sábado, 26 de setembro de 2015

Com o mal dos outros a gente governa-se bem!...


Um Ferrari em mãos erradas

«O FC Porto de Lopetegui ainda não conseguiu mostrar futebol à altura da qualidade do seu plantel. Não conseguiu esta época e não conseguiu na época passada – se exceptuarmos alguns momentos da Liga dos Campeões, em especial o jogo frente ao Bayern Munique, no Dragão. O resto tem sido quase sempre confrangedor. Muito pouco para o nível do investimento realizado, para o talento dos jogadores e para a expectativas criadas. Uma desilusão.

Como ponto de partida, a natureza futebolística de Lopetegui não poderia ser mais respeitável: controlo do jogo através da posse, organização levada ao limite da paciência, equipa sempre em busca do equilíbrio. Todos os passos dados com o objectivo de minimizar o risco no momento da perda de bola – como se de um jogo de xadrez se tratasse. O problema é que, depois, a prática mostra uma realidade diferente.

O FCPorto tornou-se tão ‘doentiamente’ obcecado pela ideia do controlo que, talvez sem se aperceber, ficou demasiado previsível. E uma equipa sem capacidade de surpreender, sem rasgo criativo e sem uma ideia arrojada pode acabar por ser anulada por adversários que apenas têm de fazer bem o trabalho de casa.

O potencial desta equipa de Lopetegui é tão grande que, a cada jogo, fica a sensação que lhe bastará sair daquele pobre guião para explodir e ‘passar a ferro’ quem lhe aparecer pela frente. A questão é que a liderança do técnico espanhol é tão firme que ninguém se atreve a tentar fazer qualquer coisa que não esteja no alinhamento. É uma lástima ver um Fórmula 1 entregue a um condutor de fim-de-semana.»

(Nuno Farinha, Entrada em Campo, in Record)


O jornalista Nuno Farinha, quando se trata se trata de "passar a ferro" as camisas de cor diferente da sua, até que revela discernimento e algum conhecimento e capacidade de análise. São muitos anos a "virar frangos nas roulotes da Luz"...

O pior é quando se lhe depara a sua própria camisa! Aí, não consegue ver nódoas nem vincos, pregas no colarinho ou falta de botões e sai sempre o trabalho que todos conhecemos...

Como "operário" assalariado e se calhar pago à peça, da "fábrica de camisas vermelhas", até se compreenderá. A vida está difícil e qualquer "complementozinho" vindo de "part times" é naturalmente bem vindo e respeitável pelo esforço. Já como sub-director de um jornal desportivo de referência...

Bom, seja como for, aquilo que hoje a sua crónica traduz, não deixa de ser a mais pura das verdades. E ainda bem...

Com o mal dos outros a gente governa-se bem!...

Leoninamente,
Até à próxima

1 comentário:

  1. Já no conto se dizia que apenas uma criança teve a coragem de dizer que o Rei ia nu... Farinha é mais um dos bajuladores que vê que a camisa "encarnide" já nem existe... mas continua a proferir o contrário. Que não tem sequer um vinco de amarrotado...
    Desde que o Homem é Homem que há milhões de exemplos deste tipo de pessoa. Diria mais... é tudo "farinha" do mesmo saco.
    SL
    Basco "O Leão"

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE