quarta-feira, 24 de maio de 2017

Entregar lá para Maio18, a cabeça à fúria tripeira!...


NUNO, JÁ FOSTE

«A "crise de títulos" do Porto não é só responsabilidade de um treinador, mas é responsabilidade do próximo treinador acabar com ela. Tem sido. Quando títulos não há, remodela-se a chicote. Nada de novo. Este Porto está mesmo muito diferente.

Não era assim. Durante anos – décadas! – o Porto dependia tão pouco dos treinadores para continuar a ganhar que eles chegaram a ser afastados depois serem campeões. Porque havia uma pessoa mais importante do que todos. O Porto não tinha estrutura, tinha Jorge Nuno Pinto da Costa.

Esta verificação não foi pondo os treinadores em segundo plano, não desde José Maria Pedroto. Mas pôs sempre o presidente em primeiro plano. Tudo mudava, sobretudo depois dos anos 80, mudavam treinadores, saíam jogadores, mas o presidente era a nau para qualquer mar e o mastro e a vela para qualquer vento. Já não é. E assim se vão reciclando treinadores, cuja escolha e equipa são condicionadas pela situação financeira do clube. Vão sendo triturados sem glória. 

Agora é Nuno Espírito Santo. Não foi um bom treinador, como se vê agora pelos resultados, mas também pelo que se foi vendo com o tempo, um tipo de jogo sem rasgo, temente, prudente, que entusiasmou os portistas tanto quanto o sol entusiasma a areia.

O Porto está com uma gripe há anos, não tem dinheiro para curá-la nem já liderança suficiente para terminá-la. Ao próximo treinador não será pedido menos que isso e pode ser que consiga. Não depende só de si, mas da "estrutura" e da equipa que puder ter. Mas será a ele que pedirão tudo: ou títulos ou a cabeça.»
(Pedro Santos Guerreiro, Opinião, in Record)


O mal de outros nunca será lenitivo para os nossos próprios males! Fui pensando nisto à medida que fui lendo a crónica de PSG e recordando o postal que recentemente aqui publiquei sobre a mesma matéria, mas centrada em Alvalade em vez das Antas.



E cheguei a uma conclusão deveras interessante: o Sporting em 15 épocas sem o título de campeão atingiu a "bonita" média de 1,133 treinadores por ano; o Porto nas 4 temporadas que já leva sem pôr a mão no caneco, terá conseguido surpreender, ultrapassando por escassas décimas é certo, a média conseguida em Alvalade, com 1,500 treinadores por ano, que tudo aponta virá a superar com a contratação do substituto de NES, seja ele quem for, mesmo que o mundo ainda venha a virar do avesso e seja Jorge Jesus a atravessar a Ponte do Freixo e a ocupar a "cadeira de sonho", em vez do sonso do Marco Silva, agora a fazer-se de caro e a queimar os fusíveis do Jorge Nuno.

E como quanto a títulos estaremos conversados, face à inevitabilidade ditada pela "cartilha escarlate", seja JJ ou o outro "coninhas sonso vs sonso coninhas", terá que adquirir uma bandeja de prata para, como diz a premonição de PSG...

Entregar lá para Maio18, a cabeça à fúria tripeira!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Porque é que o colunista não diz, claramente, que a estafada "estrutura", a Tal que vence campeonatos, se consubstancia no domínio dos órgãos que regem o futebol Tuga: o C. de Arbitragem, C. de Disciplina, C. de Justiça e afins... Pinto da Costa só ganhava porque tinha essa dita estrutura do seu lado. Lamentavelmente para a nação murcona há alguns anos essa "estrutura" emigrou para Carnide... É essa "estrutura" que JJ reclama para que o Sporting possa estar em pé de igualdade com os rivais. É essa "estrutura que o JJ, recorrentemente, "diz que o Sporting precisa de fortalecer....

    ResponderEliminar
  2. Já vai sendo tempo de parar de utilizar como justificação principal para o insucesso do Spirting a "estrutura" que o clube não controla.
    É hora de encarar a realidade. Não fora a manifesta incompetência da dupla BdC/JJ em matéria de planeamento e gestão, na passada temporada o Sporting teria sido um fortíssimo (creio que o mais forte) candidato a vencer o campeonato.
    Atente-se, por exemplo, nas insuficiências dessa dupla BdC/JJ e na prestação dos restantes elementos da Direcção.
    Se nós, adeptos leoninos, nos últimos anos tivessemos sido mais exigentes com os dirigentes do Sporting muito provavelmente os resultados desportivos teriam sido bem melhores. Contudo, o apoio incondicional de uma esmagadora maioria à dupla BdC/JJ sem criticar, por exemplo, a estupidez de pagar um salário astrónico a um treinador mediano deu no que deu. Veja-se, ainda a título de exemplo, a postura do Álamo inúmeras vezes e sem qualquer propósito insultando o Marco Silva, o Renato Sanches... Porquê? Para quê?

    É caso para perguntar se, quando e onde isto vai parar. Para bem do Sporting, não será melhor pedir explicações a BdC e exigir que o Sporting não repita erros crassos? Um Sporting bem dirigido, e com uma equipa verdadeiramente competitiva, estaria bem melhor posicionado para influenciar positivamente quem rege o futebol nacional e internacional.
    Chega de lamúrias, críticas, insultos e parcerias (?) que resultem em ... mais do mesmo.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE