sábado, 31 de dezembro de 2016

"Talvez esta seja mesmo a última oportunidade"!...


BRUNO DE CARVALHO ACELEROU OPOSIÇÃO


«Bruno de Carvalho (BdC) anunciou a recandidatura à presidência do Sporting e isso não constitui nenhuma surpresa. Ainda tentou gerar uma vaga de fundo em torno da possibilidade de não avançar para eleições, mas está visto que ninguém acreditou, até porque o mini-tabu para se transformar em tabu tinha de ser desencadeado e promovido de outra maneira. Surpresa foi, até certo ponto, o avanço de Pedro Madeira Rodrigues (PMR) para protagonizar uma candidatura, porque até à data não se conhecia qualquer propósito deste sócio do clube 'leonino' -- que se propusera ser vogal da Direcção de Pedro Baltasar nas eleições de 2011 -- em se tornar numa alternativa a BdC. E não perdeu tempo: "Bruno de Carvalho tem sido sinónimo de títulos. É verdade. Mas de títulos para um dos nossos adversários [Benfica]."

Ponto 1: "Sempre considerei -- na fase duradoura em que o Sporting se afundava, ano após ano, presidência após presidência -- que o clube de Alvalade precisava de mudar o rumo. Bruno de Carvalho impôs esse corte umbilical com a "dinastia roquettiana" e isso era vital para que o Sporting pudesse alimentar a esperança de ter uma nova vida, uma vez que, a manter a tendência de repetição dos mesmos equívocos no plano da gestão desportiva e financeira, a agremiação sportinguista acabaria num estado ruinoso. Disse-o várias vezes, pelo que não me parece legítima outra conclusão senão a de que o aparecimento de BdC na história do Sporting encerrou, desde logo, esse lado positivo.

Ponto 2: Bruno de Carvalho tinha lastro e militância sportinguistas e não há dúvida de que deu os passos essenciais, não tanto para ser presidente do Sporting, no que isso representa em termos de preparação para o cargo em toda a sua amplitude e transversalidade, mas para derrubar o antigo regime. Teve mérito e contou com o demérito dos seus adversários.

Ponto 3: Uma vez chegado à sua cadeira de sonho, mostrou demasiada pressa em ser diferente. Não é que a história do futebol português não conheça um lado extremamente negativo e não mereça uma intervenção crítica e reformadora. Há muito ainda a fazer para que o futebol português seja credível na sua organização e métodos e se coloque ao nível da excelência de alguns dos seus protagonistas. Por isso, o aparecimento de BdC vinha envolvido num manto de esperança - e daí o benefício da dúvida que muitos actores externos lhe deram, incluindo o autor destas linhas.

Ponto 4: Muito certo das suas convicções, BdC começou cedo a revelar um lado demasiado juvenil que muito o prejudicou. A irreverência tem um lado positivo mas deve ser administrada. Demasiada impulsividade -- como foi o caso no tratamento de vários dossiês -- pode tornar-se num defeito irreparável. Bruno de Carvalho achou que a diferença seria estabelecida pelo verbo e, na escolha do verbo, mostrou a sua maior fragilidade. Um presidente que não seja estratego não pode ser um bom presidente.

Ponto 5: Quer isto dizer que o desgaste de imagem de BdC corresponde a ausência de estratégia ou à escolha de uma estratégia errada? Inclino-me muito mais para a segunda hipótese, porque estratégia BdC tinha - visar "tudo e todos"; com essa estratégia, apenas não entendeu a inevitabilidade da acumulação de um tal desgaste de imagem que, na hora de não apresentar resultados desportivos -- aqueles que prometeu desde a primeira hora -- lhe iriam ser atirados à cara, mais tarde ou mais cedo.

Ponto 6: Bruno de Carvalho já tem idade suficiente para perceber que, na vida, as coisas não acontecem porque queremos. É preciso porfiar e acreditar, mas não basta querer. É preciso reunir à volta as condições necessárias para as coisas poderem acontecer mais facilmente e aí é que o presidente do Sporting falhou (na estratégia), redondamente. 

Ponto 7: Depois de, no arranque, fazer o mais difícil, isto é, mostrar capacidade para pacificar as relações com a banca, e tirar partido (para o SCP) de alguns entendimentos, BdC colocou-se numa posição de omnipotência e omnipresença ("trabalho 24 horas para o Sporting"), isolando-se mais do que devia.

Ponto 8: Só assim se compreende que a candidatura de Pedro Madeira Rodrigues, entretanto formalizada, tenha o beneplácito de muitos ex-apoiantes do actual presidente dos leões. E qual é, desde já, a mensagem? Aquela que se constituiu numa espécie de antítese de BdC: mais contenção, menos focos de conflito -- quase tudo no domínio da comunicação.

Ponto 9: O aparecimento da candidatura de PMR não é mais do que um autogolo de BdC. Nem todos os autogolos significam derrotas (como parece ser este o caso), mas é tempo de BdC perceber que talvez esta seja a última oportunidade para corrigir o que há a corrigir. E que a alternativa não tem de ser a hipocrisia.»
(Rui Santos, Pressão Alta, in Record)

Julgo ver nesta crónica de Rui Santos uma "carta aberta" dirigida específica e exclusivamente a Bruno de Carvalho.

Nessa condição, ainda que me mereçam alguma reflexão certos pontos abordados, entendo que não ofereceria nada de relevante aos sportinguistas e muito menos ao alvo para o qual aponta, se deixasse por aqui qualquer comentário, por mais simples e despretensioso que fosse.

Mas também penso que...

"Talvez esta seja mesmo a última oportunidade"!...

Leoninamente,
Até à próxima

4 comentários:

  1. Será que esta leitura chega ao nosso Presidente? Gostaria que sim. Ele precisa de mudar, algumas coisas, para o bem dele e de todos nós que acreditamos no nosso Presidente Bruno de Carvalho

    ResponderEliminar
  2. Eu diria:
    Será que esta leitura chega ao Presidente? Gostaria que sim. Ele precisa de mudar várias coisas, para o bem dele e de todos nós que acreditamos no nosso SCP.

    E acrescentaria:
    Além de corrigir a estratégia de comunicação, BdC necessita urgentemente de corrigir a política desportiva para o futebol que, a meu ver, deve ser influenciada mas não ditada por JJ.

    E talvez finalizasse dizendo:
    BdC deve, também, promover uma auditoria e apresentar o respectivo resultado antes das próximas eleições.

    SL

    ResponderEliminar
  3. Bruno de Carvalho, é o nosso Presidente, mesmo que de forma croquetesista não se goste de admitir. O nosso Presidente, não precisa de gastar dinheiro para fazer uma auditoria à sua gestão. Quem levou o clube à ruína e merece tudo de mal, são os croquetes ridículos.
    Descaramento não falta, só na construção do estádio existiu um desvio de 75% do valor, de 106 milhões, para 185 milhões quase 80 milhões que desapareceram. Mais 100 milhões de prejuízos das duas ultimas época, sem contar com os imensos prejuízos. Virem aqui comentar números, é do mais ridículo, pouco inteligente, desfasado da realidade, parvoíce, anormalidade, que existe. Esqueçam, já foram, paguem o que devem, larápios!

    ResponderEliminar
  4. As palavras "falam" por si mesmas. Medite(mos) então na mensagem de Rui Santos, particularmente no que respeita a "mais contenção e menos focos de conflito ... porque talvez esta seja a última oportunidade"; e que 2017 seja um ano de grandes sucessos desportivos leoninos.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE