sexta-feira, 28 de julho de 2017

Haverá pecados ainda mais graves no Sporting!...


«Meu caro Nuno Saraiva

Conhecemo-nos há alguns anos e chegámos mesmo a trabalhar juntos no Expresso. Sempre mostraste ser um grande profissional e uma excelente pessoa. Hoje vi o que escreveste na tua página oficial do Facebook sobre a crónica que ontem publiquei na Tribuna Expresso. E compreendo-te. Trabalhas para o Sporting, tens de defender o clube. É normal: ninguém que trabalha para uma empresa ou instituição critica publicamente o patrão ou o presidente. E se é paga para as defender, tem de vir a terreiro fazê-lo.

O Sporting, contudo, é uma instituição de utilidade pública. Tem milhares de sócios, já teve muitos presidentes e muitos mais treinadores, terá mais presidentes e treinadores. Vivemos num país livre, logo num universo tão alargado de associados haverá sempre quem não concorde com o presidente de plantão ou com as opções do treinador que está de momento aos comandos.

Vamos então por partes. Bruno de Carvalho devolveu aos sócios do Sporting o orgulho de pertencerem ao clube e a fé de voltarem a acreditar em novas conquistas em todas as modalidades. Construiu o pavilhão, uma falha inadmissível num clube com a dimensão do Sporting. Renegociou com os bancos, ganhou folga financeira para não asfixiar a possibilidade de serem comprados novos jogadores que, a nível do futebol, nos dêem a possibilidade de ganhar a I Liga. Fez propostas para tornar muito mais transparente o futebol nacional. Relançou modalidades que estavam abandonadas e onde o clube tinha pergaminhos. Deixando de lado as suas afirmações truculentas e atitudes completamente desnecessárias, Bruno de Carvalho tem sido um grande presidente, que resgatou o Sporting daquele declínio irreversível em que parecia ter entrado.

Contratou dois grandes treinadores, Leonardo Jardim e Marco Silva, que infelizmente entendeu dispensar. Mal, claro, como se tem visto. Mas quando conseguiu trazer Jorge Jesus para o Sporting, fez algo de extraordinário: encontrou a peça que fez o click para galvanizar os sócios e os jogadores, ao mesmo tempo que traumatizava profundamente os nossos rivais da segunda circular. Foi um dois em um, que só não resultou logo na conquista do campeonato porque nessa altura não havia videoárbitro.

Tudo isso, contudo, não me faz esquecer outras coisas. Jesus está há duas épocas no Sporting e a começar a terceira. O que ganhou com os jogadores que herdou (e que tinham ganho uma Taça de Portugal) e com os muitos outros entretanto adquiridos? Uma Supertaça. É pouco, lamentavelmente pouco para a sua apregoada genialidade. E o pior é que os resultados tem vindo a descer.

Na sua primeira época à frente do Sporting, a equipa principal ficou em segundo lugar, marcou 79 golos e sofreu 21. Na época passada, o clube ficou em terceiro, marcou 68 golos (menos 11) e sofreu 36 (mais 15). Ora o guarda-redes foi sempre o mesmo (Rui Patrício), o meio-campo também (William e Adrien). Logo, o problema só pode ter estado na defesa.

E Jesus tem um manifesta esquizofrenia com as defesas dos clubes que treina. Já tinha no Benfica, onde os defesas esquerdos se sucederam com tanta regularidade que nem o mais acérrimo dos prosélitos do clube da Luz se consegue lembrar dos respetivos nomes. Inventou num célebre jogo no Dragão, onde colocou David Luiz, um defesa central, a jogar à esquerda. O Benfica perdeu por 5-0.

No Sporting, depois de termos feito uma monumental exibição em Madrid, fomos jogar com o Rio Ave. Perdemos 3-1, com Bruno César a defesa esquerdo. Os avançados passavam por ele como se fossem de mota e ele estivesse de bicicleta. Jesus só corrigiu o erro depois de termos o jogo perdido. Durante muitos jogos no ano passado resolveu apostar em Zeegelaar, embirrando claramente com Jefferson, que defende menos mal que Zeegellar mas é muito melhor a marcar livres, a centrar e a apoiar o ataque.

Também não deu quase oportunidades a Paulo Oliveira e não desistiu enquanto não o correu do clube. A dupla central de defesas mudou tanto que os sócios eram surpreendidos a cada jogo. Depois ficou-se por Ruben Semedo e Coates. Agora indicou a porta de saída a Semedo para contratar um tal Mathieu, que não tem, pela sua morfologia, nenhumas características de ser um defesa rápido e de ter rins flexíveis. E Coates precisa de um parceiro rápido ao seu lado, como eram Semedo ou Paulo Oliveira. Sem eles, a vida também lhe vai correr pior. E que dizer da dispensa de Schelotto para ser substituído por Piccini, que por sua vez ficou (descobriu-se agora em Alvalade!) sem nenhum concorrente para a sua posição?

Aliás, leio hoje no Record: “Urgente – Jesus quer lateral e central – Técnico procura alternativa válida a Piccini e Coates”. Pergunto: agora é que descobriram isso? A 15 dias de começar o campeonato? É que o problema não foi termos perdido com o Guimarães por 3-0. O problema é que não se vê como vamos solucionar o problema para o campeonato. E as grandes equipas constroem-se a partir da defesa, porque são aquelas que sofrem poucos golos.

Sim, eu sei que o André Pinto está lesionado. Mas o Tobias alguma vez é melhor que o Paulo Oliveira? E porque é que dispensámos o Schelotto? É pior que o Piccini? E agora o Coates também já não serve? Mais: o Mattheus Oliveira é melhor que o Francisco Geraldes? Não, não e não.

E vamos jogar com três centrais, em 3-4-3? Temos jogadores para isso? Até quando vamos experimentar o sistema? Vejam-se os resultados em sete jogos de preparação: 1 golo sofrido com o Belenenses, dois com o Marselha, 1 com o Fenerbahce, 3 com o Basileia, 3 com o Valência, 1 com o Mónaco, 3 com o Guimarães. 14 golos sofridos, média de dois por jogo. É assim que nos vamos candidatar a campeões? Isto não faz acender inúmeras campainhas de alarme nos comandos técnicos do Sporting e na direcção? E não será que, mais que por causa dos jogadores, é o sistema que está errado?

Por outro lado, Jesus está a reproduzir no Sporting o que fez no Benfica: a contratação de uma avalanche de jogadores sul-americanos em detrimento de oportunidades para os jovens da formação ou para jogadores portugueses que não foi ele que contratou. Não é o modelo do Sporting Clube de Portugal e é um enorme erro, que nos vai custar caro quando ele deixar o clube.

Meu caro Nuno, recebi o ano passado o meu emblema de sócio do Sporting Clube de Portugal há 25 anos. Mas na verdade deveria ter recebido outro emblema, porque desde os seis anos fui sócio do Sporting Clube de Luanda, um tempo que infelizmente não conta para a contabilidade do SCP.

Há 13 anos que pago a Gamebox. Tenho as quotas em dia. As maiores alegrias que tive foram a conquista dos dois últimos campeonatos pelo Sporting. No primeiro não estava em Portugal, mas no segundo andei a buzinar pelas ruas de Lisboa, bebi champanhe, pintei a cara de verde e branco e festejei exuberantemente com os meus filhos desde o Marquês, passando pela Avenida da Liberdade, até ao Largo do Pelourinho. Para sportinguista híbrido não está mal de todo.

Sabes, meu caro Nuno, quando fui do Conselho Leonino e tinha assento na parte da bancada principal destinada aos corpos sociais (coisa que pouco fiz porque prefiro de longe o meu lugar cativo), havia um senhor que se sentava ao meu lado e que passava o tempo a dizer que o Sporting não ganhava porque toda a comunicação social estava contra o clube.

E eu a olhar para o campo e a ver os nossos avançados a falhar golos de baliza aberta ou a nossa defesa a abrir alas para os adversários marcarem. O que é que a comunicação social tem a ver com a inépcia de jogadores e treinadores? O que é que a comunicação social tem a ver com contratações falhadas, programações de temporada erradas, escolhas de sistemas desadequados? Nada. Zero.

Mas eu acredito. Acredito sempre que o Sporting vai ultrapassar todos os obstáculos, todas as dificuldades, todas as barreiras. Acredito que os jogadores suarão e honrarão aquela camisola. Acredito que os sócios encherão de novo Alvalade esta época, com uma média de espectadores acima dos 40 mil (muito por causa do Presidente e do bom futebol que a equipa, apesar da falta de resultados, tem jogado) e que empurrarão o Sporting para muitas vitórias. E sei, como tu também sabes, meu caro Nuno, que se esta época for tão paupérrima de títulos como foi até agora, o reinado de Jesus termina em Alvalade. Ah, também sei que não há sócios de primeira e outros de segunda. Todos tem direito a dizer o que pensam, mesmo se não pensem o mesmo que o Presidente ou o treinador. E não será seguramente por causa de um artigo na Tribuna Expresso que o Sporting não ganhará a Liga 2017/2018. Estamos de acordo, meu caro Nuno?»
(Nicolau Santos, in Tribuna Expresso)


Trouxe para aqui ontem a crónica de Nicolau Santos "Sporting, assim não vamos lá". E assumo que terei cometido um erro: utilizei uma "inglesice" para significar o meu generalizado acordo com o texto e deveria ter utilizado a expressão bem portuguesa e muito mais de acordo com o meu sentir, que seria, "está tudo dito"!...

Não me identifico com Nicolau Santos apenas nos 25 anos de sócio que estarão por aí a rebentar, nem com o seu Lugar de Leão e as "gameboxes". Vejo como ele vê muito do que de bem e mal se tem passado no Sporting. Reconheço o extraordinário papel de Bruno de Carvalho na "restauração" do Sporting que amo, mas o meu apreço ainda consegue ir mais além quando está calado. Aplaudi quase "estericamente" a chegada de Jorge Jesus a Alvalade e hoje não sou capaz de lhe chamar outra coisa que... "Sandokan"!...

Porquê, perguntarão os sportinguistas que se habituaram a ver-me com uns "óculos" diferentes?! Porque nem sou "carneiro" e nem enquanto durar o meu campeonato hei-de deixar de afirmar por aqui, sempre, sempre aquilo que penso e sinto. E eu penso e sinto como Nicolau Santos: "Sporting, assim não vamos lá"!...

Pese embora o silêncio que os meus mais recentes postais têm merecido na caixa de comentários, numa compreensível dicotomia entre algum respeito que o autor de Leoninamente  possa merecer aos habituais comentadores e insanáveis divergências que possam existir com o que por aqui tenho exprimido, ninguém mais do que eu lamentará o que se está a passar no meu/nosso Sporting! E perdoem-me que o faça notar a todos, mas o meu amor ao Sporting proíbe-me totalmente de ir além do razoável e "desportivamente correcto" que por aqui tenho deixado transparecer. Infelizmente e pelo que vou sabendo e convictamente digerindo a sós com os meus fígados...

Haverá pecados ainda mais graves no Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

13 comentários:

  1. E o Nicolau Santos ainda não se lembrou do Gelson Martins? Pecado grave...

    ResponderEliminar
  2. Agora que já TODOS perceberam que quem ganha são as 'estruturas' e não, este ou aquele, golpe de mestre... A Pergunta clássica.... é óbvia... pelo menos para mim...

    E se já houvesse video-arbitro naquele, mal fadado primeiro ano de JJ??? (as palavras -contraditórias - são de NS)......... seria JJ o único bi-tri CAMPEÃO...

    Casa onde não há 'paes'... todos ralham e ninguém tem razão... Mas factos são... factos (palavras de NS)...

    Vou ali, continuar a enterrar a cabeça na... estatística e pedir aos santinhos que me tragam água benta...

    p.s. Leonardo Jardim não foi corrido... O Marco... foi corrido, e bem, por 'TODOS' os SPORTINGUISTAS...

    Amanhã... há mais....

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O benfica não é um clube organizado, é uma organização que tem um clube" - José de Pina.

      Eliminar
    2. Obrigado. Não me tinha chegado ainda. Que tem mais olhos que barriga, às vezes deixa coisas muito boas para trás. Acho que vou fazer um postal para os sportinguistas que ainda não tenham lido...

      Mais uma vez obrigado, um abraço e SL

      Eliminar
  3. Já agora... na defesa do jornalismo (a empresa de NS...) ele que veja a promo à Volta a Portugal da estação escarlató-publica e depois venha cá defender a corja dos coleguinhas dele que encomendaram aquela vergonha...

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
  4. Vou citar o Tiago Rocha, jogador de andebol que este ano assinou pelo SPORTING, Capitão da Selecção Nacional e várias vezes campeão nacional, a propósito das criticas e insultos de que tem sido vitima por ter assinado pelo nosso clube:
    -“o crítico é um fracassado que nos quer ensinar como se triunfa”.
    E por aqui me quedo.

    ResponderEliminar
  5. http://sporting.filtro.pt/nicolau-santos-e-sportinguista-mas-neste-artigo-esta-bem-engando/

    ResponderEliminar
  6. Ao Leão 17, deixo apenas uma citação de Luís R. Silva, consagrado perito espanhol em comunicação:

    «La crítica ayuda a tu éxito (si tu lo permites…)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém mais do que eu concorda com isso. Mas, na atual conjuntura, tudo aquilo que que dizemos ou fazemos é interpretado por uns e por outros consoante os seus interesses próprios. Por isso mesmo, tenho a liberdade de, conscientemente, guardar as críticas para locais e tempo adequados evitando dar trunfos a quem não os merece. Trarão estas críticas públicas vantagens para o clube que amamos, ou antes o contrário?
      Sinceramente, não vislumbro qualquer vantagem.
      Abraço. SL

      Eliminar
  7. Nicolau Santos diz isto porque tem acesso á cartilha do slb em vez da verdade.
    Chega inclusivamente a dizer que foi BDC que despachou L.Jardim,quando toda a gente sabe que o Monaco bateu a sua clausula de rescisão.
    Um sportinguista que se informa pelas cartilhas do slb não é sportinguista certamente..
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Balakov:
      De facto, não fica bem a NS dizer que LJ foi "corrido"! É também um facto que o Mónaco pagou para o levar. Mas daquilo que os anos me deram a observar de LJ (pela comunicação social, apenas e só e antes de ele chegar ao Sporting) não me parece que LJ estivesse para aturar Bruno de Carvalho mais uma época, pelo que o Mónaco foi uma benção para todas as partes.

      Eliminar
  8. Caríssimo Álamo:
    Engraçado como mais este seu post trouxe aqui uns comentadores com uns nicknames malucos, que nunca tinham aparecido antes, que me lembre.
    Afinal ainda há gameboxes para distribuir, e a guarda pretoriana não dorme.
    Gostei particularmente do que tem um número. Será o número de nomes diferentes que já criou?
    Grande Abraço, que não lhe doam as mãos,
    José Lopes

    ResponderEliminar
  9. Não duvido do sportinguismo de NS e acho-o um jornalista isento, mas quando toca ao Sporting actual, fica sempre no ar um certo ressabiamento para com a actual direcção. Lembra Miguel Sousa Tavares, frontal e crítico, mas quando o assunto é futebol é intelectualmente desonesto.
    Eu daria mais valor a este texto, bem como o artigo do Expresso, escritos por NS, se os mesmos saíssem da pena do caro Álamo, a quem reconheço lucidez, isenção e, sobretudo, um grande amor ao Sporting. No entanto, há sinais alarmantes, por demais evidentes, nestes escritos de NS. E, assim, "puxando dos meus galões", adquiridos por muitos anos a ver estes filmes no nosso clube, infelizmente vaticino que com este Presidente e este "Sandokan" (que do Sandokan que eu me lembro de ver na TV tem pouco - o outro era corajoso e ousado) jamais ganharemos seja o que for no futebol: porque são ambos autistas, porque não sabem optimizar recursos e planear projectos, porque não sabem comunicar, nem reforçar laços de grupo. É cada vez me convenço mais que as vitórias que vamos tendo nas modalidades se devem à pouca ingerência do Presidente nas mesmas.
    Eu não gosto de escrever isto, mas e o que sinto e pressinto!
    Saudações Leoninas.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE