domingo, 24 de junho de 2018

Amanhã é outro dia!...




Foi "chato". Mas...

Amanhã é outro dia!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 23 de junho de 2018

Toda a alegria de hoje!...





Hoje, enquanto as flores permanecem na videira
Provarei os teus morangos,  beberei teu vinho doce.
Um milhão de amanhãs passarão
Antes que eu esqueça toda a alegria, hoje

Serei um janota ou então vagabundo
Saberás quem eu sou pelas músicas que eu canto
Partilharei tua mesa e os teus luxos
Quem se importa com o que o amanhã trará

Hoje, enquanto as flores permanecem na videira
Provarei os teus morangos,  beberei teu vinho doce.
Um milhão de amanhãs passarão
Antes que eu esqueça toda a alegria, hoje

Eu não posso estar contente com a glória de ontem
Não posso viver de Inverno com  promessas de Primavera
Hoje é o meu momento, agora é a minha história
Então hei-de rir, e gritar, e cantar

Hoje, enquanto as flores permanecem na videira
Provarei os teus morangos,  beberei teu vinho doce.
Um milhão de amanhãs passarão
Antes que eu esqueça toda a alegria, hoje

Hoje, enquanto as flores permanecem na videira
Provarei os teus morangos,  beberei teu vinho doce.
Um milhão de amanhãs passarão
Antes que eu esqueça toda a alegria, hoje.



Um milhão de amanhãs passarão antes que eu esqueça...

Toda a alegria de hoje!...

Leoninamente,
Até à próxima

Para mais tarde recordar!...

Fotos de José Lopes

Para mais tarde recordar!...

Leoninamente, 
Até à próxima

SPORTING, TÃO GRANDE COMO OS MAIORES DA EUROPA!...



14.17 horas - Sem quorum reunido, o início dos trabalhos é adiado meia hora, como era previsto na convocatória da Assembleia Geral, passando para as 14.30 horas. Contra as previsões, não serão muitas as "camisas brancas"...

14.42 horas - Jaime Marta Soares dá início à Assembleia Geral, pergunta se alguém do Conselho Directivo pretende falar, mas não está ninguém. Ouve-se «golpista, golpista, golpista»... Logo depois começa a ler o texto com os fundamentos da revogação para justa causa, mas são mais os assobios...

14.46 horas - No exterior do pavilhão, a fila para entrar continua bem longa...




15.04 horas - Já há sócios a votar.



15h10 - As urnas da primeira Assembleia Geral (AG) de destituição da história do Sporting, na qual os sócios do clube vão decidir o futuro do presidente, Bruno de Carvalho, abriram às 14h50, informa a agência Lusa.



15h20 - Os sócios começaram a falar, cada inscrito pode intervir na assembleia durante dois minutos.



15h24 - Há muitas centenas de pessoas na fila para aceder ao Pavilhão Atlântico. A entrada está a proceder-se de forma célere.



15:26 - Presidente da Mesa pede que se acabem as filmagens dentro da sala.



15.36 horas - Sempre que Jaime Marta Soares fala continuam a ouvir-se muitos assobios, assim como os sócios que falam a favor da destituição do Conselho Diretivo. O presidente da Mesa da Assembleia Geral acaba mesmo por dizer que a democracia dos sócios deixa muito a desejar.



15h42 - Madeira Rodrigues, candidato derrotado por Bruno de Carvalho nas últimas eleições, também está no Pavilhão Atlântico: "Vamos iniciar um novo ciclo no Sporting. Candidatura? Isso não interessa para nada."

15h55 - Continuam centenas de pessoas no exterior do Pavilhão Atlântico, à espera de entrar no recinto para votar. Ninguém entra sem passar pela revista, garrafas de água e objetos considerados perigosos pela PSG ficam à porta.

15h57 - No interior do pavilhão, há grupos muito ruidosos, compostos por sócios que envergam t-shirts brancas, mas também há muitos adeptos em silêncio, a acompanhar tranquilamente o desenrolar dos acontecimentos.

15h59 - Bruno de Carvalho está bem informado sobre tudo o que se passa na AG. "Ricciardi e Ferro Rodrigues vão entrar pela porta dos fundos por razões de segurança... Afinal qual é a sondagem?", terá escrito no Facebook.

15.59 horas - Rogério Alves chega ao recinto para aquele que considerou «um dia de alegria». «O clube é dos sócios, por isso vamos votar e decidir. A partir de amanhã vamos arquivar estes antagonismos, estas guerras e começar uma era de paz e prosperidade. É preciso respeitar a maioria e se o Bruno de Carvalho ganhar vai ser o meu presidente»

16:00 - Sócios que vão falando continuam a fazer críticas a Marta Soares. A fila para votar é longa.

16h02 - Os sócios que estão a sair dizem que o ambiente está sereno, que a assembleia está a decorrer sem incidentes.

16:22 - "Que democracia a vossa", responde sócio que após críticas a Bruno de Carvalho é brindado por um coro de assobios.

16h23 - Nenhum membro do Conselho Directivo do Sporting compareceu até ao momento na Assembleia Geral destitutiva, noticia a agência Lusa.

16:30 - Jaime Marta Soares insiste que sairá caso o Conselho Directivo não seja destituído. "Eu já tinha dito isso".

16.32 horas - Jaime Marta Soares anuncia eleições para 8 de Setembro, seja para todos os órgãos ou não.

16h36 - Dias da Cunha, antigo presidente do Sporting, está na fila para entrar no pavilhão mas disse que não quer falar aos jornalistas.

16h39 - A subcomissária Ana Carvalho faz um balanço do policiamento: "Todo o policiamento mantém-se estável, não há qualquer incidente a registar. A maior preocupação é a linha de revistas, mas as coisas estão a correr bem. Os sócios não devem trazer grandes mochilas, para não atrasar as revistas, objectos contundentes, armas, etc."

16:40 - Nuno Saraiva, diretor de comunicação, está também na Altice Arena. José Eduardo apupado no interior do pavilhão.

16h47 - Um sócio contou à saída que no interior do pavilhão estavam estrategicamente colocados sócios apoiantes de Bruno de Carvalho para dar a entender que o ambiente era muito tenso. "Ao princípio juntaram-se os 'meninos' de Bruno de Carvalho em grupinhos de 10 ou 12 estrategicamente colocados no pavilhão. Eles queriam que o ambiente parecesse tenso e quando aparecia alguém da mesa da assembleia assobiavam. O Bruno de Carvalho manipula aqueles que como ele andam a ganhar à custa do Sporting. Eu pago para o Sporting há mais de 50 anos. Se ele ganhar, nem eu nem ninguém da minha família paga nem mais um tostão", garantiu o sócio, sem conseguir evitar as lágrimas.

16.51 horas - Álvaro Sobrinho na fila para entrar, gerando grande aparato, mas o presidente da Holdimo não falou aos jornalistas.

16:56 - Álvaro Sobrinho declara aos jornalistas: "Bruno de Carvalho devia estar aqui também. A alegação que a saída dele estaria a justificar a justa causa dos jogadores é uma estupidez.Que seja uma votação em massa e contundente"

16.58 horas - Elsa Tiago Judas agora também na fila para entrar no pavilhão.

17:00 horas - No interior do pavilhão, José Eduardo é fortemente contestado.

17:07: Assobios para José Maria Ricciardi no interior do Pavilhão Atlântico.

17:08 - Adepto fala de Rui Patrício e é brindado por monumental assobiadela.

17h09 - "O ambiente lá dentro é uma vergonha, em 20 sócios que falam, 19 são a favor do Bruno de Carvalho. Um senhor falou contra, houve assobios, impropérios contra o presidente da MAG. É uma vergonha. Sem dúvida que ele está a manipular a AG. Só fala a malta dele, não me revejo neste Sporting. Estou profundamente enervado com isto. Na segunda vez votei nele, mas depois disto... Ele é o principal responsável por esta situação. Tinha-se demitido, ia para eleições e se ganhassse ganhava. A segurança não está em causa, toda a gente consegue votar. Este não é o meu Sporting", disse o presidente da mesa da Assembleia Geral do núcleo de Almoçageme.

17h21 - Esta AG deverá contar com a participação de 50 mil sócios - a estimativa foi feita por Jaime Marta Soares.

17.12 horas - Outro sócio dirige-se à Assembleia e rasgou o bolteim de voto. Diz estar contra Bruno de Carvalho, mas que opta por não votar por não estar presente para se defender.

17h22 - Pedro Santana Lopes, antigo presidente do Sporting, chega ao Pavilhão Atlântico: "Uma das coisas que esperava era que os sócios viessem em massa e isso já está a acontecer. A maioria que decida e que depois se respeite a decisão."

17h27 - Os sócios continuam a chegar de forma incessante ao pavilhão. Carlos Severino, José Maria Ricciardi e Rita Matos estão entre eles.

17.42 horas - Terminaram nesta altura as inscrições para sócios discursarem. Há 25 associados que irão tomar a palavra ao longo dos próximos minutos.

17h31 - A CMTV está a noticiar que rebentaram petardos perto do pavilhão.

17h34 - Vicente Moura, que foi vice-presidente na direção de Bruno de Carvalho, também vai exercer o seu direito de voto. O conhecido sportinguista desejou que o Clube entre num caminho de paz, afirmando: "O Sporting não é refém de ninguém"!

17h47 - José Eduardo: "Há um ambiente tenso mas muito pacífico".

17h49 - João Barnabé: "Isto é a vitalidade do Sporting à flor da pele por muito que o queiram destruir".

17.56 horas - Visão geral do ambiente no Pavilhão Atlântico neste momento.




18:06 - Vários sócios criticam a organização da AG: "Há pessoas que esperam duas horas para votar".

18.09 horas - Sócios do Sporting tentaram agredir Álvaro Sobrinho, presidente da Holdimo, que teve de ser escoltado para fora do Pavilhão Atlântico pela polícia.

18h12 - Nas redes sociais corre o rumor de que Álvaro Sobrinho terá sido agredido. O Diário de Notícias diz mesmo que o dono da Holdimo estará barricado numa casa de banho do Pavilhão Atlântico.

18h17 - Segundo revelou um sócio leonino a Record, Álvaro Sobrinho foi atingido por copos, isqueiros e outros objectos.

18h24 - Augusto Inácio, atual director para o futebol do Sporting, foi aplaudido à saída do Pavilhão Atlântico.

18h25 - Fonte próxima de Álvaro Sobrinho confirmou a Record a tentativa de agressão de que o responsável da Holdimo foi alvo, mas negou que este se tenha barricado na casa de banho. Ao que o nosso jornal apurou, a polícia interveio de pronto perante aquele foco de conflito e sanou a situação. Refira-se que Álvaro Sobrinho entrou na AG acompanhado por dois seguranças.

18.35 horas - Estará um grupo organizado de cerca de 20 adeptos dentro do Pavilhão Atlântico a favor de Bruno de Carvalho, que estará a dificultar quem quer exprimir-se contra Bruno de Carvalho, segundo revelam os relatos de vários sócios recolhidos pela CMTV.

18h36 - Álvaro Sobrinho já comentou o que sucedeu: "Houve tentativa, não chegou a haver agressão. Ia para a fila votar quando isso aconteceu. Tive de sair da fila por questões de segurança. Acharam que não devia manter-me na fila, não havia condições. Tenho a expectativa de poder exercer o direito de voto. Foram poucos os que me tentaram agredir. Foi dentro do pavilhão, havia gente à espera, gente muito radical mas foram poucas pessoas. Não houve qualquer problema. Não tinha noção porque não ouvi discursos, entrei no recinto e vi que havia discursos inflamados dos mesmos, que só criticavam. Fui para exercer o meu direito de voto. Ele (Bruno de Carvalho) é que é responsável por muito do que acontece. Não está fora das responsabilidades de alguma alteração dos sócios que tentem agredir as pessoas. É incendiário, alguém que não compreende a democracia num país democrático", referiu o presidente da Holdimo à TVI 24.

Questionado sobre as acusações de Bruno de Carvalho relativamente à maioria da SAD respondeu: " Nunca esteve em causa. Foi uma invenção de Bruno de Carvalho. É um manipulador nato. Os sócios querem que o clube esteja bem financeiramente, que haja paz e harmonia no clube e que tenha sucesso em todas as modalidades amadoras e profissionais."

18.39 horas - Augusto Inácio já votou e saiu do pavilhão, sendo bastante aplaudido pelos sócios presentes. Recusou-se a prestar declarações aos jornalistas.

18h40 - Até esta hora entraram 14 mil sócios.

18.42 horas - PSP confirma tentativas de agressão a Álvaro Sobrinho.

18.44 horas - Terminaram nesta altura as declarações dos sócios que se tinham inscrito para falar. Daqui em diante os associados apenas poderão exercer o seu direito de voto.

18.55 horas - A uma hora do fecho das urnas, as filas no exterior do Pavilhão Atlântico vão sendo cada vez mais pequenas.

19:02 - A fila para votar tende a diminuir e no exterior estão já a retirar as grades que colocadas para ordenar a entrada no interior do Pavilhão Atlântico.
19.04 horas - Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, entrou no Pavilhão Atlântico. Quis prestar declarações aos sócios, vontade que foi negada por Jaime Marta Soares, dado que há muito já haviam terminado as intervenções dos sócios.

19h07 - Estão no Pavilhão Atlântico todos os elementos do Conselho Directivo do Sporting. À chegada, Bruno de Carvalho terá falado com Jaime Marta Soares.

19.08 horas - Adeptos lançam cânticos ofensivos para Jaime Marta Soares e gritam por Bruno de Carvalho...

19h09 - Bruno de Carvalho está impossibilitado de votar nesta Assembleia Geral, devido a conflito de interesses, pois é a destituição do próprio que está em causa. "O associado não pode votar, por si ou como representante de outrem, nas matérias em que haja conflito de interesses entre a associação e ele, seu cônjuge, ascendentes ou descendentes", pode ler-se no artigo 176.º do código civil. Quanto muito, o líder do Sporting pode falar, mas terá de inscrever antes de poder assumir a palavra.

19h21 - À RTP 3, Álvaro Sobrinho admitiu que ainda não votou, mas deixou claro que irá exercer o seu direito. "Eu vou votar. Isso posso garantir".
Questionado sobre se teria algo para dizer a Bruno de Carvalho, congratulou-se pelo facto de o líder do Sporting se ter deslocado à AG. "Estou a vê-lo. Acho que as minhas palavras surtiram efeito. Ainda bem que veio. Estive na fila de espera 45 minutos... ele entrou pela garagem. Não tenho nada a dizer a este senhor. Não sou hipócrita. É uma "persona non grata" e não me relaciono com "personas non gratas."

19.21 horas - Na altura em que entrou no recinto, Bruno de Carvalho foi bastante aplaudido pelos sócios que ainda vão marcando presença.

19.27 horas - Rui Caeiro e Luís Roque, membros do Conselho Directivo, e Paulo Cintrão, director de comunicação do clube, deram entrada no Pavilhão Atlântico pela mesma porta utilizada por Bruno de Carvalho.

19h30 - Em resposta à questão de um sócio, Jaime Marta Soares referiu que a Comissão de Gestão se extingue caso Bruno de Carvalho seja legitimado para seguir na presidência do clube.

19h32 - Cerca de uma centena de sócios do Sporting falou durante a Assembleia Geral (AG) do clube, em que se vota a destituição ou continuidade do presidente, Bruno de Carvalho, e as intervenções terminaram às 18:40. 

19h34 - Ainda há filas para votar nesta Assembleia Geral. As urnas fecham dentro de 26 minutos.

19.35 horas - Antes de abandonar o pavilhão, Bruno de Carvalho terá dito aos sócios que as pessoas responsáveis pela contagem dos votos são sócios escolhidos por Jaime Marta Soares.

19:37 - Bruno de Carvalho, acompanhado dos membros do Conselho Diretivo, estão junto do palco onde está a mesa da AG. Dizem que estão ali para assegurar a veracidade da votação.

19h50 -À SIC Notícias, a sub-comissária da PSP destacada para este evento declarou que até agora "tudo decorreu de forma tranquila". "Não há nenhum incidente a registar", garantiu Ana Carvalho. Em relação à 'protecção' das urnas, a sub-comissária explicou que, pela informação que tem, "o movimento decorreu sem qualquer incidente".

19.57 horas - Bruno de Carvalho colocou-se agora na fila para exercer o seu direito de voto. apesar de estar suspenso de sócio pela Comissão de Fiscalização.


Entretanto na página do Facebook de Bruno de Carvalho, o ainda presidente do Sporting, através dos "seus reporters especiais", vai acompanhando os trabalhos à distância, evidenciando com os posts a que nos habituou, o seu profundo "sentido de estado"!...

16.50 horas - Bruno de Carvalho no Facebook: «Fiquem todos na AG até saberem os resultados pois se ficarem poucas pessoas até ao final vamos ter afinações!!! Nem que seja até ás 24h!!!! E por mim estou esclarecido sobre: 1. Mentiras; 2. Desrespeito pelos sócios; 3. Vontade da esmagadora maioria dos sócios presentes na AG.»

17h03 - Bruno de Carvalho partilha um vídeo no Facebook, em que um associado, seu apoiante, discursa na assembleia.

17h51 - Bruno de Carvalho volta ao Facebook para dizer que o presidente da MAG "está a mentir aos sócios".


Se alguma dúvida ainda restasse!...

SPORTING, TÃO GRANDE COMO OS MAIORES DA EUROPA!...



Leoninamente,

Até à próxima

Voto pela destituição!...





Porque acredito no Sporting que aprendi a amar desde menino;
Porque acredito nos valores e princípios inscritos na nossa gloriosa bandeira;
Porque acredito na vitória da Verdade Desportiva sobre a Mentira e a Trapaça;
Porque acredito que a Dignidade não tem preço nem pode ser negociada;
Porque acredito no primado da Inteligência sobre o Populismo;
Porque acredito que o Desporto é Paz, Nobreza, Respeito e Solidariedade...

Voto pela destituição!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 22 de junho de 2018

As "lágrimas do Zé Cabra"!...




Quisera deixar por aqui as lágrimas que muito naturalmente me deveriam inundar o rosto ante a manifestação de tão profunda amizade, respeito e consideração, por parte de alguns dos leitores de Leoninamente, pelo reconhecimento do direito que sempre me assistirá de nenhum machado poder cortar as raizes do meu livre sentir e do meu inalienável pensamento.

Mas desgraçadamente os meus olhos, leais como sempre foram ao meu coração, estão secos...

Deixo por isso as "lágrimas do Zé Cabra"!...

Leoninamente,
Até à próxima

Mudar de vida está nas mãos dos sportinguistas!...



O DIA + IMPORTANTE DA VIDA DO SPORTING

Os sócios do Sporting decidem este sábado se querem Bruno de Carvalho como presidente do clube e, por inerência, se mantêm a sua confiança no líder da SAD.

«É um dia vital para o Sporting e é um dia que avalia, particularmente, o grau de mobilização da nação sportinguista. É um dia vital, porque a sucessão de acontecimentos que envolveram e atingiram o clube, na sequência de um estilo presidencial até então nunca visto em Alvalade e sem adesão, a este nível de destruição interna, em qualquer outro emblema da Europa e do Mundo, colocaram-no numa posição muito duvidosa em relação ao futuro.

Os sportinguistas vão decidir se querem manter à frente do Sporting um espírito inquieto, instável, errático, até perigoso, por ser inconfiável, uma vez que é capaz de se contradizer em permanência; é capaz de afirmar com convicção uma coisa e, com a mesma convicção, o seu contrário, ou - a partir de hoje - através da marcação de eleições - se pretendem achar uma solução alternativa, cujo debate corresponderá a um novo ciclo da vida leonina. 

A presença de Bruno de Carvalho, anteontem, na Sporting TV, parecia uma declaração de derrota. Quando, a poucas horas de uma AG destitutiva, se tenta fazer um pacto com as 'linhas inimigas' (foi assim que BdC tratou Jaime Marta Soares e todos os componentes das comissões entretanto achadas à luz do cumprimento estatutário), a mensagem que passa é de um certo desespero. Todavia, conhecendo a sua postura camaleónica e inconfiável, não há nada que BdC afirme que possa ser considerado consistente. Foi por isso que tanta gente, e muitos dos que mais o defenderam e elogiaram, lhe retiraram, afinal, o apoio. Não admiraria, portanto, que a recente declaração segundo a qual "não ponho lá mais os pés e não me recandidato, se for tudo fidedigno [na AG]", não signifique absolutamente nada. O que é, afinal, fidedigno para Bruno de Carvalho? Como sabemos, basta uma crítica, uma vírgula, uma libelinha a poisar na orelha de um hipopótamo, para BdC achar que está a ser vítima de uma campanha ou de uma golpada.

A questão não é reconhecer que pode haver golpes e até campanhas protagonizados por quem rejeita um Sporting populista e desajeitado nas suas múltiplas manifestações. Há sempre quem esteja alerta para, em nome de interesses inconfessados, voltar a ferir o leão. Conhecendo, todavia, a forma como o amputado Conselho Directivo se agarrou às suas mordomias; conhecendo os prémios extras exigidos e afectados ao desempenho desportivo; conhecendo as excursões promovidas para que o voto seja num determinado sentido; conhecendo a mais perfeita insensibilidade sobre os acontecimentos na Academia e o tema das rescisões; conhecendo o desprezo pelos jogadores e a própria liberdade de expressão do ex-treinador; esta nomenclatura associada a BdC está em condições de falar de golpes e campanhas?!…

Hoje é, de facto, o dia mais importante da vida do Sporting. Os sócios leoninos têm de ser claros se querem continuar na senda da intolerância e da perfídia ou se querem dar hipótese à discussão de uma alternativa, num combate que - já se sabe - não será celestial. Este último ano e meio de Bruno de Carvalho expôs, de forma indecente, as fracturas do leão. Os últimos meses foram caóticos e indecentes. O que está em causa é o recrudescimento do populismo leonino e, com ele, manifestações fanáticas em torno do 'grande líder' ou a sua rejeição. O Sporting quer um poder absolutista e entregar esse poder a uma liderança abusiva, sem respeito pelos princípios mais elementares de convivencialidade associativa e institucional? Ou quer (sem recuperar croquetes e outros salgados) dar vida a um novo ciclo? Os sócios têm a palavra...»
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

Mudar de vida está nas mãos dos sportinguistas!...

Leoninamente,
Até à próxima

De derrota em derrota...


O líder do Sporting perdeu esta sexta feira as duas providências cautelares que apresentou. E desistiu de outras duas já homologadas. É a capitulação judicial de BdC na véspera da AG destitutiva. (LINK)

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting que se encontra suspenso de funções, perdeu esta sexta-feira as duas providências cautelares que tinha interposto no Juízo Local Cível de Lisboa para fazer valer a sua visão da realidade. A menos de 24 horas da Assembleia Geral de destituição do Conselho Directivo que lidera, estas são derrotas pesadas. Além das providências terem sido rejeitadas liminarmente por dois juízes diferentes, um deles diz mesmo que a Comissão de Gestão liderada por Artur Torres Pereira e nomeada por Marta Soares para gerir os destinos do Sporting é legal.

De derrota em derrota...

Leoninamente,
Até à próxima

Apenas um abraço de leonina gratidão a Daniel Oliveira!...


As 12 lições que Bruno aprendeu com Trump (LINK)
São estas as 12 lições que Bruno de Carvalho aprendeu com a experiência de Donald Trump. Umas resultam de personalidades narcisistas e megalómanas semelhantes. Outras serão fruto de coincidência. Outras correspondem ao “ar do tempo”. Outras terão sido mesmo decalcadas pelo próprio ou por conselho de agências de comunicação. Mas todas correspondem a uma forma de fazer política, seja num país ou num clube.

1– Para manter uma maioria fanatizada não pode haver matizes. O mundo divide-se em dois: o povo, representado por mim, e a elite, representada por aqueles que me enfrentam

O povo, no caso do Sporting, é o sócio comum. A elite é uma amálgama. Podem ser pessoas reconhecidas pelos sócios (os “notáveis”), mesmo que tenham apoiado ou feito parte das direcções do líder; os accionistas, mesmo que tenham sido grandes amigos no passado; e grupos sociais específicos (os “croquetes”). O povo é toda a gente que não se destaque publicamente, liderado pela única pessoa que merece ser destacada, o próprio Bruno de Carvalho. O único “notável” legítimo. O resto ou é elite ou está ao serviço dela para retirar o poder ao povo.

2– Não pode haver nenhuma plataforma de diálogo e compreensão entre os que estão do meu lado e aqueles que se opõem a mim

Para que a radicalização de posições e a fanatização acrítica funcione é fundamental que não haja qualquer plataforma de diálogo entre os que estão pelo líder e os que estão contra o líder. Os primeiros alvos devem ser, por isso, os moderados. A fractura absoluta entre os dois lados permite quebrar todos os laços de pertença que não dependam da liderança. Quem não seja por Bruno de Carvalho é “sportingado” e não tem nada em comum com os que o apoiam. Nem sequer o clube, a que não deviam pertencer. A incomunicabilidade torna impossível a razoabilidade. Passam a ser dois mundos que não se falam e não se compreendem. Isso protege os apoiantes do líder de qualquer influência.

3– Uma enorme aliança de interesses conspira contra mim (ou contra nós)

Nenhum ataque ao líder resulta de uma opinião livre e desinteressada. Todos estão ligados por uma enorme rede conspirativa que pode juntar pessoas e grupos com pouco ou nada em comum. A visão conspirativa do mundo é o que traça o laço inquestionável entre o povo e o líder, fazendo de cada novo inimigo não uma derrota mas a confirmação da justeza da luta. No caso do Sporting, isso incluiu aqueles que os adeptos se habituaram a ter como heróis: os jogadores. Anular a “idolatria” pelos atletas (ainda muito antes das rescisões) é uma excelente forma de concentrar apenas no presidente o foco da admiração. De um lado temos Bruno de Carvalho e todos os verdadeiros sportinguistas e do outro os accionistas, os agentes, os jogadores, a comunicação social, os outros clubes e todos os que internamente trabalham para estes interesses.

4– A instituição existe na medida que eu existo, eu sou quem agrega todos os que a defendem

A instituição, os seus símbolos e a sua história, que geralmente precedem os dirigentes e a eles devem sobreviver, são lentamente substituídos pela figura do líder. Porque tudo o que transcende o líder exibe a transitoriedade da sua liderança, relativizando assim o seu próprio poder. Os momentos da vida familiar do presidente misturam-se com a vida do clube. E o presidente está no centro de todos os momentos relevantes do clube. Está sentado no banco como se fosse um treinador ou a festejar no relvado como se fosse um jogador. Não aprecia a tribuna presidencial onde outros presidentes estiveram, o que o equipararia a eles. Só assim se constrói a ideia de que a instituição nasceu, morrerá e se esgota com o seu líder. Afastá-lo é matar a própria instituição.

5– Todas as figuras que me acompanham no poder são secundárias, descartáveis e apenas aceitáveis se me seguirem cegamente

Nenhuma figura, para além do líder, se deve destacar. Dar relevância à equipa de dirigentes é dar força aos futuros traidores. O líder decide, os outros aplicam. O único obstáculo a isto, no caso de Bruno de Carvalho, foi Jorge Jesus. Que se revelou, coisa que nunca imaginei, um “político” notável. Apenas para a sua própria sobrevivência, mas notável.

6– A lei é um mero formalismo e os contrapesos ao meu poder são traição

Numa nação seria muitíssimo difícil, mas num clube é bastante fácil nomear órgãos inexistentes, promover a leitura criativa dos estatutos e da lei ou adulterar o conteúdo de decisões judiciais. Ficou evidente como é possível fazer desabar um edifício regulamentar e criar uma espécie de legalidade paralela. E com isso infectar toda a estrutura, impondo a todos a dúvida sobre a legitimidade de qualquer contrapoder.

Bruno de Carvalho não é Donald Trump porque o Sporting não é um país. Mas é impressionante o que eu, com tantos anos de experiência política, aprendi ao observar poucos meses de confronto num clube. E estou assustado com o que nos espera na política

7– Se eu vencer o povo votou em mim, se eu perder houve fraude

Nas eleições federais, Donald Trump deixou sempre na dúvida se aceitaria os resultados caso fosse derrotado. Deixar no ar a possibilidade de haver uma fraude era o que lhe permitiria não respeitar a vontade dos eleitores se fosse contra ele. Para a Assembleia Geral de sábado – e, se for o caso, nas eleições –, muitos seguidores de Bruno de Carvalho têm feito o mesmo, deixando várias pistas sobre a probabilidade de uma “golpada”. Seja porque venceu, seja porque houve fraude, Bruno de Carvalho tem sempre a vitória garantida junto dos seus. E assim os poderá manter fanatizados.

8– Banalizar o insulto até já não ser ouvido como insulto retira quem não insulta do confronto

A maioria dos intervenientes políticos e cívicos está limitada por algumas regras sociais de civilidade. Desfazer essas regras pode ser uma grande vantagem. Como se costuma dizer, não vale a pena atirares-te para a lama com um porco, ficas sujo e ele gosta. Banalizar o insulto permite retirar da contenda quem quer proteger a sua credibilidade. Quando repetido muitas vezes o insulto deixa de chocar. E quando deixa de chocar, a ausência dos oponentes nesse nível de debate passa a ser percepcionada como sinal de fraqueza. No fim, resistem os mais agressivos, que conseguem acompanhar a violência do debate, o que leva o espectador desatento a equiparar os dois lados. Nisto, Bruno de Carvalho é uma cópia quase decalcada de Donald Trump. Apenas um pouco mais grosseiro.

9– Toda a comunicação social está contra mim porque faz parte do sistema, só devem acreditar em mim e nos que falam em meu nome

A comunicação social portuguesa não gosta de Bruno de Carvalho com o mesmo empenho que a norte-americana detesta Donald Trump. Um e outro fizeram tudo para ser odiados pelos jornalistas. E os jornalistas caíram na armadilha. Um e outro não perderam nada com este ódio que rapidamente se transforma em parcialidade. Todos os ataques funcionam como confirmação de que a comunicação social trabalha para o inimigo. E quanto mais forem provocados mais partidários serão os jornalistas e mais razão darão à sua “vítima”. A partir daqui, passa a ser possível dizer que, estando militantemente contra o líder, toda a comunicação social mente. E exigir aos seguidores que a ignorem, ignorando assim qualquer tipo de escrutínio externo. No caso de Trump, pede para verem a Fox News. No caso de Bruno de Carvalho, só pode pedir para verem a Sporting TV, que usa, tal como o site do clube, como órgão oficial de facção.

10– Mesmo que a comunicação social não goste de mim vai-me dar todo o tempo de antena porque eu lhes ofereço o grotesco, que dá audiências

Se a comunicação social não demonstra qualquer simpatia por Bruno de Carvalho, assim como não mostrou qualquer simpatia por Donald Trump, porque lhe dá tempo de antena ilimitado? Porque, à sua escala, um e outro dão audiências. Todas as novelas que alimentam são deprimentes, tristes, rocambolescas, por vezes o acidente para que todos olham, mas um excelente reality-show. E assim Bruno de Carvalho vai usando a dependência das televisões por audiências para ter palco e ganhar força. E usa, como Trump, as redes sociais para criar factos de polémica diários.

11– Um exército de fanáticos (ou de perfis falsos) nas redes sociais faz milagres para anular o inimigo

Quem tem acompanhado as polémicas do Sporting nas redes sociais fica varado com o cerco feito a qualquer pessoa que ouse fazer a mais pequena crítica a Bruno de Carvalho. Os ataques não passam apenas pela repetição dos argumentos dados pelo presidente, por mais estapafúrdios que sejam. Quase sempre recorrem ao insulto e à perseguição em matilha ou à ameaça explícita. A violência é tal que até os mais corajosos e persistentes desistem de participar no debate, deixando as tropas de choque sozinhas na arena. Dirão que tudo isto é o habitual das redes sociais. A diferença é que, neste caso, é coordenado. Muitos dos perfis são falsos ou anónimos e há fortes suspeitas de que a empresa de comunicação contratada pelo Sporting estreou em Portugal a estratégia experimentada por Trump e políticos de extrema-direita europeus.

12– Se mentir sempre, ou não serei desmentido ou obrigarei o inimigo a estar sempre a responder-me

Qualquer fact-checking às intervenções de Bruno de Carvalho exigiria muito mais espaço do muito que ele usa. Tal como sucedia com Donald Trump. Em muitos casos a mentira é fácil de desmontar, de tal forma é descarada. Só que as mentiras são como as dívidas: uma é um problema para o mentiroso, muitas é um problema para quem queira repor a verdade. Perante uma sucessão de mentiras, que permitem construir uma realidade paralela (o fanático é condicionado a não acreditar na imprensa e em mais ninguém que não seja o líder), o adversário tem duas hipóteses: repor a verdade e ficar preso à agenda imposta pelo líder ou deixar que a mentira se instale como verdade.

Bruno de Carvalho não é Donald Trump porque o Sporting não é um país. Quem não ligue ao que se passa no futebol considerará, por isso, este paralelo absurdo. Mas é por estarem em patamares muito diferentes que este exercício é tão útil. Porque se Bruno de Carvalho conseguiu – e penso que em muitos casos o fez conscientemente – adaptar para um clube a lógica de um combate político do outro lado do Atlântico, quer dizer que a receita é ainda mais eficaz do que se pensava. Quem conseguir readaptar a táctica de Bruno de Carvalho à política nacional poderá ir longe e ter efeitos destrutivos a uma escala muito maior. Claro que, por ser o meu clube e por ser um presidente que apoiei, dou a isto tudo uma importância talvez desmedida. Num clube não existem os mesmos conflitos que existem no resto da sociedade, as pessoas não valorizam as mesmas coisas, as condições materiais de vida têm pouca relevância para as escolhas que fazem. Mas é impressionante o que eu, com tantos anos de experiência política, aprendi ao observar poucos meses de confronto num clube. E estou assustado com o que nos espera na política.»

Do sportinguista que sempre fui, sou e continuarei a ser...


Apenas um abraço de leonina gratidão a Daniel Oliveira!...


Leoninamente,
Até à próxima

O Sporting vencerá!...

Presidente da Assembleia da República é sócio desde que nasceu, há 68 anos

EDUARDO FERRO RODRIGUES VAI À ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING


O DN confirmou junto de fonte do Presidente da AR que este irá participar na reunião que votará a destituição da direcção leonina (LINK)

Por razões que nem aos meus botões confessarei, a presença amanhã, no Pavilhão Atlântico, de tão ilustre companheiro dos "Lugares de Leão" em Alvalade e segunda figura do estado de direito que somos, além de revelar a coragem que porventura me vem faltando, caiu como bálsamo na minha alma dilacerada e profundamente preocupada de sportinguista.

O Sporting vencerá!...

Leoninamente,
Até à próxima

PUBLICIDADE