domingo, 16 de junho de 2019

Continuar a viver apenas de esperança!...



Muito dificilmente algum adepto sportinguista será capaz de explicar as razões pelas quais, em termos práticos e objectivos, volta de novo a ver confrontado, agora que se aproxima o final de mais uma época desportiva, com tamanha míngua de êxitos, vitórias e títulos que vão muito para além da modalidade rainha, o futebol que, ironicamente e a nível interno, acabou por ser das poucas capazes de lhes colocar algumas tristes migalhas, numa mesa que anseia há tanto tempo por ver, com razoável e permanente regularidade, farta e abundante...

De fracasso em fracasso, este 'lavar de cestos' de 2018/19, depois de sucumbir no futebol, no voleibol, no hóquei em patins e no andebol, tínha-nos remetido para a última esperança, o futsal, que hoje acabaria por constituir nova decepção, encerrando com 'chave de lata' uma época que  já nenhum de nós saberá muito bem dizer, se será para esquecer ou para lembrar durante muito tempo.

Será excessivamente redutor, quiçá até falacioso, repetir os argumentos invocados quase invariavelmente por uma considerável franja de responsáveis de uma das mais vivas, vibrantes e pujantes realizações dos sportinguistas, a blogosfera leonina: terão sido os 'mal-fadados ventos', exteriores à nossa 'insofismável capacidade', a ditar o nosso insucesso! Se tivesse sido o 'vento a tudo nos levar', onde estaria o mérito que todos os nossos principais técnicos, desde o futebol, ao voleibol, hóquei em patins, andebol e futsal, reconheceram sem pestanejar aos adversários?!...

É certo que, à excepção do futebol, discutimos com galhardia e até ao último segundo, cada título de que fomos sendo, sucessivamente, desapossados! Mas perdêmo-los todos, essa é que não deixará de ser, por mais voltas que possamos dar aos 'textos', a dura e incontroversa realidade...

As 'pequenas migalhas' alcançadas no futebol, tê-lo-ão constituído excepção, quando comparado com as 'revoluções' já anunciadas nas cúpulas e não só, em termos de voleibol e andebol. Quanto ao hóquei e ao futsal, será de acreditar e sinceramente desejar, que à justiça da continuação das equipas técnicas, lhes venham a ser concedidos os meios, materiais e humanos, que obviamente e de forma flagrante e quase ostensiva, vêm sobrando aos nossos adversários. Nunca ninguém fará o milagre de cozinhar omeletes sem ovos!...

Por isso importará voltar à questão colocada de início:"será 2018/19 uma época para esquecer ou para lembrar durante muito tempo"?!...

A resposta terá de ser dada, incontornavelmente, pelos responsáveis que, directa ou indirectamente, colocámos a frente dos destinos do Leão. E sendo um facto que de pouco valerá chorar sobre leite derramado, que a lembrança esteja sempre presente como única via para que a próxima época não venha a ser a repetição daquela que tão amargas recordações nos deixou.

A ambição do Sporting terá de entrar em total e completa rota de colisão com a triste e dura realidade que há muitos anos parece ter-se instalado em muitos sectores de Alvalade: a acomodação! E que essa ambição surja renovada e pujante, empurrada e obrigada a galgar por quem de direito, para patamares substancialmente diferentes daqueles que, sem legítima, atenta e  permanente cobrança, comodamente instalados e sem constrangimentos, apenas nos têm permitido uns 'serviços mínimos' desajustados à grandeza do Clube. O Sporting não deve, nem pode, nunca mais...

Continuar a viver apenas de esperança!...

Leoninamente,
Até à próxima

6 comentários:

  1. Então, mas houve os dois t´títulos europeus: do futsal e do hóquei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na quinta linha do postal de hoje, vincámos o "nivel interno" da nossa análise. Assim como no quinto parágrafo, sem citar essas vitórias, fomos suficientemente explícitos para quem o quiser, ou souber, compreender...

      Eliminar
  2. Discordo com a tese do post... À época foi excepcional... ainda que internamente não tenhamos ganho nada mas como referido foi até ao fim... Desportivamente é mesmo assim umas vezes ganha-se outras perde-se... isto num panorama escarlatizado do desporto nacional é por si só um feito... Para o ano, a manter-se o jejum poderemos avaliar de outra forma mas há ali muita gente que merece, no mínimo, o benefício da dúvida... As conquistas europeias (dois títulos e brilhante participação no andebol) não substituem nada mas são feitos brutais no meio desportivo honesto... Já o silêncio da estrutura perante o acontecido, particularmente, nesta final pre-definida, do futsal é-me, a mim, muito mais preocupante...

    ResponderEliminar
  3. Depois das conquistas da época transacta, era de esperar o contra-ataque dos nossos adversários -e eles fizeram-no, cada um em duas modalidades.

    Mas os sportinguistas exigem quatro, apesar dos minguados recursos...

    Acabar com modalidades, tal como foi feito no passado, não faz sentido algum, afinal até vem aí mais uma, o Basquetebol.
    Se dividir por 2 é melhor do que dividir por 3 e bem melhor do que dividir por 4, o que será a divisão do bolo em cinco fatias?
    Desejo ao CD toda a felicidade do mundo na angariação de sponsors, mas lá que vai ser um trabalho hercúleo, lá isso vai.

    Medir os êxitos de uma época apenas ao que se passou cá dentro, parece-me redutor. É muito difícil evitar que as conquistas europeias se façam sem custos internos: sobrecarga emocional e física, mais as viagens, picos de forma em momentos desajustados da competição nacional, etc, etc.
    SL

    ResponderEliminar
  4. Época digna do "presidente" que temos.
    Zero!
    Mesmo com a papinha toda feita pelo Presidente BdC, cometeu esta proeza de ganhar BOLA.
    ganda Vagandas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como se os zurros do Bítaro alguma vez chegassem aos céus!...

      São sempre os mesmos e cada vez mais reduzidos à sua insignificância!!!...

      Eliminar

PUBLICIDADE