terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Tudo não passa afinal de uma questão de honestidade: uns são honestos a outros rebentam-lhes os lábios!...


Jorge Jesus desbloqueado

Numa Liga para menores de 50, os muitos carnavais do treinador do Sporting só podiam dar música. Clássica

«Numa Liga em que os treinadores acima dos 50 anos estão quase banidos, vá lá saber-se porquê, Jorge Jesus só podia ser rei. Miguel Leal, do Moreirense, queixa-se de um bloqueio no livre de que ontem espirrou o primeiro golo do Sporting, mas é só futebol aproveitado até ao osso, muito antes de ser um problema de arbitragem ou de falsa ética.

Ajuda muito ao percurso do Sporting, como ajudou ao percurso do Benfica em 2014/15, que Jesus tenha uma bagagem incomparável, quer pelas décadas que leva a mais, quer pelo futebol em que foi criado. Não era um futebol de professores (sem desprimor), nem dossiês plastificados. Não havia "índices lesionais", nem análises vídeo. Condições top, como se diz agora, era meio cilindro de água quente e um treinador adjunto para carregar o saco das bolas. Na altura, ninguém duvidava de que o fundamental era ser mais esperto do que o outro; agora, interessa ser mais inteligente, daquele tipo de inteligência que tende menos para os campeonatos do que para as teses de mestrado. 

E Jesus passeia, entre adversários demasiado jovens para o acompanharem nessa guerra ou demasiado "fiéis aos seus princípios" para atingirem que o futebol é um pouco mais do que 4x3x3 e um quadro magnético. Os árbitros podem e devem abrir os olhos, conforme pediu Miguel Leal, mas adiantará pouco se forem os únicos a fazê-lo. Porque não são só os bloqueios.»
(José Manuel Ribeiro, Opinião, in O Jogo)

Apreciei a honestidade intelectual de JMR nesta crónica de opinião: "os árbitros podem e devem abrir os olhos, mas adiantará pouco se forem os únicos a fazê-lo. Porque não são só os bloqueios..."

Importará estabelecer a comparação entre o sorriso que Manuel Machado trocou com Antero Henrique no final do jogo da Madeira, com ambos a indiciarem terem  bem presentes os dois "fechar de olhos" de Jorge Sousa, com a declaração "abespinhada" de Miguel Leal, acerca do lance de que resultou o primeiro golo do Sporting em Alvalade no final de tarde do último domingo.

A Manuel Machado nada poderá ser apontado, nos lances em que só a "cegueira" de Jorge Sousa o terá impedido de cantar vitória sobre o Porto. E será que Miguel Leal poderá vangloriar-se do mesmo?!...

Tudo não passa afinal de uma questão de honestidade: uns são honestos a outros rebentam-lhes os lábios!...

Leoninamente,
Até à próxima

4 comentários:

  1. Tenho pena que o Esgaio tenha efectivamente agarrado o Evaldo, Nuno Dias a ensinar os do Futebol a fazer bloqueios esta semana, pois este livre só prova que o J é esperto e inteligente caracteristicas que fazem dele melhor que os outros da praça...mesmo os tais mind games que o Mourinho tanto usou ele domina.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Julgo que as penas, caríssimo "Railwayman", não farão parte da nossa anatomia! Na selva em que se transformou o futebol português, pouco se me dá que o rugido do leão sobressaia no "silêncio dos inocentes"!...

      Eliminar
    2. Caro Alamo gostaria bem mais sem o Esgaio não tivesse agarrado o jogador do Moreirense, pois assim o J provaria que aquele livre só está mesmo ao alcançe daqueles que sabem pensar o jogo, por isso a minha pena. Ainda assim vejo o nosso futebol incomparavelmente melhor que o dos outros, vejo os nossos miudos a melhorar de dia para dia e estranhamente não vejo a falat que o Carrilho esteja a fazer como foi anunciado com o seu afastamento... O J é o nosso maior trunfo.

      Eliminar
  2. Mais quais inocentes?...Neste futebol de "virgens ofendidas que ganham a vida a oferecerem-se nas bermas das estradas", de repente lembraram-se dos bloqueios? Bloqueios que vemos em todos -TODOS!- os jogos e em todos os jogos continuaremos a ver? Esquecem aqueles lances em que um defesa usa o corpo e os braços para evitar que o adversário chegue a uma bola que, muitas vezes, está a 4-5 metros de distância? É que, a vários metros de distância, não se faz a protecção da bola, faz-se bloqueio!
    E na extremidade de uma barreira, quem empurra quem?... Será o último elemento atacante que não deixa saír o defesa a seu lado ou é esse defesa que empurra o atacante incómodo para o afastar dali?

    ...e, de repente, lembram-se dos bloqueios! Bem, os sportinguistas lá iam falando nisso, para gozo geral; mas um jogador do Sporting fazer bloqueio e, com ele, abrir caminho para um golo?...Mas que é isso? Como é possível?...
    Árbitro ao cadafalso, já! (Nota muito má, com descida de divisão no final da época, para todos aprenderem!)

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE