quinta-feira, 3 de março de 2016

Quando o vento e o tempo levarem o guarda-chuva a certa gente!...



Mora em minha casa, este belíssimo quadro, de autoria de um assumido benfiquista, que por acaso trabalhou para o Sporting durante a presidência de Dias da Cunha e que faz o favor de ser meu amigo e com o qual comungo muitos ideais e concepção de mundo, depois de o ter adquirido ao autor, por ocasião do 40º aniversário do 25 de Abril, numa exposição na C.M. de Marco de Canavezes, onde expôs uma belíssima colecção subordinada ao tema dessas comemorações: "Heróis Revolucionários"!...

O autor intitulou-o, num momento feliz, de "O cravo não é um guarda-chuva"! Eu terei tido o privilégio de perceber a sua mensagem! Muitos políticos da nossa terra, também a terão percebido, mas por lá vão continuando, debaixo do guarda-chuva!...

Mas o que me fez trazer aqui hoje esta obra, não tem nada a ver com política. Será um mero sucedâneo desta, exala o mesmo cheiro nauseabundo e corrompe tanto ou mais que aquela: o futebol!

No futebol também existe a figura do guarda-chuva! Que o digam Vale e Azevedo, José Veiga e... chegam-nos notícias de que Manuel Damásio também se terá esquecido da importância do guarda-chuva que deixou há muitos anos na Luz!...

Pois é, por certo que assistirá quem por cá ainda andar, a violentíssimas gripes... 

Quando o vento e o tempo levarem o guarda-chuva a certa gente!...

Leoninamente,
Até à próxima

5 comentários:

  1. Mas para isso meu amigo...
    É necessário que "o vento da Justiça" sopre tão forte...que nem "a varetas" ficarão direitas...!
    Temo que tarde ou nunca, teremos por aqui um "temporal desses"...!

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse terá sido o erro de Blatter e Platini, meu estimado amigo Max: acreditarem na palavra NUNCA!...

      SL

      Eliminar
  2. Não me esquecerei jamais que essa criatura quando era presidente das galinhas ter afirmado que descontava através do ordenado mínimo. Com a vida que levava e com os carrões que usava e só recebia «o ordenado mínimo». Nessa altura ninguém das finanças lhe tocou se fosse um trolha qualquer a dizer isso aqui del'Rei.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE