quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Nem Jorge Jesus lhes dá a volta!...


Encontro sensaborão, empastelado e entediante para os 10.698 espectadores que tiveram a coragem de estar em Alvalade e para todos os amantes do futebol que acompanharam a transmissão televisiva da Sport TV. O Sporting não terá atingido sequer os "serviços mínimos" e do Arouca nem valerá a pena falar, tão pobres foram as prestações de ambos, mais preocupados com o que aí vem do que com esta competição de "faz-de-conta" que, enquanto não der acesso à Liga Europa e não tiver prémios de jeito, há-de arrastar-se pelo meio das outras competições como um "melhoral", que nem cura nem descura. Talvez a "final four" possa vir a despertar-nos do sono, mas até esse clímax me oferece sérias reservas. Veremos...

Todos os leões que estiveram no relvado de Alvalade, com reduzidíssimas excepções que quase não o chegaram a ser, confirmaram o que já sabíamos deles: amam a mediocridade, vivem felizes com ela e pouco ou nada fazem para dela se libertarem. Alguém andará com tamanha carga de remorsos por tê-los mandado vir, que nem considerações terão coragem de emitir. Não me lembro em toda a minha vida de sportinguista ter presenciado tamanha pobreza num lote tão vasto de contratações!...

O Sporting está reduzido a um restrito lote de treze, catorze ou quinze atletas que ainda vai valendo a pena ver. Quanto aos restantes... É uma pobreza franciscana!...

Nem Jorge Jesus lhes dá a volta!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Degradante para quem se reclama de "melhor do mundo e arredores"!...



O vídeo poderá ser visto através da página de LEONINAMENTE no Facebook. Basta clicar no simbolo respectivo, no topo da faixa esquerda do blog.



Claro que a ética deveria ter sido devidamente ponderada pelos departamentos de recepção de publicidade dos diversos canais televisivos e não só, a quem foi proposto este "sketch" publicitário e tivesse acabado por prevalecer o bom senso e a urbanidade...

Porém, nem será essa a vertente mais importante na análise deste "pedaço de estrume" que acabou por nos entrar pelas portas adentro. O que verdadeiramente estará em causa será a raíz idiota e estupidamente provocatária que lhe deu origem!...

Degradante para quem se reclama de "melhor do mundo e arredores"!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Se calhar o "oliveirinha" não vai gostar!...


«Se o Benfica foi campeão, muito o deve aos golos dele (Jiménez). Se chegou aos quartos da Champions, também. Estou convencido que este ano ele vai justificar todo este investimento. Acredito que ele vá ser dos avançados mais temidos. O meu feeling é que ele vai ser a mais cara transferência do futebol português. Não posso abrir o jogo todo, mas daqui a uns meses vão-me dizer: como é que ele teve aquela visão? Não é só feeling; é estar bem informado.»


Que o "DDT e mai'las orelhas" tenha apregoado há coisa de dois meses na entrevista à TVI, que não seria só "feeling" seu e que o "maior do mundo" atingiria também a "mais cara transferência do futebol português" com aquele emplastro pelo qual pagou 25 milhões de euros, ninguém terá aberto a boca de espanto: daquela boca raro será o dia em que não saiam baboseiras semelhantes, para mais agora, sem ter o papel do arcanjo à mão!...

Mas que o director de O Jogo, para se candidatar uns cobres, se tenha disposto a desempenhar o papel - de embrulho! - das negociatas do "mendilhões", já o caso muda radicalmente de figura! É que por alguma razão os pasquins de Lisboa ainda não arrancaram com a "promoção" do mexicano...

Se calhar o "oliveirinha" não vai gostar!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

O Nuno ainda é capaz de se livrar do chicote!...



Finalmente! Com uns retoques do "papa corleone"...

O Nuno ainda é capaz de se livrar do chicote!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Não é preciso vir aqui repeti-lo todos os dias!!!...



Chiça, eu sei que há mais pássaros que leões!...

Mas não é preciso vir aqui repeti-lo todos os dias!!!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Nem as tragédias os travam!...



Demagogia


Dão nas vistas em qualquer lugar 
Jogando com as palavras como ninguém 
Sabem como hão-de contornar 
As mais directas perguntas 

Aproveitam todo o espaço 
Que lhes oferecem na rádio e nos jornais 
E falam com desembaraço 
Como se fossem formados em falar demais 

Demagogia feita à maneira 
É como queijo numa ratoeira 

P’ra levar a água ao seu moinho 
Têm nas mãos uma lata descomunal 
Prometem muito pão e vinho 
Quando abre a caça eleitoral 

Desde que se vêem no poleiro 
São atacados de amnésia total 
Desde o último até ao primeiro 
Vão-se curar em banquetes, numa social 

Demagogia feita à maneira 
É como queijo numa ratoeira

Nem as tragédias os travam!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Obrigado Rui. Por ti, ainda vale a pena abrir o Record!...




ADRIEN É UM JOGADOR SEM PREÇO

Pertence ao grupo dos jogadores sempre relevantes numa equipa: quando defende, porque é solidário e comprometido, e quando ataca, porque tem talento, visão e ideias claras; quando ganha, porque o êxito não o torna arrogante e imbecil, e quando perde, porque a derrota não o debilita de forma alguma; quando está, porque a sua influência é notória, e quando não está, porque faz falta ao normal funcionamento da equipa – e todos sabemos o que passou Jorge Jesus com a recente ausência de um mês, entre a lesão contraída em Guimarães e o regresso em Dortmund.

Para lá da importância técnica e emocional que exerce, o seu futebol traz equilíbrio, inteligência e soluções tácticas ao colectivo. Adrien é tão importante a vigiar um alvo concreto (o exemplo mais à mão tem a ver com a acção sobre Modric, pela Selecção e pelo Sporting) como a intimidá-lo com argumentos superiores na condução do jogo. Raros se aproximam tanto da perfeição perante a complexidade de uma tarefa que visa perseguir e barrar o caminho a quem tem a bola e ser criterioso, perigoso e eficaz no momento de reconquistá-la.

Por isso, tanto pode aceder ao trono dos futebolistas decisivos com argumentos de gregário, como a iluminar o processo de construção que clarifica a definição dos movimentos de ataque. Não é um artista e nisso estaremos todos de acordo. A bola sabe antecipadamente que, nos seus pés, não receberá um adorno nem fará parte de truques de magia; ao mesmo tempo, tem a certeza de que não ficará ali muito tempo. Mas sabe também outras coisas: que será bem tratada, terá o destino correcto e será associada a uma eficácia sem pompa, prova de que o embrulho é secundário quando em causa estão prendas valiosas. Um dos efeitos do seu jogo é esse: despojar o futebol de qualquer superficialidade. Está ali para jogar, orientar a equipa segundo as directrizes do treinador e dar tudo o que tem, sem intenções de alimentar o recreio ou a fantasia de tirar coelhos da cartola.

Nunca se distrai. Para isso evita malabarismos e ziguezagues que só o atrapalham e diminuem. Tem coisas mais importantes para fazer: não está ali para perder tempo com gestos e movimentos que levam a nada e para os quais não está vocacionado. A tarefa que assume, na qualidade de talento altruísta, com amplo raio de acção e diversidade funcional, é a de melhorar a equipa, à qual reclama linhas de passe para, em conjunto, todos descobrirem o caminho para o objectivo final. Nas equipas construídas por Jorge Jesus nos últimos anos, desempenha um papel semelhante ao de Witsel, Enzo Pérez e Pizzi. Não fica a perder para nenhum deles, com a vantagem de usufruir, à partida, de um estatuto no clube que os outros não tiveram tempo de alcançar (o belga só esteve uma época na Luz e o argentino do Valencia saiu a meio da afirmação plena) ou só agora estão a construir (Pizzi tem aumentado, gradualmente, o respeito no clube e o peso relativo na equipa).

Assim sendo, Adrien acrescenta ao talento futebolístico a força da liderança, o poder de representação e a cumplicidade com as opções do treinador. É um enorme jogador cuja ambição, aos 27 anos, tem a ver com o sucesso desportivo mas também com o robustecimento em termos financeiros. O problema coloca-se agora atendendo à dificuldade de harmonizar uma série de pretensões, a começar por descobrir um meio no qual seja tão acarinhado e uma equipa que dependa tanto da sua arte. A questão é pertinente e merece ampla reflexão: quanto vale Adrien? Para o Sporting não tem preço, para quem estiver interessado basta pagar a cláusula de rescisão. Manuel Alegre disse um dia, sem pensar em futebol: "Muitas vezes a maior aventura é ficar." É esse esforço que os leões terão de fazer para não deixarem partir aquele que, de momento, é o seu futebolista mais importante.

Onde irá parar maestro Pizzi?

Ele é o culminar de vários anos a dimensionar um talento fora do comum.

Pizzi evolui para fenómeno que concentra as melhores qualidades de um chefe de orquestra que exerce a partir de qualquer zona do palco, desempenhando as mais diversas funções. Actuando nos flancos faz de maestro desviado do centro de acção; no meio torna mais visível a arte rara e, valha a verdade, aumenta a influência. Para completar a história, é o melhor marcador da equipa. Onde irá parar?

A generosidade de André Silva

Vive com problemas de crescimento numa equipa em crise de confiança.

André Silva tem 21 anos e os pontas-de-lança, fenómenos à parte, só mais para a frente adquirem todos os elementos para serem precisos e regulares naquilo que lhes é pedido: golos. O portista já vive com almofada confortável de 7 tiros certeiros na Liga (11 jogos), mas precisa de moderar os ímpetos: correr menos e racionalizar a luta. A frieza necessária ao último toque é e sempre foi inimiga da generosidade.

CR7 e os tiros dos medíocres

De mansinho, já é o líder dos melhores marcadores da liga espanhola.

Ronaldo estava a fazer uma época horrível, tinha perdido o compromisso com o Real Madrid, deixado de fazer golos e, quase certo, dava os primeiros sinais da veterania que os 31 anos anunciam. Os críticos rejubilavam. Prova de que tudo o que vale para explicar a vida de gente normal não serve para extraterrestres, em duas semanas pôs tudo no lugar: os tiros dos medíocres não o atingem. Que alívio.»

Fico aqui de pé a aplaudir Rui Dias, até que as mãos me doam, com a certeza de que as pernas nunca ficarão cansadas!...

É uma dádiva dos deuses ter o privilégio de ler as crónicas de Rui Dias, porque a beleza que nos entra na alma pela pena deste extraordinário, isento e impoluto jornalista, constitui reserva suficiente para afrontarmos as vicissitudes tamanhas que irradiam muitos dos vulcões plantados à sua volta...

Obrigado Rui. Por ti, ainda vale a pena abrir o Record!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Um abraço de solidariedade para Marcelo Boeck!...


O avião Avro RF 85 com a matrícula CP2933 da LaMia - companhia colombiana especializada em voos fretados -, por causas ainda não confirmadas mas que os primeiros indícios apontam para avaria eléctrica, despenhou-se na última madrugada numa zona montanhosa já próxima do seu destino, o aeroporto da Medellin.

A aeronave terá ficado completamente destruída e na tragédia, a fazer lembrar o fatídico dia 4 de Maio de 1949 em Superga, onde toda a equipa do Grande Torino desapareceu, apenas três jogadores da comitiva da Associação Chapecoense de Futebol parecem ter sobrevivido.

A Chapecoense iria disputar amanhã em Medellin, a primeira partida da final da Taça Sul-Americana, frente ao Atlético Nacional, e vê-se reduzida deste modo trágico, apenas aos três sobreviventes e aos elementos que não terão sido convocados para este importante jogo, entre os quais quis o destino incluir Marcelo Boeck, o nosso segundo guarda-redes ao longo das últimas cinco épocas, ingressado há poucos meses na equipa brasileira. (LINK)

Restam agora os destroços da aeronave, as destroçadas gentes de Chapecó, no estado de Santa Catarina e a consternação de todo o futebol universal.

Um abraço de solidariedade para Marcelo Boeck!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

O desplante do Braga e a vingança de Peseiro!...


O desplante do Braga e a vingança de Peseiro!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

E que ninguém esqueça que a Taça CTT é um objectivo importante!...


Adivinha-se uma completa "revolução" na equipa que Jorge Jesus convocará para o jogo da Taça da Liga da próxima 4ª feira. Depois da "dura batalha do Bessa" e com a exigência a que obriga a recepção ao Vitória de Setúbal num curtíssimo horizonte de 72 horas, a probabilidade de a rotação atingir os 100% afigura-se quase como incontornável.

É certo que ao adversário estarão colocadas dificuldades de nível semelhante, com a deslocação a Terras de Santa Maria para um confronto que se adivinha com contornos quase decisivos, face à periclitante posição que qualquer das equipas ocupa na tabela classificativa. E se esse jogo aparece quatro dias depois, também não deixa de ser verdade que Alvalade lhes surge pela frente apenas três dia depois do jogo de "mata-mata" que teve de disputar com o Paços de Ferreira.

De qualquer forma o favoritismo apenas veste de uma cor e o encontro poderá revestir-se, obviamente, de um significado muito especial para todos aqueles a quem JJ vier a dar a titularidade. Começa a ser mais do que tempo de cada um deles justificar a sua chegada ou manutenção em Alvalade e... a abertura do mercado já estará por aí ao virar da esquina das Festas. 

E que ninguém esqueça que a Taça CTT é um objectivo importante!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Jactantes e trapaceiros de merda!!!...


Rasgaram o acordo a que se tinham comprometido, para a centralização na Liga dos direitos televisivos. Beneficiaram do privilégio de serem os primeiros a negociar e exigiram aquilo que lhes apeteceu. Depois, assinado que foi o acordo, "ordenaram" à pasquinada que promovesse o "negócio" como o melhor de sempre do futebol português!...

O tempo passou, os outros clubes trataram da sua vidinha e o "negócio do século" acabou por ser o pior entre os "três grandes"! Agora exigem 125% acima dos números conseguidos pelo Sporting (LINK), ou ameaçam voltar a rasgar de novo o acordo estabelecido...

Jactantes e trapaceiros de merda!!!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

domingo, 27 de novembro de 2016

Não quero o Sporting campeão desta maneira!...








Estão cobertos de razão os boavisteiros e mai-los benfas todos que se têm insurgido contra mais este ROUBO DE IGREJA!...

Os três paineleiros de O TRIBUNAL DE O JOGO, foram comprados pelo Sporting!...

Cá para mim o Conselho de Arbitragem da FPF, ou o Conselho de Disciplina, ou o Conselho de Justiça, ou mesmo o Tribunal Arbitral do Desporto ou até o Instituto do Desporto e da Juventude, qualquer deles, sem ser importante qual, deveria mandar repetir o jogo: trata-se de um colossal ERRO TÉCNICO de Fábio Veríssimo e da sua equipa! É uma INJUSTIÇA!...

Não quero o Sporting campeão desta maneira!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

"Este país ainda é este país"!...



Benditos túneis

«Este 2016 foi um ano estranho. E esqueçam o presidente eleito dos EUA, que não é para aqui chamado porque, ao que consta, não sabe sequer dar um chuto numa bola... Este 2016 foi quase uma lavagem da alma, foi como se os portugueses tivessem perdido a vergonha - no bom sentido, claro está -, como se tivessem deixado de lado a proverbial modéstia (tantas vezes mais vaidosa do que a própria vaidade) e resolvessem assumir as suas qualidades e capacidades. Foi como se este país famoso pelo desenrascanço, pelos biscates e outro tipo de "artistas" tivesse de repente assumido que é um vencedor.

Desde o título europeu de futebol de seniores ao de sub-17, ou ao inédito apuramento da Selecção feminina para uma fase final de um Europeu, passando pelos "bitaites" que agora mandamos às agências de rating que há bem pouco tempo nos dobravam a espinha ou até pelo presidente sorridente, quase tudo neste 2016 parece bom e nos faz esquecer o tradicional cinzentismo nacional. Até prémios internacionais de marketing são agora petiscos para este apetite voraz do Portugal positivo. Como se, muito por força do futebol, tivéssemos percebido que somos realmente 11 milhões.

Este 2016 foi estranho, mas apesar de alguns excessos de optimismo - como imaginar que o campeão de Inverno sairá da Taça da Liga... - e outros de competência - como o CD emitir decisões céleres... -, felizmente ainda há coisas que nos mantêm os pés assentes na realidade. Como os túneis do nosso futebol, a lembrar-nos de que este país ainda é... este país.»

Trouxe para aqui a última crónica de João Araújo no jornal O Jogo, porque me deu prazer a sua leitura! Gostei do "presidente sorridente", dos "bitaites que agora mandamos às agências de rating", do "apetite voraz deste Portugal positivo" e, em contraponto, dos "excessos de optimismo" como o do "campeão de Inverno da Taça da Liga" e da "emissão de decisões céleres do CD da FPF"!...

Mas do que eu gostei mesmo foi que JA me tivesse recordado que...

"Este país ainda é este país"!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

É o que temos e ninguém se pode rir ou fazer ondas!...


Se Elias Trindade tivesse regressado a Portugal para envergar uma outra camisola que não a gloriosa verde e branca, o jornal Record em vez de se limitar à local publicada hoje às 12:15 da autoria de Fábio Lima (LINK1), teria feito capa do médio brasileiro a correr para a China, deixando nos cofres do melhor clube do mundo uma porrada de milhões de euros, em resultado da perspicácia, argúcia e  capacidade negocial de uns quantos predestinados do dirigismo ou da agenciação cá do burgo, em humilde genuflexão e pagamento de facturas decorrentes do poder do empório constituído pelo primeiro produtor global do mais poderoso pesticida do mundo: DDT!...

Porém, como a visão de futuro e a capacidade para eventualmente transformar em negócio rentável a contratação, ao tempo, mais cara da história do Sporting (LINK2), poderá ter de ser necessariamente atribuída aos actuais dirigentes do grémio leonino, as parangonas de primeira página ficam reservadas para melhores oportunidades e outras e melhores cores...

É o que temos e ninguém se pode rir ou fazer ondas!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Obrigado Fábio, sem ti não sei o que seria!...




Obrigado Fábio, sem ti não sei o que seria!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

E esta, hein?!...



Durante a transmissão televisiva do Belenenses - Porto, creio que adormeci no sofá! Talvez reflexos do nervoso e do cansaço que o jogo do Bessa me provocaram. Do jogo que estava a ver não terá sido, tão bem jogado foi, pelo menos nos poucos minutos que estive acordado... 

Podem não acreditar, mas foi uma soneca curta mas tão saborosa, que até deu para sonhar! Um sonho tão lindo, tão lindo que não resisto a contar-vos...

Sonhei que o Conselho de Arbitragem vai mandar gravar as conversas dos árbitros em cada jogo!...

E esta, hein?!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

sábado, 26 de novembro de 2016

E lá teremos nós de nos virarmos de novo para a "posta arouquense"!...


Finalmente Jorge Jesus parece ter incutido na equipa o espírito que se esta tivesse interiorizado há mais tempo, não teria desperdiçado 12 pontos em quatro partidas da Liga do Campeões, nem estaria agora a 5 pontos do líder, mercê da ingenuidade patenteada em outras tantas partidas na Liga doméstica.

A equipa leonina tem apresentado futebol para dominar todas as partidas até agora disputadas. Mas ainda não tinha evidenciado capacidade para dominar o imponderável. Hoje mostrou que "novo armamento" terá sido adquirido e o resultado traduziu-se numa vitória importante, como poderia ter acontecido antes, sempre que colaborou na entrega do ouro ao bandido.

No colectivo sportinguista a justiça manda que apenas me sejam permitidos quatro destaques: i) - Gelson Martins voltou a ser o melhor em campo; ii) - Joel Campbel fez os melhores 45 minutos que lhe vi fazer desde que chegou ao Sporting; iii) - Bas Dost aproxima-se a passos largos, em termos de participação no jogo, do patamar atingido por Islam Slimani; iiii) - Rúben Semedo ainda terá de comer mais algum sal para ganhar o natural direito que se lhe adivinha na selecção nacional.

Fábio Veríssimo, habilidosamente, foi o pior em campo, julgando estar a arbitrar para uma plateia composta na sua generalidade por norte-americanos, que de "soccer" percebem "bola" e esquecendo-se que a sua "esperteza saloia" é toda desmontada pelas câmaras para nós vermos cá em casa! Por este caminho, parafraseando JNPdC, vai longe. Ai vai, vai!...

E lá teremos nós de nos virarmos de novo para a "posta arouquense"!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

É a doutrina que aprendem todos lá pelo Seixal!...


«... Uma inverdade repetida muitas vezes transforma-se frequentemente em insofismáveis realidades e, no futebol, os muitos interesses em jogo fazem com que isso aconteça — como é o caso do não aproveitamento de Jorge Jesus em relação aos jogadores da formação do Benfica. Vem isto a propósito das recentes declarações de Bernardo Silva ao ‘L’Équipe’, lamentando o facto de não ter tido mais oportunidades e se ter treinado com o plantel mas a… defesa-esquerdo. Uma pergunta para o Bernardo: se fosse treinador, mesmo que tivesse à disposição uma espécie de ‘Messizinho do Seixal", tiraria a titularidade a Gaitán e colocava-o no ‘banco’? É preciso olhar para a conjuntura, antes de se dizerem ‘bernardidades’, perdão, barbaridades… convenientes
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)


Extirpadas da crónica de Rui Santos, por absolutamente desinteressantes  para os sportinguistas, tanto a matéria em que o cronista demonstra "que os erros de Rui Vitória têm peso na Europa", quanto a participação portuguesa nas competições europeias, dado ser incontornável que nenhuma equipa terá ainda o futuro decidido e a aleatoriedade dos prognósticos aconselha a que se façam depois da última jornada, achei curiosa a "rabecada" aplicada com toda a propriedade ao imberbe e loiro Bernardozito da Silva, que achou por bem vir agora, em "sangria desatada", atirar mais umas pedradas sobre Jorge Jesus, já que o guarda-chuva que neste momento o cobre não é vermelho, e um "homem-muito-homem" deve mijar sempre sobre outro homem, quando nessoutro se pressentem fragilidades... 


É a doutrina que aprendem todos lá pelo Seixal!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Está aí o cu de Judas! Quem havia de dizer!!!...


Ainda havemos de ver um dia destes em grandes parangonas, o título de A Bola pintado a verde!...

Anda encarniçada, diria esverdeada, a luta entre os desportivos de Lisboa! Uns são 14 milhões, mas não sabem ler, não compram jornais e só olham para as figuras quando passam pelos quiosques. Os outros 3 milhões e meio, gostam de ler, compram jornais, mas pintados de vermelho, nem vê-los!...

Está aí o cu de Judas! Quem havia de dizer!!!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

P.S. - Ora digam lá se o título de A Bola não ficava muito mais atractivo de verde!...

O horizonte é escuro!...


Estorvo no bolso


«Dizer que o Sporting desiludiu neste regresso aos grupos da Liga dos Campeões é capaz de que ser um furo gigante na caixa da honestidade analítica, se tivermos em linha de juízo que a equipa leonina teve de se bater com Real Madrid (campeão em título) e Dortmund por uma vaga nos oitavos de final. Todavia, podemos virar o contexto de pernas para o ar e afirmar, sem margem de erro, que esta Champions foi uma desilusão para os verdes e brancos, que antes do sorteio não admitiam menos do que a passagem à fase seguinte da prestigiada e prestigiante competição. A uma jornada do fim desta fase, a ambição da equipa de Jorge Jesus está reduzida à qualificação para os "16 avos" da Liga Europa, um objectivo que, no entanto, tomando como guia de avaliação o recente discurso do treinador, não será secundário ou irrelevante. A reflexão final sobre a campanha europeia, essa fica para daqui por duas semanas, quando os números esganarem as projecções e forem definitivos... em vésperas de dérbi com o Benfica. Mas os dados actuais já têm expressão para inspirar conclusões. Uma delas é que o plantel terá de ser repensado e reconfigurado em Janeiro, porque a redução de expectativas (desportivas e financeiras) recomenda cortes na densidade de recursos - reflectida na folha de vencimentos - que se tornam redundantes. Por um conjunto de razões diversas, reforços como Meli, Petrovic, Douglas e Elias passaram ou têm passado ao lado da época. Sem Champions, a quantidade converte-se em estorvo. Com o mercado de Inverno à distância de um mês, há decisões antipáticas para tomar.»
(João Sanches, Opinião, in O Jogo)

Por mais voltas que possamos dar ao texto de João Sanches, muito dificilmente se encontrará contraditório, caso o bom senso impere e não se pretenda "tapar o Sol com a peneira"!...

As expectativas criadas pelo acesso à Liga dos Campeões, com o mercado aberto até às calendas gregas, impuseram a assumpção de riscos nas contratações. Que acabaram em grande parte por se revelar pouco felizes.

Agora, quando chegar Janeiro, alguma coisa terá que ser feita para minimizar prejuízos, já que a nova janela de mercado o permite e a avaliação de necessidades futuras também.

A palavra "estorvo" não sendo simpática e fácil de digerir para alguns dos visados, não deixa de fazer sentido, e com toda a certeza será um complicado sistema de equações para quem o tiver de resolver, o que nos leva a crer que muito antes da reabertura do mercado começará muita gente a ter motivos para noites mal dormidas. E uma coisa é certa...

O horizonte é escuro!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Walk the way you talk, Bruno


Walk the way you talk, Bruno

«Ponto prévio: já tive oportunidade de conversar informalmente duas ou três vezes com Bruno de Carvalho e em todas elas saí do encontro bem impressionado com o presidente.

Pensa o futebol da maneira que eu penso, e que, acredito, é a correcta.

Bruno de Carvalho defendeu, por exemplo, a centralização da venda dos direitos televisivos, não como se faz em Inglaterra mas num modelo próximo do italiano. 

Na Série A, recorde-se, as receitas televisivas são distribuídas pelos clubes tendo em atenção vários factores: adeptos do clube, habitantes da cidade, resultados do ano anterior e média de resultados das últimas cinco épocas.
Como se sabe esse não foi o caminho seguido, muito por culpa do Benfica, é verdade.

Mas há mais.

Bruno de Carvalho sempre se insurgiu contra o paradigma que assiste à existência da Liga de Clubes. Diz ele que as reuniões na Liga só servem para discutir arbitragem: um presidente queixa-se do último penálti, um director duvida de determinado fora de jogo.

Ninguém discute os temas de facto importantes para o futebol.

Por isso defendia que a Liga de Clubes devia mudar, para se aproximar do que acontece em Inglaterra: tornar-se uma unidade de negócio. Basicamente seria uma entidade privada detida pelos clubes da I Liga, sendo que cada clube tem um certo número de acções da Liga.
Quando desce o clube cede a participação ao clube que sobe, mas durante dois anos recebe parte das receitas televisivas para não se gerar um fosso grande. 

Tudo isto permitiria à Liga de Clubes tornar-se um espaço apenas para tratar do negócio futebol: negociação dos direitos televisivos, de patrocínios, de contratos de publicidade. Tudo o que é arbitragem, tudo o que é disciplina, tudo o que não faz parte do negócio futebol passaria para comissões independentes.

Mais uma vez muito bem: totalmente de acordo.

Mas ainda há mais.

Bruno de Carvalho defendia também que os presidentes dos clubes não têm de ser amigos, mas têm de ser capazes de trabalhar em conjunto pela valorização do negócio futebol, sob pena de um dia destes os clubes não terem audiências.

Criticava ele que os dirigentes são os primeiros a desvalorizar o jogo, enchendo-o de suspeição e negatividade, e acrescentava que era preciso tornar o negócio um produto mais charmoso, atraente e sedutor.

O que traria mais público, mais dinheiro e um melhor futebol.

Admirável, não é?

Infelizmente o que se vê do presidente do Sporting não tem muito a ver com o que ele defende que devia ser o futebol português. O que se vê é Bruno de Carvalho em tricas constantes com dirigentes, árbitros e até treinadores.

Um presidente constantemente na crista da onda, e nem sempre pelos melhores motivos.

O que é mais doloroso é que Bruno de Carvalho é um dirigente jovem, que acabou de chegar ao futebol.

Não é um homem sem formação, não traz vícios de antigamente, sabe o que o negócio precisa, mas mesmo assim comporta-se como todos os outros: achando que quem grita mais, está mais perto de ganhar jogos.

Há dias, o treinador Marc dos Santos, que está a trabalhar nos Estados Unidos, dizia ao Maisfutebol que gosta de seguir um velho ditado americano.

Walk the way you talk.

O futebol português precisa desse Bruno de Carvalho: que reflicta sobre os temas importantes, que tenha ideias frescas e que caminhe do jeito que fala.»
(Sérgio Pereira, Box-to-box, in MaisFutebol)

Apreciei sobremaneira esta curiosa crónica de um jornalista cuja opinião já por aqui critiquei noutras incursões em matérias ligadas a este futebolzinho que temos, mas que me parece um profissional atento ao fenómeno que a todos envolve e com opinião formada sobre as mudanças imperiosas e urgentes que há muito se impõem.

Hoje creio que terá varrido com elegância e inteligência a encruzilhada com que se confronta o homem do momento em Alvalade, que não faria mal se reflectisse com propriedade na mensagem que Sérgio Pereira deixou implícita no seu interessante texto.

Não conhecia o ditado americano citado pelo luso-canadiano Marc dos Santos, creio que actual treinador dos Otawa Fury, e que SP aproveitou de forma brilhante para título do seu trabalho...

Walk the way you talk, Bruno

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Já passou as lâmpadas à A Bola!...


O jornal Record é a melhor agência de publicidade do Benfica! Consegue fazer uma capa destas sem ninguém no nº 3 da Luciana Stegagno Picchio se rir!...

Já passou as lâmpadas à A Bola!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A Bem da Nação Benfiquista!...


«Domingos Soares Oliveira, homem forte das contas do Benfica, diz que o seu clube não compra atletas de 26 ou 27 anos.
Alguém que o ajude a fazer as contas da idade que tem Taarabt, visto que o mesmo nasceu a 24-5-1989. E muitos mais exemplos poderia dar»


O Director de Comunicação do Sporting Clube de Portugal, provavelmente pela actualidade do tema "fair play", terá renunciado a fazer abater sobre Domingos Soares de Oliveira uma boa "saraivada de golpes" que definitivamente o colocariam "knock out", pela "simples e muito ética razão" de que a pobre da criatura já estaria prostrada no chão só com o impacto da colossal mentira que havia proferido.

Mas aqui o Álamo, que se está marimbando para o "fair play" sempre que os benfas resolvem abrir o bico e espalhar falsidades, fraudes, embustes, enredos, farsas, trapaças, balelas, petas, burlas, logros, patranhas, patacoadas, intrujices e patetices do tamanho daquela que o "patrono das finanças benfas" teve a distinta lata e pouca vergonha de afirmar em público para convencer papalvos, vem por este meio e com o devido respeito que a triste figura me merece, que não é nenhum, completar a lista que Nuno Saraiva, eivado de um pundonor que a criatura não merece, deixou incompleta:

Samaris - 27 anos; Fejsa - 28 anos; Mitroglou - 28 anos; Jonas - 32 anos; Eliseu - 33 anos; Júlio César - 37 anos e, "last but not least", Paulo Lopes - 38 anos.

A Bem da Nação Benfiquista!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Está tudo dito!...


FRUSTRANTE

«A saída do Sporting da Liga dos Campeões não foi propriamente uma surpresa. O grupo era dificílimo e isso deve-se a azar e a culpa própria. Perder numa luta séria, mais uma vez decidida nos últimos minutos, com o Real Madrid não é o mesmo que passar de uma goleada para um empate com o Besiktas ou não conseguir vencer ao Copenhaga, em mais uma das noites soporíferas a que o Porto nos começa a habituar. Só que as coisas são como são: eles ainda estão dentro e o Sporting já está fora. Agora, não pode perder em Varsóvia se não quer um Sportexit total. 

Faltou experiência ao Sporting para aguentar um empate com 10 jogadores perante o Real Madrid. Releio o que escrevi e percebo o absurdo da frase quando do outro lado está o melhor clube do Mundo. A história talvez fosse outra se João Pereira não tivesse facilitado a vida a um árbitro que sabe que há equipas que têm mesmo de ganhar (até a imprensa espanhola diz que ele não devia ter sido expulso). A UEFA é, tal como a FIFA, uma máquina movida a muito dinheiro. Nessa máquina, as grandes equipas são o principal combustível. Apesar de ser insuportável pensá-lo e dizê-lo, quem joga com elas tem de saber que as regras normais não se aplicam. O que quer dizer que nenhum pretexto pode ser dado. É injusto, é inaceitável, mas até mudarem demasiadas coisas todos os cuidados são poucos. E João Pereira não teve cuidado nenhum. Por isso, mas não apenas por isso – uns marcam quando tem mesmo de ser, outros atrapalham-se quando não podem –, o Sporting fez, mais uma vez, a melhor exibição dos três para ter o pior destino dos três. É ainda mais frustrante perder quando sobra pouco espaço para criticar.»

Como sempre Daniel Oliveira interpreta aquele que, sem sombra de quaisquer dúvidas, será o sentimento generalizado dos adeptos sportinguistas!...

Está tudo dito!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Marvin Zeegelaar também merece o nosso respeito!...


«Nunca vi fãs como estes, todos os jogos estão lá por nós e apoiam-nos em todos os momentos. Já vi muita coisa mas os fãs do Sporting são absolutamente incríveis. Obrigado por estarem sempre lá. Profundo respeito».
(Marvin Zeegelaar, in Record)

À sua chegada a Alvalade criou expectativas muito agradáveis mas, passado algum tempo, chegou a virar "patinho feio" aos olhos dos adeptos leoninos. Mas nunca desistiu e, pela mão de Jorge Jesus, tem corrigido defeitos, tem melhorado progressivamente e, não passando de repente a "patinho bonito", tem conseguido melhorar e ser mais consistente a cada jogo a ponto de começar a ser considerado "um dos nossos" e mais solução que problema...

Quando não se está feliz, seja qual for a actividade, será sempre muito difícil alcançar o melhor que temos dentro de nós. Não será  esse o caso do nosso lateral-esquerdo!...

Marvin Zeegelaar também merece o nosso respeito!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!... 

Cá para mim deu um tiro nos pés!...


O meu "sexto sentido de sportinguista" alertou-me ontem, face a uma crónica de um dos muitos "barbosas" que no universo leonino passam a vida a dizer de Bruno de Carvalho o que Maomé não disse do toucinho, para a possibilidade da criatura poder muito bem estar a colocar-se em bicos de pés, tentando chamar a atenção da "oposição" para a sua mais do que óbvia e indisfarçável disponibilidade. 

Mais óbvio ainda se torna que, tanto os meus predicados de analista nesta matéria, quanto o famigerado "sexto sentido" que apregoei com jactância mais própria de um qualquer benfas, não passavam de basófia ou, quando muito, do reflexo da minha boa disposição e do exponenciado e justificado sentido de humor do momento.

Já hoje, chegou-me um comentário que presumi ser de um sportinguista, naturalmente não identificado, que não publiquei para evitar metê-lo em assados, a dizer-me que de "fonte segura" lhe haviam transmitido o "segredo" de que António Pires de Lima estará a pensar em dar corpo aos profundos anseios da tal "oposição".

Bom, segredo, segredo não será! António Pires de Lima encabeçava a lista dos "10 putativos candidatos que recentemente vieram à ideia de um nosso ilustre consócio"! "Vocês sabem todos do que é que eu estou a falar"!...

A confirmar-se o que esse anónimo sportinguista comentou por aqui, quer-me parecer que  o protagonista da entrevista - em inusitada mas sugestiva pose de estado! - hoje publicada no Jornal i, (LINK), obviamente não necessitará de se colocar em "bicos de pés". Porém e à cautela, como ser inteligente que parece ser, estará a preferir os "pés de lâ" e, premonitoriamente, na "linkada" entrevista lá foi avisando a malta,  porque o que faz falta é avisar a malta, de que "tanto na sua família materna, como na paterna, o ambiente era muito próximo do Estado Novo"!...

Cá para mim deu um tiro nos pés!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Jorge Jesus ainda não teve tempo de acabar com a PIXOTICE!...


JOÃO PEREIRA E O SEU OUTRO EU

«Tal como não se pode fugir ao destino, também da fama de ter maus fígados não nos livramos. Estou a pensar em João Pereira, esse desistente de carreira que o olho de falcão, perdão, o olho de lince de Jorge Jesus em hora feliz foi buscar à prateleira dos infernos.

Duelo. O jogador começou por corresponder à confiança do técnico, teve a seguir um período em que perdeu o duelo com Schelotto, mas voltou ao de cima, reconquistando o lugar no onze.

Renegado. Ontem, Pereira estava a jogar bem até renegar tudo aquilo de que nos convencera: que regressara ao futebol agressivo e intenso que o levara à Seleção de Paulo Bento, perdendo, ao mesmo tempo, a mania dos palavrões e de se meter em embrulhadas.

Quadro. Numa das redes sociais, substitutas por excelência das antigas portas das retretes públicas, alguém mais perverso – e perversidade é o que por lá não falta – escreveu que João Pereira quer seguir a carreira de João Vieira Pinto. E que se este conseguiu, também ele quis iniciar a sua caminhada para futuro quadro da Federação.

Protector. Não acredito nisso. Primeiro porque Pereira não teve tempo para pensar, foi traído pelo ADN, quis ser fiel ao seu outro eu, justificar a fama de quezilento histórico. E encostou-se ao Kovacic que, coitadinho, se rebolou no chão com umas dores pavorosas. João Pereira é injustamente expulso, mas já sabia que o passado não lhe permite entrar em confusões. Não devia ter ido à guerra e foi, pregando com isso Jesus Protector na cruz e lesando o Sporting, que estava em cima de um Real Madrid que tornou a não ser superior aos leões.

Apoplexia. Manda igualmente a verdade que se diga que Jesus não tem, ainda, uma equipa madura. Basta recordar dois lances de Gelson Martins, no princípio do segundo tempo. Num, ficou à solta pela direita, aproveitando a queda de Marcelo, e fez um centro rasteiro, à toa, para o meio dos defesas, o que deixou o treinador à beira da apoplexia. Minutos depois, isolado na grande área, centrou atrasado para “ninguém”, quando se impunha o remate cruzado. Adiou a sua afirmação, revelando que tem muito para aprender e crescer.

Cérebros. Apesar de tudo, a coisa compôs-se com a ridícula mão, ou braço, de Coentrão, esse émulo cerebral de João Pereira. Mas como em Madrid, o Sporting não teve sorte. E tanto azar, já chateia.»
(Alexandre Pais, Quinta do Careca, in Record)


Alexandre Pais tem carradas de razão! Na verdade "tanto azar já chateia"! Só que, concordando com ele, talvez eu não me refira ao mesmo tipo de azar que ele invoca. Ele estará a falar e a pensar em "azar do jogo". Eu penso que o azar que vem tramando e travando sistematicamente o Sporting, não será propriamente esse. É um azar diferente a que eu chamarei de "azar dos pixotes"! Qualquer coisa que estará em linha com aquilo que Jorge Jesus terá pretendido dizer, no final do jogo, com... juventude!...

Ruben Semedo terá sido o primeiro pixote quando provocou desnecessariamente a falta que viria a dar origem ao primeiro golo do Real Madrid. Depois, a quando da marcação do livre, foi uma defesa inteira a revelar uma "pixotesca actuação" e a dar espaço e tempo para que Ronaldo endossasse a Varane, "pixotescamente" deixado sózinho e isolado!...

Vieram depois as duas "pixotices" de Gelson Martins a que AP faz o devido reparo e que demonstram inequivocamente quão longo será ainda o caminho que o talento leonino terá de percorrer.

E ainda a procissão ia, dolorosamente, no adro. Teriam que chegar depois, para acabar de atar os molhos, mais duas atitudes "pixotescas" dos leões. Primeiro  a "pixotice" do João Pereira, equilibrada com a "pixotice" de Coentrão, que nos deu um jeitaço e, em consequência, todos tivemos o privilégio de constatar a distância a que se encontra a experiência e infalibilidade de Adrien Silva e a consagrada "pixotice" de William Carvalho na marcação de penáltis, ainda recentemente provada com muito sofrimento nosso e prejuízo enorme para o Sporting!...

Finalmente, a última "pixotice" foi protagonizada por quem já não tem idade para se revelar tão "pixote": aos 26 anos e fartinho de calcorrear mundo, Sebastian Coates, para mais oriundo de um país em cujo futebol não se conhecem pixotes, muito antes pelo contrário, nunca poderia ser "comido de cebolada" por um qualquer pixote  como Karim Benzema, pouco mais velho que ele, mas com menos 10 centímetros de altura!...

Dói muito a qualquer sportinguista que se preze, chegar à constatação desta dura realidade, instalada há décadas em Alvalade...

Jorge Jesus ainda não teve tempo de acabar com a PIXOTICE!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

A banhada de humildade foi um refrigério na jactância!...


É o que dá contar com o ovo e ele ainda no cu da galinha! Nunca mais aprendem, os pobres!...

A banhada de humildade foi um refrigério na jactância!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

Saravah, Pedro!...


FORA DE JOGO


«Isto hoje não é sobre futebol. Não brada aos céus com os três que o Benfica ontem levou depois dos três que primeiro marcou. Não, hoje não tem nada a ver com atletas. Nem sequer com desporto. Não é religião da bola nem moral dos campos. É sobre o que não devíamos ler porque nem devíamos saber. A vida pessoal de quem é muitas vezes notícia pelo que faz na vida profissional.

De cada vez que falamos do que supostamente se passa na casa de alguém, expomos esse alguém à indiscrição generalizada e ao julgamento ignorante. Não é por esse alguém ser figura pública que ganhamos o direito a ter as chaves da sua vida privada. Até porque não é só a sua privacidade que invadimos: expomos também a da sua família, incluindo filhos menores que são gozados nas escolas, amigos e amigas que são xingados nos supermercados, cônjuges que são olhados de lado e pelas costas. Não é uma generalização: isto aconteceu. E nós, se comentamos, se partilhamos, se olhamos, estamos a participar no ataque ao ponto mais vulnerável que qualquer pessoa tem, seja um jogador ou um presidente. Que sejam criticados de alto a baixo pelo que fizerem nas suas profissões. E mais nada. Temos tudo a ver com o que eles fazem nos seus trabalhos. Não temos nada a ver com as suas vidas privadas.

Como diria o outro, vocês sabem de quem é que eu estou a falar. Infelizmente, sabemos todos. Podemos voltar ao que interessa?»
(Pedro Santos Guerreiro, Abrir o Jogo, in Record)

Curvo-me em justa homenagem e profundo respeito e admiração perante um benfiquista diferente!...

Pena que entre tantos milhões muito poucos o ouçam e meditem nas suas palavras. Podemos e devemos "voltar ao que interessa"!... 

Saravah, Pedro!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

PUBLICIDADE