sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A táctica será repetir o Vitória !...

Amigos sportinguistas, vem aí uma jornada muito difícil!... O jogo com o Vitória de Guimarães vai ser um bocado mais complicado que o jogo com a Lázio. Sei que aquilo que o Sporting vale neste momento, deveria dar-nos aquela tranquilidade que há longos anos reclamamos, como adeptos fervorosos e confiantes. Mas este jogo em particular, será um osso duro de roer. Porquê ?!... As razões são várias e qualquer uma delas recomenda cautela e concentração a todos aqueles que forem escolhidos por Domingos Paciência para  constituirem os 11 magníficos leões que terão o privilégio de abrirem o cartaz no D. Afonso Henriques no domingo à noite.
O encontro vai realizar-se com apenas 72 horas decorridas desde a jornada gloriosa que o Sporting escreveu na 5ª feira à noite em Alvalade. É curto, muito curto o tempo de recuperação e, com franqueza, custa-me a crer como os dirigentes do clube a quem incumbe a responsabilidade da programação das jornadas, não conseguiram diferir o jogo para 2ª feira, sendo que a seguir iríamos assistir a um interregno que os jogos da selecção determinam. Esse facto, somado à exigência que o jogo com a Lázio determinou, por força da expulsão de Insúa, vai forçosamente trazer à superfície as debilidades físicas que as 72 horas de intervalo acentuarão, particularmente no segundo período de jogo.
Em termos de qualidade e equilíbrio, o regresso de Elias e a possibilidade de Insúa poder jogar, uma vez que o castigo que naturalmente será aplicado ao jogador será cumprido apenas contar o Vaslui em Alvalade, constituirão um certo conforto. O brasileiro estará fresco e o argentino, com apenas 50 minutos de jogo, terá uma recuperação mais confortável e eficaz. Mas que dizer de Rinaudo, Schaars., Capel e Wolfswinkel?!... João Pereira, Onyewu, Polga e Carrillo, também sofreram e deram o litro, mas o desgaste terá sido menor e a recuperação mais fácil. Portanto as minhas maiores preocupações vão para aqueles quatro, cujo papel em todo o excelente rendimento da equipa tem vindo a revelar-se fundamental. Domingos saberá como ninguém, encontrar uma solução, mas os meus cuidados hão-de manter-se até ao final do jogo.
Colocando de seguida a atenção no adversário, o Vitória não é uma equipa qualquer. E a entrada de Rui Vitória trouxe-lhe a audácia que não ostentava antes. Não permite por isso facilidades, se bem que a diferença de categoria para o Sporting seja enorme. Mas a jogar em casa e com o apoio de uma das mais convictas e motivantes falanges de apoio da I Liga, Guimarães não constitui pêra doce. Claro que a audácia às vezes tem um preço elevado. Mas isso são contas para Rui Vitória resolver.
Se apenas tivessemos em equação estas duas incógnitas, eu dormiria descansado até domingo. Mas a APAF e as suas guardas avançadas que, dentro do sistema, desvirtuam e manipulam a verdade desportiva, nomeou para arbitrar este jogo, nada mais nada menos, que um dos piores, senão mesmo o pior, árbitros que actuam em Portugal desde há um bom par de anos a esta parte: Bruno Paixão!... Com este homem, nunca se sabe se os golos legalmente conseguidos serão invalidados, se ao adversário serão validados golos ilegalmente obtidos, se fará vista grossa a flagrantes irregularidades na área adversária e descortinará penalties na nossá área que ninguém viu. Exercerá, com olho de águia - ninguém duvide! - a tolerância zero para o Sporting, que a APAF decretou depois da saída pela porta dos fundos, do braço de ferro com que tentou menorizar Alvalade e cerrará os olhos em tudo o que for violação disciplinar por parte dos vimaranenses. João Pereira e especialmente Rinaudo que se cuidem e Patrício, na dúvida, que use sempre os pés.
Tenho esperança que a APAF, com base nesta minha apreciação anterior ao jogo, faça de "Leoninamente!!!..." o braço armado do Sporting e invoque a violação aos preceitos acordados entre os clubes da Liga, para voltar ao braço de ferro com o leão, com a saída de cão que todos conhecemos. Era publicidade de borla para o meu blog, que eu faria reverter para instituições de caridade, quase pela certa para os "Leões de Portugal"!... Mas a estupidez não irá tão longe, naturalmente!...
Amigos, a táctica é repetir com este Vitória, o que fizemos em Alvalade com o outro Vitória. É que depois, nem S. Paixão conseguiria aviar a receita que lhe encomendaram.
Leoninamente,
Até à próxima
P.S. - Alguém me diz porque o repórter da SIC, Nuno Luz, na transmissão televisiva do jogo, passou o tempo todo a chamar Insuá ao nosso jogador argentino Insúa ?!...

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Quem duvida que não serão capazes ?!...

Que mais hei-de dizer neste momento, para além de expressar um contentamento que só é suplantado pela grandeza do clube que amo?!... Só se for manifestar o meu profundo obrigado a todos os leões que estiveram em campo e estendê-lo, na pessoa de Domingos Paciência, aos técnicos que prepararam a equipa para esta gloriosa jornada europeia. E se me ficasse por aqui, estaria a ser profundamente injusto para os quase 34.000 admiráveis leões que estiveram nas bancadas. Porque foram inexcedíveis no apoio e no incentivo que prestaram aos que jogaram e fizeram aquilo que tinha que ser feito em relação ao juíz da partida que, manifestamente, veio da Bélgica para estender a passadeira vermelha aos italianos, que provavelmente descobriram antes do jogo, o número do seu telemóvel
Foi uma vitória épica e que nos veio dizer, baixinho e sem ostentações despropositadas, que os sportinguistas podem confiar neste plantel e no homem que o dirige. É com esta argamassa que se vai construindo no Sporting, o edifício do futuro. É com este querer, com esta entrega e até, enquanto foi possível, com este futebol, que iremos a Alvalade cada vez em maior número. Os jogos sucedem-se e o número de leões que decidem ir ao nosso estádio sobe em cada um deles. É dos livros esta demonstração clara de que todos os projectos das anteriores direcções estavam profundamente errados. O amor pode ser enorme e avassalador, mas se não for alimentado, mais devagar ou mais depressa, acabará por fenecer.
Não gostaria de fazer destaques nas exibições dos nossos jogadores, tão bem jogaram todos e tão grande foi o seu sentido colectivo, a entreajuda e a solidariedade. Mas gostaria de sublinhar as exibições de Wolfswinkel, Onyewu e Rinaudo. O primeiro, pelo golo que marcou, pelos quilómetros que percorreu e pelo sacrifício quase heróico com que ajudou a defender. O segundo pelo baluarte que começa a significar a presença da sua extraordinária envergadura na nossa defesa. O terceiro pela confirmação da sua categoria, da sua entrega e da sua importância no equilíbrio de toda a equipa.
O desgaste foi tremendo, a vitória já ninguém nos tira, mas domingo é já daqui a três dias e todos terão fazer das tripas coração se quizerem ir buscar três pontos a Guimarâes. Mas quem duvida, depois da demonstração de hoje à noite, que não serão capazes?!...
Leoninamente,
Até à próxima

Força Sporting !!!...

Anunciam que a coreografia será linda e nunca vista em Alvalade. Gostei de saber e ainda mais porque 110 leões de juba eriçada se disponibilizaram voluntariamente para a pôr em marcha. Grandes leões!... Só receio que sejam atiradas tochas  de fumo para o relvado. É que a UEFA não é propriamente a LPFP...
Penso que Domingos Paciência fará alinhar a equipa que venceu e bem o Vitória de Setúbal, com a "nuance" de Polga jogar no lugar que de início foi ocupado por Rodriguez e de Elias não poder jogar e ter de ser substituído. Por quem ?!... Domingos saberá melhor que ninguém, mas atrevo-me a prognosticar que a escolha recairá em André Santos, pelo maior apoio que poderá proporcionar a Rinaudo, em termos defensivos. Mas não será de excluir a hipótese de Matias Frenandez, que durante o tempo que jogou contra os sadinos, me pareceu bem diferente no apoio defensivo. Confio no nosso técnico e confio em quem ele depositar a responsabilidade de enfrentar as dificuldades que adivinho para este jogo.
Tenho pena de não poder estar em Alvalade. Às vezes surgem imponderáveis que não conseguimos ultrapassar. O meu lugar vai ficar vazio, mostrando aquela horrível napa amarela do meu descontentamento. Uma "taveirada" que terei de suportar, até que um futuro próximo me ofereça uma cadeira verde ou branca, tanto se me dá. Se alguém me perguntar, direi que quero verde, naaturalmente, mas sujeito-me a qualquer necessidade de composição que obrigue a que aquele lugar seja preenchido com uma cadeira branca.
Sinto-me portador de uma esperança contida, mas admito a ansiedade que me invade. Oxalá tudo corra bem. Força Sporting !!!...
Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Aguiar, Lázio e cautela ...

A suspensão do contrato que o Sporting e Luis Aguiar acordaram, pouco ou nada mexeu comigo. Independentemente do seu valor como jogador, a partir do dia em que, no Uruguai, deu a entrevista que todos tivemos oportunidade de apreciar, a minha eventual admiração transformou-se em tolerância. Talvez se recordem do post em que critiquei a sua atitude e, paralelamente, a direcção de comunicação do Sporting, por nada ter feito por "ensinar"  o sr. Aguiar que o Sporting não é um clube qualquer, que se possa impunemente enxovalhar na praça pública. Aí eu convidava o jogador a ficar por lá, porque exemplares como ele os sportinguistas dispensam sem qualquer pesar.
O histórico de Luis Aguiar no Sporting é um amálgama de actos falhados. E a perda não será muita se ele ficar definitivamente pelo Peñarol ou coisa que o valha. Que seja feliz e não perturbe. Carlos Freitas que vá tratando de conseguir isso mesmo, sem prejuízo para o Sporting.
O mal de uns, muitas vezes é o bem de outros. André Martins perfila-se no horizonte, assim saiba manter a sua cabeça limpa e continuar a trabalhar com afinco. Talvez não tenha sido por acaso que Domingos Paciência impôs a sua permanência no plantel.
Amanhã temos um obstáculo difícil para ultrapassar. Recomendaria a todos os leôes que se debruçassem sobre as palavras do nosso ex-técnico Giuseppe Materazzi, que podem ler aqui, antes de pensarem em eventuais facilidades. Sem o nosso "carburador" Elias, o motor leonino não será a mesma coisa. A menos que Matias - se jogar - tenha finalmente compreendido o tipo de jogo que Domingos Paciência pretende dele e da equipa. O nosso técnico costuma privilegiar nas competições internacionais a segurança defensiva, mas também não será de recusar a possibilidade de que possa utilizar o factor surpresa de uma entrada a matar, como em Paços de Ferreira e Alvalade contra o Vitória de Setúbal. Prevenindo todas essas possibilidades, deveremos contar com um jogo difícil e nada de contar com facilidades. Oxalá as coisas corram bem e o Sporting possa amealhar mais três pontos e o prémio da vitória. Há que avançar para os italianos como leões e ter bem presente que o jogo vai ter 90 minutos com mais alguns pózinhos.
Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 27 de setembro de 2011

De Rui Calafate

De Rui Calafate, recebi uma mensagem que teve a amabilidade de me fazer chegar, como comentário ao meu post de domingo "O Sporting já ganha, a comunicação nem por isso!...".
Porque a mensagem que tive o privilégio de receber, constituiu um esclarecimento importante para mim e pode constituir também para todos os sportinguistas que me lêem, um documento esclarecedor sobre a pessoa, o trajecto e os propósitos deste distinto sportinguista, que teve a lhaneza de me permitir fazer o uso que quisesse da mesma, deixo aqui a sua reprodução integral: 


Boa noite Álamo
Queria agradecer as suas simpáticas palavras, manifestando a minha disposição para continuar a escrever o que acho ser oportuno e importante sobre o nosso clube.
Relativamente à dúvida que tem esclareço, tal como noutro blog fiz com a maior das educações e simpatias. Preferia elogiar do que criticar. Se critico, e tento ser justo, é porque algo está mal.
Elogiei a contratação do pedro sousa para assessor da SAD e disponibilizo-me para nestes primeiros passos na assessoria/consultoria de comunicação dele o ajudar com alguns truques e técnicas, de forma gratuita e desinteressada.
Relativamente ao cargo de Director de Comunicação do Sporting, aproveito para esclarecer que não tenho neste momento disponibilidade profissional para o mesmo e já informei disso noutros fóruns e a quem de direito. A minha empresa celebra dois anos de vida em Outubro e precisa muito de mim ainda. Logo, as minhas críticas são alertas numa área em que tenho conhecimento técnico para dizer algumas coisas com credibilidade.
Por isso não tenho nenhuma disponibilidade para neste momento ou nos próximos tempos exercer esse cargo de prestígio e seria uma honra em defesa e promoção do nosso clube, mas não posso.
Com os melhores cumprimentos e agradecido pelas palavras de estima. SL
Rui Calafate sócio 6095

Leoninamente,
Até à próxima

Profundo e avassalador sportinguismo!!!...

No rescaldo de uma das maiores alegrias que o nosso Sporting me deu nos últimos anos, tenho de confessar que tenho vivido nestes dois últimos dias um sentimento que nem sei bem definir. Será porventura um misto de alegria, esperança, receio e conforto.
Alegria, pela magistral exibição que os meus olhos tiveram o privilégio de apreciar na noite fantástica de sábado à noite em Alvalade e pela justíssima vitória alcançada pelo Sporting cujo único senão terá sido a escassez do resultado.
Esperança, pelo potencial que foi possível vislumbrar naqueles 90 minutos de sonho e que muito provavelmente será exponenciado, à medida que outras grandes vitórias forem surgindo, outras metas forem sendo sucessivamente alcançadas, outros patamares exibicionais forem sendo conseguidos pelos fabulosos intérpretes que temos nas nossas fileiras.
Receio, pela fortíssima  possibilidade de ver que a poderosa esquadra que o Sporting porventura estará a construir, possa vir a ser esfrangalhada no final da época pelo poderio económico e financeiro dos colossos europeus, face às debilidades que no mesmo campo o clube de Alvalade ainda vai patenteando.
Conforto, pela cada vez mais firme convicção de que todas as bases que permitiram a construção, quase da noite para o dia, deste fabuloso plantel, particularmente o corpo dirigente e técnico, permanecerão no Sporting por muitos e bons anos. E, como diz o nosso bom povo, cesteiro que faz um cesto, faz um cento!... Em todos os campos da arte, nenhum verdadeiro prodígio se ficou apenas pela realização de uma única obra prima, para depois perder todo o seu talento e desaparecer no anonimato. No Sporting, o talento usado para descobrir, juntar e trabalhar este espectacular naipe de jogadores, se por hipótese se vir confrontado com a saída de um, dois, três ou quatro, não terá pela frente a missão quase impossível com que teve de se confrontar no defeso que antecedeu a presente época. Substituir  essas eventuais saídas, será tarefa incomparavelmente mais fácil que aquela a que o Sporting meteu ombros no final da época passada. E receber, integrar e trabalhar dois ou três atletas nunca será o mesmo que fazê-lo com dezena  e meia.  
Já no fim desta minha dissertação, assaltou-me repentinamente a ideia definidora desse sentimento complexo que me julgava incapaz de exprimir. Não será o ovo de colombo, nem uma palavra muito complicada, muito menos um neologismo. O Sporting pode estar de volta?!... Pode, claro que pode e eu pressinto esse aproximar. Mas o que eu sinto verdadeiramente desde sábado á noite, de uma forma talvez ainda mais profunda e avassaladora é, simplesmente, sportinguismo!!!...
Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 25 de setembro de 2011

O Sporting já ganha bem, a comunicação nem por isso !...

Não conheço Rui Calafate. Sei que é um fervoroso adepto sportinguista e desempenha as funções de director geral na empresa "Special One Comunicação", sendo um reputado especialista na área da comunicação política, onde já fez campanhas eleitorais para os dois maiores partidos nacionais.
Acompanho diariamente o seu blog It's PR Stupid!, que me consegue oferecer um "flash" crítico sobre a envolvente política - e não só! - portuguesa. Participa também como colaborador no blog sportinguista Leão da Estrela, que acompanho de há longa data, mas cuja ligação reforcei desde que Calafate iniciou a sua colaboração.
Gosto do seu apurado sentido crítico e da mordacidade com que o condimenta. Gosto da forma como vê o Sporting e quase sempre me identifico com os seus pontos de vista, embora em todas as críticas que faz no campo específico da comunicação do clube, me pareça que o desdém que exibe esconderá eventualmente algum escondido desejo de compra.
Posso portanto afirmar a minha absoluta e completa isenção em relação ao seu pensamento, sem deixar de lhe reconhecer as excepcionais virtudes. Nada lhe devo, muito menos ele me deverá a mim, pela simples razão de que nem saberá que existo.
Todos os que têm a bondade de ler estes meus despretensiosos escritos, conhecem de há algum tempo a minha crítica posição em relação à comunicação do Sporting Clube de Portugal. Não me irei repetir, tendo até em conta que ainda ontem voltei a bater na mesma tecla, por via de um novo acessor que a partir de 1 de Outubro estará ao serviço da Sporting - SAD.
Por ironia, Rui Calafate analisa hoje no seu blog, a questão que ontem eu abordara, num post que poderá ser devidamente analisado aqui. Vai um bom bocado mais longe que eu consegui ir, facto que refuto de absolutamento natural, dado o profundo conhecimento que possui sobre a matéria e  sobre os factos e pessoas que no Sporting vão estando envolvidas. E porque a sua opinião determinou em mim um aumento de claridade, na escuridão que sempre pressenti nessa importante frente que o Sporting terá de vencer, para regressar à posição que a sua história e o seu prestígio exigirão, assumi a coragem de  voltar ao assunto, pesem embora as críticas que alguns amigos sportinguistas me possam dirigir, particularmente agora, que no aspecto desportivo, o mau tempo pareça em debandada.
Leoninamente,
Até à próxima

Com água na boca !!!...

Foi bonita a festa, pá !... Fiquei contente e correndo alegremente, vim p'ra casa celebrar!...
Sei que há léguas a nos separar, tanto mar, tanto mar...
E sei também quanto é preciso, pá, navegar, navegar...

De regresso ao Norte e a casa, trauteei a canção do Chico Buarque dezenas de vezes, com esta letra que fiz de improviso, enquanto refreava o entusiasmo pela vitória, que me levava a carregar no pedal. Já apanhei uma multa danada na A1, em plena viagem para ver o Sporting a jogar com os lampiões. Ia  a 157 km/h disse-me o cínico do polícia, que se colocou á minha frente, fazendo-me sinal para eu entrar na estação de serviço perto de Leiria. Mostou-me os comprovativos do excesso e eu ... vá de apresentar o cartãozinho de plástico, pagar e zarpar de novo para Alvalade. Foram dois azares nesse dia, a multa e um regresso com o desgosto da derrota em casa. Desde esse dia, passei a andar mais devagar: 155 ou por aí perto... É a vida de um sportinguista doente!...
O que me vale agora é que vou pela A17 e A8 e os abençoados dos polícias continuam a ter mais fé na A1. De modo que hoje foi um dia em grande: uma vitória daquelas e multas "népia" !... Chegado a casa, fui direito ao frigorífico, peguei na garrafa de espumante que lá tinha deixado antes de partir para Alvalade - uma Quinta das Bageiras Bruto Natural, que na Fogueira o meu amigo Mário Sérgio prepara com requintes de saber e bom gosto -, não fiz pum para não perturbar a mulher que dormia em paz, enchi uma taça e bebi pelo meu Sporting!... Há quanto tempo eu não fazia isto, com a convicção com que hoje o fiz !!!...
Recordo aqui o meu grande amigo João Menício que partiu há pouco mais de um ano, sportinguista tão doente como eu e que cumpria o mesmo ritual sempre que o Pinto da Costa carpia uma derrota ou um empate comprometedor. Era o seu ódio de estimação! O meu ódio de estimação mora lá mais para Carnide e não há-de perder pela demora...
Voltando ao que me interessa deixar aqui hoje bem assinalado, quero dizer-vos, queridos amigos sportinguistas, que o nosso Sporting hoje me encheu as medidas. Não foi só a vitória concludente com que despachou os sadinos e o parvo do seu treinador que, sem respeito pela instituição Sporting e pelos homens que hoje a representaram, afirmou a sua certeza de levar os três pontos para Setúbal. Foi o massacre a que o Sporting sujeitou os pobres dos "vitórrias"!... Desconfio bem que Paciência tenha imitado o Mourinho e colado na porta do balneário as parvoices e alarvidades que Bruno Ribeiro despejou daquela "bocarra", tal foi a gana com que os leões começaram o jogo.
Hoje todos os leões que passaram pelo tapete verde e bem tratado de Alvalade, sem qualquer excepção, fizeram um jogo de sonho! E foi patente a alegria que transbordou do conjunto, tanto na celebração dos golos, como no final do encontro. Domingos está a conseguir imprimir a marca da solidariedade e da profunda amizade entre todos aqueles valentes! A sua marca, a que já nos habituara noutras equipas que treinou! Bem nos pedia ele tempo e nós, sedentos de vitórias e sôfregos de bom futebol, já quase desesperávamos. Tinha razão o homem e pela minha parte, não me custa nada dar a mão à palmatória...
Uma vitória bonita, um controle absoluto de jogo durante todo o tempo, um futebol vistoso com pormenores deliciosos, uma entrega como Alvalade há muitos anos não via, exibições individuais de tal categoria que não sou capaz de qualquer destaque e o melhor de tudo que eu consegui extrair dos 90 minutos: a tremenda promessa de que, com mais algum tempo, estará ali uma "enormíssima" equipa. Se atentarmos em todos os erros que a equipa cometeu no jogo anterior e compararmos com a exibição hoje produzida, dá ideia de que Domingos Paciência passou a semana inteira com uma lima nas mãos, limando cirurgicamente cada aresta mais viva: João Pereira defendeu melhor, Onyewu esteve mais seguro e confiante a ponto de já driblar e progredir para entregar melhor, Schaars e Elias ajudaram muito mais Rinaudo na cobertura da defesa, Patrício ainda tremeu, mas recompôs-se e fez duas ou três defesas de antologia e todos os restantes melhoraram e muito, com a particularidade de até as três substituições terem trazido novos cambiantes ao jogo e terem somado ainda mais qualidade à equipa, numa altura em que o cansaço já se fazia sentir nas unidades substituídas.
Amigos sportinguistas, por tudo o que hoje o Sporting me ofereceu, quero confessar-vos que a minha esperança no futuro desta equipa saiu reforçada no final do jogo. Tenho a profunda convicção de que já na próxima 5ª feira, conseguiremos derrotar os italianos, porque este Sporting já começa a saber o que deve fazer em Alvalade. E os 33 mil e muitos que tiveram o privilégio de assistir ao vivo a esta prometedora exibição e que tão entusiástica e permanentemente aplaudiram, vão voltar para apreciar o jogo com a Lazio. Ficaram, como eu, com água na boca!!!...
Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 24 de setembro de 2011

Mais uma contratação !...

No seu site oficial, o Sporting Clube de Portugal informa hoje, num comunicado que pode ler aqui, que a partir de 1 de Outubro a Direcção de Comunicação passará a contar com Pedro Sousa como acessor para a área do futebol.
Não está em causa a pessoa, que nem conheço e espero não corresponda a mais uma infiltração, nem se discute a necessidade do departamento de comunicação trilhar um caminho diferente, tantas são as carências que todos os dias são notórias. O que se torna preocupante é o engordar do aparelho, quando as dificuldades que o clube e o país atravessam são as que se conhecem e os resultados de exploração continuam sistematicamente a ser negativos, avolumando o terrível passivo que cada vez mais coloca em causa o futuro do clube.
Como o país, o Sporting Clube de Portugal, parece querer resolver a ineficácia, não com a substituição dos ineficazes, mas enxameando os departamentos que pouco ou nada produzem, com ainda mais meios humanos, provocando o aumento em espiral dos custos, sem que isso seja a garantia do sucesso.
Assim, a conta-gotas, vai sendo apresentado e construído o organograma prometido e nunca divulgado por Godinho Lopes. Continuaremos atentos aos resultados, mas como na política, no Sporting aquilo que parece acaba mesmo por ser!...
Leoninamente,
Até à próxima  

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Choveu hoje no nabal, amanhã quero Sol na eira !...

Amanhã, que esteja Sol na eira de Alvalade, porque a chuva que eu tanto pedira para o nabal do Dragão, acabou por acontecer. Os andrades e os lampiões bem fizeram pela vida, mas as minhas preces a "oxalá", foram ouvidas. Tenho uma leve suspeita de que este meu deus é sportinguista, apesar de ser um bocadinho duro de ouvido. E quão alto eu tive de gritar meus amigos!...
Para que o Sol brilhe amanhã para todos nós em Alvalade, é forçoso que Patrício exiba a categoria que tem e que todos nós lhe reconhecemos. Nada de nervos, nada de precipitações, a categoria basta, ouviste bem Rui?!... E tu João, cuidado com os avanços à toa e com os centros distraídos. A tua categoria também basta, mas não te esqueças de que a tua primeira missão é defender bem e com essa braçadeira, tens que andar sempre caladinho, porque o "diabo" está sempre à espera de um deslize teu. Para ti Rinaudo, sei que não te posso - nem devo! - pedir mais, portanto aguenta assim, com a certeza de que todos os leões que tu vires sentados no estádio que tu dizes ser tão bonito, querem aplaudir o teu esforço, a tua dedicação e a tua tremenda devoção à causa leonina.
E tu aí oh altarrão, não gostas que te chamemos Ricky, mas se não marcares mais um golito e bateres o teu próprio record - não gosto nada desta palavra, para a próxima escrevo máximo! - é exactamente o que te vou chamar, que é para aprenderes. Se queres que te chame Wolfswinkel, já sabes o que tens a fazer.
E vocês todos aí, nada de ciúmes por eu só ter nomeado os vossos 4 companheiros, fi-lo por bem. Um dia destes poderão ser vocês. Trabalhem que a vossa hora chegará. O que vos quero dizer a todos é que o jogo só acaba quando o árbitro disser e eu vou torcer as vossas camisolas no fim do jogo e o dono daquela de onde sair menos quantidade de suor, não joga contra a Lázio. Se o suor for igual em todas as camisolas, jogam todos contra os italianos. É pegar ou largar...
E vou avisar o senhor treinador  lá das bandas do Sado, que compre uns tampões para os ouvidos, porque eu e os outros leões que formos a Alvalade, vamos gritar tanto que nenhum dos seus jogadores vai ouvir o que lhes quizer dizer. É para aprender a falar nas conferências de imprensa antes dos jogos com o Sporting. Ou não é de cá?!... Se é não parece!... Saiba que o respeitinho é muito lindo...
Pronto, desabafei e fiz as minhas recomendações. Só mais uma: amanhã quero três pontinhos!...
Leoninamente,
Até à próxima

Falta um rugido de leão a sério !!!...

Em dia de jogo entre andrades e lampiões - que percam os dois ou no mínimo que empatem! -, como se não bastassem todas as peripécias que o encontro costuma colocar no ar para encher aquela dúzia de páginas nauseabundas e mentirosas, o director do pasquim "Record", talvez para salvar a face da bacorada que ontem mandou colocar na primeira página e que Marat Izmailov desmentiu com celeridade e veemência, voltou ao assunto, como miúdo ladino apanhado em flagrante asneira.
A argumentação utilizada, qual punhado de areia atirado para os olhos dos incautos e que poderá ser apreciada aqui, é um hino à estupidez e como todas as "cachas" dadas à estampa nesse pasquim, vale o que vale. Até porque a palavra, que pode ser substituída por furo ou até mesmo tiro, deriva do verbo francês "cacher" ou do respectivo substantivo "cache", cujos significados têm a ver com qualquer coisa como esconder ou estar escondido, logo fácil será interpretá-la como gato escondido com o rabo de fora, ou flagrante tiro no pé.
Não tem emenda Alexandre Pais e por via disso é frequente e sistemática a perfídia com que inventa as maiores e tonitruantes fraudes jornalísticas, acerca de tudo o que possa envolver e prejudicar o Sporting Clube de Portugal. Não sei que trauma o Sporting lhe terá provocado, para que a criatura se levante em cada manhã a pensar na hora e local de mais um tiro. Terá sido aquele golo de Martins na época de 1954/55, que a 4 minutos do fim de um Belenenses-Sporting retirou o título aos de Belém?!... É que o homenzinho, à boa maneira dos árbitros que se dizem adeptos do Carcavelos ou do Alcobaça, diz ser belenense!...
No meio de todas estas diatribes, o meu desgosto maior é não ouvir um verdadeiro rugido de leão capaz de, definitivamente, lhes pôr termo.
Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Podem continuar que o leão é mansinho !!!...

Sobre o verdadeiro atentado ao jornalismo desportivo português em geral e em particular ao jogador em causa e ao clube que representa, perpetrado hoje pelo jornal Record, o Sporting Clube de Portugal, Futebol SAD, emitiu um comunicado que poderá ser consultado aqui e que não deixa de constituir, na minha modesta opinião, um autêntico manifesto de evidências.
É uma evidência afirmar o prejuízo que o golpe jornalístico determina no jogador e na estabilidade da equipa profissional de futebol da Sporting, SAD. Por tão evidente prejuízo, o golpe terá sido pensado, planeada a oportunidade da sua divulgação e levado à prática no momento mais aconselhável.
É uma evidência que para levar à prática tal desiderato, o jornal Record não precisaria nunca de qualquer confirmação junto do jogador, do seu empresário ou da Sporting, SAD. Se o fizesse a atoarda deixaria de o ser, a "notícia" não seria publicada e lá iriam todos os planos por água abaixo.
É uma evidência que a Sporting, SAD "jamais" deixará de defender os seus profissionais. Já o mesmo não se poderá dizer da qualidade e dos efeitos dessa defesa. Palavras de circunstância, sem qualquer impacto real e efectivo na acção dos promotores da mentira e sem sequer exigir dos mesmos qualquer retratação ou pedido de desculpas.
É uma evidência que a Sporting, SAD regista o acontecimento, o tempo e o modo escolhidos pelo jornal, mas a sua acção não passa disso mesmo, de um registo.
É uma evidência que o redactor ou redactora do comunicado,  não conseguiu dissimular o constrangimento que lhe causaria a inclusão de palavras duras de protesto e a solene exigência de uma clara e imediata retratação com o óbvio pedido de desculpas.
É uma evidência que este comunicado não corresponde, nem transporta o ADN dos responsáveis máximos da Sporting, SAD. Reflecte demasiado amadorismo e não contém qualquer atributo leonino que configure tal pressuposto. Reflecte até um "low profile" que quase me envergonha, como sócio e amante do meu querido Sporting Clube de Portugal.
Finalmente, como derradeira evidência, direi que este comunicado é um desnecessário convite aos responsáveis desse maquiavélico jornal: podem continuar que o leão é mansinho!!!...
Leoninamente,
Até à próxima

Então Sporting, porque não falas?!!!...

Ficou-me na retina o golo que Marat Izmailov marcou em Paços de Ferreira e que abriu caminho à reviravolta que o Sporting haveria de impôr no marcador e que correspondeu à vitória que quase todos imaginávamos já impossível. Guardei com surpresa a imagem do jogador que,  em vez  de  uma celebração entusiástica com os companheiros, normal e habitual naquelas circunstâncias, se dirigiu para o centro do terreno com uma expressão de dor e preocupação. Pensei para com os meus botões, que o seu joelho direito tinha cedido mais uma vez, porque embora o remate tenha sido realizado com o pé esquerdo, foi da perna direita e particularmente do joelho, que veio o apoio necessário ao gesto técnico. O jogador continuou a evoluir no terreno, mas fiquei com a convicção de que algo tinha sobrado para Marat na cobrança do golo. Não me enganei. Já não alinhou na Suiça e muito menos em Vila do Conde.
Depois, todos temos acompamhado a evolução do caso Izmailov. Começou com as declarações de Domingos Paciência, que levantou ligeiramente o véu e prosseguiu com notícias quase diárias sobre a indefinição do caso clínico do jogador russo. O cirurgião alemão Ludwig Seebauer falou sobre as razões morfológicas que estarão por detrás das queixas actuais do atleta e afastou completamente qualquer questão psicológica que se estivesse a intrometer na questão. O antigo médico do Sporting , Gomes Pereira, ainda que compreensivelmente, tenha tido o cuidado de evitar pronunciar qualquer opinião sobre o momento clínico actual do jogador, reforçou a opinião do médico germânico de que a vertente psicológica nada tem a ver com o problema.
Nova cirurgia ou tratamento conservador é a questão do momento. Já o fora há um ano e as mesmas cartas se colocam agora, ironicamente, sobre a mesma mesa. Mas eis senão quando, o habitual pasquim Record e o belzebú do seu director, inventam mais uma atoarda e afirmam terem conhecimento de fonte segura que Marat Izmailov já teria feito a entrega junto do Tribunal de Trabalho de um processo tendente a acautelar uma eventual futura pensão de invalidez. A redacção da notícia é caricata, porque começando por afirmar, no primeiro parágrafo, que o jogador iria requerer uma pensão por incapacidade física, admite no parágrafo seguinte, saber que Izmailov já accionou os mecanismos legais para dar andamento ao processo. Simultâneamente, noutro jornal desportivo, cuja credibilidade é perfeitamente compaginável com o primeiro, o representante do internacional russo, Paulo Barbosa, vem negar completamente todo o teor da primeira notícia, afirmando que essa intenção nunca esteve nos planos do jogador, nem alguma vez terá sido colocada ao Sporting e que nem entrou nem irá entrar no Tribunal de Trabalho qualquer acção, no sentido que a notícia referira.
Instado a pronunciar-se sobre a eventualidade de uma nova operação, afirmou que é uma questão que terá de ser colocada aos responsáveis médicos do clube e que haveria uma coisa que desejaria que ficasse clara: o jogador tem condições para dar um contributo importante ao Sporting e não  duvida que rapidamente estará em condições de poder mostrar as suas qualidades para agrado dos sócios.
No boletim informativo hoje emitido pelo Departamento Clínico é referido, relativamente ao jogador Marat Izmailov, que o mesmo se encontra em tratamento e ginásio.
Faz-me uma confusão danada que uma SAD como a do Sporting, cotada em bolsa e por isso protegida por disposições legais que não permitem e penalizam fortemente, notícias que prejudiquem e desvirtuem o normal funcionamento das operações bolsistas, se mantenha em silêncio. Então Sporting, porque não falas?!... Para que existe um departamento de comunicação?!...
Leoninamente,
Até à próxima


quarta-feira, 21 de setembro de 2011

"Quo vadis" Sporting ?!...

Quando vejo noticiado no "credível e isento" CM, que o pior presidente da história do meu Sporting, JEB, assinou durante o seu desastroso mandato, com uma terceira entidade, a norte-americana C.A.A., de que é consultor o antigo director executivo do Chelsea, Peter Kenyon, a antecipação de receitas das "game-boxes" referentes às épocas de 2011/12 e 2012/2013, com valores respectivamente fixados em 3,237 M€ e 2,654 M€, pergunto-me com que base legal aquele senhor pôde extorquir receitas futuras do Sporting Clube de Portugal e quais os indicadores que o levaram a admitir que as receitas de 2012/13 seriam inferiores às receitas do ano anterior em quase 600.000 €?!... E pergunto mais, aos amigos spotinguistas que porventura tenham o saber suficiente para me (nos) informarem, se uma "jogada" desta natureza não poderá ser passível de um processo judicial em que o Sporting Clube de Portugal exija ser ressarcido de um valor correspondente à diferença entre o que esse senhor recebeu antecipadamente pelas receitas previstas e aquelas que efectivamente se vierem a concretizar?!... E perguntarei ainda se os novos estatutos do Sporting Clube de Portugal, recentemente aprovados, permitem que no futuro, outra direcção qualquer possa proceder de modo igual ao que JEB despudoradamente utilizou ?!... Se a resposta a estas duas questões for negativa, gostava que me respondesssem a uma terceira: que raio de estatutos nós aprovámos que permitem que a roubalheira continue até que os nossos netos sejam avós como nós?!... Então não seria natural que uma operação de antecipação de receitas, por colidir eventualmente com uma direcção diferente no futuro, só pudesse ser viabilizada em Assembleia Geral?!... É que vem-me à memória uma operação recente, levada a cabo pela direcção de Godinho Lopes, com a inclusão de 50%  dos direitos desportivos de dois jogadores, cujos passes foram recentemente adquiridos, num fundo a que o mesmo senhor Peter Kenyon estará ligado,  sendo o valor dessa percentagem significativamente inferior àquela que o Sporting tinha pago para a sua aquisição. E com tantas operações de natureza dúbia, em que as sucessivas direcções se vão desmultiplicando, os sportinguistas sabem cada vez menos "quo vadis Sporting" ?!...
Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 20 de setembro de 2011

O tempo e o abismo...

O Sporting não defende bem!... Há qualquer coisa na organização defensiva da equipa que não funciona e que permite que equipas cuja valia técnica deixa muito a desejar, consigam abrir brechas que continuam a descoroçoar a enorme falange de adeptos sportinguista e a causar este estado permanente de desassossego que se instalou na alma leonina.
Sendo certo que a valia dos elementos que constituem a linha recuada da equipa poderá não constituir o melhor dos exemplos de classe e categoria que a dimensão do clube porventura exigiria, vemos desempenhos claramente superiores e eficazes por parte de sectores análogos em equipas com dimensão e recursos que nada tem a ver com o Sporting Clube de Portugal.
E o argumento da falta de conhecimento mútuo, de entrosamento e de criação de rotinas entre os componentes do sector defensivo leonino, começa a ser quase falacioso, quando colocados nos pratos da balança comparativa outros conjuntos bem mais modestos e que, com o mesmo tempo de permanência nos clubes respectivos, apresentam já desempenhos significativamente mais elevados que aqueles que a defesa leonina continua a exibir.
Não resisto a estabelecer uma comparação prática entre o comportamento global da equipa do Sporting, depois de conseguir a vantagem concludente que o marcador expressava aos 5 minutos de jogo em Vila do Conde e o comportamento de uma equipa primodivisionária como o Feirense ao longo de todo o jogo com o campeão em título. A equipa de Vila da Feira também foi profundamente remodelada, também precisou de ver instalados entre os seus elementos os tais conhecimento mútuo, entrosamento e criação de rotinas, também precisou de tempo, de apoio e de ausência de cobrança por parte dos adeptos e contudo enfrentou o Porto de olhos nos olhos, fê-lo sofrer repetida e sucessivamente sobressaltos com que jamais contaria e acabou por o obrigar a perder dois preciosos pontos que lhe poderão vir a fazer muita falta. O Sporting defrontou o lanterna vermelha do campeonato, apanha-se a ganhar por 2-0 mal o árbitro apitou para o começo do encontro e depois oferece a todos os seus adeptos, presentes ou ausentes de Vila do Conde, o triste espectáculo e o sofrimento que sabemos?!... Mas o que é isto?!... Vamos tapar o Sol com a peneira ou gritar alto e bom som que o rei leão vai nú?!...
Quem me explica o nervoso miudinho de Rui Patrício ao longo de toda a partida?!... Então o 1-0 aos 2 minutos não o acalmou? E o 2-0  um minuto depois, não lhe trouxe toda a tranquilidade do mundo? O que será que Patrício bebeu ao intervalo para dar um frango daqueles logo no recomeço e dar aquele pontapé na atmosfera ou aquela saída maluca que nos arripiaram os corações? E o que se passa com João Pereira para dar as fífias defensivas que todos vimos e não conseguir fazer um único centro para a área? E qual o problema de Elias, com uma pré-época intensa em Espanha e com uma exibição de gala pelo anterior clube em Guimarães, com um bom desempenho em Paços de Ferreira e sem ter jogado na 5ª feira na Suiça, para ter dado o estouro e obrigar Domingos a substituí-lo, porque nem ele nem Schaars impediam que toda a avalanche atacante vilacondense desabasse sobre Rinaudo e sobre os centrais que depois ficam como os maus da fita? E o que foram fazer para o relvado o André Santos, o Pereirinha e o Matias? Andamos todos a brincar ou teremos a reacção a trabalhar dentro do campo? Então voltámos o tempo das "vacas sagradas" e das "primas donnas", da "cultura dos egos" e dos egoísmos? Então e o Sporting Clube de Portugal, onde fica no meio de toda esta enorme gestão multinacional de egos e vaidadezinhas? Então onde está o brio profissional, a raça e a garra que se exigem a quem enverga a gloriosa camisola do Sporting?!...
Domingos Paciência não sai incólume destes últimos episódios da saga leonina. Há qualquer coisa na organização da equipa que não funciona. Não funciona, não tem funcionado e tarda em funcionar com aquele mínimo de qualidade que seria exigível.. Pede tempo e se calhar terá alguma razão, mas o que vimos ontem em Vila do Conde não é questão de tempo, nem de todas essas coisas que estamos a começar ficar cansados de ver repetidas. É dos livros que uma equipa se começa a construir da baliza para o ataque, mas o que nós vemos é o ataque a fazer pela vida e a defesa a claudicar, a comprometer. E não será nas pessoas que por lá andam que residirá o grande problema desta equipa do Sporting. Quer-me parecer que será da forma como estará a ser armado este conjunto de jogadores, que poderá não ser o melhor do mundo, mas que tem obrigação de produzir muito mais e melhor.
Eu desejaria estar aqui e agora a fazer o que venho fazendo de há tanto tempo a esta parte: a animar as hostes, a apelar à comprensão da grande nação sportinguista, a pedir ainda mais tempo para que as coisas se possam vir a compôr! Mas o jogo de ontem trouxe-me tal amargura e decepção que não sou mais capaz de fingir que tudo se vai resolver com o tempo. Depois do que vi ontem, é minha forte convicção de que haverá muitas coisas que esta equipa do Sporting exibe, que o tempo não resolverá. Ou Paciência dá um safanão nas hostes, ou estas dar-lhe-ão o safanão a ele!... E o tempo vai-se esgotando em cada dia, em cada semana, em cada jogo repetidamente mal conseguido. É como estar á beira do abismo e qualquer pequena aragem poder precipitar a queda...
Leoninamente,
Até à próxima

Pronto, ganhámos, mas ...

Está difícil, está muito difícil ter coração para aguentar o meu Sporting. É certo que ganhámos como Abel queria e como todos nós também queríamos! Mas não havia necessidade de  passarmos por semelhante calvário!...
A uma entrada fulgurante que nos permitiu estar a ganhar por 2-0 ao 3 minutos de jogo e quando poderíamos pensar que, com calma, confiança e muita posse de bola, a equipa afastaria o adversário da nossa área e poderia até construir, quiçá, um resultado volumoso, acabámos por assistir a um progressivo e inexplicável apagamento que determinou o surpreendente resurgir do Rio Ave e o intervalo poderia muito bem ter chegado com um resultado menos favorável.
Na segunda parte não consigo ainda explicar muito bem o que aconteceu, mas presumo que, ou o jogo de Zurique começou a fazer-se sentir na condição física de toda a equipa, ou então o problema será mais profundo e, se assim for, considero ser demasiado cedo para o abordar. Quero acreditar que na primeira hipótese estará a razão para o apagamento a que assitimos em quase todos os elementos.
Quero confessar também, por ser verdade, que após o empate conseguido pelo Rio Ave, tive mais medo do 3-2 do que acreditei no 2-3. Mas a sorte bafejou-nos com a cabeçada de Onyewu e a expulsão de Jean Sony ajudou depois mais um bocadinho.
Entre todos quero destacar pela positiva, apenas e mais uma vez, Rinaudo, como o único que não soçobrou fisicamente e manteve até final do encontro a mesma velocidade, o mesmo querer, a mesma garra. Começo no entanto a vê-lo demasiado só à frente dos centrais, na hora de defender, com Schaars e Elias muito distantes e a falharem na entreajuda.
A todos os outros atribuiria uma nota sofrível, inclusivamente aos que entraram frescos na segunda parte e trouxeram uma contribuição insuficiente à equipa.
Para Rui Patrício vai a minha nota mais negativa. Muito nervoso, quezilento com os colegas da defesa, desconcentrado, com saídas arripiantes a destempo e com um frango monumental que tanto Domingos Paciência como Paulo Bento não terão gostado mesmo nada. Não sei o que se passa com ele, mas Marcelo terá certamente que se preparar rapidamente para uma qualquer emergência. É que este não é o Patrício que eu já tanto aplaudi.
Uma menção honrosa para Carlos Brito. Não colocou sequer um táxi à frente da baliza, quanto mais um autocarro. E o Hugo Miguel, não apitou bem nem mal, antes pelo contrário. 
Agora venha o Vitória de Setúbal, para que eu possa ter a possibilidade de tirar da minha cabeça uns receios que por cá se andam a tentar instalar, sobre a condição física desta gente toda. Estamos com 8 pontos, mas os alicerces do edifício não me parecem nada seguros. E sobre jogar um bocadinho melhorzinho, estamos conversados...
Leoninamente,
Até à próxima 

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Como Abel, queremos apenas ganhar !!!...

Numa entrevista concedida à rádio TSF, o nosso lateral direito Abel, que há meia dúzia de meses uma inoportuna e grave lesão atirou para o bloco operatório e eventualmente terá posto termo a uma regular carreira recheada de profissionalismo e competência, deu a conhecer o seu sentimento sobre este início de época do Sporting.
Afirmou Abel que «...nem de perto nem de longe, apesar de toda esta reforma, se pensava que o Sporting podia começar da forma que começou. A bola não entra, os adeptos começam a ter alguma desconfiança e isso traduz-se dentro do campo», acrescentando convicto de que «os responsáveis do Sporting querem fazer uma excelente época».
Abel, que se encontra na recta final da recuperação da intervenção cirúrgica ao joelho direito adiantou ainda que, «...o Sporting não pode pensar numa equipa para o futuro, mas sim para o presente. É isso que os adeptos querem. Os sportinguistas não querem saber como, querem é que o Sporting ganhe. Só faz sentido um Sporting ganhador e é isso que espero que aconteça a partir de agora...»
Revejo-me sem reticências nas palavras de Abel Moreira Ferreira e no sportinguismo que indiciam. E saúdo a oportunidade com que foram expressas. Já aqui expressei a minha admiração pelo homem e pelo atleta. Agora quero manifestar-lhe o meu rasgado aplauso pela sua afirmação de leonino sportinguismo que traduz, estou certo, o pensamento de todos os adeptos do glorioso Sporting Clube de Portugal. Obrigado Abel e que os teus companheiros, mais daqui a pouco, façam suas as tuas bonitas palavras. Não queremos saber como, queremos apenas ganhar !!!...
Leoninamente,
Até à próxima

Ao menos um poucochinho de futebol !!!...

Domingos Paciência não precisa que nenhum sportinguista lhe lembre a importância do jogo, que ao início da noite, o Sporting vai disputar com o Rio Ave em Vila do Conde.
Sem poder contar com Izmailov e já com Elias à sua disposição, não será difícil qualquer um de nós imaginar o onze titular que o nosso técnico colocará de início. Na minha opinião Domingos avançará com Patrício, João Pereira, Onyewu, Rodriguez e Insúa, Rinaudo, Schaars e Elias e Pereirinha, Wolfswinkel e Capel, mas ele melhor que ninguém saberá aquilo que o jogo pede.
Oxalá o típico vento do estádio dos Arcos não prejudique o desenvolvimento de um bom futebol. Oxalá que Carlos Brito, com o desespero da vermelha lanterna que leva na mão, não alugue os autocarros todos que encontrar no Vale do Ave e os coloque à frente do seu guarda-redes e enfrente o Sporting com a dignidade que sempre o tem caracterizado, jogando o jogo pelo jogo e que ganhe o melhor. Oxalá que o senhor árbitro Hugo Miguel, não alinhe na "tolerância zero" que a APAF decretou para o Sporting e consiga um desempenho digno e isento em toda a partida.
Com tanto oxalá - o meu deus e a minha esperança! -, oxalá que o meu Sporting consiga uma vitória, mesmo que seja magrinha e que consiga mostrar ao menos um poucochinho daquele futebol que todos nós há tanto tempo reclamamos.
Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 18 de setembro de 2011

Força Izmailov, vais recuperar e regressar ao teu Sporting !!!...

As palavras de Domingos Paciência, na antecipação ao jogo de amanhã em Vila do Conde, acerca do percurso, evolução e  perspectivas futuras da equipa, dão-nos a imagem perfeita da corrente de pensamento que percorre o espírito do nosso técnico. Ele expressou com toda a clareza, sem subterfúgios e chamando a terreiro os factos reais ocorridos nas primeiras três jornadas do campeonato, as razões que colocaram o Sporting no limiar do inferno donde, convictamente, parece querer afastar-se.
Não é difícil de concordar com o pensamento de Paciência. Porque todas as dúvidas que possam restar nos nossos espíritos, sobre as opções que levou à prática, hão-de ficar sempre envoltas no nevoeiro que as determinou e que o encerramento do mercado ainda mais viria a acentuar. Sempre de forma elegante e inteligente e patenteando a verticalidade e solidariedade própria do seu carácter, continua a não permitir a mínima abertura da cortina que cerra hermeticamente a vida interna do Sporting da alcovitice exterior. E se todos nós, sportinguistas, não compreendermos isso e continuarmos aqui, ali ou acolá, a fazer o jogo dos alcoviteiros, só o Sporting ficará a perder.
Mas o que mais me impressionou foi quando, num misto de desalento e dramática revolta, abordou o sério problema de Izmailov: "... Marat não está em condições, continua com muitas queixas e não se sente confiante. Quer jogar e treinar, mas o problema fisico impede-o de o fazer. Alguma coisa tem de ser feita: ou um tempo de paragem mais longo ou outra situação...".
Estas curtas mas esclarecidas palavras, definem bem a delicadeza da situação desse grande jogador. Dizem-nos a todos que, contra as nossas mais que justificadas esperanças, o calvário desse atleta de eleição ainda não terá terminado. Falharam os prognósticos do cirurgião que o operou, falharam os cuidados, a atenção e o carinho que ao atleta vem sendo dispensado pelo Sporting, falharam os esforços quase sobrehumanos e todas as privações a que o atleta se tem sujeitado no sentido de debelar definitivamente a lesão de que há tanto tempo padece. E Domingos Paciência sabe melhor que ninguèm que a situação é insustentável, muito particularmente para o jogador. Alguma coisa terá de ser feita para que o Sporting não perca, porventura, o melhor jogador de todo o seu plantel e ao mesmo tempo, um atleta da estirpe de Izmailov não possa imaginar sequer, que a espada terrível de um precoce termo de carreira esteja sobre a sua cabeça.
Daqui, do meu canto e com a admiração que esse extraordinário atleta me merece, a minha solidariedade e um grito leoninamente poderoso de ânimo e conforto, com a certeza de que mais rapidamente do que alguém possa pensar ou admitir, Izmailov estará, plenamente recuperado e com a sua pujante e extasiante categoria, de regresso ao seu e ao nosso Sporting!!!...
Leoninamente,
Até à próxima  


sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ser campeão dá um trabalho danado!...

Sábado, jogo difícil e vitória arrancada a ferros. Muito trabalho!...
Domingo, mal chegados à Academia, treino de descompressão e ... mais trabalho!...
Segunda, toca a reunir e ... vamos a isto, toca a treinar, no duro! Trabalho forte!...
Terça, atenção meninos, quem tirar o pé, arrisca-se. Toca a trabalhar!...
Quarta, toca a andar para o avião, mas ... na Suiça, antes do jantar, vamos ao trabalho!...
Quinta, é malta, vamos a eles que nem leões! E não é que foram mesmo?!...
Sexta, toca a andar para casa, mas ... na fresquinha da tarde, vamos mas é trabalhar!...
Sábado, é malta, lá pelas 10 horinhas, toca a enfiar as botas que o trabalho espera-vos!...
Domingo, provavelmente, a malta vai treinar no autocarro!...
Segunda, provavelmente, a malta vai jogar contra o autocarro!...

Esta é a história da semana que vai correndo, dos leões indomáveis que de verde e branco sobre o peito - ou até de preto, que a malta quer é ganhar!... - começam a habituar-se - que bom se apanhassem o vício, como muito acertadamente diz a Tite - às vitórias e ... ao trabalho!... Outrora eram só folgas, folgas e mais folgas... Nós, os adeptos, era só dor, desespero e vergonha!...
Ser campeão dá muito trabalho, disse o leão João Benedito ainda não há muito tempo! E ele, muito melhor que ninguém, sabe do que fala!!!...
Leoninamente,
Até à próxima

Coração de Leão e os seus meninos !!!...

Ricardo Sá Pinto e os seus meninos arrecadaram ontem mais uma vitória na Next Gen Séries. No estádio do Restelo, por impedimento do relvado do estádio José Alvalade que se encontra em manutenção, os nossos miúdos continuaram a somar pontos, através de uma expressiva vitória de 6-1 sobre os noruegueses do Molde.
Em declarações no final do jogo, Sá Pinto vincou a sua firme disposição de conseguir implementar nesta promissora equipa, que começa a ver colocada sobre si a atenção da Europa, uma filosofia e uma prática de jogo "à Sporting" e lamentou apenas que o quadro competitivo português seja demasiado exigente para gente tão nova, com os jogadores a terem de disputar jogos de tês em três dias.
Quando será que as promessas de uma equipa como a que o Sporting vem apresentando num torneio que poderá vir a ser, em termos de projecção internacional e de proveitos económicos, uma autêntica mina de ouro para o futebol das camadas jovens, começam a ser devidamente protegidas por um quadro competitivo com pés e cabeça?!... Em que andará a pensar a multidão de dirigentes federativos que pululam pelos gabinetes da FPF, para não se aperceberem do mal que andam a fazer a toda esta juventude que tanto promete?!... Depois admiram-se com a falta de renovação de que a nossa selecção sénior começa a dar indícios!...
É por isso que as próximas eleições federativas se revestem de extraordinária importância. Muito mais que os nomes dos putativos candidatos e dos respectivos apoios, importará apreciar os programas de acção de cada um, aquilo que cada um estará na disposição de oferecer ao carente, desorganizado e viciado futebol português. O Sporting Clube de Portugal não poderá mais uma vez demitir-se das suas nobres responsabilidades. Espero rever-me na sua posição, neste complexo jogo de xadrês que todos os adeptos de futebol adivinham.
Leoninamente,
Até à próxima  

Ai Patrício, vê se melhoras !...

Logo após o final do jogo de ontem em Zurique, Rui Patrício "botou faladura"!... Desta vez não disse, como é habitual nos jogadores de futebol, que a equipa deveria levantar a cabeça e ter os pés bem assentes no chão. Esse refrão é mais usado para as derrotas. Mas disse que a equipa queria continuar a crescer!... Não saem disto estes limitados jogadores portugueses. Sempre que vêem um microfone ou uma câmara à frente, lá vem a ladaínha do costume. Nunca mais ninguém lhes ensina que devem falar como as pessoas normais, usando expressões normais, como se estivessem a falar com um amigo, em volta de duas bicas mal cheias...
O que eu gostaria de ter ouvido Rui Patrício dizer, seria uma coisa parecida com isto: defrontámos um adversário que nos poderia ter causado dificuldades, tivemos a sorte de fazer um golo bem cedo, acalmámos e fizemos uma razoável primeira parte e até acabámos por fazer um segundo golo que nos deu mais confiança ainda. A segunda parte não foi tão boa como a primeira, mas conseguimos o mais importante que era a vitória. Voltei a cometer um erro de palmatória, para o qual já estava prevenido, mas na hora da decisão falhei de novo. Posso prometer aos adeptos que tentarei não voltar a dar-lhes mais motivos de preocupação. E pronto, despedia-se do repórter, ia à sua vidinha e não repetia as alarvidades e lugares comuns do costume. E todos nós lhe perdoávamos o erro e não ficávamos constrangidos com a pobreza franciscana das suas palavras...
Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O meu grande amor, SPORTING !!!...

Não foi um jogo fácil, mas a vitória do Sporting não sofre a mínima contestação, o resultado também não e os sportinguistas podem começar a pensar no amanhã.
O jogo de hoje em Zurique trouxe-me uma alegria contida, muitas e agradáveis certezas e um perfume do que poderá vir a ser uma grande equipa.
A alegria de uma vitória que se começou a desenhar muito cedo, mas exactamente num momento do jogo em que muitas coisas se decidem. A alegria do segundo golo, mais uma vez num momento do jogo em que era preciso afirmar claramente ao adversário, que o Sporting estava ali para ganhar o encontro. Ainda por cima resultou de uma jogada magistral, porventura a melhor de todo os 90 minutos, com a equipa do Sporting e em particular os jogadores que nela participaram, a mostrar como deve ser feita  uma jogada de ataque, com todo o mundo a correr e a posicionar-se no lugar certo e no momento certo.
A primeira agradável certeza, a de que Rinaudo é um monstro sagrado que nos entrou pela porta dentro. Um exemplo de classe, de esforço, de dedicação, de devoção e de glória, um verdadeiro leão, como acertadamente referiu o locutor de serviço da SportTV. Vou ter muita pena de ver Fito Rinaudo partir para outras paragens, no final da época que ainda agora começa. Mas os grandes clubes europeus não são cegos e muito menos estúpidos e hão-de encontrar os 25 M€ necessários para pagar a cláusula de rescisão do argentino. A menos que muito depressa, numa jogada que costumamos ver desenvolvida mais a Norte, o seu contrato seja renegociado, os seus vencimentos aumentados e a danada da cláusula passe para o dobro, no mínimo. É uma delícia ver Fito com a camisola do Sporting!... E eu sinto-me particularmente feliz, porque desde que o seu nome foi anunciado como eventual contratação do Sporting, fui capaz de descortinar, através de dezenas e dezenas de vídeos que apreciei por tudo quanto é internet, a pérola que se encaminhava para Alvalade. Ainda por cima Rinaudo não é só o atleta que todos temos oportunidade de apreciar a evoluir nos relvados. Rinaudo é um Homem na verdadeira acepção da palavra. Ele deu um dia a sua palavra de que viria para o Sporting e cumpriu, porque é isso mesmo, um grande, grande homem!...
A segunda agradável certeza, a de que o Sporting tardou em contratar um defesa esquerdo, mas acertou rigorosamente na "mouche"!... Emiliano Insúa não engana ninguém. E no jogo de hoje colocou em campo todos os atributos que hão-de fazer doer as mãos a todos nós sportinguistas, de tanto o aplaudirmos. E ainda é o seu segundo jogo...
A terceira agradável certeza, a de que o avançado de nome difícil que o Sporting foi buscar à Holanda por uma pipa de massa, é um verdadeiro cubo de gelo: uma oportunidade daquelas que jamais se devem perder, corresponde, nos pés de Ricky Wolfswinkel a golo! E mais nada, pronto!... E como nós andávamos sedentos de ter um jogador assim no nosso plantel: no sítio certo, à hora certa e ... é golo caramba! Nem ao lado, nem por cima, nem para as mãos do GR que, mesmo que ainda toque na bola não impede o destino fatal da redondinha que saia dos pés de Ricky. E vão 2 golos em 2 jogos!...
A quarta agradável certeza, a de que o banco fez muito bem a Schaars. Domingos acertou em cheio e como não fala holandês, disse-lhe na única linguagem universal que todo o jogador entende, que tinha de ser mais consistente, mais competitivo, mais agressivo, mais assertivo... E Stijn, hoje, foi isso tudo!... Já não há dúvidas em nenhum sportinguista: bolas paradas são para os pés do... "cheers" como diria o outro palerma do Trio de Ataque, "skárs" como todos os sportinguistas já se habituaram a dizer!... É que ele fala com a redondinha e diz-lhe, diz, diz, que eu hoje bem ouvi, para onde ela deve ir, direitinha: para a cabeça mortífera de um jogador leonino que esteja com fé. E pronto, é golo!... Hoje foi para Insúa, amanhã será para outro, vão ver...
A quinta, sexta, sétima e por aí fora até à décima quarta certeza, a de que Domingos Paciência já entrou em velocidade de cruzeiro e sabe, rigorosamente, repito, rigorosamente, quem deve colocar no terreno em todos os jogos que o nosso Sporting terá no futuro. Vai ser só ganhar daqui para a frente?!... Claro que não: hão-de vir jogos menos conseguidos, alguns empates e derrotas que a nossa garganta engolirá com muita dificuldade. Mas Domingos e os homens que comanda, estão no caminho certo e não merecem, seja em que circunstâncias for, que algum sportinguista, que se julgue digno de o ser, troque o apoio, o incentivo, o aplauso, o estímulo, por despropositados e negativos assobios ou vaias que nos envergonhem a todos. Sei, de um saber sportinguista, feito de experiência e de amor ao nosso clube, que esse tempo não cabe mais no nosso seio. Hoje foi a confirmação por que esperava há tanto tempo. A partir de hoje hei-de assobiar e patear os meus irmãos assobiadores que volte a encontrar em Alvalade. Palavra de leão!!!...
O perfume de uma grande equipa, que o meu sportinguismo conseguiu ver hoje em campo, não foi intenso, não foi permanente, nem me fez espirrar com a pituitária irritada. Foram "nuances", "flashes" quase instantâneos, que me fizeram acreditar que, com Elias que fomos obrigados a deixar em Lisboa e com o tempo que outros Elias ainda necessitam, ainda esta época assistiremos ao "futebol à Sporting" de que há tanto andamos arredados.
Uma nota final para Rui Patrício. Tanto hoje como em Paços de Ferreira, a apreciação técnica que fez dos lances que todos sabemos, está correcta. Em nenhum dos casos, na minha modesta opinião e mesmo com os óculos progressivos que uso, se tratou de atrasos ao guarda-redes. O Rui só errou, porque acima da sua apreciação técnica, estará sempre a apreciação - certa ou errada - do árbitro presente no jogo e muito acima de tudo o que alguém possa ou não entender, estarão sempre os superiores interesses do Sporting Clube de Portugal. Rui Patrício terá esgotado hoje, definitivamente, o benefício da dúvida de todos os sportinguistas. Depois destas suas duas decisões erradas - não estão em causa os erros dos dois árbitros que assinalaram as pseudo-infraccções - nunca mais Patrício poderá agir de modo igual! A partir de agora, quando tiver a mais pequena réstea de dúvida, despacha para longe a pontapé e assunto arrumado!...
A todos os que me vão ler, eu peço desculpa pela extensão do post que já de seguida publicarei. Mas o meu sportinguismo impunha que dissesse o que acabo de dizer. Do vosso falarão vocês todos e aceitarei com "fair-play" leonino, todos os comentários condenatórios que entenderem dirigir-me. Perdoem-me, mas antes de todos vocês, está o meu grande amor: SPORTING!!!...
Leoninamente,
Até à próxima

Uma vitória, mesmo que seja magrinha !...

Bem pregava Pimenta Machado do alto do "seu" castelo: no futebol, o que hoje é verdade amanhã é mentira!... Afinal Rinaudo pode jogar logo mais à tarde e Rodriguez também estará  fisicamente apto. Entre a penitência que sou obrigado a fazer e o afastamento destes dois importantes jogadores da equipa que ao fim da tarde vai defrontar o Zurique, prefiro mil vezes a primeira e o conforto de saber que teremos um Sporting a 100 por cento.
As especulações que me induziram em erro, não passavam disso mesmo: especulações de uma rádio que julgava credível, mas onde de vez em quando aparecem uns papagaios a tentar adivinhar coisas. E, como diria o outro, o burro sou eu?!... Claro que sou!... Já tenho idade para não ir em cantigas. Mas que querem, fiquei para morrer e com a Lei de Murphy a atenazar-me o juízo, foi fácil de admitir mais esses dois azares para o Sporting. Pronto, está tudo bem, os rapazes vão jogar, que joguem bem e toda a dissertação do post anterior, não sendo válida para hoje, seguirá andando por aí como aquele político que todos conhecem. É que não é de todo pacífico que a situação em que hoje me deixei induzir, não venha, num futuro mais ou menos próximo, a verificar-se efectivamente.
A convocaçao de André Martins é que é mesmo real. O rapazinho lá partiu para a Suiça como todos os outros e só Domingos Paciência saberá porquê. Logo, sentadinho em frente do televisor, é que irei ver as razões. Porque de especulações que já andam por aí, nem vos quero contar. Para o peditório da tal de penitência, já dei hoje a minha parte. Já não tenho mais trocados no meu porta-moedas.
O que eu quero mesmo, é ver o meu Sporting mais logo fazer um bom jogo e, se possível, regressar a Portugal com uma vitória, mesmo que seja magrinha, magrinha!... 
Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Quem tem medo, compra um cão !!!...

Há em mim um ligeiro acréscimo de preocupação, relativamente àquela que expus no post anterior, face aos novos dados que hoje recolhi nos orgãos de comunicação da especialidade, no que às dificuldades que o jogo de amanhã coloca ao nosso Sporting.
Em primeiríssimo lugar, Rinaudo não poderá estar presente na Suíça, por impedimento disciplinar. Foi um  pormenor que me escapou completamente e do qual me penitencio. Presumo que tal se tenha ficado a dever à acumulação de cartões amarelos nos dois jogos do "play-off", que disputámos com o Nordsjlland e, meus queridos amigos sportinguistas, do meu ponto de vista é uma baixa de tombo! Naturalmente André Santos assumirá o lugar - presumo! -, mas Rinaudo empresta outra dimensão à equipa, é mais completo e tem o dom de empurrar a equipa para a frente. André viciou-se nas lateralizações e nos atrasos e ainda não transporta dentro de si aquela mística que os campeões exibem. É um espectacular jogador e será amanhã o sucessor natural do argentino, mas ainda terá muito para aprender com ele. De qualquer maneira, é exactamente para isso que faz parte do plantel leonino. para substituir Rinaudo ou qualquer outro dos três do meio campo, quando as lesões ou outros impedimentos o exigirem. Desejo-lhe a melhor das sortes, para ele e para a equipa com ele.
Em segundo lugar, acabo de ouvir na Antena 1 que algo de índole física se estará a passar com Rodriguez, que o poderá impedir de jogar em Zurique. A casa não cai com mais esse abanão. Polga será, quanto a mim, o substituto natural, estando Daniel Carriço sempre fora de questão. Em última instância, preferiria mil vezes lançar às feras o "puto" Tiago Ilori. Carriço não tem e duvido que alguma vez venha a ter, atributos para desempenhar o papel de central. É uma questão para Domingos Paciência resolver e espero que resolva bem.
De qualquer modo, uma dúzia de dias depois do mercado fechar, as recidivas sistemáticas de Rodriguez começam a ser preocupantes e descoroçoantes. O Sporting, sendo ou pretendendo vir a ser rapidamente, uma equipa para ocupar o topo da hierarquia do futebol português, não pode estar dependente das irregularidades físicas ou de forma de um atleta com a importância sectorial do jogador que fomos buscar a Braga, onde já exibira esse tipo de debilidades. Talvez por isso rconhecer, Domingos Paciência quis que Tiago Ilori permanecesse ligado ao plantel principal. Se assim for, em vez de ter receio e viver carregado de medos e fantasmas, que lance Tiago para a fogueira, porque só no crepitar das chamas o "puto" se fará homem. Pode cair hoje aqui, mas levantar-se-à amanhã acolá. É com as dificuldades que se cresce. O grande Vitor Damas - a nossa saudade fez ontem oito anos!-, ainda mais novo que ele e num lugar muito mais difícil e complicado, foi atirado para o lume e todos nós sabemos que nem sequer se chamuscou. Dirão muitos que Damas só houve um! Eu perguntarei se haverá algum sportinguista que possa garantir que Tiago Ilori não será outro Damas?!...Porte atlético e classe ele tem. Faltar-lhe-à a maturidade e a experiência. Pois então que o empurrem, em vez de o deixarem, carregadinhos de medos e fantasmas, consumir os melhores anos no banco.
E meus queridos amigos, em verdade vos digo, se nos próximos três meses, Rodriguez continuar a oferecer à equipa as limitações até agora exibidas, se Polga porventura vier a confirmar que os anos não perdoam, se Tiago Ilori eventualmente falhar uma duas, três ou quatro vezes as oportunidades que lhe possam ser oferecidas e se o dinheiro disponível não for suficiente para trazer um poderoso reforço em Janeiro, o Sporting tem, espalhado por esse mundo de Cristo, um naipe enorme e categorizado de "putos" que formou e que muito geito vão dando aos clubes onde foram colocados, até muito particularmente a Ilídio Vale, ainda há bem pouco tempo. Perguntem-lhe ?!...
Até aqui em casa, a minha mulher é avessa às receitas novas que recomendam uma primeira cozedura antes de ir ao forno. Diz ela que o que tem de ser assado, porque se coze primeiro?!... O melhor é ir logo para o forno, bem temperado e cuidado!... Domingos Paciência e os homens fortes da SAD, têem de deixar de permitir que o medo os invada. Se outro remédio não houver, que comprem um cão!!!...
Leoninamente,
Até à próxima


Abrenúncio, "vade retro" Satanás !!!...

Amanhã em Zurique vamos ter um jogo complicado, mas prevejo que possamos assistir a bom futebol. Os suiços, exibindo tradicionalmente os cuidados defensivos celebrizados pelo ferrolho helvético, não se valem dos famigerados autocarros utilizados pelos técnicos de, pelo menos, dez equipas da I Liga portuguesa que, de há quase duas décadas a esta parte, vem desvirtuando e ferindo de morte o futebol português. Com o aplauso generalizado da crítica da especialidade, vão-se colocando nos cornos da Lua os técnicos portugueses e elogiando os pontinhos conseguidos com os repetidos empates. Para a quase generalidade dos jornalistas desportivos o elogio que tecem a qualquer sistema ultradefensivo deixa a perder de vista os encómios dirigidos a uma equipa equilibrada que cumpra os objectivos do jogo. Bem ao geito dos árbitros que temos que, na dúvida sobre um fora de jogo, protegem sempre a equipa que defende.
Recentrando a minha ideia inicial, anima-me a forte esperança de ver Domingos Paciência utilizar na Suiça, o mesmo onze com que conseguiu sair de Paços de Ferreira com uma vitória, ressalvando naturalmente a substituição de Elias, cuja presença está vedada pelos regulamentos da UEFA. Será, na minha opinião, uma oportunidade - mais uma?!... - para Matias Fernandez dizer de sua justiça, se pretende sair do anonimato e do comodismo por onde tem andado perdido, ou se lhe basta treinar, fazer uns meínhos e receber o ordenado ao fim do mês. Se eu estivesse no lugar de Domingos dificilmente lhe voltaria a abrir as portas da titularidade, caso ele voltasse a repetir Aveiro.
Ontem assisti, no programa Trio de Ataque da RTPN, à apresentação da eventual constituição da equipa do Sporting, segundo a perspectiva de ROC, comentador residente afecto ao nosso clube, para o jogo de 5ª feira. E um arrepio percorreu o meu corpo, ao deparar com a inclusão de Polga e Carriço no centro da defesa!... Não pela ideia peregrina do senhor das sondagens - o tal do "chapéus há muitos, seu palerma"! -, mas pelo receio que me assaltou de que Domingos Paciência estivesse a ver o programa e pudesse, de alguma forma, ser tão negativamente influenciado.
Confessando as minhas limitações - ou presunções?!... - no campo das tácticas, dos movimentos, das transições e do jogo entre linhas, digo de forma pragmática e sem adornos e floreados, que colocaria a jogar de início os mesmos que terminaram o jogo no rectangulo verde da Mata Real, com a já citada substituição de Elias por Matias. E mandava às malvas a opinião de todos os ROCs do nosso querido mundo sportinguista. É que já não tenho pachorra para suportar mais alterações. Esgotei a minha capacidade com um tal de "PalSerge" e não sei se conseguirei manter o plasma ligado, se voltar a ver Domingos enterrar-se até ao pescoço. Abrenúncio, "vade retro", t'arrenego Satanás!!!...
Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Ricardo Carvalho: um ano de suspensão!...

Era o mínimo que os quase despejados dirigentes da Federação Portuguesa de Futebol poderiam fazer, face à deserção de Ricardo Carvalho do estágio da selecção nacional portuguesa de futebol. Um ano de suspensão e a perda de todos os prémios pelo presumível apuramento de Portugal para o Euro 2012.
Tenho a convicção de que esta penalização não abrangerá a actividade do jogador no seu clube actual, tanto nas competições espanholas, com nas competições da UEFA onde o Real Madrid se apresente, o que, do meu ponto de vista, também acho correcto. O próprio seleccionador nacional Paulo Bento, tinha dado a entender isso precisamente, quando se referiu às consequências a nível internacional de uma eventual penalização do jogador.
As habituais contemporização e branqueamento dos orgãos federativos, em tudo o que diga respeito à disciplina, foram agora substituidos por mão pesada, do meu ponto de vista, absolutamente compatível com a atitude do jogador. É o canto do cisne desses senhores e a tentativa de amenizar o julgamento que a história inapelavelmente irá fazer da sua passagem pela Praça da Alegria.
Leoninamente,
Até à próxima

Para sempre, com o nosso Sporting !!!...

Quando um homem e uma mulher, que constituiram família com amor e respeito mútuo, que viram nascer e crescer os filhos e que construiram e consolidaram um património material e social comum, constatam o aparecimento de nuvens carregadas que prenunciam os esfriamento da sua relação e um inevitável fim do seu matrimónio, conversam civilizadamente e sobrevem o divórcio. É a lei da vida e um lugar comum na sociedade de hoje.
Mas este desfecho, pode ser também o epílogo de muitas outras relações entre um homem e uma mulher, com percursos completamente diferentes, com razões de base não obrigatoriamente coincidentes e com decisões que se afastam completamente da civilidade. Continua a ser a lei da vida e o nosso mundo está repleto de exemplos desta natureza.
As pequenas e grandes instituições da mais variada índole, que suportam as sociedades e as nações deste mundo global que nos envolve, sendo sempre resultado de um casamento quase perfeito entre um ideal que as faz nascer e um percurso que, mesmo sendo sucessivamente vivificados com a sementeira de novos objectivos, acaba inexoravelmente por sofrer a erosão natural do tempo e terminar em divórcio ou extinção pura e simples.
A história centenária do Sporting Clube de Portugal foi o resultado de um feliz e prolífero casamento, entre um ideal sublime e a prossecução de objectivos gloriosos, num percurso que enobrece os seus fautores e orgulha os seguidores que, hoje por hoje, constituem a grande nação sportinguista.
Mas como em todos os grandes impérios ao apogeu se seguiu a queda e em muitos e felizes casamentos a felicidade deu lugar ao divócio, no Sporting Clube de Portugal, ao apogeu alcançado nos tempos do melhor presidente da sua história, que foi o senhor João Rocha, seguiu-se um espaço temporal carregado de vicissitudes e fugazes e efémeras glórias que, não conduzindo a instituição para a queda que adversários e inimigos desejariam, a empurraram inexoravelmente para um doloroso e infeliz divórcio. Não com o passado que nos orgulha a todos e é o alimento da nossa eterna paixão. Mas com o passado recente, com esse espaço de tempo que nos trouxe desde o afastamento do nosso querido e saudoso presidente João Rocha, até aos tempos de hoje e que, simbolicamente, todos os sportinguistas apelidam de "era Roquette", se bem que tenha começado bem antes desse senhor entrar no clube e ainda não se saber muito bem se já terá terminado.
O nosso Sporting parece estar a acelerar o seu processo de divórcio com esse passado recente. Luis Duque afirmou ontem, de modo enfático e peremtório, que estamos a cortar com esse "sportinguezinho do passado", que não incomodava ninguém e era considerado por poucos como um grande. E adiantou ainda, que o Sporting quer levantar a cabeça e renascer. É isso, o nosso Sporting quer divorciar-se desse humilhante passado recente, quer construir uma nova vida, como avisadamente todos os recém-divorciados desejam construir, libertos do passado, libertos dos traumas que lhe trouxeram a infelicidade e a desilusão.
Pode o processo doer muito, pode até demorar mais do que aquilo que a nossa dor e desilusão desejariam, mas os nossos olhos não podem mais olhar para trás. O ontem é letra morta, temos que o enterrar definitivamente e bem fundo. Mas o amanhã, que todos nós o consigamos interiorizar, não está ali, à nossa frente, ao virar da esquina. Nem sequer ainda sabemos se o lider que escolhemos será capaz de levar essa missão a bom termo. Ou se seremos obrigados a escolher um outro, que corrija o nosso rumo e nos coloque com os dois pés no patamar que todos desejamos. De uma coisa estou certo, seja qual for o caminho que tenhamos que percorrer, estará recheado de pedras e escolhos e os nossos pés estão quase nus, os nossos sapatos estão esfarrapados. E não é com pateadas ou assobios que ajudaremos, antes dobraremos a nossa desdita. É cerrando os dentes, abafando a dor e caminhando todos para o mesmo lado!... Como leões autênticos que somos e queremos continuar a ser!... Para sempre, com o nosso Sporting!!!...
Leoninamente,
Até à próxima 

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Levou p'ra contar essa escumalha !!!...

Como era de esperar, a vitória do Sporting em Paços de Ferreira, incomodou muita gente!... O plano delineado pelo sistema que comanda e governa este pobre futebol português, depois de nas primeiras três jornadas ter colocado o "clube dos lagartos" - como acintosa e desrespeitosamente essa escumalha nos designa, nela se destacando um parvo jornalista de profissão a vegetar na SIC e de nome Cancela - a um passo da linha de água, tinha desenhado uma derrota concludente que teria o objectivo de atirar Domingos Paciência para muito longe de Alvalade e o Sporting para as profundezas dos infernos, em cujo limiar tem andado, penosamente e em grande parte por culpas próprias, nos últimos anos.
O desiderato não foi conseguido. No meio de roubos, azares e erros próprios, os leões que estiveram em campo e no banco, levantaram-se das cinzas, destruiram o caixão que já estava alinhado na linha lateral da Real Mata e em 10 minutos destroçaram o maquiavélico plano.
Mas o sistema não brinca em serviço. Desmontado leoninamente o Plano A, eis que surge de imediato o Plano B, dado à estampa pelo inenarrável pasquim Correio da Manhã. O alvo foi, como não podia deixar de ser, o principal mentor do futebol sportinguista e braço direito do presidente Godinho Lopes na SAD respectiva, Luis Duque. O "crime" que o pasquim imputou ao homem, foram os chorudos vencimentos que auferiria, como se isso, se correspondesse à verdade, fossem contas do rosário de toda essa gentalha. O que Luis Duque ganha ou deixa de ganhar, caberá sempre e exclusivamente, aprovar, reduzir ou aumentar, conforme melhor o entenda, a todo o glorioso universo sportinguista, constituído pela mais fantástica, esclarecida, fiel e paciente massa de sócios adeptos e simpatizantes do mundo. Repito, esta matéria não faz parte das contas do rosário de pasquins como o Correio da Manhã e outros contribuintes do sistema!...
Luis Duque, ele próprio, disse o que tinha a dizer, ou melhor, o que entendeu que deveria dizer. Não em geito de defesa, mas apenas em tom de esclarecimento. Como militar experimentado nesta abominável luta de guerrilha, pegou na granada que insidiosamente tinha sido atirada para junto dele e, como autêntico campeão de lançamento de peso, igual aos melhores que no Sporting honraram a gloriosa camisola das listas verde e brancas, arremessou-a para o campo inimigo. Ah leão !!!...
Mas os leões são animais sem paralelo na Natureza. Por cada leão atacado, outro leão acorre, solidário e amigo, pronto para escorraçar o agressor. Desta vez foi Rui Calafate, com quem se pode muitas vezes não concordar em algumas das vertentes da causa leonina, mas que mostrou a sua solidariedade e companheirismo leonino. Leiam o que escreveu aqui e digam-me depois se não é de ter orgulho nesta fantástica família sportinguista. Levou para contar essa escumalha !!!...
Leoninamente,
Até à próxima
P.S. - A Sporting SAD, acaba de emitir um comunicado que poderá ler aqui, sobre as atoardas lançadas sobre si pela escumalha do costume.

domingo, 11 de setembro de 2011

A excelência vem do trabalho !!!...

Ao que noticia o site do Sporting Clube de Portugal, Domingos Paciência ministrou hoje na Academia e logo pela manhã,  um treino de recuperação e manutenção fisicas, para todos os elementos constituintes do plantel, embora com abordagem diferente para os que ontem jogaram em Paços de Ferreira.
Como principal novidade, destaque-se a integração plena de Matias Fernandez, dado como clinicamente recuperado da lesão muscular que o apoquentava desde o jogo com o Beira Mar. O chileno terá agora de trabalhar afincadamente para recuperar o seu lugar no onze titular do Sporting, o que de todo não se afigura fácil. Em épocas anteriores, Matias era, muito provavelmente, o jogador com mais atributos técnicos de todo o plantel, apesar de nunca ter verdeiramente assumido o papel que a sua qualidade lhe atribuia. Agora, com a chegada de novos companheiros que, em quantidade e qualidade, lhe disputarão o estatuto anterior e perante a inconstância da sua prestação anterior, terá de atingir e manter condições fisícas e técnicas que igualem ou superem as que os seus companheiros de função apresentam, de modo a convencer Domingos Paciência das vantagens da sua utilização. É a lei da concorrência, de que naturalmente sairá a ganhar o Sporting.
Este treino hoje realizado, confirma uma nova realidade trazida por Domingos Paciência para o Sporting. Parece terem acabado definitivamente os tempos do facilitismo e da permissividade em termos de trabalho nas oficinas da Academia. Desde os já remotos tempos de Paulo Bento e muito particularmente sob o consulado do famigerado Paulo Sérgio, que as cargas de trabalho eram um quase divertimento colectivo, recheadas de "meínhos", "slalons", "gincanas" e "rally-papers" que depois se refletiam na confrangedora capacidade física que a equipa revelava, em que apenas resistia aos primeiros 30 minutos de cada jogo, seguindo-se invariavelmente, 60 minutos de penosos arrastar de chuteiras pelo campo e de sucessivos calvários dos adeptos acompanhantes da equipa ou dos sofridos espectadores que à distância assistiam desiludidos a tanta incompetência.
Não são ainda do conhecimento da grande maioria dos adeptos sportinguista, o grau de exigência, a intensidade e o tempo com que são ministradas as cargas físicas que Domingos Paciência e a sua equipa técnica  aplicam ao plantel. A reserva e a privacidade que o técnico vem impondo é mais do que compreensível nestes novos tempos, em que a espionagem desportiva atinge proporções impensáveis há meia dúzia de anos atrás. Mas o treino de hoje, decorridas pouco mais de 12 horas após o jogo de ontem, é suficientemente sintomático de um novo tempo em Alvalade.
Falta entrosamento?!... Há que treinar para o conseguir. Falta conhecimento mútuo das características de cada um?!... Há que treinar para que venha depressa esse conhecimento. Falta entrosamento táctico, a expressão consistente de um fio de jogo e o enraizamento de processos?!... Há que treinar, há que trabalhar, há que insistir e repetir uma, duas, três ou as vezes que forem precisas, para que tudo isso seja conseguido. Há que trabalhar uma, duas, três, quatro ou cinco horas em cada dia ou as que se revelarem necessárias. Os trabalhadores nos campos, nas fábricas, nos escritórios, nas grandes superfícies comerciais, nas escolas, nas universidades, nos hospitais e por esse país fora trabalham seis, sete, oito, nove e dez ou mais horas por dia  e ganham cinquenta, oitenta ou mesmo cem vezes menos que os felizes jogadores do Sporting Clube de Portugal. E ainda há-de sobrar tempo suficiente para dedicar às famílias e ao lazer de cada um. E as folgas, naturais e compreensíveis, hão-de ser fixadas, tendo sempre em conta e em primeiro lugar, os superiores interesses do colectivo de jogadores e do clube que representam e que pontualmente lhes paga.
Trabalho, trabalho e ainda mais trabalho!... Só o trabalho nos leva ao sucesso. Só o trabalho elimina os vícios naturais do género humano. Só o trabalho formata o indivíduo para a superação que o mundo de hoje nos exige. Sem trabalho jamais nos afastaremos da mediania. E os jogadores que envergam a gloriosa camisola do Sporting Clube de Portugal estão obrigados a compreender que a grandeza do clube que representam lhe exige bem mais do que um padrão mediano, do que uma classificação suficiente. O objectivo é a excelência e essa só o trabalho permite alcançar!...
Leoninamente,
Até à próxima

Para o Sporting, tolerância zero !!!...

O jornalista que acompanhou e relatou a transmissão que a TVI efectuou, do jogo que o Sporting disputou ontem em Paços de Ferreira, afirmou por diversas vezes aquilo que a qualquer espectador atento e sério pareceu óbvio: Paulo Batista utilizou neste jogo um critério de tolerância zero em todos os lances em que julgou a intervenção dos jogadores do Sporting, o mesmo não acontecendo quando se tratou de julgar os lances em que intervieram os jogadores pacenses!...
Foi assim que marcou o livre indirecto de que resultou o primeiro golo do Paços de Ferreira: Rodriguez na ânsia de aliviar a bola para longe da baliza, acabou por ver sair do seu pé uma valente rosca que levaria a bola a sair pela linha final, não fosse Rui Patrício deslocar-se nessa direcção e apanhá-la, evitando o pontapé de canto. Era exactamente isso que PB esperava para marcar livre indirecto a escassos metros da baliza e que resultou em golo. Ou me engano muito ou já vi este filme aqui há uns anos num Porto-Sporting!... Calha sempre aos mesmos.
E foi assim também que cerrou as pálpebras a uma entrada violenta de um jogador pacense sobre Rinaudo, aplicando os pitons na coxa do argentino e que lhe deveria ter valido imediata ordem de expulsão. Para azar de PB, pouco tempo depois a cena repete-se sobre outro jogador do Sporting e, como pareceria mal, porque a primeira cena ainda estava fresca, lá teve o pobre do árbitro que sacar da cartolina amarela e mostrá-la ao jogador do Paços. Como era a segunda vez, viu-se obrigado a expulsar o jogador por acumulação de amarelos.
Está na cara que a APAF, obrigada a meter a viola no saco no caso da recusa dos árbitros aos jogos do Sporting, concertou com todos os seus associados uma estratégia inteligentíssima e paradigmática do tipo da árbitros que vegetam no futebol português: arbitrar os jogos do Sporting, porque não há outro remédio, mas submeter o clube à tolerância zero.
Nem sabe o jornalista, ao tecer tal comentário, o que a APAF lhe reserva.
E nem imaginam todos os comentadores, analistas desportivos e ex-árbitros que torçam o nariz aos três penalties da Luz e tenham a coragem de dizerem o que pensam. A gloriosa APAF, qual leoa assanhada em defesa da sua prole, há-de derretê-los nos quintos dos infernos.
Por isso, bem avisados andaram os jogadores leoninos, que mesmo sofrendo na carne as consequências desta tolerância zero ora decretada, marcaram mais um golo que o adversário. É que parece que, independentemente daquilo que o árbitro fizer, quem marca mais um golo que o seu adversário, ganha e averba três pontos!... Ah, grandes leões !!!...
Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 10 de setembro de 2011

A ferros e com sangue, suor e lágrimas !!!...

Quase não tenho palavras para definir o meu estado de espírito neste momento. Mas acho que devo pelo menos, imitar os bravos leões que estiveram hoje em Paços de Ferreira. Como Domingos Paciência tem dito recorrentemente, parece que tudo de mal acontece a esta equipa. Apetece-me dizer, para reforçar as suas palavras, que a lei de Murphy não larga o Sporting.
Parece que Domingos e os jogadores leram o que ontem escrevi aqui. Domingos quase colocou em campo a equipa que eu vaticinei. Apenas meteu duas pequenas nuaces à moda dele, que depois se viu obrigado a corrigir com as substituições que fez. Os jogadores, terão compreendido finalmente que só a ferros e com sangue, suor e lágrimas, poderiam trazer 3 pontos de Paços.
Amigos sportinguistas, pese embora no nosso seio existirem opiniões diferentes que serão naturalmente tão respeitáveis como a minha, penso que nos 14 jogadores hoje utilizados por Domingos Paciência estará, quase obrigatoriamente, o onze base que  terá de utilizar ao longo do campeonato, mexendo o menos possível, aprimorando em cada semana o necessário entrosamento e corrigindo os erros que em cada jogo forem sendo cometidos.
A melhor defesa que o Sporting possui, foi hoje colocada em campo. Com erros aqui e ali - aquele segundo golo do Paços ainda me dói !... - mas a reacção nas bolas paradas foi hoje completamente diferente. E Insúa fez o primeiro jogo, Onyewu o segundo e Rodriguez o terceiro. Quando se habituarem uns aos outros, estou em crer que os sobressaltos e o sofrimento usuais nos 90 minutos de cada jogo, nunca mais voltarão.
A linha média com Rinaudo é outra coisa. O Sporting não se pode dar ao luxo de prescindir da valia e categoria de Fito  e muito menos da dinâmica, força e garra que coloca em campo e dos empurrões permanentes para a frente a que submete os seus companheiros. Nada de lateralizações permanentes e atrasos consecutivos, para a frente é que é o caminho. Sempre o disse e o tempo deu-me razão! André Santos - com todo o enorme potencial que já revela - que ponha ali os olhos e que aprenda, porque ainda terá de comer muito sal para chegar aos calcanhares do argentino. Mas que aprenda depressa, porque pode ser necessário já amanhã e a equipa não se pode ressentir, se isso acontecer depressa, caso a sua aprendizagem for demorada.
Schaars e Pereirinha não jogaram mal, mas terão de evoluir um pouco mais. Para serem titulares no Sporting terão de subir mais alguns degraus, na agressividade, na raça e na garra com que terão de se bater. Porque serão precisos, mais cedo ou mais tarde. A época é longa.
Elias jogou o seu primeiro jogo. Não conhece ninguém, nem ainda percebeu o futebol que Domingos pretende implantar. Não jogou mal e até marcou um golo importante, mas quando sentir a segurança que é ter Rinaudo nas costas e se aperceber que é um pouco mais à frente que o Sporting necessita que ele jogue, vai ser um furor, porque está ali um grande jogador.
Izmailov não sabe jogar mal, mas hoje notei-lhe muita indecisão. Precisa de se habituar a Elias para não pisar os mesmos terrenos e isso só se conseguirá com treinos, treinos e mais treinos.
Capel parece ser do Sporting há muito tempo e transporta dentro de si uma mística e uma garra semelhante à de Rinaudo. Está e estará de pedra e cal na extrema esquerda.
Bojinov foi o que teve a prestação menos conseguida. Domingos terá de estudar profundamente o atleta e o homem, porque me dá a ideia de que, sendo bem perceptível o seu valor, faltará por ali qualquer coisa.
Rubio já conhecíamos melhor e repetiu o que de bom já lhe víramos fazer. Está a crescer e estou certo de que muitas alegrias nos dará num futuro bem próximo.
Wolfswinkel marcou hoje o primeiro golo oficial pelo Sporting e eu fiquei a apreciar a alegria com que o festejou. Penso que este golo o colocou como titular na equipa. É frio e assertivo na área e na hora da verdade. E Domingos não vai desperdiçar um jogador destes.
No "flash-interview" do final do jogo, Domingos Paciência disse que o sofrimento provocado por esta vitória arrancada a ferros, terá sido a melhor coisa que poderia ter acontecido a esta equipa. Ele saberá muito bem porque fez tal afirmação. Mas eu suspeito que o que hoje aconteceu, já foi por ele previsto e repetido dezenas de vezes nas palestras habituais. Faltava a realidade dar-lhe razão, por isso Domingos estava duplamente feliz: pela vitória que lhe trouxe tempo e calma para continuar a trabalhar e pela contribuição que o jogo lhe ofereceu no fortalecimento da base psicológica com que desejará apetrechar os seus homens.
Mas Domingos Paciência, para além disso, nem sonha a alegria que esta vitória sofrida, arrancada a ferros e com sangue, suor e lágrimas, trouxe ao fabuloso universo leonino !!!...
Leoninamente,
Até à próxima 

PUBLICIDADE