sábado, 27 de maio de 2017

Ó senhor Zé Manel, à mulher de César não lhe bastará ser séria!...


O efeito Meirim

Caso Samaris: uma rectificação e a certeza de que era possível julgar mais depressa

«José Manuel Meirim, presidente do Conselho de Disciplina da FPF, é um nome que os jornalistas têm de respeitar. Nos seus tempos de perito forçado de quase todos os jornais e rádios que prestam atenção ao futebol, ganhou-nos a confiança, por acertar quase sempre nas leituras que lhe pedíamos, por dar provas contínuas de não estar infectado pelo clubismo e pela honestidade com que lidava connosco. Diferencia-o dos anteriores presidentes do CD (e é injusto para estes, admito) o facto de o conhecermos de antemão e de lhe termos visto da primeira fila vários exemplos de idoneidade e competência. Quando Fernando Gomes o escolheu, a primeira imagem que me veio à cabeça foi a do teste do furo nas câmaras de ar: finalmente estamos a mergulhar a Disciplina numa bacia de água para ver de onde saem as bolhas. E resulta. Anteontem escrevi um comentário, neste espaço, sobre o castigo irrelevante a Samaris e como, provavelmente, essa irrelevância de já não pesar neste campeonato era responsabilidade conjunta do CD, da Comissão de Instrutores da Liga e dos regulamentos inexplicáveis do futebol profissional. [...]

(Excerto do comentário a que JMR alude, publicado em 24 Maio 2017 18:28)
Caso Samaris era dispensável

A época acaba com um pontapé nas canelas da disciplina e da equidade

«A época acaba mal para o Conselho de Disciplina, embora nunca seja fácil discernir os culpados nas bizarrias disciplinares do futebol profissional. Terão sido o Conselho de Disciplina da FPF, a Comissão de Instrutores da Liga ou os alçapões dos regulamentos que levaram a um castigo de quatro jogos para o benfiquista Samaris, decretado depois de a época acabar e seis semanas após o murro que o grego deu, à vista das câmaras de televisão, num jogador do Moreirense? Aparentemente, foi toda a gente. Segundo a Liga, o processo demorou semanas a ser enviado pelo CD à Comissão de Instrutores, que por sua vez alterou o enquadramento legal para um mais complicado, servindo-se de um regulamento que não consegue garantir a decisão rápida de um facto que toda a gente viu pela televisão no próprio dia do jogo. Depois, é fácil culpar Bruno de Carvalho por ser Bruno de Carvalho e Pinto da Costa por ser Pinto da Costa e clamar contra os maldizentes que acusam o futebol de estar viciado. Não havia mesmo hipótese de evitar mais esta infeliz coincidência?»

 [...] Nesse artigo, cometi um erro: o Conselho de Disciplina não demorou semanas a enviar o processo à Comissão de Instrutores; demorou nove dias a contar do jogo, ou seis dias a contar da participação do Sporting contra o grego. O resto mantenho com mais convicção ainda depois do e-mail que José Manuel Meirim me enviou, detalhando os esforços que fez para que o castigo a Samaris valesse ainda esta época: havia forma de o fazer. Era possível castigar o grego em tempo útil, se não com uma Comissão de Instrutores em paz com o CD, pelo menos com um regulamento bem feito, que garantisse uma decisão sumária num acto de agressão claro para todos desde o primeiro instante. E é o efeito Meirim que nos permite ver isto com tanta clareza.»
(José Manuel Ribeiro, Opinião, in O Jogo em 26 Maio 2017 17:37)


Sobre esta estranhíssima crónica do senhor director do jornal O Jogo (JMR), começarei por dizer que lhe assistirá toda a legitimidade para soprar na vela de José Manuel Meirim (JMM). Com o devido respeito, não me custará colocar-me rigorosamente à margem da relação existente entre ambos e que justificará todos e quaisquer e-mails que, sempre que o entenderem, eventualmente decidam trocar.

Agora o que JMR não poderá pretender será tentar "desconstruir" a opinião com que o público adepto do futebol  ficou da "desgraçada" intervenção de JMM em todo este caricato processo, que nenhum barril de lixívia conseguirá branquear.

A meu ver JMR deveria, em vez de rebentar os pulmões a soprar na vela, começar por questionar JMM na volta do correio, sobre a quem deveria ser atribuida a responsabilidade deste "escabroso" processo, no caso do Sporting CP não ter apresentado a queixa? O que teria acontecido? Será que teríamos hoje um soneto bem pior que esta desgraçada emenda?

De seguida, questionar JMM sobre as razões que o levaram a demorar nove dias a contar do jogo, ou seis dias a contar da participação do Sporting contra o grego, a enviar o processo à CI da LPFP? Porque não ZERO dias?

Depois colocar a  JMM outra importantíssima questão, que será a de saber se as culpas do clima de guerrilha existente entre o CD da FPF e a CI da LPFP, deverá apenas ser atribuível a esta última, ou se, como razoavelmente todos os adeptos do futebol legitimamente há muito concluíram, haverá culpas repartidas, indissociáveis de um surda luta pelo poder em que JMM, mesmo carregando sobre os ombros todas as asas de anjo da procissão da Senhora da Agonia que usou para conseguir o beneplácito de JMR, jamais conseguirá negar?

Finalmente será que JMR, em vez de tentar seduzir com "papas e bolos" os "tolos" adeptos que neste lamaçal do futebol "tuga" ainda anseiam por ver aplicados na Disciplina e Justiça federativa os mais elementares princípios de Verdade, Transparência e Isenção, não deveria primeiro questionar JMM sobre o que tem andado a fazer até agora, a poucos dias de fazer um ano que tomou posse, em prol das rápidas, urgentes e eficientes alterações regulamentares, no sentido de o futebol já poder contar neste momento com o tal "regulamento bem feito", cuja inexistência parece ser a mãe de todos os males? Ou será que o adiamento "sine die" de tão ciclópica e imperiosa empresa, é profundamente conveniente para servir de "guarda-chuva" aos propósitos que legitimamente os adeptos do futebol entenderão como menos transparentes e claros de JMM?

Ó senhor Zé Manel, à mulher de César não lhe bastará ser séria!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. "... primeira imagem que me veio à cabeça foi a do teste do furo nas câmaras de ar:..."

    Pois a mim, em relação ao sr Meirim (pelas borradas que já fez...)...

    A imagem que me fica é a do sr Meirim nu dentro de uma banheira cheia de água..."e tentar adivinhar"...de onde saiem as bolhas de ar...!

    E possivelmente...até "com cheiro"...!!

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó meu amigo Max, o que eu me ri da cena do JMM todo nu dentro da banheira à procura das bolhas de ar "com cheiro" e que, desgraçadamente para ele, talvez tenham provocado uma leve coloração avermelhada na água!...

      O que vale é que terá sido apenas ele a suportar o cheiro! A menos que o JMR tenha sido convidado para assistir ao ensaio...

      SL

      Eliminar
  2. Pelo menos foram mais rápidos a julgar o caso do Samaris do que o caso do Slimani.
    Bastante mais rápidos até...

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE