terça-feira, 3 de julho de 2018

E os prognósticos virão no fim!...



Última chamada


O Sporting, mesmo este Sporting, é uma oportunidade única para José Peseiro cumprir as promessas que deixou na primeira passagem por Alvalade

«A argumentação de Sousa Cintra para justificar a contratação de José Peseiro é sólida. É um treinador português experiente, conhece tão bem as entranhas do clube e a personalidade dos jogadores como as particularidades do campeonato e as características dos adversários. Com este perfil, tal como o presidente em exercício sublinhou, era o único treinador disponível ou, pelo menos, disposto a aceitar o desafio que representa treinar o Sporting na próxima época. Peseiro, como o próprio admitiu, está habituado a assumir projectos complicados, embora a frequência com que o tem feito também o possa definir como uma espécie de último recurso ou eterno interino. A verdade é que depois daquela primeira passagem pelo Sporting, em que quase ganhou o campeonato e quase venceu a Liga Europa, a carreira não tem sido propriamente ascendente, mas também é certo que nunca abdicou de jogar um futebol positivo por onde passou. O Sporting, tal como está neste momento, com todas as dúvidas que envolvem a construção do plantel, é um enorme desafio, mas também uma grande oportunidade, talvez uma das últimas para confirmar as promessas que deixou na primeira passagem por Alvalade. Afinal, tudo o que Peseiro conseguir tirar de positivo do monte de escombros que Bruno de Carvalho deixou para trás será mais do que é justo exigir-lhe. Um típico caso de tudo a ganhar e quase nada a perder ou, por outras palavras, uma proposta irresistível para um treinador cuja carreira nunca fez justiça às respectivas ambições.»
(Jorge Maia, Opinião, in O Jogo)

Se retivermos esta frase de Jorge Maia: "Afinal, tudo o que Peseiro conseguir tirar de positivo do monte de escombros que Bruno de Carvalho deixou para trás será mais do que é justo exigir-lhe", pouca dificuldade teremos em concluir que muito provavelmente nunca ao longo de toda a sua carreira José Peseiro terá iniciado um projecto com expectativas tão reduzidas e um grau de exigência tão baixo. E ambos estes factores poderão vir a revelar-se importantes e extremamente positivos, para não dizer decisivos, para o desenvolvimento do seu trabalho.

Exactamente o mesmo pensamento encaixará como uma luva no espírito de um plantel que se viu em meia dúzia de semanas dizimado pelo mais inacreditável terramoto alguma vez sofrido por uma equipa profissional de futebol do primeiro mundo! Pior apenas nos virão à memória as terríveis tragédias que vitimaram  o Torino (4 de Maio de 1949), o ManUnited (6 de Fevereiro de 1958),  e a Chapecoense (29 de Novembro de 2016), qualquer delas, ao contrário do Sporting, originadas por causas absolutamente fora do controle humano...

Finalmente e analisando friamente o sentimento que neste momento invadirá a formidável, vasta e exigente legião de adeptos sportinguistas,  circunstancial e peremptoriamente proibidos de, pela enésima vez esfregarem as mãos e gritarem ao mundo, carregados de "certezas",  que "desta vez é que é", tudo parece apontar para um clima de moderadíssima exigência que poderá permitir a José Peseiro e ao plantel que liderará neste novo ciclo leonino, protagonizarem a surpresa que nem o espírito mais optimista hoje se atreverá sequer a admitir.

Certo, certo, será desta vez, os astros emudecerem, os "experts" torcerem o nariz, os adivinhos encolherem os ombros, os inimigos baixarem a guarda, os ladrões olharem para assaltos mais rendosos, os pingos da chuva aumentarem o espaço entre si... 

E os prognósticos virão no fim!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. se o clube não descer de divisão será bem bom mas preparem-se para o descalabro.

    bruno fernandes exige 11 mil euros por dia para voltar. Alguém quer comentar?

    ResponderEliminar
  2. Por isso mesmo espero que os jogadores que rescindiram regressem para que as desculpas e vitimização sejam postas de lado. Já não bastava termos um presidente "chorão" agora já temos os adeptos a choramingar pelos cantos quando temos um dos melhores plantéis do país. Vão ver a equipa que Leonardo Jardim herdou e o que fez.
    Temos jogadores de Selecção como Coates e Acuna, temos jogadores como Piccini, Ristowski, temos um guarda-redes que foi internacional italiano, temos dois dos jogadores com mais assistências na última época Jefferson e Raphinha(este também um dos melhores marcadores), temos um dos mais promissores talentos brasileiros Wendel,temos Palhinha que já devia estar na equipa principal não fosse a teimosia de JJ, temos jogadores que foram dos mais determinantes da 1a liga como F. Geraldes e Matheus Pereira, temos Montero, Doumbia, Gelson Dala, etc, etc, etc...
    Isto são escombros?
    Espero que os nossos jogadores estejam a treinar e longe das redes sociais! Fosga-se!

    Desculpe-me caro Alamo, o desabafo, mas para quem viveu o fim do mandato de Godinho Lopes como eu vivi, fica difícil ver algo mais negro.
    Temos um belíssimo plantel que com alguns retoques poderá vir a ser uma fantástica equipa, com muitos jovens da nossa Academia como andamos a pedir nestes últimos anos.
    É uma altura excelente para mostrar do que somos feitos!

    SL

    ResponderEliminar
  3. Caro Álamo:
    Assino por baixo do comentário de JHC.
    No ano passado choravam porque o Chico, o Gould e o Matheus não estavam, agora choram porque só os temos a eles.
    Agora não vamos lá é com ameaças de morte ao José Peseiro e a Sousa Cintra. Apre, com a idade que o senhor tem, ainda se sujeitar a tudo o que tem ouvido? Santa Paciência!
    Grande Abraço
    José Lopes

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.

PUBLICIDADE