quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Não façam ondas!...


BANDEIRA BRANCA

«Ainda ontem escrevemos que a atribuição a Portugal de um prémio europeu de fair play era um sinal de esperança. Na verdade, muitas ações têm sido feitas em prol de uma postura exemplar do ponto de vista da ética e do desportivismo mas nenhuma tem sido direcionada para aqueles que em resultado da sua grandeza e impacto público podem ser os seus melhores promotores.

O clima de guerra aberta está à vista de toda a gente, ultrapassa os limites do tolerável e merecia da parte de todos aqueles que têm poder e influência para travar esta espiral de acusações e ofensas uma reação enérgica e concertada. Mea culpa. A disputa clubística é sempre bem-vinda porque faz parte da competição e da história do desporto. Mas quando se chega ao insulto e à ameaça, então é preciso fazer alguma coisa. O silêncio e a indiferença podem não ser suficientes.

A Liga tem nos seus regulamentos normas disciplinares que justificam a instauração de inquéritos e processos que podem calar quem ‘diz mal’ dos árbitros, por exemplo, e até podem silenciar quem apenas quer ‘dizer bem’ seja do que for. Nada impede porém que persista o discurso de guerrilha. Por isso se impõe uma atitude profilática quanto mais não seja para chamar à razão aqueles que mantêm aceso o fogo do conflito.

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, esteve presente numa iniciativa relacionada precisamente com a promoção do respeito e do fair play: o cartão branco. Um movimento louvável que já foi lançado na época passada. Disse o governante que "os valores éticos assumem preocupação de grande importância". Ora o que se passa neste momento entre os rivais da capital já não vai lá com um simples cartão. É preciso hastear a bandeira branca. E com toda a urgência.»
(António Magalhães, Entrada em Campo, in Record)

Depois de ler e reler a crónica de António Magalhães, nas linhas e nas entre-linhas, de trás para a frente e da frente para trás, no verso à luz e no reverso à contra-luz, depois de meditar profundamente na linha editorial que o senhor director do jornal Record prossegue, inflexivel e convictamente, sem concessões ou devaneios, cheguei a uma conclusão: não me assiste a mais pequena dúvida de que a paz com que ele sonha, está na imagem acima: uma paz entre vencidos convencidos e os convencidos dos vencedores! É preciso hastear a bandeira branca, desde que antes a bandeira vermelha suba ao topo do mastro! Fazer a quadratura do círculo, desde que o quadrado fique muito bem envolvido pelo círculo! Mudar a merda, mas que as moscas continuem as mesmas!...

Estará absolutamente consciente de onde vem a merda. Há muitos e muitos anos. Primeiro uma merda pastosa e nauseabunda, cagada lá bem no Norte e que invadiu a mourama. Agora uma merda diarreica cagada mesmo nas calças dos poderes centralizados na capital, que varre todo o país e ameaça tudo e todos. Esta merda já lhe chegou à boca. Mas ele apenas arranja forças, não para fazer a denúncia de quem se está cagando para todos, mas para gritar, do alto da sua cadeira de sonho e sob o pálio dos privilégios dos seus interesses...

Não façam ondas!...

Leoninamente,
Até à próxima

9 comentários:

  1. Em 1.º lugar, o Sr. António Magalhães, a quem recuso o título de jornalista, por motivos óbvios, se estivesse com boas intenções, deveria começar por introduzir, no seu "jornalixo", os valores da isenção, da verdade dos factos, da ponderação, do equilíbrio de posições e da transparência.
    Em 2.º lugar, deveria exigir a todos os "escrivas" do "Rascord", o cumprimento do código deontológico dos jornalistas.
    Por último, banir para sempre, do seu jornal, o compromisso com agendas alheias, com recados de empresários, de emissários benfiquistas e deixar em paz o Sporting Clube de Portugal, os seus dirigentes e os seus adeptos.

    ResponderEliminar
  2. Muito gostava que o Sr. António Magalhães viesse ao "Leoninamente!..." constatar que há Sportinguistas atentos!
    SL

    ResponderEliminar
  3. Tiro e queda! Então não é que o guru midas (quererá ser candidato ao Nobel da Paz Português?) veio (hoje?) apelar aos seus mordomos e restante séquito que deixassem de falar no Sporting? (ou terá dito atacar e não falar?)

    Eu me confesso, desde já, deprimido. Perante tão sincero e veemente apelo, a horda de seguidores vai acatar. E eu vou ficar muito deprimido. Com razão.
    Agora que os lã-piões vão deixar de falar em nós, que fazer? Aqui penso no coitado do Rui Gosma da Silva, vulgo "O Anão da Jamba", co-autor da frase "Antes falarem mal de mim, do que ser ignorado!" - o que vai ser dele agora?
    A questão é simples: não falando os lã-piões em nós, nós não falamos neles, vamos ignorá-los. Ora, nós (dizem eles) só vivemos porque eles existem; mas, calando-nos, o que vai ser dessa insigne criatura, mestre na oratória e na esgrima da lógica, que vai deixar de ter quem evite que seja ignorado?
    Quem vai provocar-lhe aquelas inteligentes e contagiantes gargalhadas que são seu apanágio?
    Não vai durar muito, o bicho. E vamos ter muitos suicídios entre os encor-carnados. Lamentável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Liondamaia, estava eu posto em sossego, cuidando de publicar o último post e não é que, com diferença de segundos, o amigo publica este comentário?!...

      Creia que me deu imenso gozo o seu comentário, amigo! Já não me chamam lunático só a mim...

      Eliminar
    2. Lamento esta inesperada jogada de antecipação, já que os seguidores deste blog ficaram a perder muito. Digo-o muito sinceramente, amigo
      Álamo. Mas, como diria o outro, lá calha!

      Eliminar
    3. Não lamente amigo Liondamaia! Acho, pelo contrário, que os seguidores do blog terão ficado a ganhar... duplamente!...

      Eliminar
    4. Parabéns, liondamaia, excelente intervenção!
      SL

      Eliminar
  4. Revelava ser um homem de testículos no sítio se dissesse que o seu jornal também serve de agitador. Teria uns testículos ainda maiores se denunciasse o que o farinhento por lá faz!
    É sempre mais fácil acusar os outros... antónio magalhães é como pilatos, mas como diz o caro Álamo e bem, lavou as mãos nas duas merdas que infestam o desporto há mais de 30 anos.
    SL
    Basco "O Leão"

    ResponderEliminar
  5. Volto depois de ver o título dos três jornais desportivos e CM. Na mouche, amigos Álamo e liondamaia!
    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE