segunda-feira, 1 de junho de 2015

Isenção de um jornalista, nunca será esconder o seu grande amor!...



"À entrada do último quarto de hora dos 90 minutos da final da Taça de Portugal, muitos sportinguistas que estavam no estádio começaram a abandonar o Jamor. Nas bancadas ainda permanecia, irredutível, uma enorme mancha verde, que gritava, cantava e acreditava. No relvado, dez leões, melhor, dez superleões, continuavam à procura daquilo que parecia ser impossível.

Essa força, aliada ao talento, claro, foi determinante para que os leões, aqueles que acreditaram até ao limite, arrancassem uma vitória épica. Com impressionante lucidez, Marco Silva disse, já com a medalha de vencedor ao peito, que o Sporting tinha perdido objectivos nos últimos minutos de jogos. Recordou o roubo de Gelsenkirchen com o Schalke e a vitória perdida no dérbi com o eterno rival em Alvalade. Desta vez, o último minuto da final do Jamor não tendo oferecido logo a vitória ao Sporting, salvou-o da derrota e deu-lhe empurrão decisivo para a conquista.

Esta final do Jamor vai definitivamente ficar para a história. Não apenas porque foi a primeira vez em 75 anos que a taça se decidiu através de pontapés da marca de grande penalidade, mas também porque representa a quebra de um jejum leonino que não seria justo prolongar-se por mais tempo. Acima de todos, são os adeptos – mesmo aqueles que começaram a desertar do Jamor face a uma iminente desilusão que não seriam capazes de testemunhar – que merecem esta conquista, mas obviamente também os jogadores, os treinadores e, claro, os dirigentes liderados por Bruno de Carvalho..."
(António Magalhães, Entrada em Campo in Record)

Um abraço António Magalhães! Às urtigas a pretensa, hipócrita, falsa isenção com que tanta gente por aí gosta de vestir um director de jornal! Mas porque há-de acontecer assim, apenas com aqueles que vêem obrigados a esconder sob a camisa o símbolo do "leão rampante" tatuado no peito, enquanto que outros descem quotidianamente ao último degrau da escala da dignidade?! Não, não e não!...

Isenção é outra coisa! Isenção é chamar "os bois pelos nomes", mesmo que doa dizer a verdade que nos magoa o coração, apenas porque é... VERDADE! Nunca será esconder a alegria que nos inunda, apenas para... "FAZER DE CONTA"!...

Camões disse-nos que "Amor é senhor grande e não se manda"! Eu acrescentarei que não se deverá jamais... esconder! Pelo facto de muitos e muitos jornalistas "esconderem o seu amor", é que outros tomaram conta de uma comunicação social ignóbil, que toca o extremo da parcialidade! Talvez esta sofrida vitória ontem alcançada no Jamor por aqueles "dez leões, melhor, dez superleões, (que) continuavam à procura daquilo que parecia ser impossível", possa ser o ponto de partida, o "grito de Ipiranga", de todos os leões que não o serão menos, só porque o talento da escrita também mora dentro de si! Isenção de um grande jornalista nunca será... "esconder o seu grande amor"!...

Leoninamente,
Até à próxima

Sem comentários:

Enviar um comentário

PUBLICIDADE