segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Leão atento ao mercado?! Pois...



Estabelecido um "armistício" de mais do que duvidosa eficácia e perante uma tão inconveniente paz, naturalmente lesiva dos seus interesses, pela redução drástica de matérias sensacionalistas, os tablóides desportivos, para além do tema candente da inauguração da Avenida Eusébio da Silva Ferreira, vêem-se na necessidade de "dar palha aos burros"!...

Só que já lá irá o tempo em que os burros comiam papel! Já nem as cabras hoje estarão para isso, com a celulose a escassear na base do produto em que actualmente se vão publicando estas "não notícias"!...

O meu cepticismo assemelhar-se-à àquele que Marco Silva espelha na feliz imagem que alguém terá captado, se calhar depois de uma azelhice igual ou semelhante às que Sarr e Maurício protagonizaram na Eslovénia! Porque além de não ser tempo de melões, parece escassear em Alvalade aquilo com que se compram!...

Cá para mim, melhor fora que, em vez de "calcorrear mundo" em busca de dar com os "burros na água" com soluções de quase certa falibilidade, tratássemos de encontrar um remedeio com a prata que temos em casa. Sempre se poupava alguma coisa e ficávamos com a cabeça descoberta, sem barretes ou gorros de lã, como já enfiámos antes...

Leoninamente,
Até à próxima 


5 comentários:

  1. Caríssimo Álamo:

    "Há coisas que me dão tanta pena" é a magistral frase com que a sublime e infelizmente pouco reconhecida, para a qualidade que tem, Agustina Bessa-Luís, inicia um dos seus romances.
    Deu-me pena hoje ver tanto alarido à volta da abertura de uma avenida.
    Não está em causa o mérito do atleta de eleição que foi Eusébio, mas parece que, antes dele, não houve futebol em Portugal.
    Fico triste com o pouco poder que o Sporting tem, para não conseguir ter uma avenida com o nome de Fernando Peyroteo, o maior avançado de sempre do futebol português, ponto por ponto em qualquer comparação directa, se retirarmos o fenomenal Cristiano da equação.
    Realmente, ter um presidente da Câmara lampião dá um jeitaço.

    Um Abraço grande,

    José Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo amigo José Lopes, esquece o país em que vivemos?! Compreendo o seu sentimento e na realidade Agustina está certa: "há coisas que nos dão muita pena"!...

      Mas na pequenez dos nossos políticos, António Costa será o paradigma do benfiquismo bacôco! Ele sabe como Vilarinho pagou a factura do perdão fiscal da dívida vermelha, através de papeis inegociáveis e sem valor na bolsa. E sabe o que esta pequena "nuance" lhe poderá render em termos de votos, dentro de alguns meses!...

      Ao contrário do meu amigo e espero que me perdoe por isso, não fico triste pelo facto de o nosso Sporting ficar de fora deste "carnaval"! Não haverá melhor sítio para homenagear Peyroteo, que o coração dos sportinguistas de ontem de hoje e de amanhã. Passaremos essa mensagem aos nossos filhos, netos e bisnetos e Peyroteo nunca será esquecido, enquanto que me assistem muitas dúvidas acerca de quantos benfiquistas saberão o que foi e o que representa o nome que a placa da avenida ostentará, dentro de 50 anos.

      Mas recomendo que o meu caríssimo amigo se vá preparando, porque não há-de demorar muito para o assalto definitivo ao Panteon Nacional! Está-lhes no sangue!!!...

      Grande abraço e SL

      Eliminar
    2. Amigo José Lopes. Escrevi e justifiquei, um dia algures que Eusébio foi e provavelmente na minha vida que já não será muito longa continuará a ser o melhor futebolista português de todos os tempos e um dos 3 melhores futebolistas do mundo de todos os tempos. Mas Eusébio, como antes Peyroteu, viveu no Portugal do Estado Novo, isolado do mundo, na altura em que a selecção portuguesa era uma equipa equivalente ao nível que hoje terá uma Albania, sem nunca ter participado numa fase final de uma competição internacional. A excepção foi 1966 onde Eusébio arrastou a selecção para um 3º lugar (essencialmente porque os ingleses fizeram batota e a portuguesa foi afastada da final), mas como antes, nunca, se bem me recordo, até ao fim do Estado Novo tal voltou a acontecer. A maior parte das competições que Eusébio jogou, à excepção da Taça dos Campeões Europeus, e desse mundial, não foram vistas pelo Mundo, porque as transmissões televisivas eram raras e ocorriam nos grandes eventos. Quase poderia afirmar que se Eusébio fosse deste tempo (tal como Pelé aliás...) com as metodologias de treino actuais, a protecção disciplinar das regras actuais, e a cobertura mediática global, Eusébio seria um fenómeno extraplanetário... Tive a felicidade de ver ao vivo ambos aqueles fenomenais jogadores, e no meu coração, tal como na dispensa irresponsável de Robson, na ligeireza inconsciente de Sousa Cintra relativamente a Futre, e na falta de coragem de Luís Duque para impor Mourinho, terá sido o desmazelo e falta competência dos dirigentes do nosso Sporting do início dos anos 60, sem trazerem Eusébio do Sporting de Lourenço Marques com contrato assinado para Lisboa (foi mandado vir à experiência...) o maior dos citados erros históricos que por incompetência e falta de visão marcaram a nossa história que poderia ter sido bem mais triunfal...

      Eliminar
  2. Caro leoninamente e estas duas?

    Para um bom post

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10203533379838748&set=a.1165312256611.2023829.1342038626&type=1&theater

    e

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10203533392719070&set=a.1165312256611.2023829.1342038626&type=1&theater

    e mais outra - diferença de William de 2013 para 2014, única grande diferença que vejo é na eficácia de dribles

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10203533210514515&set=a.1165312256611.2023829.1342038626&type=1&theater

    ResponderEliminar
  3. Não coloco em causa o facto de darem o nome de Eusébio a uma avenida...
    Para mim até poidia ser uma simples rua, uma praça...ou um largo...
    Só acho mal que tenham tirado o nome de Norton de Matos da Avenida para lá colocarem o nome do Eusébio...
    Já agora não se lembraram...

    Mas podiam ter dado o nome do Eusébio à Praça Marquês de Pombal...e assim "até festejavam o 34 em casa..."...

    Há coisas que se não fossem ridiculas...até davam quase para rir...!

    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE