quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Mas não cantes Bruno! Fica para a próxima!...


TIRANETES


«O futebol português está cheio destes episódios. Normalmente são pessoas com ligação às localidades, que pegam num clube que vegeta nos escalões secundários, disponibilizam recursos e tempo, promovem o clube e, claro, promovem-se a si mesmos.

Como resultado, esse clube vai avançando e aparece na ribalta, para grande gáudio das populações dessas localidades, que nunca sonharam que tal acontecesse. São histórias bonitas, na forma, mas normalmente com desfechos trágicos. Por duas razões.

Em primeiro lugar esses mecenas capturam os clubes e agem como se fossem seus donos, põem e dispõem, contratam e despedem jogadores e treinadores a seu bel prazer; ou seja o clube apaga-se enquanto tal, perde as suas características próprias e passa a ser apenas a imagem e glorificação do seu dirigente.

Toda a noção de associativismo desaparece e é substituída pela proeminência obsessiva do líder que o sustenta e como tal acha que tem legitimidade para tomar as atitudes que bem entende.

Há casos até, em que essa captura assume contornos dinásticos e os lugares de topo são preenchidos por familiares, ao melhor estilo norte-coreano.

Em segundo lugar, porque esses projectos não têm sustentabilidade económica e social e esgotado o dinheiro ou correndo mal a vertente desportiva, são abandonados rapidamente por quem os inventou e acabam numa vertiginosa queda aos abismos.

Foi assim na Figueira da Foz, em Leiria, em Faro, em Aveiro, na Amadora, só para falar nos casos mais conhecidos, em diferentes momentos históricos, claro está.

Uma honrosa excepção em Campo Maior; quando a família Nabeiro constatando o sorvedouro de dinheiro que era o futebol profissional, acabou lucidamente com ele, por o clube não ter dimensão, nem estruturas, para essa aventura.

Pelo que tem sido dado a conhecer, e não só por causa do triste episódio do túnel de Alvalade, em Arouca, vendo o tipo de gente que tomou conta do clube, estão reunidas as condições para que tudo (mais uma vez) corra mal.»
(Carlos Barbosa da Cruz, O canto do Morais, in Record)

Quando li o título desta crónica, olhei de soslaio para a guilhotina e disse para com os meus botões, olha, aí vem mais carvão!...

Afinal enganei-me: de feia toca pode sair bom coelho! E a crónica até que está bem esgalhada, sim senhor!...

Mas não cantes Bruno! Fica para a próxima!...

Leoninamente,
Até sempre, Sporting Sempre!...

3 comentários:

  1. noutro pais nao terceiro mundista como e portugl em certos casos...este brunalgas
    que esta ha frente da grande instituicao scp...ja estava irradiado do futebol para sempre,pois ele so veio incendiar o futebol tuga.que aja gente com eles no sitio nas instancias desportivas do pais para o fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te trates, não "anónimo das 20:43"! Não vás ao médico do juízo e verás aonde vais parar!...

      Eliminar
    2. Mais depressa vai ser irradiado o orelhas...

      Eliminar

PUBLICIDADE