segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Aguardemos que o "upgrade" JJ 1.2 esteja disponível!...


Jorge Jesus 1.2


«A amostra ainda é demasiado pequena e, no futebol, as teses definitivas podem ser desmentidas em apenas uma semana, mas fica-se cada vez mais com a sensação de que Jorge Jesus não está, em Alvalade, a tentar apenas fazer um decalque da fórmula que lhe valeu um relativo sucesso na Luz. Dirão os puristas que o modelo e o sistema são exatamente os mesmos e que a única coisa que variou foram as características dos jogadores.

Até pode ser verdade em boa parte, mas também há sinais claros de que o técnico do Sporting está finalmente a querer expurgar da sua ideia de jogo algumas imperfeições que a tornavam menos fiável. Todos nos lembramos do seu Benfica, que podia subir os decibéis como poucos, mas que em muitos momentos funcionava melhor quando recuperava a bola do que na elaboração do jogo. Mais do que com as pernas e a cabeça, jogava com o coração, sempre em alta voltagem e, demasiadas vezes, com duas velocidades acima do que pedia o jogo. O Sporting não parece ser tanto assim. Claro que não há uma distância polar entre as duas equipas, antes um upgrade no software que permite tornar a equipa mais equilibrada.

Nesta versão "Jesus 1.2" há, desde logo, uma preocupação: os alas jogam mais por dentro, não só no processo ofensivo, mas também quando chega a hora de reagir à perda da bola, o que ajuda nos equilíbrios de um sistema que oferece fartura ofensiva, mas também problemas complicados na ocupação dos espaços na hora de defender. Poder-se-á dizer que isso acontece em resultado das características e da cultura tática de Bryan Ruiz, mas nunca como agora se vira Carrillo e o próprio Mané com idênticas preocupações. Jesus trocou velocistas indomáveis nas alas, como fez nos tempos em que tinha à disposição Di María ou até Salvio, por versões multifacetadas e que, em diversos momentos, funcionam como médios-interiores.

Haverá quem contraponha que Carrillo e Mané estão hoje mais maduros taticamente, num processo que aconteceria inevitavelmente com qualquer outro treinador. Pode ser verdade em parte, mas mais difícil de rebater é a utilização de uma variante no desenho tático (4x2x3x1) que Jesus depreciou no passado e que acabou por utilizar de início na Rússia e na parte final do jogo com a Académica. Ou seja, Jesus admite finalmente, de forma implícita, que pode jogar de muitas maneiras diferentes, sem nunca perder a essência do seu modelo. É um grande avanço, principalmente para quem costuma teimar que o sistema é o princípio de tudo. Tivesse este upgrade surgido mais cedo e provavelmente não teria apenas no seu currículo uma passagem aos oitavos-de-final da Champions em seis tentativas…

Mas a obra está ainda inacabada, como não poderia deixar de ser. Não houve grandes sobressaltos ante uma esquelética Académica que fez um exercício de niilismo (no sentido da anarquia e da autodestruição) e que deve ser quem pior defende na Liga. Mas viu-se com o Paços que este Sporting ainda não resolveu uma maleita que custou ao Benfica de Jesus alguns dissabores, quando não era capaz de manejar os jogos do princípio ao fim. O falhanço na Champions aconteceu porque os árbitros erraram mais do que a conta (e refiro-me principalmente ao jogo em Alvalade) e porque Jesus não avaliou suficientemente o desgaste físico de vários jogadores, principalmente Aquilani e Ruiz, e guardou as substituições para um prolongamento que se revelou uma miragem (Einstein, que era um verdadeiro cérebro, dizia que uma pessoa inteligente resolve um problema, um sábio previne-o…).

De resto, Jesus não tem ainda quem seja o prolongamento do treinador em campo, como era Luisão no Benfica. Aquilani pode fazer esse papel, mas o italiano, que será decisivo em momentos importantes, vai provavelmente ser mais vezes suplente do que titular. E isso prejudica algumas afinações. A mais urgente é a má colocação da linha de fora-de-jogo, onde Naldo se tem revelado um peixe fora de água. Foi muito à conta disso que o Sporting sofreu três dos quatro golos marcados pelo CSKA. Mas o brasileiro deve ter entrado em Coimbra com as orelhas tão quentes que, nos 15 minutos iniciais, estava sempre com um olho em Paulo Oliveira, não fosse desalinhar um centímetro sequer…
(Bruno Prata, Ludopédio, in Record)

Embora em alguns pontos menos relevantes não concorde com a excelente crónica de Bruno Prata, não deixo de concordar com ele no entendimento de que a travessia da Segunda Circular terá determinado em Jorge Jesus um notório e sensível "upgrade"  na filosofia de jogo, que de forma convicta sempre o teremos visto defender. E quero crer que com esse novo patamar o grande beneficiado me parece ser o Sporting, embora entenda que estaremos ainda muito distantes de poder apreciar o resultado final, que naturalmente deverá levar quase outro tanto tempo a apurar.

Jorge Jesus parece ter adoptado em definitivo o pragmatismo que apenas a espaços e em circunstâncias muito especiais o vimos utilizar antes de chegar a Alvalade.

De qualquer modo, o jogo a que ontem assisti em Coimbra, mostrou uma equipa mais madura e consciente das suas capacidades, que nem as "peripécias arbitrais, conseguiram desmontar. E quando penso naquilo que será o Sporting de Jorge Jesus, quando conseguir que a equipa jogue 90 minutos como aquela empolgante primeira meia hora, não sei quantas equipas em Portugal lhe conseguirão resistir.

Aguardemos que o "upgrade" esteja disponível!...

Leoninamente,
Até à próxima

Mas então o sorteio não foi rejeitado na AG da Federação?!....


"O que vocês estão a fazer é uma vergonha!" Esta terá sido a frase que Jorge Jesus, conforme aquilo que Bruno Esteves terá feito constar no seu relatório final, terá dirigido ao 4º árbitro André Moreira. (LINK)

Intolerável, inadmissível, condenável! Apenas porque traduziu a verdade, só a verdade e nada mais que a verdade! E todos sabemos que o futebol português e muito particularmente a arbitragem, convivem demasiado mal com a verdade!...

Jorge Jesus, em vez de violar os regulamentos, deveria ter esperado que o senhor André Moreira se afastasse do local que com toda a imparcialidade do mundo ocupou ao longo de grande parte do encontro junto à área técnica da Académica, para lhe dizer, se porventura da sua própria área técnica alguma vez se aproximasse, que... "Vocês estão a fazer uma enorme e belíssima arbitragem, parabéns!".

Jorge Jesus ter-se-à esquecido ao atravessar a rua, do guarda-chuva que deixou esquecido do outro lado! E isso é... imperdoável, num homem com a sua idade e experiência!...

E o técnico do Sporting Clube de Portugal, terá voltado a cometer uma intolerável, inadmissível e condenável heresia quando afirmou mais tarde, na conferência de imprensa, quando questionado sobre a pretensa perseguição de que o clube de Alvalade tem vindo a ser vítima desde o início do campeonato:  "Não, não é perseguição, está é a sair-nos na rifa!..."

Mas então o sorteio não foi rejeitado na AG da Federação?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Um dia destes vão buscá-los ao berço!...


Ficha de Árbitro

André Manuel Alves Moreira

Função: Árbitro de Futebol 11

Categoria: C2N3 (11)

Data de nascimento: 1988-01-08 (27)

Associação: Leiria

Profissão: Estudante

Épocas Anteriores

Época          Categoria                Classificação        Associação  

2015-2016       C1 (11)                                                     Leiria
2014-2015       C2N3 (11)                    5                         Leiria
2013-2014       C2 (11)                        10                        Leiria
2012-2013       3ª Nacional                 18                        Leiria
2011-2012       Distrital Leiria


Este foi o 4º árbitro designado por Vitor Pereira para o jogo de ontem em Coimbra. Pouco mais se sabe sobre ele,  para além de ter sido um dos mais jovens árbitros (27 anos) a subir ao escalão principal da arbitragem nacional. A julgar pela idade e pela sua profissão actual, estudante, é de crer que estejamos em presença de uma grande promessa da arbitragem nacional.

Jorge Jesus não revelou a conversa que teve com ele na linha lateral, logo após a diarreia cerebral de Bruno Esteves, no lance em que Slimani foi carregado na grande área pouco antes do intervalo. Mas se dizem que mulher séria não tem ouvidos, já o mesmo não acontecerá com o André estudante, nascido na ilha da Madeira e emigrado em Leiria, onde ainda não terá comido a "broa" suficiente no futebol, para corar com tal intensidade com as palavras do JJ, que terá entendido por bem transmitir ao seu chefe de equipa uma história tão tenebrosa que o pobre do homem não terá tido outra alternativa que não fosse expulsar o treinador do Sporting.

Fixem bem o seu nome, porque com mais meia dúzia de jogos teremos ali porventura o próximo candidato a receber as insígnias da FIFA! Como acontece com os jogadores, um dia destes vão buscá-los ao berço...

Leoninamente,
Até à próxima

Estará a fazer dois anos, mas lembro-me como se fosse hoje!...


Assisti ontem ao fim da tarde no Estádio Cidade de Coimbra, a mais uma hilariante rábula arbitral, a pedir meças às melhores produções da "saudosa revista à portuguesa" que, nos tempos que correm, nem o talento do grande senhor do teatro ligeiro português que é Filipe La Féria conseguiria imitar e menos ainda suplantar.

De facto a incompetência e a arbitrariedade exibidas por Bruno Esteves estiveram a um passo de destruir completamente um jogo, que desde o apito inicial se revelou extremamente fácil de dirigir, tão grande a diferença de classe individual e colectiva e de organização táctica entre os dois conjuntos em confronto, a que se somou uma irrepreensível postura disciplinar e de "fair-play" de qualquer deles.

Mas Bruno Esteves viu-se enredado numa teia de penalties que ele próprio teceu, quando cega e asininamente assinalou antes do intervalo um penalti a sancionar falta de Adrien sobre Leandro Silva que apenas ele terá visto e não viu aquele corresponderia à falta que João Real cometeu ao carregar Slimani em plena grande área, pouco antes do intervalo. E para acabar de atar os molhos, ainda resolveu condenar o treinador do Sporting com expulsão do banco, apenas pela sua justa explosão de indignação que a sua própria cegueira de árbitro incompetente, nesse lance determinou.

E jamais poderão ser contabilizadas como atenuantes ao péssimo e execrável trabalho desenvolvido nos primeiros 45 minutos, as duas grandes penalidades cometidas por Fernando Alexandre, nem os dois cartões amarelos e consequente vermelho que veio a mostrar ao jogador da Académica por tais infracções. O mal estava feito e nada o poderia remediar.

A arbitragem portuguesa, como consequência do modo como os responsáveis pelas nomeações e classificações têm vindo a agir nos últimos anos, caminha decididamente para o precipício, para o desastre total, tal o decréscimo qualitativo a que sem supresa vamos assistindo. Hoje por hoje, em vez de se discutirem a beleza e as incidências, o talento e a classe reveladas pelos actores principais de um jogo soberbo que conquistou o mundo, discutem-se as rábulas protagonizadas por agentes secundários que, na sua pequenez, se julgam os protagonistas do espectáculo. Vá lá que desta vez a incompetência não teve influência no resultado! Mas quão raramente isso acontece! E com o Sporting, então nem se fala...

E quando perante aquilo que de surreal se apresenta ante os nossos olhos, fosse legítimo que nos questionássemos sobre se não se trataria apenas de um mau momento da criatura em causa, que nada teria a ver com o seu carácter e a sua competência, felizmente que ainda nos resta alguma capacidade para rebobinar filmes do passado. E aquilo a que hoje assistimos em Coimbra, cheira-me a VINGANÇA! Uma vingança torpe e mesquinha de um carácter deformado que deveria estar proibido de arbitrar, quanto mais ser promovido a internacional, como penso ter acontecido recentemente ... (LINK)

Estará a fazer dois anos, mas lembro-me como se fosse hoje...

Leoninamente,
Até à próxima

domingo, 30 de agosto de 2015

Ainda bem que Fernando Santos vai dar a todos, tão abençoado descanso!...



Com o coração nas mãos, uma prece nos lábios e um velho toco de vela no bolso! Quase jurava ter sido esta a imagem dos auto-proclamados 14 milhões de crentes benfas, ante o "desconcerto" da Luz e numa sublime recusa em antecipar o que lhes reservará o "lagarto" Ricardo Sá Pinto dentro de 15 dias, o "tripas" Lopetegui dentro de três semanas e tendo ainda que se "entender" pelo meio, lá no galinheiro deles, com os turcomanos cazaques do Astana!...

É certo que também nem eu próprio saberei, quantos tocos de vela terei de levar a Coimbra e quinze dias depois a Vila do Conde, para então receber e "exorcizar" em Alvalade, os danados do russos e logo a seguir os madeirenses do Nacional, sendo certo que nem me chegará a reconfortar o facto dos andrades terem de andar em bolandas nas mesmas ocasiões entre Arouca - ou Aveiro, se calhar! - e benfas nas Antas, com uma "rapidinha" em Kiev pelo meio.

Ainda bem que Fernando Santos vai dar a todos, tão abençoado descanso!...

Leoninamente,
Até á próxima

sábado, 29 de agosto de 2015

Ai quando o guarda-chuva voar com o vento!...



Estão elegantes e magnânimos os dragões!...

Quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado ele vem!...

Ai quando o guarda-chuva voar com o vento!...

Leoninamente,
Até à próxima

Tudo o que o Sporting não mostrou em Moscovo!...


Há muito que se radicalizou em mim uma certeza quase absoluta, de que existirá uma linha muito ténue a separar a profunda analogia que encontro entre as cartas magnas, vulgo constituições, pelas quais se regem politicamente os países democráticos e a "carta magna" que regulamenta "democraticamente" o acesso dos clubes europeus à "Champions League":  penso que em todos os casos, sem excepção, em todos esses tão diferentes documentos é vertida a necessária e suficiente "areia democtática" que, atirada depois aos olhos dos respectivos alvos, os povos de cada país e o "povão do futebol", todos se julguem protegidos e vivendo no melhor dos mundos, no que à justiça, igualdade, fraternidade, equidade e tantos outros valores eternos possa dizer respeito. Os legisladores sabem que esse sempre será um caminho mais fácil que o confronto a que se sujeitariam se deixassem a nu os seus jamais apregoados interesses.

Aprovadas e aceites universalmente, quase sem discussão, essas "cartas magnas", essa "areia democrática" com que se enganam os papalvos, os sistemas políticos dos respectivos países criaram os "tribunais contitucionais", enquanto as intituições "uefeiras e fifeiras" passaram a recorrer a diferentes orgãos juridiscionais semeados desde o topo até à base das suas estruturas, todos com o objectivo único de explicar aos "povos e aos povões", as verdadeiras interpretações que deverão ser dadas à "trave mestra" de cada um desses sistemas.

Ungidos dos "santos óleos", homens e mulheres como nós, vomitam depois as suas concepções, prenhes de interesses próprios jamais confessados, sobre essas "disposições supremas", quantas vezes desvirtuando completamente, tanto o espírito quanto a letra que presidiu à sua elaboração.

Vem todo este meu arrazoado a propósito dos constantes atropelos a que sistematicamente assistimos dentro das quatro linhas dos campos de futebol, por essa Europa fora e pelo mundo, onde uns homens vestidos de negro e substituindo por apitos os martelos dos juízes nos tribunais, se arrogam no direito de "decretarem" que, ao contrário do que estabelecem os regulamentos de acesso à "Champions League", constituiria a mais estafada heresia, que um pequeno, pobre e modesto país chamado Portugal, alguma vez possa sonhar em ter três clubes na prova mais celebrada e apreciada no mundo, enquanto  à Rússia, um país com a maior área do planeta, que nele ocupa um nono do total, a caminho dos 150 milhões de habitantes,  a 9ª maior economia do mundo pelo PIB nominal e a 6ª no poder de compra, apenas seria dado esse privilégio a um, "unzinho" dos seus "ultramilionários clubes", suportados por gigantescos empórios que mais não fazem do que apropriar-se, ironicamente na pátria de Vladimir Ilitch Ulianov, da riqueza que apenas ao povo deveria pertencer.

Se por cá, neste pobre jardim à beira-mar, os campeões resultam de "apitos dourados", azuis e vermelhos, do que é que estavam à espera na Europa?!...

Só haverá uma maneira de ultrapassar desígnio tão tenebroso: derrotar todas essas conjugações de forças! Não através de uma verve narcísica, lírica e inócua, que invariavelmente adquire a dinâmica e o efeito do "boomerang". Mas com superação, argúcia, sacrifício, coragem, raça, vontade, querer, quiçá raiva e heroísmo!... 

Tudo o que o Sporting não mostrou em Moscovo!...

Leoninamente,
Até à próxima

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Tudo o mais que vier a ser dito será pura conversa fiada!...




E o sorteio do Mónaco "decretou" os serviços mínimos a que o Sporting Clube de Portugal deverá estar obrigado nos próximos seis jogos da Liga Europa: três vitórias em Alvalade e uma quarta na Albânia! Doze pontos e 2, 44M Euros para os cofres de Alvalade!...

Tudo o mais que vier a ser dito, seja por quem for, será pura conversa fiada!...

Leoninamente,
Até à próxima

Obviamente, com as pratas da casa!...

Foto: Domínio Táctico

Depois da casa roubada, trancas na porta! Já pouco importará falar da incompetência da polícia ou do nosso desleixo de termos deixado, displicentemente, a porta no trinco. Haverá que colocar trancas na porta e continuar o caminho.

Naturalmente que a primeira "tranca", corresponderá a fechar, esquecer e arrumar por quatro meses, todos os dossiers do "scouting": acabaram as compras e nem a mais convidativa "promoção" nos poderá desviar desse propósito.

A segunda "tranca" estará nas mãos de Jorge Jesus! Definitivamente, terá de criar o "sagrado" hábito de ninguém mais voltar a sair de casa sem dar uma, duas ou três voltas à fechadura. Essa de facilitar e deixar a casa entregue a uma simples lingueta do trinco, está visto que acaba por ser demasiado perigoso.

Jorge Jesus deverá colocar Naldo - o protagonista da imagem - e todos os "naldos descuidados", ao canto da sala, com enormes "orelhas de burro", até ter a certeza de que deixam de entrar em campo a dormir. E começar a pensar apenas nas "pratas que tem em casa": não há mais prata para ninguém!...

Obviamente, com as pratas da casa!...

Leoninamente,
Até à próxima

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A vergonha de Michel Platini e Pierluigi Collina!...

This goal took sporting out of the group stage, but it was disallowed by the assistant referee because the ball went outside when you see him cleary go the the left without saying anything

This goal took Sporting out of the group stage, but it was disallowed by the assistant referee because the ball went outside, when you see him cleary go the the left without saying anything.(LINK)


A vergonha de Michel Platini e Pierluigi Collina!...

Leoninamente,
Até à próxima

... E acabam por ir parar à Carregueira!...



Ai Jesus, chamem a polícia!

«De pouco vale ao Sporting queixar-se de erros de arbitragem nos seus dois jogos com a Gazprom, perdão, com o CSKA de Moscovo. Os leões só ficam fora da Champions porque se puseram a jeito. Este segundo jogo foi um bom exemplo do que não se deve fazer quando uma equipa vence o jogo da primeira mão e chega ao intervalo da segunda partida em vantagem no marcador. Isto é, começar a defender a vantagem a mais de 30 minutos do fim normalmente revela-se fatal. Foi o que aconteceu, a meias com um estouro físico que se deve ter ouvido em Vladivostok.

Tudo começou, aliás, na abordagem de Jesus a este segundo jogo, ao deixar Slimani no banco. Primeiro sinal de que estava ali para gerir a vantagem.

Depois, o que se viu foi o Sporting a pressionar o seu adversário e este com muita dificuldade em sair a jogar. Mas também se viu um Sporting sem muita vontade de esticar a manta.

Agora, Inês é morta e a vida continua mas sem os milhões da Champions, com os leões numa Liga Europa onde têm outra força competitiva.

Depois do empate em casa com o Paços de Ferreira (antecedido por uma vitória à rasca sobre o Tondela em campo neutro), este desaire não quebra o estado de graça de Jorge Jesus mas põe em evidência as fragilidades deste Sporting e a sua capacidade para evoluir. Já deu para perceber que com Jesus a equipa está mais organizada, tem um sentido de jogo bem definido e movimentos orientados. Mas será que chega?

De resto, acordamos hoje todos com a notícia de que um diretor do Benfica, o responsável pelo apoio aos jogadores, uma espécie de Paulo Pereira Cristóvão, foi detido numa viatura do Benfica com quase dez quilos de cocaína. Ao que parece, o senhor Carriço, que foi motorista de Luís Filipe Vieira, recebia colombianos suspeitos no seu gabinete no Estádio da Luz. Uma situação gravíssima e que interessa apurar, sem dó nem piedade. Pelo que tenho percebido, o Benfica não tem nada a haver com isto!

Não é o primeiro caso de polícia que entra pelos nossos clubes dentro. Bem recentemente a SAD do FC Porto foi alvo de buscas por causa de questões relacionadas com a empresa de segurança do Dragão e o seu CEO Antero Henrique, que ficou com 40 mil euros cativos. E o maior accionista individual da SAD do Sporting, Álvaro Sobrinho, está na mira da CMVM.

Quem anda à chuva molha-se mas nem tudo se explica com o facto de o culpado ser sempre o guarda-chuva que ficou esquecido lá em casa.»
(Eugénio Queirós, Bola na Área, in Record)

Já o havia por aqui, leoninamente, antecipado: "de pouco vale ao Sporting queixar-se de erros de arbitragem nos seus dois jogos com o CSKA...". O que valerá e isso sim, será o mais importante, deverá ser potenciar aquilo que Eugénio Queirós diz dar para perceber, "que com Jesus a equipa está mais organizada, tem um sentido de jogo bem definido e movimentos orientados", no sentido de que venha a chegar para alcançar o objectivo fundamental da época.

Escorrem-me lágrimas amargas de desilusão, quando vejo por aí adeptos sportinguistas que, no meio de juras de amor à "causa leonina", vão semeando saudosos protestos de admiração ao pior treinador, tanto a nível de carácter quanto de competência profissional,  que terá passado pelo Sporting nas últimas décadas. O que me conforta é que toda essa gente, perceberá tanto de futebol quanto eu de lagares de azeite!...   

Já quanto aos "casos de polícia" que Queirós refere, claro que quem sou eu para discordar da sua rábula do guarda-chuva?! E haverá por aí cada gurda-chuva tão grande, tão grande que chega a cobrir estádios, claques, dirigentes, presidentes, CEO's e um nunca mais acabar de gente, que quando se descuida e fica sem a sua protecção, acaba por ir parar à Carregueira...

Leoninamente,
Até à próxima

Um tremendo mundo de azia!...



Constitui um facto incontornável, que a eliminação do Sporting Clube de Portugal da fase de grupos da Liga dos Campeões, significou a perda directa de 14.0 M de Euros. Mas tal revés nunca significará o descalabro financeiro que os "arautos da desgraça leonina" vestindo a pele de analistas, comentadores e membros camuflados de "centrais de propaganda bem conhecidas", se apressaram a proclamar, vaticinando o iminente colapso do projecto leonino e, reflexamente, o desígnio inultrapassável da venda de todos os aneis, na presunção de que, como mal menor, os dedos pudessem ser salvos.

Pura falácia, se tivermos em conta que a via alternativa - Liga Europa - para que fomos empurrados pela "estrutura uefeira de Platini e seus amigos", poder constituir, para uma equipa que se revele ambiciosa e realista, um bom palco para arrecadar um valor global que, ficando algo longe daquilo que poderia ter sido alcançado com o apuramento para a Liga dos Campeões, de modo algum nos conduzirá ao "inferno" para onde nos pretendem atirar todos os "brazes e guerras" a soldo dos "arcanjos" do pântano.

O Sporting garantiu com a derrota que ontem nos foi "imposta" pela UEFA, um prémio de participação (vencido) no "playoff" de 3,0M, que somado ao prémio de 2,4M de participação na fase de grupos da LE, perfará 5,4M de Euros.

Se considerarmos os prémios estabelecidos para a fase de grupos e seguintes, a que o Sporting poderá ter acesso:

Prémio de jogo (vitória): 0,36M
Prémio de jogo (empate): 0,12M
Prémio de vencedor do grupo: 0.5M
Prémio de apuramento para os 1/16: 0.5M
Prémio de apuramento para os 1/8: 0.75M
Prémio de apuramento para os 1/4: 1.0M
Prémio de apuramento para as 1/2: 1.5M
Prémio de vencedor: 6.5M
Prémio para finalista vencido: 3.5M

E admitirmos, com alguma modesta ambição, a possibilidade de o Sporting triunfar no seu grupo com 3 vitórias e um empate, teremos:

3x0,36 + 1x0,12 + 0.5 + 0.5 = 2,2M

E se, finalmente, de novo com alguma modesta ambição, colocarmos a nossa fasquia apenas no apuramento para as meias finais, teremos com absolutamente exequível e ao nosso alcance:

3x0,36 + 0,75 + 1,0 + 1,5 = 4,33M  

Tudo somado e admitindo o cenário de cairmos na meia-final, cerca de 12 M será um valor que poderá estar realisticamente ao alcance do Sporting, que de modo algum o levaria ao "fogo dos infernos" que, pressurosamente,  vimos anunciado como incontornável. 

Entre a "nossa realidade" e o desejo dos que não nos podem ver nem pintados, vai um tremendo mundo de azia!...

Leoninamente,
Até à próxima

Venha o próximo, que o passado é letra morta!...


O próximo! Venha o próximo, que o passado é letra morta!...

Leoninamente,
Até à próxima

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Era bonito o sonho, mas acabou!...



Acabou o sonho lindo da Liga dos Campeões! Em 45 minutos aconteceu aquilo que ao intervalo, nem os espíritos mais cépticos se atreveriam a imaginar. Com o pássaro na mão, o Sporting foi capaz de cavar a sua própria sepultura, com uma segunda parte miserável, sem garra, sem ambição, sem nada de nada...

Virão alguns argumentar com eventuais erros de arbitragem cometidos pela equipa vinda da República Checa. Será peditório para o qual não contribuirei. Foram os erros próprios que nos afastaram da Champions, depois de uma primeira parte quase brilhante. Provavelmente cometidos tanto dentro, quanto fora das quatro linhas. Pouco importará agora discutir essa questão...

Haverá que mudar rapidamente a agulha e que cada um cumpra agora a sua obrigação, desde a reformulação financeira até à focagem nas provas que nos restam até final da temporada: campeonato, taça de Portugal, taça da Liga e Liga Europa.

Era bonito o sonho, mas acabou!...

Leoninamente,
Até á próxima

Oxalá a sorte acompanhe o Sporting!...




Já é conhecida a equipa que o Sporting Clube de Portugal apresentará na Arena Khimki de Moscovo, na 2ª mão do "playoff" de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões, contra o CSKA:

Rui Patrício; João Pereira, Paulo Oliveira, Naldo e Jonathan Silva; Aquilani, Adrien Silva, João Mário e Carrillo; Bryan Ruiz e Teo Gutiérrez.

Aparentemente, Jorge Jesus parece ter a intenção de reforçar a competitividade e segurança defensiva do meio-campo, sem abdicar das habituais intenções ofensivas, preterindo Slimani em favor da mobilidade e maior rapidez de Gutiérrez.

Tínhamos aqui avançado qualquer coisa parecida, embora o avançado que ficaria de fora não fosse Slimani. Mas acredito que Jorge Jesus terá amadurecido suficientemente a sua ideia. 

Pedras fundamentais neste esquema de JJ, penso venham a ser João Mário e Carrillo, a quem deverão ser entregues as tarefas duplas e esgotantes de apoiar os laterais e municiar o ataque. Agrada-me a ideia, tendo em conta as circunstâncias em que se irá desenrolar este jogo de singular importância para a equipa leonina. Veremos se a condição física de ambos resistirá à exigência de JJ.

Oxalá a sorte acompanhe o Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima 

Na verdade, o "regabofe" já estará a ir longe de mais!...




O avançado internacional italiano Mario Balotelli está de regresso ao Milan, por empréstimo de um ano do Liverpool, na condição de aceitar seguir à risca uma série de regras impostas pelo clube milanês. 

A fazer fé naquilo que avança esta quarta-feira o jornal "Gazzetta dello Sport", Balotelli ter-se-à comprometido a não frequentar discotecas, a deixar de fumar, de beber bebidas alcoólicas e a não usar... penteados extravagantes e tatuagens estúpidas e excessivas. O avançado está ainda obrigado a chegar a horas a todos os treinos e terá de ter muito cuidado com o que partilha nas redes sociais, numa derradeira tentativa do clube italiano de  conseguir a sua "recuperação", que não permitirá qualquer desvio à "cartilha" que o jogador aceitou como condição "sine qua non" para viabilizar o empréstimo.

Abençoada "cartilha"! A fazer reflectir a FIFA e todos os clubes, sobre a necessidade de ser incluída obrigatoriamente nos contratos que vierem a ser estabelecidos com todos os jogadores, não sendo de desprezar a possibilidade de a sua violação poder vir a constituir motivo de "justa causa" para a rescisão dos mesmos por parte dos clubes.

Na verdade, o "regabofe" já estará a ir longe de mais!...

Leoninamente,
Até à próxima

Dosear expectativas e eliminar extremos!...


Saberão todos aqueles que tratam a matemática com suficiente à-vontade, que o primeiro passo para encontrar uma média de valores recolhidos, será a eliminação dos extremos. Os passos seguintes, divergindo no método, apontarão todos para o mesmo propósito, mas o resultado final há-de ficar sempre marcado pelo primeiro.

Quando no final da temporada se analisar o trajecto do novo Sporting de Jorge Jesus, tudo aponta para que não venham a ser os resultados alcançados contra o Paços de Ferreira em Alvalade e CSKA em Moscovo, que definirão a média do desempenho alcançado pela equipa.

Sem retirar a importância de que se poderão vir a revestir os dois pontos perdidos em Alvalade com os pacences e o apuramento ou afastamento da fase de grupos da Champions, creio que não serão esses dois jogos a definir aquilo que virá a ser a época de 2015/16 para o Sporting Clube de Portugal, quando ainda apenas tiverem sido dados os primeiros cinco passos duma caminhada de muitas dezenas.

O jogo de logo à noite na capital russa, podendo constituir um extraordinário trampolim para o êxito com que todo o fantástico universo leonino sonha há tanto tempo, se nos conduzir à entrada triunfal na Liga dos Melhores, não nos atirará para o precipicio da amargura e da desilusão se as contingência e a profunda aleatoriedade que o futebol encerra nos atirarem para a Liga Europa. 

Haverá que dosear as nossas expectativas e começar por eliminar os extremos!...

Leoninamente,
Até á próxima

Não vá o diabo tecê-las!...


Luisão aponta

«A forma como Luisão gesticulou com Rui Vitória na linha lateral, perante um resultado já negativo, trinta mil benfiquistas na bancada e milhões de testemunhas televisivas, não deixa dúvidas: Rui Vitória é ainda um líder fraco.


O diálogo entre treinador e capitão pode ocorrer. É até saudável que ocorra. Mas gestos, que apontam zonas mal cobertas, só acontecem se o líder não se impôs. Rui Vitória quis passar uma mensagem, Luisão deixou-lhe várias e aquela reacção atarantada do treinador, com sinais de incentivo a fazer girar a bola, não significa mais nada se não um enorme vazio.

Também as substituições foram as de um homem acossado, como se, no futebol, a linha recta fosse o melhor caminho entre dois pontos. Meter vários pinheiros na área contrária, semeados em vendaval, sem curar de quem os alimente pelos flancos, é só para inglês ver. Em épocas transactas, o Benfica recuperou de desvantagens, ou chegou a vitórias, com um quase enervante sangue frio, que lhe permitia insistir no jogo pelos flancos. Na passada jornada, o Benfica verticalizou o jogo cedo de mais, até os alas passaram a procurar terrenos interiores, em busca da sorte, sem que Rui Vitória conseguisse corrigir essa cegueira pelo ouro.

No primeiro parágrafo ficou um 'ainda', antes da expressão 'líder fraco'. É apenas um benefício da dúvida que qualquer bom profissional merece até ser desmentido nas três sílabas. Os textos sobre Rui Vitória lembram-me vários produzidos na análise a Paulo Fonseca no Dragão.» 
(Octávio Ribeiro, De olhos na Bola, in Record)


Querem ver que afinal o homem não é nada estrábico e o Rui Vitória não chega mesmo ao Natal?!...

Seja como for, trago por aqui no sapato uma pedra a incomodar-me: seria demasiado estúpido que a "central de propaganda goebbelsiana do arcanjo gabriel" tivesse reformulado a estratégia e as palavras do "vesgo" fossem o primeiro reflexo, ou sintoma, ou lá o que possam ver nelas, de determinações da "central hitleriana"! Paulo Fonseca só houve um e o "papa" aguentou-o muito mais tempo. Ou será que o Helder Cristovão ainda não terá comprado as imprescindíveis calças castanhas?! E, já agora, será porque o Olympiacos colocou alguma cláusula de rescisão absolutamente fora da capacidade actual - tesouraria falida ao que por aí corre! - dos benfas?!...

Bom, pelo sim, pelo não, aquele senhor árbitro de Braga - vocês sabem do que eu estou a falar! - foi nomeado para o próximo jogo contra o Moreirense, no galinheiro!...

Não vá o diabo tecê-las!...

Leoninamente,
Até á próxima

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Eterna homenagem e gratidão a Mascarenhas



Hoje morreu um dos ídolos da minha juventude, Domingos António Silva, que todo o universo leonino conhecia por Mascarenhas, ainda hoje uma lenda do futebol mundial, por serem da sua autoria os seis golos com que contribuiu para o record de golos até hoje nunca superado numa competição europeia, 16-1 ao Apoel de Chipre.

Uma história bonita de vida que muitos desconhecerão (LINK), de quem "terá chegado a chorar por amor ao Sporting" e a quem o Clube e muitos sportinguistas anónimos ou não, sempre respeitaram e lhe expressaram, cada um do seu modo, a gratidão que lhe era devida.

Aqui deixo as minhas condolências à família e a eterna homenagem e gratidão a Mascarenhas.

Leoninamente

Espero que as "poupanças" tenham valido para alguma coisa!...



Não basta estalar os dedos

«Os sinais de crescimento que o Sporting tinha mostrado nos primeiros jogos da temporada desvaneceram-se ontem, com o empate caseiro diante do Paços de Ferreira, um dos 'piores' clientes de Alvalade nos últimos anos. Jorge Jesus tem algumas razões para se queixar da arbitragem, mas o que ficou ontem bem claro foi que a equipa que pretende a montar ainda está longe das necessidades de um Sporting que só olha para o primeiro lugar final da Liga e para uma boa figura na Liga dos Campeões.

'Entalado' entre os jogos com o CSKA Moscovo, Jesus fez duas alterações àquele que tinha sido o seu onze até ontem: Aquilani e Montero substituiram Adrien e Téo Gutiérrez. Não se pode dizer que tenha sido por aí que as coisas se complicaram, mas a verdade é que se viu um Sporting preso de movimentos e com poucas ideias, um problema natural para uma equipa cujas pernas ainda pesam pelo desgaste de terça-feira e cuja cabeça já está focada na segunda mão, a disputar na quarta-feira, em Moscovo. A entrada na fase de grupos representa muitos milhões para o clube e, ainda mais importante, glória para quem está dentro de campo. A Champions é o pedestal do futebol moderno, onde todos os jogadores, treinadores e até adeptos querem estar, e é natural que, depois de chegar à vantagem num jogo em casa diante de uma formação bastante inferior, aquele hino já ecoasse na cabeça de muitos.

Estes dois pontos perdidos em casa, apesar não serem dramáticos, devem fazer com que todos mantenham os pés no chão em Alvalade. O Sporting, um clube que nos últimos anos não teve condições (financeiras e, por consequência, desportivas) para se bater de igual para o igual com Benfica e FC Porto, não será transformado numa potência com um estalar de dedos, nem que esses dedos sejam de Jesus. Sim, é um excelente treinador, como mostram os seis anos que passou do outro lado da Segunda Circular, mas não se lhe pode exigir que construa em mês e meio uma equipa com estofo de campeã ao mesmo tempo que joga partidas absolutamente decisivas para o desenrolar da temporada. Roma e Pavia não se fizeram num dia, o novo Sporting também não se fará.»
(Sérgio Krithinas, Bloco Baixo, in Record)


A Jorge Jesus nunca lhe passou pela cabeça, quando se comprometeu com o Sporting Clube de Portugal, que viria a ser confrontado neste arranque diabólico da época 2015/16, com a inevitabilidade de ter de jogar não ao "pé coxinho", mas com... "dois pés coxinhos"! Teve muito azar, se assim quisermos definir a incompetência do corpo clínico da FPF, na lesão de William Carvalho, de pouco valendo agora especular sobre o manto de silêncio com que o caso acabou por ser resolvido, muito menos sobre o seu preço e sobre quem pagou a quem.

O certo é que JJ não terá perdido apenas para esta primeira fase do arranque da temporada, o "porta-bandeira" do exército que havia idealizado - William Carvalho -, como acabou por perder o seu "general em campo" - Adrien Silva -, ao ver-se obrigado a deslocá-lo para as funções que para o primeiro haviam sido previamente pensadas. Hoje jogará com os 11 que os regulamentos impõem, mas vai ensaiando saltinhos, por via dos imprevistos "dois pés coxinhos"! Ninguém é insubstituível, mas...

Não será difícil de adivinhar que a pensar no jogo de amanhã, JJ tenha passado as últimas noites em claro e que surpreenda muita gente com o onze titular que apresentará na Arena de Khimki. Atrevo-me a pensar que, sem fugir aos seus princípios de jogo e à sua já famosa matriz de 4x4x2, coloque Aquilani e Adrien à frente da defesa, mantenha Ruiz e Carrillo nas alas, retirando Gutiérrez do onze titular e deslocando João Mário para uma dupla função de apoio a Slimani e ao meio-campo - compensando o pouco envolvimento defensivo do costa-riquenho -, consoante a equipa esteja ou não na posse de bola.

Seja como for, penso que JJ não pretenderá amanhã da sua equipa a vertigem ofensiva que tem vindo a tentar implementar e cimentar. Trata-se de um jogo decisivo, para o qual partirá, a meu ver, com duas vantagens: uma que lhe dá o resultado alcançado em Alvalade, sendo a outra, talvez mais importante que a primeira, a natural propensão ofensiva do adversário em busca da anulação da desvantagem que levou de Lisboa, o que poderá vir a resultar numa tremenda "faca de dois gumes", originando espaços defensivos que o Sporting poderá aproveitar. Não será por educação ou cortezia que Leonid Slutsky afirma que "qualquer defesa do Mundo teria problemas em jogar contra Slimani e Carrillo"!...

Um jogo de "tudo ou nada", que exigirá por parte da equipa portuguesa doses altíssimas de concentração e sacrifício!...

Espero que as "poupanças" evidenciadas contra o Paços, tenham valido para alguma coisa!...

Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - Para memória futura, a não perder!... (LINK)

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Jorge Jesus precisa de tempo e do nosso reconhecimento!...


Bombear bolas

«Pode uma equipa grande, que ambiciona um tricampeonato, passar a meia-hora final de uma partida a fazer jogo directo para um amontoado de avançados? Pode, mas não deve. Ora foi isso que o Benfica fez no domingo, a jogar, de facto, em casa, contra o Arouca.

Depois de mais uma péssima entrada no jogo, o Benfica recompôs-se e apresentou o melhor futebol desta temporada. Com Pizzi mais apoiado por Samaris, a equipa cresceu, voltou a ter jogo interior consequente e regressou o caudal ofensivo. Foram 25 minutos à Benfica que pré-anunciavam a recuperação do resultado.

A vitória não estava, contudo, garantida. O futebol é imprevisível: uma equipa pode estar a jogar bem, a controlar a partida e, no fim, o resultado pode não ser satisfatório. Mas no futebol, também é sabido, compensa manter a fidelidade a uma determinada ideia de jogo. O que não compensa é suspender essa ideia e, em seu lugar, escolher o recurso dos que não têm mais recursos - o jogo directo e as bolas bombeadas para a área.

Pois foi isso que o Benfica fez na meia-hora final, deitando fora o que estava a fazer bem até aí. A partir de certa altura, com dois postes dentro da área mais uma mão-cheia de alas e avançados, o jogo resumiu-se a cruzamentos longos, condenados ao fracasso, devidamente combinados com dezenas de remates sem critério de meia-distância. Posso estar enganado, mas não conheço na última década uma única equipa que tenha sido ganhadora a jogar assim. Contra o Arouca, pior que a derrota foi o sinal táctico dado naquele último terço da partida. Espero não voltar a ver.» 
(Pedro Adão e Silva, A luz intensa, in Record)



«As alterações à equipa deixam dúvidas quanto ao futuro. O Benfica não pode perder a possibilidade de se adiantar, não pode ter uma prestação como a de ontem e como as que tem feito.[...] 

Estou surpreendido, de certa forma, com o início de campeonato. A forma como a equipa tem jogado faz acreditar que falta olho clínico a Rui Vitória, isto sem querer dizer que não estou de acordo que seja o treinador do Benfica, porque estou de acordo e reconheço qualidades. No entanto, a equipa tem de ter outra conduta dentro de campo. Não pode sofrer golos aos dois minutos e dar a oportunidade ao adversário de ampliar a vantagem. [...]

Não sofrendo golos, não perdes. Isto é fundamental. Primeiro vem a defesa, depois o meio campo. Jogar com muitos avançados confunde a equipa e é um trunfo para o adversário.»
(José Augusto, in O Jogo)


Afinal Jorge Jesus, pesem embora todas as limitações culturais, comunicacionais e da mais variada índole que por inveja ou ressabiamento lhe pretendam atribuir, é um doutor!...

E como doutorado numa das ciências que à escala planetária mais criaturas, meios, interesses e milhões faz pulsar, disse com o saber bebido na universidade da vida e da competição desportiva que abraçou, depois de saltar o arame farpado do campo de concentração onde julgaram ser possível "exterminá-lo" e quando confrontado se a razão do êxito do clube que até então havia representado estaria ligado à tão auto-incensada e auto-proclamada estrutura, disse, sabiamente: "a estrutura nesse clube era eu e sem cérebro, tudo vai definhar, cabendo apenas ao tempo estabelecer quanto tempo demorará a fenecer tudo aquilo que por lá deixei".

Tão violenta quão terrível premonição, parece ter precisado menos de dois meses a confirmar-se. Pela pena e pela boca de dois dos mais prestigiados e indefectíveis adeptos do clube em causa: um do alto da cátedra a que sua capacidade intelectual o terá guindado, outro do alto do prestígio que um grau de doutoramento em tudo igual ao de Jorge Jesus lhe permitiu granjear.

Trouxe para aqui e agora, este tão actual e melindroso tema, de modo algum para escarnecer da desorientação e do descalabro que parecem querer tomar conta do vizinho do outro lado da rua - será o lado para onde dormirei melhor. Importante para mim será tão só e apenas lançar um alerta a todos os sportinguistas que vi de beiça caída no último sábado: Jorge Jesus também tem defeitos! E terá um que se sobreporá a todos os muitos que com toda a certeza lhe rechearão o carácter: convive demasiado mal com a ingratidão, nomeadamente daqueles que há pouco mais de um mês o vitoriaram em Alvalade.

Jorge Jesus regressou ao seu e nosso Sporting, para um projecto a prazo. Obviamente que não terá sido apenas o coração a empurrá-lo para tamanha e importante decisão. Mas a hipocrisia não morava no brilho dos seus olhos nessa noite mágica em Alvalade. 

Não deve, nem nunca poderá ser o empate de sábado ou qualquer eventual inêxito futuro, mesmo que aconteça daqui a dois dias, a coarctar o projecto a prazo que com determinação e entusiasmo aceitou. Muito menos a ingratidão com a qual todos temos tido oportunidade de constatar nesta recente e surpreendente travessia de rua, conviverá muito mal.

Que todos os sportinguistas saibam compreender o que é um projecto a prazo, apesar da desdita que, embora circunstancialmente, apenas Paulo Bento contrariou! Jorge Jesus precisa de tempo!... 

E do nosso reconhecimento, nas derrotas e nos empates, tanto ou mais que nas vitórias!...

Leoninamente,
Até à próxima

Na firme convicção de que o obstáculo CSKA será ultrapassado!...




Examinando o palmarés internacional de quase uma década, do árbitro checo Pavel Kralovec nomeado, se não estou em erro, sob supervisão de Pier Luigi Colina, para o jogo de depois de amanhã em Moscovo, concluí-se que a suas ligações ao futebol russo terão sido até agora muito escassas e que não haverá relatos de actuações suas menos próprias, que nos façam temer a repetição de muitas das cenas que ainda teremos na memória. Retira-se a ideia de que face aos antecedentes arbitrais nos mais recentes jogos dos leões, esta nomeação tenha sido atenta e cuidada. 

Por sua vez, a Arena de Khimki, parece oferecer todas as garantias  para a realização deste decisivo jogo do Sporting com o CSKA, assim como as condições climatéricas, sem os rigores que outra época do ano ofereceria, nos levam a supor estarem reunidos todos os ingredientes para que em Moscovo apenas possamos assistir a um grande jogo de futebol.



Neste momento a delegação do Sporting Clube de Portugal estará no ar a caminho de Moscovo. E nós os adeptos...

Roendo as unhas, mas com a firme convicção de que o obstáculo CSKA será ultrapassado!...

Leoninamente,
Até à próxima

A calma, a paz e a tranquilidade reinam em todo o país!...



O país inteiro está grato aos bravos heróis do Futebol Clube de Arouca! A calma, a paz e a tranquilidade regressaram ao pântano e a "central de propaganda goebbelsiana do arcanjo gabriel", depois do lançamento do "fogo preso" e do inusitado ensaio dos "foguetes de lágrimas" rematado com a inevitável e tonitroante salva final de "trróispum", dedica-se agora, enquanto enxuga lágrimas e lambe as feridas, à dolorosa e incómoda missão de ter de apanhar todas as canas que atirou para o ar, em tempos que nem a lei lhe permitia, quanto mais o bom senso.

Tudo valeu antes que os homens de Lito Vidigal escrevessem "torto por linhas direitas". Milhões e milhões invadiram os espaços publicitários televisivos, numa "operação Deu-la-Deu" que ninguém saberá como e quem pagará. Milhões e milhões se agitaram numa "operação de lotação esgotada do Municipal de Aveiro" que ninguém terá visto, para além das descoroçoantes clareiras de cadeiras vazias. E tudo acabou com a alegria e a liderança das gentes de Arouca, que não serão milhões e milhões, mas que em 90+3+5 minutos, em pézinhos de lã e com os dentes cerrados, provaram que nem a "propaganda" e muito menos a "estrutura" alguma vez ganharão jogos.

De viola no saco, alguns guardas do pântano abandonam agora pressurosamente as imediações, quais ratos cobardes perante o naufrágio do navio. Até "il capo de tutti capi" da APAF, vem agora "desmentir oficialmente", aquilo que "indefectíveis trabalhadores benfas da jorna" afirmam a pés juntos ter visto em Alvalade depois do jogo: o apedrejamento do carro do azarado e infeliz Manuel Oliveira!...

A calma, a paz e a tranquilidade reinam em todo o país!...

Leoninamente,
Até à próxima

Porque uma mentira mil vezes repetida...


Uma incapacidade estranha


«Mesmo com o ruído mediático que tem sido a guerra Benfica-Sporting desde que Jesus deixou a Luz, na 1.ª jornada a equipa de Rui Vitória bateu por 4-0 o Estoril. Parecia que a vertente desportiva voltara ao normal, apesar da paupérrima exibição realizada até aos 70 minutos na estreia. A derrota, ontem, frente ao Arouca, volta a levantar grandes dúvidas.

Ao contrário do que diz Vitória, o Benfica não fez o suficiente para ganhar. Aliás, primeiro precisava de ter empatado. A equipa deveria ter feito mais, sim, porque os rivais já tinham perdido pontos e esta era uma grande oportunidade. E a jogar em casa, numa Aveiro vermelha, perante o Arouca, exigia-se uma superação que pura e simplesmente não se viu. A derrota caiu mal. E preocupa.

O Arouca não ganhou por acaso. A equipa orientada por Lito Vidigal teve várias chances e o Benfica não esteve a perder 3-0 porque Júlio César é um grande guarda-redes. O golo sofrido cedo dava tempo mais do que suficiente para emendar. Vitória parece preso numa teia de ideias que não se percebe bem se são suas. E o discurso confirma que o embate com a realidade está a ser difícil. E não ajuda. A condenação da derrota devia ter sido mais veemente. Paninhos quentes quando se entrega a liderança ao Arouca num estádio cheio de benfiquistas é não perceber a grandeza do clube que se representa.

A única coisa positiva da queda em Aveiro é não ter outra consequência além dos três pontos. Mas nada está perdido e a derrota pode ter até efeitos profiláticos. Resta a Rui Vitória, jogadores e restante estrutura perceber rapidamente o que está a falhar. O Benfica pode precisar de reforços, mas tem de valer mais do que isto. E depressa...»
(Bernardo Ribeiro, Entrada em Campo, in Record)

Sim, "ao contrário do que diz Vitória - e já agora os restantes 14 milhões! -, o Benfica não fez o suficiente para ganhar"!...

Porque uma mentira mil vezes repetida...

Leoninamente,
Até à próxima

Des(tri)benfização?!...

A(tri)rragem forçada

Mas reparem bem, leitores amigos, a deformação que já habita o espírito do cartoonista: ele não coloca a águia em voo de desesperada recuperação, atrás dos seus rivais, nem retrata a sua "a(tri)rragem" com o dragão e o leão lá à frente a olharem para o seu "espalhanço" cá mais atrás! Até ele, cartoonista, consegue colocar à frente aquilo que já vai atrás!...

Que nome dar a esta deformação profissional? Será... Des(tri)benfização?!...

Leoninamente,
Até à próxima

Talvez até Jorge Jesus não pense hoje exactamente o que pensavam ontem!...



Mestres da ilusão

«O estádio de Aveiro parecia o da Luz: o Benfica actuou em casa. Mas faltava um quarto de hora para o final da partida e já as bancadas, antes repletas, apresentavam grandes clareiras. Os benfiquistas andam desanimados, desiludidos com o mau início de temporada da sua equipa.

Não é nada que não se esperasse. Quando parte um treinador carismático e ao mesmo tempo se altera de forma tão drástica um onze - e uma filosofia de abordagem ao jogo - que demorou seis anos a construir, sabe-se que terá de haver consequências. E aí estão elas.

Rui Vitória não tem culpa. Nem do seu discurso redutor, de elogios e agradecimentos aos jogadores e ao público, que adiantam zero, nem da pressão que uma velha raposa lhe coloca do outro lado da Segunda Circular, e em cuja teia se deixou enredar - não se consegue mudar o ADN das pessoas. A sua competência é inquestionável, pode é não ser o homem certo para este tempo do Benfica, só o futuro o dirá.

Mas tanto no triunfo do Arouca, como no empate do Paços em Alvalade, temos de ver a outra parte: os adversários também pensam os jogos, montam estratégias e perseguem objectivos. Com o Belenenses a começar bem a época, o que se pode dizer é que não há como Rui Pedro Soares para escolher treinadores. Os últimos, antes de Sá Pinto, mostraram, ontem e no sábado, a sua capacidade. Lito Vidigal e Jorge Simão, sem a pressão de terem de ganhar para o Mundo não desabar sobre eles, são mais do que técnicos de futebol, são mestres da ilusão, criadores de desgostos.»
(Alexandre Pais, Canto Directo, in Record)


Haverá muito de verdade no pensamento que Alexandre Pais hoje nos deixa. Não irei ao ponto de concordar em tudo com ele. Mas que Lito Vidigal e Jorge Simão deverão ser acompanhados com atenção, nisso estarei de acordo!...

Talvez até Jorge Jesus não pense hoje exactamente o que pensavam ontem!...

Leoninamente,
Até á próxima

PUBLICIDADE