quinta-feira, 4 de junho de 2015

O "manager" Jorge Jesus!...


No meio do "caos" deste inusitado "day after" que se vai vivendo em todo o universo sportinguista e, "pour cause", neste pantanoso futebol português, permitam-me que coloque algumas reservas sobre o novo "paradigma" que Jorge Jesus terá imposto como condição "sine qua non", para o seu regresso, agora como técnico reputado, de armas e bagagens a Alvalade.

E as minhas reservas não apontam na direcção de Jorge Jesus, e ainda menos da filosofia que pretenderá implementar em Alvalade e que negocialmente terá exigido para tão inusitada quanto corajosa travessia da rua. Ao que se vai sabendo e a triunfarem as suas ideias, será uma verdadeira pedrada no charco pantanoso em que se tem atolado o futebol português, este caminho há tantos e tantos anos descoberto pelos inventores deste fantástico desporto de massas e cujo exemplo maior nos foi oferecido por esse grande senhor do futebol mundial que foi e felizmente ainda é... Alex Ferguson.

O terrível "nó górdio" que Jorge Jesus terá de se esforçar por desatar, correndo riscos difíceis de avaliar, acabará por estar, inevitávelmente, no presidente do Sporting Clube de Portugal, na sua personalidade truculenta, narcísica e quase ditatorial e no seu incontornável e incontrolável modo de ser "adepto juve". Aí estará o grande desafio de Jorge Jesus e, se quisermos ser mais justos e abrangentes, de Bruno de Carvalho.

O papel de "manager", indiscutível e plenipotenciário que Jorge Jesus reclama para si, não me parece de fácil exequibilidade. No primeiro "round", ainda antes de percorrer a passadeira verde que o conduzirá ao seu novo reino, a Academia Sporting", parece ter obtido uma vitória retumbante e... a zero: Augusto Inácio estará de saída, o banco de suplentes exportará para a tribuna presidencial quem sempre lá deveria ter estado e alguns atletas candidatos à emigração, vão ter que cumprir os contratos até ao fim ou, quiçá, pensarem seriamente na renovação se não quiserem dar cabo da sua carreirta.

O resto, pois o resto veremos se as reservas farão algum sentido!...

Leoninamente,
Até à próxima

18 comentários:

  1. Continuo ainda a refazer-me do choque e claro a tentar entender todo o "panorama"

    Uma das questões que mais me incomoda é a saida de Inacio e principalmente se essa saida é imposição de JJ

    Hoje os jornais dizem que sim - há 2 semanas diziam outra coisa

    http://www.zerozero.pt/noticia.php?id=155356

    EM que ficamos ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jorge Alemão, utilizando a sua feliz expressão, creio que uma grande parte dos adeptos sportinguistas ainda não terá "absorvido" na sua verdadeira dimensão todo o... "panorama"! Será porventura o meu próprio caso. Mas de uma coisa já adquiri a convicção "suficiente": desde o ingresso de João Pinto no Sporting, que Alvalade não provocava tamanha hecatombe nas "hostes benfas"! E nestas, os maiores e mais lancinantes gritos de dor, ouvem-se em toda a CS controlada pela "central de propaganda vermelha", que se vem servindo dos mais reles e falaciosos argumentos para menorizar e branquear o tremendo estado de atordoamento com que se viu confrontada!...

      Quanto aos danos colaterais que o "panorama" provocou, sempre foi assim em todas as "revoluções" e sempre assim continuará a ser: pelo caminho ficam sempre culpados e inocentes!...

      Apesar das minhas reservas sobre o "panorama", acredito que poderá ter sido dado um passo importante, quiçá decisivo, na recolocação do Sporting no lugar que sempre foi o seu!...

      Eliminar
  2. Estou triste. Perante MS sinto vergonha (talvez porque também nos sentimentos e na ética os sportinguistas sejam adeptos diferentes dos rivais) pela forma como o meu clube o tratou na pessoa do seu presidente. Espero que o Sporting fique a dever a BdC a sua salvação do desastre financeiro em que estava atolado pela má gestão crónica, e o renascimento enquanto clube viável e com futuro. Mas não será fácil esquecer os dislates presidenciais, a falta de transparência de processos e de solidariedade com os grupos de trabalho, a enorme dificuldade de dialogar (tem uma atitude arrogante e autocrática que geralmente leva os gestores ao insucesso (os grandes gestores sabem ouvir os outros depois formam a sua opinião e decidem, geralmente de forma ajustada)) que se em algum momento falhar o rigor de gestão em curso, sua e nossa grande conquista, levará inevitavelmente à sua queda. BdC deve ter sempre consciência que tem o apoio de grande maioria dos sportinguistas porque nos trouxe de novo a esperança de futuro e a dignidade perdida, embora uma grande maioria de nós não se reveja na forma com tem tratado eticamente as questões do foro desportivo nomeadamente a relação com os líderes maiores do futebol profissional, desde Jesualdo passando por Jardim e acabando em Marco Silva. O que se passou na relação com este jovem e talentoso treinador (ainda no passado domingo, perante todas as adversidades decorrentes do jogo soube actuar táctica e psicologicamente de forma a introduzir as alterações que a evolução da partida lhe impunha para chegar ao triunfo) é vergonhoso para nós sportinguistas. Marco Silva ficas no meu coração e no de muitos sportinguistas, quiçá uma grande maioria. Quanto a J.J., um treinador mais de vocação do que formação, sempre teve a minha admiração e restará saber que relação será possível estabelecer com um presidente como BdC. Acho que mais uma vez, nos futuros conflitos estaremos do lado do treinador, como sempre estivemos, porque BdC é autocrata, juveleo fanático e não solidário, e desrespeitador das regras que devem presidir às relações de um líder com as equipas que lidera e das pessoas que as compõe. Quanto tempo terá J.J sem que o presidente deixe de dialogar e o vote ao ostracismo. Quanto tempo aguentará Jesus? E nós e os nossos sentimentos que respeito merecerão ao presidente? Adeus Marco com um grande abraço de gratidão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estimado Amigo Vitor Cruz, que sejas bem vindo a este cantinho e que o tenhas feito porque de volta e com saúde ao teu "estado normal" de crítico sábio e profundo conhecedor da matéria em causa.

      Concordo quase integralmente com o teu comentário. Excepto no endeusamento da figura de Marco Silva, por várias razões que agora não virão ao caso, mas muito particularmente porque são do meu conhecimento pormenores da sua actuação enquanto técnico do Sporting, que pouco abonam em favor das suas apregoadas verticalidade e nobreza de carácter. Se procurarmos ser justos e equidistantes, jamais alinharemos com a "boa imprensa" que colocou as "asas de anjo" em MS e os cornos de Bezebu em BdC. Bastará para tal, que nos lembremos onde começou o desentendimento entre o presidente eo treinador e fixar-nos-emos no primeiro jogo amigável de preparação da época, em que a Doyen "proibiu" a utlização de Marcos Rojo - então em processo de transferência para o MU - e BdC informou MS de que jamais aceitaria a ingerência do fundo nas decisões desportivas do Clube, com o técnico a desobedecer e a desprezar a recomendação do "seu presidente" e a não utilizar o argentino, em clara obediência ao seu empresário e aos interpostos ditames e interesses da Doyen. Aí começou o "divórcio" que só agora se consumou. Deveria o divórcio ter acontecido logo nessa hora?! Hoje sabemos que teria sido preferível. Mas o que não teria dito a CS se BdC o tivesse feito e com toda a razão, nessa hora?!...

      Adeus Marco e oxalá continues a ir por anjo na procissão. Há quem suba na vida por esse caminho. Mas não esqueças que o azeite sempre será menos denso que a água!...

      Espero que me perdoes a frontalidade, meu grande amigo. Mas penso que no meio da nossa amizade sempre coube e continuará a caber, perfeitamente, a diferença nos ângulos com que se observa o prisma.

      Grande abraço

      Eliminar
    2. Prezado Amigo,
      Enquanto o Álamo ou outra fonte não confirmar essa alegada falta de verticalidade e nobreza de carácter de MS, conhecendo o que conheço da personalidade narcísica e prepotente de BC, aquele continuará a merecer-me todo o apreço, desculpe que lhe diga.
      Se tiver razão, humildemente colocarei a corda ao pescoço!
      Ouvi há pouco em directo na RTP Informação alguns sócios e adeptos do Sporting e BC vê a sua popularidade e idoneidade muito em baixo. Um empresário, devidamente identificado, de 68 anos, apresentou a sua demissão de sócio. Paciência, Amigo, andamos todos enganados. A ser assim, é culpa de quem?
      Um abraço, a discordância sobre este ponto não altera em nada o que penso de si.
      Abraço, extensivel ao Vitor Cruz que, obviamente, merece o meu apoio!

      Eliminar
    3. Meu grande amigo: tenho por hábito deliberado não ler jornais desportivos, e recebo as notícias sem muito desenvolvimento via Net. Aliás acho uma perda de tempo viver em função daquilo que os escribas da praça, quase sempre hostis ao meu clube, emanam e fabricam no dia a dia. Daí muitas das minhas opiniões e posições serem pouco influenciadas pela CS. Sobre a questão que agora publicas sobre uma situação de desautorização de BdC pelo treinador, com a não utilização de Rojo e que servirá para justificar tudo o que se passou nestes últimos 6 meses, não conheço detalhes nem contornos para ter opinião, já que em si o facto de um treinador não utilizar nos jogos de preparação da época, por pura opção técnica, um atleta que tudo indicava ía sair do grupo, optando por outro do plantel com o qual contaria no futuro parece-me a coisa mais natural do mundo e da exclusiva esfera do treinador. Eu faria o mesmo. Aliás até há umas semanas atrás tu também não descortinavas tantas razões para a hostilidade a MS por parte da estrutura, parecendo-me que terás agora mais informações para além da que referes para pôr em causa a "verticalidade e nobreza de carácter" do dito treinador. Para mim até prova em contrário MS é mais um dos grandes técnicos que passaram por Alvalade (o que vi nele esta época foi suficiente, considerando que fui um daqueles que no início torci o nariz quando BdC o contratou (por 3 anos) para substituir Jardim. Mas reafirmo que me sinto envergonhado como sportinguista, pela forma como esta novela se desenrolou. E triste....

      Eliminar
    4. Obviamente que não poderia ter outra forma de olhar para o comentário do amigo JMF, que não fosse com o devido respeito. A resposta que apresentei ao meu amigo desde a infância Vitor Cruz, não foi inventada por mim: vem exactamente nos mesmos jornais que fazem a apologia da verticalidade e nobreza de carácter de MS, sendo por isso públicas as razões da divergência a partir dessa altura.

      Acresce que há pouco foi divulgada pelo Sporting a rescisão do contrato com MS, invocando justa causa. Estaremos todos então em posição de concluir, quando os tribunais decidirem a justeza, ou não, das razões de justa causa invocadas. Se o Sporting for condenado a pagar a indemnização correspondente por inexistência de justa causa, então eu darei a minha mão à palmatória. Até lá e porque recuso o papel de juíz e muito menos quando não tenho dados nem provas na minha mão, a palavra de MS vale tanto quanto a do Sporting. Como afirmei ao meu amigo Vitor Cruz, a experiência de vida ensinou-me que tanto haverá santos como pecadores. Já não me deixo seduzir por palavras bonitas e quanto mais fui ouvindo MS a dizer que tinha mais 3 anos de contrato, mais fui colocando ambos os pés atrás!...

      SL

      Eliminar
    5. Sim grande e estimado amigo Vitor Cruz, até há alguns dias, nunca encontrei razões que justificassem as divergências entre presidente e treinador, que sempre atribuí à personalidade narcísica e truculenta de BdC. Mas o jornal Record publicou, já depois da Taça, uma razoável lista de acontecimentos que terão ditado o afastamento entre os dois. http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Sporting/interior.aspx?content_id=952685 Desconheço as fontes, mas MS não veio fazer qualquer desmentido público, ao abrigo do direito de resposta que a Lei de Imprensa permite. Acresce que há momentos o Sporting invocou justa causa para a rescisão do contrato com MS. Os Tribunais hão-de dizer-nos de que lado está a razão. Por mim, recuso o papel de juíz, tanto na condenação quanto na absolvição seja de quem for.

      Grande abraço

      Eliminar
  3. E sobre tudo isto disse Dias da Cunha:

    «Para mim, o presidente do Sporting vai para um manicómio. É uma absoluta loucura. Primeiro porque o Marco Silva é um excelente treinador, tem contrato por mais três anos e seria a estabilidade que o Sporting precisa. Depois, como é que o Sporting, com as condições que tem, pode pagar ao Jorge Jesus aquilo que o Benfica não pôde continuar a pagar?», questionou o antigo líder do clube de Alvalade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazer fé na justeza e bondade da opinião de António Dias da Cunha, antes de ouvir uma única palavra da boca dos responsáveis por toda esta operação, será o mesmo que "colocar o carro à frente dos bois"!...

      Para além do mais, acusar de loucura quem ainda nem sequer abriu a boca, não será demonstração inequívoca de integridade e carácter, antes sugere puro "revanchismo" e desenfreada azia que, bem analizadas as circunstâncias, talvez não sejam de estranhar. Talvez, quem sabe, muito brevemente o possamos compreender melhor...

      Eliminar
    2. Ouvi as declarações de ADC cerca das 14 h., talvez um pouco menos e pareceu-me ouvir uns risos, em fundo. O próprio ADC pareceu que ria, enquanto insultava BdC.
      Talvez a hora a que falavam justifique o que foi dito...
      Concordo consigo, amigo Álamo, é vingança, não só em nome pessoal, como será, também, em nome de uns quantos ex-presidentes - foi ontem, salvo erro, que li uma notícia sobre a venda de imobiliário nos últimos anos, referindo que os auditores haviam encontrado anomalias graves quando cruzaram valores e documentos.
      Se Bettencourt parece estar de fora, parece haver casos para o Ministério Público se entreter...
      Pois é, até ver, ADC, sucessores, antecessores, MS, são todos os uns anjinhos que, com asas brancas, são os anjinhos papudos na procissão.
      BdC, obviamente, é o diabo.
      Não gosto do JJ e, ou muito me engano (o que é fácil, para ser sincero...), ou vai fazer muita asneira - e vamos a ver como vai tratar (aproveitar) a Formação.
      Gostava de MS, a equipa muitas vezes jogou entre bem e muito bem, mas faço minhas muitas, muitas, críticas que lhe eram dirigidas: a equipa não sabia aproveitar as bolas paradas, os jogadores rematavam pouco e mal. Defendíamos mal - quantos golos sofremos na sequência de pontapés de canto a nosso favor? Pois, foram vários.
      E sobre a formação, quantos jovens promoveu MS?
      Estou em crer que JJ vai ter tomates para aproveitar uns 3-4 e fazer deles o que têm vindo a prometer.

      Eliminar
  4. Eu sei que o tópico é sobre JJ, mas importa destacar a entrevista de Leonardo Jardim hoje ao Jogo e o que refere sobre Bruno de Carvalho:

    https://i.imgur.com/ToZded9.jpg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa entrevista que desfaz vários "tabus" e revela alguns "segredos" de Jardim. Gostei.

      Eliminar
  5. Na 1ª candidatura à direcção do Sporting, Bruno de Carvalho aposta em Van Basten para treinador da equipa principal de futebol, adiantando ainda que a táctica de eleição era o 4-3-3, transversal a todas as equipas dos restantes escalões. Na 2ª candidatura, apresenta dois homens fortes para o futebol: Augusto Inácio como director e Virgílio Lopes como líder da formação. Ainda havia um terceiro homem que não se podia revelar durante a campanha, mas parece que entretanto já não fazia falta. Após vencer as eleições, Bruno depara-se com Jesualdo Ferreira como técnico principal, um treinador meramente reconhecido pelo seu trabalho com jovens jogadores, e com créditos firmados no futebol português, sendo campeão pelo FC Porto. Era portanto um homem que se enquadrava no "projecto" de Bruno, havendo até vontade por parte de Jesualdo em permanecer em Alvalade. Ao que parece, e tudo indica que sim, Jesualdo não aceitou as condições que lhe foram impostas, em que tinha que se preocupar única e exclusivamente com a equipa principal, ficando as contratações e a gestão da formação a cargo dos homens fortes em que Bruno apostara. Sai Jesualdo, vem Leonardo Jardim, que fez uma excelente época pelo Sporting mas infelizmente decide abraçar um novo desafio para a sua carreira em terras monegascas. Bruno escolhe, e bem, Marco Silva para suceder o treinador madeirense. É assinado um contrato de 4 épocas, sinal de que o ex-estorilista fazia parte de um "projecto" ambicioso assente numa estrutura directiva acérrima. Chega ao final mais uma época, Marco Silva faz um excelente trabalho, mas infelizmente vai-se embora porque terá feito qualquer coisa que desrespeitou o presidente, mas que nunca nenhum sportinguista irá compreender, por mais malabarismos sejam elaborados na comunicação social. Entra então Jorge Jesus, um excelente treinador, é verdade, mas que demonstrou que não é de apostar na formação, uma das bandeiras de Bruno de Carvalho na sua candidatura à presidência do Sporting. E parece que a estrutura anterior não era assim tão forte, já que a pedido de Jesus, Inácio deixa de mandar no futebol do Sporting, e este ou irá ter o mesmo papel de Rui Costa no Benfica, ou sairá mesmo do clube, alegando que só saiu porque tinha saudades de treinar. Isto para finalmente dizer que, afinal de contas não há nem nunca houve um projecto para o futebol, havendo constantes mudanças, o que mostra uma grande incoerência por parte de Bruno de Carvalho, não se proporcionando condições para se instalar um ambiente estável no seio da equipa principal. Bruno de Carvalho, em quem eu votei, tinha (no papel) ideias claras e concisas para o futebol do Sporting. Como as coisas mudam…Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro André Bastos, votei em BdC nas duas eleições a que concorreu. Para grande surpresa minha, vi-me forçado a modificar a minha opinião sobre a sua personalidade ao longo destes 26 meses de mandato. Sou hoje, embora reconhecendo-lhe o mérito em determinadas vertentes, um severo crítico do seu comportamento truculento, narcísico e ditatorial, facto que me impede de alinhar na corrente de apoio ao "querido líder". Distanciei-me e hoje analiso a acção de Bdc apenas e tão só, tendo em atenção os interesses do Clube de toda a minha vida. Não tenho dados que possam suportar a diabolização de MS ou de BdC na "guerra" que o presidente parece acabar de vencer, com a rescisão com justa causa. Vou esperar pela decisão dos Tribunais.

      Sobre JJ, tenho opinião diferente e entendo-o como um dos melhores treinadores portugueses da actualidade e não cabe no meu raciocínio a ideia de que os seus atributos sejam incompatíveis com a ambivalência do projecto que BdC sempre defendeu: primeiríssimo lugar ser campeão, logo seguido do aproveitamento da excelente formação leonina.

      O texto que escrevi e que serviu de mote a esta nossa agradável troca de ideias, baseia-se na ideia que retirei do projecto que JJ entendeu apresentar a BdC como condição "sine qua non" para assinar pelo Sporting. E nele não cabe Augusto Inácio, que no dia 1 de Julho abandonará, ao que se sabe, o Sporting.

      Sobre o êxito ou inêxito que esta magistral jogada - assim a interpreto pelo enfraquecimento do maior rival e robustecimento nosso - de BdC terá no futuro, só o tempo nos trará a resposta...

      Cumprimentos.

      Eliminar
  6. O LEÃO VOLTOU A RUGIR!!!!!

    ResponderEliminar
  7. Bruno de Carvalho, se dúvidas houvesse, definiu-se como um homem minúsculo que é. Há muito que entrou em guerra com o Marcos Silva e não tendo coragem para enfrentar os sócios do Sporting que estavam ao lado do treinador, mandou avançar um peão de brega que dá pelo nome de Eduardo. Recolheu da rebo entre as pernas até ao final da época futebolista. Por azar seu, o Sporting até ganhou a Taça de Portugal. Um troféu que andava arredado há 7 anos.
    O sonho dele era Jorge Jesus. Sem dúvida um bom treinador, que por acaso até se diz sportinguista. Aproveitou o clube rival não estar em condições de continuar a pagar 4 milhões anuais ao treinador e sem esperar que as conversações entre JJ e o benfica fossem encerradas, toma lá 6 milhões e vem para o Sporting. A dignidade do Jesus está ao nível do BC. Farão uma boa equipa. Gostava de ver JJ a entrar de uma forma digna no Sporting. Mas mais gostava que a saída de Marco Silva fosse feita com elevação e dignidade que já foram apanágio no Clube. Justa causa de rescisão? Só para arrastar o processo nos tribunais e quando o Sporting for condenado a pagar muito mais do valor que agora teria de pagar já o homem minúsculo não será dirigente do clube. Assim o espero.
    (Então como explicar agora tudo o que foi dito contra os fundos no futebol? E a Doyen...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó homem, à falta de comprimidos, emborque umas quantas colheres de açúcar, fazem o mesmo efeito!
      Já agora:
      que têm os fundos de futebol e a Doyen com o caso dos treinadores?
      o salário de JJ já vai em 6 M€? Começou em 3, horas depois ia em 3 líquidos (quase 6, brutos), agora o caríssimo fala em 6... Lá para sábado, vai estar ao nível de Mourinho!!!

      Eliminar

PUBLICIDADE