quinta-feira, 29 de junho de 2017

A macumba é melhor do que todas as "fezes"!...



Não será bem a minha praia, por via de uma rejeição antiga a quaisquer incursões nos labirintos do obscuro, mas após a estúpida eliminação da selecção nacional ontem à noite, às mãos de um equipa chilena onde se vislumbram algumas réstias de talento, mas que pouco acima estará da classificação de esforçada, lembrei-me de fazer um estudo comparativo entre a fé que tem acompanhado uma boa parte do nosso seleccionado, com o seleccionador inquestionável, óbvia e comprovadamente à cabeça, e a macumba que, ao que consta, tem sido o suporte espiritual - e segundo indícios não desprezíveis também material! - de toda a suspeita caminhada do Benfica para o "glorioso tetra". 

Admitindo que a excepção à regra de que  não terá estado na fé que envolve a selecção de  Fernando Santos o segredo dos seus êxitos, poderá muito bem ter sido aquele golo inesperado e de todo imprevisível do Ederzito no Stade de France a 10 de Julho de 2016, elenquemos o perigo a que conduziram as diversas manifestações de fé depois do descalabro no Brasil2014 e os riscos de caminharmos sempre à beira do precipício desde essa fatídica travessia do Atlântico:

1 - Num dos grupos mais fracos do apuramento para o Euro2016 - Portugal, Dinamarca, Albânia, Sérvia e Arménia -, os equívocos de Fernando Santos conduziram ou condenaram a selecção de todos nós a cometer a façanha de se apurar, embora sem sobressaltos, apenas com vitórias pela diferença mínima.

2 - O Euro2016 foi um modelo de fé, com o apuramento na fase de grupos a surgir da forma mais caricata que poderia ser imaginada.

3 - Acabámos por estar na final, depois de FS ter corrigido a trajectória e ter colocado em jogo os melhores, fundamentalmente, Adrien, William, Cedric e alguns outros e retirar a titularidade a quase todos os "beatos de estimação".

4 - Agora na Taça das Confederações, além da fé, Fernando Santos voltou ao seu velho estilo, canonizou-se a si próprio e o resultado foi o que se viu.

5 - Chegados aos pénaltis na final, a fé de FS, levou-o a preterir CR7 no primeiro pénalti e outros melhores atiradores no segundo e terceiro e por aí fora. CR até poderia falhar, mas a lei das probabilidades nunca apontaria para isso e o resultado foi o que se viu.

6 - Há muito que a fé de Rui Patrício o impele a entregar-se aos deuses e a atirar-se invariavelmente para o seu lado esquerdo. Não sei quem será o seu mentor espiritual nesta sua tão estranha e sistemática opção. Mas sei que os grandes guarda-redes esperam até ao último milésimo de segundo pela oportunidade de o marcador da penalidade se denunciar. E com tal fé, Rui Patrício há muito que não consegue defender nenhum pénalti.

Em contraponto, o Benfica não vai em "fezes"! Prefere as "macumbas" e o segredo do seu êxito resultará talvez da extensíssima variedade dos múltiplos modelos que tem sabido encontrar generosamente na profundidade do "obscuro"!...

A macumba é melhor do que todas as "fezes"!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. Olha, olha... as "Linhas Brancas da Porta 18" já têm rosto... !snif... !snif...

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
  2. Afinal acabámos por saber...em que "mercado era abastecida a porta 18..."
    Querem ver que o vieira enviou os 600 milhões do BES...
    Para um of shore no arquipélago dos Bijagós...?
    SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE