quarta-feira, 17 de maio de 2017

A deitar-se na cama que fez!...


FECHÁMOS PARA FÉRIAS

«O Sporting tem, para o futebol profissional, o orçamento mais caro de sempre; tem a equipa mais cara de sempre e o treinador mais caro de sempre.

Esta largueza, pressupõe, na minha óptica, que, quem é tão altamente remunerado, corresponda; não necessariamente ganhando todos os jogos - se o conseguir, melhor - mas deixando a sua marca de empenho e qualidade, em todos os campos por onde passa.

Ora, infelizmente, não é isso que está a acontecer, neste final de época; e o que me incomoda verdadeiramente, não é o Sporting ter perdido, é sim, a maneira como perdeu.

O Sporting sofreu derrotas contra o Belenenses e o Feirense, apenas e só porque estas equipas fizeram mais pela vida; correram mais, lutaram melhor, acreditaram, o que, diga-se, nem foi muito difícil, porque, a tal equipa mais cara da história do clube, parecia estar a fazer um frete, tão desgarrado, previsível e inconsequente foi o seu jogo.

Este argumento de a equipa não estar a lutar por nada, é fraca desculpa; o Sporting luta sempre, e em qualquer circunstância, pela manutenção do seu prestígio, pelo respeito que as suas camisolas devem infundir, por corresponder às esperanças que os dedicados adeptos todas as semanas, nele depositam.

É por isso que me torço todo, quando ouço o treinador dizer, à guisa de justificação para todos estes desfechos tão desalentadores, que o Sporting suspira por que o campeonato acabe.

Custa-me perceber esta mentalidade, que é típica de uma equipa pequena, que, alcançado o objectivo a que se propõe, normalmente a manutenção, desliga e baixa os níveis de competitividade.

Se os jogadores estão - compreensivelmente - desmotivados e frustrados nas expectativas que lhes foram traçadas, cabe ao treinador estimulá-los, espicaçá-los e explicar-lhes que não há Taça das Confederações, Campeonato Mundial, saturação, conformismo ou mero cansaço, que passe à frente dos interesses do clube.

Não sei o que saiu da propalada reunião do presidente com o treinador, espero que as agulhas tenham sido acertadas e que, mesmo a jogar a feijões, a atitude seja outra.

Confesso não ter prazer nenhum em escrever este crónica, mas prefiro enfrentar as realidades, por mais duras que sejam, a viver nas ilusões do "para o ano é que é".»
(Carlos Barbosa da Cruz, Canto do Morais, in Record)


Confesso não ter prazer nenhum em fazer "copy & past" e trazer para este cantinho um notável exemplar do "odiozinho de estimação" de Carlos Barbosa da Cruz. Mas sou obrigado a dar a mão à palmatória e confessar que a minha profunda decepção  já não estará assim tão afastada daquele...

Decididamente e embora me custe os olhos da cara dizer isto, ninguém me tira da cabeça que Jorge Jesus estará neste momento...

A deitar-se na cama que fez!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. "... Confesso não ter prazer nenhum em escrever este crónica..."

    Olhem pois eu, atendendo "ao passado do escriba"...

    Estou mais convencido do prazer que lhe deu escrever esta crónica...do que o contrário...!!

    SL

    ResponderEliminar
  2. Uma cama bastante confortável, com um colchão cheio de notas. Parece-me que JJ arrastará também o presidente... BdC já não acredita no sistema de JJ, mas está atado, devido ao contrato que lhe fez... Isto está mau... O melhor que se fazia era rescindir com JJ e meter Luís Martins na equipa A. Desta forma, finalmente, se poderia usar a equipa B como, realmente, verdadeira alimentadora da A. Contratar JJ foi uma incoerência! Se éramos nós próprios a dizer que ele só ganhava por causa do colinho...

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE