terça-feira, 30 de abril de 2013

Exibicionismo bacôco, ou crise de identidade?!...

Onde estará o talento, nos pés ou na cabeça?!...

"... Olhando para estas equipas vemos de facto o que querem e o que pretendem. Para isso contam com jogadores bem constituídos, cabelo curto e aspecto normal, sem tatuagens, anéis, brincos ou outros artefactos, apenas focados em dar o seu melhor em termos individuais para servir o colectivo.".
 
Este trecho da crónica de Júlio Magalhães, despertou-me o desejo de abordar uma matéria que há muito me baila no espírito. Melindrosa, porque colide irremediavelmente com o direito de cada um a construir a imagem que de si próprio apresenta ao mundo que o envolve. Mas que jamais retirará aos alvos dessa mesma imagem o direito, que também lhes assiste, de gostar ou não! Sendo no entanto insofismável que, à margem da relação que possa existir entre quem recebe a imagem e quem a produz, a dispersão da atenção do produtor por campos absolutamente à margem do essencial, nunca será, em meu entender, recomendável.
 
Comungo com Júlio Magalhães o culto da "normalidade do aspecto exterior" que as figuras públicas, no caso vertente, os jogadores de futebol, deveriam cultivar. Sempre que vejo um jogador de futebol, carregado de tatuagens por todo o corpo, com arrepiantes cortes de cabelo e adornado por uma parafernália de "anéis, brincos e outros artefactos", penso que o espalhafato da sua imagem sempre terá resultado de uma inevitável manifestação de deficiências individuais próprias, sejam elas de carácter técnico/desportivo, ou da humildade de ascendência, ou de limitações do meio em que se desenvolveram e fizeram homens e, concomitantemente, dos reduzidos índices educacionais e culturais que lhes foi permitido absorver. Por outras palavras, porventura de extrema dureza mas de irrefutabilidade garantida, por detrás de todo o caricato de uma imagem, estará sempre uma pobreza qualquer.
 
Júlio Magalhães fala e bem, de que nas grandes equipas de top mundial, como o Bayern e o Borussia, não se assiste ao culto do acessório. Os seus jogadores apenas estão focados no essencial: a sua prestação desportiva, tanto individual quanto colectiva. Bem que eu desejaria poder assistir no Sporting Clube de Portugal, ao abandono de práticas deprimentes e ridículas do acessório, centrado na imagem que cada um de si próprio exibe e ao culto do verdadeiramente essencial, focado no rendimento máximo que cada um possa conseguir em favor do colectivo. Infelizmente, ainda vamos sendo confrontados com alguns exemplos de uma menoridade incompatível com a grandeza do Clube e os objectivos verdadeiramente importantes que deveriam nortear de forma séria e equilibrada a carreira  de profissionais de futebol.
 
E quanto mais exemplos espalhafatosos conseguirmos reunir mais fácil se tornará interpretar e concluir da relação entre o fenómeno e a origem e suporte dos seus autores. Dificilmente assistiremos nas equipas alemãs, suecas, dinamarquesas, holandesas, norueguesas, inglesas e mesmo russas, a casos de puro exibicionismo e ostentação de imagens radicais por parte de futebolistas oriundos desses mesmos países. Os raros exemplos que eventualmente possamos colher nas equipas dessas diferentes realidades civilizacionais, terão marca registada de África e em particular do Magreb, do Sul de Europa e da América Latina. Porque será?! Porque será que os protagonistas nunca interiorizaram que ao adoptarem tais comportamentos estarão a passar um atestado terceiro-mundista a si próprios e às suas origens?! Ou estaremos perante uma violenta crise de identidade?!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

Os sonhos deles, que são nossos também !!!...


"... Bruma aprendeu ontem uma lição valiosa: um toque de calcanhar pode ser uma obra de arte no ataque, como Capel tão bem demonstrou, mas é quase sempre um disparate na defesa. Claro que, com 18 anos, todos cometemos excessos, mas os de Bruma são quase todos excessos de artista e é por isso que o pior que lhe podia acontecer nesta altura era obrigarem-no a ser um bom robot. Jesualdo sabe disto melhor do que ninguém e foi por isso que ontem, no final do jogo, pediu espaço e tempo para Bruma poder crescer à vontade. É evidente que vai cometer alguns erros pelo caminho, mas também é assim que se aprende e se ontem já foi capaz de encher o campo e fazer as assistências para os dois golos do Sporting, imaginem só até onde pode chegar nas mãos do professor...".
 
Imaginem só até onde pode chegar Bruma com o professor Jesualdo Ferreira! Mas por favor, não deixem o "menino" sozinho! Deixem-no continuar a jogar com os outros meninos com que se habituou a jogar nos últimos anos. Não o afastem de Eric Dier, de Tiago Ilori, de André Martins, de Ricardo Esgaio, de João Mário, de Betinho, de Zezinho e de outros com quem constituiu e há-de continuar a constituir a fantástica "Geração Academia"! Deixem-nos continuar juntos e de leão ao peito e, por favor, não imitem o ministro Crato: não os mudem de professor, como quem muda de camisa! Deixem crescer esta gente, mas não lhe tirem a contagiante alegria e a devoção, com que parecem participar em cada aula, onde bebem sôfregos, cada palavra do Professor!...
 
Eu sei que às vezes caio em contradição, ao defender que deveremos dar tempo de decisão ao professor Jesualdo Ferreira e ao presidente Bruno de Carvalho e quase simultaneamente apelo a que aos "nossos meninos" não lhes seja negado o Mestre que parecem seguir, qual "Ala dos Namorados", como se fora o Condestável nos campos de Aljubarrota. Mas é o meu coração a falar! É o sonho lindo de ver repetida em Alvalade a saga dos alemães de Dortmund. E separar estes meninos, seja uns dos outros, seja do "seu Professor" seria acabar com a beleza do sonho!...
 
José Torres pediu um dia, quando todas as portas pareciam fechar-se, que o deixassem sonhar. E o seu sonho concretizou-se. O horizonte do Sporting Clube de Portugal estará ainda mais carregado que os horizontes de José Torres nesse tempo. Mas porque não fazer tudo para que o sonho possa continuar em nós?! Porque não continuar a acreditar e dar a todos estes meninos e ao seu Professor o tempo e a paciência necessários?! Não, por favor não matem os sonhos deles, que são nossos também!...

Leoninamente,
Até à próxima

A dignidade não é negociável, nem mesmo em troca do Sol !!!...

in A Bola

Recordar-se-ão das considerações que aqui teci, sobre a propalada e "chico-espertíssima" decisão da AG da Liga, de fazer subir o Boavista F.C. à I Liga, já no final da presente época. Os "figueiredos e fiúzas" que alcançaram o poder no organismo, completamente à revelia dos clubes que lhe vão sustentado uma existência, cada vez mais condenada a inexorável extinção se o rumo demorar demasiado a corrigir, fizeram vingar a sua estúpida visão do futebol português e pensaram proceder ao pagamento da factura do "servicinho" que suportou a sua eleição. 
 
As considerações que então por aqui deixei e os cenários que sempre resultariam, se na FPF imperasse o bom senso e a intransigente defesa do que resta de dignidade no futebol português, apontavam para um único caminho: o chumbo da proposta dos "figueiredos e  fiúzas" e a obrigatoriedade de a LPFP " alinhavar para a época de 2014/2015, uma solução que compatibilizasse a subida do Boavista com as normas regulamentares que regem o processo de subidas e descidas entre as duas ligas profissionais do futebol português, excluindo liminarmente qualquer processo capcioso de um alargamento que o levaria em definitivo, a uma morte anunciada.
 
Foi o que hoje felizmente veio a acontecer. Numa decisão que honra o departamento federativo responsável, o  Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, os "figueiredos e fiúzas" foram reduzidos à sua verdadeira expressão: ao zero que representam na dignificação e ressurgimento do futebol profissional português! Assim pudesse acontecer noutras áreas porventura mais importantes ainda da vida colectiva portuguesa!!!...

Leoninamente,
Até à próxima 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Amido Baldé e os próximos capítulos...


 
Sempre me pareceu estranha a transferência de Amido Baldé para o Vitória de Guimarães. E disso mesmo cheguei a falar aqui, recordam-se?! Quem acompanhava "Leoninamente!!!..." há quase um ano, recordar-se-á, com toda a certeza. Quem só agora se habituou a fazê-lo, rapidamente ficará a par da situação.
 
Ora, como o ilustre vice-presidente vimaranense na ocasião referiu, o "grande" para onde Baldé estaria previsto ir, está hoje perfeitamente identificado, perante esta "imprevista e arreliadora notícia"! Mas mesmo assim permanecem em mim "arreliadoras dúvidas", sobre as razões que levaram Godinho Lopes a aspergir com a sua "santificada água benta" o negócio que tanta comichão me fez na altura.
 
Lá está, razões fortes teriam aqueles que, antes das últimas eleições falaram na necessidade de tomarem posse com a PJ à porta?! Razões que os sportinguistas nunca conheceram e que muito provavelmente nunca conhecerão! Malhas que a "banca" sempre teceu e continua a tecer?! Não sei. O que sei é que Godinho Lopes estará farto de saber e nunca abrirá a boca! Também terá com a banca, o seu "acordo de reestruturação" e ficará para sempre remetido ao silêncio... 
 
Nunca saberemos porque teria o Porto de pagar 4 milhões ao Sporting de contratasse Amido Baldé e o Benfica para fazer o mesmo teria que dobrar a parada?! Nunca saberemos a razão porque Godinho Lopes não exigiu que em vez de duas cláusulas tão diferentes, não preferiu apenas uma, em que, por exemplo, qualquer clube português que pretendesse contratar o jogador tivesse que pagar ao Sporting uma verba que ficasse no meio, 6 milhões?! Nunca saberemos porque existiu um privilégio de 4 milhões a favor do Porto?! Nunca saberemos o porquê de todas estas jogadas por debaixo do pano?!...
 
Todas estas perguntas ficarão sem resposta, até ao dia em que o Presidente Bruno de Carvalho, dê com a língua nos dentes e venha a terreiro explicar aos sportinguistas, "tim-tim por tim-tim" tudo o que ficou escondido por debaixo do pano! E que nunca lhe doam os dentes e a língua! Os sportinguista ficarão à espera do desenvolvimento dos próximos capítulos! Ou será que Amido Baldé ainda um dia destes vai regressar ao Sporting Clube de Portugal?! Se calhar ainda estourava a castanha na boca de muito boa gente!!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

Um grande "tapa-olhos" !!!...

Foto de Fernando Ferreira, in Record

 
Foi a imagem acima que me sugeriu este post. Mas também o conteúdo do insuspeito artigo do jornalista Miguel Amaro, de que destacarei:
 
"... A equipa de Jesualdo Ferreira enfrenta agora mais três finais para conseguir chegar ao lugar europeu. Começa com um teste difícil, no terreno do Paços de Ferreira, e mede forças com dois dos aflitos: Olhanense (em casa) e Beira-Mar (fora). Os leões precisam de vencer e esperar por resultados negativos da concorrência. A luta é até ao fim."
 
Mas voltando à imagem, não para apontar um eventual erro de avaliação de Jorge Ferreira, mas para dizer que haverá gestos que deverão ser relevados, da mesma forma que serão imperdoáveis outros perante os quais os "capelas" desta vida, fecham as pestanas vermelhuscas no exacto momento em que acontecem. E pior ainda quando o repetem, sistematicamente para o mesmo lado.
 
Ao apreciar todo o envolvimento mediático do jogo de logo à noite. Ao constatar a sublimação da nomeação de Manuel Mota. Ao admirar a cordialidade a roçar as raias da amizade comprometedora que terá envolvido o almoço que ainda deverá estar a decorrer, entre os líderes dos dois clubes acolitados pelo presidente do Governo Regional e da Liga de Clubes eu, defensor sem medida das boas relações entre todos os intervenientes do fenómeno desportivo e em particular do futebol, fico aflito por não conseguir encontrar a pedra que no sapato me vai ferindo o pé. Á mulher de César, não basta ser séria ! Como o jogador madeirense pretendeu fazer a Diego Capel, andará por aí alguém que nos pretende oferecer um grande "tapa-olhos" !!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima 

domingo, 28 de abril de 2013

As dores de crescimento e a via sacra...

in Record

Muito sofre um coração sportinguista! Esta malfadada época parece que não acaba mais! Maldita praga que sobre nós foi lançada! Os deuses devem estar loucamente sádicos ao persistirem em infligir-nos tão doloroso castigo. Sendo certo que não esteve neles a culpa maior da miserável situação em que se encontra o Sporting Clube de Portugal, que não terá vindo deles o impulso final com que alojámos o bambu no próprio ventre, em "haraquíri" perfeito cuja agonia nenhum de nós saberá com segurança quando terminará, que lhes custaria agora fechar um pouco os olhos e poupar-nos a uma expiação tão dura?! Porque não nos ignoram e nos deixam ao menos viver o que resta desta caminhada, sem tanto sofrimento, sem tanto pavor de uma morte que tanto se anuncia?!...
 
Que terrível acto de contrição nos estará a ser imposto! Ainda mal acabámos agora de, com o terço e o credo nas mãos e na boca, de prosseguir em mais uma estação desta dolorosa "via sacra" e já os arautos da desgraça nos apontam a próxima, lá para o "horto das oliveiras", um caixote relvado a que agora resolveram chamar de "estádio da capital do móvel"?! Mas onde estará a magnanimidade e a compaixão dos deuses?! Não, isto não é a blasfémia de pecador! Cristo ao pedir ao pai para dele afastar aquele cálice, não basfemou! Foi apenas o desabafo do sofrimento! Como este que agora, cansado de dor e sofrimento pronuncio!...
 
Sim, eu sei que devo estar agradecido aos deuses, por no meio de tanto sofrimento me terem enviado o "anjo limpo" do Jorge Ferreira! Mas será que também lhes terei de agradecer o "anjo limpinho" do João Capela?! E será que em vez da sua imediata irradiação, ainda terei alguma vez mais no futuro, de suportar o seu "envio", seja  para Alvalade, seja para um outro qualquer "horto de oliveiras"?! Temo que os "deuses possam mesmo estar loucos", e isso possa vir a acontecer. Como temo que qualquer toque de calcanhar possa suceder, no meio da "bruma", a um qualquer centro milagroso e temporão para os pés de um "capel" qualquer! Chiça, eu não disse "capela"! Eu era lá capaz de dizer uma coisa dessas?!...
 
No meio de tanto sofrimento e apesar das dores de crescimento que temos sido obrigados a suportar, eu bendigo a hora em que Brumas, Iloris, Diers e Andrés convenceram o Professor, e até lhes perdoo as pequenas fífias do crescimento. Quando vejo dois, três e até quatro adversários à volta deles, sempre que a redondinha lhes chega aos pés, sinto-me mais orgulhoso do que com a classe que transpiram em cada poro. Isso é o reconhecimento do respeito e temor que infundem. Se não fosse esta dolorosa "via sacra" a que nos obrigámos a nós próprios, eu era um "católico sportinguista" feliz!...
 
Pronto. Já passou. Só quero deixar um recado/pergunta ao "deus menor" que nos foi imposto e que teremos de continuar a "adorar", que se chama Vitor Pereira e manda no apito: ó senhor, não pode mandar lá para a terra dos móveis um clone do Jorge Ferreira que hoje esteve em Alvalade?!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

Meninos, ouçam bem: cabecinha no lugar e leão ao peito!!!...


Ontem tive o privilégio de ter estado entre os convidados do Núcleo Sportinguista de Ílhavo, que recebeu e acompanhou a comitiva de Iniciados do Sporting Clube de Portugal, na sua deslocação à Gafanha da Nazaré, onde defrontaram a sua congénere local, no jogo referente à 3.ª jornada da 3.ª fase do Campeonato Nacional.

Sobre o excelente jogo que esta talentosa juventude leonina realizou, referirei que assisti a mais uma vitória indiscutível da qualidade, que só factores exteriores poderiam evitar que acontecesse. Com o excelente trabalho realizado pela equipa de arbitragem que veio do Porto e pese embora a excelente réplica da equipa da casa, a clara supremacia individual e colectiva dos leões só poderia dar mais do mesmo que as duas jornadas anteriores já haviam mostrado. A vitória de hoje garantiu a invencibilidade na prova deste jovens leões, cada vez mais embalados para a conquista do título, que que já foge ao Sporting Clube de Portugal desde 2007/08. 
 
Os comandados de Telmo Costa, entraram determinados e evidenciando uma pressão e controle sobre o adversário, que não é vulgar assistir neste escalão da formação. Aproveitado a ajuda do forte vento que se fazia sentir na região e mais propriamente no rectângulo de jogo, a equipa leonina remeteu o adversário para o seu meio campo, onde em grande parte do tempo foram evoluindo 21 jogadores, com o nosso guarda-redes a assistir de longe, a meio do nosso meio campo, à autêntica cavalgada dos seus companheiros. Assim, logo aos dois minutos de jogo o Sporting inaugurou o marcador, com um golo de oportunidade de Hugo Farinha. Com a vantagem conseguida tão cedo, os «leões» passaram a jogar descontraídos, evidenciando toda a sua supremacia. Tal facto traduziu-se porém num progressivo baixar de linhas por parte dos da casa e o intervalo chegou sem que o resultado se alterasse.

Na segunda parte, com o Sporting a jogar contra o vento, o adversário tentou subir no terreno e conseguiu estabelecer um certo equilíbrio. Contudo a superioridade leonina nunca foi posta em causa e numa boa saída, os "leões" conquistaram uma grande penalidade, por falta clara de um dos centrais do Gafanha sobre Idrisa Sambú, que Moreto Cassamá, chamado a converter, não desperdiçou. Vitória tranquila, numa partida que não terá sido fácil, perante uma formação que em  sua casa vem impondo grandes dificuldades aos visitantes e que já teve o supremo "descaramento" de ir ganhar por 1-0 ao Benfica, no Seixal, afastando-o, quiçá definitivamente, de quaisquer aspirações ao título.

Quando somos confrontados com o quase ostracismo a que, a grande parte dos órgãos de CS votam este importante escalão de formação e todo o trabalho desenvolvido pelos clubes, dirigentes e técnicos, sublimado pelo facto de a maior parte dos analistas, apresentar como dado adquirido a quase inexistência de grandes valores com qualidade e potencial para voos mais altos, é com uma satisfação do tamanho do mundo e um enorme orgulho que, como sportinguista e adepto ferrenho da formação leonina, aqui vos garanto hoje, amigos sportinguistas, que estará a sair das mão de Telmo Costa, mais uma fornada de talentos à altura da tradição do glorioso Sporting Clube de Portugal. Sou avesso a exaltações pessoais, que considero quase sempre contribuem para o deslumbramento desta talentosa "miudagem". Mas a postura de humilde e respeitosa responsabilidade, que depois constatei no jantar que com todos eles partilhei, levam-me a exaltar o excelente trabalho que tem sido desenvolvido por homens como o director de equipa Luís Silva,  o coordenador de formação José Lima, o treinador principal Telmo Costa e os adjuntos João Vargas e Nuno Almeida.

Por tudo o que antes disse e valorizando o forte sentido colectivo e a surpreendente responsabilidade desportiva e social de todos estes jovens jogadores do Sporting Clube de Portugal,  que testemunhei em toda a tarde e princípio de noite de hoje e a agradável impressão que todos me provocaram, quero aqui deixar a minha admiração pelos excelentes atributos futebolísticos de três dessas jovens promessas leoninas: 

Pedro Ferreira (hoje com o nº6 e um capitão e trinco da velha escola, a seguir com muita atenção e esperança), Moreto Cassamá (hoje com o nº 10 e um predestinado organizador de jogo, que quase pela certa nos fará sorrir muito em breve) e Idrisa Sambu, uma fenomenal estampa atlética, habitual atacante titular com uma técnica invulgar e que depois de debelada uma arreliadora lesão, Telmo Costa hoje lançou no 2º tempo, quem sabe se a pensar já na próxima jornada, em que o título nos poderá sorrir.

Mas todos os seus companheiros são merecedores da nossa admiração, respeito e interesse, porque o colectivo que hoje nos foi dado apreciar, é um todo de talento, esforço, dedicação e devoção! Bem haja mais esta nova e prometedora "geração academia" que já está na forja e que não acontece por milagre. A glória de amanhã, dá muito trabalho hoje. Que a mente de todos estes meninos, permaneça sempre sã, aberta e disponível para corresponder aos ensinamentos, com um forte desejo de aprender,  ao trabalho, com um forte desejo de evoluir e ao esforço que sempre exigirá a grandeza do Clube que os acolheu e que lhes poderá proporcionar aquilo que nenhum outro clube do mundo conseguirá. Que nunca se esqueçam disso. Nada de pressas e ambições desmedidas. Trabalho, muito trabalho. E façam-me um grande favor: sempre, sempre, com a cabecinha no lugar e... o leão ao peito!!!...

Leoninamente,
Até à próxima
 


sábado, 27 de abril de 2013

A "capela" da Luz e a sagrada congregação para a causa dos santos !...


 
Não faço ideia de quantos serão os buraquinhos minúsculos de uma peneira de rede muito fininha. Daquelas que antigamente eram usadas para peneirar a farinha destinada à doçaria fina. Hoje não se usam mais peneiras dessas. A farinha chega-nos às mãos, alva, pura e finamente peneirada, pronta a usar. Mas as de antigamente, a que agora me quero referir, eram feitas do mais fino tecido de seda e teriam milhões de micro-buracos. Quatro, cinco, seis milhões?! Presumo que bastantes mais...
 
Acompanhem por favor o meu raciocínio. A julgar pelas estatísticas dos anos 60 - foram as últimas que tiveram honras de publicação, já que as mais recentes, ironicamente, foram remetidas às gavetas da Luz! -, em que alguém afirmou que existiriam bem mais de seis milhões de benfiquistas do Minho ao Algarve, passando pelos Açores e Madeira e sem contar com a nossa fabulosa diáspora, porque então seriam alguns dez milhões, todos eles juntos, reparem bem, não conseguiram tapar o Sol da "capela" com a sua peneira, cuja opacidade resultaria naturalmente de colocar em cada buraquinho um benfiquista. Ora se desta vez não o conseguiram, de duas uma: ou a estafada da peneira terá bastante mais de dez milhões de buracos, ou então a treta de tantos milhões de benfiquistas, será a maior balela de todos os tempos.
 
Desta vez a grande nação vermelha não conseguiu tapar o Sol com a peneira. Logo que o doente e amargurado Leão, rugiu no meio do relvado da Luz, ainda que o som nada tenha tido de parecido com o troar amedrontador de outrora, o sino da "capela" tocou a rebate e em poucas horas cada benfiquista estava estrategicamente colocado no seu buraquinho da peneira. Mas de nada valeu! Presumo que já não serão tantos milhões assim. Se o fossem, o Sol jamais venceria a opacidade da peneira. Ao invés, o que aconteceu, foi o astro-rei violar decididamente a malha da peneira e, incidindo sobre os vitrais da capela, em arrepiante fenómeno de refracção iluminou todos os seus interiores e devassou-lhes os segredos.
 
Distraído, o  sacristão, observador casual da eucaristia dominical da capela de Carnide, já depois do padre ter pronunciado o esperado, reconfortante e aliviante, "ite missa est", ainda ficou a rezar mais uma "avemariazinha", um "padre nosso, venha a nós o vosso reino" e um "glória ao pai" e quando se deu conta, a capela estava vazia e já não teve tempo de concertar a próxima missinha. É no que dá a devoção a mais. Perdeu o emprego. Ao que consta por aí, Luís Ferreira foi afastado da FPF. Porque "inventar milagres limpinhos na capela", já não convence sequer o "papa", quanto mais a "sagrada congregação para a causa dos santos", vetusto órgão soberano do "vaticano", que em vez da canonização aprecia agora um doloroso processo de excomungação da "capela"!...

Leoninamente,
Até à próxima
 
 

A liga Capela e outros títulos !!...


"... Nunca gostei, não gosto nem nunca gostarei de ver as equipas de futebol ganharem com as ajudas dos árbitros ou de outros favores. Sejam elas vermelhas, azuis, verdes, amarelas, riscadas ou às bolinhas. O que aconteceu no último dérbi foi grave de mais para passar sem crítica. Uma arbitragem parcial de João Capela, que atropelou as leis do jogo. Mas mais grave ainda, escandalosa, foi a nota atribuída ao árbitro do Benfica-Sporting pelo observador Luís Ferreira.
 
Bom mais (3,7), num jogo com tantos erros, quase todos assinalados pela imprensa e por aqueles que são considerados especialistas na matéria?! Como é possível? É isto que “mata” o futebol português, ontem como hoje, porque as nomeações (baseadas em critérios que ninguém entende) mais as classificações e as promoções que resultam de um processo sem qualquer ponta de transparência. Quem está atrás da cortina?
 
Os favores ou erros de outros tempos, creditados a (outros) adversários, não são argumentos válidos. Porque, se fossem, não sairíamos disto, e estaríamos, “em loop”, a aceitar que os erros do presente se justificam através da contabilidade dos erros do passado.
 
O Apito Dourado não limpou o que havia a limpar e a sujidade era muita e estava entranhada. O Apito Dourado (AD) varreu a porcaria para debaixo do tapete. Foi uma oportunidade perdida. O controlo do sector da arbitragem, com nomeações por encomenda, árbitros a saírem de uma espécie de leilão entre interessados, classificações emendadas e corrigidas para promover uns em detrimento de outros, deu o resultado que se conhece. O pós-AD não está a ser brilhante. Pelo contrário.
 
Ninguém parece preocupado com reformas efectivas que podem tirar a arbitragem deste pântano. Os principais protagonistas do futebol em Portugal apenas parecem preocupados em achar a melhor forma de exercerem o controlo. Por transferência, por osmose, por clonagem ou por outro processo qualquer. Não é este o caminho e, assim, o futebol português vai continuar a definhar sob o peso da sua amoralidade.
 
O erro faz parte do jogo. Mas o erro sistemático, que sugere uma tendência, não é aceitável, numa competição profissional que envolve muitos milhões.
 
A nota atribuída a João Capela, com base no pressuposto de decisões amplamente correctas, é uma ofensa à inteligência das pessoas: descaradamente, vale tudo. Uma vergonha!
 
Os critérios dos nomeadores têm de ser questionados. Internacionais para certos jogos, não internacionais para outros, independentemente das classificações das equipas. E se não há forma de fundamentar as nomeações, coloque-se todos os contendores em base de igualdade e opte-se pelo sorteio. Sempre é mais digno.
 
O presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, que faz o que quer a seu bel-prazer, deveria ser chamado a explicar a razão segundo a qual nomeou Carlos Xistra para o FC Porto-V. Setúbal e... Manuel Mota (?!) para o Marítimo-Benfica. Alguém entende?!...".
(Rui Santos in Record)

 
 
Palavras insuspeitas de Rui Santos na sua crónica "Pressão Alta" no jornal Record de hoje. Compreender-se-á a cegueira benfiquista. O que jamais se compreenderá será a cegueira que evidenciam as instâncias que regulam o futebol. Uma autêntica vergonha. Estamos perante uma simples mudança de cor. Do "apito dourado" passámos para um descarado e "sem escutas" apito vermelho! Mas tão vermelho, tão vermelho que já será VERMELHÃO  e a Liga já será Liga Capela, como a Taça do Lucílio.!!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

O trabalhinho de João Capela e as más línguas...

in A Bola

Quem não se sente não é boa gente! Como era de prever o Sporting Clube de Portugal reclamou para o órgão competente da FPF, sobre o trabalho - ou foi trabalhinho?! - de João Capela no domingo passado na Luz.
 
Agora vamos todos aguardar, como serão mexidos os cordelinhos vermelhos que comandam todas aquelas marionetas federativas. É que o trabalhinho foi mesmo... limpinho! Até o observador correspondeu perfeitamente às expectativas...
 
Leoninamente.
Até à próxima

Passo importante no basquetebol !...



A equipa feminina de basquetebol do Sporting venceu o Clube Desportivo da Póvoa, por 67-50, no primeiro jogo da fase intermédia do Campeonato Nacional da II Divisão.

As «leoas» entraram muito fortes na partida e decididas a resolver o encontro o mais depressa possível. Só à passagem do 5.º minuto de jogo é que a equipa da Póvoa conseguiu fazer o seu primeiro ponto. Ao intervalo,  a equipa «verde e branca» vencia por 41-22.


No desenrolar do encontro, as comandadas de Lúcia Gomes apresentavam uma estratégia defensiva bastante coesa, fazendo-se valer das rápidas jogadas de contra-ataque para continuar a dilatar a vantagem no marcador. 

Este foi mais um passo importante para a passagem à «final four» da competição.
 
Alinharam e marcaram pelo Sporting: Joana Claro (14), Cláudia Almeida (5), Marisa David (11), Ana Cunha (17) e Djenifer Monteiro (15). Jogaram ainda: Marta Azevedo (2), Francisca Cerdeira (2), Yamili Vera Cruz (1), Carolina Claro, Soraia Guerreiro e Dalila Fonseca.
 
Leoninamente,
Até á próxima

sexta-feira, 26 de abril de 2013

Tantas vezes vai o cântaro à fonte, que um dia deixa lá a asa !!!...


 
Depois desta notícia, a indignação leonina subiu a pique! Já não nos chegava a humilhação de ter visto o "frete" que João Capela fez aos donos da casa. Agora assistimos a outro "frete" ainda mais sofisticado e criminoso, de um pretenso observador do trabalho do árbitro, de seu nome Luís Ferreira - fixem-lhe o nome e referências porque poderá ser importante no futuro! -, que em aparente contradição com os doutos pensamento e disposição penalizadora que, à socapa, já caíram no domínio público, por parte do CD da FPF, entendeu, vá lá saber-se porquê - será que não se sabe mesmo?! -, atribuir ao trabalho do energúmeno Capela, uma classificação superior a BOM!...
 
Esperem-lhe pela volta! Ou muito me engano, ou a ignominiosa actuação do Capela no domingo à noite na Luz, agora "legalizadamente subscrita" por Luís Ferreira, ainda vão fazer correr muita tinta e porventura afectar ou mesmo revolucionar a calma mansa, serena e rubra em que parece ir vivendo a arbitragem portuguesa. Oxalá que desta vez a resposta venha a ser algo mais dura e difícil de abafar, que em todas as anteriores, em que o vilipêndio caiu sobre o Sporting Clube de Portugal. Oxalá que outras vozes não se levantem e se juntem ao protesto veemente e leonino que se adivinha. Oxalá que o tiro com que Capela despachou os leões na Luz e o morteiro agora lançado pelo Ferreira, não façam ricochete em alguma superfície dura e lisa e não venham a transformar-se em boomerangs, atingindo mortalmente os seus lançadores.
 
O presidente do Porto, conhecedor profundo da melhor forma de exterminar as pulgas da nossa arbitragem, sabia o que estava a dizer quando afirmou que o Capela iria longe. Mas o estúpido do senhor Luís, não percebeu patavina do que o "papa" disse e vá de concorrer para a nomeação do Capela para o "óscar" do melhor árbitro do mundo, pensando que estaria a contribuir para a sucessão do Proença. Esta gente nem as pensa! E revela-se cada vez mais estúpida! Pois será que seria preciso ser muito inteligente para compreender que há horas para tudo e que esta não deveria ser a hora de forçar a nota?! O senhor Luís Ferreira forçou mesmo a nota, e em vez de atribuir aí um 2.5, que apenas deixaria para mais tarde o galope de Capela e acalmaria para já as hostes, resolveu atirar mais gasolina para a fogueira e sabe-se lá se não terá contribuído para uma explosão incontrolável.
 
Lá teremos de assistir todos, um dia destes, a uma actuação governamental semelhante áquela que arrebatou o poder federativo aos Pintos lá do Norte. Desta vez o Governo terá que, como o central que tira o pão da boca ao ponta de lança, tirar o apito da boca e das mãos de que não tem condições para o usar. Atenção "gente do apito", com APAF incluída, olhem que até de uma fraca toca às vezes sai um bom coelho. O Governo actual é um exemplo daquilo que jamais deverá ser um governo. Mas... de repente, vocês todos ficam sem tacho! Tantas vezes vai o cântaro à fonte, que um dia deixa lá a asa !!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

Apenas um prenúncio de salvação. De vida e de futuro !...

in O Jogo

Dois milhões anuais! Uma autêntica loucura! Mas como é possível isto ter chegado a este ponto?!... Mas afinal que raio de gestores é que nós andámos durante quase 20 anos a eleger para liderar o glorioso Sporting Clube de Portugal?! E como se poderá alguma vez falar do sportinguismo de todos aqueles que promoveram semelhante delapidação do património de uma instituição centenária, assim como daqueles que alimentaram a fogueira, auferindo ordenados milionários, sem pudor, sem o mínimo rebate de consciência e clamando aos quatro ventos o seu sportinguismo?! Então qual será o maior ladrão, aquele que entra no quintal ou o que fica ao portão?!...
 
Agora, alguns pretenderão que todo o odioso desta intolerável situação, tanto no inadmissível tempo em que depois de criada se permitiu a sua manifestação e prolongamento, quanto no  modo como tacita e egoisticamente,  foi aceite pelos interessados directos e indirectos, recaia sobre aqueles que corajosamente assumiram a imperiosa necessidade do seu fim imediato e dele tratam com elevação e respeito pelas mais elementares normas do direito e da concertação e convivência sociais.
 
Nunca vi ao longo dos últimos 20 anos, os pretensos sportinguistas e arautos defensores, que hoje atacam os actuais dirigentes leoninos, invocando "inultrapassáveis" disposições do direito do trabalho, levantar um único dedo para condenar a criminosa gestão que placidamente se foi desenvolvendo anos a fio em Alvalade. Jamais uma única voz se levantou, no meio de todas estas agora "virgens ofendidas", para denunciar o "crime sistemático e reiteradamente praticado" que todo o universo leonino sempre mais do que imaginou. Adivinham-se-lhes perfeitamente as intenções: apesar de seca e decrépita, não escondem a ganância e "fuçanguice", com que se abeiram da teta! São os "cangalheiros" que vivem de pretensas interpretações do direito do trabalho, que bem conhecemos desde o 25 de Abril. São os "urubus" que vivem do pressentimento da morte e lhes sobrevoam os passos. Não tenho dúvida de que arrebanharão umas boas dezenas de clientes, de entre todos aqueles "sportinguistas" que também se foram aproveitando das tetas, em sugação sem pruridos ou complexos de qualquer ordem, até à exaurição total, completa e quase mortal da parideira.
 
Tenho muito respeito pelo passado de grande parte desses "sportinguistas"! Mas jamais serei capaz de lhes imaginar sobre os ombros as asas angelicais que hoje por aí vão reclamando possuir. Para os erros dos trajectos de vida e dos azares de cada um, existirão instituições de solidariedade social capazes de, melhor ou pior, os poderem amenizar. Não o Sporting Clube de Portugal, cujos objectivos desde a sua fundação, nunca foram coincidentes com funções dessa natureza. Talvez os "Leões de Portugal" ou a Fundação Sporting estejam bem mais próximos.
 
Que ninguém pretenda, a começar por este modesto escriba, deificar os novos dirigentes do Sporting Clube de Portugal. Serão homens como nós, sempre sujeitos, tanto a caminhos de sucesso, como ao cometimento de humanos e admissíveis erros. Mas que não venham agora negros e inexplicáveis ódios de um passado demasiado recente, colocar-lhes mentirosos e injustos rótulos de demónios. A vida e todo o mundo que nos envolve, não se resumem a uma simples construção dicotómica entre anjos e demónios. A amputação, ainda que dolorosa e traumática, nunca foi um acto cirúrgico final. Sempre foi o prenúncio de salvação. Da vida e do futuro!...
 
Leoninamente,
Até à próxima 
 

quinta-feira, 25 de abril de 2013

O melhor será dar tempo ao tempo...


"... Jesualdo Ferreira não é apenas o melhor treinador que o Sporting pode ter face às circunstâncias: é o melhor treinador que o Sporting pode ter entre quase todos aqueles que tem tido e, seguramente, entre todos os que lhe seja razoável equacionar. Basta fazer um esforço de memória e recordar os muitos jovens jogadores que, ao longo dos anos, o referiram como a sua referência primeira. Se o futuro do Sporting é a Academia, então deve ser Jesualdo também. Pelo trabalho feito este ano como pelo trabalho feito no FC Porto e no Braga e no Benfica e nos outros clubes todos, inclusive com recurso à preparação académica. Outro treinador significará começar novamente do zero - e agora com Dier, Ilori ou Bruma como estrelas do balneário. Um tiro no pé. Mais um...".
(Joel Neto, in O Jogo)

Assino por baixo, quase na totalidade, esta lúcida crónica de Joel Neto. Mas tenho fortes dúvidas se tanto ele, quanto uma substancial maioria de sportinguistas, em que me incluo, naturalmente, terão à sua disposição os dados suficientes para uma correcta avaliação. Sempre me interroguei sobre as causas que tantas vezes impedem o óbvio de acontecer. E há muito que concluí que nessas "tantas vezes", o óbvio não seria assim tão óbvio. Por isso, se é verdade que assino por baixo, repito, quase tudo, o que Joel Neto escreveu, deixo as últimas seis palavrinhas de fora. E explico porquê.
 
Se o óbvio não for assim tão óbvio, será que teremos de classificar a alternativa como um tiro no pé?! Ou será que obviamente, não se podendo alcançar o óbvio, ter-se-á que estudar, procurar e encontrar uma outra solução que satisfaça as nossas óbvias e prementes necessidades?! E sendo isso tão líquido como óbvio, porque carga de água terá forçosamente de ser "mais um tiro no pé"?! E quem dará o tiro e no pé de quem?! O melhor talvez seja mesmo, Joel Neto, eu e todos os sportinguistas a quem esta matéria tanto preocupa, darmos tempo ao tempo...
 
Leoninamente,
Até à próxima

Afinal são os critérios dos árbitros que definem as vitórias do Benfica !...


Milorad Mazic arbitra o Fenerbahçe-Benfica
 
 

Se em vez do bando de  "pássaros" chefiados por João Capela, que estiveram no domingo passado na Luz, tivesse lá estado Milorad Mazic, o árbitro sérvio que dirigiu o  Fenerbahçe - Benfica,  auxiliado por Milovan Ristic, Igor Radojcic, Danilo Grujic e Miodrag Gogic, não teriam ficado três penalties por marcar e o Benfica teria terminado o jogo apenas com nove.
 
"... O juiz da partida, com um critério muito apertado - o comentador da SportTV gosta mais do critério largo de João Capela! - e assinalar todos os contactos. Pouca margem de erro para Melgarejo, Olah John e Rodrigo, portanto, que se virem o cartão amarelo falham o jogo da segunda mão na Luz..." (in A Bola).
 
Assim, não foi o árbitro sérvio que salvou o Benfica de derrota pesada frente aos turcos do Fenerbaçe. Foram os ferros! Por isso foi uma derrota arrancada aos ferros! Já na "capela" da Luz, o Benfica conseguiu uma vitória santa e "limpinha"!... Mais vale estar de bem com os "diabos vermelhos",  do que com os "deuses", terá pensado o energúmeno Capela. E assim foi...
 
Então, senhores do CD da FPF, vai para jarra até ao fim da época, ou irradiam-no mesmo?!...
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

Irradiação, já !!!...


A notícia sugere um gato escondido com o rabo de fora. A fonte é o que todos sabemos: o jornal mais reaccionário, trauliteiro, vil, indigno, mentiroso, manhoso e sensacionalista que é produzido e publicado neste desgraçado país. É a encapotada voz do regime e de todo o odioso e humilhante "sistema" que nos envolve, em todas as vertentes e muito particularmente na coisa desportiva. É um ninho de "escorpiões vermelhos", que utiliza os mais baixos métodos para servir os seus interesses e os de quem lhe sustenta a cor e os desígnios.
 
A notícia pretende ser um potente narcótico para a justa indignação de toda a vasta e grandiosa nação leonina e de todos aqueles a quem a deliberada e nojenta acção de João Capela prejudicou. Como se uma "semana de jarra" alguma vez pudesse ser a justa penalização do atentado perpetrado contra toda a verdade desportiva e os mais elementares princípios da dignidade e da ética.

Só haverá um castigo compatível com o crime cometido e que corresponda à imperiosa necessidade de dissuasão, que o estado calamitoso da arbitragem portuguesa exige e impõe:

A IMEDIATA IRRADIAÇÃO!...


Leoninamente,
Até à próxima

P.S. Leitura recomendada.
 

João Capela, vai longe, muito longe!...


"... No espaço de poucos dias, João Capela alterou radicalmente o seu critério para assinalar grandes penalidades. Na final da Taça da Liga conseguiu ver uma que não existiu e ainda expulsou um jogador nosso, poucos dias depois não viu três existentes sempre contra a mesma equipa...".
 
"...Não quero pôr em causa as pessoas. Reporto-me a factos e aquilo que eu vi deixou-me preocupado. O Sporting foi infeliz, apanhou uma arbitragem infeliz e nós apanhamos por tabela. O Sporting também tem os seus objetivos, está a lutar por entrar na Europa...".
 
(Vitor Pereira, treinador do F.C. do Porto)


Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 24 de abril de 2013

O eucalipto seca tudo em seu redor !...

O eucalipto seca tudo em seu redor !...

Ontem falei aqui, do quão doloroso é abater uma árvore de grande porte que plantámos há décadas com as nossas próprias mãos, pela razão simples de que cresceu demasiado e para fora daquilo que nos pertence.
Com tanta contra-informação que por aí circula, fiquei hoje com o "rabinho aos foles"! Eu duvido muito que o presidente Bruno de Carvalho possa algum dia fazer o que por aí vi escrito. Seria como espetar os olhos com um garfo, como tão bem costuma exemplificar um grande e insuspeito sportinguista que muito aprecio.
É que abater uma imponente e nobre árvore pode ser perfeitamente razoável e acertado. O que nunca será acertado será plantar no mesmo sítio... UM EUCALIPTO!... Nenhum sportinguista o compreenderia!!!...
 
Leoninamente,
Até á próxima

Deixa-te de fitas e pede desculpa ao Matic !...



João Capela: a vergonha da arbitragem  nacional, ou a melhor contratação de LFV?!...

O cartão vermelho a Matic foi trocado por títulos da "operação coração"!...
E Bruma levou palavras de conforto, seguidas de uma didáctica lição de "fair play":

" Deixa-te de fitas e pede desculpa ao Matic!..."

Depois da brilhante prestação conseguida "em casa", quanto tempo vai Vitor Pereira colocá-lo de "fora" ou, como dizia o outro, "na jarra" ?!...

 Leoninamente,
Até à próxima

O que tem de ser, tem muita força !!!...


Sopram ventos fortes em Alvalade! Uns chamam-lhe reestruturação, outros imperiosa e inadiável racionalização de custos, outros ainda de moralização incontornável da vida de um pedinte pobre que vivia como se fora rico! Mais longe, alguns falarão em surdina, do fim do regabofe, outros da previsível vassourada que há muito se adivinhava e ninguém se surpreenderá se algumas vozes mais elitistas com nomes exibindo consoantes dobradas, vierem falar em "vendetta" ou ajuste de contas.
Antes das eleições, eu falei por aqui em... revolução! Houve quem me chamasse - ou pensasse apenas! - de louco e me criticasse quase ferozmente, acusando-me de pretender introduzir numa instituição puramente desportiva, ainda que centenária, concepções apenas compatíveis com o fenómeno político/social. Como se até na Igreja Católica Apostólica Romana as "revoluções" não pudessem, como parecem estar, acontecer!...
Sim, talvez mais lenta e metodicamente e mesmo com bastante mais elegância do que eu havia pensado, creio que estará a acontecer no Sporting Clube de Portugal, a "revolução" que eu sempre adivinhei, caso Bruno de Carvalho fosse eleito. Do que eu dele conhecia, através de numerosos indicadores recolhidos, seria sempre impossível compatibilizar o seu carácter e determinação, com os tremendos erros e vícios que eu há muito sei existirem no Clube, e que este meu sentir leonino sempre me obrigou a calar, por mor da honra e dignidade de uma instituição secular que amo.
Ninguém saberá melhor do que eu, quanto custa abater uma árvore gigantesca que plantámos com as nossas próprias mãos há dezenas de anos. As outras, as árvores raquíticas e os arbustos parasitas, abatem-se até com prazer e alegria. Mas as grandes, essas não. São pedaços de nós mesmos que ali estão. Dói o coração e humedece o canto do olho. Mas como cresceram demais e já não cabem no que é nosso, é preciso abatê-las! Anda-se durante dias e dias a aguçar os dentes da corrente da moto-serra! Como que para retardar o momento fatal. Depois o danado do motor, não pega à primeira, nem à segunda! E quando o braço cansado de tanto puxar o cabo, ameaça desistir, sai uma bafurada de fumo! Mais um puxão e a geringonça começa a trabalhar! E agora?!... Pronto, com estrondo e puxada por forte cabo de aço estrategicamente esticado, ela cai no sítio desejado! Pára-se a assassina e a gente senta-se a um canto, à espera que a crise passe, evitando olhar para o cadáver!...
O presidente Bruno de Carvalho, vai sofrer como eu! Eu sei e compreendo-o. Mas não há outro caminho! O que tem de ser tem muita força!...
QUE VIVA O SPORTING, PARA SEMPRE !!!...
 
Leonianmente,
Até à próxima

terça-feira, 23 de abril de 2013

Pregando os diabos na Cruz (acto I) !...


Este último filme exibido na Luz, é um "remake". Repete-se ano após ano...e eu só tenho 66 anos. Quantas vezes assisti a estas cenas?! "Limpinho", dizia o quase incoerente e iletrado treinador encarnado, exprimindo claramente o sentimento vermelho - há algumas semanas dizia que o que era preciso era ganhar, nem que fosse por meio golo em fora de jogo, o que define claramente a ética deste cromo e da sua claque.
Só para referir acontecimentos recentes, num célebre jogo Benfica -Sporting (de Peseiro) que ditaria o vencedor do campeonato, depois do amarelado Liedson ter sido afastado do derby no jogo anterior, depois de um jogo equilibrado com um Sporting superior, minutos finais e Luisão dentro da pequena área atropela Ricardo e estatela-o de costas. E claro nem sequer se questionou a falta violenta, e o título voou para a Luz.
Certa vez Mourinho treinava um Benfica nas ruas da amargura. Na Luz o Sporting mais forte atacava e Pedro Barbosa na área é derrubado em falta, o árbitro não estava lá e um defesa benfiquista aliviou com um pontapezão para a frente e perante um Sporting estupefacto, João Tomás fez 1-0. Barbosa indigna-se com o árbitro, protesta e vai para a rua. O resto, foi o 3-0 final que a história regista.
São tantos os filmes que ficaríamos um dia inteiro a relembrar. O FCP só pôde lutar contra esta situação crónica, há algumas décadas atrás, através da montagem mafiosa do "apito". Nós não temos indignidade para isso. Não sei o que poderá ser feito um dia para mudar isto, para sermos minimamente respeitados. Aliás, atenção: eu não acredito que João Capela tenha errado por incompetência ou infelicidade. Nada disso. Como não acredito que por outros critérios bem menos "largos" tenha assinalado convictamente a penalidade sobre Mossoró, em Coimbra, muito duvidosa, e que ditou a expulsão de um defesa portista. Decididamente o dragão também vive um ano de azar... Capela também foi posto no seu caminho... não por acaso! O Papa deixou que os lampiões tomassem conta de todos os lugares de influência...
 
(Por Vitor Cruz, amigo dilecto e sportinguista
 
Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Eu diria mais, estimado Vitor:  nós, Sporting, também deixámos que os lampiões tomassem conta de todos os lugares de influência...

Declinar bilhetes e responsabilidades !...

 

Terão sido cerca de 3.000 ingressos que o SLB dispensou ao Sporting Clube de Portugal, para serem distribuídos pelos seus sócios que pretendessem estar presentes no derby. À primeira impressão, como  se compreende naturalmente, o Clube nenhuma outra vantagem colheria dessa operação que não fosse a presença e o apoio dos adeptos que adquiriram o seu bilhete. Serviu apenas e tão só de mero intermediário na transacção, obviamente sem qualquer lucro ou prejuízo. Puro engano. O lucro terá sido objectivamente zero. Mas os prejuízos acumularam-se.
Não me atrevo a contabilizar os custos da operação de venda, nem aqui importará quantificá-los. Foi um serviço que prestou, na condição de associação desportiva, aos seus associados e ele é inerente à própria relação entre uma e outros. Não será obrigatória, mas moralmente adequada e quase não se deveria discutir. Acontece que esta notícia, vem deitar por água abaixo, toda a filosofia.
Os sócios sportinguistas que estiveram presentes na Luz e que esgotaram os ingressos disponibilizados, pagarão uma quota mensal que rondará os 30 mil euros. Pois bem, a fazer fé na decisão do Conselho de Disciplina da Federação, é muito provável que a receita de um mês de quotização dos associados  a quem o Sporting Clube de Portugal disponibilizou os bilhetes, dificilmente cobrirá o prejuízo que terão provocado ao Clube. A multa que terá de ser paga, no valor de 7.428 euros por comportamento incorreto desses adeptos, somada à sanção (quando apurada) por danos causados pelos mesmos, na Luz, conforme previsto no artigo 188.º deverá, quase inevitavelmente, ultrapassar aquele valor.
Pela sistemática e pelos vistos insolúvel repetição dos factos acontecidos na Luz, estaremos perante um "quadro clínico" insuperável através de terapêuticas civilizadas. Os adeptos sportinguistas presentes em média quatro vezes por mês nos estádios portugueses onde o Sporting Clube de Portugal se apresenta, provocam mensalmente ao Clube um prejuízo que ultrapassará largamente a remuneração contratualmente estabelecida com o seu treinador principal.
Os números circulam por aí e todos saberemos que não haverá fumo sem fogo. As razões que estarão na origem das dificuldades do prolongamento ou renovação do contrato do professor Jesualdo Ferreira, até ao momento, ainda não acertado entre as partes, estarão muito provavelmente, na diferença entre o valor que o treinador aufere neste momento e que o próprio desejará manter, e o valor que o Sporting lhe poderá pagar, face aos condicionalismos que o acordo com os credores bancários impõem. Consta que a diferença rondará os 200 mil anuais, ou seja, qualquer coisa que pouco excederá os 14 mil euros mensais. Uma ridicularia, se comparada com o volume de prejuízo que os adeptos provocam ao Sporting Clube de Portugal em cada mês. O absurdo desta lamentável situação chega a este ponto!...
Falhada, pelos vistos, uma terapêutica civilizada, atrevo-me a pensar que o Sporting Clube de Portugal só conseguirá ultrapassar estas "recidivas" incontroláveis, no dia que declinar publicamente a recepção de bilhetes para os estádios onde vier a estar presente e bem assim, a responsabilidade do mau comportamento e estragos provocados por adeptos seus nesses mesmos estádios, pela simples razão de que passará a ser completamente alheio à sua presença. Ninguém poderá imputar ao Sporting Clube de Portugal, comportamentos ou estragos provocados pelos seus adeptos, quando o Clube declarar antecipadamente , que não promoveu a presença de um único adepto no local em apreço. Não sou jurista, nem conheço os meandros regulamentares, em que o Conselho de Disciplina da Federação se vem baseando há já longo tempo, para arrecadar em todos os jogos disputados por esse país fora, receitas federativas absolutamente milionárias. Mas nenhuma dúvida me resta de que se o Sporting Clube de Portugal utilizar métodos compatíveis com a usura federativa, esta chocará inapelavelmente com a impossibilidade de penalizar o Clube, com a simples presunção de que os adeptos vestidos de verde e empunhando bandeiras com o símbolo do leão, serão sportinguistas! Já produzimos bananas no Algarve e na Madeira, mas ainda não somos propriamente uma "república de bananas"!...
 
Leoninamente
Até à próxima
 

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Em frente Presidente !!!...

Gravura de 1752: Colombo e o ovo em pé

Sim, não me custa nada concordar com as palavras que o Presidente do Sporting Clube de Portugal proferiu no final do derby. Nem com as declarações do professor Jesualdo Ferreira, na mesma ocasião. Porque elas alinham perfeitamente com o sentimento que aqui deixei expresso, bem como com o sentimento de todo o universo leonino. E toda a crítica da especialidade foi unânime em considerar que João Capela terá produzido um péssimo trabalho.
Mas não teremos de esperar muito para ver a cena repetida num qualquer estádio do país em que o Sporting Clube de Portugal esteja presente, inclusivamente no estádio José Alvalade. Mesmo que o "escroque de apito na boca" seja um outro qualquer. Porque os "pássaros" vão-se sucedendo, mas os excrementos que vão deixando cair sobre os relvados continuarão a provocar as mesmas náuseas.
Com a lucidez de sempre e o desapontamento a que os sportinguistas parecem já estar habituados, Rui Calafate colocou o dedo na ferida. Uma ferida cuja ulceração se vem eternizando, sem cura e cicatrização à vista. Enquanto a terapêutica se for baseando nos panos quentes, a matéria purulenta não for alvo de raspagem e desinfecção profundas e a administração de potentes antibióticos não for entendida como imperiosa, os adeptos do Sporting Clube de Portugal, continuarão tristes, lamuriosos e impotentes perante tão dolorosa pústula, cada vez mais prenhe de larvas.
Penso que ninguém desconhecerá esta história.  Terá passado de geração em geração, como prova de que tudo será possível de conseguir, porventura de modo mais simples do que se julgará, desde que antes ocorra a ideia do modo como realizá-lo.
Juntando Calafate, Colombo e tantos outros sportinguistas cujos curiosos e inimagináveis alvitres, bem podiam servir ao Presidente do Sporting Clube de Portugal, no sentido de encontrar a milagrosa receita para a cura dos insanáveis atropelos arbitrais de que a nação leonina há tão longo tempo é vítima, atrever-me-ia a sugerir-lhe a criação de um departamento, naturalmente secreto, formado por um restrito número de leões maquiavélicos, cujo objectivo único fosse encontrar o modo de colocar o "ovo da arbitragem" de pé, em equilíbrio estável e sempre determinado, nunca pelo respeito, mas pelo medo atroz e quase mortal de alguma vez deixar de tratar o Clube sem isenção.
É que do luto há muitos anos decretado e de sucessivos comunicados e declarações mais ou menos indignadas ou mesmo incendiadas, a história não nos dá conta de resultados. A maior vitória alcançada pelas nossas cores resultou, ironicamente, de uma suposta greve que terá nascido na cabeça de um sadino - ou seria ladino?! - homem do apito. Por aí não iremos lá. Porque, como aqui já tantas vezes defendi, o castigo só resulta se provocar dor!...
Recordo a sugestão de um leão, para a resposta que deveria ser dada a um qualquer penalty inexistente marcado por um qualquer "pássaro" contra o Sporting: bola na marca, todos a postos e... Rui Patrício virar-se-ia de costas para a bola e só sairia dessa posição quando nas bancadas se gritasse golo!...
E articulando aquilo que há dias aconteceu à equipa B do Sporting em Santa Maria da Feira, com as sucessivas entradas violentas, que na Luz o Capela não penalizou, quase que me atreveria a sugerir que, sempre que algum "pássaro" agisse reiteradamente em prejuízo do Sporting, cada jogador leonino se atirasse para o chão, como o Jorge Jesus já mandou fazer ao guarda-redes Artur e, depois de ser transportado de maca para fora das quatro linhas, por lá ficasse a contorcer-se com dores. A partir daí, ao mais pequeno toque sofrido por qualquer jogador sportinguista , a cena repetir-se-ia até ficarmos apenas com seis em campo. E o jogo terminaria como na Feira. E quem viesse atrás que fechasse a porta! Ao que julgo saber, não estarão previstos castigos regulamentares para "ocorrências" desta natureza! O Sporting averbava uma derrota?! E daí?! Perdido por cem, perdido por mil!...
 Ele há-de haver por aí leões suficientemente maquiavélicos, para se lembrarem de mil e uma maneiras de imitar Colombo! Mas que, verdade, verdadinha, o presidente Bruno de Carvalho terá de encontrar no "laboratório" de Alvalade, o antídoto para a ignomínia arbitral portuguesa, ontem já seria demasiado tarde! Tão importante como o milagre da inteligência para alguns jornalistas, seria o milagre de aterrorizar todos aqueles árbitros que tão bem conhecemos!  Em frente Presidente!!!...

Leoninamente,
Até à próxima

Não há volta a dar !...




 
"... Não foi só a qualidade de Lima ou Salvio a decidir o dérbi. João Capela, infelizmente, teve influência directa no resultado. O facto não menoriza a vitória encarnada, pois não pode ser imputada ao clube da Luz a incompetência do árbitro. Mas não ver duas grandes penalidades e o critério usado na amostragem dos amarelos é lesa-futebol. Pior, na penalidade sobre Capel, por exemplo, não assinala o castigo máximo e perdoa a expulsão a Maxi – mais do que uma vez. Com isso estragou o jogo a um dos lados. E adulterou a verdade desportiva. Também não há volta a dar."
 
Leoninamente,
Até á próxima
 

A natureza das coisas, no futebol português!...

Ó mister, mas será que não viu os penalties?!...


Rui Santos tem razão!... Com 60.000 nas bancadas, pintados de vermelho e a gritarem "ficaaaaa...", o que poderia o homem fazer, senão cegar completamente e "ficar" do lado da maioria?!...
O que pode fazer o macho louva-a-deus, depois da cópula, senão entregar a cabeça à fêmea?! O que pode fazer a pobre víbora depois de longa e estéril luta com o desajeitado porco que, com o saco de veneno descarregado inocuamente nas banhas do suíno, ensanguentada e de espinha partida, entrar-lhe pela boca dentro e deixar-se mastigar e engolir?! É a vida. É a natureza das coisas!...
Só não sei o que fazer, para encontrar a explicação de ainda não ter aparecido por aí o vídeo com aquilo que o "caracolinhos" disse ontem à noite, depois do jogo. Eu bem procurei, mas... nicles! Deve ser a mesma razão de a PJ nunca ter descoberto quem partiu os dentes ao outro no Colombo. Também, de que adiantaria?! Como de que adiantaria ver quantos cêntimos o "barão vermelho" terá dado ao pobre do mendigo antes do o despedir?! Ou ao chefe do "gangue" dos pedintes, para nomear o dos dentes do Colombo para o Dragão na imposição das faixas ?! Já não há dúvidas, o "papa" está velho e o leão doente! Voltaram a reinar os pássaros!...

Leoninamente,
Até á próxima 
 

domingo, 21 de abril de 2013

João Capela inclinou o campo, mas a Europa é possível!...


Uma boa ou mesmo excelente exibição do colectivo sportinguista. Não é qualquer equipa que na Luz,  consegue ter mais posse de bola (48/52), mais ataques (30/35), mais cantos (10/11), menos faltas (10/5), mais foras de jogo (1/3) e número de remates quase igual (12/10). No cômputo dos 90 minutos o Sporting evidenciou manifesta superioridade e os seus jogadores não mereceriam sair derrotado deste confronto.
Uma vitória feliz do Benfica! Apenas feliz, porque de justiça não se poderá falar. Concretizou as duas únicas oportunidades que conseguiu construir. O Sporting não teve a sorte de fazer o mesmo, embora tivesse construído um número superior de lances que poderiam ter sido concretizados.
Uma arbitragem abaixo de medíocre. João Capela utilizou um critério discricionariamente largo na avaliação das faltas cometidas pelos jogadores do Benfica, nomeadamente quando foram cometidas dentro da grande área, o que conduziu a que não tivesse assinalado três grandes penalidades claras.  Seria abusivo afirmar que a arbitragem teve influência no resultado. Mas que teve influência no cariz e desenrolar do jogo, disso não restarão dúvidas a quem analisar o jogo com um mínimo de imparcialidade. Provavelmente o Benfica nem necessitaria que João Capela inclinasse o terreno de jogo, para conseguir a vitória. Mas as imagens estão registadas, para memória futura e confirmação daquilo que pareceu a sua injusta e quase ofensiva dualidade de critérios. Talvez ele desejasse que não houvesse imagens, para que sobre ele não recaísse a justa indignação dos adeptos sportinguistas e de todos os amantes imparciais do futebol. Mas será obrigado a sentar-se na solidão do seu sofá e fazer depois do visionamento do seu trabalho, um doloroso acto de contrição.
O Sporting terá porventura atingido hoje, o patamar com que deveria ter começado este amargo campeonato. Faltam quatro jogos. Mas com a personalidade e o futebol hoje exibidos, já não me resta apenas a esperança de que o 5º lugar e a Liga Europa possam ser alcançados.
 
Leoninamente,
Até à próxima

Seja qual for o resultado...

 
 
Eu, leoninamente, aqui quero manifestar, duas largas e nervosas horas antes do derby que, seja qual for o resultado,

- A minha certeza e fé no novo rumo do Sporting Clube de Portugal continuarão intactas!...
- A minha total  confiança no presidente Bruno de Carvalho e na sua equipa, permanecerá igual e firme!...
- O meu aplauso e reconhecimento pelo trabalho do professor Jesualdo Ferreira não se alterarão!...
- O meu orgulho e respeito por todos os que defenderem as nossas cores, não se modificarão!...

Será apenas e tão só, um jogo, que não decidirá o mais importante, que continuará a ser o amanhã do Sporting Clube de Portugal!...

Leoninamente,
Até à próxima

sábado, 20 de abril de 2013

Às vezes há horas felizes !...


Anda por aí, se calhar perdido com o barulho das luzes, um jogador com atributos suficientes para  ser uma estrela no futebol português. Forte fisicamente (1.90m # 75 kg), dono de elevada potência de remate, muito perigoso no um contra um e com capacidade para jogar tanto em qualquer dos flancos, quanto no centro do ataque, características pouco comuns no futebol actual. Mas a sua cabeça será um perfeito labirinto: ideia inicial que entre, perde-se no caminho e dificilmente resultará em êxito pessoal e muito menos colectivo. É aquele jogador que parece decidir mal, 9 vezes em cada 10 jogadas que corporize: ou insiste na jogada individual quando deveria contribuir para uma jogada colectiva, ou opta pelo passe quando o espaço e a posição  recomendariam a progressão individual e o remate impiedoso para golo. A somar a todas estas incongruências, passou grande parte do precioso tempo de formação, olhando para o umbigo, sem perceber a importância do empenho e determinação com que deveria enfrentar o treino. E, mais importante ainda, sem perceber a completa e total incompatibilidade entre a vida de um profissional de futebol e aquilo a que o próprio definiu, e bem, como a moina, a vida airada, a borga. 
Fez-lhe muito mal a precipitada aventura no estrangeiro. Como tem acontecido em 99% dos casos de jovens promessas portuguesas que se deixam embalar pela ganância de empresários sem escrúpulos, partiu para um país de que desconhecia a língua e os costumes e... nunca se adaptou.
Milita actualmente, por empréstimo do Manchester United, no Rio Ave, mas a estagnação parece evidente e o golpe de asa ninguém sabe se acontecerá.  Assumiu há dias que gostaria de jogar no Sporting, clube com o qual se identifica. O coração - ou o amor? - é senhor grande e não se manda.
A dois meses de completar 23 anos, precisava de encontrar um empresário amigo e honesto e de cair urgentemente, por exemplo, nas mãos de um professor Jesualdo Ferreira, com um contrato por objectivos rigorosos e com um ordenado inicial que não ultrapassasse, no máximo, os 5 mil euros, se é que não seria excessivamente convidativo, tendo em atenção a tendência para a "moina".
Como já devem ter adivinhado, falo de Tiago Manuel Dias Correia e Alex Ferguson tratava-o por "Baby". Algo me diz que mereceria uma oportunidade. E suspeito que, viria a correr. Muito. Rápido. Feliz. E quase pela certa, falando baixinho ao ouvido de Ferguson, a custo zero. E poderia ainda ser um jogador valioso e útil ao seu Sporting. Quem sabe até se na selecção, com Nani de um lado e Ronaldo do outro?! "Yo no creo en las brujas, pero que las hay, las hay"! Ás vezes, há horas felizes!!!...
 
Leoninamente,
Até à próxima

Coleccionando derbies: ao 4º tropecámos!...



"... O adversário esteve melhor do que a nossa equipa. Nada correu mal, a não ser apenas isso. O Benfica hoje foi superior e acabou por vencer o encontro..."

O treinador Abel Ferreira, foi parco em palavras e apenas reconheceu a superioridade do adversário. Não duvidando das suas palavras, haverá qualquer coisa que não joga com a crónica do jogo, publicada no site do Sporting. Mas isso não serão contas do nosso rosário...
Certo, certo, será o facto de ao 4º derby termos tropeçado. Uma pena, mas contra factos...
 
Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Também no golf, o derby pendeu para o Benfica, que venceu por 12-8.

Coleccionando derbies: a 3ª vitória ! Será para continuar?!...


E não há duas sem três !... Terceiro derby, terceira vitória do Sporting! Desta vez em futebol e na categoria de Iniciados, como aqui é referido.
É uma alegria muito grande, este coleccionar sucessivo de vitórias, em fim de semana que, ironicamente, o destino parece ter reservado para derbies. Será para continuar?!...

Leoninamente,
Até à próxima
 

Um dia a paciência há-de esgotar-se !!!...



A imagem acima e este link, deveriam constituir um profundo motivo de reflexão, para qualquer claque, de qualquer clube, em qualquer país.
Se alguém julgasse impensável que um clube com quase um século de existência, 28 vezes campeão nacional e vencedor por 14 vezes da Taça, algum dia pudesse ser despromovido à 2ª divisão, por culpa do comportamento da sua claque, aí está o exemplo do que acaba de acontecer com o AEK.
A pouco mais de 24 horas do "derby dos derbies", que aquela franja de elementos das nossas claques, culturalmente em regressão civilizacional, que se habituou a apreciar um jogo de futebol de costas para o terreno de jogo, enquanto ensaia gestos e comportamentos dos trogloditas do tempo da pedra lascada, pense seriamente no colapso que as suas congéneres gregas do AEK determinaram no seu clube, nos 350 mil euros de prejuízos que, exactamente no mesmo estádio, há um ano provocaram na tesouraria do Sporting e na repulsa e vergonha que originam em todo o universo sportinguista, que adora futebol e ama o Sporting Clube de Portugal.
Um dia, a paciência das autoridades a quem deverá competir zelar pela erradicação completa e definitiva do fenómeno, dos dirigentes de todo os clubes portugueses e muito particularmente do Sporting Clube de Portugal, há-de esgotar-se. E a pseudo-masculinidade e o pindérico machismo tão exuberantemente exibidos em colectivo, darão lugar, desgraçadamente, à masturbação solitária nas celas onde forem encerrados para defesa da sociedade civilizada.
 
Leoninamente,
Até à próxima
 

PUBLICIDADE