sexta-feira, 25 de setembro de 2015

André Cruz chegou a Alvalade e pegou de estaca!...


O fantasma


«Jorge Jesus é o protagonista desta época futebolística. O treinador do Sporting conseguiu o milagre de pôr benfiquistas e portistas de acordo. Nos comentários ao clássico, os comentadores afectos ao Benfica comparavam este jogo com o do ano passado – e chegavam à conclusão de que o Benfica jogou melhor, embora perdendo. A vontade de esconjurar o fantasma chamado JJ era notória. E os comentadores afectos ao Porto concordavam: "Rui Vitória apresentou uma equipa personalizada". Benfica e Porto, habituados a discutir o título entre si, unem-se agora para matar o outsider.

Entretanto, no Sporting, Jesus tem cometido erros. É claro desde o início do campeonato que Teo Gutiérrez não acerta o passo, que Bryan Ruiz não encaixa bem no onze e que Montero e Mané rendem mais. Só Jesus, talvez para justificar as contratações, é que parece não ver esta evidência.

Aliás, quando Jesus chegou ao Sporting, pensei que pegasse na equipa da época passada e a pusesse a jogar quase sem alterações. Um dos problemas de Marco Silva era não conseguir conciliar Montero com Slimani. Ora Jesus, gostando de jogar com dois avançados, podia resolver esse problema: Montero seria o complemento ideal para Slimani, porque se mexe muito e abre espaços.

Pode ser que, depois do jogo com o Nacional – em que Mané e Montero construíram o golo vitorioso – , Jesus dê o braço a torcer. Mas aconteça o que acontecer, é sobre ele que estão centradas todas as atenções – de sportinguistas, benfiquistas e portistas
(José António Saraiva, Futebol à Portuguesa, in Record)


Jorge Jesus será efectiva e incontornavelmente o "protagonista desta época futebolística", o lugar comum das análises de jornalistas e comentadores do fenómeno futebol cá do burgo. Tal facto será não só o reflexo da sua reconhecida qualidade técnica, quanto o desconforto que determinou em dirigentes e adeptos do "senhorio" da sua anterior residência, cuja abusiva e castradora influência na generalidade dos orgãos de comunicação social só os néscios negarão.

A crónica de JAS insere-se perfeitamente nesse contexto e não seria essa a razão que me faria trazê-la aqui. Terá sido tão só e apenas o mais pequeno dos seus parágrafos a justificar a minha decisão: aquele em que aborda os decepcionantes desempenhos que Bryan Ruiz e Teo Gutiérrez têm protagonizado desde a sua chegada a Alvalade, em contraponto com o rendimento que Montero e Carlos Mané têm evidenciado quando são chamados à equipa por JJ e que de certa maneira partilho.

Estará a meu ver, no subrendimento apresentado pelos dois sul-americanos, a causa mais relevante que estará a impedir a equipa leonina de atingir o patamar que o próprio JJ terá projectado para este arranque do campeonato, "play-off" da Liga dos Campeões e bem assim da primeira jornada da Liga Europa: eram absolutamente espectáveis "performances" muito acima daquelas que todos temos tido oportunidade de constatar. Não serão decepções, mas andarão demasiado perto disso, para mais se tivermos em conta o esforço financeiro que o Sporting se obrigou a despender com as suas contratações.

Argumentarão alguns com o tempo que normalmente é preciso para que qualquer jogador se enquadre num futebol que não conhece. Eu recuso-me a incluir dois jogadores tarimbados como  no caso em apreço, em quadro semelhante. Um jogador de categoria, chega e... abre o livro!...

André Cruz chegou a Alvalade e pegou de estaca!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. O Sporting precisa de reforços de categoria, relativamente baratos e que não brinquem nas selecções e já em Janeiro.

    Washington Santana ( Nacional), Fransérgio (Marítimo), Bruno César (Estoril) seriam 3 bons reforços para o plantel.

    ResponderEliminar
  2. Acosta quando chegou também não convenceu imediatamente, mas depois de engrenar... É preciso paciência!

    ResponderEliminar
  3. Penso que o problema de Ruiz e Teo é o mesmo (mais no costa-riquenho): falta de férias e, em consequência, de falta de uma pré-época capaz.
    Parece-me que, até Janeiro, não vamos observar-lhes mais do que (belos) fogachos.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE