quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Assim seja!...


IMPOSTOS

«Cristiano Ronaldo é o maior e na próxima semana vamos inchar de orgulho quando ele ganhar a sua quarta Bola de Ouro. José Mourinho é o maior. Pepe, Coentrão, Ricardo Carvalho são os maiores. Por serem os maiores, é difícil pô-los em causa. Mesmo que tenha sido alguém por eles a pô-los nessa posição – a fazer ou a deixar fazer desvios de dinheiro para offshores que o fisco espanhol inspecciona e está a investigar. Pagaram os impostos devidos?

A investigação internacional de 12 jornais europeus, entre os quais o ‘Expresso’, toca nestes desportistas que, pela nossa admiração e gratidão, são quase intocáveis. No miolo destes casos, como noutros de jogadores estrangeiros que foram ou estão a ser analisados, está em muitos casos um país (Espanha), um clube (Real Madrid) e um agente (Jorge Mendes). A administração fiscal dirá da sua justiça tributária. Mas nós, como cidadãos, também temos uma opinião a formar, sobre se toleramos práticas como estas.

O futebol é um desporto de sonho que algumas pessoas – sobretudo alguns agentes, empresários e dirigentes – adulteram para seu bem e para mal do desporto e dos próprios desportistas. A denúncia precede o esclarecimento e a declaração de inocência ou de culpa. Assim seja.»
(Pedro Santos Guerreiro, Abrir o jogo, in Record)

Temo que da procissão que nem sequer do adro ainda terá saído, depois de cumprir todo o itinerário habitual e regressada à igreja, pouco mais restará que os "andores", as opas escarlates das "irmandades", um "pálio bulorento e a cheirar a bafio" e a "banda", imperturbável no seu passo certo.. Até o "padreco" terá ficado pelo caminho e de "beatas" nem as sombras!...

Ficarão o rosmaninho e o alecrim pelo chão para os "varredores municipais" limparem no "dia seguinte"...

Depois, no domingo seguinte, lá estará toda a gente na "missinha", pronta, disposta e paciente a de novo ouvir a prédica do cura!...

Assim seja!...

Leoninamente,
Até à próxima 

Ai quem me dera ser "louco" também!...



Ser Doido-Alegre, que Maior Ventura!

Ser doido-alegre, que maior ventura! 
Morrer vivendo p'ra além da verdade. 
É tão feliz quem goza tal loucura 
Que nem na morte crê, que felicidade! 

Encara, rindo, a vida que o tortura, 
Sem ver na esmola, a falsa caridade, 
Que bem no fundo é só vaidade pura, 
Se acaso houver pureza na vaidade.

Já que não tenho, tal como preciso, 
A felicidade que esse doido tem 
De ver no purgatório um paraíso... 

Direi, ao contemplar o seu sorriso, 
Ai quem me dera ser doido também 
P'ra suportar melhor quem tem juízo. 
António Aleixo, in "Este Livro que Vos Deixo..."




Ai a felicidade que certos "loucos" têm de "ver no purgatório um paraíso"!...

Ai quem me dera ser "louco" também!...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Terá pela frente dias muito difíceis!...


O que vale o dérbi

«... A derrota em Varsóvia e a saída pela porta pequena da Europa colocam toda a pressão do dérbi do lado do Sporting. Sem discutir justiça ou injustiça, esse conceito tão ingrato e até inútil quando as luzes se apagam, o Sporting, que anunciara pomposamente ser um candidato à Liga Europa, voltou a falhar com estrondo num momento-chave e esse padrão repete-se há tempo demais. Não deixa de haver aqui uma ironia: antes da Madeira e da derrota caseira com o Nápoles, o Benfica era um navio almirante, que mesmo com um ou outro problema na Europa, estava imparável. O que mais chamava a atenção, não sendo o único trunfo, era a capacidade quase camaleónica de Rui Vitória e da equipa em encontrar soluções para todo o tipo de problemas. O Benfica é quase um canivete suíço. Sem deslumbrar em campo, o campeão – ainda para mais com reforços a caminho vindos da enfermaria -– entrou nesta época como saiu da última: uma máquina afinada, capaz de marcar muitos golos. Agora um assunto que parecia arrumado, o dos treinadores, respectivas capacidades, impacto interno e externo, pode voltar a fazer a diferença. Jesus tem a palavra e logo em ambiente muito hostil...»
(Nuno Santos, Ângulo Inverso, in Record)


Depois da derrota em Varsóvia Jorge Jesus viu o seu caminho transformar-se de repente em vereda, perante a generalidade do universo leonino! Uma vereda que, ironicamente, terá um único nome que não lhe será muito agradável de pronunciar: vitória!...

Ou ensaia uma pronúncia completamente antagónica do "portunhol" que dramaticamente decidiu cultivar e faz-se entender no reino do leão, ou...

Terá pela frente dias muito difíceis!...

Leoninamente,
Até à próxima

Não merecias isto Adrien e nós também não!...



Não merecias isto Adrien e nós também não!...

Leoninamente,
Até à próxima

Talvez em alguma mente já bailasse esse objectivo!...



Uma hora a 89% e 30 minutos a 99% não foram suficientes para que o Sporting continuasse na Europa!...

De malas feitas, restam-nos os trabalhos de casa!...

Talvez em alguma mente já bailasse esse objectivo!...

Leoninamente,
Até à próxima

Agora resta-nos desejar uma equipa a 100% e nunca a 90!...



Já temos o "onze oficial"!...

Agora resta-nos desejar uma equipa a 100% e nunca a 90!...

Leoninamente
Até à próxima

Hoje é apenas tempo de avançar para a Liga Europa!...


«Domingo há dérbi? Sim, mas hoje, na Polónia, discute-se a qualificação para a Liga Europa, objectivo que tanto o presidente do Sporting como o seu treinador já colocaram no alvo de possíveis triunfos para esta época. Bruno de Carvalho e Jesus não olham para a segunda prova ‘uefeira’ como uma ‘penitência’, mas sim como um sonho realizável. Ora, se a meta foi colocada no topo (tentar chegar à final), hoje a equipa tem de conseguir subir o primeiro degrau dessa escadaria, num jogo de exigência máxima. E, convenhamos, da mesma forma que teria sido uma autêntica surpresa ver os leões nos ‘oitavos’ da Champions, porque estavam obrigados a superar Real Madrid ou B. Dortmund, também seria um ‘desastre’ não ver a equipa leonina seguir para os 16 avos-de-final da Liga Europa, tanto mais que o empate é suficiente para o alcançar...»
(José Ribeiro, in Record, hoje ás 03:30)

Subscrevo inteiramente a análise que o jornalista José Ribeiro faz sobre o jogo de logo à noite na Pepsi Arena de Varsóvia: o grau de exigência colocado aos técnicos e jogadores leoninos não poderá situar-se num plano diferente de 100%, como Jorge Jesus terá pretendido fazer-nos crer, ao adiantar que a cabeça dos jogadores estará a 90% neste jogo, numa afirmação nada compatível com os pergaminhos do Clube.

À falta de outros argumentos motivacionais, quase todos os treinadores são useiros e vezeiros em utilizar o chavão do "jogo a jogo", valha isso o que valer. Pois então, terá de ser exactamente assim que o jogo contra o Legia deverá ser encarado, durante todo o tempo em que decorrer. No final e só no final... Será hora de pensarmos no dérbi!... 

Cada jogo tem o seu tempo e hoje... 

É apenas tempo de avançar para a Liga Europa!...

Leoninamente,
Até à próxima

Gaspar Ramos terá uma visão mais equilibrada!...


Benfica passou aos 'oitavos' por "demérito dos adversários"

“... O apuramento para os oitavos-de-final, demonstra que a passagem foi mais em função do demérito dos adversários do que do próprio mérito do Benfica.
 Não gostei praticamente de nada. O jogo foi tão mau, tão pobre por parte da equipa do Benfica, que eu francamente estou desiludido. A equipa tem vindo a praticar um futebol muito agradável, se eu não os conhecesse, dizia ontem que eles tinham muita pouca qualidade...»
(Gaspar Ramos, à RR, in NotíciasaoMinuto)

Para quê levar em linha de conta o reflexo da ambliopia habitual que por toda a generalidade de uma CS subserviente ou alienada tem sido semeada?! Talvez porque usa óculos...

Gaspar Ramos terá uma visão mais equilibrada!...

Leoninamente,
Até à próxima

Está a perder qualidade o DDT!...


GRIMALDO, PRECISA-SE

«O Benfica está a digerir a segunda derrota em quatro dias. Vai para os oitavos de final da Liga dos Campeões, é certo. Mas, a poucos dias do grande dérbi, um ciclo de derrotas deve deixar preocupado Rui Vitória. E o que está a faltar e este Benfica, que o leva a obter estes resultados, contrários aos do outro Benfica, mandão e fluído, ainda tão recente?

O Benfica está amputado de flanco esquerdo. Com os dois laterais canhotos lesionados, lá aparece na esquerda o garboso André Almeida. Um jogador que qualquer treinador gosta de ter à disposição, mas a quem, na esquerda, falta o pé certo para tornar o jogo da equipa rico e imprevisível. Longe dos seus terrenos naturais, na direita e principalmente no centro, André Almeida tenta cumprir no plano defensivo. No plano ofensivo é uma nulidade. Não cria desequilíbrios nem obriga a equipa contrária a fazer oscilar para aquela faixa mais de dois jogadores em cada lance.

Nenhuma grande equipa pode prescindir de laterais ofensivos, salvo se tiver à frente de um jogador-tampão, um craque verdadeiramente desequilibrador. O que Cervi não se mostra, nem sequer a espaços.

É extraordinário como as características de uma peça podem ser tão determinantes num jogo onde o técnico conta com onze. O Benfica está uma autêntica enfermaria, com o excesso de lesões a exigir reflexão sobre métodos de treino ou de recuperação física. Neste contexto, Rui Vitória tem feito milagres na substituição de jogadores lesionados.

Mas ninguém, nem mesmo Rui Vitória, pode inventar um pé-esquerdo com potência e segurança a André Almeida. Se o Benfica entrar no dérbi com este lateral-esquerdo, e sem um grande driblador à sua frente, Jesus terá menos problemas defensivos para resolver no seu tabuleiro do jogo estratégico.»
(Octávio Ribeiro, De olhos na bola, in Record)


Olha, que engraçado! Parece que alguém, finalmente, veio p'rá rua a gritar, sem medo de represálias ou comichões, que "o rei vai nú!...

Olha, e o mais curioso é que não é uma criança! É um director de um jornal e logo daquele que mais papel vende cá no jardinzito!...

Está a perder qualidade o DDT!...

Leoninamente,
Até à próxima

Balada da Humildade


Balada da Humildade

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será medo? Ou cagaço?
Medo não é, certamente
e o cagaço não borra assim.

É talvez a jactancia:
mas há pouco, há poucochinha,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
das bancadas da luzinha…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é medo, nem cagaço,
nem é prosápia com certeza.

Fui ver. A humildade brotava
dos lábios roxos de uma careca ao léu,
luzidia, branca e fria…
A humildade
 Ai há quanto tempo a não via!
E que saudade, saudade...

Leoninamente,
Até à próxima

PUBLICIDADE