quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Ah Bernardo, parece que és bruxo!...



E QUE TAL METER AS MÃOS NA MASSA?

«O futebol português tem coisas muito boas. As melhores, provavelmente, os jogadores, treinadores e adeptos. Para um país com uma economia tão depauperada e que em poucos sectores consegue rivalizar com as grandes potencias, bem pode dizer-se que são autênticos milagres os feitos dos clubes nacionais quando lançados em confrontos com rivais financeiramente mais abastados.

Apesar dos brilharetes, da classe de dirigentes, infelizmente, não se pode dizer o mesmo. São muitos os que procuram no futebol a notoriedade que não encontraram noutras atividades. Outros os que não largam mão do jogo porque o dinheiro que circula é muito. Em Portugal, lamentavelmente, nunca assistimos a uma grande operação mãos limpas. Mesmo em Itália, país tantas vezes ligado à máfia e usado como sinónimo de corrupção, elas aconteceram e gigantes como a Juventus ou o AC Milan sofreram na pele as consequências de andarem a brincar com o fogo. Por cá falta coragem política, capacidade económica às polícias e por vezes ficamos com a sensação de que os favores aos clubes são tantos que interessa a poucos perceber o que lá se passa.

O falhanço que foi a operação Apito Dourado, cuja incapacidade para retirar consequências deixará sempre marcas, poderia levar hoje o Ministério Público e as polícias em conjunto a uma investigação alargada e com meios aos dados que têm sido revelados pelo Football Leaks. Desde o papel desempenhado por empresas recheadas de dinheiro como a Doyen aos contratos, muitos, que parecem conter operações pouco transparentes. Não é que a revelação de documentos confidenciais e obtidos sabe-se lá como não seja, também ela, motivo de investigação. Mas num país onde os reguladores dormem na forma, era tempo de meter as mãos na massa. E não, não me refiro a essa massa. Isso acredito que já muitos fazem.»
(Bernardo Ribeiro, Entrada em Campo, in Record)

Ainda embrenhado na análise e aprofundamento do pensamento que BR deixou na sua crónica, rebenta nas redacções a notícia da detenção de José Veiga e mais alguns amigos e amigas, na sequência de investigações de âmbito internacional, levadas a cabo pela Polícia Judiciária.(LINK)

Será caso para dizer: ah Bernardo, parece que és bruxo!...

Leoninamente,
Até à próxima

5 comentários:

  1. Caro Álamo:
    Por esta vez, discordo liminarmente de Bernardo Ribeiro: " economia depauperada"? Não, não pode ser. Então a malta ur gritava que o Sporting tinha descoberto petróleo pelo ordenado do JJ, agora nào grita nada? Então e o petróleo na Luz? Pagar a um jogador aquele ordenado? Ó Ana Gomes? Ó Cetáceo Guerra! Oh, Sousa Martins...
    Um Abraço,
    José Lopes

    ResponderEliminar
  2. Amigo Álamo, excelente texto de BR, nem imagina quão feliz eu iria ficar se em vez de JV, fosse decretada a prisão do "orelhas" sonho com esse dia...

    SL

    ResponderEliminar
  3. O Orelhas só poderá ser, eventualmente, encarcerado no dia que deixar o galinheiro.

    ResponderEliminar
  4. Quando foi do JJ ir para Alvalade houve um deputado do PSD que pediu, de imediato, esclarecimentos à CMVM. Foi o nosso presidente que em entrevista e ao de leve falou nele, penso e salvo o erro, que foi o deputado Duarte Marques (se não for, peço desde já desculpa). Gostaria que alguém me/nos esclarecesse se foi este o deputado para não estarmos sempre e só a falar de Ana Gomes, quando houve outros que não foram muito correctos com o Sporting. Não obstante seja critico dessa deputada europeia. Até agora não falou no negócio Carrilho tal como o deputado do PSD que agora não pediu esclarecimentos à CMVM. Estou a falar de partidos só por que mexem com o Sporting, ligo pouco a politica e o que me interessa neste momento é o Sporting Clube de Portugal. PS- Aguardo que algum leitor me esclareça. SL

    ResponderEliminar
  5. Parece que, quando foi agarrado, as primeiras palavras do veiga foram...

    "NÃO FUI EU, ÁI, NÃO FUI EU... FOI O VIEIRA QUE MANDOU... ÁI, FOI O VIEIRA... ÁI...!!!"

    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE