quarta-feira, 27 de abril de 2016

Que se vão os anéis, mas que fique Sebastian Coates!...


O EFEITO DE COATES NO SPORTING

«Sobram os exemplos de defesas-centrais que, bem cotados nos países de origem, se perdem quando atravessam o Atlântico. O talento não se esvai, trata-se apenas de adaptar qualidades genéticas desenvolvidas com o tempo a uma nova forma de entender a função. Nos anos 70, Marinho Peres gelou quando, no primeiro treino de conjunto no Barcelona, mestre Rinus Michels lhe disse para jogar 20 metros à frente do que fazia no Santos de Pelé e na selecção do Brasil, equipas das quais era capitão. Na década seguinte, um craque mundial como José Carlos Mozer levou meses a adaptar-se à complexa articulação colectiva dos movimentos defensivos porque só conhecia duas formas de jogar (em espera e no recurso ao contacto físico); Bermúdez, Luisão, Otamendi, Lisandro, Rojo (com breve passagem pela Rússia) confirmam que entre a chegada à Europa e a afirmação há um período de dúvida e aprendizagem.

Num jogo em que intimidar por presença, estilo, acção e prestígio pode fazer a diferença, Jorge Jesus preferiu estabelecer no eixo central defensivo correlação de forças entre um líder (Coates) e um jovem em formação que o complementa (Rúben Semedo) do que formar dupla a sair de um trio (Paulo Oliveira, Naldo e Ewerton) composto por jogadores mais evoluídos tecnicamente mas menos influentes na manobra colectiva. Coates é um central imponente, altivo, de presença dominante, cuja influência tem alastrado ao funcionamento da própria equipa. Não é só o comandante do sector recuado, é um futebolista de grande fiabilidade que não comete erros em acções relevantes e decide bem em mais de 90% dos lances em que intervém. Dono de personalidade forte e excelente jogo de cabeça (que exerce nas duas áreas), revela ainda articulação de excelência e técnica apreciável atendendo aos seus quase 2 metros (1,95 m).

Quando chegou a Alvalade, Coates já ultrapassara a fase de aprendizagem dos princípios que orientam o jogo no velho continente; tinha assimilado os padrões de referência de um futebol tacticamente mais evoluído e posto no devido lugar a cultura desenvolvida em quase todos os países da América do Sul, baseada na ideia de que defender bem é, acima de tudo, um problema individual. Durante décadas, os centrais oriundos desses países agiram como quem podia viver desempenhando missões estritas e avulsas, isto é, viver de cadeirinha à espera dos invasores para depois fazer apelo ao instinto muscular, de choque e perseguição sem qualquer estímulo à inteligência ou às mais elementares noções de equilíbrio e segurança. Aos 25 anos, está hoje preparado para uma potência europeia, certo de que terá de seguir as regras apertadas de uma ampla cooperativa com a qual tem de se comprometer, desenvolvendo um sólido espírito de solidariedade.

Mesmo depois de ter passado por Liverpool e Sunderland, poucas dúvidas restarão: Coates nunca esteve numa equipa tão estruturada como o Sporting de Jorge Jesus, cuja organização é composta por elementos tácticos sustentados em combinações complexas. JJ escolheu-o por qualidades técnicas, físicas mas também emocionais, de afirmação perante os companheiros e de intimidação sobre os adversários – é uma espécie de governador do território, que cumpre e faz cumprir em campo as leis definidas pelo treinador. Coates não é um craque analisado por parâmetros artísticos de relação com a bola e raramente se dá por ele nas tantas vezes deslumbrantes longas-metragens verdes e brancas. Mas é titular há mais de três meses e ainda não cometeu um erro grave, daqueles que outros, muito mais aclamados e com cotação de mercado superior, fazem semana sim, semana não. Com ele o leão defende melhor. Prova de que um excelente central também pode construir-se a partir de inteligência, discrição, eficácia, bom senso, físico e autoridade.»
(Rui Dias, De Pé para Pé, in Reocrd)


É um privilégio poder ter acesso às crónicas de Rui Dias, no jornal Record, independentemente do tom e da cor dos temas que escolhe estarem ou não mais próximos dos meus afectos. Porque sempre transparece a noção, pouco comum na classe a que pertence, da verdadeira essência do jornalismo.

Claro que me assiste o legítimo direito de apenas trazer para aqui os "bonecos que pinta de verde"! Haveria de ter graça fazer deste blog uma "central de propaganda adversa"! Mas o prazer que recolho do seu trabalho mesmo pintado de outras cores, atinge sempre padrões que muito raramente encontro noutros seus companheiros de armas. Talvez porque sinto em qualquer circunstância o mesmo equilíbrio, a mesma isenção, a mesma intenção de valorizar o que, segundo o seu prisma, deve ser valorizado e enaltecido.

Por isso e focando-me apenas nos tons esverdeados da sublime tela que hoje RD nos oferece, apetece repetir a sua conclusão de que Sebastean Coates "nunca esteve numa equipa tão estruturada como o Sporting de Jorge Jesus, cuja organização é composta por elementos tácticos sustentados em combinações complexas". E apetece ainda mais reflectir nas razões da escolha de JJ e nas suas consequências: "com Coates o Sporting defende melhor"!...

É por isso que face aos condicionalismos que envolveram a chegada de Coates a Alvalade e às consequências financeiras que resultarão do accionamento da respectiva cláusula de opção mas, tendo em conta a importância da sua continuação no plantel no futuro da equipa que ajudou a catapultar para o patamar de excelência que hoje se reconhece...

Que se vão os anéis, mas que fique Sebastian Coates!...

Leoninamente,
Até à próxima

P.S. - E tudo isto porque, para além daquilo que faz e representa dentro do campo, fora dos relvados Coates reafirma em cada momento a sua condição de "verdadeiro senhor", digno do leão rampante que ostenta no peito...

9 comentários:

  1. Creio que este senhor há dias... fez uma análise muito "curiosa"... a propósito das nomeações dos árbitros desta época... mas... "não gostei muito"...

    Maxim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu chamei a atenção para as cores dos quadros que de vez em quando pinta não serem do meu agrado. Mas as linhas mestras do seu jornalismo, creio que sempre as pauta pelos mesmos valores...

      Eliminar
  2. Sim e mesmo que com clubes estrangeiros, nunca fiando. O mundo dos "agentes" e compadrios nacionais/internacionais é demasiado complexo (não há nada que mais milhão, menos milhão não resolva) além de que os nossos rivais estão demasiado "batidos" a jogar baixo e sujo...
    Como os furões esperam que o incauto lavrador crie a galinha da melhor maneira que sabe e pela calada da noite, lá se vai mais uma.
    SL
    Basco "O Leão"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que teremos de redobrar esforços para, também "pela calada da noite", lhes enxamearmos o caminho com armadilhas letais. E nunca, mas mesmo nunca, andar por aí a apregoar tácticas e estratégias!...

      PELA CALADA DA NOITE E PELO SPORTING, SEMPRE!!!...

      Grande abraço, amigo "Basco"

      Eliminar
    2. Grande abraço amigo Álamo!
      Basco "O Leão"

      Eliminar
  3. Isto sim, é falar bem do futebol. E naturalmente um Blog do Sporting elogiará jogadores leoninos.

    Andei a dar uma volta por Blogs do Sporting que só falam de Benfica, árbitros e teorias da conspiração. Neste Post sente-se algo diferente. O próprio título, "Que se vão os anéis, mas que fique Sebastian Coates!" é elucidativo que há sportinguistas que começam a não acreditar no BdC quando ele diz que tem 2 almofadas e que não vai precisar de vender jogadores.

    Quando a gestão é boa, não é preciso grandes orçamentos para se terem boas prestações. Ainda há seis anos o Braga, com um orçamento muito inferior ao do Sporting, quase foi campeão. E veremos se ainda este ano o Braga não terá hipótese de entrar na pré-eliminatória da liga dos campeões por causa de algum castigo da UEFA à possível quebra do fair play financeiro por parte do Sporting.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Isto sim, isto é falar bem do futebol"!...

      O "ilustrérrimo" Leão de Plástico, vangloria-se de precisar apenas de 10 segundos, para reconhecer um "adepto benfas"! Pois eu lamento retirar-lhe a medalha, mas apenas precisei de ler o comentário do "anónimo das 16:50" para chegar à mesma conclusão!...

      Eliminar
    2. O anonimo deve pensar que é mais esperto do que os outros...coitado.
      Quando ao Coates também concordo, é para manter, custe o que custar. Centrais como este já não vemos em Alvalade á muitos, muitos anos! Ewerton, central de que gosto bastante mas que tem problemas físicos recorrentes, não pode por isso ser uma opçao valida. Naldo é muito caro para o que mostrou. Ficamos com Paulo Oliveira, Coates, Semedo e Tobias.

      Eliminar
  4. Por acaso acho o Coates bom, mas não estou completamente rendido. No aspecto ofensivo podia ser melhor. Ainda não marcou nenhum golo, acho. Teve um invalidado frente ao Rio Ave. E falhou um corte de cabeça no primeiro minuto do Sporting - Benfica, que foi uma falha que não se espera dele e, acho, contribui para intranquilizar a equipa até ao golo do Benfica. Claro, é nosso melhor central nesta altura.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE