sábado, 15 de agosto de 2015

O pavor imenso da perda dos privilégios, entendidos como direitos inalienáveis!...


Metralhas de Alvalade

"Os Irmãos Metralha são uma criação da Disney que se mobilizam para roubar a caixa forte do Tio Patinhas. São figuras engraçadas e desengonçadas, que normalmente vêem frustrados os seus intentos, porque o pato rico arranja sempre maneira de defender a sua enorme fortuna.

Lembrei-me deles, agora, não apenas porque o futebol, às vezes, tem muito de desenhos animados, tipo Tom e Jerry, o gato e o rato, estes uma criação de Hanna e Joseph Barbera, mas também porque no Sporting o papel que Octávio Machado, Bruno de Carvalho e Jorge Jesus querem protagonizar parece mais próximo dos Bad Boys, Beagle Boys para ser mais exacto, porque o seu grande objectivo é "roubar" o "tesouro" do ‘Tio Patinhas’, isto é, os títulos que FC Porto e, ultimamente, Benfica têm conquistado nos últimos anos. A metáfora do Tio Patinhas neste caso só se enquadra para as questões de natureza desportiva, porque, financeiramente, as caixas-fortes estão vazias, com a devida licença da nossa mui optimista ministra das Finanças…

Os Irmãos Metralha são três e, nas suas aventuras contra o pato, às vezes tropeçam uns nos noutros, mas nunca se desviam do objectivo: caçar-lhe a fortuna. Os "Metralhas de Alvalade" ainda não tropeçaram uns nos outros, ninguém sabe se isso algum dia irá acontecer, há quem vaticine e deseje que sim, mas ninguém tem dúvidas de que estão unidos no mesmo propósito: bater o pé ao Benfica e FC Porto. E com todas as armas que tenham à disposição, das mais inofensivas às mais destruidoras…

Agora na Supertaça apresentaram-se juntos e unidos, e, para já, como acontece nos "bonecos" com os Irmãos (muito parecidos e vestidos da mesma maneira), ninguém parece preocupado com questões de (maior ou menor) protagonismo. Bruno de Carvalho, Jorge Jesus e Octávio Machado são aquilo a que se chama a "estrutura" do futebol do Sporting. Bruno de Carvalho escolheu Jorge Jesus e Jorge Jesus escolheu Octávio Machado e não é por acaso que há um denominador comum entre eles: não são de "comer e calar", não são românticos, não acham que o "tótismo" (ideologia perfilhada pelos totós) dê vitórias e títulos e, por isso, já começaram a mostrar as garras, e não apenas Bruno de Carvalho que, até aqui, assumia as despesas todas e acumulava o desgaste de um elefante.

Na África do Sul, Octávio Machado já se havia destacado quando mandou o árbitro ‘para o c…", perante os sorrisos presidenciais, e Jorge Jesus não teve problema algum – como nunca tem – em provocar os adversários, mesmo que eles sejam os seus "queridos amigos" do Benfica, como se viu agora antes e depois da Supertaça. O próprio Bruno de Carvalho, mais escudado e protegido, mesmo ainda no "banco", consciente de que ali quem manda é mesmo o treinador (ai Jesus), já refreou os ímpetos: entre os Metralhas até parece (agora) o mais bonzinho…

Não foi o destino nem um acaso que ditou que Bruno de Carvalho, Jorge Jesus e Octávio Machado se juntassem e formassem a "estrutura-Metralha". Há muito que o presidente do Sporting, este presidente do Sporting, disponível para todas as batalhas, mesmo aqueles que aparentam ser mais difíceis de ganhar, tem a convicção de que é preciso fazer com o que o leão rebente com as grades onde esteve enjaulado durante anos. Ainda pensou que era possível fazê-lo como um jovem capitão a comandar um exército de soldados e um alferes. Cedo percebeu que o alferes Silva não alinhava na sua estratégia e o plano ruiu. Eram necessários sargentões, sargentões-Metralhas, que falassem a mesma língua, que tivessem os mesmos trejeitos, sem gongorismos éticos e estéticos, assim na linha antiviscôndica e anticroquética que havia distribuído mordomias a rodos em troco de quase nada.

Esta "representação" de Jorge Jesus perante Jonas, arrastando com ele o Benfica, não foi apenas uma manifestação de ADN. Foi também a exteriorização de uma estratégia – a estratégia-Metralha..."
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

Aquilo a que Rui Santos chama de "estatégia-Metralha", parece incomodá-lo tanto a ele, quanto a toda uma comunicação social completamente alienada ao mais incomodado de todos os "visados" pela mesma. Nada que surpreenda, se tivermos em conta que pertencemos a um povo de brandos costumes, onde a aceitação de 50 anos de uma ditadura inclassificável, por quase todos terá sido entendida como absolutamente normal e admissível, não sendo raros os saudosistas que ainda hoje passarão pela tumba de Santa Comba para deixar lírios roxos!...

Essa sim, caro Rui Santos, não será "apenas uma manifestação de ADN". Será também a exteriorização de uma estratégia de manutenção do... "status quo", mas que estará decididamente a deixar transparecer...

O pavor imenso da perda dos privilégios, entendidos como direitos inalienáveis!...

Leoninamente,
Até á próxima

3 comentários:

  1. Queriam um Sporting de fisga a guerrear com inimigos munidos com armas de destruição massiva.

    ResponderEliminar
  2. Este tótó é que merecia que o metralhassem de bosta.Tótó dos carolinhos vermelhudo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vermelhudo ?
      Olhe que não, Gurl, olhe que não.

      Eliminar

PUBLICIDADE