sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Adeus, ó vai-te embora !...



E este emplastro, já terá afirmado nas redes sociais que vai dormir para outro lado! Custou, mas o que tem de ser tem muita força!...

Adeus, ó vai-te embora !...

Leoninamente
Até à próxima

Temos homem !...

in O Jogo



Superados os exames médicos, Shikabala logo terá começado a inteirar-se sobre tudo o que ao seu novo clube, pudesse dizer respeito. Obviamente não terá perdido a oportunidade de posar para a fotografia ao lado de Figo e Cristiano Ronaldo, que de imediato clocou na sua página do Facebook. A alegria, a satisfação e o orgulho, não parecem ser apenas nossas, o que constituirá uma agradável surpresa. Temos homem !...

Leoninamente,
Até à próxima

E Heldon também já está em Lisboa !...



Neste dia, último e louco, de abertura do mercado, inesperadamente, a proposta ridícula do Sporting Clube de Portugal parece ter convencido quem desse modo a apelidou e Heldon terá acabado de chegar há pouco a Lisboa, para assinar o contrato que o ligará a Alvalade, dizem, por quatro épocas e meia.

Pimenta Machado tinha razão: "No futebol, o que hoje é verdade, amanhã é mentira"!...

Outro tipo de homem teria dito que a proposta do Sporting estaria abaixo dos valores que o Marítimo pretenderia. Mas o homenzinho da Madeira, que toda a vida foi "bronco", era agora que iria beber chá?!...

O 31 de Janeiro de 2014, a meu ver, vai ser pequeno para tantas emoções, para tantas contas, para tantas alegrias e frustrações. Aqui do meu canto, continuo a acreditar, cada vez com mais razão, em Bruno de Carvalho, Augusto Inácio, Virgílio Lopes e Leonardo Jardim, um quarteto que começa a ser incómodo para muito boa gente, se é que a coisa não derivará mesmo para preocupação e... medo !...

Leoninamente,
Até à próxima

O resto há-de ver-se depois...





Preparem-se leões! Shikabala já está em Alvalade! O resto há-de ver-se depois...

Leoninamente,
Até à próxima

Shikabala já está em Lisboa !...

fShikabala em Lisboa - oto retirada de Record


Quero ver mais logo, como lhe vai ficar bem a camisola do Sporting !...

Leoninamente,
Até à próxima

O Sporting, ódio de estimação do querido manha !...



O actual Presidente da LPFP, Mário Figueiredo, vai tropeçando nos seus próprios pés, repletos de buracos dos tiros que a si próprio vai infligindo, vai escorregando aqui para se levantar acolá, mas... ainda não caiu! E nenhum "clínico do sistema", teve até agora a coragem e o proveito, de lhe passar, em definitivo, a certidão de óbito. Declarações de intenção, muitas, obras, nenhumas! Estamos em Portugal e, muito particularmente, na "aldeia do futebol": boçal, parola, oportunista, manhosa, persecutória,  e... concomitantemente, mafiosa!

Uma grande parte da comunicação social que se debruça sobre essa "aldeia do futebol", esse terrível pântano em que há décadas está atolado o futebol português, vive, ou sobrevive, dependente e sem a coragem da denúncia, chafurdando no meio das águas podres para onde se deixou arrastar, sem que se vislumbre qualquer tentativa séria de libertação, uma braçada mais enérgica em direcção às margens.

A entrada de João Querido Manha para a direcção do jornal Record, terá constituído a mais rude machadada na esperança de que um dia algo pudesse vir a ser alterado no degradante panorama que todos conhecemos. Porque a criatura reúnirá porventura, os mais baixos e vis atributos de carácter que conceber se possam, num profissional investido nas funções que lhe foram cometidas pelos proprietários do orgão que infelizmente passou a dirigir.

Como se não bastassem os desvios editoriais que a criatura passou a impôr desde que assumiu funções, nem as diatribes que recorrentemente a sua pena traz ao conhecimento dos leitores, deixo a todos aqueles que me dão o privilégio de ler o meu despretensioso pensamento, dois trechos da entrevista do Presidente da Académica de Coimbra, ao jornal que a criatura dirige:

R – Quem vê à frente da Liga nos próximos anos?


JES – Mais do que nomes, os dirigentes têm de juntar-se e falar sobre o que querem para o futebol português. O Sporting fez recentemente um trabalho positivo, mas limitado, pois tratou-se de uma visão de um clube poderoso. Mas há outras visões no futebol português, pois uns vivem dos outros e é preciso racionalizar entre os 33 clubes. Esta é uma Liga que se dedica a organizar campeonatos e realizar uma competição economicamente viável, e isso ela não faz. Existe uma cumplicidade irresponsável entre o presidente da Liga e o presidente da AG da Liga, dois juristas que tinham obrigação, até por formação, de respeitar os estatutos. Os clubes não estão informados, não conhecem os contratos que existem, nem sequer sabem quem vai ser o sponsor na próxima época. Estamos na idade da pedra! Esta deverá ser a primeira época em que a Liga, que para todos os efeitos é uma empresa comercial e obedece à lei geral, não promove reuniões ordinárias, o que é estranhíssimo. Há um ambiente de total falta de transparência e opacidade. Deverá ser a primeira vez na vida que uma Liga não apresenta um orçamento nem permite que os clubes se reúnam. A única empresa do país que obriga os clubes a apresentar contas e não apresenta as suas.

R – Já pensou em candidatar-se à Liga?

JES – Não, nunca pensei nessa candidatura e, para além disso, ser presidente da Académica é um cargo de tão grande responsabilidade e paixão, que o considero um cargo que alguma vez seria ultrapassado por outro cargo qualquer. Não o trocaria..


.E agora deixo-vos com a "gloriosa obra-prima" que o "manhoso", no seguimento da referida entrevista, teve a lata de mandar publicar na edição de hoje:


Na oportuna entrevista que concede nesta edição do Record, o presidente da Académica, putativo candidato a futuro líder da Liga de Clubes, rompe finalmente o intrigante silêncio a que a classe dirigente se remetera após a divulgação pelo Sporting de uma série de propostas de alteração do regime futebolístico, popularmente conhecido por Sistema. É, no entanto, um comentário mínimo, irrelevante, sobranceiro, com um indisfarçável tique do veterano que sabe mais: o Sporting, diz José Eduardo Simões, tem uma visão limitada, de clube grande.

Com esta sentença simples já se pode perceber para onde irá o pacote de medidas que o voluntarioso Bruno de Carvalho elaborou. Talvez nem tanto pelo conteúdo, dando de barato que a maioria delas não são exequíveis por colidirem com normas e legislação completamente à margem do poder desportivo, mas sobretudo porque os seus proponentes, os dirigentes do Sporting, são encarados como adversários perigosos que ficam muito melhor no estado de hibernação a que se entregaram há uns anos quando optaram por afastar-se completamente dos centros de poder.

O Sporting negligenciou a possibilidade oferecida tacitamente de “mandar” no futebol, aproveitando a desconfiança mútua entre Benfica e FCPorto, e acabou cedendo tal prerrogativa à arraia-miúda que agora fala grosso. Não quis sujar-se, acomodou-se nas carruagens de trás, e agora dificilmente o deixarão chegar aos comandos da locomotiva.

Lendo a entrevista de José Eduardo Simões, que já se destaca claramente como candidato a presidente da Liga, percebe-se tudo sem necessidade de tradução. O vazio de liderança na Liga desperta a tentação aos clubes mais pequenos, cansados de não estarem nos momentos e locais das grandes decisões, aspirando a maiores receitas, apenas por serem eles a negociar os contratos e não porque o próprio futebol venha a ser capaz de as gerar.

Há uns anos, com Fernando Gomes, os clubes com assento regular nos órgãos da Liga foram afastados da Comissão Executiva, onde apenas queriam discutir arbitragem e disciplina à medida da conjuntura e dos interesses próprios. Durante mais de 20 anos, foram incapazes de desencadear um processo de inovação e de desenvolvimento do futebol profissional. Pensar que o fariam agora seria de uma tremenda ingenuidade, a mesma que Bruno Carvalho revela ao pretender despertar apoios junto de quem não precisa do Sporting para nada.

O profundo respeito que me merecem todos aqueles que me dão a honra da sua visita, impede-me de comentar mais esta diatribe de JQM, autêntica "inventona" da enferma mente do seu autor, a merecer o devido tratamento das instâncias judiciais competentes, que pouco mais poderiam fazer que promover o seu internamento psiquiátrico urgente.

Quem terá misturado areia na vaselina do manha?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Shikabala quase paga para vir para Alvalade!...



E tudo se conjuga para que no último dia de abertuta do mercado de Inverno, Mahmoud AbdelRazek Fadlallah, conhecido no mundo do futebol por Shikabala, seja apresentado com jogador do Sporting, depois de ultrapassadas algumas questões entre o jogador e o Zamalek, que o confirmou no seu site.

Os termos definidos para esta transferência, aqui referidos, parecem-me razoáveis para o Sporting Clube de Portugal, se bem que ultrapassem ligeiramente o "plafond salarial" instituído em Alvalade, mas obviamente muito distantes ainda dos custos de mercado para um jogador da posição e da craveira técnica do internacional egípcio.

A saudade de um outro "Bala", permaneceu até hoje no coração dos adeptos sportinguistas. Oxalá o "novo Bala", que quase paga para ingressar no Sporting, venha disposto a recuperar o seu equilíbrio emocional e a terminar a sua carreira em Alvalade com chave de ouro. De uma coisa ele poderá estar certo: se conseguir compreender o novo mundo que se diz disposto a abraçar e souber respeitar a sua grandeza, terá um lugar reservado no coração dos sportinguistas e sem sombra de dúvidas será feliz.

Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Estará para breve o "xeque-mate" ?!...
















No momento em que debito mais umas modestas ideias para a parede deste meu canto de "quentinha leoninidade", faltarão umas singelas 30 horas para assistirmos ao último capítulo das novelas que os promissores actores Elias e Jeffrén, têm vindo a protagonizar.


Tanto um como outro, mai-los acessores, agentes, pais, padrinhos, fundos e fundilhos dos pintos calçudos que os acolitam, entenderam jogar com o Sporting Clube de Portugal, um arriscado jogo de poker. Mas, a meu ver, terão subestimado o adversário que se encontra, hoje, do outro lado da mesa. Embarcaram na pacóvia e peregrina ideia de o medir pela bitola de quem lhes abriu as portas de Alvalade. E no tremendo erro de usar o mesmo tipo de bluff, sem se darem ao trabalho de fazerem aquilo que para qualquer jogador de poker sempre será básico: é na análise fria e objectiva do rictus facial do adversáriio que poderá estar o segredo da vitória na jogada.

Creio que nenhum desses aprendizes de "tão milionária jogatana", alguma vez se deram ao trabalho de estudar a sério e a fundo, a personalidade e as convicções de Bruno de Carvalho, nem terão olhado bem para o calo de futebol que exibem no cu, os homens que lhe guardam as costas. E cometeram o erro primário de usar um tipo de bluff arcaico e condenado ao fracasso.

Quando há menos de uma semana Bruno de Carvalho lançou a Elias e Jeffrén o último e peremptório aviso, este parece não ter sido suficientemente entendido, e quer um quer outro correrão mesmo o sério risco de "continuarem a fazer aquilo que têm feito até agora".


Não restarão dúvidas a ninguém, de que todas as partes ficarão a perder se não surgir, miraculosamente, até ao fecho do mercado, uma mão imbatível e redentora. Duvido que um "royal street flash" possa aparecer de repente, por artes mágicas, nas mãos dos "staffs" de qualquer deles. As farsas com que se têm apresentado a jogo, são do mais reles que se possa imaginar, são bluffs de principiante e levaram Bruno de Carvalho a aguardar paciente e serenamente o último dia das inscrições, absolutamente convicto de que a parada será sua. Mas quer-me parecer que há muito colocou o coração ao largo, para a eventualidade de ter de continuar a ver os rapazes a fazerem, "aquilo que têm feito até agora"! 

Poucas dúvidas me restam de que estará para breve a "última mão". Porque em Bruno de Carvalho, estará, nele sim, quero crer, um grande jogador de poker !...

Leoninamente,
Até à próxima

Fredy Montero, leão até 2018, para já !...



"A Sporting SAD, vem informar que exerceu, hoje, o direito de opção relativo à compra definitiva do atleta Fredy Montero.

Esta opção é realizada 5 meses antes do contratualizado, confirmando assim a aposta forte do Sporting Clube de Portugal no seu goleador, até 2018, com cláusula de rescisão de 60 milhões de euros.".
(in site oficilal do Sporting)


Obviamente, que esta medida merecerá o aplauso de toda a nação sportinguista! A valia de Fredy Montero já não oferece dúvidas a quem quer que seja. O jogador está perfeitamente integrado no espírito e no modelo de jogo leonino e, pesem embora as "parrangonas" de primeira página dos jornais do costume, sobre o seu muito especulado jejum de golos, Leonardo Jardim não precisa de ser adivinho, para concluir que as cerradas e múltiplas marcações de que ultimamente vem sendo alvo o seu pupilo, incontornavelmente, determinarão a libertação dos seus companheiros e os golos sempre serão a expressão do colectivo. E ao mais pequeno descuido, Fredy Montero não perdoará...

E perante o ladrar dos cães, a "caravana verde" vai passando a caminho do Futuro !...

Leoninamente,
Até à próxima

Presumir dolo e conceder o ónus da prova do contrário ao prevaricador



O F.C. do Porto e o Sporting C. de Portugal jogavam, no passado Domingo, no Porto e Penafiel, com o ouvido atento ao resultado do outro. As pessoas relativamente interessadas sabiam disso. O Sporting terminou o jogo e festejou a vitória na eliminatória. Poucos minutos depois veio a tristeza e nasceu a alegria no Porto. O clube da cidade marcou dois golos nos últimos minutos, um no período de compensação. O jogo havia começado cerca de três minutos depois do em Penafiel. Na TV ouvem-se os comentadores. Todo o mundo opina! Alguns desiludem, pois começam por não se respeitarem a si mesmos. A clubite tolda-lhes a razão, e é pena!

Pior é quando vem da parte de pessoas que se impõem com brilho na sua actividade profissional. Refiro-me a um distinto advogado, afecto ao F.C. do Porto, JGA, que dá a cara no programa desportivo da SICN nas noites de 2ª feira. Disse que o desafio acabou depois, porque o árbitro teve de compensar o tempo em que esteve suspenso - lesões, substituições, etc...

Não aceito. A questão está toda no começo tardio do jogo. Com razão se diz que o Homem se define e mostra a sua autenticidade quando começa, quando decide fazer alguma coisa, etc... O fim a atingir, aqui o resultado do jogo, é sempre mais ou menos aleatório. Depende, por vezes, de factores como o acabar porque uma equipa, por via de expulsões, fica reduzida a um mínimo. A compensação por "tempo morto" é uma contingência normal, bem como as expulsões. Mas tudo isto é público. As razões da entrada tardia no campo ficam no balneário! 

Penso que, no caso vertente, deveria presumir-se a intenção de prejudicar o outro e conceder o ónus da prova do contrário ao prevaricador.
(Eurico Ferreira Seabra, na sua página do Facebook)



Tenho encontrado as mais díspares opiniões sobre o polémico atraso do jogo do passado sábado. E tenho pena das sardinhas, que jazem esfrangalhadas sobre as brasas, com tanto puxão, ora dos donos das mais variadas bandeiras, ora de doutas e presumidas opiniões, que já não enganam senão a quem as emite.

A opinião que acima vos deixei, é a de um experimentado juíz, já retirado da magistratura, a quem o sangue ferve, sempre que é confrontado com o "chico-espertismo" da saloiada que por aí vai opinando, neste campo tão complexo da Justiça, muito particularmente quando se centra numa área de paixões exacerbadas como é o futebol.

No meu modesto entender, quando EFS afirma que "deveria presumir-se a intenção de prejudicar o outro e conceder o ónus da prova do contrário ao prevaricador", estará a dizer que efectivamente terá havido dolo, cabendo naturalmente ao prevaricador o direito de se defender.

É a primeira vez que deparo com opinião tão desassombrada, para mais vinda de quem vem, e que prova que o sentimento de justiça que habita um qualquer leigo nestas imbricadas lides da Justiça, não estará muito distante do prisma de quem gastou grande parte da sua vida ao serviço dessa mesma Justiça.

E volto, agora com mais convicção ainda, a reafirmar o desejo de que não me venham os doutos constituintes da Comissão de Instrução e Inquéritos da LPFP, atirar areia para os olhos, presumindo que só a eles os deuses abriram os olhos e deram capacidade para avaliar o "expediente manhoso" a que recorreu o F.C. do Porto, de que fala aqui JAS, e que só eles e mais ninguém, serão capazes de ver as vestes do rei...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

SHIKABALA a caminho de Alvalade ?!...





A notícia estourou que nem uma bomba nas redacções: SHIKABALA, o mágico do ZamaleK, chegará amanhã a Lisboa, para realizar testes médicos e assinar pelo Sporting Clube de Portugal um contrato cuja duração apontará para cinco temporadas.

Apesar de a notícia estar a ser veiculada por todos os sites ligados de algum modo ao desporto-rei, de tão fantástica, obriga-me a sentar e a acompanhar ao minuto o site oficial do meu Sporting. Porque vai muito para além do que alguma vez os sportinguistas imaginaram ser possível, conhecidas as dificuldades económico-financeiras por que tem passado e continua a passar o nosso Clube.

Desde que outro mágico, Krassimir Balakov, com o número 10 nas costas, deixou Alvalade, nunca mais o Sporting Clube de Portugal teve competência e capacidade económica para trazer alguém da sua qualidade, para ocupar um lugar que a todos sempre pareceu vazio, depois do "leão búlgaro" partir.

Prestes a completar 28 anos, este autêntico astro egípcio, dono de uma invejável estampa atlética, 1.83 e 73 kgs e de invulgares atributos técnicos para a prática do futebol, apenas apresentará no reverso da medalha, um temperamento difícil e conflituoso fora dos relvados. Mas nada de absolutamente preocupante, se tivermos em conta o carácter, a competência técnica  e a estrutura intelectual do técnico com que passará a trabalhar, bem como o ambiente de solidariedade, união e respeito que encontrará na Academia Sporting.

Atendendo aos pormenores avançados em todos os sites que dedicam honras de primeira página a esta tão inesperada quanto fantástica notícia, e conhecida a proverbial reserva e cautela demonstradas pelos novos dirigentes de Alvalade, é de prever que, na melhor das hipóteses, só amanhã ao fim da tarde teremos a sua confirmação nos moldes a que todos já nos habituámos.

Até lá, restar-nos-à apreciar os inúmeros vídeos que nos mostram o que, provavelmente dentro de pouco tempo, poderemos confirmar ao vivo em Alvalade e  em todos os estádios deste país onde o Sporting Clube de Portugal venha a estar presente.

A confirmar-se o que por enquanto não passa de uma hipótese de sonho, muita coisa poderá acontecer em Alvalade.

Leoninamente,
Até à próxima

O Patriarca, os acólitos e os expedientes manhosos !...




O Patriarca

Os jogos do FC Porto ameaçam tornar-se impróprios para cardíacos. No sábado, contra um Marítimo desfalcado, os adeptos estiveram com o credo na boca até ao último segundo. O golo salvador só surgiu ao soar do gongo, ainda por cima fruto de um penálti discutível.


Como se isto não bastasse, é hoje raro um jogo do FC Porto em que não haja uma polémica. Agora, foi o atraso na entrada da equipa em campo. E, não sendo isso que fez o Porto ganhar, cheira a expediente manhoso.

Não pode ser por acaso que, num jogo obrigado a começar à mesma hora de outro por estar em causa o apuramento na prova, uma equipa se atrasa a entrar em campo.

Durante o polémico jogo de sábado, as câmaras da TV focavam com insistência Pinto da Costa. Lá estava ele, qual figura tutelar, a presidir ao espetáculo. E acredito que a sua presença no estádio tenha alguma influência nos jogadores e até nos árbitros.

Vendo-o ali, os jogadores portistas inquietar-se-ão: “O que irá ele fazer-nos se não ganharmos?”. E a verdade é que se batem até ao último minuto, nunca atirando a toalha ao chão. Foi assim contra o Marítimo, foi assim contra o Benfica, no célebre jogo do golo de Kelvin.

E também os árbitros serão sensíveis à presença do patriarca nortenho. Pelo menos, terão os maiores cuidados para não prejudicar o FC Porto. Mesmo admitindo que aquele penálti foi penálti, se fosse ao contrário é muito possível que não tivesse sido assinalado.

No sábado, lá estava o velho presidente, sentado no camarote ao lado da sua jovem namorada, como se estivessem num pedestal. Apesar de o jogo ser impróprio para cardíacos, e de ele próprio ser um doente cardíaco, aguentou firme. Aguenta sempre. Pois pensa que, se não estiver ali, as coisas ainda correrão pior.

Ninguém pode dizer que foi Pinto da Costa, com a sua velha manha, a dizer à equipa para se atrasar na entrada em campo. Mas uma coisa é certa: indiferente aos males do coração, o velho presidente continua a sacrificar-se pelo seu FC Porto e a ditar as leis. Vejamos até onde a equipa – e os árbitros – continuarão a corresponder aos seus sacrifícios.
(José António Saraiva, Futebol à portuguesa, in Record)


Mais um "Conteúdo Exclusivo Premium". Um artigo curioso e que eu não desdenharia ter escrito, muito particularmente quando JAS, referindo-se ao atraso da entrada em campo da equipa do Porto, afirma que, "cheira a expediente manhoso".

Eu vou juntando estas "pérolas", para que não venha por aí algum "andrade" dizer-me, como no negócio do João Moutinho, que "o que tenho é dor de corno", com o devido respeito pela santa da minha companheira de uma vida.

E também para que não engrosse demasiado a fila, daqueles que pretenderão fazer de parvos, os que vão levando nas trombas com a lama do pantanal...

E ainda para ver se alguém da CI2, que é como quem diz CII da LPFP, terá a distinta coragem, para não usar a palavra "lata", porque ainda me movem uma acção por "difamação agravada", de um dia destes vir dizer que não houve dolo! A menos que não receiem que JAS depois não volte a escrever um artigo parecido com o de hoje, dizendo que a CII terá recorrido a um... expediente manhoso!...

Leoninamente,
Até à próxima

Um imenso obrigado ao nosso Basquetebol !...


A valorosa equipa senior feminina de basquetebol, do Sporting Clube de Portugal, a militar no escalão secundário, defrontou hoje no pavilhão do Casal Vistoso, para os oitavos de final da Taça de Portugal,  um dos "colossos" da nossa Liga Profissional - actual 3º classificado - a equipa GDESSA (Grupo Desportivo da Escola Secundária Santo André/Barreiro) -, onde militam duas norte-americanas e uma base de eleição, que se diz estar a caminho da WNBA.

Nunca estando em dúvida a supremacia e o favoritismo da equipa adversária, as nossas leoas venderam cara a derrota e nunca permitiram que ao longo de todo o tempo de jogo, o rolo compressor profissional as transformasse em fina folha de papel, cilindrada de encontro ao piso do pavilhão.

Os resultados parciais dos quatro períodos,  12-20, 24-40, 31-56 e 46-76, foram dando nota da superioridade desta equipa profissional e da resistência heróica das nossas leoas. A equipa barreirense acabou por se apurar, naturalmente, para a próxima eliminatória, tendo as amadoras sportinguistas caído com honra e dignidade.

Alinharam e pontuaram: Marisa David (1), Cátia Mota (2), Catarina Vasconcelos (8), Cheila Carvalho (4), Helga Gonçalves (9), Beatriz Antunes, Ana Cunha (13), Júlia Ribeiro (2), Rita Almeida (1), Marta Valente, Marta Azevedo e Alba Diez (6).
Treinador: Luís Abreu.

Fervoroso adepto do nosso basquetebol, tenho contribuído e apoiado na medida das minhas possiblidades, a ABSCP, de que me orgulho de ser associado e que aqui tenho divulgado, mercê da fantástica colaboração de um dos obreiros desta generosa iniciativa e antigo basquetebolista do Sporting Clube de Portugal, Carlos Sousa.

Nesta condição, deixo-vos com orgulho e incontida alegria, o texto da mensagem que através de Carlos Sousa, acabo de receber da ABSCP:

"Em nome da ABSCP, obrigado pelas vossas palavras. Vocês são dos nossos. Não podemos esquecer que a nossa equipa, é formada por jogadoras amadoras, que quiseram jogar no clube do coração, ou por outras, também amadoras, que não tendo lugar nos clubes de topo, vieram ter connosco, pelo prestígio do grande Sporting Clube de Portugal. Abraço.".

Um imenso obrigado pelas vossas palavras. Um imenso obrigado pelo vosso trabalho. Um imenso obrigado pelo orgulho que fazem viver em nós. Um abraço para todos e hoje, em especial, um abraço para todas as leoas, que tão bem souberam honrar as camisolas que envergam.

Viva a ABSCP! Viva o basquetebol do Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

O presidente do Marítimo é exdrúxulo, logo... RIDÍCULO !...




Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.

Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

Álvaro de Campos, 21-10-1935

Hoje, o esdrúxulo presidente do C.S. Marítimo, sem a noção do ridículo, tentou cobrir o Sporting de ridículo, classificando de ridículas as suas propostas. Na sua feroz boçalidade, jamais dará conta de que qualquer proposta sempre será uma carta de amor! Diverso que seja o amor, será sempre amor. Logo, como qualquer carta de amor, as propostas do Sporting seriam sempre ridículas! O obtuso Pereira, nunca terá lido Pessoa...

É esdrúxulo, tanto nas palavras, como nos sentimentos e até no carácter, logo, naturalmente... RIDÍCULO !...

Leoninamente,
Até à próxima

A canalha que manda no futebol, não respeita o Sporting !...



Sem nunca ter estado frente a frente com Dias Ferreira, embora já tenha partilhado com ele, afastado é certo, mas próximo, dois grandes amores - o Sporting na bancada e a sopa do Rafael em Bustos! -, confesso-me grande admirador, nem sempre acrítico, das suas singulares dignidade e frontalidade, do seu saber na área jurídica que domina como poucos, do seu profundo conhecimento do futebol português e do seu fervoroso sportinguismo.

Por isso, sempre que a sua opinião circula nos média, não perco pitada e não me cairão os parentes na lama se confessar, sem quaisquer tipo de preconceitos, que quase sempre ela me ajuda a alicerçar a minha e me dá tantas vezes o conforto de me julgar certo, mesmo que desalinhado.

Sem surpresa, vejo-o hoje a lançar o seu poderoso grito de revolta, contra a nojenta mafia que há tantos e tantos anos envolve o futebol português:

"A canalha que manda no futebol, não respeita o Sporting. É uma quadrilha que tomou conta do futebol português. A lei não foi cumprida na Taça da Liga. A Liga tem de averiguar o caso. Ainda ninguém explicou o que aconteceu...".

A minha indignação é rigorosamente igual à de Dias Ferreira. Prouvera que a dignidade, e não me vou refugiar no "politicamente correcto", da CII da LPFP, acabe por triunfar!...

Leoninamente,
Até à próxima

Na nossa aldeia, que deus a proteja, vai passando a procissão !...




O "sistema" parece estar incomodado! E já começou a mexer "os andantes"! Ontem, esta local, trouxe-nos notícias de "anormalidades" verificadas no túnel de acesso ao relvado das Antas. Que naturalmente apontaram para a confirmação daquilo a que todo o mundo teve acesso através da transmissão televisiva.

Hoje, logo ao princípio da manhã, conforme aqui foi posteriormente reportado, Conselho de Disciplina da FPF terá analisado sumariamente o processo, no qual constam o relatório do árbitro e dos delegados da Liga ao jogo, tendo decidido remetê-lo à Comissão de Instrução e Inquéritos da LPFP, a quem caberá agora apurar os factos e as responsabilidades relativas ao atraso do início do jogo entre FC Porto e Marítimo, disputado no passado sábado.

Mais depressa do que demora a queimar um fósforo, conhecida a decisão do orgão disciplinar federativo e na certeza da irreversibilidade do processo, o sistema, que não dá água a pitos no inverno, "botou-se a pau", telemóveis incógnitos - o Apito Dourado foi uma lição! - deitaram fumo e, com a naturalidade a que há longos anos nos habituou, o C.S. Marítimo, através de comunicado publicado no seu site oficial, veio desmentir o que diz ter sido uma notícia fabricada e garantir, de mão estendida sobre a bíblia, que "... desconhece qualquer anormalidade ocorrida no jogo do passado dia 25-01-2014, contra o F.C. Porto, a contar para a Taça da Liga.". Pudera!...

O C.S. Marítimo, é um dos oito clubes que não estiveram presentes em Alvalade, para apreciar, discutir e eventualmente melhorar as propostas do Sporting Clube de Portugal, no sentido da regeneração do futebol português, de braço dado com "... FC Porto, SC Braga, Paços de Ferreira, Marítimo, Olhanense, Académica, Portimonense e um outro que até ao momento não foi possível identificar...", logo, esta sua posição só surpreenderá os distraídos. E apenas será a primeira das muitas que a seguir se colocarão na fila restrita dos apoiantes do sistema, que lá segue atrás da "papal bandeira", persignando-se e fazendo o sinal da cruz, beijando religiosamente no final, a covinha entre o polegar e o indicador da mão direita.

Como diria o primeiro transplantado de cabeça que Portugal conheceu, o "américo thomaz", do alto da abóbora que lhe colocaram em cima dos ombros, "sete monos", "setenta monos", "setecentos monos", desculpem, "sentemo-nos" e esperemos assim sentados, o engrossar da procissão papal. Virão primeiro os cardeais e bispos acólitos, depois os fiéis devotos e finalmente os pedintes em busca do saco das esmolas. Oxalá não vejamos nenhum recém-convertido, catequizado ou domesticado cristão-novo, a engrossar o séquito.

E lá voltaremos nós à questão central: houve dolo, ou o dolo foi inexistente?! Por mim, estou preparado para o punhado de areia que a CII da LPFP, quase adivinho, nos vai atirar para os olhos! Bem gostaria que não, mas...

Leoninamente,
Até à próxima

Os dividendos serão colhidos no futuro, garantidamente !...





















Está para lavar e durar o "louco braço de ferro" por Elias! Segundo as últimas notícias vindas do Brasil e que aqui são referidas, a parada já vai em 5.8 milhões de euros, que terá sido aceite pelo Sporting, excepto no que se refere à forma de pagamento.

Confesso que me arrepia o sangue frio demonstrado do lado de cá. Mas, naturalmente, quem o demonstra, saberá bem melhor do que qualquer um de nós, as linhas com que se cose.

Faltam exactamente 4 dias para o fecho do mercado. Serão 96 horas onde muita coisa poderá ficar definida e decidida. Uma coisa eu sei, negociar hoje com o Sporting Clube de Portugal, deixou de ser uma tarefa fácil, longe disso. E venha a ter ou não sucesso este "negócio", as águas ficarão definitivamente limpas e transparentes, mostrando no fundo, um osso muito duro de roer! Hoje ou num futuro, mais ou menos próximo, os dividendos serão colhidos, garantidamente!...

Leoninamente,
Até à próxima

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Um talvez patético jogo de xadrez...



"O Marítimo e o árbitro Manuel Mota estiveram algum tempo à espera do FC Porto no túnel de acesso ao relvado, no jogo de sábado para a Taça da Liga, disse esta segunda-feira fonte dos madeirenses. "O Marítimo cumpriu com tudo aquilo que está estipulado nas regras, apresentando-se a tempo e horas no túnel", referiu à agência Lusa a mesma fonte, adiantando que se apercebeu de algum tempo de espera, apesar de não saber quantificá-lo em minutos. Segundo a fonte, o Marítimo "nada tem a ver com o atraso no início do jogo", considerando que cabe à Liga "averiguar o que se passou", uma vez que, segundo sublinhou, o seu clube cumpriu com "tudo o que está regulamentado". Um dos 18 jogadores escalados pelo técnico Pedro Martins para o jogo de sábado, que pediu o anonimato, garantiu, no entanto, que a espera "foi anormal", uma vez que, segundo referiu, "não é hábito esperar tanto tempo pelo adversário", como aconteceu no jogo de sábado...".
(in SÁBADO, em 27-01-2014)

Não estará em causa a manifesta incapacidade e incompetência dos delegados da LPFP, por terem permitido que o outro jogo disputado em Penafiel, em que se defrontavam outras partes interessadas, tivesse o seu início, rigorosamente, à hora predeterminada, ou seja mais de 4 minutos antes. Nem estará em causa a reincidência no erro inicial por parte de tais senhores, permitindo que a cena caricata se repetisse nos desencontrados inícios das respectivas segundas partes. Sendo grave o amadorismo patenteado, será em absoluto irrelevante para a discussão a que me proponho.

Verdadeiramente em causa estará, a meu ver, classificar apenas e tão só o atraso da apresentação da equipa da casa em campo, à margem do estabelecido regulamentarmente e passível de penalização segundo normas constantes nessa mesma regulamentação.

Estabelecem essas normas, liminarmente, que se a atitude da equipa do F.C. Porto for considerada intencional e consequentemente dolosa, deverá ser punida com a derrota no jogo e consequente perda de pontos.

E a palavra dolo, entrou de rompante no nosso léxico quotidiano. Dolo significará, sempre, fraude, má fé, maquinação. É todo o acto com que, conscientemente, alguém induz, mantém ou confirma o outro em erro. É a vontade dirigida à obtenção de um resultado criminoso ou o risco de produzi-lo. Mas, quais cogumelos nas primeiras chuvas, de imediato fomos surpreendidos por doutos pareceres de magistrados, juristas e outros experts de tão imbricada matéria, uns no activo outros já "desactivados", mas todos enfileirando com o "sistema" que sempre lhes pagou e continua a pagar, a uns e a outros, a sobremesa.

E lá iremos todos assistir às habituais mãos cheias de areia, que toda essa gente pretenderá atirar-nos aos olhos, "como se os anjos tivessem sexo", e todos fôssemos asnos e estúpidos e não tivéssemos concluído instantaneamente, no local e nas televisões, que tínhamos acabado de assistir a mais uma golpada de uma instituição que há longos anos se especializou na fraude que tem comandado todo o futebol português.

Lá voltaremos nós a ser confrontados com a discussão estéril da CII da LPFP, no sentido de classificar a criminosa indignidade perpetrada pelo F.C. Porto de:

1 - Dolo directo de primeiro grau ou dolo de intenção, quando a pessoa quer directa e intencionalmente aquilo que prevê vir a decorrer da sua acção.

2 - Dolo directo de segundo grau ou dolo necessário, quando a pessoa pretende alcançar os mesmos objectivos mas de forma menos directa e intencional e, valendo-se de uma conduta mais "low-profile" acredita que as consequências atingirão de forma capciosa aos mesmos alvos.

3 - Dolo eventual, que será a forma mais ténue, onde a pessoa terá de correr mais riscos e conformar-se apenas com a possibilidade de a sua actuação desencadear a ocorrência dos factos previstos e desejados.

4 - Dolo inexistente, a forma mais cómoda para o sistema e todos os seus mútiplos e fervorosos adeptos, beneficiários e/ou domesticados.

Para qualquer cidadão minimamente esclarecido, a classificação estará feita. A atitude do F.C. Porto foi manifesta, deliberada e intencionalmente, ao arrepio de todas as disposições regulamentares, ao encontro do prejuízo do seu adversário directo, que deveria jogar rigorosamente à mesma hora, a 40 quilómetros de distãncia.

A atitude do F.C. do Porto foi fraudulenta, enganosa e traiçoeira. e qualquer análise jurídica justa e isenta deveria concluir que houve intenção de burlar a lei e enganar o adversário em proveito próprio, o que sempre constituirá, de forma irrefutável e intransponível, o dolo que o estabelecido regulamentarmente pune com derrota e perda de pontos. Porque o dolo de que jamais o F.C. Porto se livrará, perante a comunidade de adeptos do futebol, sejam quais forem as interpretações e subterfúgios que a CII da LPFP, do CD ou CJ da FPF, venham a usar, não será simplesmente a prática de um crime menor, passível da proverbial coima, já por aí anunciada. Será a prática desse crime, com o objectivo consciente de o praticar, sem que tenha sido influenciado e motivado por terceiros. Houve finalidade, determinação e conformidade.

Cá estaremos para avaliar a estrutura da coluna vertebral de todos os intérpretes deste, quem sabe se patético, jogo de xadrez.

Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Substituído, algum tempo depois de publicado, o bloco introdutório original do post, pela local da SÁBADO, por corresponder à versão de um interveniente directo nos acontecimentos, apesar de preferir o anonimato, e significar, no entendimento do autor, uma versão mais próxima da verdade factual. 

Nova vitória das nossas leoas do basquetebol!...




No pavilhão da ES do Lumiar, a equipa senior feminina de basquetebol do Sporting Clube de Portugal.  em jogo da 12.ª jornada do Nacional da II Divisão, recebeu e venceu na tarde de domingo, o Cova da Piedade, por 75-30, depois de ao intervalo já estar a vencer por 35-16.

O treinador leonino, aproveitou para dar minutos de jogo às basquetebolistas menos utilizadas, que deram uma boa resposta.

Alinharam e marcaram pelo Sporting: Elga Gonçalves (20), Cheila Carvalho (8), Ana Cunha (15), Rita Almeida (10), Cátia Mota (5), Catarina Vasconcelos (2), Marta Azevedo (4), Marta Valente (3), Júlia Ribeiro (6) e Beatriz Antunes (2).

Prossegue a saga vitoriosa destas leoas de mão cheia, com 12 triunfos em outras tantas partidas. São o nosso orgulho!...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 26 de janeiro de 2014

É preciso gente grande para fazer deflagrar a bomba !...



Quando esta notícia chegou, por razões de índole pessoal que naturalmente reservo, recebi-a com muito agrado e uma enorme e justificada esperança de que no "charco" em que o futebol profissional português há muito se transformou, algo de inteligente, justo e equilibrado, pudesse contribuir para a sua regeneração.

O famigerado "caso da cuspidela de Josué", veio abalar as minhas convicções e introduzir no meu espírito, mais do que uma profunda decepção, um inimaginável cepticismo em relação ao futuro, que me tem acompanhado até hoje. 

Há poucos minutos atrás, outra inesperada notícia, me terá surpreendido, já que potencialmente poderia ser portadora  da probabilidade, ainda que reduzida, da iminente deflagração de uma autêntica bomba no futebol português.

Não quero alimentar cenários. As águas podres do futebol português, já me vacinaram para todas as "doenças" que eventualmente possa contrair. Mas não nego que desejaria poder regressar às minhas expectativas iniciais e varrer do meu coração a decepção recente.

Com tantos natais que já tive o privilégio de viver, ainda não sei se o Pai Natal existe. Será desta, ou continuarei sem ter direito a sonhar?!... 

Leoninamente,
Até à próxima

Ai verdinho, meu verdinho, abre a pestana verdinho !!!...




E digam-me cá os sportinguistas que me derem o privilégio de passar aqui pelo meu canto, se depois da pior época da história do Sporting Clube de Portugal, alguém sente desonra pela forma como fomos "afastados", primeiro da Taça de Portugal e agora da Taça da Liga?!...

Penso que dificilmente haverá um que se chegue à frente e tenha a coragem de me "dizer nas ventas" que sim senhor, foi uma desonra para a família o nosso... "afastamento" de duas competições que até gostaríamos de disputar até ao fim e, se possível vencer.

Mas, ainda que nos anime uma satisfação enorme pelo desempenho da nossa gente, desde o topo de toda uma estrutura, até ao nosso querido Paulinho, estarei completamente de acordo com a "singular opinião" de uma Rapariga Sportinguista:

"... Ontem um amigo meu disse e é verdade: “O Bruno de Carvalho foi verdinho.” É muito bonito vir dizer coisas para os jornais, mas o jogo do Sporting nunca deveria ter começado se 40 quilómetros ao lado os jogadores ainda nem tinham entrado no campo! Portanto sim, talvez a culpa tenha sido nossa.

Fomos “verdinhos” no meio desta mafia futebolística portuguesa, em que há duas semanas ninguém ligava à taça da liga e de repente até já se dão ao trabalho de mexer uns cordelinhos.

Fomos verdinhos...".

Já por aqui defendi a sugestão de um sagaz leão que há algum tempo comentou e alvitrou que, se algum dia um qualquer "talhante de mota", nomeado pelo "bítaro, risco-ao-meio, traidor", marcar um penalty contra o Sporting, que só ele terá visto, o Rui Patrício ou outro qualquer por ele, deveria defender a penalidade máxima... de costas! As imagens correriam mundo e talvez os alicerces do "sistema" tremessem! E o Sporting, mantendo a gloriosa cor verde, deixaria aos olhos do mundo, de ser "VERDINHO" e passaria a... MADURO !...

Ontem, se a indignação de Bruno de Carvalho, que lhe serviu de lastro às declarações que tiveram apenas o condão de aumentar a extensão do sorriso de todos os "andrades", se tivesse convertido ao intervalo do jogo de Penafiel, em momento de sagaz inteligência e "filhadaputice", decretando que, tendo em conta o que se passara nas Antas, a equipa do Sporting ficasse no balneário, até estarem decorridos 5 minutos de jogo na casa dos corruptos, nunca mais ninguém lhe chamaria "verdinho"!...

Quem paga 70 mil euros de penalizações, por actos de puro vandalismo de meia dúzia de energúmenos que se presumem de sportinguistas, também terá capacidade para pagar meia dúzia de milhares de euros, pela resposta adequada ao atropelo que se verificou no início do jogo das Antas. E eu encabeçaria honrado, uma subscrição leonina no sentido da angariação de fundos para pagar a a factura da coima que, tão depressa como o escrevo, chegaria a Alvalade. Gesto com que Mário Figueiredo, seguramente "não terá tomates" para presentear os "andrades"!...

Para "sacana", "sacana e meio" !!!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 25 de janeiro de 2014

Quanto mais se mexer na merda...




"Yo no creo en las brujas, pero que las hay, las hay"! O talhante de Braga, encavalitado numa vassoura que alguém terá deixado esquecida no balneário, colocou as Antas a celebrar mais uma vitória do "sistema"!...

Nada de estranho! Nada que se afaste da "normalidade"! Nada que justifique sequer fazer a apreciação de todos os "pormaiores" curiosos que foram acontecendo nos dois relvados em que foi "designada" a equipa que receberá o Benfica num dos jogos da meia-final desta desgraçada e "lucília" competição!...

Quanto mais se mexer na merda, pior será o cheiro que exala!...

Leoninamente,
Até à próxima




FEDELHOS !...



"O Elias e o pai têm um sonho, mas para o concretizarem o Flamengo tem de se aproximar dos valores que o Sporting pretende".

"Aconselho o Jeffren a mudar de empresário, caso contrário arrisca-se a continuar a fazer aquilo que tem tem feito até agora".

Leio estas declarações do Presidente do Sporting Clube de Portugal e penso, para com os meus botões: FEDELHOS !...

E vem-me à memória, um fabuloso poema de um nosso poeta, que teria disputado com Bocage, a medalha de ouro das "olimpíadas" da poesia erótica e satírica lusa, se o Barão de Coubertin tivesse nascido em Portugal e instituído uma prova onde coubesse esta "modalidade": António Botto!

Inédito

Nunca te foram ao c...
Nem nas perninhas, aposto!
Mas um homem como tu,
Lavadinho , todo nu, gosto!

Sem ter pentelho nenhum
Com certeza, não desgosto,
Até gosto!
Mas... gosto mais de fedelhos.

Vou-lhes ao c...
Dou-lhes conselhos,
Enfim... gosto!


Leoninamente,
Até à próxima

Sporting na vanguarda, mas onde está a VIGILÂNCIA ?!...



É do conhecimento de todo o formidável universo sportinguista, a fétida linha editorial do jornal Record, muito particularmente desde que os seus proprietários entenderam trocar o básico mimetismo batesiano do anterior director, pelo pornográfico, manhoso e pérfido descaramento provocatório do actual.

Lá saberão eles as linhas com que se cosem, sendo que aos sportinguistas assistirá o pleno direito de ostracizar o jornal das formas que julguem mais adequadas.

Por mim, as edições em papel foram há muito liminarmente eliminadas da minha lista de compras, tendo passado a apreciar o trabalho dos bons jornalistas e cronistas que, felizmente, ainda constam dos seus quadros, através das edições online, mesmo depois de instituída a "barragem" que significaram os "Conteúdos Exclusivos Premium". Nessa condição, o jornal vem arrecadando as migalhas que lhes pago para o respectivo acesso, enquanto a mim me cabe o direito de regularmente lhes minar os objectivos, com as frequentes publicações que aqui faculto, a todos os sportinguistas que não podem ou não querem fazer o que eu faço. 

É usando essa prerrogativa, que hoje vos deixo a excelente crónica de Rui Santos, da sua habitual rubrica, PRESSÃO ALTA, hoje publicada:

Sporting na vanguarda

Talvez não haja ainda a noção do que se está a passar no futebol em Portugal, mas a verdade é que o sistema sobre o qual assentou a organização da bola indígena nas últimas décadas está a mudar. Por isso, há nervosismo. Por isso, estão a ficar muito bem delineadas as fronteiras entre aqueles que querem manter o “status quo” – porque beneficiaram com ele – e os que, cansados de serem gozados e roubados, pretendem novo paradigma.

É um caminho árduo e difícil porque, por exemplo, na arbitragem, o modelo que (des)regula o futebol, desde que se transformou em “indústria”, tem o alto patrocínio da FIFA e da UEFA, cujos organismos tornaram as federações (de cada país) suas escravas. A FPF, por isso, faz pouco, a não ser “manter as aparências”.

O Benfica deu o pontapé de saída. O desmantelamento do sistema, tal e qual como se aguentou durante anos, começou com o convencimento – da parte de Luís Filipe Vieira – de que o Benfica teria de aproveitar a sua enorme “força social” para se afastar dos mecanismos que estiveram na base da edificação de um “novo império”. Durante os primeiros anos da sua presidência, Vieira estava convencido da “amizade segura” de Joaquim Oliveira, quiçá a figura com maior responsabilidade na consolidação de um sistema que alavancou as vitórias do FC Porto. Teve de se sentir enganado e prejudicado muitas vezes para aceitar a constatação. E foi por isso, através desta sumária razão, que nasceu a Benfica TV e a vontade de não continuar a promover um determinado poder, através das renovações contratuais com a PPTV/Olivedesportos.

Este passo correspondeu ao momento da “revolução” e é bom que se tenha a noção da importância histórica desta decisão, porque foi ela que permitiu o (actual) PREC futebolístico.

Como em todas as revoluções, há sempre um tempo de avaliação dos danos. Vivemos esse tempo. Joaquim Oliveira sofreu um grande revés, perdeu parte significativa do poder, mas – apesar de nada ser como dantes – continua activo e a tentar fazer valer as suas influências.

Não é por acaso que Joaquim Oliveira e Pinto da Costa sempre se mantiveram juntos e unidos e não é por acaso que o “FC Porto de Pinto da Costa” nunca se envolveu em nada de substancial que permitisse a evolução da indústria do futebol em Portugal.

O que se está a passar com a Liga de Mário Figueiredo, e a pressão da sua destituição como presidente, é a prova de que essas influências ainda se fazem sentir. Principalmente junto daqueles que beneficiaram, durante anos, dessas influências. É bom ter a noção de que a sobrevivência de uma esmagadora maioria dos chamados “clubes profissionais” fez-se através das verbas relativas aos direitos televisivos e a pagamentos adiantados (cerca de 70% das equipas que participam na principal prova do futebol português estão dependentes do dinheiro das transmissões televisivas). Com isso condicionaram-se decisões e muitos tiveram de se remeter ao silêncio. Foi assim que o famigerado “sistema” se manteve intacto durante anos e anos.

O presidente da FPF está a evidenciar um sentido táctico notável. Joga em todos os tabuleiros. Guindou-se a uma posição de relevo com o alto patrocínio de Joaquim Oliveira e, agora, chegado aonde queria, falta-lhe dar a estocada final: acabar com a Liga. Acabar com a Liga (e com a visão reformista de Mário Figueiredo) é a manifestação e a consolidação de um poder e, ao mesmo tempo, a vingança de alguns dos seus apoiantes.

Estamos, pois, em pleno PREC e o contributo dado, agora, pelo Sporting, com um conjunto de reformas que visam transformar a face do futebol em Portugal, sempre muito pouco atreito à mudança, enquadram-se nesse movimento de transformação.

A arbitragem é o sector mais sensível e aquele em que vai ser mais difícil mexer. Veja-se a reacção de Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, ao pacote de medidas apresentadas por Bruno de Carvalho: “Ideias do Sporting não melhoram nada”.

Percebe-se a afirmação: Vítor Pereira tem, hoje, um poder no futebol português que mais ninguém tem: gerir as nomeações a seu bel-prazer. Sem ter de se justificar. Sem ter de explicar critérios. Nada.

É neste sentido que, não deixando de criticar os excessos, às vezes próximos de fórmulas antigas, saúdo o papel vanguardista de Bruno Carvalho. Algumas das suas propostas não são novas, mas é bom que faça valer a sua força para tentar tirar o futebol português do marasmo. Mas, ao comprar uma “guerra”, terá de estar vigilante.

... E em Portugal?

A demissão de Sandro Rosell da presidência do Barcelona, justificada pelas ameaças que ele e a família vinham sendo sujeitos desde que foi tornado público o facto de alegadamente se ter apropriado de uma quantia muito significativa relacionada com a transferência de Neymar para o clube da Catalunha, vem lançar luz sobre as operações de transferência dos jogadores de futebol e a falta de transparência dos respectivos movimentos financeiros. Tudo começou com uma queixa de um sócio em tribunal e o acolhimento de um juiz.

Este é o nó górdio do futebol-indústria. A presunção de inocência existe, mas esta é uma temática que precisaria de mais e melhor investigação... também em Portugal.

“Fiuzada”

O presidente do Gil Vicente, António Fiúsa, começou por se confessar indignado com o facto de não ter sido informado oficialmente da marcação do jogo com o Benfica, da Taça da Liga, para o Estádio do Restelo. Tinha razão. Protestou. Entretanto, recebeu um pedido de desculpas por parte do Benfica e acalmou. Sabia, certamente, o presidente gilista que o regulamento da Taça da Liga (artigo 9, ponto 7) lhe conferia a possibilidade de jogar no seu estádio. Não o fez, porquê? Não seriam apenas vantagens? Perdeu a razão, sobretudo porque não soube defender os interesses do clube a que preside.

Não me irei deter na análise dos dois últimos temas. Tive o cuidado de publicar em negrito as ideias centrais de Rui Santos nas respectivas matérias, que naturalmente subscrevo e que o seu autor teve a arte e o engenho de deixar, a meu ver, absolutamente transparentes.

Já quanto ao tema mais importante do seu notável texto, o amor que uma vida inteira dediquei ao Sporting Clube de Portugal, obriga-me a deixar um alerta sério, a muitos e muitos sportinguistas que se presumem mais sportinguistas que todos os outros, aliando a essa "virtude" uma outra, em que colocam no patamar mais alto a sua própria inteligência, que também, pobre e infelizmente, supõem singular.

Diz Ruis Santos e, sob pena de me acharem repetitivo ou maçador, volto a citar:

"... É neste sentido que, não deixando de criticar os excessos, às vezes próximos de fórmulas antigas, saúdo o papel vanguardista de Bruno Carvalho. Algumas das suas propostas não são novas, mas é bom que faça valer a sua força para tentar tirar o futebol português do marasmo. Mas, ao comprar uma “guerra”, terá de estar vigilante."

Destaco a palavra VIGILANTE, para justificar o alerta que dirijo a muitos autores de blogs sportinguistas, perguntando-lhes se, enquanto vão massajando o próprio umbigo, com anúncios espalhafatosos de um, dois, três, quatro ou mesmo cinco milhares de visitas diárias, já alguma vez pararam para pensar, de forma fria e lúcida, se todos esses milhares de visitas corresponderão exclusivamente a leitores sportinguistas? E se o rótulo que, de forma narcisista e petulante, colocam nos seus escritos, terá alguma coisa a ver com estar VIGILANTE? Que raio de sportinguismo será o de muitos desses sportinguistas, cujos "ódios de estimação internos" se sobrepõem ao amor que o Clube lhes deveria merecer e trocam a VIGILÂNCIA de que fala e bem Rui Santos, pela masturbação quase diária e consequentes e malfadadas ejaculações precoces? E quando se aperceberão de que porventura se estarão a transformar em "cavalos de Troia" da grande Causa Leonina? Ou a preparar-lhe o ventre para violento "haraquiri" ?!...

Leoninamente,
Até á próxima

PUBLICIDADE