terça-feira, 31 de março de 2020

Se eu fosse Presidente do Sporting, dava-lhe a mão!...


E agora, Rafael?

«Já escrevi no ‘CM’ sobre a triste saga do Rafael Leão, mas a excelente reportagem no Record de ontem levantou o véu sobre a trama que conduziu a este desfecho e justiça esta reprise. Se Rafael tivesse ficado no Sporting, era titularíssimo e tinha as portas abertas para a Selecção Nacional. A escolha dele conduziu-o a um obscuro Lille e a uma posição de subalternidade no decadente AC Milan.

De certeza que não era isto que ele queria, mas outros quiseram por ele, com os resultados que estão à vista. A ganância do lucro imediato, levou a que ninguém tivesse a clarividência de esclarecer o Rafael que a sua conduta pós-Alcochete, e a sua genuína disponibilidade para voltar ao Sporting, destruíam a justa causa de rescisão unilateral do seu contrato de trabalho com o clube, como o TAD veio a reconhecer.

Se o Tribunal da Relação confirmar este veredito, como se espera, dadas as circunstâncias, Rafael arrisca-se a ter um estatuto único no futebol: não joga para receber, joga para pagar. Alguém, de vistas curtas e impreparado, fez a cabeça do Rafael e destroçou-lhe um mais que merecido futuro promissor.

Eu aceito que os pais querem sempre o melhor para os filhos, mas a história do futebol está cheia de pais tiranos, que se intrometem e acabam por ser objectivamente lesivos para a carreira dos seus rebentos. Veja-se o caso do Zivkovic, cuja intransigência parental levou a que passasse de jogador importante do Benfica à situação de descartável sem jogar.

É difícil de prever como se vai resolver este imbróglio, mas uma coisa é certa, vai sobrar para o Rafael, metido em alhadas por que um jogador da sua qualidade,não tem que passar.

As questões contratuais e desportivas dos profissionais de futebol são crescentemente complexas e não podem ser deixadas ao voluntarismo familiar. Jorge Mendes é caro, mas defende competentemente os seus agenciados, como a recente transferência do Bruno Fernandes bem o demonstra.

Ao menos sirva este caso de lição para os muitos aspirantes a vedetas, mal aconselhados e que estragam carreiras por questões que não têm a ver com o seu talento desportivo.

Porque aqueles que tão mal aconselharam o Rafael Leão não o vão seguramente ressarcir.»
(Carlos Barbosa da Cruz, O Canto do Morais, in Record, hoje, às 18:11)

Só vejo uma forma de Rafael Leão poder regressar à "estaca zero" e voltar a sonhar com uma carreira de "gente decente", como se lhe augurava antes de fazer a merda que fez, consubstanciada em quatro pontos fundamentais:

1- Conseguir a rescisão amigável com o AC. Milão;
2 - Conseguir tocar o coração de Frederico Varandas;
3 - Regressar a casa, qual "filho pródigo", da parábola de Jesus Cristo, sem quaisquer direitos e com todos os deveres;
4 - Assinar um contrato de 10 anos com o Sporting, com salário igual ao mais baixo de todo o plantel profissional do Sporting.

Se eu fosse Presidente do Sporting, dava-lhe a mão!...

Leoninamente,
Até à próxima

4 comentários:

  1. É preciso perceber o contexto sociológico em que têm origem estes jogadores. São subjugados pelo mais velho, pelo curandeiro e pelo feiticeiro da tribo e não são verdadeiramente autodeterminados, mesmo quando “maiores e vacinados”. Estão sujeitos a influências que o comum cidadão branco ocidental do hemisfério norte não entende.
    Por isso tantos tomam estas decisões influenciados or indivíduos cujo único interesse é usar o jogador como um agricultor de um país subdesenvolvido usa uma vaca ou um cavalo. Para trabalhar e dar rendimento. O próprio (a besta de carga) não tem voto na matéria, tantas vezes nestes casos. São casos sem retorno. Para o Sporting o único retorno que interessa mesmo é o financeiro, que se espera que a justiça reponha a nosso favor. O jogador transferiu-se para um clube que o vendeu por 30M€, sabendo que o desfecho podia vir a ser este. Dinheiro para pagar existe e há quem tenha beneficiado e bonificado com o assunto. O tal presidente do Lille que jurava a pés juntos que o jogador era livre e nunca pagaria um cêntimo pela sua transferência. Esse é um bom candidato a devedor da indemnização que o jogador pode ter de pagar ao clube de onde saiu à má fila e que já encaixou, revendendo-o logo que lhe foi possível. De certeza que quando assinou pelo Lille o advogado que aconselhou o jogador previu a possibilidade e a deixou estampada no contrato. Se não o fez, é outro bom candidato, tal como o empresário, a pagar ao Sporting aquilo que é devido ao Sporting...
    Pena nenhuma dessa gente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este meu postal não foi determinado por qualquer pena que tenha de toda esta gente. Apenas pensei que, depois de todas as 'danças e contradanças' a que iremos assistir neste caso, o condenado a indemnizar o Sporting, nem 1 milhão terá para pagar ao Clube. Nessa altura, provavelmente intervirá a FIFA, determinando que o jogador não possa jogar até saldar a dívida. Significará isso, então, dois prejuízos: o Sporting nunca verá dinheiro algum e a carreira do jogador terminará aí!...
      Talvez possa haver uma forma de reduzir perdas em ambas as partes.

      Eliminar
  2. Bem sei. Mas tenho as maiores dúvidas. Uma coisa que ninguém explica é como é que o Lille pode lucrar 30M€ com Rafael Leão, ou o AC Milan pode lucrar com a revenda do passe do jogador, quando este não saiu do Sporting de forma regular e a transferência devia ter sido paga. Portanto, alguém tem um saco com dinheiro reservado para esta contingência. Quanto a isso, não tenho dúvidas, porque as transferências no futebol internacional envolvendo clubes como Lille ou AC Milan não são feitas assim tão a trouxe-mouxe..o futebol é um negócio de contratos intrincados, offshore, e milhões. Ninguém no seu juízo perfeito e muito menos os advogados arrisca um milímetro nestes casos. Alguém tem o saco do dinheiro e se o caso for em definitivo julgado favoravelmente ao Sporting, ele vai aparecer. Agora, ver Rafael Leão outra vez no Sporting é wishful thinking, acho. Mas era interessante e prova de que os tempos teriam mudado. Será que mudaram?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou capaz de negar que me parece que o caro João Gil terá uma boa parte da razão, senão mesmo toda. Contudo faz-me alguma confusão, a menos que tenha ficado alguma salvaguarda secreta na mão do jogador, que alguém agora assuma de forma altruista a dívida deste para com o Sporting. Sinceramente, a não se verificar essa remota hipótese, do lado do jogador e familiares, já nem tostões haverá, quanto mais milhões! A alternativa que aventei no meu postal, sei que é poética, muito lírica mesmo, mas, como dizia o outro, "desde que vi um porco andar de motocicleta"...
      Finalmente, ver o RL no Sporting, impressionar-me-ia menos do que o Pacheco, o Paulo Sousa, o Sousa, o Fernando Gomes ou até o Jaime Pacheco! E no entanto, todos passaram por Alvalade...
      Cá estaremos para voltar ao assunto que, prometo, quando houver mais desenvolvimentos, voltarei a lançar à discussão...
      SL

      Eliminar

PUBLICIDADE