quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Ainda faltará muito tempo e trabalho a toda esta gente!...


Apenas terá havido Taça no golo madrugador da equipa açoreana. A partir daí e à medida que o cronómetro  avançava, ninguém em Alvalade ou em casa teve dúvidas sobre qual o desfecho da eliminatória: era uma questão de adivinhar o tempo que a equipa do Praiense conseguiria aguentar em funcionamento o autocarro que trouxe até Lisboa. Foram cinco, como poderia ter sido dez!

A equipa do Sporting fez um jogo sério, mas obviamente que com tantas alterações no onze o rendimento não poderia ser aquele que todos desejariam. Porém, deu para ver a razão pela qual a maior parte dos nove a quem JJ deu hoje a titularidade, somados aos dois que entraram já no decorrer da segunda parte, poucas solicitações têm merecido por parte do seu técnico: há um abismo entre aquilo que produzem os titularíssimos habituais e o resto do mundo que vai treinando, quiçá demasiado calmamente, nos relvados da Academia.

Bruno César foi, a meu ver, o homem do jogo, a muitas milhas de todos os outros. Adrien aproveitou para repôr os níveis competitivos que a lesão fez desaparecer. Esgaio Jefferson, Elias, Matheus, Alan Ruiz e Castaignos não passaram do sofrível. André Souza, nos cerca de 15 minutos que esteve em jogo, surpreendeu pela positiva. Marcelo Meli estreou-se com a camisola do Sporting e pouco mais fez que dois ou três bons lançamentos em profundidade nos escassos 10 minutos que esteve em campo.

Ainda faltará muito tempo e trabalho a toda esta gente!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

9 comentários:

  1. Contente pela vitória do Sporting fiquei triste por ter visto o Praiense perder! Acontece que a minha vida me tenha levado a conhecer (e amar) os Açores sem nunca lá ter posto os pés. "Morte que mataste Lira" e "Chamateia" são músicas de que não me esquecerei e que, se fosse necessário, ainda saberia acompanhar.
    Sabendo que os "benfas" frequentam com assiduidade este espaço verde convido-os a visitar o Vulcão dos Capelinhos e então dirão que é lá que existe "cuspidela" a sério.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu amigo Aboim Serodio, a vida deu-me por companheira uma açoreana, do Faial! A pobre da minha excelentíssima, ainda hoje fala do "terror" infligido por tais cuspidelas!...

      Eliminar
    2. Confidência por confidência eu, enquanto estudante em Coimbra, vivi na República "Corsários das Ilhas" e foi aí que encontrei e aprendi a ser amigo de muitos açorianos um dos quais, Duarte Brás da ilha Terceira, que fazia parte dum conjunto musical que se chamava "Os Álamos"! Por ventura a sua Excelentíssima saberá de quem falo a ainda me lembro de ter ido com ele à RTP a um programa do Oscar Acúrsio para cantarmos a "Morte que mataste Lira"! Mas "quem mais sofre sou eu" que estou velho e longe!

      Eliminar
  2. «... era uma questão de adivinhar o tempo que a equipa do Praiense conseguiria aguentar em funcionamento o autocarro que trouxe até Lisboa»

    Vindo diretamente de Alvalade posso afirmar que o Praiense, nem trouxe autocarro , nem jogou à pancada... Faça-se justiça a isso Álamo

    Por isso provavelmente é que foi goleado por uma equipa a jogar a 5 à hora.

    ResponderEliminar
  3. Boa noite caro Álamo.
    Quando acabou o jogo pensei nos terríveis dias que se têm sucedido desde que apareceu o vídeo que não era suposto... a nível da paineleiragem e OCS tem sido cacofonia pura!

    Perde-se o essencial para discutir o acessório e por cada prova apresentada a desmontar cabalas, lá vêm mais duas ou três teorias mirabolantes sobre o que fez o nosso presidente...

    Assim sendo quando acabou o jogo juntei André, juntei o clube dos Açores e o ataque impiedoso dos cães danados e invoquei José Cardoso Pires... Para mim esta vitória foi nada mais nada menos que a "Balada da Praia dos Cães".
    SL

    Basco "O Leão"

    ResponderEliminar
  4. Bom dia...
    A noite estava fria mss suportava- se bem...
    Não contava eu com aquela " gracinha" do jogador Praiense, mas esperei sem ansiedade desmesurada o desenrolar dos acontecimentos...
    A equipa foi séria e esfoçada q.b....
    Valeu a pena ir de Óbidos a Alvalade para apoiar o nosso Sporting ( e um numero razoável de sportinguistas pensou o mesmo)...
    Uma palavra de simpatia para os açorianos presentes ( e para os outros também)...

    Sempre Spooorting...!!!

    SL

    ResponderEliminar
  5. Sou sportinguista da Praia da Vitória e ontem suspendi o meu sportinguismo por 90 minutos, em que fui PRAIENSE.
    Tive o grato prazer de presenciar o jogo e assim tive oportunidade de verificar que o Praiense nem trouxe o autocarro (é evidente que perante uma equipa muito mais forte teve que defender mais que a atacar, principalmente quando as forças começaram a faltar), não praticou anti-jogo, sempre que teve bola procurou sair a jogar e quando se apanhou a perder tirou um defesa e colocou um avançado, provavelmente por esta razão é que na segunda parte sofreu tantos golos.
    Quanto à vitória do Sporting, nada a dizer.
    Os homens da Praia da Vitória, foram guerreiros e dignificaram o clube que representam, tornando bastante agradável um jogo que a maioria previa fosse enfadonho e aos soluços com interrupções constantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Manuel Ortiz, julgo que a única diferença entre a impressão que o Praiense nos terá causado, estará nas palavras que utilizei no meu texto e aquelas que escolheu para o seu comentário. Como sportinguista utilizei o termo autocarro, para significar exactamente a expressão que o caro, legitimamente e como adepto do clube da sua terra, utilizou: "é evidente que perante uma equipa muito mais forte teve que defender mais que atacar, principalmente quando as forças começaram a faltar".

      Agora em termos de dignidade, recusa do anti-jogo e atitude guerreira, quero aqui prestar a minha homenagem ao Praiense, que bem pode orgulhar-se de ter saído de Alvalade de cabeça erguida, honrando a competição e a razão da sua existência, mesmo tratando-se de um clube sem a grandeza do seu opositor.

      Na utilização do termo "autocarro", não foi minha intenção menorizar sob nenhum pretexto o digno adversário que ontem esteve em Alvalade. Acho que lhe devia esta explicação e ela aqui está com toda a humildade.

      SL

      Eliminar
  6. Permita- me que diga ao amigo Ortiz...
    Que eu en Alvalade aplaudi o golo do Praiense, ao mesmo tempo que ia dizendo ao vizinho do lado...
    Pronto...lá vão levar 5 ou 6 ( apenas porque iam obrigar o Sporting a ter de se definir)
    Mas parabéns ao Praiense...
    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE