quinta-feira, 1 de junho de 2017

"Honni soit qui mal y pense"!...


PARA SEMPRE PURO

«Chegou à Netflix um dos melhores documentário que já vi sobre a relação entre o futebol e a política. "Para sempre puros" recorda a época de 2012-2013 do Beitar de Jerusalém. Um dos mais populares clubes israelitas, foi comprado por Arcadi Gaydamak, um milionário corrupto israelo-russo. Em 2012 o empresário contratou dois jogadores chechenos, muçulmanos, o que provocou a ira da poderosa claque "La Familia". Quando Zaur Sadayev marcou o seu primeiro golo aconteceu o nunca visto: centenas de adeptos abandonaram o estádio, em protesto contra uma vitória oferecida por um muçulmano. O grito de sempre fez-se ouvir: "morte aos árabes" e "aqui estamos, o clube mais racista do país". E ressurgiu a sinistra faixa, especialmente paradoxal quando empunhada pelos descendentes das vítimas do Holocausto: "Para sempre puro". A partir daqui começou um boicote, que deixou, semana após semana, o estádio vazio, com os adeptos a destruírem a sua própria equipa. Boicote apenas interrompido para assistir ao jogo contra o Bnei Sakhnin, único clube árabe da primeira divisão israelita. O empate segurou na primeira divisão o clube tantas vezes campeão. Depois desta época negra os chechenos foram embora, Gaydamak vendeu o Beitar, o presidente e o capitão foram despedidos e a claque racista transformou-se num movimento político.

O futebol é uma lupa das sociedades. Graças à irracionalidade que mobiliza, tudo o que nelas existe ali aparece em caricatura. É para isso mesmo que o jogo serve: para simular guerras sem baixas, medir forças sem vítimas e representar cumplicidades sem consequências. "Para sempre puros" conta-nos a história de um conflito com décadas. Sem as subtilezas da política, o Beitar funcionou, como explicou o oligarca russo, como um espelho para Israel. Porque o futebol diz muito daquilo em que nos vamos transformando.»


Oxalá Daniel Oliveira consiga alcançar os objectivos que presumo tenham estado no seu pensamento quando, corajosamente, se abalançou a escrever e a enviar para publicação esta sua crónica, nomeada e muito particularmente, perante os leitores do jornal em que veio a ser publicada!...

"Honni soit qui mal y pense"!...

Leoninamente,
Até à próxima

3 comentários:

  1. Excelente texto. Partilhei no Twitter, com a devida referência aqui à casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pela referência à "casa", obrigado. Sobre o excelente texto de DO, os seus amigos no Twitter, certamente reconhecerão o privilégio.

      Eliminar
  2. "O futebol é uma lupa da sociedade" - quase diria que é uma demonstração cabal de que o futebol nos tira da nossa cápsula civilizada para o cro-magnon que ainda existe no nosso adn.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE