quarta-feira, 23 de março de 2016

Fernando Santos ama outro deus, que não o deus do catolicismo que professa!...


O FRETE

«Está na cara que o Benfica quer vender o Renato Sanches.

Vai daí, a poderosa máquina propagandística do clube – a melhor que existe em Portugal – esmerou-se numa manobra de promoção do jogador em dimensão nunca antes vista. Ele é Renato nos jornais, televisão, revistas, o leque completo e, claro está, muita gente a pôr-se a jeito.

Já disse nestas páginas e repito. O Renato Sanches pode vir ser um grande jogador – lembra-me por vezes o Ruud Gullit – mas, para já, é apenas um bom jogador. Tem verduras próprias e naturais, fruto da sua pouca experiência, desposicionamentos tácticos assinaláveis, agressividade por temperar.

Que o Benfica venda o seu peixe (este e outros), não me espanta; o que me impressiona é que o seleccionador nacional se tenha prestado a dar acolhimento a esta operação comercial.

As pré-escolhas de Fernando Santos são coerentes com a sua idiossincrasia. Valores seguros e experientes, risco calculado, tracção atrás. Só assim se explica que tenha optado pelo Ricardo Quaresma, ou pelo Éder. Claramente rejeitou surpresas!

Neste quadro, é caso para perguntar qual o racional da escolha de Renato Sanches? Porque promete ser um futuro craque? Mas então porque não escolher também o Gelson, o Sérgio Oliveira ou o Rony Lopes?
À semelhança do Nélson Semedo e do Gonçalo Guedes, bastou alguns (poucos) jogos pelo Benfica e muita – mas muita – propaganda, para merecer a preferência deste seleccionador. Ser internacional A por Portugal ajuda a vender, para mais na montra do Europeu.

Quando vejo jogadores como o Adrien, por exemplo, que tão poucas vezes tem ido à Selecção, ou o tempo que o João Mário levou a chegar lá, acho que há, no mínimo, défice de coerência.Tenho o seleccionador na conta de uma pessoa íntegra, mas estas condescendências, mesmo que involuntárias, não o ajudam e não ajudam a Selecção.

Finalmente, como se sabe, Portugal ganhou um Mundial de juniores, sob a suspeita de ter um jogador, que terá mentido sobre a sua idade. Não sendo, como é óbvio, o caso do Renato, que só foi registado anos após o seu nascimento e não tem culpa disso, mas com o curriculum que Portugal infelizmente tem nestas coisas, não seria sensato certificar clinicamente, quantos anos ele tem ao certo?»
(Carlos Barbosa da Cruz, O Canto do Morais, in Record) 

Com a elegância e o respeito que a todos deve merecer a figura institucional do seleccionador nacional de futebol, o autor desta singular, inteligente, coerente, incisiva, quiçá corrosiva crónica, terá tido a coragem que a tantos faltará de, com forte dose de probabilidade, fazer abanar a consciência católica de Fernando Santos, que "tem na conta de pessoa íntegra", mas, "estas condescendências"...

Poucos admitiriam que Fernando Santos, antes de ser nomeado seleccionador nacional, se prestasse a "fretes"! Enganados, todos os que assim pensavam, metem neste momento a "viola no saco"! Afinal, o fervoroso católico, zeloso e escrupuloso cumpridor dos dez mandamentos da lei do seu deus, "tropeça" logo no primeiro, e...

Ama outro deus, que não o deus do catolicismo que professa!...

Leoninamente,
Até à próxima

5 comentários:

  1. Sobre a idade do Renato: que prova documental existe de que nascera num hospital 5 anos antes de ser registado? É que sem essa prova, o rapaz pode ter nascido quando o funcionário do registo calculou que "hum... ele não nasceu ontem, já deve ter uns 8 ou 9 anitos...só 2 ?...ná, não acredito. Olhe, ficamos por 5, está bem?"... sabe-se lá!

    Quanto às escolhas do sr Fernando Santos, deixo uma pergunta: será que este senhor trabalha à comissão?
    Se todos sabemos que F. Santos aposta em valores seguros, como explicar o Gonçalo Guedes (que deu no que deu, logo de seguida, ainda que o rapaz tenha qualidades)?
    E o Renato, quase sempre mal posicionado, a ter que refrear, perdendo qualidades, a sua "impetuosidade", vai à experiência? Então agora a selecção nacional serve de montra expositora, de catálogo de vendas?

    O exemplo de Gonçalo Guedes deveria ter servido de aviso. Mas não. Porque "outros valores mais altos se levantaram"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Então agora a selecção nacional serve de montra expositora, de catálogo de vendas?"

      Agora ?
      Desde que saiu o sargentao que assim é..
      (e mesmo com ele, tenho as minhas dúvidas, essa prática é banal no Brasil, convocar para subir valor de jogadores) .
      Então com o riscomeio foi uma desilusão.
      Não que estivesse iludido com ele como treinador mas pelo menos pensava que tinha coluna direita...Ups, afinal.

















      Eliminar
  2. So não vê quem não quer.... ou quem é desonesto ou lampião (bem, são sinónimos ! ).

    ResponderEliminar
  3. grande post ....sim senhor
    bela

    ResponderEliminar
  4. A mim, FS nunca me enganou, mesmo a sua costela "cristã" poderia merecer a sanção de JC aos fariseus, da hipocrisia e muito mais. Quem convoca GG, o deus-renato ou NS e nem olha para Rúben Semedo ou Gelson, não é de confiança. Eu já nem falo da dificuldade em convocar Adrien e que agora se considere Cédric imprescindível. O futebol federativo é uma TRETA. NÃO TENHO CULPA DE RECONHECER UM HIPÓCRITA À DISTÂNCIA!

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE