segunda-feira, 26 de outubro de 2015

E não se fala mais nisso, para não ferir a sua modéstia!...


Jesus faz todos acreditarem


«É verdade, Jesus não era nascido quando o Sporting venceu pela última vez pela diferença de três golos o dérbi na condição de visitante. O bebé Jorge nasceu seis anos depois. E desde então, houve 62 dérbis para o campeonato, sendo que o Sporting apenas conquistou sete vitórias. Já a contar com a de ontem... Estes números tão eloquentes e expressivos atestam a relevância do triunfo leonino na Luz. Indiscutivelmente, memorável.

Sejamos politicamente correctos: o primeiro vencedor do dérbi é a equipa e os seus adeptos. E são-no, de facto, pelo momento histórico que esta vitória representa para eles, constituindo um raro privilégio para quem nela participou e pôde testemunhá-la.

Adeptos e jogadores acreditam que podem ganhar, e isso é trabalho de Jorge Jesus. E, sendo assim, sejamos honestos: o grande vencedor é ele. Na preparação do jogo – confiou na ‘segunda’ equipa para cumprir a obrigação de vencer o Skënderbeu na Liga Europa e pôde, assim, apresentar-se na Luz na máxima força – e na forma como o geriu, seja na componente técnica como na emocional. Começou por haver um nítido desequilíbrio mental que se acentuou quando o Sporting fez o 2-0. Aliás, chegou a temer-se o pior, tantas foram as ‘facilidades’ que os leões sentiram, por tão confortáveis no jogo que estiveram.

Outro vencedor: Bruno de Carvalho. Por tudo o que tem representado de ambição máxima mas, desta vez, por ter desinquietado, provocado e desgastado o ‘inimigo’. O silêncio de Vieira e seus pares, reconhecidamente elogiável, poderá ter lançado para a equipa a responsabilidade total para uma resposta à letra. O silêncio continuou e foi de morte.
(António Magalhães, Entrada em Campo, in Record)

Subscrevo inteiramente o pensamento de António Magalhães que, inteligentemente, foi subrepticiamente capaz de "desierarquizar" os méritos de cada um dos vencedores. Aplaudo a justiça da sua intenção...

Porém, por paradoxal que isso possa parecer, penso que no grande universo leonino, desde o Presidente ao mais modesto e simples adepto, todos reconhecerão como justa a entrega da "melhor parte" a Jorge Jesus!...

E não se fala mais nisso, para não ferir a sua modéstia!...

Leoninamente,
Até á próxima

1 comentário:

  1. Outubro de 65: SLB 1 SCP 4, com 4 golos de Lourenço e 1 de Eusébio. JJ não era nascido ? Diferença não é de 3 golos ? Esquecimento ou desconhecimento ?

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE