terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Regresso a Portugal?! Tão depressa?!...

Regresso a Portugal ?! Tão depressa?!...

Yo no creo en las brujas, pero que las hay, las hay !!!...

Leoninamente,
Até á próxima


segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

A erva-azeda faz os dentes botos !...


Segundo reporta o jornal Record na sua edição online, a revista inglesa "FourFourTwo", destaca  e chama a atenção na sua última edição, um quarteto de talentosos e jovens jogadores, a militar em outros tantos clubes europeus de top, que poderão ser lançados na próxima edição da Liga dos Campeões, que arranca esta terça-feira. Ryan Gauld, médio ofensivo escocês que ainda só actuou em partidas da equipa B do Sporting, mas que por algum motivo os leões inscreveram na UEFA para disputar a Champions, é um dos quatro que a revista aponta.

A conceituada revista destaca ainda a responsabilidade acrescida para Ryan Gauld, a partir do momento em que passou a representar o Sporting Clube de Portugal, um dos mais prestigiados clubes a nível mundial  na formação de futebolistas e refere as inevitáveis comparações com dois dos expoentes máximos do seu longo e profícuo historial de formação, esses dois colossos do futebol europeu e mundial que dão pelos nomes de Luís Figo e Cristiano Ronaldo e que a história do futebol universal registará para sempre.

E finaliza a "FourFourTwo", com o reconhecimento de que  o jovem e talentoso escocês, apesar de não se poder comparar a Figo e Ronaldo em termos físicos, devido ao seu 1 metro e 64, será uma promessa a ter em conta, não deixando de destacar que "o seu fabuloso pé esquerdo, que adora fazer assistências", poderá muito bem "ajudar a abrir algumas defesas".


Só por cá, parece existir muito boa gente com os "dentes botos", aquela desagradável sensação que eu experimentava em criança, quando trincava e chupava a seiva da popular erva-azeda, também conhecida por trevo azedo ou erva canária, talvez devido à sua bonita e característica flor amarela. É isso, a adstringência é uma coisa danada, que provoca os dentes botos, exactamente como a inveja alheia que por aí prolifera, grassando quantas vezes dentro da nossa própria família! 

Ai se os dentes botos caíssem! Muitos desdentados encontraríamos por aí, ao virar de cada esquina!...

Leoninamente,
Até à próxima

O sucesso do Sporting, está nas mãos dos seus adeptos !...



Depois do que deixei por aqui expresso no último post, caiu como sopa no mel, o artigo de Alexandre Carvalho, hoje publicado no jornal Record e que reproduzo na íntegra, apesar de extenso, porque nem todos os sportinguistas que por aqui passam terão oportunidade de o ler e será demasiado importante que não percam a oportunidade de apreciar, aquilo que foi feito pelo Borussia de Dortmund, nos últimos 10 anos.

Na realidade, os processos serão semelhantes, mas faltará ao Sporting, exactamente, apenas o bocadinho que Bruno de Carvalho parece simbolizar na imagem:

a adesão em massa dos sportinguistas!...


Borussia  Dortmund  mostra  o  caminho
GIGANTE ALEMÃO ESTEVE PERTO DA FALÊNCIA EM 2005 E AGORA É EXEMPLO PARA OS LEÕES

"Afundado numa crise financeira em 2005, o Borussia Dortmund conseguiu reconstruir-se, redefinir a sua existência e, por fim, reerguer-se como um dos grandes emblemas da Alemanha e da Europa. Esta é a história de um clube dilacerado por profundas dificuldades económicas que, através de um rigoroso processo de recuperação financeira e desportiva, conseguiu fugir ao fantasma da falência e regressar à ribalta. No fundo, este é, com as devidas distâncias socioeconómicas, o caminho que o Sporting tentará seguir nos próximos anos para alcançar o tão desejado regresso aos títulos.

O “plano de resgate” pensado por Bruno de Carvalho para os leões encontra vários paralelismos naquilo que o Dortmund foi obrigado a fazer para recuperar a autonomia financeira: tal como o clube leonino, também os alemães acertaram a reestruturação da dívida – que, na altura, ultrapassava os 170 milhões de euros –, diminuíram os custos com o pessoal e reduziram drasticamente o orçamento para transferências.

Obviamente que, a tudo isto, acrescenta-se a entrada em cena de factores externos: a atracção de investidores (a cedência do naming do estádio à Signal Iduna e a parceria com a Evonik, por exemplo, foram formas do Dortmund aumentar as receitas), o dinheiro oriundo dos direitos televisivos (cerca de 40 milhões de euros por época) e, acima de tudo, a participação activa dos adeptos no dia a dia do clube. Este último ponto tem sido, aliás, um dos “cavalos de batalha” de Bruno de Carvalho, que desde o primeiro dia apela ao aumento do número de sócios e a uma maior presença no estádio.





A juntar a tudo isto, há duas figuras incontornáveis nesta história de sucesso: o presidente Reinhard Rauball – uma espécie de Bruno de Carvalho do Dortmund – e o treinador Jürgen Klopp. A contratação de um treinador jovem, sem experiência em grandes clubes, mas profundamente conhecedor do contexto do seu campeonato, tem em Marco Silva e Klopp exemplos perfeitos; a atenção a mercados paralelos para a aquisição de jogadores menos conhecidos – casos de Lewandovski e Slimani – teve efeitos imediatos; a aposta em mercados emergentes e populosos (Egito e Japão) e a aposta e valorização de activos formados no clube (Götze e William Carvalho) sustentam a redefinição do contexto desportivo.

O Dortmund iniciou este processo há cerca de 10 anos e, para lá de ter chegado à final da Champions, em 2012/13, conquistou dois campeonatos, duas Taças da Alemanha e três Supertaças germânicas. Tudo isto, batendo o pé ao todo-poderoso Bayern, um clube que tem o dobro do orçamento para transferências e o triplo para salários.

Por seu lado, o Sporting deu o tiro de partida no projecto de recuperação há apenas uma época e, como principal feito, voltou à fase de grupos da Liga dos Campeões. O caminho é longo e estará recheado de obstáculos. Mas o Dortmund é o exemplo perfeito de que o dinheiro ajuda... mas não é determinante para o sucesso desportivo.".


Tempo! Tempo será o que todos nós, sportinguistas, obrigatória, imperiosa e incontornavelmente, teremos de dar ao nosso Sporting. Não cabe na cabeça de ninguém, pretender que apenas ao fim de um ano, o processo leonino possa conduzir aos resultados que demoraram 10 anos em Dortmund! E muito menos caberá na cabeça de quem quer que seja comparar, tanto a realidade sócioeconómica alemã, quanto a militância dos adeptos do Borússia.

E se, por ser verdade insofismável, o Sporting possui uma das mais fantásticas legiões de adeptos do nosso pobre futebol, traduzida em autêntica romaria verde e branca que percorre o país de lés a lés, concorrendo para disfarçar a confrangedora realidade económica de grande parte dos clubes da nossa principal liga, não deixará de ser verdade, uma verdade nua, crua e surpreendente, que os adeptos leoninos continuem distraídos e não ofereçam numa bandeja, os únicos e incontornáveis trunfos de que o Clube necessita para para imitar o Borússia de Dortmund: esgotar Alvalde com a compra de "gameboxes", ainda antes do campeonato ter início e passar para o dobro o número de associados - PAGANTES! - do Sporting Clube de Portugal!

Assim fizeram os adeptos do Borússio de Dortmund, concorrendo para o reconhecido sucesso do seu clube! Estará nas mãos dos adeptos sportinguistas, proporcionar os meios e os apoios necessários para que ao Sporting Clube de Portugal seja possível alcançar desígnio semelhante, alterando radicalmente o seu discurso palavroso e quantas vezes confrangedoramente demagógico, substituindo-o pelo necessário e insubstituível pragmatismo!...

Leoninamente,
Até á próxima 

domingo, 14 de Setembro de 2014

Sol na eira e... chuva no nabal ?!...


Quando damos voz à paixão, sem cuidar de olhar com olhos de ver, com muito discernimento, profundidade e o máximo de justiça de que formos capazes, o quadro da nossa decepção, pretendendo que, simultaneamente, faça sol na eira e chova no nabal, será certo e sabido que acabemos por aderir à famigerada panaceia do "grande educador da classe operária" nos  idos e nada saudosos tempos do "prec", de que só a destruição total poderá permitir construir um mundo novo!

Ontem em Alvalade, só porque Lito Vidigal, à boa maneira tuga, vendeu a dignidade para defender o emprego e afirmou estar triste, por entender que a sua equipa fez o suficiente para alcançar a vitória, esquecendo-se do mérito do adversário e do suor que terá de gastar para se livrar da descida, alguns adeptos sportinguistas, logo pegaram no pincel e na lata de tinta preta e inundaram o quadro leonino de negro.

A paixão leonina, humanamente compreensível, mas a ser vivida de forma descontextualizada, jamais será boa conselheira no quadro actual do Sporting. Aplaudir orgulhosamente o resultado positivo de 368 mil euros no último exercício e pretender ao mesmo tempo que o Sporting passeie a sua supremacia nos relvados "d'aquém e d'além mar", será uma inconsequente, louca e quiçá impossível "quadratura do círculo". Se não, vejamos, começando pelo princípio.

Marco Silva é um jovem e promissor treinador, que foi recebido em Alvalade com as cores da unanimidade Mas terá sido a escolha que mais garantias poderia oferecer, na actual situação de limitada qualidade e experiência do plantel leonino?! Obviamente que não. Mas o Sporting não tem, actualmente, capacidade económica para ir mais além. Daí a razão de ter sido uma escolha aplaudida. Porém, como toda a medalha, teria de ter, incontornavelmente, verso e reverso. Inteligente, promissor, eventualmente talentoso, mas... inexperiente! Ao alcance da nossa capacidade económica, mas... a precisar de tempo para crescer, de aprender com os erros, de se construir a si próprio e à carreira que se lhe adivinha! Não entender o óbvio desta premissa, será pretender construir um edifício, começando pelo telhado.  

Por outro lado, sem trazer aqui vicissitudes passadas, o Sporting, em marcha acelerada para a destruição total e porventura irreversível, teve o privilégio de ser salvo "in-extremis", por um punhado de gente sportinguista, que apostou claramente no único caminho possível e que nele se vem empenhando de modo pragmaticamente inflexível. Um sem número de vertentes concorrem e decorrem do trabalho ciclópico que tem vindo a ser desenvolvido. Entre todas, sobressairá a construção de uma equipa de futuro, suporte natural de tão corajoso projecto. Porém a exiguidade dos meios impôs, impõe e há-de continuar a impôr por muitos anos, uma filosofia completamente diferente dos clubes ricos, ou... que assim se presumem: "fazer mais com menos"!

Não havendo meios que permitam a aquisição de estrelas, ou mesmo de atletas que sem tal estatuto possam pegar de estaca na equipa, quando é liminarmente rejeitado o recurso aos apregoados e "milagorosos" fundos, panaceia utilizada até à exaustão pelo tipo de clubes cuja praxis em boa hora parece ter sido definitivamente excomungada em Alvalade, o Sporting partiu para uma intervençao no mercado, compatível com as sua capacidade económica e financeira, apostando claramente na juventude e no fabuloso e reconhecido "know-how" da sua formação. Só que, como em tudo na vida, esta opção muito raramente conduz a resultados imediatos, desaguando na "pescadinha de rabo na boca" que faz explodir a dicotomia entre o imediatismo da ambição dos adeptos e o tempo que demora a nascer uma estrela!

Este o grande desafio que, a meu ver, se coloca no momento actual da vida do Sporting Clube de Portugal, sendo dado adquirido que ninguém nos mais de 4 milhões de adeptos leoninos, colocará em causa a imperiosa e absoluta necessidade de percorrer e alcançar o caminho da estabilidade e da sustentação económica. Só que, uma significativa franja de sportinguistas, pretende ao mesmo tempo e tão rapidamente quanto possível, celebrar vitórias e títulos!

Humanamente legítimo e comprensível, dir-se-à, se a esse desígno não correspondesse uma nova e intransponível "quadratura do círculo"! Porque nunca poderemos desejar o redentor Sol para secar o milho na eira e, ao mesmo tempo, pedir chuva ao deuses, para que os nabos germinem e nos ofereçam o viço das suas folhas, a riqueza das suas cabeças e o delicado sabor dos seus grelos! Entre um e outro desejo, terá de decorrer tempo, teremos de entender que o natural ciclo das estações não se modifica por decreto, decorrente da vontade humana.

E que ninguém pretenda utilizar o estafado argumento, de que Bruno de Carvalho disse que o Sporting era candidato ao título! Ora pôrra, o que é que queriam que o homem dissesse, quando preside a uma instituição que, sem malabarismos, celebrou 108 anos de  história e é a maior potência desportiva nacional?!...

Leoninamente,
Até à próxima 

O Sporting não é a Federação !...



- Oh doutor, está a sugerir que tenho de despedir o seu colega Varandas?! Mas o senhor pensa que isto é a Federação, ou quê?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Ainda que doa, uma análise consequente !...


Nani contornou-os. Faltou contornar...

Há não muito, numa caixa de comentários, em tom de brincadeira referi que em Portugal "Nani vai contornar pinos". Excelente a ideia de Marco Silva ter Nani no corredor central. O talentoso desequilibra, desequilibra. Porém, não há qualquer movimento com sentido, enquanto o talentoso chama a si adversários directos de colegas seus.

Encaixado no Sporting, percebe-se ainda mais a diferença estratosférica para os seus colegas. Não só consegue criar desequilibrios com imensa facilidade, pela forma como ultrapassa sempre o adversário directo, como garante sempre que não há transição adversária, pela responsabilidade com que opta pelos momentos de desequilibrar. Incrível que o Sporting não tenha ao redor do portador, uma movimentação que aproveite as saídas ao portador de vários jogadores adversários.

Aos problemas colectivos ofensivos que urgem resolver (nem tudo se resolve com chegar à linha e cruzar para Slimani! O argelino não é Jardel!) as dificuldades individuais. Em dez de campo ter três jogadores que não sabem sequer dominar uma bola torna tudo muito mais complicado. Sair aos centrais do Sporting com bola, não chega sequer a ser preocupação, porque já se sabe que não sairá nada dali.

Desde o início que aqui se afirmou que este seria um ano terrível para um treinador entrar no Sporting. A pontuação da época transacta foi desajustada face à qualidade de jogo e das individualidades da equipa, e tal facto elevedou a fasquia para níveis praticamente impossíveis de cumprir por Marco Silva. Não se pode exigir a treinador nenhum no mundo que jogando com dois centrais de distrital vença troféus a nível nacional. Ter jogadores que não servem para jogar o jogo, mas apenas pequenos momentos do jogo (Slimani só para finalizar. Mauricio e Sarr só para defender, e mal) é um retrocesso ao futebol da década de noventa.

Se os jogadores com maior participação com bola no jogo são os centrais, que sentido faz tê-los apenas porque são grandes e físicos? É de trás que se começa a desequilibrar. Ainda assim, mais à frente Nani fê-lo em número suficiente para, com outras movimentações, outra qualidade, o Sporting vencer o jogo.

P.S. - Tal como na temporada passada, Rui Patrício continua a ser o jogador do Sporting que mais intervenções verdadeiramente decisivas tem tido. Foi assim em cada um dos primeiros quatro jogos da Liga. Em Coimbra notável ainda antes do empate. A terminar ainda com 0 a 0 frente a um isolado avançado do Arouca. Na Luz. E novamente a Deyverson. Sintoma de...?
(Paolo Maldini, in Lateral Esquerdo) 


Livrem-me os deuses de cair na tentação, muito comum do outro lado da rua, de negar a nudez do "Rei Leão"! Por isso, ainda que ela possa doer a quantos deixaram o seu coração ser trespassado por este amor tão grande ao glorioso Sporting Clube de Portugal, não resisti a trazer para esta modesta janela de leoninidade, em hora de necessária e imperativa reflexão, a crónica de Paolo Maldini.

Serei o último dos leões  a acusar Maurício, Sarr, Slimani e Marco Silva, de falta de empenho e de não trabalharem esforçadamente, dedicadamente e devotadamente para conseguirem o melhor. Mas negar evidências, nunca esteve na minha maneira de estar na vida, nem que seja por amor ao meu Sporting!

Sei que deverei, como todos os sportinguistas, dar tempo ao tempo. Sei dos milhões de condicionantes que se opõem a este nosso veemente desejo de vitórias, se calhar, para ontem. Mas haverá realidades que deveremos interiorizar rapidamente, se não quisermos correr o risco de copiar aqueles cuja falácia tanto criticamos, de nos julgarmos capazes de dar um salto maior que as nossas pernas o permitem, de sermos os melhores do mundo e dos seus arredores.

O jogo de ontem à noite em Alvalade, ter-se-à revelado muito próximo da análise que, ainda que doa, não deixará de ser... consequente!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 13 de Setembro de 2014

Nada está perdido! É um facto! Mas...

foto: LUSA

Muita posse, domínio e controle do jogo, mas... nova escorregadela! Muita entrega, esforço e determinação, mas... tremenda ineficácia! Um jogo fantástico de Nani, onde sobressaiu todo o esplendor da sua fabulosa técnica, mas... sózinho, dificilmente será capaz de cavalgar vitórias!

Quatro jornadas, três empates e... seis pontos perdidos! Um saldo francamente negativo e que, a meu ver, apenas poderá ser atribuído ao futebol macio, insípido, previsível, pouco criterioso e ineficaz que a equipa tem vindo a exbir. 

Bem que me custa reconhecê-lo, mas em termos de organização e acutilância ofensivas, o Sporting continua neste início de época, tal como no final da passada, demasiado tenrinho, sendo que no capítulo defensivo, a tenrura não será menor e o baluarte da linha média da época passada, parece estar a demorar demasiado tempo para voltar a afirmar-se, sendo insofismável e incontornável que os intérpretes são exactamente os mesmos.

Ficou o travo amargo da perda de mais dois pontos e alguma apreensão sobre o que esta equipa será capaz de fazer na Eslovénia, na próxima 4ª feira. Talvez o Sporting não venha a ser confrontado com os autocarros de dois pisos que hoje se lhe depararam e isso possa vir a facilitar o trabalho. Talvez com os eslovenos possa contar com o factor surpresa, com que obviamente não contou hoje. Mas lá que não será com tranquila serenidade que assistiremos ao baptismo na CL desta época, isso poucas ou nenhumas dúvidas restarão no espírito dos adeptos.

Nada está perdido! Isso é facto! E nada impedirá que Marco Silva venha a conseguir condimentar o jogo leonino com a audácia e a imprevisibildade que parecem faltar-lhe! Para já, essa será a única tábua de salvação, quiçá esperança, a que os sportinguistas se poderão agarrar!...

Leoninamente,
Até á próxima

Tudo tem uma explicação! Tanto na Natureza, quanto na Vida !!!...


Qualquer pessoa com bom senso e um mínimo de inteligência, olhando atentamente para esta estátua, interroga-se sobre o que terão os adeptos benfiquistas na cabeça em vez de miolos, para terem desatado a celebrar nos últimos tempos, na praça onde se ergue, altaneira e leonina, os 27 + 3 = 33 títulos, que o "sistema", distraído, lhes tem proporcionado!

Paralelamente, venho perguntando ultimamente a mim próprio, como autor de LEONINAMENTE!!!..., o que terão os adeptos benfiquistas, que aqui aparecem aos bandos, na cabeça em vez de miolos, para virem aqui debitar o seu cacarejar!

Resolvi recorrer à Ciência, de modo a tentar encontrar uma resposta!... E disseram-me os especialistas na matéria, que as aves e os répteis, serão dos animais vertebrados com mais reduzida massa encefálica. Segundo a Wikipédia"Há um padrão em vertebrados: mamíferos e aves, apresentam tamanho do cérebro bem maior em relação ao corpo que outros grupos, evidência de que são mentalmente bem equipados. (Porém) Uma comparação entre os cérebros nessas duas classes permite constatar uma grande divergência organizacional dos centros de cognição, apesar de apresentarem capacidades cognitivas comuns. A proporção média do cérebro dos mamíferos em relação ao corpo, é um pouco maior que o das aves e, ambos, são significativamente maiores do que o dos répteis não-aves.".

Tudo tem uma explicação! Tanto na Natureza, quanto na Vida!!!...

Leoninamente,
Até á próxima

Querem ver que a rifa sai mesmo à casa?!...


Estarei eu redondamente enganado, ou o "pouco competente" presidente da FPF - a afirmação foi dele mesmo! -, voltou a revelar essa reconhecida faceta e despediu Paulo Bento, sem ter muito bem a certeza daquilo que faria logo a seguir?! Quer-me bem parecer que sim, a julgar pelo "banho maria" a que tão delicada questão parece estar a ser sujeita.

Dá a ideia que o "dótor Guames" terá contado com o ovo e ele ainda no cu da galinha, e estará a ser mais difícl do que ele terá suposto, o parto da "solução estruturada". Está-se mesmo a ver que terá pensado em Fernando Santos, sem que lhe passasse pela cabeça o castigo de oito jogos a que foi sujeito pela FIFA! E ter-se-à visto obrigado a partir para outra galinha qualquer, que não estará disposta a permitir que alguém confirme se tem ovo ou não! E sabe-se lá à porta de quantas galinhas terá batido durante o dia de hoje!

Estou mesmo a ver que o ovo ainda acabará por estar no cu de alguma galinha lá de casa! Essa seria de "cabo de esquadra", mas eu, desde que assisti à declaração pública da incompetência do doutor Jones, para tapar com essa peneira o sol da incompetência de toda aquela gente, já nada me surpreenderá!

Mas agora falando a sério e mesmo que a minha pressa seja tanta como a minha preocupação, estou em transe para saber quem é que irá, afinal, pôr o ovo! Já ouvi por aí tantos prognósticos antes de o jogo acabar, que a cada hora que passa sem o "dótor Guames" fazer inchar o já de si inchado peito e vir apaziguar as massas, as minhas suspeitas são maiores. Querem ver que a rifa sai mesmo à casa?! Sim porque eu já vi muito taco não servir apenas para jogar golf!!!...

Leoninamente,
Até á próxima

sexta-feira, 12 de Setembro de 2014

Excalibur há-de libertar-se !...


A espada (não) era a lei

"Era uma vez, numa terra sem rei chamada Portugal, uma pedra. Essa pedra tinha uma espada. A espada tinha uma lenda. Ora, rezava esta, mitigada por distintos visionários e mercadores, que quem conseguisse arrancar a espada da pedra, feito inatingível para o homem comum, seria rei. Tal tarefa poderia somente, pois, ser executada por uma alma dotada de liderança e grande habilidade, capaz de domar os mais bravos mares e guiar os guerreiros combalidos, pelos trilhos até aí desconhecidos da glória.

Vieram desde longínquas terras até Portugal, vários espíritos repletos de ambição e vontade, ansiosos por elevar da firme pedra a tão desejada espada. Muitos tentaram, nenhum concretizou tal desígnio. Veio o Luís, intentou o Carlos, fracassou o Paulo. Muitos mais chegarão a Portugal e procurarão levantar lusa Excalibur, contudo, nenhum conseguirá, até que outro feito, mesmo contado pelas mais obscuras e sábias lendas, seja alcançado.

E que feito é esse, perguntas tu, meu jovem e sonolento leitor que aguarda que eu termine por fim esta história para poder fechar o livro e cair em profundo e mágico sono? Conto pois, para apenas tu ouvires, que não é nossa terra Inglaterra e não é este o conto do Rei Artur - pelo que o segredo para ser soberano, não se resume a arrancar a espada. Pois o mal desta terra, que a mantém sem rei nem roque, está na pedra que agarra com pardacentas garras a arma e a prenderá, inacessível à honra e dignidade, a não ser que um homem nobre e elevado compreenda, que para se fazer com a espada e ser rei, há que primeiro destruir a pedra.

Não sendo isso feito, poderão vir Fernando, Vitor e Rui ou qualquer cavaleiro de nome estrangeiro, que nunca Portugal se erguerá. Era uma vez, numa terra sem rei chamada Portugal, uma pedra. Essa pedra tinha uma espada. A espada tinha uma lenda. A verdade estava na pedra."

Inês, obrigado! Como Sophia, és uma mulher inteligente e de coragem! És "um poeta", porque das tuas palavras brota a verdade, nua e crua e a vida, que nos abraça a todos! Mas ai de ti, mulher de pouca fé! A pedra há-de partir-se... sózinha! Há-de fazer-se em bocados e Excalibur, resplandecente, talvez possa ser o sinal por que todos esperamos! Ou não tenha o Gama chegado às Índias, Cabral a Terras de Vera Cruz e Salgueiro Maia não tenha prendido o ditador!...

Aceita um leonino abraço, Inês, seja qual for o teu mundo!...

Leoninamente,
Até á próxima