domingo, 25 de setembro de 2016

Enganadores serão os outros que por lá andam a encher pneus, armados em tótós!...




OS ESPANTOSOS NÚMEROS DO BENFICA

«Rui Vitória faz o que se recomenda a qualquer pessoa sensata: desvaloriza as proezas individuais e mais ainda aquelas em que o protagonista é… ele próprio. Ninguém o ouviu falar dos 88 pontos que a sua equipa somou na época passada e que passaram a constituir um novo máximo em Portugal (o anterior recorde pertencia a um tal de Mourinho) e ontem percebemos que não está nada interessado em "surfar a onda" que é esta louca série de vitórias fora de casa.

Em Chaves, num jogo mais complicado do que o resultado final espelha, o Benfica alcançou o 15.º triunfo seguido longe da Luz em jogos para o campeonato. Nunca ninguém fez melhor e apenas um dos treinadores mais míticos na longa história dos encarnados – Jimmy Hagan – cumpriu semelhante trajeto. Na próxima deslocação dos encarnados (Restelo), Rui Vitória tem a possibilidade de somar a 16.ª vitória consecutiva na condição de visitante e ficar na posse de mais um registo histórico. Os números totais do Benfica na Liga impressionam: 24 vitórias, 1 empate e 1 derrota em 
26 jogos disputados em 2016 é qualquer coisa de extraordinário. Ou seja, em 78 pontos possíveis os encarnados somaram… 73! O equivalente a 93,5% de aproveitamento. Uma barbaridade!

Só um daqueles Einsteins que Mourinho invocou há dias será capaz de defender uma tese segunda a qual a equipa de Rui Vitória apresenta um défice de qualidade. Neste início de campeonato há ainda outros argumentos que vão correndo a favor do técnico encarnado. Liderar a prova neste invulgar quadro clínico (as baixas, em Chaves, eram "apenas" Jonas, Jiménez, Rafa, Jardel, Samaris e Danilo) já era um feito meritório. Mas se em cima disso ainda lembrarmos que, à 6.ª jornada, o Benfica é a única equipa que já fez 4 jogos como visitante...»
(Nuno Farinha, Entrada em campo, in Record)

Este não engana ninguém! Manda os pruridos, o constrangimento, a vergonha, a ética, a isenção e todas as condicionantes deontológicas darem uma valente volta ao Bugio, que é como quem diz em bom português, à merda e toca a montar a banca da publicidade gratuita na redacção do Record. E quem vier atrás que feche a porta se quiser dar-se a esse incómodo. E se não quiser, que vá bugiar também!... 

Enganadores serão os outros que por lá andam a encher pneus, armados em tótós!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 24 de setembro de 2016

Fixem este nome: Elves Baldé!...






Chegou à Academia Sporting com apenas 10 anos, vestindo pela primeira vez o manto sagrado e glorioso verde e branco como Junior E S11 do Futebol de 7, na época de 2009/10.

Ao longo das sete épocas seguintes foi subindo sucessivamente de escalão até que na presente temporada, ainda Juvenil S17, milita no escalão superior, Junior A S19 e já por quatro vezes alinhou pela equipa B.


DADOS PESSOAIS

NOME: Elves Umar Baldé
NASCIMENTO: 1999-10-02(16 ANOS)
PAÍS DE NASCIMENTO:    Guiné-Bissau
NACIONALIDADE:    Portugal /    Guiné-Bissau
PÉ PREFERENCIAL: Direito
ALTURA/PESO: 168 cm / 60 kg
POSIÇÃO: Extremo Direito / Esquerdo
CLUBE ACTUAL:    Sporting Clube de Portugal




Hoje, no encontro a contar para a 8ª jornada do Campeonato Nacional de Juniores, no Estádio Aurélio Pereira, coube ao Sporting defrontar o Belenenses, segundo classificado apenas a um ponto. Os leões venceram por 3-0, com dois golos do "pé quente" de Pedro Marques - que não celebrou por respeito à sua anterior equipa! - e a obra prima que acima pode ser apreciada.

Fixem este nome e não se admirem se Jorge Jesus um dia destes o "roubar" a Tiago Fernandes ou a João de Deus!...

Leoninamente,
Até à próxima

Atordoados???!!!...









"Said yeah, it's alright
He's doing fine
Yeah, it's alright
He's doing fine
So fine..."



Quando Jorge Jesus afinar a guitarra de Bas Dost, quantos ficarão...

Atordoados???!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

Experimente António, talvez tenha uma "grandecíssima" surpresa!...


UM OLHO NA LIGA, OUTRO NA CHAMPIONS


«O Sporting regressou aos triunfos e subiu à condição à liderança do campeonato, colocando o Benfica sob pressão. Ferido pela cruel derrota em Madrid e pelo merecido tropeção em Vila do Conde, o leão reencontrou o caminho das vitórias com uma exibição segura, autoritária e dominadora. O primeiro golo serenou os espíritos mais inquietos mas não projectou a equipa para uma performance de encher o olho. O Sporting foi acima de tudo responsável na gestão das emoções e dos níveis físicos.

Bas Dost marcou dois golos e tem o perfil que no futebol português lhe garante sucesso. O holandês é eficaz na finalização, não apenas com a cabeça mas também com os pés. Como profícuo ponta-de-lança que se preze, é um jogador de processos simples e foco bem definido. O Sporting tem alguns jogadores em bom momento mas precisa que outros subam de patamar para que o colectivo possa corresponder às ambições que tem esta época. Quanto a Capela, o reencontro com os leões foi pacífico e imaculado. Ótimo!...»
(António Magalhães, Entrada em campo, in Record)

Com a capa que ordenou que o jornal que dirige hoje exibisse e com esta muito aceitável e razoável crónica, de que naturalmente extraí apenas o excerto que me interessa e aos sportinguista que me lêm, António Magalhães parece, tal como o Sporting, ter regressado do divâ. E também como ele próprio acentua em relação ao Sporting, embora esta a capa e a crónica pareçam indiciar o seu regresso à boa forma, ainda precisará noutras vertentes de subir de patamar para que o produto que coloca ante o público tradicional que dá preferência ao seu jornal - todos sabemos e ele também, a sua verdadeira cor desde há muitos, muitos anos! - honre a tradição da marca. 

Só os néscios e os arrivistas ignorarão que um jornal desportivo deverá ser e acaba sempre por ser, o reflexo da sua tradição e da qualidade dos seus jornalistas e cronistas. Ora a tradição do Record "decretando" há muito a sua tendência, foi capaz de construir um público fiel e assiduo de leitores que nos últimos tempos, mercê das acrobacias estúpidas e da desenfreada ganância dos seus últimos e mal-avisados directores, se foi afastando paulatinamente dos quiosques e pontos de venda, porque para limpar o rabo fica mais económico e menos repugnante comprar uns rolos de papel higiénico. É assim em Espanha, Itália, França, Inglaterra e até Alemanha e não seria em Portugal que um director qualquer, presumindo de mais esperto que os que o precederam, conseguiria inventar a pólvora.

Mas em vez de um respeito sagrado pelo público que desde 1949  fez dele o jornal que é, alguns directores julgaram que arremedando as cores e os processos da concorrência conseguiriam fazer disparar as vendas. Estúpida ilusão: nem conseguiram "roubar" leitores à concorrência, já que isso será tão possível como um adepto mudar de clube, e acabaram por perder os milhares e milhares de fiéis leitores que lhe possiblitaram a sobrevivência durante décadas. E vive hoje nesta agonia, serpentendo como reles réptil, entre as areias estéreis das circunstâncias e do oportunismo, desbaratando um excelente lote de jornalistas e cronistas, que condiciona, pressiona e julga poder alienar.

António Magalhães tem na sua frente a oportunidade de fazer regressar o seu jornal ao caminho de que  nunca se deveria ter desviado, potenciando um dos melhores corpos redactoriais do sector e dando plena liberdade aos cronistas para pintarem os seus quadros segundo os "conceitos estéticos" de cada um, cabendo aos leitores o direito de seleccionarem as suas preferências sem se sentirem empurrados para longe de um orgão de informação armado em camaleão de meia tijela!...

Experimente António, talvez tenha uma "grandecíssima" surpresa!...

Leoninamente,
Até à próxima

Cheira-me a uma terrível vingança de Jorge Jesus!...



E vão quatro! Em apenas três jogos! Uma média de 1,3 golos por jogo e o primeiro lugar na lista de melhores marcadores até ao momento! Diziam todos aqueles autores escarlates das "cantigas de escárnio e mal-dizer" que era alto e tosco, mas que esse seria o preço que o Sporting teria de pagar para fazer as vontades ao "menino Jesus", que por causa desse "vício" havia sido corrido em boa hora da Luz!...

Ontem detive-me a apreciar o homem durante todo o tempo que esteve em campo. A minha câmara não se afastou dele durante os 73 minutos que JJ lhe concedeu.  Marcou dois golos de fino recorte e do alto dos seus quase dois metros de altura, não me pareceu nada, mas mesmo nada, absolutamente nada tosco, muito antes pelo contrário!... 

Não sei, ninguém saberá, nem mesmo o próprio, o que JJ vai fazer dele e com ele. Mas enquanto alguns dos reforços ainda nem sequer calçaram e outros vão entrando a conta-gotas, o holandês já é merecedor de um nunca antes visto regime de poupança por parte do treinador leonino, como se estivesse ali a sua galinha dos ovos d'ouro. E no meio da palete de defeitos que a maralhada da CS se afadiga em colocar em JJ, ainda não encontrei um único capaz de lhe chamar burro!...

Em remate deixem-me dizer-vos outra coisa que me surpreendeu: o sorriso rasgado de Bas Dost depois de marcar o primeiro golo ontem à noite, é genuíno e deveras significativo! Não é de circunstância. Não necessitou de tirar a camisola e apanhar um amarelo. É um profissional, com uma mentalidade típica de povos avançados e parece que quando decidiu vir para Alvalade, sabia ao que vinha e porque vinha!...

Cheira-me a uma terrível vingança de Jorge Jesus!...

Leoninamente,
Até à próxima

Somámos três pontos, mas continuo em cuidados!...



Os quase 42 mil adeptos que estiveram em Alvalade e as larguíssimas centenas de milhar que por esse mundo fora assistiram à transmissão televisiva, não mereciam a displicência com que a equipa do Sporting actuou nos minutos finais do encontro de ontem à noite. Até pareceu termos assistido a um regresso ao local do "crime", dos mesmos "criminosos" que haviam estado em Vila do Conde, passe a expressão por desadequada, mas por alguma razão será tão utlizada pelos criminologistas. Não me lembro de outra que melhor se adeque àquilo a que assistimos em Vila de Conde  naqueles fatídicos 14 minutos e hoje se voltaram a repetir nos 9 minutos finais.

Num jogo bem conseguido pela equipa leonina, aqueles dois golos alcançados pelos canarinhos já ao cair do pano e depois de o resultado ter adquirido a expressão mais adequada ao que se passou no relvado, a pintura foi borrada pela displicência que tão cara nos havia ficado em Vila do Conde.

Inadmissível e imperdoável! A expressão do rosto e as palavras de Jorge Jesus no "flash interview" terão traduzido exactamente esses mesmos sentimentos Mas quando o "patrão" está fora é "dia santo" na loja. Parece mesmo que Adrien Silva é insubstituível...

Balanço entre Bas Dost e Gelson Martins para a "medalha de ouro", sendo que a meu ver, a "lata" vai claramente para Alan Ruiz que, com André Felipe a entrar e a marcar, deve estar a começar a ficar tão incapaz de resistir à sedução do banco, quanto incapaz de abdicar da filigrana argentina no miolo do jogo...

Somámos três pontos, mas continuo em cuidados!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

"E vamos a eles que nem leões"!...


Pouco mais de três semanas depois de ser apresentado como novo reforço do Sporting, Douglas Teixeira surge pela primeira vez na lista dos 18 convocados por Jorge Jesus, para o encontro de logo à noite com o Estoril Praia, a contar para a 6ª jornada da I Liga. (LINK)

Longe já irão os "quilitos a mais" que apresentava à chegada e mais perto do necessário conhecimento do modelo de jogo praticado em Alvalade, estará o tão desejado central pelo qual JJ tão convictamente se bateu.

No actual momento a titularidade do centro da defesa leonina não estará minimamente em causa. Mas a presença de Douglas entre os convocados traz naturalmente aos adeptos, a tranquilidade, a confiança e a certeza de que o sector está bem entregue.

"E vamos a eles que nem leões"!...

Leoninamente,
Até à próxima

Cada tiro, cada melro!...


Sporting não pode cair na asneira de responder ao Benfica

«O Sporting começa a meter medo e a prova disso é que a magnífica exibição que fez em Madrid levantou alguns temores em algumas forças, centrais de intoxicação, que tudo fazem para desestabilizar o Sporting atacando sobretudo o treinador. [...]

Mesmo perante algumas alfinetadas por parte do Benfica, o Sporting não pode cair na asneira de responder como respondeu no ano passado. Eu deixava-os a falar sozinhos, porque já se percebeu que ao tentarem desestabilizar o treinador estão a desestabilizar o Sporting. [...]

Saúdo a nova atitude de Bruno de Carvalho, que não está a responder a tudo a torto e a direito, como aconteceu no ano passado...»


Embora com a bala na câmara e o dispositivo de segurança accionado, também saúdo a argúcia de Bruno de Carvalho em colocar o revólver no coldre, de onde não deverá sair, a meu ver, nem para ensaiar no alvo "fecebookiano" um tirinho de vez em quando! Nada. Absolutamente nada! Nem em treino!...

E permitam-me até ir um pouco mais longe. Nos comentários que teci à última e soberba crónica de Daniel Oliveira (AQUI), corroborei a opinião do cronista de que o Sporting, terá encontrado finalmente um "oficial" de primeira água para chefiar a defesa comunicacional do Clube. Ora na sequência dessa feliz escolha, presumo que também lhe terá fornecido "armamento" à altura da importante missão que lhe confiou, nomeadamente em termos de "granadas" defensivas ou mesmo "rockets", a que não poderá deixar de estar associada a excelência de uma terrífica e letal metralhadora, segundo a última palavra na sofisticação e eficácia...

Se bem me lembro dos meus "gloriosos" tempos de militar em Vale de Zebro, ainda que os orçamentos da defesa nesse tempo não fossem além das tradiconais "FBPs" e, no limite, a poderosa e eficaz "G3", adaptada pelos nossos peritos militares à realidade da famigerada guerra colonial, as metralhadoras poderiam ter dois registos: a "rajada" e o "tiro a tiro". Julgo que ainda hoje continuará a ser assim, ainda que com outra sofisticação...

A ser assim, desafiaria até Nuno Saraiva a mudar o registo da "saraivada" que vem utilizando, para um registo mais económico em munições e, se calhar, bem mais eficaz: o tiro a tiro! É que do seu privilegiado posto de observação, poderá calmamente alcançar um outro tipo de concentração muito superior, terá tempo para afinar ao micron a mira telescópica e, qual "snipper" letal, nunca mais desperdiçar uma única bala. Poder-se-à contrapôr que se ficará a perder no estardalhaço e no folclore, mas eu julgo que os efeitos seriam devastadores nas primeiras linhas das hostes adversárias e terminaria o alvoroço, ficando eliminada à partida qualquer hipótese de euforia interna...

Cada tiro, cada melro!...

Leoninamente,
Até à próxima

Para BR, o tetra é certo e consolidará a hegemonia do Benfica!... Ponto final.

      



Segundo Bernardo Ribeiro, o Porto só lá irá das canetas com um milagre da Nossa Senhora de Fátima! O que D. Bufas Corleone lhe chamará, não sei eu, não saberá ninguém! Talvez apareça o guarda Abel por Lisboa...

Já ao Sporting, só um empurrão de Tique, a deusa grega, poderá permitir a JJ deixar a sua marca por Alvalade! Triste sina a de Jesus, nascer muito depois da deusa falecer...

Para BR, o tetra é certo e consolidará a hegemonia do Benfica!... Ponto final.


Leoninamente,
Até à próxima


P.S. - À hora desta publicação desconhecia-se ainda a tiragem do Record prevista para esta sexta-feira, assim com as vendas e as sobras, mas é de prever que a edição esgote por via da euforia dos benfiquistas!...

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

I rest my case!...


TROCA DE GALHARDETES

«Sempre que quero descomprimir discuto futebol. Mentira, não é futebol que discuto. Dedico-me ao principal desporto nacional: a clubite. "Vocês" isto, "nós" aquilo, contabilização de títulos ou de dinheiro amealhado no mercado de verão. Só o faço com pessoas bem-humoradas, que não se levem demasiado a sério. Se a conversa azeda faço o que nunca faço num debate sobre política: bato em retirada. Este desporto, só vagamente relacionado com o futebol, é um elemento fundamental da socialização do português. Está para a nossa cultura como as conversas sobre o tempo estão para a dos ingleses.

Descobri, recentemente, que ele pode atingir temperaturas escaldantes na mais insuspeita das modalidades: o futsal. Olhando para as hilariantes decisões de justiça desportiva que por ali se tomam, compreendo que tem potencial. E foi através de uma polémica em torno de medidas disciplinares totalmente discricionárias que cheguei a muitos dos textos do meu amigo de longa data Nuno Saraiva, novo director de comunicação do Sporting. Surpreendeu-me o seu prolixo verbo afiado, que não era e não podia ser nem tão prolixo nem tão afiado nos tempos de jornalista. E percebi porque andava eu satisfeito com a aparente resolução da grande pecha de Bruno de Carvalho – falar demais. Como os presidentes de outro clubes, terá finalmente compreendido que o talento do general não se mede sempre nas trincheiras e que um líder não combate sozinho contra o mundo. Para a guerra das palavras passou a ter um aguerrido e competente oficial, passe a minha óbvia parcialidade. Ele tem outras batalhas para travar. E se as coisas não forem lidas e ouvidas demasiado à letra, os notados posts de Nuno Saraiva são um importante contributo para esse divertido e saudável desporto nacional que é a troca de galhardetes.»


O quê, Daniel Oliveira a assumir-se publicamente como um dos sportinguistas mais surpreendidos  e agradados com o "prolixo e afiado verbo" do "seu amigo de longa data" Nuno Saraiva, novo director de comunicação do Sporting?!...

Ai as pás e picaretas que vão chover lá dos "etéreos camarotes" para as bancadas, suposto lugar onde Daniel Oliveira estará, no meio de ululantes, cantantes e apaixonados membros da "ralé sportinguista"! Ai as invectivas que sobre ele serão descarregadas em "dia de clube" pela brigada legionária de "fontes seguras"!...

Ai a sarna que Daniel Oliveira acaba de arranjar para se coçar, quiçá libertando o seu amigo de longa data das coças que quase diariamente lhe são infligidas, só porque decidiu dedicar-se a partir da sua "cadeira de sonho" a defender o seu "grande amor" e a dar a cara pelo seu Clube e pelo seu Presidente!...

Se como homem e cidadão lúcido, progressista e interventivo na causa política, Daniel Oliveira há muito me merece um profundo e solidário respeito, como sportinguista acabou hoje com esta sua crónica, por deixar completamente lavrada a seara da minha incontida admiração!...

É que Daniel Oliveira acabou por dissipar algumas ténues e tímidas reticências que no meu espírito ainda pudessem subsistir sobre o trabalho do seu, permitam-me que repita, "amigo de longa data Nuno Saraiva", que conhecia mal e a quem, por isso mesmo, tinha alguma dificuldade em identificar como "the right man in the right place at the right time". Afinal, Bruno de Carvalho, finalmente, "não combate sozinho contra o mundo. Para a guerra das palavras, passou a ter um aguerrido e competente oficial"!...

I rest my case!...

Leoninamente,
Até à próxima

PUBLICIDADE