontro em Madrid e Lisboa? 

AP – Os irmãos também jogam contra irmãos e não será a primeira vez. Ele vir aqui à sua casa de origem vai ser sempre um marco. E é uma forma de ele sentir o carinho que as pessoas do Sporting têm por ele.

"NÃO ESPERAVA QUE RONALDO SAÍSSE LOGO DO SPORTING"

R - Surpreendeu-o que Ronaldo saísse do Sporting ao cabo de apenas uma época?


AP – Não estava à espera que saísse logo. Ele era júnior quando se transferiu para o Manchester United. Mas continuou na senda de ir para o clube certo, porque eles tinham jogadores fabulosos. O Ronaldo impôs-se porque trabalhava muito e era respeitado até pelos mais velhos. A camisola 7, o estádio e a forma como ele se estreou é de um estofo incrível que só os atletas de altíssima qualidade possuem.» 
(Entrevista de Aurélio Pereira, in Record)

Absolutamente imperdível esta entrevista de Aurélio Pereira recolhida com mestria e sensiblidade jornalístca e humana por Vitor Almeida Gonçalves, tendo como protagonista aquele que, inequivocamente, o "pai da formação sportinguista" e um dos grandes obreiros do mais celebrado título alguma vez alcançado por Portugal, considera...



O melhor futebolista português de todos os tempos!... 

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. Respeito a opinião de cada um

    mas

    melhor do mundo está muito longe disso

    bom jogador (ainda não chegou aos 600 golos)

    acima dele estão:
    pelé (mais de 1000 golos)
    maradona
    cruift
    eusebio (mais de 1000 golos)
    messi
    di stefano
    bekembauer
    garrincha
    zico
    gerd muller (o maior goleador, mais de 1300 golos)
    romario (mais de 1000 golos)
    ronaldo nazário (o fenómeno)
    ronaldinho gaucho
    platini
    van basten
    best
    etc

    Melhor português???
    a resposta está atrás
    e já foi respondida por pelé e figo

    já se percebeu que querem essa imagem
    mas igualar os numeros de eusebio
    e a sua excepcional qualidade de jogador
    não será facil

    eusebio foi um genial jogador
    que marcou golos geniais

    ronaldo é um bom jogador
    que marca golos de empurrar

    PS-perguntem lá aos madridistas
    se ronaldo foi melhor do que distefano ???
    e terão a resposta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A iliteracia é como a dependência: uma besta! Em nenhum momento Aurélio Pereira afirmou que CR7 era o melhor do mundo! O que disse é que na sua opinião o melhor português de sempre só poderia ser ele, tendo em conta os títulos que ganhou ao longo de toda a sua carreira! Nenhum outro jogador português se lhe pode comparar!...

      Eliminar
    2. Eusébio mais de mil golos? Epá, os golos nos treinos também contam?

      Eliminar

PUBLICIDADE