domingo, 30 de setembro de 2012

Unanimidade e aclamação!...



Aprovada por unanimidade e aclamação, na  Assembleia Geral do Sporting realizada este domingo, a atribuição do nome de João Rocha, presidente do clube entre 1973 e 1986, ao pavilhão que vai ser construído nos terrenos do antigo Estádio José Alvalade.
Na mesma AG, foi também decidido, por unanimidade e aclamação, atribuir o nome de Mário Moniz Pereira ao Centro de Alto Rendimento do atletismo, que funcionará no Complexo Desportivo de Odivelas.
Duas decisões que, honrando a história e tradição do Sporting Clube de Portugal, refletem, tanto o cuidado e atenção dos actuais dirigentes leoninos, através das propostas apresentadas, quanto o ímpar sentido de justiça da grande nação sportinguista, consubstanciado na aprovação por unanimidade e aclamação de quantos estiveram presentes nesta reunião magna do clube.
Agora ficará apenas a faltar o mais difícil, que será o arranque e execução destes dois ambiciosos projectos. Mas com as decisões hoje tomadas, foi reforçada a dinâmica  para que esses objectivos sejam rapidamente alcançados e todos nos possamos orgulhar da sua concretização, na certeza de que o Sporting Clube de Portugal terá recuperado finalmente duas das mais dolorosas amputações que a história recente terá determinado. No dia em que o último destes sonhos puder ser inaugurado, o Sporting terá definitivamente regressado aos caminhos de um ecletismo ímpar no desporto português, que justamente nos enobrece e orgulha.
 
Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 29 de setembro de 2012

O Rei Vai Nu?!... Há que vesti-lo!...




Acabou-se!!!...
Não sou adepto de chicotadas psicológicas, nem defendo que os contratos livremente acordados e assinados devam ser rasgados ou deitados ao lixo. Mas há limites para tudo, seja qual for a actividade ou as pessoas em apreço. E Ricardo Sá Pinto, na minha modesta opinião, terá ultrapassado hoje todos os limites da paciência e da compreensão. Do fundo do meu coração de sportinguista, retiro-lhe hoje e aqui, o meu benefício da dúvida, que desde o Jamor lhe ofereci. Penso que o seu insuspeito sportinguismo, o inabalável da sua fé, a força e convicção da sua garra, nunca conseguirão sequer equilibrar as suas limitações técnicas e tácticas, a sua incapacidade para o desempenho do lugar que, podendo ser a sua cadeira de sonho, há-de representar sempre para o Sporting Clube de Portugal, mais problema que solução.
Aquilo que Ricardo Sá Pinto neste momento poderá estar a colocar em causa no Sporting Clube de Portugal, será incomparávelmente superior ao respeito que nos deverá merecer e evidentemente merece, a sua pessoa. E a prová-lo estará a cegueira que evidencia, quando depois de mais um desastre, a somar a tudo o que tem feito desde 20 de Maio, continua a acreditar e a pretender fazer-nos acreditar, que é capaz de dar a volta a um texto que já nem ele conseguirá decifrar.
Nada mais, para além da sua capacidade técnica, estará em causa. Nem a pessoa , nem o carácter, nem a honra ou quaisquer outras virtudes do homem, do ser humano, que é Ricardo Sá Pinto. Mas se o próprio não mostra capacidade para perceber o mal que está a fazer ao Sporting, alguém por ele terá de tomar a difícil decisão de o afastar. E só haverá uma única pessoa, com poderes e moral para o fazer.
Não me venham os habituais "sanchos panças" acusar, de não ver os "quixotescos" moinhos de vento que impedem Alvalade de avançar. Tenho pena e lamento profundamente a sua "cegueira", não a minha. Nem Sancho Pança acreditava nos moínhos. Apenas na fidelidade ao seu Senhor. Os nossos "sanchos pança" podem pretender ser mais fiéis ao "seu Senhor" que muitos de nós, onde naturalmente me incluo. O que jamais poderão pretender é que todos continuemos a ser cegos.
O Rei vai nú! Haverá que, rapidamente, vestir o Rei. Não sei de onde poderão vir as vestes, nem quanto custam, nem se se adequam ao perfil físico do Rei. Há tanto tempo que o Rei veste trapos miseráveis e talvez seja a hora de ir procurar, mesmo que longe, vestes mais dignas! O que sei é que os sócios do Sporting Clube de Portugal elegeram um Presidente, exactamente para isso mesmo: para vestir o nosso Rei, com roupagens compatíveis com uma história centenária e nunca permitir a exibição e a vergonha de uma nudez que nos indignifica.
 
Leoninamente,
Até à próxima

Betinho, a novidade...




Finalmente Betinho está no banco! É importante que, mesmo não sendo chamado a jogo, esta nova esperança da "Geração Academia" se vá habituando e ambientando ao calor e pressão destes jogos, bem diferente da II Liga.
O meu aplauso para esta decisão de Ricardo Sá Pinto. E se as incidências do jogo lhe recomendarem a entrada de Betinho, porque não?!... Afinal o Sporting tem ou não o tal ponta de lança que todos os "experts" dizem faltar no plantel, com o próprio PMAG como porta-estandarte da contestação?!...
Boa sorte rapaziada. Se a alma que colocarem em jogo for igual à que demonstraram na pretérita 2ª feira, tenho a firme convicção de que uma vitória sem sofrimento nos sorrirá.

Leoninamente,
Até à próxima

Juvenal Carvalho e o Basket do Sporting!...

I have a dream!...
Não é reporter de Leoninamente! É um amigo, perante o qual o meu sportinguismo é uma criança. Um sonhador. Uma vontade sem limite. Um amor sem conta ou medida ao nosso Sporting. È um dos ideólogos e promotores, a par de Edgar Vital, do regresso do basquetebol ao Sporting. Escreveu hoje, com uma emoção igual ao seu sportinguismo, na sua página do Facebook, esta fantástica notícia que vos transcrevo:
 
"No primeiro jogo feito pela nossa equipa senior feminina, ainda que apenas de carácter preparatório, foi agradável aferir da valia da nossa equipa, ao derrotar o Basket Queluz, uma equipa do nosso escalão, por concludentes 92-33. No próximo sábado será o segundo encontro de preparação, com a deslocação ao SIMECQ, uma equipa de escalão superior. Será mais um bom teste na etapa de evolução das nossas jogadoras.
Força, LEOAS... o caminho do nosso Basket faz-se caminhando!".
 
Não é repórter de Leoninamente! Mas quanto eu gostaria que ele fosse o "repórter" do novo basquetebol do Sporting, aqui, neste meu canto! Mas a concretização do seu sonho, não lhe deixa tempo, nem lhe permite devaneios, mais meus que dele, naturalmente.
Tenho acompanhado através de todos os meios ao meu alcance, o caminho do nosso Basket, que Juvenal diz que se fará caminhando! Mas eu sei, através de outro grande amigo do nosso basquetebol, Carlos Sousa, que outrora envergou o 8 verde e branco e que também vive intensamente este sonho, que as dificuldades são tremendas. Porque o projecto terá que ser, obrigatóriamente, autosustentado. Foram esses os pressupostos deste desejado arranque da modalidade no Sporting. E Juvenal, Edgar e outros grandes sportinguistas que estão construindo o sonho, são homens de palavra e hão-de cumprir os compromissos assumidos.
Mas a mola real de quase todos os sonhos e este não é excepção, será sempre, entre tantas outras, a disponibilidade económica. E os recursos são escassos. De que vive a Associação de Basquetebol SCP?!... Pois, vive de sportinguismo e do esforço dos sportinguistas que, pagando as suas quotas do Sporting Clube de Portugal e as game-boxes para o futebol e modalidades, ainda contribuem para o esforço glorioso que será a concretização do sonho de todos os amantes sportinguistas do basquetebol. A todos os que pretenderem abraçar e contribuir para este projecto, estarei aqui para lhes indicar o caminho. Sempre.
 
Juvenal Carvalho, um forte abraço. Podes contar comigo!
 
Leoninamente,
Até à próxima
 
 

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Os dois fins de Bruno Carvalho...

Dois fins...
 
Já me tinham chegado aos ouvidos os "problemas do forno interno" do clube da Luz. Antes ou depois, já não me lembro bem, vi dirigentes do SLB a brandirem "facas de dois legumes" e acabarem com golpes profundos na sua própria carne, para já não falar nos próprios telhados de vidro, quebrados com as pedras que a outros pretenderam atirar, ou com os petardos que lhes estouraram nas mãos. O que eu nunca seria capaz de imaginar é que a proverbial megalomania benfiquista levasse alguém que um dia já sonhou ser presidente - sem que seja claro se não continuará a sonhar -  a afirmar, sem presunção ou vaidade ou bem no fundo com alguma, que o SLB poderá muito bem ter, contrariando todas as teses universalmente aceites, dois fins. Reparem no que esse eminente benfiquista afirmou na última AG que reprovou as contas da Luz:

"... Esta situação é insustentável e conduzirá a um único caminho possível se não for contrariada: ao fim do Benfica enquanto um clube que pertence aos sócios, senão mesmo ao seu fim...".

Lapidar, sintomático e elucidativo. Vem aqui, no Visão do Mercado, que hoje por hoje, ainda nos vai dando conhecimento, das verdades inconvenientes que por aquelas e por outras bandas se vão manifestando e proliferando como tortulhos. Os outros, "os records e as bolas, ultimamente muito bem acompanhados pelos jogos" do nosso anedotário, vão abafando as inconveniências, os desastres de gestão e os passivos astronómicos que vão abafando a luz de tantos milhões, procurando escondê-los com as "doenças" que inventam para outros e tentam impingir aos seus apaniguados leitores e irmãos de cor. É um fartar vilanagem!... Nós, os outros, com as orelhas a arder é certo, será bom que façamos algum esforço para evitar todos esses apregoados e dramáticos fins e no nosso "forno interno", sem "facas de dois legumes", sem "telhados de vidro" e, muito particularmente, "sem petardos", continuemos a ser diferentes. Nem melhores, nem piores, apenas e simplesmente, diferentes!!!...
 
Leoninamente,
Até á próxima
 
 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Para que serve a utopia?!...

 
 
Na última edição do jornal Sporting, foi publicado um artigo de João Villalobos que, pela sua qualidade e importância, deverá merecer a atenção de todos os sportinguistas. Para todos aqueles que não tiverem a oportunidade de a ele ter acesso, aqui o publico, com a devida vénia ao autor e ao jornal.


De santo e de louco todos temos um pouco

Há, em cada sportinguista, algo de santo e de louco ao mesmo tempo. A santidade advém-nos da paciência, essa qualidade cultivada ao longo de gerações e transmitida de pai para filho com a ternura de quem pendura ao pescoço do outro o cachecol verde e branco.
Através das sucessivas épocas, cada sportinguista apreende o conceito de relatividade melhor do que o próprio Einstein. Sabemos que o Tempo não é o mesmo para nós e para o comum dos mortais. Em Alvalade, na casa de cada sportinguista, na mesa de cada café, quando nos reunimos, há algo do passado que sempre regressa, mas igualmente um futuro por vir do qual nunca se abdica.
Somos diferentes. Couraçados que atravessam os oceanos indiferentes aos mísseis que, sob a forma de palavras, são enviados por adversários camuflados de comentadores televisivos e fazedores de opinião. Mas somos, também, adultos e crianças com um sonho, uma vontade de que nos recusamos a abdicar e que é, desnecessário será dizê-lo, voltar a vencer o campeonato.
Será isso uma doença incurável? É uma utopia colectiva a vontade de sentir a alegria, a euforia, a festa? Que seja. Mas se for doença não prescindimos da cura e se for utopia recusamos as famosas palavras de Eduardo Galeano, escritor uruguaio: "A utopia está lá no horizonte. Aproximamo-nos dois passos e ela afasta-se dois passos. Caminhamos dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que caminhemos, jamais o alcançaremos. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que não deixemos de caminhar".
Ao contrário de Galeano, somos sportinguistas. Não acreditamos que o horizonte da vitória seja inalcançável. E por isso prosseguimos o caminho. Damos dois e dez e cem passos e entristecemo-nos quando o resultado não surge, quando parece afastar-se por mais que andemos, quando vemos um jogo que desilude e nos afundamos na cadeira do estádio ou no sofá, temporariamente vencidos por um cansaço que parece não ter nome.
Mas depois…Depois levantamo-nos e recordamos os que vieram antes de nós, aqueles que nos seguem e seguirão, os antepassados, os filhos, os netos. Recordamos o que significa ter por símbolo um leão, ícone da força, da grandeza, da coragem.
Talvez hoje em dia, por acumulação das intempéries que atravessamos, dentro e fora do campo, seja mais difícil acreditar. Mas é por isso mesmo ainda mais necessário. Imprescindível até. Força Sporting! És a nossa fé.

João Villalobos


Para que serve a utopia?!... Exactamente, para não deixarmos de caminhar. Mas não acreditando que o nosso horizonte, ou sonho, ou objectivo,  sejam utópicos, bem antes pelo contrário, perfeitamente realizáveis e ao nosso alcance, deveremos agir como se o fossem e, como diria Eduardo Galeano... CONTINUAR A CAMINHAR!!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

O pilar do nosso contentamento!...



Sete longos e desesperantes meses foram suficientes para que todos os sportinguistas compreendessem a verdadeira dimensão da importância de Fito Rinaudo estar ou não presente na frente das duras batalhas que ao Sporting se colocaram e hão-de continuar a colocar. Honrosa e justamente distinguido com o privilégio de ser um dos capitães da armada leonina, Fito representa o coração, a garra e a disponibilidade que todos nós desejamos ver em todos aqueles que tiverem o privilégio de vestir a gloriosa camisola de Stromp, Peyroteo, Travassos, Yordanov, Sá Pinto e tantos outros que nestas modestas linhas, felizmente, nunca hão-de caber.
Desde que Fito chegou a Alvalade que me tornei seu adepto incondicional. E vou confessar-vos algo de muito curioso e sintomático: no jogo com o Gil Vicente, nas dezenas de jogadas em que as camisolas verde e brancas intervieram, foi sempre minha preocupação ver se no meio da confusão das imagens aparecia um leão com uma ligadura no pulso! Quando avistava essa mancha branca no braço de um deles, o meu coração descansava. Quer fosse num qualquer aperto defensivo, quer numa esperançosa iniciativa atacante, eu confiava que dos pés do portador daquela "mística braçadeira" sairia sempre uma boa solução, porventura e sempre, a melhor. Porque será que Fito me consegue transmitir essa tranquilidade, essa segurança, essa certeza?!... Não vos sei dizer meus amigos. Há razões que a razão desconhece. Talvez as mesmas que levam um balneário inteiro a reconhecer em Fito o seu lider, use ou não a braçadeira de capitão. Porque ele não precisa dela para que a equipa se sinta tranquila e confiante. Sá Pinto é um sortudo! Tem o privilégio que a nenhum outro treinador é concedido: tem dois capitães dentro das quatro linhas! Quizera eu que Fito continuasse a colocar sempre aquela ligadura branca no pulso, mesmo que fisicamente dela não necessitasse. Os regulamentos, obviamente, não o proibem e eu - e quantos mais como eu?!... agradeceria.
Não resisto a transcrever o que disse hoje António Bernardino no jornal Record, sobre Fábian Rinaudo: "Se existe jogador no seio do balneário leonino que não precisa de braçadeira para liderar, Rinaudo insere-se nesse perfil. Trata-se do tipo de jogador que assume a liderança com actos, dentro e fora do campo, não precisa de gritar para se fazer ouvir e dispensa o protagonismo mediático para dar nas vistas. Ainda assim, apenas um ano após chegar a Alvalade, os responsáveis leoninos entenderam colocá-lo no lote dos capitães, reconhecendo-lhe uma personalidade que consideram importante no seio do grupo de trabalho. Aliás uma personalidade que se estende ao relvado, onde, sempre que joga, "obriga" a equipa a transfigurar-se, para melhor. Possa ele jogar com mais regularidade...". Sábias palavras, que subscrevo, embevecido.
Alguém, próximo do nosso atleta, disse da Argentina: "... No Gimnasia, onde esteve três anos, era um jogador importante, mas nunca imaginou que no segundo ano no Sporting lhe dessem a responsabilidade de ser um dos capitães e isso deixou-o ainda mais orgulhoso e motivado...".
Rinaudo, o pilar do nosso actual contentamento, por tudo o que é e representa, merece duas "benesses" dos deuses: que os problemas físicos tenham sido definitivamente afastados para muito longe e que os árbitros compreendam o tipo de jogador fabuloso que têm pela frente, na hora de analisar a sua entrega, a sua raça, o seu querer, a sua tremenda disponibilidade, sem que, de forma premeditada ou superficial, vejam nesses atributos a maldade e a intencionalidade susceptíveis de serem sancionadas. Todos os grandes juízes exibem o bom senso que lhes permite separar as águas. Fábian Rinaudo merecerá esse bom senso por parte de todos os nossos árbitros !!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 
 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Nova táctica, porque não?!...

 
Coragem...
 
Não foi a alteração do modelo táctico ou a entrada na equipa de novos actores, que possibilitaram a importante vitória conseguida ante o Gil Vicente. Na opinião generalizada da crítica e aferido o sentimento também generalizado dos adeptos sportinguistas, terá sido a mensagem inequívoca que o seu treinador transmitiu para dentro das quatro linhas  e o coração, a garra e o querer colectivo do conjunto  leonino que operaram o milagre, que deu a volta ao jogo e recolocou o Sporting de novo numa posição onde todos os sonhos são permitidos.
Do eventual novo modelo táctico, ficaram apenas escassos 7 minutos de ensaio, absolutamente inconclusivos. Poderia ter sido diferente, se a tradicional ineficácia não se tivesse voltado a manifestar na entrada de rompante do conjunto leonino e se o rigor defensivo perdido desde a lesão de Boulahrouz não tivesse permitido ao Gil Vicente colocar-se inesperada e precocemente na frente do marcador.
A adopção do modelo ensaiado nos primeiros minutos do jogo com os gilistas, parece provocar algumas reservas na grande maioria dos analistas, porventura pouco ou nada interessados numa linguagem nova do Sporting. Nós sportinguistas, estamos habituados e conhecemos bem as razões que suportarão essa postura. E ela por si só, é suficiente para concluirmos que numa nova e diferente abordagem táctica estará o caminho certo: o contrário do que todos eles perconizam!
Já Paulo Futre e Fernando Mendes, de camisola verde às listas vestida, fogem do "satus quo" que aqueles defendem e afirmam corajosamente que o plantel do Sporting tem qualidade suficiente para qualquer modelo táctico, cabendo naturalmente a Ricardo Sá Pinto a definição desse modelo, consoante as características dos adversários a defrontar.
Chegados aqui, como adepto sportinguista minimamente conhecedor do futebol português e dos seus vícios e virtudes, entendo que o Sporting deverá passar a utilizar esta nova "nuance" táctica sempre que defrontar a generalidade das equipas portuguesas, com apenas duas excepções: o F.C.Porto e o S.L.Benfica, em que aconselharia, por enquanto, o "regresso" ao 4x3x3. Em todos os restantes, seja o clássico 4x4x2, seja a sua variante "losango", seja até o 4x1x3x2, Wolfswinkel nunca mais deverá estar só na área dos adversários. E não me venham dizer que Viola - eh pá, tira lá o Valentin das costas e manda colocar Viola! -  não é ponta de lança. Quero lá saber o que ele é. É bom, irrequieto, com uma técnica apurada, deambula a preceito num círculo que rodeia Wolfs, vai às alas se for preciso, centra bem, remata forte, espontâneo e colocado, que é que querem mais?! Parem lá de carpir as mágoas de o Sporting não ter um "bom" ponta de lança. Não há dinheiro para isso e ponto final!...
Sobre os lugares 6 e 10, estamos conversados. Enquanto Rinaudo e Izmailov estiverem com a condição que revelaram na vitória do exorcismo das nossas maleitas mentais, quem tiver dúvidas que se cale, para não perturbar. Gelson, Elias, Pranjic, Labyad, Adrien e André Martins, estarão naturalmente à espreita para promover o reforço da dinâmica e conseguir as tão apregoadas rotações e poupanças e só Sá Pinto conhecerá os mais indicados em cada momento ou necessidade.
Para além das virtualidades que em termos de benefício esta nova dinâmica táctica poderá introduzir no futebol do Sporting, o respeito, ou se quizerem o temor, que poderá infundir nos adversários será sempre um trunfo que contará, e muito, a nosso favor: não vejo outro modo de furar todos os pneus dos sacramentais autocarros do futebol português. Com panos quentes e receios, nada conseguiremos. Poderão aqui ou além acontecer imponderáveis, em que o futebol sempre foi, é e será fértil. Mas no cômputo geral, obviamente que ganharemos mais vezes e deixaremos de andar permanentemente com o coração e as calças nas mãos.
Arias tem de regressar com urgência à equipa principal. Mesmo que seja para estar no banco, Cedric precisa de um concorrente, próximo, a olhar para ele e a "recomendar-lhe" muito juízo e concentração. O rapaz parece-me andar demasiado seguro sem concorrência e isso pode ser muito mau para ele e para o Sporting. Coisa boa a pressão, não é Cedric?!... 
Sábado, vamos jogar em 4x4x2?!... Espero que sim.
 
Leoninamente,
Até à próxima
 
 
 
 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

O que pensará Labyad?!...


O Puarto é uma naçongue, carago!...
Ainda me passou pela cabeça que o Conselho de Disciplina da FPF, presidido pelo inefável Herculano Lima, despenalizasse o segundo cartão amarelo e consequente vermelho que o Vasquinho do Porto ontem mostrou a Labyad, lembrado que estava daquilo que tinha lido no jornal "O Jogo" na sua rubrica "O Tribunal do Jogo" e que a seguir resumo:

Jorge Coroado: "Labyad não fez nada que justificasse a segunda advertência. Cláudio foi quem começou, provocou e agiu à revelia das regras."
José Leirós: "Lapso de João Santos - árbitro auxiliar - que deu indicação errada ao árbitro. Labyad não impede nem responde a comportamento de Cláudio."
Pedro Henriques: "Cláudio tem comportamento antidesportivo, empurrando Labyad, mas este não fez absolutamente nada."

Pois enganei-me. Como aqui aparece referido, Labyad foi castigado com um jogo de suspensão. Toma lá que ninguém te manda vestir às listas verdes e brancas. Já não tenho cabeça para "arquivar" todas as despenalizações que têm acontecido no futebol português. Mas tenho a certeza que foram muitas e por razões menos plausíveis que esta seria. Vou esperar que algum sportinguista fanático do arquivo destas "divinas comédias", nos venha tirar as dúvidas a todos.
Herculano Lima e os seus comparsas, terão as orelhas a arder. Mas eles querem lá saber. Justiça em Portugal, é uma bola de futebol onde até os azelhas dão pontapés. O que pensará Labyad?!...

Leoninamente,
Até à próxima
 

Entre varas e cáfilas que o diabo escolha



 
A FPF e a LPFP parece terem acertado agulhas, como aqui é aventado, para indagar toda a "nebulosa" que eventualmente envolverá as palavras do vice do SLB. Torna-se evidente que quem, quando se sente acossado, pergunta por provas, terá agora que provar tanto a "mensagem" recebida, como o "mensageiro". E a não verificar-se a prova, o dito senhor poderá sofrer consequências disciplinares. Até aqui tudo bem, que os orgãos competentes investiguem, julguem e condenem com celeridade, justeza, imparcialidade e mão dura, adequadas ao crime que eventualmente venha a ser apurado.
Mas, à margem de todo este processo, engraçada ou desgraçada, hilariante ou lacrimosa, inteligente ou estúpida, espectável ou surpreendente, vem-se revelando tanto a posição da APAF, como do seu "xistrado" membro. Tanto o "insuspeito" organismo da arbitragem portuguesa, com o seu "irrepreensível", impoluto e criterioso membro Xistra, andam numa atitude expectante, como aqui é referido e desenvolvido, perante as acusações directas e explícitas do treinador e jogadores do SLB, acrescidas de forma arrasadora, contundente e sem subterfúgios do seu vice mais mediático.
Por muito menos ou mesmo nada, a não ser esfarrapadas e falsas desculpas, aquele senhor de Setúbal, que vai vivendo dos lucros repartidos entre o exército português que todos nós pagamos e a tesouraria da LPF que, com a "guita" dos nossos bilhetes, lhe vai complementando o "ordenadito" e que se conhece pelo nome de João Ferreira, esteve na origem do boicote ao Sporting na época passada e que a corporação apoiou freneticamente. Mas agora, como não é o Sporting que está em causa, antes o clube de todos eles, escasseia-lhes a coragem e tremem-lhes as perninhas!... Uma vara de porcos nojentos, ou cáfila de nauseabundos camelos é o que toda essa gente sugere ser...  
 
Leoninamente,
Até à próxima

Uma simples noite de amor



Uma simples noite de amor


Era noite de 2ª feira. A primeira de um Outono que para nós, Leões, chegou há algum tempo. Esperava mais um serão frio, gélido, onde nem as mãos tocávamos, nem tão pouco uma palavra de carinho dizíamos. Temos andado zangados! E o evento em si, sem nada de glamour ou passadeira vermelha, não me parecia que pudesse alterar a nossa relação mais recente.

Apresentaste-te diferente! Mais ousada. Qual mulher que sabe que tem de mostrar algo que até tem, mas tem andado escondido. Qual menina que sente passou a ser menos amada e respeitada, apresentaste-te com o decote bem descoberto. Atirado para a frente. Com um vestido que podíamos catalogar de quase obsceno. Apenas tinhas um fecho que te segurava. Aquele por que chorámos o ano passado chamado Fito Rinaudo, que aguentou, até ao fim da noite, sem se rasgar, quando já não saía do armário há tantos meses. Depois do teu decote, finalmente víamos duas pontas salientes, como que a convidar-nos a sonhar, suportadas por dois braços lisos, de unhas bem pintadas e prontos a envolver-me à sua volta. Mulher bonita tem de ter cabeça. E no comando de tudo estava Izmailov.

Ciente da importância da nossa noite. Calmo e tranquilo na condução da dança, como que a acelerar e travar os avanços dos ímpetos mais jovens que tudo querem fazer ao primeiro minuto do encontro e depressa amuam quando algo não corre da maneira que pensaram. Fui injusto contigo. Aos 7 minutos já estava a desprezar-te. Tu que te tinhas engalanado para me seduzir, que tinhas colocado um vestido novo e tudo estavas a tentar fazer para ficares bem comigo.

Passámos uma hora de ambiente tenso, onde não conseguimos trocar palavras simpáticas. Sempre que tentavas falar, eu gritava e nem queria ouvir o que tinhas para dizer. Tentaste tudo e foste cada vez mais longe. Subiste ainda mais o teu vestido, foste-te atirando para a frente percebendo que esta noite era uma noite importante para nós, quiçá decisiva para o nosso futuro a dois. Correste riscos quando avançaste com tudo, não temendo uma reprimenda minha ou que as tuas acções pudessem agravar ainda mais a situação que já era tremendamente complicada.

Quando nos tocámos a primeira vez, soubeste que não era suficiente. Sentiste que não me cativavas com um simples beijo e continuaste as tuas investidas loucas, por vezes descoordenadas, onde já pensavas pouco mas tentavas muito. Aí comecei a sentir que se calhar estava a ser injusto contigo. Comecei a ouvir-te a alma chorar por dentro e a perceber que estavas a fazer de tudo para me agradar. Senti as tuas fragilidades, a tua ânsia que te tirava o discernimento para pensares, mas senti a tua vontade e a tua garra para me abraçares de volta. Dei-te a mão e tentei contigo. Ficámos nervosos como se de um primeiro encontro se tratasse. Como se não estivéssemos já casados há tanto tempo, ficámos juntinhos e conseguiste! Finalmente demos o beijo apaixonado que pretendias nos últimos tempos. Que tanto tentaste nesta noite, porque sabias que no fundo, eu ainda te amava. E tu querias provar que queres mudar. Que estás disposta a tornar-te diferente e a não seres uma simples dona de casa que já não se arranja, que não capricha para agradar pois sabe que tem o melhor marido do mundo que quase nunca se chateia verdadeiramente e que se acomoda a uma vidinha simples e normal. Tens de te recordar que és a mais bonita, a mais charmosa, a que tem mais classe e, nunca te esqueças, a mais amada! Terminámos a noite abraçados.

Sabendo que apenas passámos uma boa noite juntos e que para continuarmos bem, temos de continuar a ter momentos destes. Podes não ter o melhor vestido, não teres os adereços mais caros, mas ontem mostraste que podes ter aquilo que faz a diferença: o melhor coração, a melhor alma! E isso, querida equipa do Sporting, tens de me mostrar sempre.
Nota final: Ricardo voltou?!... Talvez. Vi isso na entrevista de antevisão do jogo, acerca dos jornais desportivos que quase o matavam. Vi ontem uma atitude à Sporting, de pressionar alto e colocar em sentido e empurrar para trás os adversários que nos visitam e vi o brilho nos olhos de um de nós, quando marcámos o segundo golo e sim, chorámos. "Por um golo ao Gil Vicente?" dizem uns. “Parece que ganharam o campeonato!”, gozam outros. Mas só nós é que sabemos que, no fundo, e mesmo criticando tantas vezes, queremos que o Sporting com “um dos nossos” ao leme, ganhe também pelo Sá. Será que voltaste amigo?!...

Cajó

 

Não haverá fio que lhes valha!!!...

 
Afinal Sá Pinto não estava por um "fio"! O mais que poderia estar a prendê-lo, seriam os "suspensórios" !... A feliz imagem que parece ter sido colhida por um repórter de imagem do jornal "Record", mostra-nos claramente aquilo que lhe terá permitido não "deixar cair as calças" !... 
Ricardo terá errado apenas na escolha da cor das calças. Tudo aconselhava para que ontem tivesse escolhido a cor castanha. Sempre se notava menos, se porventura a alma e a raça leoninas não se tivessem manifestado de forma tão exuberante...
Tudo acabou em bem, com a excepção da "pequena maldade" que o Vasco fez ao Zakaria, que tinha de vir a Portugal "receber" a primeira expulsão da sua carreira. Somos os melhores do mundo!...
Mas "o rei continua nú"! A menos que Boulahrouz recupere para sábado e até lá Sá Pinto deixe passar a onda de loucura que ontem o assaltou e que acabou por nos dar a vitória. Só um treinador louco conseguiria ontem derrotar os autocarros de Paulo Alves, depois de se apanharem, sem saber ler ou escrever, a ganhar aos 7 minutos de jogo.
Sá Pinto não teve culpa nenhuma das azelhices de Xandão e Cedric, ambos reincidentes nas aberrações que protagonizaram. E se o primeiro deu mais um indicador seguro à "estrutura", de que a opção terá mesmo de ser deixada cair, o segundo parece estar a precisar da concorrência de Arias, quiçá mesmo de algum tempo de banco, para acalmar ideias e ganhar juízo. Porque o centro que nos permitiu a vitória com aquela "penteadela" de Wolfs, não conseguiu apagar as muitas asneiras que cometeu e que quase iam partindo os "suspensórios" de Sá Pinto. A malfadada "baixa" de Pereirinha parece ter-lhe feito mal. Nada que porém não se possa remediar. A equipa B serve para isso mesmo.
Fito Rinaudo "disse" ontem as razões porque a sua presença na equipa é incontornável. E serão duas essas razões: porque com ele "desaparecem" as lateralizações e os atrasos e a equipa avança, atemoriza e faz recuar o adversário e porque Gelson - uma excelente contratação, um belíssimo jogador e a garra leonina a saltar-lhe por tudo quanto é poro! - precisará como de pão para a boca, de assistir do banco, a uma boa série de jogos de Fito, para perceber o que não deve fazer quando a equipa precisar dele. Ao contrário daquilo que André Santos, na época passada, nunca conseguiu fazer.
Labyad terá ainda de ganhar humildade e sentido colectivo. São os 19 anos a pesar. É natural, mas há ali uma montanha de potencialidades. Já Viola - que estupor de decisão aquele Valentin nas costas! -, me pareceu bem mais maduro e produtivo. Uma pena aquele petardo à barra que, se tivesse beijado o "véu da noiva", teria feito capa na imprensa doméstica, argentina e muitos arredores. Mas disse claramente a Sá Pinto e se calhar a todos nós, que Wolfs com ele por perto, ficará sempre mais confortável, perigoso e porventura concretizador.
O "monstro russo" encheu o campo e parece ter finalmente encontrado as pilhas certas: passe a publicidade, com "Izmaduracell" o Sporting entra noutra galáxia! Este será o 10 que o Sporting nunca mais teve desde Balakov! Se os ossos, as cartilagens, os músculos e os tendões aguentarem, ninguém tenha pena de nós! Vamos Marat, nem imaginas a festa que te faremos se o conseguires. Tens dito repetidas vezes que estás em débito para connosco. Pois bem, só te pedimos que aguentes assim como estás e poderás dormir de consciência tranquila: não nos deves nada e seremos nós que sempre te deveremos fortes e gratos aplausos.
Ricardo Sá Pinto, ouve bem o que te digo. Não repitas as loucuras de ontem. Ganhaste, ganhámos, tudo bem, mas não te empolgues. O 1x1x8 com que nos deste esta alegria imensa, não é para repetir muitas vezes. Não se deve dizer nunca. Não sabemos se um dia destes, os Moreirenses desta vida nos obrigarão de novo a caminhar assim rumo ao Jamor. Mas o melhor mesmo é regressar ao discernimento e ao equilíbrio do 4x4x2 com que pensavas "arrumar" o Gil Vicente. E pensavas bem, ouviste?!... Chama-lhe "losango", chama-lhe o que tu quiseres. O que há-de sempre mandar será a "alta voltagem" do 4 do meio. Tens gente de sobra para isso, então... Aperta com eles !... E verás que não haverá fio que lhes valha !!!...

Leoninamente,
Até à próxima


 

O Sporting não é cego, surdo ou mudo!...


Inqualificável!... O homem levou um empurrão e foi expulso!... Todas as rubricas que sobre esta arbitragem os jornais desportivos hoje publicaram são unanimes: erro indesculpável e inqualificável de Vasco Santos. O que veio fazer a Lisboa este árbitro do... Porto?!... Vergonha!!!...
O Sporting reagiu de imediato em comunicado. Longe vão os tempos em que o clube "comia e calava". Era o tempo da incompetência, incapacidade e comodismo. Hoje Pedro Sousa não fica à espera de ver "em que param as modas": a indignação salta, imediata e expontânea, "à Sporting"!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Uma alma do tamanho do símbolo...

 
Em desespero, mas acabou por ser uma vitória justíssima. Uma vitória de quem muito lutou, de quem tudo fez para o conseguir, com um querer imenso e uma alma do tamanho do seu símbolo.
Ricardo Sá Pinto arriscou tudo. Antes, durante e na parte final do jogo. Pela primeira vez esta época. Até poderia ter saído derrotado. Mas ganhou. E bem o mereceu.
Tenho a certeza de que antes do jogo, nunca passou pela cabeça de Sá Pinto que viesse a acontecer, aquilo a que acabámos por assistir. Avançou com surpresas inesperadas, tanto tácticas como nas individualidades a quem deu a titularidade. Que poderiam ter resultado, mas que o golo do Gil Vicente, aos 7 minutos, obtido contra a corrente do jogo e em consequência de dois erros colossais e inadmissíveis dos jogadores leoninos envolvidos, desmontou completamente. Aí terminaram as tácticas, os equilíbrios, o discernimento, a calma, a frieza e ouviu-se apenas a voz do coração de quem esteve envolvido nesta imensa batalha contra o infortúnio e contra muitas outras coisas. No banco e no relvado.
Mas o coração de todos os que protagonizaram um dos jogos mais dramáticos que vi disputar ao Sporting nos últimos tempos, falou suficientemente alto para todos ouvirmos que a equipa queria ganhar. Como diria um saudoso desaparecido da cena do futebol nacional, Sá Pinto "colocou toda a carne no assador" e ganhou a aposta, porque, com erros e todas as vicissitudes que o jogo ofereceu, cada um deu o máximo para que a vitória lhes sorrisse.
Quero deixar aqui o meu reconhecimento a todos os que contribuiram para esta vitória. Mas não quero deixar passar em claro o pequeno "pormaior" de Marat Izmailov ter feito o primeiro jogo completo desde há muito tempo e de ter sido reconhecido pelos comentadores da estação televisiva que efectuou a transmissão, como o melhor em campo.
É hora de todos voltarem de imediato ao trabalho, com os ensinamentos colhidos e não permitindo que a mais pequena parcela da dinâmica que hoje foi conseguida. seja desaproveitada. Seria uma perfeita estupidez perder por "inércia da mente" a feliz "inércia de movimento" que hoje todos souberam alcançar!...
 
Leoninamente,
Até à próxima  
 
 
 
 

Esperança...


Revolução na equipa!... Rinaudo, Insua e Viola a titulares, mantendo-se Izmailov e Pranjic... Dá ideia que o sistema táctico vai ser alterado. Ou não?!... Falta pouco. Pode ser que as coisas mudem para melhor...

Leoninamente,
Até à próxima

Resposta verdadeiramente "à Sporting" !!!...

 
 
Foi a incapacidade de reacção do Sporting Clube de Portugal às inúmeras provocações e descortesias que foi encaixando ao longo de anos e anos, tanto por parte de clubes adversários como por parte dos mais diversos orgãos de comunicação social, que sempre me levaram a lamentar os silêncios que desde o abandono do senhor João Rocha dos destinos do nosso clube, passaram a constituir, com honrosas mas escassas excepções, a "praxis" do dirigismo leonino, designadamente desde a eleição da equipa dirigente liderada por Godinho Lopes, com as subsequentes e particularmente infelizes escolhas de alguns colaboradores na importante área da comunicação do clube.
Mas não há mal que sempre dure e o tempo encarregou-se de possibilitar a correcção de alguns desses erros. Hoje pode muito bem ter acontecido o fim da travessia do deserto do meu - e creio que de todos os sportinguistas - descontentamento! A resposta do SCP, publicada no site oficial, ao vilipêndio encapotado recentemente proferido pelo presidente do SLB ao nosso clube, é um texto que honra as nossas gloriosas tradições, repõe a verdade dos factos e fica a constituir um sério aviso aos que nos julgavam na sargeta da indigência e que por isso pensavam poder decarregar sobre nós, sempre que lhes aprouvesse, as suas caninas e purulentas bexigas, sem que daí viesse algum mal ao mundo.
Foi uma autêntica resposta "à Sporting" que, naturalmente, por inesperada e demolidora, determinará um concerto de latidos que não surpreenderá nenhum sportinguista. E será agora, verdadeiramente, que poderá ser aferida a união entre todos aqueles a quem a chama do Leão inundou o coração. Ao contrário de alguns presumidos arautos do sportinguismo, não é o unanimismo nas grandes decisões da nossa vida colectiva, que algum dia promoverá a nossa união: vida que não é ralhada não é governada!
Quando o desafio que se nos coloca é a defesa dos nossos princípios e valores - morais ou materiais - contra os ataques que nos forem dirigidos do exterior, aí sim, aí a nossa unidade será sempre fundamental e condição "sine qua non" para destroçarmos quem atenta contra a nossa honra, dignidade e interesses!!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 23 de setembro de 2012

Sá Pinto, o futuro estará nas suas mãos!...

 
Voltar à dinâmica de vitórias torna-se imperioso. Que Ricardo Sá Pinto e os atletas que comanda compreendam a responsabilidade que têm sobre os ombros. A tendência para o absentismo em Alvalade já vai em 22.325 adeptos,  que assistiram, decepcionados, ao jogo com o Basileia. Os adeptos vão-se distanciando gradualmente e o esforço do Presidente pode ir por água abaixo.
As palavras que Sá Pinto mais logo dirigirá à nação leonina na conferência de imprensa de lançamento do jogo com o Gil Vicente, serão importantes para a decisão de milhares e milhares de adeptos sportinguistas. Que tenha muito cuidado com o que vai dizer. Se a sua sensibilidade ou a sua capacidade comunicacional não lhe permitirem evitar a repetição dos perniciosos e pouco assertivos habituais lugares comuns, que Pedro Sousa perca algum tempo com ele de modo a que não volte a cair nos erros em que tem vindo, sistematicamente, a incorrer num passado recente. E tão importante como as palavras que possa dirigir aos adeptos, será a determinação que o possa animar. Porque os seus olhos e a sua expressão facial nunca hão-de dizer o contrário do que lhe for na alma.
Talvez nunca como hoje, as palavras de Ricardo Sá Pinto tenham sido aguardadas com tanta expectativa. Porque todos as pressentem decisivas para o seu futuro que, estou certo, todos desejariam que continuasse de verde e branco. Nas sua mãos estará a resposta...
 
Leoninamente,
Até à próxima  
 






sábado, 22 de setembro de 2012

Geração Academia Sporting !!!...

 
Um excelente e interessante trabalho sobre a equipa B do Sporting, foi hoje apresentado aqui. Pede meças a todo o jornalismo barato e subserviente que nos vai aparecendo nos jornais desportivos, com esporádicas e ainda insuficientes excepções do jornal "O Jogo".
Cada vez mais surpreendente o trabalho destes esforçados amadores que, corrigidos alguns devaneios próprios da juventude, parecem começar a ser um caso muito sério de uma área de informação tão carente de novos valores, descomprometidos com o "nojento" sistema que tudo controla e governa e a reclamar com urgência um projecto de maiores dimensões, quiçá em outras vertentes.
O meu aplauso, insuspeito!...
 
Leoninamente
Até à próxima

Ai do Sporting...

 
Hoje apareceram por aí uns "caracolinhos" a dizer coisas, numa rubrica, curiosamente, intitulada de "pressão alta", quando o homem é pequenito e nunca frequentou qualquer escola de dança. Nunca conseguirá fazer nada que não seja baixo, à altura do defeito que a sua inaptidão para a dança determina.  E as coisas de que o dono dos "caracóis" se serve para "empurrar" Godinho Lopes! Como se alguém no Sporting desse crédito a tais "caracolices".
O homem já vê o Presidente do Sporting num beco e ainda por cima sem saída. Deve precisar de ir cortar os "caracóis" que lhe tombam sobre a testa e lhe turvam a visão.
Godinho Lopes não estando embalado na auto-estrada que todos desejaríamos, não está metido num beco coisa nenhuma! E no processo que envolveu a escolha e lançamento de Ricardo Sá Pinto na alta roda do futebol português, apenas poderá eventualmente ter cometido o erro de, extemporaneamente, lhe ter prolongado o contrato inicial por mais uma época, sem indicadores seguros que lhe garantissem o acerto dessa decisão. Quanto ao resto, o treinador por si escolhido, mal ou bem, superou as melhores expectativas dos adeptos na primeira época, se fecharmos os olhos perante a desgraça do jogo do Jamor.
E se não fosse a escusada precipitação da prorrogação do vínculo de trabalho do treinador, estaria agora de mãos livres para, perante o seu admissível insucesso na época que ainda agora começou e que até poderá vir a ser perfeitamente revertido, começar a preparar com todo o tempo do mundo a escolha de um outro técnico para a próxima época.
Apesar de tudo, penso que Godinho Lopes nem estará metido em nenhum beco sem saída e direi mesmo que nem desconfortável estará. Os adeptos aplaudiram-lhe a escolha e nenhum deles lhe cobrará o que quer que seja até final desta época, se deixar prosseguir com tranquilidade o trabalho de Ricardo Sá Pinto, tentando por todos os meios proporcionar-lhe o máximo de conforto e condições. Depois, com o aproximar do final da época, Godinho Lopes continuará sempre, incontornavelmente, confortável: ou o treinador reverte a dolorosa situação actual ou com toda a argumentação e justiça do mundo, verá o seu contrato ser rescindido e será substituído por outro. Simples, sem becos e com todas as saídas do mundo.
Quem estará absolutamente metido num beco com muito poucas saídas, na minha modesta opinião, será Ricardo Sá Pinto! Porque esta época e é só desta época que falo apesar de o seu início ser tão recente, terá falhado praticamente em todas as vertentes do seu trabalho. Em termos de resultados é absolutamente lastimoso o que conseguiu até agora. Em termos exibicionais, a lástima atinge proporções inconcebíveis para a grandeza do clube que representa. Em termos anímicos, terá deixado a sua garra e pundonor esquecidos em algum lugar paradisíaco onde passou as férias e a equipa que dirige mais parece uma brigada de limpeza municipal, com o emprego seguro, o ordenado garantido e sempre atenta ao toque das trindades na torre da igreja das redondezas onde trabalhe. Em termos de relacionamento no balneário, o que por aí vai, a fazer fé em rumores que sempre carregam consigo alguma verdade e a acreditar no que os nossos olhos vêem nas convocatórios dos sucessivos jogos. A saída de Onyewu e a não utlização de Schaars e Rinaudo no arranque da época, constam como ódios de estimação por ele criados, num balneário que idolatrava esses três atletas, por todos considerados como líderes, bem ao contrário dos capitães que recentemente terá optado por escolher, sem que nisso se veja intenção que mereça ser aplaudida. A juntar a este naipe, parecem também não ter caído nas suas graças, Labyad e Viola, sem que se descortinem razões aparentes. Finalmente em termos da  mensagem transmitida para o exterior, eu "roubaria" a espectacular analogia que Rui Calafate aqui estabelece,  com o ministro da propaganda do Iraque e ficaria tudo dito.
Nestas condições, ao contrário do que nos pretendeu fazer crer o dono dos "caracóis", será inevitavelmente Ricardo Sá Pinto que terá as mãos queimadas de tanto passar de uma para a outra a batata quente que ele próprio vem cozendo em lume brando. Ou põe o Sporting a jogar bem e a vencer, esquece os seus ódios de estimação, ganha o balneário, introduz de novo na equipa a mística que no final da época passada conseguiu insuflar e altera radicalmente o podre discurso que já "chateia" e mete nojo, ou... DEMITE-SE!... Não faltarão a Godinho Lopes soluções, provavelmente melhores e próximas, sem ter de ir ao Brasil buscar "sargentos" a peso de ouro, que ainda afundariam mais as já de si depauperadas finanças leoninas. Mas ai do Sporting se se vir alguma vez obrigado a recorrer a Godinho Lopes!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

O que hoje é verdade, amanhã é mentira !!!.-..

Vive reclamando da vida?!... Veja a desgraça dos outros e seja feliz !...

 
Ainda hei-de ver mais que isto, depois de ter chamado a atenção dos sportinguistas para isto !... Engraçado como a presunção da antecipação do insulto, pode levar a crer que o mesmo não caia em cima de quem o profere. Aconselha o povo, que se deve insultar antes que nos insultem a nós!...
Vale tudo para certas personagens. Quando lhes escasseiam argumentos que justifiquem o seu próprio desastre, anunciam os cataclismos que inexoravelmente se abaterão sobre os outros, como se a doença desses fosse a cura para os males próprios.
Pobre não é o cego! Pobre mesmo é aquele que se recusa a ver! Hitler foi levado ao poder pela cegueira colectiva de um povo. E embora muitos historiadores recusem a tese, o facto é que a História se vai repetindo, aqui e além.
Muito mal devem ir as coisas  para que agora ouçamos alguém dizer que a competitividade terá de ser subordinada ao equilibrio financeiro, quando bem recentemente ouvíamos falar de uma enorme força competitiva resultante de um salutar equilíbrio, agora reconhecido como débil e a necessitar de vendas e redução de massa salarial. Afinal o "pretendente" parece mesmo ter acertado na "mouche"! Pimenta Machado continua a ter razão: no futebol, o que hoje é verdade, amanhã é mentira !!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 
 

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Já não aguento mais !!!...

Já não aguento mais !...

Estou farto de ouvir o Rui Patrício, p.e. aqui, a dizer que temos de levantar a cabeça. Ninguém é capaz de dizer ao rapaz que mude de disco, que este já cheira mal?!... Ou não será muito mais importante levantar a mente, a mística, a crença?!...
Estou farto de ver o Elias a dois ou três metros da baliza, "amandar" um charutão daqueles, para a Juve Leo ou Directivo XXI. Que estupor de sorte a nossa: já não nos chega que o mais caro jogador de sempre não seja capaz de compreender que não estará propriamente a jogar raguebi, ainda teremos de ser obrigados a ver o Capel a desviar a trajectória  da bola, com meiguice,  para as mãos de Salin, ou o Ricky, com uma pontaria do caraças, disparar para as pernas dos adversários, com a baliza escancarada, ali a dois passos?!... E quando é que o Sá Pinto prolonga os treinos mais uma hora, só em ensaios para a baliza, nas mais diversas situações e posições?!...
Estou farto de ouvir e ler críticas aos sportinguistas que publicamente assumem o seu desalento, face ao persistente mau momento da equipa principal do Sporting. Então Fernando Mendes, que até podia perfeitamente remeter-se a um cómodo e inatacável silêncio, depois de passar pelos clubes de top do futebol nacional, regressa às origens, demonstra inequívocamente qual o amor que ao fim de tantos anos lhe faz bater o coração, expressa com todo o direito que lhe assiste, a sua opinião e é de imediato criticado e condenado? Porquê?!... Ofendeu alguém, ou a liberdade de expressão é uma batata?!...
Começo a ficar também farto, de ouvir e ler que o Sporting é o clube em maiores dificuldades económicas e financeiras do futebol português! Pois não custa nada reconhecer que o clube não viverá os melhores dias da sua história. Mas essa de sermos os piores do mundo e arredores, já não cabe no meu saco! E então quando um ex-candidato à presidência do Benfica e que muito provavelmente voltará para nova corrida, vem afirmar publicamente, só isto, sem que se notem desmentidos ou reacções, como sportinguista eu pergunto à CS empenhada na campanha de LFV: então, qual o clube em pior situação económico-financeira no futebol português? É o Sporting? E "cadê" os outros?!...
Já não aguento mais !!!...

Leoninamente,
Até á próxima
 
 
 

Fui à bruxa...

 
Hoje, logo de manhãzinha bem cedo, saí de casa e disse à Leoa que ia tratar de revisão do carro. É uma excelente desculpa. Cola sempre. Mas onde eu fui, digo-vos agora. À hora habitual já estava a tomar a bica, com os benfas a assarem-me o juízo. Mas antes, fui à velha.
Já recorri a ela muitas vezes. Quando me sinto perdido, sem saber o que fazer, lá vou eu. Dizem que é bruxa, tal e tal, faz umas mezinhas e não há nada que não se resolva. Mas hoje depois da "consulta" e de tomar a bica, enquanto o juízo fervia por causa daqueles "energúmenos" meus amigos, fui pensando na "receita" da velha e quanto mais pensava, mais preocupado ficava.
Eh pá, arranjar um cagalhão de leão, não é fácil, mas a coisa consegue-se. É só descobrir onde está armado o circo mais próximo que "trabalhe" com leões. Tenho a certeza que hei-de descobrir.
Mas arranjar uma pata de pinto com 39 dias - se eu quizer "fazer a coisa" até 10 de Outubro, se for depois, terá de ter 40 dias - já é mais difícil. Primeiro porque posso ser enganado pelo vendedor, depois porque não tenho coragem de cortar a pata ao pinto. Hei-de dormir sobre o assunto.
Mas muito mais me preocupa encontrar uma pedra do velho Estádio de Alvalade. Onde é que eu vou desencantar tal coisa. Aquilo foi demolido num ápice e foi transformado e reciclado em novas construções. E agora?!... Talvez tenha a sorte de um sportinguista ter guardado algumas para recordação e me ceda uma. Quem sabe?!... O azar não está sempre atrás da porta.
Quando o estupor da velha me "receitou" o coração do Liedson, até fiquei branco! Você é maluca, ou é do Benfica, perguntei eu! E ela perguntou-me se eu não queria mesmo fazer o que lhe dissera e mandou que me desenrascasse. Já vinha pelo meio dos pinhais a caminho do Café Jardim, quando o meu cérebro estourou. Burro, como é que eu não me tinha lembrado?!... O Liedson, nos últimos tempos que passou em Alvalade, depois que arranjou uma namorada nova, sempre que marcava um golito, fazia um coração com as mãos, não era?!... Pois então bastará ir ao Google, procurar bem e acabarei por encontrar o coração do Liedson.
Uma fotografia do André Cruz e outra do Balakov, também não será difícil. Até parece que tenho várias numa pasta das "minhas imagens". Adiante. Umas cuecas velhas do José Peseiro, obrigam-me a ir a Braga, falar com o homem, mas estou certo que pela nobreza da causa, o Zé, que sempre me pareceu boa pessoa, não me há-de deixar desgovernado.
Arranjar uma caneta velha do Senhor João Rocha - a oitava e última coisa que a velha exigiu - vai ser complicado. É certo que tenho bons amigos muito bem relacionados com as velhas glórias do Sporting, mas a última coisa que eu queria era incomodar quem tanto estimo e venero. Mas "noblesse oblige" e tantas voltas hei-de dar que hei-de conseguir. Ainda não sei como, mas um leão consegue sempre tudo aquilo a que se propõe.
Pronto, amanhã começo pelo cagalhão. Porque não posso perder muito tempo. Tenho que entregar tudo à velha até 2ª feira às 20.15...
 
Leoninamente,
Até à próxima 

Não acredito no Pai Natal...

 
Nem morto eu deixarei de ser sportinguista! Que fique bem claro. Até podemos perder em Alvalade, a jogar contra - desculpem-me lá rapaziada - o Sarilhense reduzido a 8 jogadores, depois de três expulsões, que o Leão há-de continuar aos saltos no meu coração. Não é nada disso que está em causa, pronto.
Eu já andava com sérias dúvidas, mas agora é de vez:  nunca mais acredito no Pai Natal, enquanto ele não me vier trazer um presente, em mão, aqui a minha casa e me apertar  a mão...
 
Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Só com audácia, coragem e empenhamento!...

 
Nem sei se desejo que as horas passem depressa, ou adormecer como um bébé, pacífica e profundamente e acordar só lá para as 22.00. Estou cansado de esperar e de sofrer, para voltar a ver anunciado o mesmo onze de sempre e assistir depois às mesmas soluções de sempre, ao mesmo empenhamento improfíquo de sempre, à mesma ineficácia de sempre e depois, chegar sorrateiramente, de pantufas, um golpe de infortúnio, azar, desconcentração ou seja lá o que cada um lhe queira chamar e eu cair ainda mais profundamente na fossa desconsolada em que vivo jogo após jogo, época após época, há tantos e demasiados anos!...
Quizera que logo, nenhum destes meus receios se confirmassem e que Ricardo Sá Pinto expulsasse a teimosia que parece ter herdado de outros teimosos que passaram por Alvalade. Que abrisse o seu espírito à dura realidade que o envolve e a todos nós e arriscasse entreabrir a janela dos nossos sonhos e ilusões e arejasse o ambiente pesado e bafiento com que temos vindo a ser confrontados.
Persistir nos modelos, tácticas e sistemas que tanto desencanto nos tem proporcionado será o mesmo que permitir a continuação do estado letárgico  e de profunda desilusão em que nos arrastamos e ver aproximar um fim que, muito provavelmente, ninguém desejará, a começar por ele próprio.
Não irei a Alvalade, apesar da minha "Game-box" e da satisfação que isso me daria, noutras condições diferentes deste desânimo que hoje me invade. Não se fazem 600 km no estado de depressão em que, como adepto sportinguista, hoje me encontro. E poucas dúvidas terei de que não estarei só nesta minha decisão. Será fácil para muitos que vivem, trabalham e dormem com Alvalade à vista. Para quem o faz a quase 300 km de distância, é preciso que o sportinguismo que vive no coração de cada um nessas circunstâncias, seja alimentado por uma alegria e certeza interior que neste momento não existe. Por isso a responsabilidade dos dirigentes leoninos, técnicos e atletas, vai aumentando a cada novo insucesso. Por isso, vencer e convencer, no jogo de logo à noite, talvez seja demasiado importante para que persistam teimosias e faltas de audácia e coragem.
 
Leoninamente,
Até à próxima

Sem pudor, entre filhos dilectos e enteados !!!...

Entre filhos e enteados!...

Nem Luisão, nem o Benfica, tinham a mais pequena parcela de razão no processo que culminou com a condenação e castigo, interno e externo, a que foram sujeitos, tanto o atleta como o clube. Nenhum dos organismos nacionais e internacionais autores das decisões teve qualquer dúvida. Mas como qualquer suspeito da autoria moral ou material de um crime, ambos tiveram direito à correspondente defesa. Nas diversas instâncias internacionais ou mesmo junto do clube alemão que recebeu o clube português nesse jogo de má memória, a FPF esteve ao lado do Benfica, no sentido de limitar danos que se adivinhavam, porventura bem mais danosos que aqueles que acabaram por ser decretados. 
Tem toda a razão Godinho Lopes, ao manifestar, como aqui é noticiado, todo o seu desagrado pela atitude da Federação no caso, profusamente noticiado e especulado em toda a CS, da retenção dos prémios que ao Sporting caberiam pela sua participação nas provas europeias. O clube de Alvalade teve de se haver sózinho com o desbloqueamento da situação e apenas teve o apoio, nos organismos internacionais competentes, da LPFP, para que a situação pudesse ser ultrapassada e as verbas desbloqueadas, como aqui é noticiado.
Continua a parecer evidente, o samba de uma nota só, que o organismo máximo do futebol português continua a executar. Podem mudar os maestros que o "estupor da banda", toca sempre a mesma música. Seja em que vertente for, o diabo de pauta só contém uma nota e bem impressa com "rouge", a fazer lembrar as prostitutas já idosas da beira da estrada.
Ninguém contesta que as culpas andassem de braço dado com as dificuldades financeiras que se vivem em Alvalade, ou com o laxismo dos responsáveis leoninos, corporizados na pessoa de Nobre Guedes. Como também ninguém contestará as culpas do Benfica no "caso Luisão". O que se contesta é a dualidade de critérios usada pela FPF, na defesa imediata e eficaz de alguns clubes portugueses e no desprezo que evidencia com outros. Até parece que a "TSU" paga pelo Benfica ao "estado federativo" do futebol português é maior que a que os outros clubes pagam, para que os privilégios continuem a ser tão substancialmente diferentes. Este infame neoliberalismo que varre de lés a lés a pátria lusa, até no desporto se instalou. Intocáveis, protegidos, ajudados e priviligiados continuam os mesmos de sempre ! A nossa Federação vive, sem pudor,  entre filhos dilectos e enteados !!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Entre inventar ou escolher um 10!...

 
 
O jornal "O Jogo", abordando aqui as características e condicionantes actuais do jogador sportinguista   Izmailov, trouxe um importante contributo para uma reflexão séria sobre a questão candente da posição 10 do Sporting.
Com a substancial margem de erro que a minha opinião naturalmente conterá, porque sou apenas um simples e despretensioso adepto do futebol e do Sporting, tornou-se evidente que a saída de Matias Fernandes teve como consequência a necessidade de rapidamente ser encontrado um substituto que armasse o jogo leonino. Ricardo Sá Pinto terá feito a sua avaliação e dá-me a ideia que terá optado por Adrien. Mas as consequências práticas de tal decisão, têm evidenciado que claramente Adrien não é um 10. As suas exibições, a forma como evolui no terreno e as tendências que revela, fazem supor que o lugar mais indicado para ele será o 8. Também a André Martins tem sido dadas boas oportunidade de desempenhar o papel de 10 e quer-me parecer que ainda estará mais distante de Adrien na produção conseguida e estará ali porventura outro 8 em potência, com a agravante de não possuir ainda a estrutura física de Adrien.
Face ao falhanço das duas opções iniciais e perante a recuperação física de Izmailov, Sá Pinto entregou a este jogador no último jogo no Funchal, a responsabilidade da posição 10 a quem por alguma razão também ostenta na camisola o mesmo número. Começou por fazer a ala esquerda mas, por indicação do técnico ou por tendência natural, foi derivando para o centro, donde começaram a resultar duas coisas curiosas: começámos a ter finalmente um 10, mas foi simultâneamente notório que o espaço passou em diversas fases do jogo a estar ocupado por dois jogadores com a mesma função, que em vez de se completarem se atrapalhavam.
Quer-me parecer que Izmailov, será a solução mais indicada. Mas as suas debilidades físicas terão de ser muito bem geridas, em tempo e esforço, o que determinará naturalmente que uma solução alternativa ou complementar terá de ser encontrada. Restar-nos-à então, porventura, Zakaria Labyad que, incompreensivelmente para a grande maioria dos adeptos sportinguistas, Ricardo Sá Pinto parece nunca ter, até agora, tomado na devida consideração. Porquê?!... Só ele saberá dar a resposta. Mas que Adrien é um 8, que André Martins precisará de mais tempo, ginásio e muito empenho e trabalho e que Izmailov será para utilizar com limitações idênticas às que Aimar é usado no Benfica, parecem ser factos que dificilmente poderão ser negados. A minha dúvida e perplexidade está em Labyad, que nunca decepcionou quando jogou, em qualquer das vertentes de análise. Será que o jogo de amanhã nos poderá trazer algumas respostas?!... Oxalá porque, decididamente, alguma coisa terá de mudar e o tempo começa a ser demasiado escasso...
 
Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Lá fora a coisa pia muito mais fininho !!!...

São uns mauzões este Senhores!!!...
 
Curiosa e hilariante a postura de dirigentes, causídicos, comentadores, jornais e jornalistas, afectos à causa benfiquista, em todo o processo que Luisão, sem intenção manifesta posso reconhecer, atingiu e fez estatelar no chão o árbitro alemão naquele fatídico jogo particular de Dusseldorf. A fazer lembrar os antigos ditadores sul americanos e toda a nomenclatura que os rodeava, idolatrava e acriticamente defendia.
Falharam todos os expedientes e a esperteza saloia que rodeou este imbróglio. O jogo foi suspenso e pouco depois dado como terminado pelo árbitro, pesem os extemporâneos esforços encarnados para o evitar. A queixa arbitral seguiu os seus trâmites normais, para as instâncias devidas, galgando a importância de degrau em degrau até desaguar, naturalmente, na federação respectiva e no orgão regulamentarmente competente.
O clube português foi obrigado a negociar com o clube anfitrião o "cachet" que já havia recebido pela sua presença e outro remédio não teve que proceder à sua devolução integral, antes que outras consequências mais gravosas se somassem às que se começavam a adivinhar para o jogador.
E enquanto a decisão do Conselho de Disciplina ia sendo cozinhada em banho-maria, os dirigentes, causídicos, comentadores, jornais e jornalistas, de camisola encarnada vestida a rigor, atropelavam-se  e desdobravam-se em tudo o que pudesse revelar-se influente em toda a CS, na demonstração da inocência do jogador e na insanidade mental do árbitro. Mas as instâncias internacionais que superintendem todo o futebol europeu e mundial, permaneceram mudas e quedas, sem dar troco às investidas da corte benfiquista e numa atitude de severo escrutínio do orgão disciplinar da FPF.
E poderemos facilmente imaginar as noites mal dormidas dos cinco conselheiros da Disciplina federativa. É que entre os compromissos assumidos no lançamento da sua eleição com o clube agora visado e as consequências que poderia determinar para o organismo a que pertencem, qualquer decisão parecida com a que ainda há pouco tempo atrás haviam tomado em relação ao treinador do mesmo clube e sendo por todos sobejamente conhecida a inflexibilidade disciplinar da UEFA e FIFA, o seu coração balançava enquanto as perninhas lhes iam tremendo e a "coragem" fenecendo.
Herculano Lima e uma sua acólita que com ele votou vencida na novela "jesuíta", com declarações de voto que classificaram irreversivelmente os seus autores, ainda vermelhos de vergonha, não voltaram a cair noutra. Desta vez foi "sacrificado um outro cordeiro", que votou como único vencido e escreveu uma lérias para benfiquista ler. Como não podia deixar de ser, foi classificado o gesto de Luisão como agressão e a pena aplicada foi a mínima que o quadro específico para tal crime previa.  Menos que isso seria considerado um inaudito desafio às instâncias internacionais e há muito que por linhas travessas "alguém" já teria feito chegar ao Conselho essa informação. O banho-maria permite estes pequenos pormenores e "ajustamentos".
O Benfica veio anunciar, com simplicidade, modéstia e muita precaução, que estava a ponderar o recurso. Mas todo o mundo estava farto de saber que não iria haver recurso nenhum. Porque a "comida" podia azedar e fazer mal ao doente. O melhor era aguardar para ver se o castigo ficava apenas dentro de fronteiras.
Mas aquela particularidade que todos os adeptos de futebol reconhecem no Benfica e que me custa muito dizer e nem tenho necessidade disso, voltou a evidenciar-se, com Luisão a acompanhar a equipa até à Escócia, porque a FIFA não ia fazer ao Benfica a "desfeita" de à última hora "decretar" o impedimento da "Girafa". Podia lá ser?!... Pôde! Foi exactamente isso que a FIFA fez!...
Penso que  ao Benfica terá faltado humildade e realismo em todo o processo. A começar pela humildade de Luisão que, não tendo agido intencionalmente, deveria de imediato ter tentado ajudar o árbitro a levantar-se, apresentando-lhe todas as desculpas possíveis e imaginárias. A continuar na humildade, civilidade e obrigatória, imediata e imperiosa reacção que o seu delegado no banco - julgo que António Carraça - deveria ter procurado exibir, extinguindo o "incêndio", em vez da exibição estúpida do habitual complexo de superioridade, consubstanciada no achincamento do árbitro, sempre bem secundado por Jorge Jesus e jogadores do banco, cujas imagens de sorrisos depreciativos correram mundo e chegaram naturalmente à FIFA e UEFA. A prosseguir na assumpção pública, clara e inequívoca da culpa de Luisão e no seu correspondente e imediato castigo interno com a divulgação por todos os meios possíveis dessa decisão, em vez da campanha de toda a corte encarnada no sentido da inocentar o jogador e atirar o odioso para a teatralização do árbitro. A dar seguilmento a uma autêntica e despudorada campanha de intimidação do Conselho de Disciplina no sentido da não penalização do jogador. E a finalizar com a estúpida e inadmissível decisão de, depois de conhecer o castigo interno do jogador, afrontar os decisores da FIFA com a convocação e viagem para a Escócia do jogador, em claro desafio à poderosa instância internacional, sustentado sabe-se lá em quê. Talvez naquilo que há muito, presumidadamente, por cá exibe, sem respeito por quem quer que seja, a começar pelos adversários que menospreza, ridiculariza e prejudica, como se da coisa mais natural do mundo se tratasse e como se a sua história grandiosa, que ninguém contesta, fosse possível sem eles. 
Agora, a nação benfiquista, os seus dirigentes, causídicos, comentadores, jornais e jornalistas, ficaram estarrecidos, confusos, doentes, arrependidos, furiosos, mas... caladinhos como ratos! É muito perigoso afrontar a autoridade e a mão pesada da FIFA. Por cá, pode-se fazer ou conseguir que alguém faça, tudo o que possa interessar ao Benfica. Os exemplos são aos milhares! Lá fora a coisa pia muito mais fininho!!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

Acabou a brincadeira, basta !!!...

Novas tecnologias para quando?!...

 
O "International Board" ainda vai, em desespero,  tentando obstruir a introdução de novas tecnologias que apontam no sentido de sofisticados dispositivos, de eficácia comprovada, poderem complementar a acção das equipas de arbitragem, quando humanamente isso não seja possível.
No jogo dos Barreiros, seria absolutamente impossível ao árbitro auxiliar, confirmar o que a imagem nos mostra, mas o facto é que se tratou de um golo limpo obtido pelo Sporting. Mais um caso para o gigantesco arquivo dos atropelos à verdade desportiva, em que o Sporting, nomeadamente nas competições domésticas, é detentor da quota maioritária.
Já sobre o caso da falta inexistente assinalada a André Martins, de que resultaria o golo dos madeirenses, nenhuma nova tecnologia lhe valeria, porque foi mais uma das milhares de "xistradas" que um árbitro incompetente, infelizmente tem registadas ao longo da sua carreira.
A imagem a seguir, demonstra que, se o jogador do Sporting corta a bola e tem a perna à frente da perna do adversário, como poderia ter cometido falta?!... Um dia Xistra há-de vir reconhecer que errou e que ficou depois com azia, como o outro. Porém quem sofre sempre os efeitos destas incompetências, para não lhes adivinhar outras intenções, é o Sporting e os seus adeptos!...
 
Imagens recolhidas em Record "online"
 
 
 
Mas acima destas inumeráveis contingências, que infelizmente todas as épocas vão avolumando a inqualificável montanha de prejuízos que têm retirado ao Sporting Clube de Portugal, nesta como em todas as outras modalidades, títulos e proveitos materiais, manda a honestidade intelectual reconhecer, que a nossa própria contribuição tem ajudado e de que maneira, a este crítico estado de letargia, desilusão e definhamento.
Há que diga que por aí, que é chegada a hora de Godinho Lopes colocar um ponto final na sua forma civilizada, contemplativa e complacente, de assistir a toda este quase generalizado conformismo que parece varrer todo o formidável ecletismo do Sporting. Há quem sustente que o "low profile" que insiste em demonstrar, está completamente esgotado e não nos leva  a lado nenhum. Há quem defenda que afinal, para inverter esta confrangedora "inércia da mente" e este cómodo "dolce fare niente" que parece ter invadido irreversivelmente a mente colectiva de quase todos os actores de um ecletismo que já esteve no patamar mais alto do desporto português, será mesmo preciso mandar às malvas os bons e civilizados costumes e, exibindo sem complexos aquele ar carrancudo e exigente que outros repetidamente manifestam  por aí com excelentes resultados,  entrar pelos balneários adentro e berrar em alto e bom som, aplicando se necessário um forte e violento murro na mesa: ACABOU A BRINCADEIRA, BASTA!!!...
 
Leoninamente,
Até á próxima
 

PUBLICIDADE