quinta-feira, 5 de julho de 2018

O "factor racional" será preponderante no futuro do Sporting!...


ELEIÇÕES E RESCISÕES NO SPORTING

«Enquanto a comissão de gestão, honrando a sua palavra, vai dirigindo o clube e SAD até Setembro, o Sporting vai viver um processo eleitoral intenso. Até agora, do que já está em cima da mesa, cometem-se os mesmos erros de sempre, acompanhados de muito amadorismo. Louvo todos os homens e mulheres que sentem o apelo de servir o clube, mostrando disponibilidade para trabalhar em prol da sua grandeza e dos seus valores. Porém, tenho de confessar que nada me empolgou nem cativou.

Os tempos mudaram e o Sporting também. Não basta nos dias correntes um indivíduo dizer que é candidato, dizer umas banalidades e chavões, mencionar um director desportivo, levar velhas glórias e exibir uma lista de notáveis, e outros só notáveis na esquina, numa comissão de honra. Isso não é nada. Quem vier com ganas de ganhar, tem de apresentar um projecto concreto e ideias mobilizadoras. Modelo de gestão, práticas de transparência e exigência, organização do futebol e modalidades, políticas de expansão, posicionamento de marca e comunicação. O folclore de treinadores e reforços sonantes é algo que pode funcionar como chamariz, mas é palha, se não houver uma visão global do clube para os próximos anos.

Não sei quem vai ganhar, ainda é tudo pouco claro e mais rostos irão emergir. Sei que há uma base eleitoral fidelizada, a dos 28 por cento que mantiveram o apoio a Bruno de Carvalho na última AG, e tenho como líquido que nenhum destes sportinguistas depositará a sua confiança em quem hostilizou o antigo presidente. Logo, soa a hipocrisia de alguns, dizerem que vão respeitar o trabalho dele. É mero oportunismo táctico com a intenção óbvia de conquistar votos nessa significativa franja de eleitores. Muita água irá correr sobre as pontes e a temperatura irá subir.

Há outro tema que mobiliza os leões, a questão das rescisões por justa causa dos jogadores e que Sousa Cintra tem tentado com optimismo ultrapassar. Vamos por partes: 
1- O dia 15 de Maio foi um dia muito triste e nenhum sportinguista pode viver bem com o que viu, pois nada daquilo tem a ver com o nosso código genético;
2- Os jogadores sofreram com o que se passou e temos de respeitar a sua dor; 
3- No entanto, nenhum adepto gostou do facto de 9 jogadores serem muito lestos a enviar cartas de rescisão, sem que arranjassem cinco minutos para, por exemplo através das redes sociais, mandarem um agradecimento à melhor massa associativa do mundo que sempre os apoiou e com isso não ficaram nada bem na fotografia, especialmente os nados e criados na nossa Academia, a quem o Sporting deu tudo e construiu as suas carreiras.

Assim, cabe não esquecer que a comissão de gestão e qualquer candidato tem de defender sem tergiversar os interesses do clube, portanto, ou traz os jogadores de volta ou vai bater-se impiedosamente nos tribunais contra quem está em combate connosco. E ficam duas variáveis: a emocional e a racional. No primeiro caso, muitos sportinguistas não voltarão a olhar da mesma maneira para quem nos bateu com estrondo a porta na cara, porém, mais importante, não podemos hipotecar o nosso futuro. São activos valiosos, racionalmente, temos de os integrar no grupo ou vender sem ser a preço de saldo.»

O meu forte aplauso para este grande texto de Rui Calafate...

O "factor racional" será preponderante no futuro do Sporting!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Concordo inteiramente. Um comentário muito lúcido.

    ResponderEliminar
  2. Sem por..., nem tirar... Com uma única excepção (há sempre uma..., não é?) "...muito lestos" é que não foram..., e isso, para mim, faz TODA A DIFERENÇA

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

PUBLICIDADE