quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Cá estaremos, atentos e cépticos !...



Como reflexo dos atributos do seu líder, o novo quadro técnico da nossa selecção, parece-me adequadamente curto e suficientemente equilibrado! E se a personalidade, o carácter e o passado de Fernando Santos me merecem toda a confiança, aos homens que escolheu para o acompanharem neste novo desafio, eu darei também, naturalmente, todo o meu crédito.

Claro que nem todos os adeptos de futebol serão poetas como eu e, se calhar, as suas reservas sobre a invulnerabilidade desta equipa, aos virulentos desígnios de todos os "bácorinhos que vão sugando as tetas da porca federativa", serão mais do que razoáveis. Por mim, prefiro baixar momentaneamente a guarda e dar o benefício da dúvida a toda esta gente.

O "curriculum" do adjunto mais próximo e braço-direito de FS, Ilídio Vale, fala por si e merece-me todo o respeito. De Fernando Justino, adjunto para o treino dos guarda-redes, atleta e homem formado no Sporting, apenas sublinhar a satisfação que representa para mim a escolha do novo seleccionador. Sem surpresa, o preparador-físico João Carlos Costa, que tem acompanhado o novo seleccionador no seu longo périplo pela Grécia, tanto no PAOK como nos quatro anos que esteve à frente da selecção grega, acaba, naturalmente, por acompanhá-lo neste novo desafio, sendo que, obviamente, FS saberá bem porquê. Ricardo Santos, que representará uma das mais importantes vertentes no apoio ao trabalho de um seleccionador, o "scouting", tanbém acompanhou FS desde o PAOK e na selecção helénica e a sua escolha reflecte a o reconhecimento da importância do trabalho que tem desenvolvido e a confiança naquele que poderá vir a desenvolver, nas actuais e delicadas circunstâncias.

Com o fim da "era dos proscritos, dos amigos e dos afilhados" e a óbvia necessidade, por parte do mais "celebrado" agente FIFA do mundo - em obscuras influências e proveitos de duvidosa legaslidade! -, de se ver obrigado a começar de novo todo o "trabalho de sapa" que já tinha implantado no terreno, a próxima convocatória de Fernando Santos poderá reflectir, ou não, o caminho novo que todos os adeptos de futebol desejam para a sua selecção! A julgar pelas palavras que o novo seleccionador hoje proferiu, não assistiremos no imediato a uma precipitada renovação, muito menos a uma revolução! E isso até se poderá entender. Mas se de novo assistirmos ao desfraldar da "bandeira da justiça" e constatarmos que com Fernando Santos voltaremos a assistir à presença dos melhores em cada momento, já será um passo gigantesco de recusa e fuga ao desgraçado caminho que vínhamos percorrendo.

O grande obstáculo poderá, ainda, derivar dos "bacorinhos", que continuando na sua "eterna trombada nas tetas da porca", hão-de prosseguir na descarga dos seus dejectos sobre o trabalho que Fernando Santos pretende iniciar. Consegui-lo-ão, ou o engenheiro, competente na área da electrotecnia, conseguirá criar à sua volta, um campo electro-magnético de tal modo potente, que se torne inexpugnável às investidas dos porquinhos cagões?!...

Cá estaremos, atentos e... cépticos! Não por culpa de Fernando Santos!...

Leoninamente,
Até á próxima

2 comentários:

  1. Na seleção há um grande lobby instalado, no entanto, com conhecimento de causa, posso dizer que Ilídio Vale não olha a nomes, nem a clubes, apenas aos jogadores, à sua qualidade e àquilo que fazem dentro de campo. Só para dar um exemplo, no euro 2010, em sub-19, convocou Salvador, júnior do Varzim, em detrimento de Rui Caetano, júnior do porto. Quanto a Fernando Santos e restante comitiva terão um trabalho muito árduo, além de ser caso único, por esse mundo, um treinador/selecionador não se encontrar no banco de suplentes durante toda a fase de qualificação, para mim, e pela história do nosso país nas grandes competições, momento chave para formar um grupo, apresentar uma tática e um futebol atrativo. Foi assim na fase de qualificação: do mundial de 66 (ficámos em 3º na prova) euro 84 (alcançámos as meias finais da prova), do euro 96 (quartos de final), do euro 2000 (meias finais) e do mundial do mundial de 2006 (4º lugar). Qual a semelhança em todas estas qualificações: não precisámos de ir a play-offs, apresentámos sempre um futebol atrativo e nunca, mas nunca, éramos favoritos ou partimos na primeira linha destas competições.
    Adenda: sexta-feira sai a FPF envia para a uefa a pré convocatória para o duplo compromisso: particular com a frança e oficial com a dinamarca a partir daqui começará a avaliação de Fernando e restante equipa. Uma coisa é certa a acontecer um fracasso a responsabilidade estará TODA do lado da federação.

    Bruno Duarte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim amigo Bruno Duarte, ao contrário do que possa parecer, a pressão estará na direcção da FPF e não sobre Fernando Santos! Logo, por incrível que isso ainda há pouco tempo pudesse parecer, FS está de mãos livres para fazer as coisas segundo os seus critérios e os da sua equipa técnica e mandar bugiar todo esse "grande lobby instalado"!...

      Vamos aguardar. Oxalá o consiga...

      SL

      Eliminar

PUBLICIDADE