segunda-feira, 9 de junho de 2014

Sporting, entre a razoabilidade do diagnóstico e a dificuldade da terapia !...



"... se Bruno de Caravalho quiser deixar um futebol melhor do que encontrou e sobretudo um Sporting melhor preparado para se defender, terá que deixar a sua zona de conforto, a dos discursos mais ou menos inflamados para jornalistas e adeptos e delinear uma estratégia que lhe permita atingir resultados práticos. Para isso precisa de massa critica indispensável para alterar regulamentos, ou simplesmente colocar pessoas idóneas no lugar dos comprometidos, o que não se consegue falando sozinho. Terá seguramente de escolher parceiros entre "os bons" e os "menos maus" que também não se revêem ou apenas estão descontentes com o estado de coisas. Terá qe ter paciência e alguma astúcia. Coleccionará derrotas antes de conhecer o sucesso.

Comparemos o famoso sistema - que não é o sistema do FCP ou do SLB, mas o de ambos - a um tumor que consome a saúde do futebol português. Alguém acha que um tumor se regenera por sua livre vontade ou que se elimina aos gritos?

Se o Sporting continuar a correr por fora, continuará fora do jogo da defesa dos seus interesses."


Embora haja algumas nuances a separar o meu pensamento, daquele que o Leão de Alvalade amiúde exibe no excelente blog leonino, A Norte de Alvalade, de que é co-autor, reconheço e admiro a elevada capacidade, que quase invariavelmente demonstra, no estabelecimento dos diagnósticos sobre inúmeras matérias sobre a vida do Sporting Clube de Portugal.

O excerto que apresento acima, do texto com que nos brindou no último post, é um exemplo dessa assertividade... no diagnóstico. Mas, há sempre uma mas em todas as questões importantes que nos envolvem, se ninguém "acha que um tumor se regenere por sua livre vontade, ou que se elimina aos gritos", que terapia utilizar para debelar tão maligna e nefasta excrescência?!...

Não acredito que o Leão de Alvalade possa alguma vez pensar, que a admitida candidatura de Vitor Ferreira, tenha acabado por cair por má avaliação ou inépcia de quem a idealizou, para de forma fácil deixar subentendida uma crítica que, ou será injusta ou corresponderá a uma avaliação pouco meritória para os ideólogos.

E nesta condição, atrever-me-ia a colocar-lhe a questão simples de saber se, conhecedor da traição verificada  com a "seara alheia", esse simples exemplo não será suficientemente elucidativo para explicar "outras traições" que porventura terão estado na origem e acabaram por precipitar, a queda da "nossa candidatura"?!...

Diz o Leão de Alvalade que, "se o Sporting continuar a correr por fora, continuará fora do jogo da defesa dos seus interesses"! Naturalmente que mais uma vez concordo com o seu diagnóstico! Mas, lá vem de novo o mas à baila, o que deverá fazer o valente e corajoso pegador de touros se, depois de avançar até meio da praça, desafiando com olés, o touro lindo e bruto, no momento em que o animal investe para si, olhar de relance para trás e todas as ajudas desapareceram e até o rabejador já saltou a trincheira?! 

Olho para a prescrição da terapia de Leão de Alvalade e vejo comprimidos de "abandono da zona de conforto", cápsulas de busca de "massa crítica indispensável para alterar regulamentos", injectáveis de "pessoas idóneas no lugar dos comprometidos", clisteres de "parceiros escolhidos entre os bons e os menos maus, que também estão descontentes", e vejo-me de novo empurrado para outra questão incómoda que me vejo obrigado a colocar ao Leão de Alvalade: onde fica a farmácia em que esses "medicamentos" possam ser aviados?! E se porventura ocorrer o milagre da sua aquisição, sobre quem, como e aonde levar à prática a necessária terapia?!

Qualquer clínico sabe que o diagnóstico será sempre mais fácil de estabelecer que, como diria a loura que todos conhecemos, o "conseguimento" da cura! E sobra a dificuldade, neste caso dramático do futebol português,  de conseguir a predisposição do doente para a cura. Na recusa - terá sido traição? - dessa "cura", de uma parte pouco significativa mas suficiente, dos 32 clubes que vegetam no triste pântano do futebol português, terá estado a revolta "escatológica" de Bruno de Carvalho. E o seu amargo, confessado e desanimado baixar de braços. Que não entendo merecedor de críticas, bem muito pelo contrário, por parte de nenhum sportinguista. O que o homem precisa é que saltemos para a arena e o ajudemos a pegar o brutamontes.

Porém, mesmo que essa resposta algum dia se vislumbre no horizonte sportinguista, temo que não haverá tão cedo outro remédio que deixar rebentar o tumor e esperar, pacientemente, que toda a zona envolvente se regenere.

A menos que, no secretismo dos aventais, decretemos e levemos à prática, uma guerra tão suja como aquela que nos é imposta. António Dias da Cunha, terá entendido que esse era o único caminho e rodeou-se da "massa crítica" mais apropriada à situação, para ser campeão, vencer a Taça de Portugal, a Super Taça e ser finalista vencido da Taça UEFA. Empurrado por sportinguistas(?), juntamente com José Peseiro, para fora de Alvalade, não conseguiu terminar a missão a que se propusera, ajudado pela "massa crítica", que também o acompanhou para o exílio.

Depois dele, o tumor voltou a ganhar raízes e hoje não haverá panaceia que dê cabo dele. Ainda está vivo, bem vivo, com muita saúde e é meu amigo, o dono da "massa crítica" que ajudou Dias da Cunha e desbravar "a selva"! Talvez ainda pudesse ajudar Bruno de Carvalho...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. A situação do futebol português só terá alguma possibilidade e regeneração, se aos poucos a CS se fizer eco (denunciando) da pouca vergonha actual que vem de trás e que para já...vai ficar na mesma, senão pior...

    Eu não vejo como o Sporting poderia "entrar" nos meandros do futebol para o tentar regenerar por dentro...

    Havendo a certeza da bipolaridade existente no futebol, em especial na possível direcção que se pré-adivinha, o que faria por exemplo um sportinguista honesto no meio de uma direcção assim...?

    Eu confesso que nunca teria"o estômago" necessário para aguentar uma situaçãao dessas...

    Por acaso já vislumbraram bem o que seria a vida desse hipotético elemento afecto ao Sporting...?
    "Estou a vê-lo de ideias na mão"...tentando explicar aos seus colegas de direcção os pontos de vista do Sporting e como esta ou aquela ideia seriam benéficas para a generalidade dos clubes...menos para dois é claro...!

    Passar-se-ia ao momento da votação..."era ver" a generalidade dos votantes a levantar a cabeça para os "dois mentores" e no fim da votação...
    5 votos contra e 1 a favor...

    Os olhares cínicos de alguns e os sorrisos sarcásticos de outros...e o olhar triste do nosso representante "sentindo-se" gozado e sem possibilidade de poder fazer pelo futebol português alguma coisa que o pudesse no mínimo credibilizar...

    Para além de prejudicados...ainda seriamos gozados...!!

    Assim não...assim mais vel ficar de fora...!!
    SL

    ResponderEliminar
  2. Via agora as notícias...

    Não deixa de ter a sua piada...então não é que...

    Mário Figueiredo único candidato aceite às eleições...!!

    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE