sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Quem não o conhecer que o compre!...


UMA DERROTA QUE DEIXA MARCAS

«Os orçamentos nunca entram em campo. Se entrassem, o mais rico ficava sempre em 1.º, o mais pobre acabava sempre em último. O futebol, felizmente, é muito mais do que isso. O Moreirense ganhou porque teve uma atitude mais adequada e, sobretudo, porque mostrou sempre mais vontade de disputar a final do próximo domingo. Esta é a primeira conclusão a tirar do resultado surpreendente e, até, escandaloso que ontem aconteceu no Estádio Algarve. Faltou seriedade competitiva à equipa de Rui Vitória. O Benfica não foi capaz de evitar um dos pecados capitais no desporto: permitir-se pensar que a vitória não passava de uma mera questão burocrática, que seria confirmada mais cedo ou mais tarde. O golo madrugador de Salvio agravou essa falsa sensação de facilidade e o que se seguiu foi um filme de terror para os encarnados e uma história de encantar para o clube minhoto. Merecida!

Afastada a hipótese de renovar a conquista na Taça CTT (e, por conseguinte, de vencer as quatro competições nacionais na mesma temporada), o próximo jogo será um exame ao estofo psicológico do Benfica. O mais natural é que uma derrota destas deixe marcas e abale a estabilidade de uma equipa que parecia viver num permanente estado de graça. O trambolhão de ontem foi um murro no estômago e, por isso, na segunda-feira, em Setúbal, o regresso à Liga estará rodeado de enorme expetativa. Ninguém ganha a jogar de salto alto.

Dois jovens leões brilharam no Algarve: Francisco Geraldes e Podence. Estão ambos a poucos dias de regressar a Alvalade, agora que o Sporting já "despachou" uma série de flops. É difícil explicar ao adepto comum porque razão se gastou tanto dinheiro em jogadores como Elias, Markovic ou André e se dispensou para Moreira de Cónegos dois meninos com tanto potencial.»
(Nuno Farinha, Entrada em campo, in Record)


Quem não o conhecer que o compre!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. Pois...
    Mas será que se Podence e Geraldes tivessem ficado em Alvalade e não tivessem feito esta passagem por Moreira de Cónegos...
    Estariam agora "na crista da onda..."?

    Agora na verdade como diz o autor "...permitir-se pensar que a vitória não passava de uma mera questão burocrática..."

    É situação que não me admira que tenham mesmo pensado...

    É que o benfas de há muito se habituou a que os titulos, como as vitórias que os permitem...

    São mesmo "...uma situação burocrática do sistema..."

    Pois é...!

    SL

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que é bastante fácil explicar: tanto quanto me lembro, nenhum dos dois tinha experiência de primeira liga. E isto é o mais importante. Porque não se pode apostar numa equipa para ser campeã quando as "segundas linhas" - com todo o respeito que os jovens rapazes merecem - não têm experiência competitiva ao mais alto nível. E é aqui que se justifica a contratação de gajos "tarimbados" para estas andanças.

    Se as apostas foram duvidosas? Eu acredito que existiriam melhores opções se o orçamento fosse maior. Afinal de contas, não podemos ter o luxo de gastar 22 milhões num suplente.

    Mas pior que cometer um erro é não querer corrigi-lo. E acho que a correção está a começar a ser feita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece que se trate de uma correcção mas, apenas, de aproveitar o estado de maturação mínimo para poder aceder à equipa principal do Clube.
      Da minha parte e com toda a sinceridade, preferia vê-los nas mãos do Inácio até final da época - seriam mais uns 10-11 jogos a titulares de uma equipa de 1ª divisão

      Eliminar
  3. Alamo,
    Ele nao entende porque e burro e intelectualmente desonesto.
    Coisa tao simples, se ficassem no Sporting ficavam pelo banco ou a jogar a bochechos. Assim jogam, crescem, aprendem, ganham ritmo de 1 liga e ajudam o moreirense a ganhar ao porto e ao benfica.
    Entendeste ou precisas de um desenho Sr. Farelo??
    Outra nota que queria deixar..60 e poucos minutos de jogo, 2-1 , o meu menino vai pela direita faz um compasso de espera e quando o grego chega da-lhe a aceleracao e parte-o todo.
    O grego ja com amarelo da-lhe nas pernas, com o cotovelo no pescoco e com o menino ja postrado no chao pisa-lhe o braco.
    O artista do apito marca falta, pede calma mas "esquece-se" do amarelo e corespondente vermelho.
    A perderem com menos 1 tudo seria mais dificil nao fossem os postes a ajudar.
    Eis em todo o seu esplendor o exemplo claro do "colinho"que faz a diferenca e da campeonatos!!!
    Entendeste o Farelo????
    SL

    ResponderEliminar
  4. Eheheh, o Álamo já conhece a criatura de ginjeira. Dali não sai nada de jeito. Enfim. A.A. SL

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE