quinta-feira, 3 de março de 2016

Que deixem a pele em campo e lutem até à última gota do seu suor!...



"Não aceito que insultem a memória da minha mãe"
Publicado hoje às 13:39, por Ana Proença

«Vinte e um anos depois, Jorge Coroado diz que não está arrependido. O antigo árbitro internacional foi um dos protagonistas de um polémico dérbi na época 1995/96 que o Sporting ganhou por 2-1... e depois perdeu por 0-2... para voltar a ganhar por 2-1.

Recordemos a história que Jorge Coroado considera que "era hoje suscetível de acontecer" novamente, se alguém tivesse interesse nisso.

"Foi um jogo exigente e intenso, com comportamentos menos próprios por parte dos jogadores das duas equipas", lembra. A certa altura do desafio, Claudio Caniggia, a irreverente estrela argentina que representou o Benfica em 1994/95, reagiu a um comportamento de Peixe, então médio do Sporting, de forma injuriosa.

"Eu estava a mostrar-lhe o cartão amarelo quando ele me chama filho da p... e manda-me para a p... que o pariu. Na altura, entendi que os insultos eram para mim e não nunca permiti que pusessem em causa o meu bom nome ou insultassem a memória da minha mãe", conta Jorge Coroado.

Portanto, o árbitro, em cima do amarelo, mostra o cartão vermelho a Caniggia e o argentino é expulso, sob os protestos encarnados. "O Benfica alegava que atendendo ao número de amarelos, o seu jogador não devia ter sido expulso. Mas eu mostrei-lhe o vermelho direto", explica.

O que aconteceu foi que o Benfica conseguiu junto da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) que o jogo fosse anulado e repetido ao fim de cerca de um mês no Restelo. "Eu devia ter uma placa no Estádio da Luz a dizer que contribui para os 23 mil contos que o Benfica anunciou como receita desse jogo", ironiza.

Os encarnados venceram por 2-0, com dois golos de Edilson, mas Jorge Coroado apresentou o caso à FIFA, que viria a anular esta última partida e a validar o triunfo do Sporting por 2-1. Jorge Coroado foi, ao mesmo tempo, ilibado.

"Eu percebi logo que o processo estava inquinado. O relator do processo, um senhor chamado Sampaio Nora, que mais tarde concorreu às eleições do Benfica, propôs inclusive a minha erradicação da arbitragem, quando essa figura jurídica já nem existia nos regulamentos.".»
(in jornal O Jogo)

Já passaram muitos anos, mas parece apenas terem mudado as moscas!... Hoje como ontem, "os processos continuam inquinados". Ontem foi Sampaio Nora, hoje serão "os tios todos" que bem conhecemos, mas os "DDT's", embora mudando de nome, continuam a vestir a mesma camisola, a usar os mesmos processos e, vestindo sempre que lhes convém a pele de cordeiros, a candidatarem-se aos "prémios nobel da paz" deste pobre e desgraçado país, onde vive um povo masoquista e triste, que "nem se governa nem se deixa governar"!...

É por isso que espero e desejo que Artur Soares Dias faça a arbitragem da sua carreira e os leões que pisarem o relvado de Alvalade...

Que deixem a pele em campo e lutem até à última gota do seu suor!...

Leoninamente,
Até à próxima

2 comentários:

  1. alguns "infiltrados" com oxigenação sanguínea...sera possivel o scp fazer isto na vespera de um jogo?eu se fosse dirigente do SLB exigia ha Liga,FPF,CD etc.etc.que fosse feito uma inspeccao anti-doping a todos os jogadores envolvidos no jogo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu subscreveria essa "exigência"! O pior serão os "telhados de vidro"! Já com a "lã de vidro" foi o que foi!...

      Eliminar

PUBLICIDADE