terça-feira, 25 de abril de 2017

Porca miséria!...



Ainda hão-de sobrar para o Sporting as culpas da deselegância e da falta de respeito para com o dono da casa, o Sporting e para com Jorge Jesus, o Marquês, patenteadas pelo presumido "sonso silencioso" em pleno auditório Joaquim Agostinho!...

Ainda estaremos muito provavelmente condenados a assistir a que apareça por aí um "bernardo" qualquer a acusar o Sporting de ter mandado instalar, espalhados por todo o auditório, microfones bem escondidos e dissimulados, para "apanhar as bacoradas" que o porco inevitavelmente debitaria, a partir do momento em que Lindelöf lhe aqueceu as costas, transformando em golo aquela "borla" de Soares Dias, quando decidiu marcar a "falta que nunca foi falta, nem ninguém viu"!...

E já ninguém terá dúvidas sobre o que acontecerá, num futuro próximo, ao "janela da cartilha", cuja defenestração obviamente estará iminente, por efeito das eufóricas consequências que o tetra determinará, tanto pelas poupanças que representará em termos de custos, quanto pelos óbvios benefícios que virão a ser alcançados em termos de salvaguarda da degradação de imagem a que a queda no domínio público da sua "gloriosa actuação" inevitavelmente teria de conduzir: depois de mastigado o "chiclete" é sempre para deitar fora!...

A partir de agora e com o tetra no bolso, "muammar" não precisará de intermediários para continuar a domesticar jornalistas!...

Porca miséria!...

Leoninamente,
Até à próxima

Há muita gente por aí que deveria ler o livrinho!...


Foi com estes dois ouvidos que a terra há-de comer que eu bem ouvi Nuno Espírito Santo atribuir parte da culpa do empate do Porto frente ao Feirense ao “medo” de os jogadores voltarem a nada ganhar esta época. 

E ninguém alguma vez me tirará da cabeça que terá sido o "terrível medo de falhar" que impediu nos últimos dois e decisivos dérbis de Alvalade, há um ano e agora, Bryan Ruiz e Bas Dost de darem ao resultado a expressão justa e concorrerem para que tudo fosse diferente!...

Jorge Silvério, mestre em psicologia desportiva e autor do livro “Como ganhar usando a Cabeça”, confirma que o medo pode bloquear o rendimento, algo que acontece porque dirigentes e técnicos negligenciam toda a preparação e treino mental dos atletas!...

Há muita gente por aí que deveria ler o livrinho!...

Leoninamente,
Até à próxima

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Mas a prática confirma-o todos os dias!...



Ao contrário do que uma enorme legião de citadores afirma a pés juntos, parece que não terá sido Albert Einstein a legar-nos este pensamento...

Mas a prática confirma-o todos os dias!...

Leoninamente,

Até á próxima

Uma questão de preço da honra e da dignidade!...




QUALQUER DIA

«Numa profecia condenada a autorealizar-se, muitos avisaram: "qualquer dia morre alguém por causa do ambiente em redor do futebol". Esse dia chegou (de novo) neste fim-de-semana.

Parte da explicação para o que se passou às portas de um Sporting-Benfica passa pela onda de violência verbal que hoje envolve o futebol, e que tem na mediatização imparável um rastilho relevante. Mas é abusivo estabelecer algum tipo de causalidade entre incontinência verbal e a morte de um adepto.

Um pouco por toda a parte, o futebol tornou-se o último reduto da pertença identitária e espaço para sentimentos excessivos, por definição irracionais. Precisamos disso, mas das paixões exacerbadas à violência o caminho é curto. Pelo que convém que as estradas estejam bem reguladas. Não estão.

É intolerável que dirigentes se entretenham a desculpabilizar os adeptos ultra dos seus clubes, porque os dos outros são piores. Não são. O que não impede de reconhecer que há níveis distintos de responsabilidade: não é a mesma coisa um presidente que se comporta como membro de uma claque e um presidente que finge que as claques podem estar fora da alçada do clube. Do mesmo modo que, como mostram exemplos de países que lidaram com a violência no futebol, é possível erradicar quase totalmente o fenómeno (por exemplo, irradiando adeptos dos estádios, sem complacência).

O que não é possível é um país ter no futebol uma indústria de sucesso, enquanto a imagem do desporto se degrada de forma inadmissível. O meu pedido como adepto incondicional é simples: aos dirigentes que ganhem juízo, às autoridades que tenham mão pesada com os prevaricadores.»
(Pedro Adão e Silva, A luz intensa, in Record)

Tão óbvio como Portugal ocupar o primeiro lugar no ranking mundial de "guarda-chuvas", com supremacia irrefutável da cor escarlate!...

Dizem que num país pobre como o nosso, será por falta de dotações orçamentais, que acabam por desaguar na falta de meios materiais e humanos, de esquadras, de tribunais, de cadeias até, mas ninguém acredita! Será, isso sim...

Uma questão de preço da honra e da dignidade!...

Leoninamente,
Até à próxima

Ai Jesus valham-te os deuses!...


SPORTING SEM TALENTO

«Foi um leão sem talento, sem classe, que vimos no sábado em Alvalade. Jorge Jesus regressou, há duas semanas, àquela cena da "elevada nota artística" das suas equipas e neste caso do Sporting, como se não fosse imperativo que assim se verificasse quando se tem pela frente equipas de muito menor dimensão. Conversas de entreter.

O grande teste, a nota artística, o talento e a classe de uma grande equipa define-se nos jogos de decisão. O Sporting falha sempre nesses momentos. Até dói. Como pode um clube ganhar troféus quando claudica nos confrontos do sim ou não? Não pode. Há mais de uma década que o Sporting anda nisto e nesta época assinou um dos seus piores desempenhos de sempre. Nos últimos 30 anos o Porto nunca tremia, nesta altura tem sido um par do Sporting na desgraça: quando pode chegar à liderança, naufraga. O Benfica agradece.

Neste dérbi, os leões, atacados pela velha e medonha tremedeira, não acertavam com os passes a meio campo e foi confrangedor ver a perda de bola segundos depois da redondinha estar nos pés dos jogadores do Sporting. O empate foi uma benção dos deuses.

Num embate em que os detalhes tudo definem, é incompreensível que os médios e defensores leoninos tenham caído no erro amador de faltas sistemáticas em zona central e em cima da área; uma, duas, três vezes até que o Benfica acertou com o golo. Os encarnados não cometeram uma única falta dessas, virtude do treinador do Benfica que soube preparar os seus jogadores para o que, num dérbi, não se deve fazer. Jorge Jesus engoliu de Rui Vitória, que desprezou, um baile de disciplina táctica. Não se ganham jogos nem troféus com discursos egocêntricos e desconchavados. No campo o Sporting foi uma equipa que não mostrou futuro, uma águia pequena deixou isso claro.»
(Alberto do Rosário, Bilhar Grande, in Record)


Não andará Alberto do Rosário muito longe da verdade! E quanto à luta que o Sporting, animicamente, deveria estar preparado para travar, ao menos pelo segundo lugar, o que seria estar agora apenas a três pontos de um Porto carregado de "sarampo"?!...

Ai Jesus valham-te os deuses!...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 23 de abril de 2017

"I rest my case"!!!...


«Tudo tem o seu tempo e antes de mais tenho de sublinhar que, no essencial (não em tudo mas no essencial), o Sporting teve e tem uma direcção com característica técnicas e humanas absolutamente cruciais para sair do enterro anunciado em que outros consócios com funções executivas haviam enfiado o clube.
Nem sempre gostei do estilo, em especial porque em vários momentos pecou por excesso, mas o balanço global era e é francamente positivo.
Agora tinha um pedido. Não que as pessoas em quem votei recentemente deixassem de ser quem são, mas antes que renovassem o arsenal táctico ao nível da comunicação. Que prosseguissem aquilo que espero ver na equipa principal de futebol, também a nível dirigente.
O que espero para a equipa de futebol sénior masculino é que no que resta da época dê provas de evolução e de garantir um ponto de partida para a próxima época mais evoluído e sem grandes dúvidas quanto às suas forças e lacunas. Há algumas jornadas fiquei preocupado porque estava a ter dificuldades em ver esse sentido e evolução, hoje estou um pouco mais animado ainda que algo ansioso para ver o que conseguiremos com o plantel que temos. Sempre na perspectiva de chegamos a Maio com um caminho claro, valores firmados e lacunas cristalinamente reconhecidas e a reforçar.
Voltando ao paralelo com a direcção, há ainda um aspecto que muito tenho valorizado ao longo dos últimos anos. As sucessivas provas que o actual presidente e sua equipa têm dado quanto à capacidade de aprenderem. Uma pessoa tão atreita a grandes e emocionadas proclamações de presidente-adepto poderia implicar um populismo vazio com pouca capacidade de autocrítica e jogo de rins na capacidade de emendar o erro para não voltar a ser fintado da mesma forma. Mas, no global, assisti a várias provas de que no caso dos dirigentes actuais do Sporting, essa correlação, existindo, está longe de ser perfeita e demasiado penalizadora. Simplificando: tem sido evidente que o Sporting é hoje melhor dirigido do que há um ano, do que há dois anos ou do que há três anos.
E é isto que espero continue a acontecer, tal como espero que venha a acontecer com o futebol e com as demais modalidades.
As premissas são claras: exigência permanente e capacidade de evoluir mais depressa do que os nossos adversários que, naturalmente, também não estão parados no tempo à espera que nós recuperemos toda a distância que fomos cavando durante demasiado tempo.
Chegado aqui pretendo referir-me a uma área, tradicionalmente polémica e na qual os últimos anos primaram por grande volatilidade interna: a comunicação. E faço-o num dia em que o presidente do Sport Lisboa e Benfica mostrou genuinamente o seu valor pelas suas próprias palavras e num contexto em que as tácticas e estratagemas comunicacionais desse clube são do conhecimento público. A mensagem base que tem mais de um ano do "Nós os santos contra a matilha dos mauzões" foi desmascarada junto de quem consegue ir além da fé cega. O Rei vai nu, sonso até dizer chega.
Neste dia de declarações execráveis e autoqualificativas como deveria reagir o Sporting? Com elevação e dignidade tendo presente a tragédia que ontem ensombrou o futebol. Nunca por nunca com uma resposta à letra, descendo ao nível abjecto de quem deveria ficar a falar sozinho no seu mundo de diabolização do adversário e de desculpabilização do indesculpável. Quando o teu adversário se enterra nas suas próprias áreas movediças para quê chegarmos-nos a ele dando-lhe a oportunidade de se agarrar a nós para se libertar?

Nesse processo evolutivo que desejo, creio que chegou a hora de passarmos a uma táctica de acção cirúrgica abandonando a lógica de tapete de bombas. No fundo, esculpir o que temos feito evitando tudo o que é gratuito e inútil e que, objectivamente, pode contribuir para destruir o futebol.
Melhorar os automatismos, estudar melhor as jogadas, saber conservar as energias não esquecendo que só no final se fazem as contas. Ontem Bas Dost não se atirou ao guarda-redes a cada vez que ele recebeu a bola, fê-lo duas ou três vezes depois de avaliar o ganho e a perda. Numa delas arrancou um penalti e mudou a história do jogo. Se tivesse ido a todas chegaria a meio do jogo exausto sem força para dar a estocada final, o que esteve muito perto de conseguir já na segunda parte.
Está na hora de encontrar uma outra táctica para construir o respeito e a autoridade junto da comunidade. No fundo aquilo de que os nossos adversários mais medo têm a avaliar pela sua cartilha. O mesmo respeito e autoridade que temos merecido em campo com a atitude e com a evidência de que estamos para que contem connosco como incontornáveis adversários com capacidade de destronar o campeão e de sermos difíceis de ultrapassar uma vez chegando ao topo.
Talvez começar por deixar de ver, ouvir e ler quem não passa de pau mandado fosse o bom princípio. A tentação para cair na armadilha diminuiria.
Caro presidente e caros membros da direcção, atentem no que se segue, para praticar e não para proclamar:

'Nunca lutes com um porco. Primeiro, porque ficas sujo. Segundo, porque ele gosta.'

Saudação leoninas e viva o Sporting Clube de Portugal.
(Rui Cerdeira Branco, in ÉS A NOSSA FÉ)

Com a devida vénia a Rui Cerdeira Branco e o meu frenético e leonino aplauso...

"I rest my case"!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

Contra os "brandos costumes", com o futebol à cabeça?!...


O DÉRBI DOS BARBUDOS

«Orgulho-me de ter feito parte da frente de jovens portugueses que antes de 25 de Abril de 1974 deixaram crescer barbas e cabelos como forma de protesto contra a ditadura. A referência era Ernesto Che Guevara, Fidel Castro e o seu grupo de guerrilheiros cubanos, que ao descerem da Sierra Maestra até Havana, para derrubar Fulgêncio Batista, em 1959, fizeram com que os inimigos procurassem diminuir-lhes a proeza, classificando-a como a "revolução dos barbudos".

O poster do Che. A imagem clássica de Guevara – que morrera nas selvas da Bolívia, em 1967 –, aquela da boina com uma estrela de cinco pontas, era mesmo proibida em Portugal. Recordo de me terem apreendido, na alfândega do aeroporto de Lisboa, um poster do Che, que comprei em Londres, no início da década de 70. Mas aos zelosos funcionários escapou a t-shirt com estampa semelhante, que vesti por baixo da roupa e que conservei até hoje – hoje que deixei de lá caber e que já nada tenho de guevarista, pelo contrário. Mas é um símbolo que marcou a minha geração.

Cinco em 28. Voltei ontem a esses gloriosos tempos ao assistir ao dérbi e verificar que dos 28 jogadores utilizados apenas cinco (!) se apresentaram de rosto barbeado: quatro do Benfica – Luisão, Lindelöf, Cervi e Jiménez – e um do Sporting – Podence.

1-1 em cheio. Os leões jogaram mais mas estão muito dependentes da finalização de Bas Dost, que Lindelöf meteu no bolso, e o Benfica, jogando um pouco menos, chegou ao empate a uma bola – que antevi na edição de sexta-feira, no TotoRecord, ah, pois é!... – e continua a depender somente de si próprio para ser campeão.

Cartilha. Agora, dada a importância do visual da moda, que um estudo recente atribui não tanto à intenção masculina de impressionar as mulheres, antes à convicção de que as barbas fazem os homens "mais maduros, fortes e agressivos", o desempate tem de ser feito a favor dos de Alvalade – ainda que fossem de Mitroglou e Rafa os adornos mais vistosos. É que no onze titular o Sporting mostrou-se solidário e coerente, apenas com dois jogadores a não aderirem totalmente à cartilha barbuda: William, com o seu clássico bigode, e Gelson Martins, com uma ‘perazita’ envergonhada. Já os treinadores Jesus e Vitória, e o árbitro Soares Dias se exibiram de cara lavada. Mas esses, coitados, são velhos.»
(Alexandre Pais, Contracrónica, in Record)

Ao ler a curiosa "contracrónica" de Alexandre Pais, que me trouxe à memória os mesmos ídolos de juventude, aliados às "poderosas" razões pelas quais, passado mais de meio século, ainda continuo a pertencer ao "clube dos barbudos", dei comigo a pensar se os 23 barbudos que ontem se exibiram sobre o relvado de Alvalade também não "terão deixado crescer barbas e cabelos como forma de protesto", contra os "brandos costumes" instalados na sociedade portuguesa... 

Com o futebol à cabeça?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Enquanto escravos da intemperança não iremos a lado nenhum!...


E o último dérbi da temporada disse:

1 - A exibição do Sporting apenas veio confirmar as debilidades exibidas ao longo de toda uma época e que se refectiram no afastamento de todas as competições europeias e domésticas a eliminar, no último lugar do pódio na nossa Liga e na incapacidade para levar de vencida no nosso reduto, uma equipa banal que, ironia das ironias, até poderá vir a ser campeã.

2 - O desafio para a próxima época impõe uma profunda reflexão e subsequente alteração de rumo, seja em termos estratégicos, estruturais e de meios humanos na vertente desportiva, seja na nossa relação com o mundo que envolve o Clube, sob pena de daqui por um ano voltarmos a carpir as mágoas de hoje.

Enquanto escravos da intemperança não iremos a lado nenhum!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 22 de abril de 2017

Uma sublime "troca de galhardetes" entre "ambos os dois"!...



"Exmo. Senhor Luís Filipe Vieira

Presidente do SL Benfica

Sem prejuízo da manutenção da ausência de relações Institucionais, o respeito pela diferença e pelos valores do desporto e do fair play, tal como muito bem foi dito no vosso recente comunicado, tem de estar acima de qualquer Clube.

Mais uma morte de um adepto do Sporting CP não pode deixar de ser firmemente condenada e deve ser recordada e usada para que, de uma vez por todas, não voltem a repetir-se mais lutas entre adeptos de Clubes.

Um crime é um crime!

O Sporting CP não confunde mais um trágico acontecimento com a necessidade de haver fair-play e respeito dentro e fora das 4 linhas e uma política firme por parte dos Clubes para com aqueles que, mesmo que sejam seus adeptos, se comportem como criminosos.

Um jogo é um jogo. A nossa atitude enquanto líderes de massas, determina o exemplo que queremos dar. Bem sei que enquanto presidente, e como oportunamente foi denunciado por mim, nos últimos 4 anos a sua atitude não tem sido a mais adequada em acontecimentos similares ou na evocação dos mesmos por parte de adeptos do clube a que preside, mas tenho sempre esperança que a partir deste momento altere a sua visão sobre o assunto.

Tenho confiança na capacidade de regeneração do ser humano. Espero por isso que, depois de os acontecimentos devidamente investigados, e se se concluir que por detrás destes factos está um crime perpetrado por um adepto do Benfica, dê um passo nesse sentido e que, finalmente, se demarque de forma pública e sem reservas, de criminosos e de claques ilegais.

Na expectativa de que subscreva o conteúdo integral desta carta e de melhor lhe demonstrar que sei bem, nesta luta contra a violência no desporto, que nem todos têm demonstrado vontade e empenho neste combate que tem que ser prioritário, gostaria de o convidar a assistir ao jogo de hoje na Tribuna do Estádio Alvalade XXI.

Violência, não! Nunca e contra ninguém!"


"Exmo Senhor Presidente do Sporting Clube de Portugal 


Quando existe uma intenção clara de adoptar os valores de fair play e do respeito mútuo como prática diária e quando se pretende partir para um processo construtivo de relações entre clubes, tal deve ser feito, através de gestos genuínos que não partam de convites carregados de juízos de valores prévios com claras intenções de levar a que o presente convite nunca pudesse ser aceite nos termos em que foi formulado.

Foi o Presidente do Sporting Clube de Portugal como publicamente assume, que adoptou como estratégia o confronto diário com a instituição Sport Lisboa e Benfica.

E hoje, num momento que requer de todos o máximo cuidado e rigor e em que um lamentável acontecimento ocorre, ao invés de procurar de forma sóbria não confundir os incidentes ocorridos esta madrugada com o jogo que se inicia daqui a pouco, tal como as próprias forças de segurança publicamente fizeram questão de expressar, promove um convite com pressupostos acusatórios que obviamente é a forma errada de se apelar ao bom senso, moderação e são convívio entre todos.

As mudanças devem resultar de atos consistentes, sistemáticos e diários por parte de todos nós, mas esteja certo que da parte do Sport Lisboa e Benfica reiteramos a disponibilidade de nos órgãos e momentos próprios trabalharmos com todos os clubes para a melhoria do ambiente no futebol português e reiteramos que da nossa parte, muito gostaríamos de ter uma relação de cordialidade com a instituição Sporting Clube de Portugal, rival de uma história centenária comum que muito nos deve orgulhar.

Luis Filipe Viera
Presidente do Sport Lisboa e Benfica"
Lisboa, 22 de Abril

A carta de Bruno de Carvalho obviamente que o estilo não engana!...

Já a carta de Luís Filipe Vieira faz-me lembrar Bocage: "o peido que aquela Senhora deu, não foi ela, não, fui eu"!...

A poucas horas do dérbi...

Uma sublime "troca de galhardetes" entre "ambos os dois"!...

Leoninamente,
Até à próxima

A culpa continua a morrer solteira!...

Foto retirada da Tribuna Expresso

E a tragédia abateu-se sobre o dérbi! Terminou de forma abrupta e criminosa a solidariedade que vivia na coração de Marco Ficini, adepto italiano e membro da claque da Fiorentina, que viera a Portugal para assistir ao Sporting-Benfica, no âmbito de um protocolo entre a sua claque e a Juve Leo.

Em circunstâncias completamente diferentes, haverá que reconhecê-lo, mas a história de 1996 no Jamor voltou a repetir-se. Afinal os avisos dramáticos de tanta gente civilizada neste país, de que só quando corresse sangue e houvesse mortes as autoridades levariam a sério estas ondas de violência protagonizadas pelas claques, hão-de continuar, sabe-se lá até quando, a cair em cesto rôto!...

A culpa continua a morrer solteira!...

Leoninamente,
Até à próxima

O "bilhete de desembarque" já estará sobre a secretária do "papa"!...


ESTE NÃO É UM JOGO COMO OS OUTROS

«O dérbi é sempre especial. É o jogo de uma cidade. Mais. É o jogo de um país. A rivalidade entre Sporting e Benfica é nacional e centenária. Já foi mais saudável, é verdade, mas quando alguém diz que este é um jogo como os outros está a mentir. Um ‘mind game’ da moda. Vale apenas três pontos, isso sim. Mas se em qualquer circunstância vencer o dérbi traz uma dose de moral impossível de ignorar, ao Benfica, ganhar o jogo de hoje, pode trazer muito mais do que isso: é que o título passa mesmo por Alvalade.

Um dos temas do dia foi o eventual aperto de mão entre Jorge Jesus e Rui Vitória. Não podia estar menos interessado em tão impactante questão. Desde que ambos sejam civilizados, não incentivem ao ódio e tenham declarações no limite da boa educação já farão mais do que as focas amestradas que recebem cartilhas e as debitam como se o pensamento fosse seu. Acredito que JJ entende que foi longe de mais no ano de estreia no Sporting. Vitória pode perdoar ou não. Uma coisa é certa, não tenho nada a ver com isso.

Jonas regista melhoras e deve ser opção. Boas notícias para Vitória, menos boas para Jesus, mas excelentes para quem gosta de futebol. O brasileiro é um craque, tecnicista como poucos, com faro de golo e dá outra dimensão ao Benfica. Pena que não tenha em campo um comportamento tão recomendável como o futebol que pratica. Foi feio o que fez com Nuno. Lamento que não tenha tido capacidade de pedir desculpa.

Foi curioso estar atento às conferências dos treinadores dos três grandes. Visível o desprendimento de Jesus, admitindo que vencer o Benfica não salva a época. Admirável o à-vontade de Vitória, como quem sabe que nada o fará cair em Alvalade. Impressionou-me. Mas revelador mesmo foi o nervosismo de Nuno. Estará sólida a ligação do técnico ao Dragão? Os resultados dirão.»
(Bernardo Ribeiro, Entrada em Campo, in Record)

Subscrevo inteiramente o que Bernardo Ribeiro escreve sobre o  eventual aperto de mão entre Jorge Jesus e Rui Vitória: também não tenho nada a ver com isso! E acrescentarei que são ambos dignos um do outro: um é descabelado à quinta casa e outro é sonso à décima!...

E também subscrevo o desejo que exprime de que "ambos sejam civilizados, não incentivem ao ódio e tenham declarações no limite da boa educação já farão mais do que as focas amestradas que recebem cartilhas e as debitam como se o pensamento fosse seu", acrescentando às "focas amestradas" as suas gordas primas "morsas", que serão pelo menos duas!...

Sobre o Jonas discordarei do lamento de BR, pelo simples facto de que não se pode nunca pedir elegância a um porco!...

Finalmente no que diz respeito ao Nuno e mesmo que o Sporting, como espero e desejo, se atreva a vencer o dérbi, não o vejo com "atrevimento" para aguentar a pedalada rumo ao título nas quatro jornadas que depois ficarão a faltar: já teve três oportunidades para ser campeão e desperdiçou-as!...

Creio que o "bilhete de desembarque" já estará sobre a secretária do "papa"!...

Leoninamente,
Até à próxima

À mulher de César não lhe basta ser séria!...


PRESIDENTE DA APAF CAIU NA ARMADILHA

«O terreno do futebol português está todo minado. As minas e armadilhas estão um pouco por todo o lado e, infelizmente, os métodos utilizados para se tentar comprometer os adversários são mais ou menos similares.

São os próprios protagonistas, essencialmente - como se tem observado - dos três maiores clubes do futebol nacional a denunciar o estado em que o nosso futebol se encontra. Ninguém confia em ninguém, ninguém respeita ninguém, e esses protagonistas apenas provam, todos os dias, que o futebol português é muito artificial, cheio de manobras de bastidores, perante as quais as direcções de comunicação — na ânsia de provar as suas razões e sempre com o objectivo de desviar as atenções das suas próprias desconformidades e ‘monstruosidades’ — vêm tendo um papel essencial e amplificador.

A Arbitragem e a Disciplina serão sempre os temas de conversa e de discórdia, porque os responsáveis dos clubes sabem que é aí que se podem gerar as influências e as entorses à Verdade Desportiva. O próprio presidente da FPF não estava confortável com Vítor Pereira/Arbitragem e Herculano Lima/Disciplina e decidiu substituí-los, respectivamente, por José Fontelas Gomes e José Manuel Meirim. A contestação continua, porque há sempre uma parte a achar que não controla a outra parte e essa outra parte a achar que nunca controla o suficiente.

Quem decide ou quem representa sectores vitais no futebol tem de ter cuidados acrescidos com o seu comportamento. O exemplo dos políticos é péssimo, sempre foi, porque cultivam a proximidade com a convicção de que ela terá um efeito para eles positivo (ou em votos ou em mordomias) e houve tempos em que bastava olhar para as tribunas presidenciais dos clubes para alcançar o… mapa da mina. Essa proximidade gera um ‘pequenino problema’: dependência. E quem está dependente, não está em condições de decidir.

Foi isso que o presidente da APAF, Luciano Gonçalves, não alcançou ou quis desprezar e caiu na armadilha. Na sua própria armadilha. Estas armadilhas estão sempre atrás da porta, à espreita e à espera de potenciais vítimas. Luciano Gonçalves é presidente da Mesa da Assembleia Geral do Centro Recreativo de Alcanadas (CRA), que tem cerca de 500 associados. Se fosse apenas presidente da AG do CRA, o pedido que enviou para os serviços do Benfica, a solicitar ‘bilhetes baratos’ para a colectividade, talvez se pudesse enquadrar na função social dos clubes desportivos, embora se esta prática se banalizasse teríamos o movimento associativo a pedir ‘borlas’ ou ‘quase borlas’ a todo o momento. Toda a gente gostaria de ter ‘bilhetes baratos’: para o cinema, para o teatro, para os concertos, para a ópera, etc.

Sabe Luciano Gonçalves - e nestas coisas não cabem ingenuidades - que o futebol em Portugal está soterrado em suspeições, práticas desaconselháveis, etc. E há muita gente que se põe a jeito para se deixar capturar. Luciano Gonçalves é o líder da organização nacional da classe dos árbitros. Os Clubes e a Arbitragem são dois ‘mundos’ diferentes. Que não se podem confundir, nunca. Mas que se confundem. E há, historicamente, uma obsessão pela captura e pelo esvaziamento das estruturas que deveriam pautar-se pela independência. Luciano Gonçalves sabe disso e, de resto, a propósito do seu pedido de aquisição de bilhetes, em condições excepcionais, o diálogo travado, internamente, entre Domingos Soares de Oliveira (DSO) e Paulo Gonçalves (PG), é nesse aspecto bastante revelador: é o próprio DSO a recomendar que "o ideal é que o pedido seja feito por outra pessoa lá da aldeia". 

Quer dizer: o administrador do Benfica é o primeiro a perceber que este pedido não deveria ser feito por Luciano Gonçalves (LG). Simplesmente toda a gente percebe a razão pela qual LG decidiu ser ele a fazer o pedido. É que "outra pessoa lá da aldeia" poderia ver mais facilmente o pedido recusado. É aqui que entra Paulo Gonçalves: "o presidente da APAF não é de confiança total e tem feito alguma oposição em algumas situações do nosso interesse, mas que não é bom tê-lo contra nós pois será testemunha a ser ouvida em processo do nosso interesse".

Quer dizer: segundo PG, o presidente da APAF não está ao serviço do clube, mas não é inimigo e, acima de tudo, pode ser útil ‘num processo do nosso interesse’. Quer dizer: a cedência de bilhetes pode ser uma forma de ter Luciano Gonçalves, não como presidente da AG do Centro Recreativo de Alcanadas mas como presidente da APAF, do lado do Benfica.

Luciano Gonçalves, ao não entender este princípio básico e esta incompatibilidade, deu sinal de que não tem perfil para ser presidente da APAF. 

NOTA - Começa a ser relevante perceber como é que as direcções de comunicação têm acesso a informação classificada. Crime ou traição?

JARDIM DAS ESTRELAS

Dimensão táctica do dérbi

Hoje há dérbi. A derrota do Porto em Braga mudou o cenário do jogo de Alvalade e coloca o Benfica numa posição excelente para gerir o encontro da forma como mais lhe aprouver, se o Sporting o consentir, claro. Rui Vitória tem a responsabilidade de não desaproveitar esse factor e Jorge Jesus sabe que tem de arranjar forma de desestabilizar a organização do Benfica, para poder ter uma palavra importante no desfecho do campeonato. A dimensão táctica do dérbi vai ser um dos aspectos mais interessantes de seguir.

O CACTO

In-go-ver-ná-vel!

Não sei se há essa consciência colectiva mas o futebol português, com as denúncias suscitadas pelas direcções de comunicação dos três principais clubes nacionais - os chamados "grandes" - está ingovernável. Conhecendo a estrutura, os condicionalismos e as fragilidades do edifício da "justiça desportiva" associada ao futebol português, com este nível de participações geradas por Benfica, Porto e Sporting, não há forma - nestas condições - de proteger a integridade das competições. A Comissão de Instrutores, por exemplo, reúne as condições necessárias para poder estar vigilante e levantar autos por ‘flagrante delito’, com base em imagens das transmissões televisivas relativas às competições profissionais? Quem faz esse trabalho? Quem o coordena? E o Conselho de Disciplina, perante a profusão de declarações produzidas por muitos dos principais protagonistas no espaço público, através da comunicação social, nas redes sociais e nos canais próprios, reúne condições para tratar todos os actores e situações por igual? Impossível. O futebol português chegou a um ponto alto de desgovernação, do qual provavelmente nunca chegou a sair.»
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

Mais uma crónica na linha de tantas outras a que o jornalista Rui Santos nos tem concedido o privilégio de podermos aceder, gozando também ele do privilégio de escrever num jornal que, muito provavelmente, será um dos poucos no panorama da CS da especialidade em Portugal, em que os tentáculos do "polvo da cartilha escarlate" ainda não terá conseguido, quiçá apenas por enquanto, o necessário e suficiente "estrangulamento".

De qualquer modo nesta interessantíssima crónica "nenhum boi terá ficado sem nome", facto que só abonará em favor da coragem e independência do cronista que, contudo, talvez por distracção e jamais, creio bem, de forma intencional, terá cometido um "pequeno pecado de omissão", quando escreve na nota que remata o texto principal: "Começa a ser relevante perceber como é que as direcções de comunicação têm acesso a informação classificada. Crime ou traição?".

Nesta condição e tendo presente, se a memória não me falha, que em relação a determinadas "fugas de informação" verificadas noutros clubes, nomeadamente a "segredos" divulgados por alguns "leaks" da nossa praça com sedes por essa "estranja" fora,  lembro-me de a generalidade dos OCS e até o próprio RS, se entreterem a colocar sobre os respectivos departamentos que tratavam essas "complexas matérias informáticas", o sacrossanto anátema da... incompetência, certo?!...

Porque será então que Rui Santos não complementou com incompetência, a suspeita de "crime ou traição"?! Será que incompetência não rima com Benfica?! Ou será mesmo uma questão de... respeitinho?! Quero crer que Rui Santos não será desses, mas...

À mulher de César não lhe basta ser séria!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Em vez da fuga para o 2-2, não acabará por apontar ao 3-1!...


DÉRBI DECISIVO

«Tenho a sorte, oferecida pela Direcção de Record, de escrever ao sábado – dia em que se jogou o último clássico (Benfica-Porto) e em que hoje se joga o dérbi que pode decidir o campeonato. No clássico, acertei: apostei num empate 1-1 ou 2-2, e foi 1-1. Vamos ver o que sucederá agora.

O Benfica tem a seu favor seis factores. Primeiro, o hábito de ganhar; segundo, a grande categoria dos laterais, Nelson Semedo e Grimaldo, muito superiores aos do Sporting; terceiro, a óptima forma de Rafa, que finalmente explodiu; quarto, a eficácia da dupla Jonas-Mitroglou, a mais forte do campeonato, mesmo não estando no seu melhor; quinto, o empate do Porto em Braga, que reduziu imenso a ansiedade dos jogadores encarnados; sexto, a péssima forma de Adrien Silva.

A favor do Sporting, jogam sete circunstâncias. Primeira, o bom momento da equipa, que encontrou o onze ideal; segunda, o talento de Gelson, um autêntico diabo à solta; terceira, o killer instinct de Bas Dost; quarta, os centros venenosos de Bruno César, se o puserem a extremo-esquerdo e não na defesa; quinta, jogar em casa; sexta, o habitual retraimento de Rui Vitória nos jogos contra os leões, que mesmo quando venceu não convenceu; sétima, ser a última oportunidade para Bruno de Carvalho e Jorge Jesus se ‘vingarem’ de uma época muito mal sucedida.

Tudo somado – momentos de forma, destaques individuais e estados de alma – acho que o Sporting parte em ligeira vantagem. Aposto num 2-1, com tendência para 2-2…»
(José António Saraiva, Futebol à portuguesa, in Record)

O que seria do verde se todos gostassem do vermelho?! E o que seria do futebol se todos o analisassem  "a portuguesa" como José António Saraiva?!...

A seis "factores"  contra sete "circunstâncias" conseguiu ele reduzir o dérbi de amanhã! Se neste caso particular entendermos "factor" como elemento que concorre para um resultado e "circunstância" como o estado das coisas em determinado momento, logo aí o articulista cometerá um tremendo erro de paralaxe que acabará inexoravelmente por lhe afectar o discernimento que qualquer análise procura, embebendo de parcialidade o prisma de observação, porque se coloca em posições diferentes para analisar um e outro contendor. E não se pretenda encontrar nisto apenas e tão só uma questão semântica, porque não o será nunca: JAS abusou da parcialidade! Aprofundemos:

1 - Será a diferença de categoria entre as duplas de laterais do dois conjuntos assim tão pronunciada para se revelar tão determinante no desfecho de um jogo?!...

2 - O que pensar quando estabelece como factor determinante, a "óptima forma de Rafa" em contraste com a "péssima forma" de Adrien Silva? Não estaremos perante uma óbvia sublimação do bom de um e do mau do outro?!...

3 - E que dizer sobre a eficácia de uma dupla de avançados considerada a "mais forte do campeonato", quando os números o desmentem categoricamente?!...

4 - Admitindo que o "desastre do Porto em Braga" tenha determinado algum óbvio conforto aos jogadores do Benfica, terá sido suficiente para lhes reduzir assim tanto a ansiedade com que irão entrar em Alvalade, sabendo que a derrota os poderá afastar irremediavelmente do título?!...

5 - E serão "o bom momento do Sporting", o "talento de Gelson", o "killer instinct de Bas Dost", os "centros venenosos de Bruno César", o "jogar em casa" e o "habitual retraimento de Vitória", em vez de "factores decisivos", meras questões... circunstânciais?!...

Pois é, veremos no sábado ao fim da noite se os "factores" de JAS se revelarão ou não preponderantes em relação, às suas "circunstâncias" e se  a tendência que admite...

Em vez da fuga para o 2-2, não acabará por apontar ao 3-1!...

Leoninamente,
Até à próxima

Faz o mundo saber que és Leão!...



Solta o rugido que há em ti!

Faz o mundo saber que és Leão!...

Leoninamente,
Até à próxima

Vitória e elevada nota artística!...



Com as bilheteiras encerradas e a lotação esgotada, Alvalade prepara-se para bater um novo recorde de assistências, superando a anterior marca de 50.046 espectadores, alcançada em 22 de Novembro de 2016  perante o Real Madrid, a contar para a quinta jornada da Liga dos Campeões de 2016/17.

Que o novo recorde seja celebrado com...

Vitória e elevada nota artística!...

Leoninamente,

Até à próxima

"Salazar era lampião"!...


A mais "bem esgalhada" da semana, "uma evidência histórica"... (LINK)

"Salazar era lampião"!...

Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 20 de abril de 2017

O futebol não é uma ciência exacta!...


NAS MÃOS DE JESUS

«Não deixa de ser uma ironia do destino. O timoneiro que iniciou a actual caminhada vitoriosa do Benfica na liga portuguesa (conquistando os primeiros 2 títulos) terá na próxima jornada a oportunidade de impedir o anterior clube de dar um passo decisivo para o tetra. O Sporting de Jorge Jesus, que tem vindo a recuperar terreno face ao duo da frente, surge nesta altura como um outsider que nada tem a perder e, quem sabe, se algo ainda a ganhar. Seja qual for o desfecho, o dérbi lisboeta será um momento marcante deste campeonato.

Com o deslize do Porto em Braga, o Benfica olha agora para o dérbi com a possibilidade de jogar com 2 resultados do seu agrado. Ganhar o jogo de maior exigência competitiva que lhe falta nesta liga será um passo de gigante na corrida ao título, enquanto um empate manterá as águias no 1.º posto e na liderança isolada, sendo a única equipa a depender apenas de si para ser campeã.

Por seu turno, o Sporting, que nas últimas jornadas conseguiu recuperar 4 e 6 pontos relativamente a águias e dragões, em caso de vitória amanhã, pode entrar nesta recta final de campeonato, em que faltarão disputar 4 jornadas, apenas a 5 pontos da liderança. E de repente, uma equipa que parecia ter a sua classificação fixada na 3.ª posição poderá ficar com a ambição e esperança de conseguir algo mais acima.

O Sporting atravessa um ciclo de 9 jogos consecutivos sem perder (8 vitórias e um empate), vai já na 5.ª vitória seguida e, caso vença os jogos todos até ao fim, poderá mesmo completar o melhor ciclo de vitórias durante esta temporada na liga portuguesa: 10. Além disso, os leões continuam empenhados em levar Bas Dost ao trono dos goleadores na Europa, pelo têm todo o interesse continuar a facturar.

Curiosamente, a história recente dos dérbis de Alvalade tem sido mais favorável aos encarnados. Foi lá que viraram o curso do campeonato anterior, com uma vitória por 1-0. E nos últimos 4 anos, somam mesmo 2 vitórias e 2 empates no terreno do rival. Alargando o horizonte para a última década, só se contabilizam 2 vitórias do Sporting em 10 jogos (mais 4 empates e 4 derrotas), o que mostra as dificuldades que os leões sentem contra o grande rival lisboeta. Rui Vitória sabe que um resultado positivo neste jogo pode trazer força anímica vital para as finais que se seguirão.

Será sempre um jogo de tripla. Cheio de emoções fortes. Com cada um dos lados a dispor de argumentos para poder fazer a diferença. A luta, mais uma vez, promete ser intensa. Nos bancos, o duelo táctico vai ser também interessante, por todo o histórico que existe entre os treinadores. E há também uma espécie de tira-teimas do jogo da primeira volta que o Benfica venceu, mas do qual o Sporting não saiu convencido e até queixoso de outros factores.

Obrigado a cumprir a sua parte, que passa por superar o Feirense no domingo, o Porto será espectador atento do dérbi. O desfecho da partida ditará os níveis de favoritismo que os dragões terão nesta ponta final. Uma eventual vitória do Sporting pode valer a liderança, pelo que não é difícil prever por quem vão estar a torcer.

Anteriormente referi que a equipa que revelar maior controlo emocional e souber lidar melhor com a ansiedade na abordagem aos jogos acabará por sair vencedora desta liga. A jovem equipa do Porto, com 1 vitória nos últimos 4 jogos, não tem dado essa prova de força. Em alguns jogos, o Benfica também não convenceu. Têm agora 5 partidas cruciais para provar o contrário.

O Craque – Renovação merecida
A aposta nas equipas B abriu a porta para um patamar competitivo mais alto a muitos jovens futebolistas que, de outro modo, teriam grandes dificuldades em se afirmarem nos principais clubes nacionais. Em paralelo, as selecções jovens souberam aproveitar esse potencial de crescimento para gerarem equipas mais maduras e consolidadas. O trabalho está à vista com a Selecção sub-21, bem comandada por Rui Jorge, a mostrar consistência e excelentes resultados. Há que continuar o trajecto e a renovação do técnico com a FPF é inteiramente merecida.

A Jogada – Excelente trabalho
Já tinha provado no Sporting que era especialista a detectar e potenciar novos talentos e está a mostrar à Europa que é possível ter sucesso desta forma no Mónaco. A lutar pelo título francês e nas meias-finais da Liga dos Campeões, Leonardo Jardim está a realizar uma época fenomenal. No último jogo colocou 7 jogadores titulares com menos de 25 anos. Talento não tem idade. E um bom técnico faz crescer os atletas com organização táctica, maturidade e exponencia capacidades individuais. Com este brilharete, Jardim despertou a cobiça dos grandes clubes europeus.

A Dúvida – Castigo mal esclarecido
Um dos melhores jogadores do campeonato vai ficar fora dos relvados com um castigo de 2 jogos em plena fase decisiva. A pena até se pode justificar, mas a falta de elementos conclusivos do que verdadeiramente aconteceu na expulsão de Brahimi em Braga, assim como o suposto comportamento do quarto árbitro nas redes sociais, obrigam a esclarecimentos. E a FPF deveria evitar que este clima de suspeição se alastre, vindo a público explicar toda a situação. A justiça deve ser aplicada, mas sempre com máxima transparência. Para quê tanto secretismo?»
(António Oliveira, Visão de jogo, in Record)


Afinal não serei apenas eu a pensar que... 


O futebol não é uma ciência exacta!...

Leoninamente,
Até à próxima

Leão prevenido vale por dois!...



Tenho que falar um pouco desta capa!

Ora bem, está capa em semana de derby tem duas vertentes, que uma quase ninguém sabe mas vou dar uma pincelada.

A primeira vertente... É que nem quero acreditar sequer... Quanto mais imaginar ... Este jogador há coisa de 1 ano e meio foi-me dito isto... "faz lá este negócio e ganhamos umas coroas valentes no Ludugorests! ..."  Este empresário detesta o Sporting até mais não ( e tenho provas disso ) anda ao serviço de outras entidades e pessoas ... Contra o jogador? Nada tenho ... Contra este empresário? ... TUDO!!! ... A 2 dias do derby vem dar entrevistas? Não como gelados com a testa!!!
Só de pensar que já meteu uma unha do pé sequer nas instalações do nosso clube até tenho calores ... e os VERDADEIROS andam a ficar para trás ... com jogadores 10 vezes melhores e empresários LEÕES que para além do seu trabalho, só querem o bem do seu clube com os melhores atletas.



A segunda vertente é mais um jogador associado ao Sporting a 2 dias do derby ... até aqui tudo ok é normal.

... tinha que desabafar ...
(Ivo Colchete de Oliveira, na sua página do facebook)

Leão prevenido vale por dois!...

Leoninamente,
Até à próxima

PUBLICIDADE