quinta-feira, 29 de outubro de 2015

"Só desejo que Jorge Jesus ganhe também o seu lugar indiscutível na história do Sporting Clube de Portugal"!...


A conta que Deus fez


«Todos os sportinguistas estão muito contentes com a vitória na Luz, mas quem estará mais e compreensivelmente rejubilante é Jorge Jesus. Desde a sua saída para o Sporting que o Benfica vinha, num singular exercício de revisionismo, a reescrever a história; e onde Jesus era incensado, passou a ser hostilizado, numa prática negacionista só comparável com as autocracias da órbita soviética, quando até as fotografias eram retocadas, mesmo antes da época do 'Photoshop'.

Fico perplexo que ninguém no Benfica tenha a clarividência de perceber que este tipo de desforços, não só fica mal a quem os pratica, como ainda transmite para o exterior (o mundo não são só benfiquistas...) uma percepção que oscila entre o ridículo e o patético.

Pois foi aquele Jesus que afinal não era tão bom quanto já se tinha dito profusamente que era, esse mesmo, que deu uma lição magistral na Luz e que ganhou em toda a linha a esse novo treinador, esse sim, o tal que oficialmente vai repor o Benfica na sua dimensão europeia. É no que dá, quando se distorcem os factos.

Todas as instituições têm momentos mais exaltantes e outros menos luzidos e há que ter a seriedade intelectual de os assumir, por muito que custem a engolir; a história é o que é e não se pode mudar por decreto ou por acções em tribunal.

Jesus tem o direito a figurar na história do Benfica, e é apenas justo que lhe reconheçam o lugar que, por mérito, lhe pertence, assim como foi o Visconde de Alvalade quem fundou o Sporting; são factos contra os quais não há argumentos. Malcom Allison, campeão no Sporting, foi sumariamente despedido pouco tempo depois por indecente e má figura, mas, que se saiba, não foi por isso suprimido.

Não acho relevante saber-se de onde vem um atleta ou um treinador, nem para onde vai, quando acabar o contrato; interessa realmente é o que ele faz. Só desejo que Jesus ganhe também o seu lugar indiscutível na história do Sporting, porque estou seguro que, se o conseguir, ninguém lho vai negar ou apagar. Mesmo que volte para o Benfica.»
(Carlos Barbosa da Cruz, O canto do Morais, in Record)

Quando me surge uma crónica de CBdC coloco de imediato os dois pés atrás, ponho uma qualquer valsa de Strauss a tocar baixinho e tapo as narinas: exactamente o mesmo que faço quando os ventos me trazem fétidas novas da fábrica de celulose de Cacia! Porque se o tema, como geralmente acontece, for a vida interna do Sporting Clube de Portugal, o homem nem as pensa e vomita toda a bilis que lhe inunda a alma e o estômago!...

Quando acontece, como no caso presente, ser sua intenção tratar matérias exteriores ao Sporting Clube de Portugal, às vezes vale a pena ler o que escreve. É o caso desta crónica, que não me repugnaria subscrever... 

"Só desejo que Jorge Jesus ganhe também o seu lugar indiscutível na história do Sporting Clube de Portugal"!...

Leoninamente,
Até à próxima

1 comentário:

  1. Fazendo um balanço destes poucos dias desde o terremoto de domingo, só me custa que tantas opiniões se façam ouvir tão tarde. Aliás, se o resultado tivesse sido menos desnivelado, não tenho dúvida que continuariam todas as campanhas negacionistas. Às vezes, estou como já li, mais valia ter ganho só 0-1 para os deixar continuar a afundar ;)

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE