sábado, 15 de outubro de 2016

Oh Inácio, foste comido de cebolada!...


COMENTADORES E COMENTÁRIOS

«Cresceu a algazarra crítica por causa dos "comentadores" que residem nos programas de "discussão" das jornadas do futebol. Porque o fanatismo que traduzem influencia negativamente os adeptos; porque são correias de transmissão da comunicação dos clubes grandes, agindo sem independência de pensamento; porque ofendem gratuitamente a reputação e o bom-nome dos agentes desportivos e, por arrasto, dos seus "colegas" de debate; porque acentuam a degradação reflexiva que começara com o modelo iniciado com o longínquo "Donos da Bola"; etc e tal, estes são alguns dos argumentos invocados nas últimas semanas, a que acresce até as "saudades" do (ainda mais longínquo) "Domingo Desportivo"…

Além do mais, vivemos esta época desportiva sob o signo de tal preocupação com os "comentadores" ter chegado à regulamentação desportiva da Liga, mediante a proibição-sanção dos comentadores "regulares" pela participação (mas só…) em programas televisivos, com ligações às sociedades desportivas e – pasme-se – aos seus clubes fundadores (que não são participantes nas competições profissionais da Liga…). Distinguindo-se tais comentadores "regulares" dos comentadores "convidados", que podem participar nos programas televisivos (a mesma discriminação!) mas só poderão "analisar aspectos positivos do jogo e das competições"…

Não me revejo nessas correntes críticas e abolicionistas, mesmo já tendo sido, no passado, alvo de atiradores furtivos. As televisões, as rádios e os jornais têm toda a liberdade para escolherem os seus conteúdos e contratarem os protagonistas desses conteúdos. Esses participantes não podem ser todos avaliados pela mesma bitola. As suas intervenções estão limitadas pelas leis do país e estas devem ser mobilizadas pelos ofendidos se são violadas – ou então escolherem a indiferença (que tanto incomoda) como reacção. Se esses conteúdos proliferam e os seus protagonistas alegadamente abusam da expressão, isso deve-se ao "gosto" (que se fez) dominante nos "consumidores". Quem não gosta, simplesmente não vê, não ouve nem lê – sem ditaduras! Se esses protagonistas difamam, faltam à verdade ou simplesmente evidenciam ignorância, isso é da sua responsabilidade e, nesses casos, a eles se deve imputar a inflamação. Se ajudam a perceber a realidade e os factos quando são intelectualmente honestos, esclarecidos e pedagógicos, isso é útil e proveitoso (mesmo que em doses excessivas). Tudo o mais – com tantas alternativas na "democracia dos conteúdos" – parece ser apenas e só fumaça…»
(Ricardo Costa, Por força da lei, in Record)

É bom e extremamente saudável que alguém tenha a coragem de vir a público dizer aquilo que deveria ter sido motivo de reflexão por parte dos promotores da famigerada "regulamentação da Liga", antes do tiro de pólvora seca que puerilmente acabaram por lançar para o ar.

Escusavam de contribuir, os ditos promotores, para o argumentário que viria a ser utlizado com toda a propriedade pelos "presumíveis e bem conhecidos criminosos"....

"Quem não gosta, simplesmente não vê, não ouve nem lê – sem ditaduras"!...

Oh Inácio, foste comido de cebolada!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. Tem o caro Álamo o condão de focar a sua atenção em alguns assuntos e algumas pessoas de que tenho...um certo conhecimento.

    E conheci o Professor Dr. Ricardo Costa. Há décadas, mesma universidade, entrados no mesmo ano embora em faculdades diferentes, bastantes amigos/conhecidos em comum. Foram quatro ou cinco anos que permitiram dar uma perspectiva...precisa, das pessoas.

    Sobre o texto reproduzido acima direi apenas que é também "apenas e só fumaça..."

    Nem tudo o que luz é ouro, diz o Povo. Eu acrescentarei, smoke and mirrors, meu caro Álamo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo natural e obviamente o que se esconderá por detrás da cortina de "smoke and mirrors" que o caro Chronus entreabre. Porém o que pretendi "argumentar", com os argumentos aduzidos por RC, resume-se apenas e tão só à inexequibilidade da regulamentação "parida" pela LPFP e à inglória precipitação de AI - a menos que "os barrotes estejam tortos! - e de quem o aconselhou! Parece que por tanto dispersar a sua atenção no discurso, o Sporting continuará, incorrigivelmente, a descuidar a substância...

      Eliminar
    2. E estou de acordo consigo, Álamo.

      Está a ver? É isto que "eles" fazem. Pessoas com senso de justiça apurado, pessoas que desejam a verdade por cima do resto pensam da maneira que o meu caro e eu pensamos. E "eles" sabem isso. Sabem que é primordial situar-se em posições pelas quais alguém reclamará um dia que também "eles" pugnavam pela verdade, pela justiça. Só que não é assim.

      Para si e para mim a Verdade Desportiva, a Correcção e a Qualidade do Comportamento e Discurso dos agentes desportivos são condições sine qua non para que valha a pena apostar em, vibrar com e dar dinheiro a, espetáculos/eventos desportivos (caso contrário estaríamos a assistir a Wrestling Americano).

      Para "eles" a Verdade Desportiva, a Correcção e a Qualidade do Comportamento e Discurso dos agentes desportivos são meras lâminas com que se atinge fins na esgrima de interesses e políticas do desporto nacional.

      Infelizmente.

      Eliminar
  2. Este R. Costa não é um benfas indefectível?! Sempre me pareceu que tudo o que ele debita fede de vermelho... Quanto aos paineleiros: não os oiço por uma questão de higiene mental. Ainda que, existam muitos pseudo isentos que ainda são mais nocivos ao futebol do que eles. Como laxante uso as crónicas farinácias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que o sujeito nunca o escondeu, meu bom amigo Helder Mestre. Mas o meu objectivo foi destacar apenas a demonstração que utiliza de que a regulamentação da LPFP é uma falácia!...

      Eliminar

PUBLICIDADE