quarta-feira, 12 de agosto de 2015

A Bola: gente pequena, demasiado pequena!...


Um presidente que marcou a história

Morreu Jorge Gonçalves. A informação chegou já noite dentro ainda quase como um rumor mas rapidamente se confirmou. O antigo presidente do Sporting faleceu em Angola, de onde era natural e para onde se refugiou depois de um processo judicial que um livro do jornalista Manuel António (Embuste Leonino) editado em 2002 procurou esclarecer.

Ficou conhecido pelo Bigodes, por razões óbvias, e o curto mandato (não chegou a um ano) em que esteve na liderança do clube marcou-o de forma indelével. A ele e ao Sporting. No fim, pelas piores razões, mas no princípio a entrada em cena do desconhecido despachante alfandegário fez crescer uma enorme onda verde de euforia, depois de um jejum de títulos e de muitas frustrações.

O aeroporto de Lisboa tornou-se, nesse ano de 1988, destino de romarias leoninas de quem queria ver com os seus próprios olhos as célebres unhas que Gonçalves contratava. Depois da operação Rijkaard, ainda antes de ser presidente do clube, o Bigodes trouxe craques como o guarda-redes uruguaio Rodriguez, os internacionais brasileiros Ricardo Rocha, Douglas, Silas e a promessa sueca Eskilsson. A alegria durou o tempo de um fósforo e Gonçalves caiu em desgraça. Primeiro no clube, depois na vida. Limpar a imagem de vigarista e trapaceiro passou a ser a sua luta.

Jorge Gonçalves viveu anos de amargura. Talvez nunca tenha superado essa tristeza. Encontrei-o em Luanda há 4 anos, conformado com o seu destino e grato por poder falar durante horas do seu Sporting. A sua morte é capaz de ser indiferente a muita gente, inclusive sportinguistas, mas a verdade é que marcou a história do clube. Que descanse em paz.
(António Magalhães, Entrada em Campo, in Record)

É pelo pior dos motivos que aqui trago hoje a figura de Jorge Gonçalves. O seu desaparecimento, deixou-me consternado e sei que muitos sportinguistas comungarão este sentimento, pelo simples facto de que nem sempre terão sido bem contadas as histórias postas a circular em torno deste efémero presidente do Sporting Clube de Portugal.

Jorge Gonçalves terá sido capaz de gerar tanto amores inflamados, quanto ódios exacerbados. Por mim nunca me senti capaz de estender na sua direcção o dedo acusador, apenas porque sempre me pareceu mais uma vítima, do que merecedor do rótulo de monstro que lhe terão pretendido colar, justa ou injustamente, talvez nunca o viremos a saber.

Mas haverá um dado importante que aqui pretendo relevar. António Magalhães, como director do jornal Record, tanto com esta crónica dedicada ao seu infausto desaparecimento, quanto com a forma digna como o mesmo foi hoje tratado no jornal que dirige, merece a minha homenagem.

Já o mesmo não poderei dizer sobre o desrespeito para com Jorge Gonçalves, na forma inqualificável  como o jornal A Bola trata todas as notícias que nos chegaram de Angola: verdadeiramente repugnantes e absolutamente à altura dos corvos, abutres, chacais e hienas, banqueteando-se perante o cheiro a morte. Creio convictamente que a minha consternação pelo desaparecimento de Jorge Gonçalves não seria a mesma se a criatura que dirige esse jornal usasse eventualmente o mesmo instrumento que este utilizou para... desistir!...

Gente pequena! Demasiado pequena!...

Leoninamente,
Até à próxima 

2 comentários:

  1. Conheci pessoalmente Jorge Gonçalves e posso assegurar que ele foi muito mais vítima do que vilão...
    JG foi vitima de "uma clique" que de há muito se passeia (agora menos, porque aos poucos vão sendo corridos...) pelos corredores de Alvalade e conseguiram (aproveitando a ingenuidade de JG e o seu sportinguismo...) aproveitar-se da sua paixão pelo Sporting, não conseguindo por isso "colocar em campo a sua razão"...e acabando vítima (ele e o Sporting...) dessa gente que se deseja bem longe do Clube...

    Que Descanse em Paz e que finalmente o seu nome deixe de andar pelas ruas da amargura...

    SL

    ResponderEliminar
  2. Aqui deixo a minha homenagem a JG, concordo com o amigo Álamo qd diz que JG foi mais vítima do que monstro, tb é essa a minha opinião, penso que dentro do Sporting na altura houve mta manipulação, e JG talvez fosse um pouco ingénuo, ao ponto de desconhecer totalmente certos meandros, parece-me que o que se passou na altura, tem contornos parecidos com as eleições de 2011, onde os capangas do godinho fizeram jogo sujo com BdC, de resto JG pareceu-me sempre um grande Sportinguista sonhador...

    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE