terça-feira, 20 de setembro de 2016

Em verdade vos digo que será mera coincidência!...


OBRA DE VIEIRA, ARTE DE VITÓRIA

«Na semana em que o centro de estágios do Benfica completa dez anos, a subida à liderança com cinco jogadores sub-23 no onze titular e a estreia na Luz de um dos ‘produtos made in Seixal’ mais promissores tem um significado particularmente simbólico. Luís Filipe Vieira só pode ter razões para sorrir e apregoar que a sua aposta foi acertada e em tempo oportuno.

O Benfica construiu uma infraestrura que está a revelar-se uma fábrica de talentos indo ao encontro de uma política desportiva que procura aproveitar os jovens mas não dispensa um forte investimento, seja na aquisição de jogadores com futuro mas também de valores já seguros. Deste cruzamento de vectores, resulta um projecto de sucesso ao qual os anos dão consistência e… mais sucesso.

A aposta em Rui Vitória é hoje considerada como acertada, mas nem sempre foi vista assim. O treinador do tri teve que ser forte para resistir à desconfiança e até à contestação para actualmente ser apontado como um modelo de virtudes e um técnico consensual. Rui Vitória tem todos os méritos e sobretudo sempre teve a capacidade para trabalhar com o ‘material’ à sua disposição. À medida que foi trepando na carreira, esse ‘produto’ melhorou e ele conseguiu alcançar resultados. Hoje, no Benfica, com mais ou menos opções, a qualidade dos jogadores, independentemente da sua idade, torna mais fácil o trabalho. Mas a competência é a mesma.

João Capela foi nomeado para um jogo do Sporting mais de três anos depois de um dérbi que determinou um veto tão clandestino quanto conveniente. Vai agora voltar a cruzar-se com os leões e independentemente do momento coincidir com o facto do Sporting ter saído de uma derrota dura, a verdade é que não faz sentido haver equipas proibidas para certos árbitros.»
(António Magalhães, Entrada em Campo, in Record)

Estavas, bardo Álamo, posto em sossego,
Julgando de tuas lutas colher fruto,
Naquele engano de alma, ledo e cego,
Que o azar não deixa durar muito,
Nos pútridos campos do putedo,
De escribas vendidos ao conduto,
Que lhes vai compondo o prato de lentilhas
E roendo a direitura das espinhas.


Qualquer semelhança que os meus estimados e fiéis leitores sportinguistas, possam vislumbrar entre esta minha mal amanhada e leonina revolta, dirigida a quem sendo leão vai teimando em vestir por esses hediondos pasquins cá da praça, a pele mal cheirosa de texugos, ou mesmo ensanguentada de chacais e hienas, e as lágrimas vertidas por Luís Vaz de Camões no Canto III, estrofe 120/143, da sua épica obra Os Lusíadas...

Em verdade vos digo que será mera coincidência!...

Leoninamente,
Até à próxima

9 comentários:

  1. É só amor entre o "orelhas" e os pasquins cá do burgo, excelente verso adaptado aos vendilhões do templo, mas não perca o seu precioso tempo amigo, com esta ralé....

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga Leoa Maria, nunca se perde tempo em defesa da Verdade e da Dignidade!...

      SL

      Eliminar
  2. Tem razão amigo Álamo, pois defender valores tão nobres como a verdade e a dignidade, implica defendermos o nosso Sporting...
    Obrigado pelo tempo que dedica a este excelente blog fazendo a felicidade de milhões de Sportinguistas, ultimamente tenho comentado pouco, apenas por falta de tempo, mas mesmo a correr, nunca deixo de ler os seus posts...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Através da "nossa" Leoa Maria, um leonino abraço para os sportinguistas de Mirandela. Obrigado pelo estímulo, pela assiduidade e por esse enorme coração de leoa. Bem haja!

      Eliminar
  3. E os que servem de porta-vozes dos que mais vetam árbitros a acusarem o Sporting de vetar árbitros.

    A filhadaputice não acaba.

    ResponderEliminar
  4. Às armas ó Leões desalojados
    E roubados, na Liga Lusitana
    Por conluios nunca antes adivinhados
    Que dão força a tanto sacana,
    Em perigos e jogos arranjados
    Mais do que permitia a vergonha humana,
    E entre gente saloia recriaram
    Um clubezeco que tanto sublimaram;

    Cessem do gajo dos pneus e do fruteiro
    As aldrabices grandes que fizeram;
    Calem-se dos Herculano's e dos Capela's
    A fama de escórias que tiveram;
    Que eu canto ao Leão sem rival,
    A quem se junta todo o Portugal .
    Afastem-se do jogo ó aldrabões
    E deixem jogar, os nobres Leões..!

    Sexta lá estaremos...!!

    Sporting Sempre...!!

    SL

    ResponderEliminar
  5. Max, a sua veia camoniana está bastante inspirada para conseguir produzir esta sportinguíada ...

    ResponderEliminar
  6. Bravo Max Martins, mais um poeta que se junta ao amigo Álamo...

    SL

    ResponderEliminar
  7. Um abraço para vocês amigos "que sofreis do mesmo mal" que eu...!!

    Um "bom mal" diga-se de passagem...!!

    E obrigado ao amigo Álamo pelo trabalho de manutenção deste espaço (que muito aprecio), que embora "não sendo" um espaço para multidões...é um espaço com "muita classe" a não desmerecer do nosso grande Sporting...!

    Sporting Sempre...!!

    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE