sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Por cada leão que cair, outro se levantará...


Liga nova ou Liga velha?

"Por decisão de uma larga maioria dos clubes, Luís Duque assumiu a presidência da Liga de Clubes. O seu principal desafio será encontrar soluções para uma entidade que atravessa enormes dificuldades financeiras, cujas receitas não conseguem cobrir os 12 milhões de euros necessários para organização das provas profissionais e arbitragem, apresentando hoje um défice de exploração na casa dos 9 milhões.

Seria de esperar que os clubes, cada vez mais exauridos financeiramente (especialmente os mais pequenos), assumissem este desígnio de gerar mais receitas. Que surgissem novas ideias para dinamizar o negócio do futebol em Portugal, algo que é do interesse comum de todos os emblemas. Mas não é isso que está, propriamente, a acontecer.

A começar pelo nome designado para encabeçar o projeto da Liga. A escolha de Luís Duque, que me merece a maior estima pessoal e profissional, mas que se encontra actualmente num diferendo jurídico com o Sporting, acaba por ferir a meta de unir todos os clubes em prol de um objectivo comum. Por outro lado, há sinais preocupantes de que esta Liga não será governada pelos clubes, mas sim pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Esta influência é visível desde o primeiro dia. Para se ter uma ideia, após a tomada de posse, Luís Duque foi apresentado aos funcionários da Liga pelo director-geral da FPF, Tiago Craveiro, e terá como assessores elementos que colaboraram com este último durante a sua passagem como secretário-geral da Liga de Clubes entre 2006 e 2012.

Por incrível que pareça, foi um elemento da FPF que informou a nova estrutura da Liga sobre quem passaria a ser o novo supervisor dos delegados dos jogos. E o próprio presidente da FPF tem passado pela Liga para marcar presença em algumas reuniões. Tudo isto leva a concluir que, neste momento, quem manda na Liga é a FPF e não os clubes.

Face às presentes dificuldades da Liga, umas reais e outras geradas por terceiros, não colhe o argumento de que a FPF está a fazer isto porque vai financiar a Liga, até porque é esta mesma Liga que tem pago, durante anos a fio, muitas das receitas que a Federação recebe. A começar pelos custos da arbitragem nos jogos da 1.ª e 2.ª Liga, mais de 6 milhões de euros por temporada, sendo que os árbitros integram o quadro da FPF.

Quem procede ao registo dos contratos dos clubes profissionais são os serviços da Liga, mas 50 por cento do valor das inscrições (cerca de 800 mil euros) vão para a FPF, sem que esta tenha qualquer tipo de encargo, e para apoio ao futebol de formação a Liga paga também cerca de 400 mil euros por temporada à Federação. E, por último, os custos relacionados com o Conselho de Disciplina da FPF também são assumidos pela Liga, o que não faz sentido algum.

Ou seja, a entidade que mais encargos coloca em cima da Liga de Clubes está agora a liderar o seu processo de reabilitação. É um mau presságio e tem tudo para dar errado, já que não é nítido, até ao momento, que o principal propósito desta Liga seja distribuir mais receitas por todos os clubes. A ver vamos se esta é uma nova Liga ou um regresso ao passado.

Mário Figueiredo pode ter cometido erros no seu mandato e acabou por ficar num beco sem saída assim que perdeu patrocínios e o apoio dos clubes. Mas também trouxe algumas novas ideias para o futebol, que não agradaram a todos os agentes, mas que apontam para um caminho que, mais tarde ou mais cedo, terá de ser tomado para assegurar a sobrevivência dos clubes portugueses.[...]

A JOGADA

Nani em Manchester

No regresso à cidade de Manchester, por via do Portugal-Argentina, Nani foi confrontado pela imprensa com um possível regresso ao Manchester United em Janeiro. O jogador escudou-se num simples “Não digo que não”. E que outra resposta poderia dar, se é aquela entidade que lhe paga o salário? Isto não quer dizer que o jogador não está comprometido com o Sporting e totalmente concentrado para jogar de leão ao peito até ao final da temporada. E se for verdade que os ingleses já o querem de volta, isso só valida a sua vinda para Alvalade. Foi a opção certa...".

Esta coluna de opinião de António Oliveira, apenas aparece na edição impressa e na modalidade Premium (paga) da edição digital. Leoninamente, que alguém já lisonjeou de "serviço público", parece ter-lhe tomado o gosto e deixa por aqui a todos os sportinguistas, as palavras de quem já envergou um dia a gloriosa verde e branca e que deixou em Alvalade, para sempre, a máxima de que, "Por cada leão que cair, outro se levantará".

Para qualquer observador atento, e tendo em atenção as ligações passadas de António Oliveira, ao verdadeiro "sponsor e decisor" da Liga actual, será fácil interpretar a sua animosidade e cepticismo. Mas do meio das suas palavras, escorrem verdades que muitos de nós não imaginaríamos e que nos ajudarão a reflectir sobre tudo o que vai girando nas margens do putrefacto futebol português, agora varrido pela originalidade de uma "anti-natura", circunstancial e hipócrita... "santa aliança! !...

Leoninamente,
Até à próxima

5 comentários:

  1. Das palavras de António Oliveira pode inferir-se que a Liga , directamente e, em consequência, a FPF, irão ser financiadas pelos clubes mecenas cá do burgo.
    Digo clubes, mas...não serão as SAD?
    Quais as contrapartidas para o financiamento? É que ninguém acredita que tão sublime atitude filantrópica se tome em atenção aos lindos olhos e bochechas de Luís Duque!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo, é o vale tudo, desde que do "olho do furacão" saiam as benesses dos direitos televisivos para os dois clubes corruptos: o "tratado de tordesilhas" vai dar as transmissões aos dois, vai uma aposta?!...

      Eliminar
  2. Isto é tudo de tal maneira opaco, obscuro que a maioria das pessoas têm cada vez mais asco ao mundo do futebol.

    Como pessoa que segue este desporto mas detesta os seus meandros pergunto, porque é que a FPF se vai apoderar das competências da Liga? Quem é que está por detrás disto? Em que é que isso vai melhorar o futebol português, torná-lo mais competitivo e financeiramente equilibrado? Quem souber agradecia que respondesse.

    Agora, tendo em conta o histórico da FPF, o que temos? Trapalhadas sucessivas com a escolha dos seleccionadores. Clubes a determinar a escolha dos selecccionadores para dominar as convocatórias e assim valorizar os seus activos. Colocação de bilhetes para os jogos da selecção no mercado negro para os dirigentes da FPF açambarcarem o dinheiro (refiro-me claro aos jogos do Euro 2004 e de outras fases finais). Corrupção na arbitragem nos jogos da Taça de Portugal. Corrupção nas competições secundárias sob a alçada da FPF. Deterioração da imagem da selecção, pois mesmo com o Continente a oferecer bilhetes para os jogos de qualificação, a selecção não consegue encher nenhum estádio, médio ou grande. O que ainda vale à FPF são alguns patrocínios, mas que vão terminar no dia em que o Ronaldo deixar de vestir a camisola das quinas. Vai uma aposta?

    Ou seja, da FPF para a Liga, ou da Liga para a FPF, vira o disco e toca o mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o Governo a dormir, caro amigo Jordão!... Ou a fazer que dorme...

      Eliminar
    2. Sem querer meter carga político-partidária (mas, se calhar, até há...) no assunto, diria que não é "O" Governo que anda a dormir, é "ESTE" (des)governo que gosta de olhar para o lado.

      Eliminar

PUBLICIDADE