quinta-feira, 23 de março de 2017

Se dúvidas houver, hão-de balançar entre hipocrisia e submissão!...


ARBITRAGENS ANTES E DEPOIS

«Facto a merecer registo: houve arbitragens impecáveis nos dois últimos jogos do Sporting. Ainda por cima por parte dos senhores Bruno Paixão e Jorge Ferreira, árbitros extremamente polémicos, como o país futebolístico bem sabe.

Confirma-se: as arbitragens com influência nos resultados existem sobretudo na primeira metade do campeonato, quando as posições na tabela estão a ser definidas e tudo permanece em aberto. Arbitragens como as de Artur Soares Dias, que nos retirou dois pontos em Guimarães à jornada 7. Ou as de Jorge Sousa, que perdoou dois penáltis ao Benfica no dérbi da jornada 13.

É preciso pôr cobro a isto de uma vez para sempre. Em nome da verdade desportiva, para que a mentira seja afastada de vez dos relvados nacionais.»
(Pedro Correia, in És a Nossa Fé)

Surpreendeu-me esta faceta "lírica" de Pedro Correia! Como se alguma vez se pudesse falar em "verdade desportiva" ou na possibilidade de "a mentira ser afastada dos relvados nacionais", enquanto as altas instâncias do futebol português continuarem a ser meros instrumentos do "poder escarlate instalado"! Como se alguma vez, ao último, despudorado e insultuoso comunicado dos "DDTs", pudéssemos assistir a que Fernando Gomes e José Manuel Meirim ousassem, em nome da sua honra e dignidade pessoais e do prestígio, isenção e transparência dos organismos que dirigem, aplicar aos prevaricadores a pena máxima vertida nos regulamentos federativos!...

Se dúvidas houver, hão-de balançar entre hipocrisia e submissão!...

Leoninamente,
Até à próxima

7 comentários:

  1. Todos nós gostaríamos de arbitragens "sem mácula", desde a 1ª à última jornada...

    Mas nenhum de nós "acredita" nessa possibilidade...enquando os "Pilatos continuarem a lavar as mãos...e a limpá-las à parede..." (e há tanta marca de mãos mal lavadas...nas paredes...)...

    Mas ainda haverá alguém que acredite...em líricos...??

    SL

    ResponderEliminar
  2. No dia em que quiser discutir o futebol em Portugal, permitindo opinião diferente da sua nesta caixa de comentários, sem ofensas e com elevação, diga.
    São muitos anos a não admitir contraditório mas o problema é seu, se é que para si é um problema...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao leitor J.P.Gonçalves direi que sempre estive, estou e estarei disponível para qualquer discussão do futebol nas suas mais diversas vertentes se, para além da forma e do modo que refere e propõe, a mesma apenas tiver como objectivo o esclarecimento de temas, sejam eles quais forem. A minha indisponibilidade só começa quando o objectivo notório do meu eventual interlocutor for a publicitação de teses estafadas e da jactante sublimação de qualidades e virtudes de cores diferentes da minha, quiçá presumindo ser capaz de alterar a concepção suficientemente alicerçada que tenho sobre o futebol neste cantinho modesto, pobre e corrupto da Europa e sobre todos os seus mais preponderantes intérpretes. Sempre que me apercebo que o único objectivo de um qualquer comentário aponta nessa presumida direcção, entendo que estou na minha casa e com toda a legitimidade para rejeitar ir por onde e para onde não quero ir...

      O leitor J.P.Gonçalves terá um ideia sobre a essência de um blog, absolutamente antagónica da minha: julgará existirem algumas semelhanças com um jornal que, até legalmente, está sempre sujeito ao contraditório. Eu não tenho essa ideia e, consequentemente, não reajo como um qualquer jornalista está obrigado a reagir. Para mim um blog estará mais próximo de um qualquer placard publicitário que nos surge nas ruas a cada passo: o público olha, lê, interpreta, interioriza da maneira que entender melhor ou pior e... segue o seu caminho, remoendo consigo próprio, todos os contraditórios que entender. E se porventura decidir apresentar, legitimamente, por escrito à entidade respectiva, o que pensa sobre aquilo que retirou do placard, essa entidade só lhe responderá se entender que dessa resposta lhe advêm benefícios. É exactamente assim que sempre procedi, procedo e continuarei a proceder.

      Todos aqueles que julguem algum dia poder aproveitar o meu blog para servir os seus próprios interesses, pessoais ou de grupo, perdem o seu tempo, na exacta medida em que mo recomenda a minha capacidade intelectual, cultura e experiência de vida. Melhor será que lancem o seu próprio blog, em vez de pretenderem aproveitar o trabalho e a implantação conseguida por outros.

      Espero ter conseguido fazer-me compreender, julgo que em absoluto dentro dos parâmetros que propôs: sem ofensas e com elevação. Nem outro terá sido, é e continuará a ser o meu timbre, ainda que dúvidas persistam no seu espírito, conforme julgo ter percepcionado no remate do seu comentário...

      Eliminar
    2. Desculpe mas já passo por aqui há muito tempo...
      Normalmente qualquer comentário que não esteja de acordo com as suas opiniões, ou não é publicado, ou então é achincalhado por si e pelos outros comentadores do blogue.
      E deixe-me ser sincero consigo: não tenho qualquer consideração pelas suas opiniões relativas ao futebol. Para mim não passa de um anti-benfiquista doente e toldado pelo ódio ao vermelho. Coisa que eu estou longe de ser em relação ao Sporting. Muito longe, mesmo. O Sr. Álamo (nome fictício) pode ter, e acredito que tenha, bastantes virtudes na sua vida pessoal, mas o futebol e o clubismo exacerbado toldam-lhe normalmente o raciocino. Não é caso único.
      Provavelmente não valerá muito a pena o diálogo consigo. São demasiadas as vezes em que ofende o meu clube, os seus atletas, dirigentes, treinadores e adeptos. É verdade que existem muitos blogues afectos ao meu clube que fazem o mesmo em relação ao seu. A mim não me merecem qualquer consideração. Querer colocar-se ao mesmo nível, embora do lado oposto, não abona muito em relação a quem o faz...
      Fique bem.

      Eliminar
    3. Apreciei a sua elevação leitor J.P.Gonçalves! E acredite que não considerei como ofensivos os vários epítetos com que, educadamente, sempre educadamente, me classificou: não me ofende quem quer! Porém, "en passant", permita que lhe confesse o meu regozijo pelas minhas várias anteriores decisões de lhe cortar a palavra e de não permitir que por aqui deixasse espalhadas as toxinas que em boa hora lhe adivinhei nas entrelinhas, pese embora a camuflagem que, naturalmente, terá julgado me passasse despercebida. Parafraseando um seu correlegionário bem conhecido e fácil de identificar, "levo muitos anos de virar frangos" e, pelo andar da carruagem, depressa me apercebi quem lá viajava!...

      Desejo também que fique bem e que de pé, possa assistir por muitos anos à glória daqueles que, obviamente, detesta de forma ainda mais "exuberante e educada" que eu. Só que eu, desde o longínquo ano de 1968, arrumei em definitivo o meu camuflado num baú do sotão!...

      Eliminar
    4. Para retórico retorico e meio é mesmo assim Álamo

      Eliminar
  3. Há 'canos' defendo esta tese... permanentemente rebatida pela matemática a fazer no final da época... Depois da classificação atribuída, e fechada, até nos podem marcar 37 penaltis em todos os jogos... que esses já não contam...

    Eu sou dos poucos que se incomodam com as travessuras (estou bem disposto hoje...!!!) que nos fazem mesmo quando ganhamos 5 a zero... Não ligo só ao resultado... E mesmo positivo, esse diz-me, normalmente, muito pouco em relação à atitude dos juízes do jogo (bolas... estou mesmo bem disposto...!! Só pode ser por já me ter cruzado hoje com esse diabito do famoso limpinho, limpinho)

    (ex... a final da taça com o braguilha, que por acaso até ganhámos, foi uma das maiores vergonhas que me lembro de assistir, tão maior quanto a vergonha do pós-match que ainda hoje permanece oculta numa qualquer gaveta desse conluio arbitral e federativo...)

    Que me lembre..., repito, que me lembre... títulos para este lado com influência direta e decisiva do árbitro só me recordo das finais (taça de portugal e supertaça) com o Leixões...

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE